Home Aviação de Ataque Força Aérea dos EUA compra aviões de ataque leve

Força Aérea dos EUA compra aviões de ataque leve

17380
83
Embraer A-29 Super Tucano
Embraer A-29 Super Tucano

No novo capítulo do embate A-29 versus AT-6, USAF vai comprar até três aeronaves de cada tipo

WASHINGTON – A Força Aérea dos EUA está oficialmente depositando seu dinheiro na compra de dois modelos diferentes de aeronaves de ataque leve.

O serviço comprará de duas a três unidades, das aeronaves Textron Aviation AT-6 e Sierra Nevada Corporation/Embraer Defense & Security A-29. Os poucos aviões serão usados ​​para apoiar “aliados e capacidade de parceiros, capacidade e interoperabilidade por meio de treinamento e experimentação”, de acordo com um anúncio da Força Aérea.

O contrato do A-29 Super Tucano deve ser concedido antes do final do ano, com o contrato do AT-6 Wolverine chegando no início de 2020.

O plano de compra de alguns aviões foi divulgado no início deste ano por oficiais da Força Aérea, mas as empresas provavelmente respirarão aliviadas agora que o acordo está fechado. A compra fornece uma demonstração muito necessária de confiança no projeto. As duas empresas investiram fundos internos no experimento de ataque leve da Força Aérea nos últimos dois anos e continuam esperançosas de que o serviço avance com uma compra maior de aeronaves de ataque leve no futuro.

As missões e bases para os aviões serão diferentes.

Os AT-6 irão para o Comando de Combate Aéreo da Base Aérea de Nellis, Nevada, para “testes e desenvolvimento contínuos de táticas e padrões operacionais para redes táticas e exportáveis ​​que melhoram a interoperabilidade com parceiros internacionais”, de acordo com o anúncio da Força Aérea. Os A-29 irão para o Comando de Operações Especiais da Força Aérea em Hurlburt Field, na Flórida, e serão usados ​​para “desenvolver um programa piloto de instrutores para a missão de Combat Aviation Advisory, para atender a crescentes solicitações de assistência de ataques leves em nações parceiras”, diz o release.

A-29 versus AT-6

“Nosso foco é como uma aeronave de ataque leve pode ajudar nossos aliados e parceiros quando enfrentam extremismos violentos e realizam operações dentro de suas fronteiras”, afirmou o chefe do Estado-Maior da Força Aérea, David Goldfein. “A continuação desse experimento, usando as autorizações fornecidas pelo Congresso, nos dá a oportunidade de colocar um pequeno número de aeronaves no ritmo e trabalhar com as nações parceiras em maneiras pelas quais aeronaves menores e acessíveis como essas podem apoiar suas forças aéreas.”

As experiências continuarão com o foco na criação de uma arquitetura conjunta e compartilhamento de informações.

A Força Aérea dos EUA disse que o financiamento para as compras iniciais do AT-6 e A-29 sairá dos estimados US$ 160 milhões em fundos não gastos que o Congresso destinou ao trabalho em orçamentos anteriores. O Congresso destinou US$ 200 milhões no total para o projeto desde que foi anunciado no final de 2016.

Beechcraft AT-6 Wolverine
Textron Aviation AT-6 Wolverine

FONTE: Defense News

Subscribe
Notify of
guest
83 Comentários
oldest
newest most voted
Inline Feedbacks
View all comments
Vitor Lajes
Vitor Lajes
8 meses atrás

Assim os americanos não perdem

Grozelha Vitaminada Milani
Grozelha Vitaminada Milani
Reply to  Vitor Lajes
8 meses atrás

Made in Brasil.

Build in USA.

O resto é mímimi. Chorou? Porque não se junta as viúvas chorona recalcadas da Engesa?

PRAEFECTUS
PRAEFECTUS
8 meses atrás

A realidade do que está escrito aí é a seguinte;

O AT-6 será usado para desenvolver táticas e padrões operacionais, coisa mais suave…

E, o A-29 será usado para treinamento de combate, o que demonstra evidentemente, que como aeronave de combate, o A-29 é extremamente superior.

