Home Aviação de Ataque Tailândia inicia busca de novo caça para substituir o F-16

Tailândia inicia busca de novo caça para substituir o F-16

4326
50
F-16 da RTAF

A Força Aérea Real da Tailândia (RTAF) pretende substituir sua frota de caças F-16A/B na Ala 1 e em breve será formado um comitê para elaborar o Conceito de Requisitos do Projeto (COPR).

O chefe da Força Aérea ACM Maanat Wongwat indicou que o licitante vencedor terá que permitir à Tailândia acessar o código do software do caça para desenvolvê-lo para suas próprias necessidades.

A RTAF subestimou os informes de que planeja adquirir uma nova frota de caças caros de alta tecnologia – incluindo os aviões de combate multifuncionais F-35, fabricados nos EUA.

O comandante da força aérea disse que a força aérea tem uma política de não comprar aeronaves “prontas”, e o fabricante do F-35 ainda não vendeu seu jato para um comprador que queira participar do desenvolvimento dos aviões de combate e de programas de software.

“Estamos implementando uma política de ‘compra e desenvolvimento’ em nossos planos de compras, que pretendemos começar a aplicar nos próximos 3-5 anos”, disse o chefe da força aérea, que assumiu o cargo este mês.

Um requisito fundamental da nova política da força aérea, que chama de Conceito de Requisitos do Projeto (COPR), diz que a força aérea só comprará equipamentos estratégicos e de defesa se for autorizada a participar do desenvolvimento do software usado para operar os produtos.

A força aérea espera obter ganhos com a transferência de tecnologia e experiência no processo.

“Temos também de colocar nosso coração e alma nas armas e equipamento militar que vamos comprar”, disse o ACM Maanat.

Gripens da Tailândia - Foto Katsuhiko Tokunaga
A Tailândia adquiriu 12 Gripens em 2011. A substituição dos F-16 da RTAF abre uma nova oportunidade para a Saab vender mais caças –  Foto: Katsuhiko Tokunaga

“Não é que a estrutura da aeronave não seja tão importante, mas o software também é importante, pois é o cérebro de um avião de combate. É por isso que precisamos participar do desenvolvimento”.

Uma fonte da RTAF disse que a força aérea está se preparando para criar um comitê para elaborar o COPR para a compra de uma nova frota de caças, que será anunciada quando a RTAF começar a procurar potenciais fornecedores de jatos.

Como disse o chefe da força aérea, um requisito é que o fornecedor ideal tenha que permitir que a força aérea desenvolva em conjunto o software para operar a aeronave. Detalhes ainda estão sendo elaborados.

Esses novos caças serão comprados para substituir a antiga frota de 54 caças F-16 que estão em serviço há mais de três décadas, disse a fonte, acrescentando que a frota é mantida e usada pela Divisão da 1ª Asa em Nakhon Ratchasima.

“No entanto, a RTAF não comprará novos jatos nos próximos dois anos, durante os quais precisaremos estudar e negociar o COPR”, disse a fonte.

Embora o F-35 seja uma aeronave avançada que todas as forças aéreas gostariam de ter, a RTAF precisa levar em consideração as especificações para ver se os jatos atendem às necessidades da Força de Defesa Tailandesa.

Como tal, disse a fonte, é “altamente improvável” que a RTAF escolha os F-35, considerando seu alto preço.

FONTE: Bangkok Post

Subscribe
Notify of
guest
50 Comentários
oldest
newest most voted
Inline Feedbacks
View all comments
OSEIAS
OSEIAS
7 meses atrás

Mercado agitado para a SAAB. Veremos o que eles conseguem.

Carlos Gallani
Carlos Gallani
7 meses atrás

Como eu disse no post anterior, esse é o tiro da Saab, tem tudo pra dar certo, o cliente conhece a plataforma, ToT é um baita diferencial, custo tbm… se não vender agora não vende nunca mais!

Bryan
Bryan
7 meses atrás

Daqui a pouco alguém fala que o Brasil deveria comprá-los. Rs!

Camargoer
Camargoer
Reply to  Bryan
7 meses atrás

Olá Bryan.. “como pode uma país de menor PIB renovar a sua frota e a FAB voando de F5-forever? Enquanto isso, uma república bananeira que teve sonhos de superpotência gasta todo o orçamento em pensões para filhas-solteironas. Com essa constituição sueca para uma economia paraguaia inviabiliza os investimentos externos. Um programa de fabricação nacional jamais seria possível no BraZil devido a corrupção”.

