Home Divulgação Resultados da Saab no período de janeiro a setembro de 2019

Resultados da Saab no período de janeiro a setembro de 2019

2164
7
Primeiro Gripen E da Força Aérea Brasileira – Foto: Saab

Mensagem do Presidente e CEO, Håkan Buskhe:

Forte volume de pedidos, crescimento orgânico e melhora contínua da margem

Nos primeiros nove meses de 2019, a Saab registrou forte volume de novos pedidos e crescimento orgânico de 11%. A evolução está em linha com os objetivos da Saab de crescimento continuado da receita e aumento da margem. A Saab manteve o foco na implementação dos seus principais programas. A sua execução dentro do planejado é a base do desenvolvimento da Saab, juntamente com novos investimentos em tecnologia e internacionalização.

Pedidos
Novos pedidos somaram SEK 19.093 milhões (17.183) nos primeiros nove meses do ano. Diversos pedidos contribuíram positivamente para o resultado do trimestre, com destaque para o pedido do Ministério de Defesa da Finlândia para o fornecimento e integração de sistemas de combate para as novas corvetas finlandesas, como parte do programa Squadron 2020. Este é um marco importante para a Saab, já que representa um cliente referência em sistemas de combate avançados, integração e sensores. Além disso, a busca de outros países pela aquisição desses sistemas avançados é estrategicamente importante para a Saab.

O número de pequenos pedidos continuou crescendo em relação ao terceiro trimestre de 2018. O aumento do número de pedidos pequenos e médios tem sido um dos objetivos da Saab. A demanda de mercado permanece forte e a Saab vislumbra boas oportunidades de negócios no futuro.

Receita e lucro operacional

A receita no acumulado do ano somou SEK 24.855 milhões (22.138), levando a um crescimento orgânico de 11%. O aumento é explicado principalmente pela área de negócios Dynamics, além do forte desempenho das demais áreas de negócio.

A receita operacional atingiu SEK 1.739 milhões (1.142), acompanhada de margem operacional de 7,0% (5,2%). A Saab manteve o seu foco principalmente na implementação e entrega de projetos importantes, enquanto buscou, ao mesmo tempo, desenvolver com eficiência negócios menores e recorrentes.

Os esforços para aumentar a eficiência e a produtividade são contínuos e as medidas adotadas se traduziram em aumento da margem operacional no período em relação ao terceiro trimestre de 2018. O trabalho de adaptação do portfólio de produtos também avançou. A Saab manteve seus esforços de digitalização e automação das operações e, no trimestre, avançou vários passos na gestão mais eficiente de mercados e vendas, como através da nomeação de um Chief Marketing Officer, que integrará a Administração do Grupo.

Fluxo de caixa operacional

O fluxo de caixa operacional totalizou SEK -4.356 milhões (-5.197), em linha com a previsão anunciada anteriormente para 2019. O fluxo de caixa negativo é atribuído principalmente ao alto volume de conclusão de grandes contratos da Saab, principalmente na divisão Aeronautics. A Saab mantém a sua visão de que o fluxo de caixa operacional atingirá níveis melhores no consolidado do ano de 2019 em relação a 2018, devido a importantes pagamentos esperados para o quarto trimestre.

Mudança de CEO

No terceiro trimestre, Håkan Buskhe anunciou que deixará o cargo de Presidente e CEO da Saab. Com isso, o Conselho nomeou como seu sucessor Micael Johansson, que assumirá o cargo em 23 de outubro.

Projeção para 2019

Esperamos que o crescimento da receita em 2019 fique em linha com o objetivo financeiro de longo prazo da Saab: crescimento orgânico da receita anual de 5%.

A margem operacional em 2019, excluindo itens não recorrentes relevantes, deve melhorar em relação a 2018, aproximando a Saab da sua meta financeira de longo prazo de registrar margem de 10% ao ano em um ciclo de negócio.

Destaques econômico-financeiros

2) O retorno sobre o patrimônio líquido é mensurado considerando os últimos 12 meses.

3) O EBITDA referente aos nove primeiros meses de 2019 é impactado pela adoção da prática contábil IFRS 16, pelo acréscimo de MSEK 293 na linha depreciação. Para mais informações, vide nota 16.

O relatório parcial, o material de apresentação e o webcast estarão disponíveis em www.saabgroup.com/investor-relations

DIVULGAÇÃO: MSLGROUP/Publicis Consultants

Subscribe
Notify of
guest
7 Comentários
oldest
newest most voted
Inline Feedbacks
View all comments
MFB
MFB
9 meses atrás

Gripadinho tem que chegar logo. Está bem perigoso para os nossos pilotos continuar voando em relíquias.

Tadeu Mendes
Tadeu Mendes
9 meses atrás

Parece que a Saab, nao tem uma linha de montagem como a da LM.

Eu gostaria de saber quantos Gripens a Saab vai montar por ano?

Enquanto isso, os pilotos da FAB e da MB, seguem voando em museus com asas.

Antoniokings
Antoniokings
Reply to  Tadeu Mendes
9 meses atrás

Tadeu

Não há como comparar as duas empresas
A LM é quase que totalmente dependente do Governo americano, que faz sempre compras vultosas.
Se o Governo anunciar, hoje, que vai parar de encomendar produtos dela, a empresa vai à falência amanhã.
Em que pese o enorme endividamento estatal para fazer essas compras, é assim que eles vão levando a vida..

teropode
Reply to  Antoniokings
9 meses atrás

Já as empresas russas e chinesas de defesa não passam por este problema de depender do Estadão kkkkkkkkkkkkkk hilários kkkkkkkk

Antoniokings
Antoniokings
9 meses atrás

Excelente notícia.
Mais um competidor de peso nesse mercado difícil.
Enquanto isso, saíram os resultados da Boeing (desastroso) e LM (muito bom).
Quase toso o resultado da LM está lastreada em encomendas do Governo americano.
Uma maravilha.

Wellington Rossi Kramer
Wellington Rossi Kramer
Reply to  Antoniokings
9 meses atrás

E quem mais poderia comprar produtos da LM senão um governo?

Antoniokings
Antoniokings
Reply to  Wellington Rossi Kramer
9 meses atrás

Acho que vc não entendeu.
A SAAB está garimpando clientes no Mundo inteiro e não ficou pendurada no Governo sueco.
Além disso, a Suécia não faz compras militares vultosas (que nem sabemos a real necessidade) para encher a pança de empresas privadas e seus acionistas em detrimento dos contribuintes.