Na verdade buscaram um jeitinho de satisfazer ao fortíssimo lobby da Textron, porque de fato o AT-6 foi derrotado e é desnecessário.

Grato

DOUGLAS TARGINO
DOUGLAS TARGINO
Reply to  PRAEFECTUS
8 meses atrás

Todos lá sabem que o A-29 vai ganhar e é melhor.

Tony
Tony
Reply to  DOUGLAS TARGINO
8 meses atrás

É melhor mesmo

PRAEFECTUS
PRAEFECTUS
Reply to  DOUGLAS TARGINO
8 meses atrás

Já que estamos falando do Super Tucano, uma curiosidade pra vocês. Meses atrás quando da visita do comandante da Força Aérea da Ucrânia ao Brasil onde ficou demostrado o interesse destes pelo EMB-314 Super Tucano ( inclusive o general Drozdov chegou a voar com um Super Tucano do 3º esquadrão do 3º Grupo Aéreo da FAB na Base Aérea de Campo Grande MS), a mídia russa (vejam bem como eles jogam…) chegou a publicar matéria com os seguintes dizeres sobre o fato “Força Aérea da Ucrânia apela para pica-paus da brasileira Embraer…” Pois é, os russos jogam pesado na retórica… Read more »

Alison Lene
Alison Lene
Reply to  PRAEFECTUS
8 meses atrás

Fonte???

PRAEFECTUS
PRAEFECTUS
Reply to  Alison Lene
8 meses atrás

Bom Alison,

um conselho, é que tome iniciativa e faça sua pesquisa na net no sentido de confirmar ou não uma noticia…

Mas pra facilitar ao mandrião aqui vai…

https://armystandard.ru/news/t/20198161115-DtFGI.html

Grato

Gustavo
Gustavo
Reply to  PRAEFECTUS
8 meses atrás

Jeitinho brasileiro né …

PRAEFECTUS
PRAEFECTUS
Reply to  Gustavo
8 meses atrás

Pois é Gustavo…

Leandro Assis
Leandro Assis
Reply to  PRAEFECTUS
8 meses atrás

O lobby da Textron deve ser muito forte mesmo pois não faz sentido ficar gastando dinheiro comprando e utilizando o AT-6, eles já deviam ter levado um pé na bunda e ficado apenas o Super Tucano que é infinitamente superior

Denis
Denis
Reply to  Leandro Assis
8 meses atrás

Verdade. E tem também o fator do orgulho americano: é difícil pra eles admitirem que o “14-Bis” (ST) é muito superior ao “Flyer” (AT-6).

Joao Argolo
Joao Argolo
8 meses atrás

É pouco mas é só o começo. Isso tira aquela ideia de que o acidente prejudicou as vendas. Eu já sabia. Eu já sabia. Eu já sabia.

Marcos10
Marcos10
Reply to  Joao Argolo
8 meses atrás

Até porque, conforme ficou evidenciado em relatório, a falha foi do piloto em não compensar a aeronave após o lançamento da carga, fazendo com que a aeronave fizesse o rolamento, entrando em estol.

Marcos10
Marcos10
8 meses atrás

Tem excelente vídeo da Embraer sobre a visão dos engenheiros e o futuro.

nadison paz
8 meses atrás

Na verdade é notório que o A-29 e melhor porem acho que faltou incentivo para que o mesmo so comprassem os A-29

Wilson Marcos Santos
Wilson Marcos Santos
Reply to  nadison paz
8 meses atrás

Não faltou incentivo não. O Lobby americano é muito forte para a aquisição de produtos exclusivamente americanos. A Embraer Defesa conseguiu amenizar isso instalando a fábrica de montagem com a Sierra Nevada Corporation, que, não é uma tradicional empresa, como a Textron. Contudo, diferente de nossos congressistas que pouco estão se lixando para a perda de empregos nas industrias, nos EUA, quando uma empresa fecha, existe muita pressão. Logo, comprando algumas unidades da Textron, mesmo que não seja para a finalidade específica de contra insurgência e combate aproximado, já que ineficiente para isso, eles atendem a demanda de fabricação mínima… Read more »