Bryan
Bryan
Reply to  Camargoer
7 meses atrás

O conceito de PIB não é mais utilizado como parâmetro para indicar as riquezas de um país. É um conceito ultrapassado. Por outro lado, a Tailândia tem interesses políticos e militares diferentes e, por isso, não podemos comparar. Sobre a questão das pensões militares, esta já não é mais realidade há muitos anos. Existem aquelas que ainda percebem, mas também não é um fator impactante. Isto já foi informado pelos comandantes militares no Congresso quando inquiridos. A Constituição Federal não é ruim. Talvez você não tenha conhecimento jurídico suficientemente. Você quer uma constituição tal qual a americana? Você não terá… Read more »

Camargoer
Camargoer
Reply to  Bryan
7 meses atrás

Caro Bryan. O que fiz foi apenas repetir os argumentos que aparecem aqui na trilogia. O seu primeiro comentário foi sensacional e muito inteligente. Parabéns. Achei que seria fácil entender a ironia do que escrevi. Não foi. Sou um fanático defensor da CF88 e até bastante criticado por isso. Concordo quase todos os seus argumentos, principalmente sobre ver o PIB sem levar em conta IDH e GINI. Também acredito no modelo do SUS da na ampla defesa dos direitos trabalhistas. Concordo com praticamente tudo que você rebateu meu comentário irônico (inclusive do meu conhecimento jurídico insuficiente).

ednardo curisco
ednardo curisco
7 meses atrás

Gripen é um excelente candidato. Tailandia não tem esta grana toda e a Suécia faz leasing de aviões e tem vários modos de contratação.

teropode
Reply to  ednardo curisco
7 meses atrás

O Gripen não vai ser comprado por mais ninguém, excelente peso galo mas sem um player de peso para sombrea-lo , a não ser que a Boeing resolva bancar isto junto com sua futura aquisição, a SAAB .

Camargoer
Camargoer
Reply to  teropode
7 meses atrás

Caro Terapode. Temo que alguém tenha a ideia de vender a SAAB para a Boeing.

Mauro Oliveira
Mauro Oliveira
Reply to  ednardo curisco
7 meses atrás

As vezes eu fico impressionado como as pessoas avaliam caça pelo tamanho. Fodao só se for bimotor e grande. E ai eu lembro do recorde de abates do F-16……

ednardo curisco
ednardo curisco
Reply to  Mauro Oliveira
7 meses atrás

meu apartamento tem telas nas janelas, geralmente só uso uma chave mesmo na porta. O prédio não ter portaria mas do meu ap até a rua tem o portão e a porta de vidro. estamos colocando sistema de câmera. é uma segurança boa para o bairro que moro e para o preço que pago. ——— Países quando investem em segurança tem que observar capacidade orçamentária e riscos. O Gripen atende bem a necessidade de pelo menos 2/3 dos países do mundo. Até porque é melhor 1 gripen voando que um Rafale/F35/Su35 no chão.

ednardo curisco
ednardo curisco
Reply to  ednardo curisco
7 meses atrás

A tailandia é um país pobre e vai ter que comprar o que puder.

Se ela puder gastar mais um pouquinho, vai de Gripen, que é o mais barato entre os top de linha. talvez ela consiga pegar vários caças da Suécia que deve começar a por na reserva à medida que entrem os novos Gripen.

Mas a hipótese dela pegar um novo lote de f16 semi-velhos é possível, que sairia bem mais barato, ela mantém cadeia de fornecedor e consegue apoio.

Denis
Denis
7 meses atrás

Isso aí foi um recadinho do coração da Tailândia para a Saab. 😀

Augusto L
Augusto L
7 meses atrás

Na minha opinião somente essas concorrências onde o comprador faz o requisito de ToT que a SAAB tem chances contra o F-16, fora disso uma compra por FMS é sempre a melhor opção.

Hilton
Hilton
7 meses atrás

103 caças F16 A/B!!! É isso mesmo?

Lucianno
Lucianno
Reply to  Hilton
7 meses atrás

Não são 56 F-16, 34 F-5 e 11 gripen (eram 12 mas um caiu).

Hilton
Hilton
Reply to  Alexandre Galante
7 meses atrás

Não por isso e aproveitando, como faço para habilitar a minha foto como alguns participantes do fórum?