Otavio
Otavio
Reply to  Wilson Marcos Santos
8 meses atrás

Os americanos não se preocupam com as empresas falidas, veja o caso da PanAn, a maior empresa de aviação. Serviços de baixa tecnologia foram todos para China por exemplo as siderúrgicas que empregavam muitas pessoas. Já na área militar é diferente, são dois modelos semelhantes de aeronaves e que eles querem dominar as técnicas e procedimentos para usa-las em cada situação. Claro que o A29 é superior mas em certas situações o T6 se sai melhor é eles querem descobrir onde cada um é melhor.

Camargoer
Camargoer
Reply to  Otavio
8 meses atrás

Caro Otavio. Ocorreu o contrário na crise de 2008. A GE e a GM faliram por perderem o crédito bancário, e foram socorridas pelo FED. Bancos e seguradoras também faliram e foram socorridas com dinheiro público (por emissão de moeda). Foram mais de US$ 700 bilhões injetados nas empresas apenas para cobrir prejuízos (esse dinheiro não foi usado para ampliar a capacidade de produção nem foi criar empregos). Isso há dez anos atrás.

Jorge Marques
Jorge Marques
Reply to  Wilson Marcos Santos
8 meses atrás

Aqui é o inverso… Governo só tirando conquistas dos trabalhadores e os empresários acumulando grana pois não criaram novas vagas…o que é esperado do pensamento em geral do empresariado brasileiro.

Rinaldo Nery
Rinaldo Nery
Reply to  Jorge Marques
8 meses atrás

Quais conquistas foram retiradas?

Jorge Marques
Jorge Marques
Reply to  Rinaldo Nery
8 meses atrás

A reforma, a nosso ver é nítida e direcionada a favorecer empregador, retira a isonomia entre a força de trabalho x empregador, procura ainda dificultar e amedrontar o empregado na busca do seu direito impondo o risco de condena-lo, sendo sucumbente, a custas periciais e honorárias. A defesa cotidiana de que nos EUA o empregado praticamente não tem direito, mas todos querem trabalhar, data vênia, é uma bobagem repetida sem pensar. ” Usar como parâmetro um País líder mundial em PIB (Produto interno Bruto), a maior potencia mundial como referencia autorizaria o mesmo pensamento em outras áreas, então desarmaríamos a… Read more »

Cleber Freitas
Cleber Freitas
Reply to  Jorge Marques
8 meses atrás

mimmimiimimimiimimimiimimimiimimimi

Camargoer
Camargoer
Reply to  Rinaldo Nery
8 meses atrás

Olá Cel.Nery. O capitalismo do Sec XIX era desumano. Jornadas de 12 ou 15 horas, trabalho infantil, alto índice de acidentes no trabalho, todo tipo de assédio. Todos os países que se industrializaram ao longo do Sec XIX seguiram esse modelo, inclusive os EUA. Os sindicatos nascem como um movimento de classe em oposição à burguesia (industriais e financeira). Nos EUA, os sindicatos foram violentamente reprimidos pela polícia e por milícias privadas (Pinkerton, por exemplo). As duas principais datas trabalhistas, o 01 de maio e o 08 de março, têm origem em protestos que resultaram na morte de trabalhadores (e… Read more »

Carlos Alberto Soares
Carlos Alberto Soares
8 meses atrás

Vão comprar o lote grande meio a meio.

Luiz Trindade
Luiz Trindade
8 meses atrás

Ridículo! Só assim para atenderem o fabricante do AT-6. O Super Tucano provou ser superior em tudo. Mas o que esperar do Tio Sam? Digo novamente… É realmente ridículo esse contrato!

Marcos10
Marcos10
Reply to  Luiz Trindade
8 meses atrás

Por hora é um contrato de 2+2 ou 3+3 para avaliação.

nonato
nonato
Reply to  Luiz Trindade
8 meses atrás

Pois não é…
Se fosse a Rússia, teria ficado com o Super Tucano…

Rodrigo Martins Ferreira
Rodrigo Martins Ferreira
Reply to  Luiz Trindade
8 meses atrás

Isto é que nem o LCS… política no meio…

Wilson Marcos Santos
Wilson Marcos Santos
Reply to  Luiz Trindade
8 meses atrás

Ridículo por que? Porque os americanos realmente defendem sua industria de defesa? Hoje isso não acontece mais, mas, nos anos 50 a industria americana conseguiu que o governo Canadense deixasse de produzir um caça que seria muito mais eficiente que qualquer produto americano, sendo destruídos todos os protótipos e ferramental, o Avro Canada CF-105 Arrow. Então, eles se protegem. Hoje tendo em vista os investimentos, eles se associam a outras empresas, como a Boeing fez com a SAAB para o substituto do F 38 Taalon. Logo, Para que a Textron (que já está com problemas financeiros pois já foi absorvida… Read more »

Jorge Marques
Jorge Marques
Reply to  Wilson Marcos Santos
8 meses atrás

Se alguém falar sobre defender empresas brasileiras neste espaço é criticado…já os americanos é normal…vai entender esse nacionalismo reverso!!!

Flanker
Flanker
Reply to  Luiz Trindade
8 meses atrás

É sua opinião e a respeito…mas, eles poderiam simplesmente não comprar nenhum A-29 e dar todo o contrato para o Textron……eu prefiro vender a metade de um contrato do que vender nada. E para todos que criticam a venda da Embraer, está aí uma licão de como um Estado defende e incentiva a sua própria indústria de alta tecnologia.

Rommelqe
Rommelqe
8 meses atrás

O fato que os A29 estão sendo comprados e serão usados ​​para “…..desenvolver um programa piloto de instrutores para a missão de Combat Aviation Advisory, para atender a crescentes solicitações de assistência de ataques leves em nações parceiras”. Assim pode-se pressupor que serão compradas mais unidades para emprego com os pilotos treinados com base neste novo lote. Já o seu “concorrente” ainda terá que desenvolver um perfil operacional não bem definido…Me parece que esta compra é para ressarcir o prejuizo com os testes anteriores arcado pelo fabricante que deve ter disponibilizado as tres unidades iniciais,… que (já?) estão no “Comando… Read more »

Billy
Billy
8 meses atrás

A-29 Matador de terroristas agora voando nas cores da USAF!!

Carlos Campos
Carlos Campos
8 meses atrás

A29 é superior, sem mas ou mais

nonato
nonato
8 meses atrás

Vão ganhar tempo para o Wolverine aperfeiçoar.

teropode
Reply to  nonato
8 meses atrás

Só se fizerem outro a partir do Zero .

Ricardo Barbosa
Ricardo Barbosa
Reply to  nonato
8 meses atrás

Problemas do Wolverine são estruturais, de projeto, não tem como remendar.

Rodrigo Martins Ferreira
Rodrigo Martins Ferreira
8 meses atrás

Mais uma vez a tese dos teólogos do apocalipse que os “americanos nunca comprarão um avião estrangeiro” caiu por terra…

Por mais que eles ignorem os muitos projetos de aeronaves e demais sistemas estrangeiros estejam operacionais nas 5 FFAA americanas.

Agora vão falar…

Aiiimmm mais vai ser fabricado na Sierra Nevada…

1. Isto é exigência da legislação deles;
2. Não sei dizer o percentual, mas certamente tem mais coisas feitas fora do Brasil no ST que no Brasil e a parte daqui continuará sendo feita aqui e enviada para lá

pampapoker
pampapoker
Reply to  Rodrigo Martins Ferreira
8 meses atrás

A mais pura verdade, o pessoal esquece que o motor e de fora, que os avionicos são de fora,as armas são de fora, assentos de fora…… Acho que só a estrutura e os projéteis (cbc) são daqui. Não lembro se o trem de pouso e da Eleb., Pneus. Preciso rever minhas revistas, pena que estou fora de casa para ver.