Guilherme Poggio
Reply to  Hilton
7 meses atrás

Hilton, basta editar sua conta no WordPress, caso já tenha.

Antunes Neto
Antunes Neto
Reply to  Guilherme Poggio
7 meses atrás

Ressuscitei meu login do WP, e consegui entrar aqui.

valeu demais, mestre Poggio.

Antunes Neto
Antunes Neto
Reply to  Antunes Neto
7 meses atrás

Errei aqui.

Fabio Mayer
Fabio Mayer
7 meses atrás

A decisão lógica é adquirir mais 80 ou 100 gripens… mas nada impede de menos gripens e um, ou dois esquadrões de F-35, F-15, Su-35, Rafale, etc…

João Moro
João Moro
7 meses atrás

Por questões de logística de peças e manutenção, o Gripen seria o ideal. Ainda mais que agora tem o Gripen E/F, versões mais atualizadas que rivalizam com outros mais famosos como Rafale e Eurofighter.
Para o Brasil seria interessante ter mais nações utilizando o equipamento. Nós poderíamos ser até um grande fornecedor de peças e serviços para a Tailândia, conforme for o contrato da SAAB.

AMSS
AMSS
7 meses atrás

O cara descreveu a propaganda do Saab nas condições de compra kkkkkkk

Nenhum dos concorrentes concorda em passar o código-fonte das aeronaves.

A única que mostra isso abertamente é a Saab com o Gripen.

Se a Tailândia substituir os mais de 100 F-16 por um lote de 64 Gripen F já garante uma produção de cerca de 200 Gripen F mundialmente, com a possibilidade de mais lotes entre os operadores e até novos países o utilizando.

Horizonte está cada vez mais azul para a Saab.

Carlos Gallani
Carlos Gallani
Reply to  AMSS
7 meses atrás

Fora a Tailândia eu não vejo horizonte azul não!

Willber Rodrigues
Willber Rodrigues
7 meses atrás

Se eles realmente escolherem com o ToT sendo um dos ceiterios, a SAAB tem boas chances.
Sera que o Tio Sam venderia novas versões do F-16 com o código-fonte abertos?

Filipe Prestes
Filipe Prestes
Reply to  Willber Rodrigues
7 meses atrás

Ainda que a LM quisesse assim, a palavra final sempre será do Congresso. Assim fica difícil esperar alguma ToT americana a não ser para os aliados mais próximos.

Willber Rodrigues
Willber Rodrigues
Reply to  Filipe Prestes
7 meses atrás

Faz sentido…

Naamã
Naamã
7 meses atrás

Isso pode ser uma ótima notícia para a Embraer.

Renato
Renato
7 meses atrás

Se bem entendi uma das exigências da Tailândia é o acesso ao código fonte da aeronave, o que implica dizer que os caças americanos estão fora dessa concorrência.

Kemen
Kemen
7 meses atrás

Se a Tailandia quer caças superiores aos seus F-16 monomotores e com a mesma capacidade de missões a escolha certa seriam os Gripen E/F, pelo que entendi, Open Architecture seria uma exigencia ou pelo menos desejável. Stealth: O F-35 no meu entender cobre bem funções ar-terra, ar-mar, mas funções ar-ar são melhor desempenhadas pelos tambem furtivos Raptor que sairam de produção ou outros não furtivos disponíveis no mercado norte americano, além do mais, esperar que a Lockheed Martin abra a arquitetura acho impossivel. Vamos ver quem vai ser convidado a apresentar propostas ou se vai ser uma compra direta… Os… Read more »

Augusto L
Augusto L
Reply to  Kemen
7 meses atrás

Todos caças são open architeture.
Não confunda isso com restrições ao “acesso” de código fonte.
É tipo IOS e Android, os 2 são Open architeture mas a apple não permite quê outros usem o seu mas você pode desenvolver aplicativos para o seu sistema.

Kemen
Kemen
Reply to  Augusto L
7 meses atrás

Caro Augusto, vc esta confundindo a origem do meu comentario, volte a ler o comentario do ACM Maanat… “Não é que a estrutura da aeronave não seja tão importante, mas o software também é importante, pois é o cérebro de um avião de combate. É por isso que precisamos participar do desenvolvimento”. Ora colega, qualquer caça disponível no mercado já tem seu software desenvolvido e pronto, a única coisa possivel de participar é na integração de armas que ainda não foram integradas. Portanto só é possivel analisar e estudar a arquitetura do sistema (Open Architecture) já disponível. O que você… Read more »

colombelli
colombelli
7 meses atrás

É a melhor alternativa que os suecos terão de emplacar mais Gripens E e F. Devem se concentrar o máximo nesta possibilidade.