Rommelqe
Rommelqe
Reply to  pampapoker
8 meses atrás

O que o pessoal mais esquece é da concepção do projeto…que é “daqui”. Aliás esse pequeno “fator ” é tão insignificante que ate as ilhas fidji estão exportando AT6 ….

Rommelqe
Rommelqe
Reply to  Rommelqe
8 meses atrás

É isso aí: vai ali no mercado da esquina e compra uma turbina, junta com um pneu e ve se voa…

gabriel
gabriel
8 meses atrás

Rapaz, essa novela tá parecendo o FX 2, nunca tem fim

Camargoer
Camargoer
8 meses atrás

Olá Colegas. Parabéns para quem trabalha, mas eu mentiria dizer que essas noticias empolgam.

Rodrigo Martins Ferreira
Rodrigo Martins Ferreira
Reply to  Camargoer
8 meses atrás

Por via de regra, quando algo não agrada ou empolga as luletes…

É bom para o país.

Camargoer
Camargoer
Reply to  Rodrigo Martins Ferreira
8 meses atrás

Caro Rodrigo. Em outros momentos expliquei que eu e a Embraer temos praticamente a mesma idade. Meu primeiro contato com a aviação militar foi um Xavante. Fiquei triste pela venda da empresa. Muita gente acha que isso foi ruim para o país. Nessa altura, isso não conta mais. Ao contrário do ranço ideológico que ainda maltrata muita gente, o que sinto é mais parecido à perder um amor. Há quem seja incapaz de compreender isso.

Saldanha da Gama
Saldanha da Gama
Reply to  Camargoer
8 meses atrás

Caro Camargoer, o meu sentimento foi de perder um parente amado, tipo pai, mãe ou irmão ainda novos e com saúde. Me doía muito ler que foi melhor assim, pois, sozinhos não conseguiriam sobreviver mesmo sendo referência técnica, pioneirismo e liderança no seu nicho de mercado. Abraços

Camargoer
Camargoer
Reply to  Saldanha da Gama
8 meses atrás

Caro. Quem vendia disse que era melhor.. quem comprava também… Não muda nada. Na hora que subir a escada de um E195 vai estar escrito Boeing ali ao lado da turbina

Hermes
Hermes
Reply to  Camargoer
8 meses atrás

E só para relembrar, a parte militar não foi vendida…

Camargoer
Camargoer
Reply to  Hermes
8 meses atrás

Olá Hermes. Vai ser difícil entrar em um E195 com marca Boeing… Já pensou o Corinthians virando “Barcelona Soccer Sporting”?. Claro que o Barcelona e mais time, melhor estrutura, mais fotos, mais títulos… E daí?

Hermes
Hermes
Reply to  Camargoer
8 meses atrás

Sim, mas sempre é bom lembrar que a parte militar continua Embraer, pois muitos desconhecem, confundem e até desinformam sobre isso. Felizmente você não é um deles.

Camargoer
Camargoer
Reply to  Hermes
8 meses atrás

Olá Hermes. Você tem razão sobre a confusão que ficou a venda da Embraer. Talvez a FAB tenha batido o pé em ficar com a parte militar…. Talvez a Saab tenha batido o pé… Sei lá. Acho que a empresa militar não vai aguentar porque perdeu a sinergia com o mercado civil. Talvez o governo terá que estatiza-la para continuar fazendo o F39. Os outros dois produtos militares seriam o A29 do KC390 que correm o risco de serem produzidos nos EUA apenas….

Sagaz
Sagaz
Reply to  Camargoer
8 meses atrás

Tá triste desde a década de 90? Ela é uma empresa privada desde então, com maioria societária de estrangeiros!

Camargoer
Camargoer
Reply to  Sagaz
8 meses atrás

Olá Sagaz. Eu disse que estou triste pela empresa perder o nome…a identidade … Como disse, há quem seja incapaz de compreender esse sentimento de perda, coisa de quem amou um dia.

nonato
nonato
Reply to  Alexandre Galante
8 meses atrás

Não entendi o objetivo do post.
Mas resumo que é: propaganda das qualidades do A29 e o destaque de que, mesmo sendo estrangeiro, é fabricado nos Estados Unidos e, portanto, pode ser comprado sem problemas.

Rodrigo Martins Ferreira
Rodrigo Martins Ferreira
Reply to  Alexandre Galante
8 meses atrás

Como os outros 100% dos sistemas estrangeiros que eles usam são american made..

Se foram projetados lá, são outros 500

John
John
Reply to  Alexandre Galante
8 meses atrás

Exatamente oque esta no poster, toda a eletronica e avionica sempre foi Norte Americana, apenas o projeto eh brasileiro e recebeu apoio financeiro para seu desenvolvimento nas respectivas datas das decadas anteriores. Entretanto, um dos projetistas brasileiros aparentemente se vendeu e repassou alguns daqueles desenhos iniciais do inicio do desenvolvimento do Tucano para os Turcos posteriormente, dando formato para criar o TAI Hürkuş.

luiz antonio
luiz antonio
8 meses atrás

Baita desperdício. Para concorrer com o AT-6 bastava mandar um Ipanema com dois canhões de 20 mm. Kkkkk…brincadeirinha (mas não muita).

Sidy
Sidy
8 meses atrás

Eu costumo dizer que, quando achamos uma história mal contada, é porque normalmente não conhecemos uma parte dela.
Esta aquisição das duas aeronaves é no mínimo esquisita. Alguém sabe de precedentes como este por parte da USAF?
Só nos resta fazer conjecturas. Por tudo que li, o A-29 parece ser superior. Só consigo acreditar que o lobby do concorrente é poderoso.

Marcos10
Marcos10
Reply to  Sidy
8 meses atrás

Lá tem muito jogo de compadre. A Boeing perdeu o contrato para o F35, mas não reclamou, que por força de normas pré-estabelecidas, é uma sub contratada da LM.

Matheus
Matheus
8 meses atrás

Nada diferente do que fizeram aqui com a Odebrecht, só molhar a mão do engravatado que tu consegue um contrato, diferença que lá é mais as escondidas.

Kemen
Kemen
8 meses atrás

O T-6 teve projeto inicial como treinamento, o resto foi puro upgrade para gerar o AT-6.
O A-29 foi um projeto novo aproveitando o que se conheceu e a experiência com o Tucano, a manutenção do nome “Tucano” não tem nada a ver. Outro tamanho, outro motor, outra extrutura, eletrônica de navegação e combate, suporte para armas, etc, etc.
Eita patriotada, sabem qual é o melhor para tudo, mas sabe como é né… Texan – texano…

Fighting_Falcon
Fighting_Falcon
8 meses atrás

Uma dúvida.
No caso dessas concorrências americanas, o nosso também tem partes desse modelo, onde tem que ter partes produzidas no país, nesse caso entendo que quase toda aeronave, não seria discutível no âmbito da OMC esse modelo?
Ou por ser equipamento de defesa não cabe esse tipo de interpelação junto àquela Organização?

Mgtow
Mgtow
8 meses atrás

Pra mim tanto faz. A Embraer não é mais nossa mesmo.
Alcantara não é mais nossa mesmo. Os entreguistas canalhas doando todo o patrimonio criando por nosso grande militares nacionalistas do passado, com o aval desses generais de pijama que aí estão tutorando o cãozinho raivoso que usa faixa de presidente

Renato
Renato
8 meses atrás

Depois de fornecer para o Afeganistão e treinar seus pilotos os EUA ainda tem dúvidas sobre doutrinas operacionais e equipamentos? …

100nick-Elã
100nick-Elã
8 meses atrás

A Turquia acabou de fechar contrato para compra de 36 SU-35. Cadê a notícia, Poder Aéreo?

Fernando "Nunão" De Martini
Fernando "Nunão" De Martini
Reply to  100nick-Elã
8 meses atrás

Sério? Fechou agorinha mesmo, em pleno domingo?

Porque até anteontem a notícia que correu foi que russos e turcos estariam perto de fechar negócio. Nada ainda muito diferente de notícias de julho, agosto e setembro.