Filipe Prestes
Filipe Prestes
Reply to  colombelli
7 meses atrás

Não esquececendo também a Colômbia e a Finlândia

Wellington Góes
Wellington Góes
Reply to  colombelli
7 meses atrás

Pouco provável. Já mais C/D é bem mais plausível.

Gabriel BR
Gabriel BR
7 meses atrás

Muita chance de dar Gripen

teropode
7 meses atrás

F 16 block 70 , caminho natural e menos traumático, 48 aeronaves .

Antunes 1980
Antunes 1980
7 meses atrás

Por que a Tailândia não faz uma cotação de SU-35?

FAB
FAB
Reply to  Antunes 1980
7 meses atrás

Quem chance

FAB
FAB
Reply to  FAB
7 meses atrás

Correção: Sem chance

100nick-Elã
100nick-Elã
Reply to  Antunes 1980
7 meses atrás

Motivos político-ideológicos.

Andre
Andre
7 meses atrás

“Embora o F-35 seja uma aeronave avançada que todas as forças aéreas gostariam de ter…”

Sempre assim…quem é do meio quer, quem é só apaixonada, acha uma porcaria.

Tomcat
Tomcat
7 meses atrás

Esses países que ficam na Península da Indochina, entre a China e Índia, estão na que talvez possa ser uma das regiões mais quentes hoje, geopoliticamente falando. Esses países não podem dar bobeira…

Aldo Ghisolfi
7 meses atrás

E a Argentina? Andrei Koshkin explicou que, em 2017, a Argentina encomendou à Rússia um lote de pelo menos 15 caças MiG-29. Segundo ele, o reinício das negociações sobre o contrato acontecerá após as eleições presidenciais. Em uma entrevista ao serviço russo da Rádio Sputnik, Andrei Koshkin, responsável do Departamento de Ciências Políticas e Sociologia da Universidade de Economia Plekhanov, explicou por que acredita no sucesso da aquisição. “Eu acredito que, do lado da Argentina, são passos calculados. […] Um contrato assim não pode ser implementado rapidamente, do ponto de vista técnico, ainda há muito a fazer e a situação… Read more »

Filipe Prestes
Filipe Prestes
Reply to  Aldo Ghisolfi
7 meses atrás

Se nem o FA-50 eles tiveram grana e brio pra comprar, imagina MiG-29… Eles vão de Pucará “Fénix” que segundo eles é uma “nova versão” do IA-58 Pucará dedicado à vigilância e patrulha. Na prática, são as mesmíssimas células com um ou dois pods e a substituição de seus obsoletos motores Garrett 331 por P&W Canada R-4600. Mas o bicho é “novo”, viu…

Fábio
Fábio
Reply to  Filipe Prestes
7 meses atrás

Acredito que não seja os SMT e sim os 29C. O problema talvez não seja nem a aquisição mas sim a operação. Imaginem ao darem partida nos RD 33: Solta tanta fumaça que irão dizer que os pampas estão pegando fogo…

Colombelli
Colombelli
Reply to  Aldo Ghisolfi
7 meses atrás

Compra da argentina e igual o saci ou a cuca. Ninguem viu. So ouvem falar.

Wellington Góes
Wellington Góes
7 meses atrás

Ótima oportunidade para passar em frente as 14 células de C/D não finalizadas, especialmente, com o software MS20 e outros quetales…….

Leonardo Rodrigues Lopes
Leonardo Rodrigues Lopes
7 meses atrás

Nesse caso, está mais fácil para a Saab. Mas a Saab (Gripen) e a Embraer (KC-390), cada uma com seu produto, ou em parceria para o JAS-39 E/F, precisam ter uma boa agressividade no mercado. Não adianta ter um bom produto e não conseguir vendê-lo. O F-16 V ou outras versões não são fáceis de bater, além de outros concorrentes. Só o que a Força precisa aprender do início para chegar a um bom nível operacional na aviação de caça, por exemplo, já é um obstáculo importante. É preciso mostrar e demonstrar para que vejam que adquirir essas aeronaves é… Read more »