Se você tem link de notícia deste fim de semana sobre acordo fechado, por favor compartilhe aqui para os editores do site checarem.

100nick-Elã
100nick-Elã
Reply to  Fernando "Nunão" De Martini
8 meses atrás

Ok, desculpe “Nunão”, realmente a notícia não confirma a compra, mas apenas preparativos.

https://theduran.com/turkey-close-to-purchasing-russian-su-35-jets-after-lockheed-deal-blocked/

Foi precipitação da minha parte. Sorry.

Fernando "Nunão" De Martini
Fernando "Nunão" De Martini
Reply to  100nick-Elã
8 meses atrás

Tranquilo, 100nick-Elã, qualquer um pode se precipitar. As desculpas vc pode pedir, se quiser, aos dois editores do site, não sou mais editor há 3 anos, apenas colaboro esporadicamente.

Bardini
Bardini
8 meses atrás

Pra mim, já virou um baita de um enrolation…
.
A USAF parece não querer nada disso, e está tentando dar um jeito de empurrar isso ai até onde der, inventando avaliações e mais avaliações.

Vinicius Momesso
Vinicius Momesso
8 meses atrás

Esse manobra “facil” a 9 Gs.

Peterson Borges Rodrigues
Peterson Borges Rodrigues
8 meses atrás

O A-29 já provou que é superior ao rival.
Acredito na Vitória do A-29.

Salim
Salim
8 meses atrás

Quanto sera tot que eles irão pagar?!?!??! Porque aqui tem tot e lá não!?!! Lá eles defendem o bem publico e o emprego, quer vender arma arranja um sócio aqui e baixa preço. Temos muito aprender.

Renato B.
Renato B.
Reply to  Salim
8 meses atrás

Por que eles não precisam

Salim
Salim
Reply to  Renato B.
8 meses atrás

Náo porque governo americano paga desenvolvimento, depois vendem pro mundo todo gerando lucros e empregos, vide f35. Aqui pagamos tot do tot, vide submarinos, helicópteros, aviões e por ai vai. Temos muito aprender.

Victor Filipe
Victor Filipe
Reply to  Salim
8 meses atrás

Porque os EUA vão querer tot de um aparelho que a maior parte dos componentes é fabricada e foi desenvolvida por eles mesmos?

Salim
Salim
Reply to  Victor Filipe
8 meses atrás

Exato, independência e isto, por terem o conhecimento, exigem fabricação lá e preço baixo, se náo eles produzem. O AT6 e só a tranca na porta.

Sincero Brasileiro da Silva
Sincero Brasileiro da Silva
8 meses atrás

Vou explicar: O Super Tucano pertence ao EUA! Eles fabricam, eles vendem, eles faturam! Entenderam? O resto é choro…

tadeu54
8 meses atrás

Até que enfim ! Depois de gastarem muitos milhões em horas-vôo com F-16, F-15 e F-18 ( e desgastarem brutalmente a frota ) vão começar a operar uma aeronave adequada, eficiente e com um custo que é uma fração das que estavam sendo usadas !
Claro que fica a pergunta inevitável: Porque demoraram tanto ?

Luiz Antonio
Luiz Antonio
Reply to  tadeu54
8 meses atrás

Com licença: o amigo não está comparando F-15; F16 e F-18 com o A-29 não né?

Fernando Lacerda
Fernando Lacerda
8 meses atrás

Eu só não atendo como a Ucrania irá usar o A-29 no conflito contra os rebeldes que querem se anexar a russia…

Se eu nao estou enganado eles tem uma bateria anti aerea consideravel, e o A29 seria uma alvo muito fácil para eles.

Eles derrubaram um B777 da malaysia airlines a 45 mil pés a alguns anos atrás pensando que fosse o avião do presidente ucraniano

Luiz Floriano Alves
Reply to  Fernando Lacerda
8 meses atrás

Derrubar ST é preju. O misssil custa mais caro. O piloto alertado pelo alarme se ejeta.