Home Força Aérea Brasileira Ministros da Defesa do Brasil e da Suécia reúnem-se em Linköping

Ministros da Defesa do Brasil e da Suécia reúnem-se em Linköping

3106
102

O Ministro da Defesa do Brasil, Fernando Azevedo, e o seu homólogo sueco, Peter Hultqvist, reuniram-se em Linköping (Suécia) nesta segunda-feira (9/9).

Na ocasião, eles manifestaram o interesse mútuo de intensificar as Parcerias Estratégicas entre ambos os países, como a que resultou na produção do Gripen, aeronave que será entregue pela Saab nesta terça-feira.

Cerca de 300 convidados participarão da celebração do primeiro Gripen brasileiro na terça-feira.

FONTE: Ministério da Defesa

102
Deixe um comentário

avatar
16 Comment threads
86 Thread replies
0 Followers
 
Most reacted comment
Hottest comment thread
40 Comment authors
Doug385MBP77Observador.Rico ZohoCarlos Recent comment authors
  Subscribe  
newest oldest most voted
Notify of
Adelino Abath
Visitante
Adelino Abath

Será que vai rolar um leasing?????

Leandro Costa
Visitante
Leandro Costa

Leasing de que?

Hugo Vigneron
Visitante
Hugo Vigneron

Impossível.

Gabriel
Visitante
Gabriel

Esquece essa história de leasing, se a FAB fosse alugar algumas unidades do JAS 39 Gripen C/D, teria feito isso lá em 2014 ou 2015, inclusive eles até cogitaram fazer isso, mas não foi adiante por alguns motivos, entre eles a falta de verba.

Minuteman
Visitante
Minuteman

Deveriam é discutir a entrada do Brasil no programa FS 2020, afinal a Turquia deu para trás.

Observador.
Visitante
Observador.

Lí em algum lugar, que a algum tempo atras, os suecos tinham interesse tocar esse projeto com ajuda dos orientais, especificamente Coreia do sul e Taiwan, seria mesmo interessante se o Brasil sondasse essa parceria.
Resta saber se seria realmente frutífero, já que a Saab recentemente se comprometeu com a BAE no desenvolvimento do Tempest.

Rico Zoho
Visitante
Rico Zoho

Deveria rolar mais uma encomenda de 36 Gripens e a venda para a Suécia de pelo menos uns oito KC-390. Mas acho que vai ser mais relações públicas que qualquer outra coisa.

DOUGLAS TARGINO
Visitante
DOUGLAS TARGINO

Eles deveriam discutir uma defesa anti aérea!

Fernando
Visitante
Fernando

E caças servem pra que?

Marcelo Machado
Visitante
Marcelo Machado

Certamente, não dá pra basear toda a defesa antiaérea em caças. Precisamos de baterias de SAMs. Urgentemente.

Leandro Costa
Visitante
Leandro Costa

Caças = Defesa Aérea
AAA/SAM’s/Etc. = Defesa Antiaérea.

Podem dizer que estou sendo precioso. Mas não acho.

E sinceramente, defesa em camadas é bem melhor do que apenas um único tipo de ‘counter air.’

Space Jockey
Visitante
Space Jockey

Tudo tem por objetivo derrubar aviões inimigos.

Fernando
Visitante
Fernando

Bom saber.

Art
Visitante
Art

Caça é defesa Aérea, Defesa Antiaérea é formada pelos meios de Artilharia Antiaérea. Defesa Aeroespacial é defesa aérea, mais a defesa Antiaérea.

Carlos
Visitante
Carlos

O caça é uma arma militar de destruição e serva para a proteção de um país através de principalmente persuasão ou seja só em ter um caça em condições de funcionamento…
ninguém vai querer arrumar briga com um país cuja as defesas são fortes e capazes de causar um belo prejuízo a quem por algum motivo resolver a ataca e para isso o caças é uma peça principal…

Leandro Costa
Visitante
Leandro Costa

O caça em alerta decola, intercepta e identifica o alvo, emparelha com ele, lança olhares charmosos, larga uma lábia estilo carioca inspirado na fonia e persuade o intruso à dar uma chavecada no aeródromo indicado pelo CINDACTA? 😀

Poder de persuasão da FAB é issaê!

Não resisti, foi mal…

Satyricon
Visitante
Satyricon

Bamse

Hugo Vigneron
Visitante
Hugo Vigneron

Uma boa noticia dessa conversa seria um segundo lote dos caças para Brasil.

Carlos
Visitante
Carlos

Ainda é cedo para um Segundo Lote de GRIPEN , nem começamos a pagar esse primeiro lote de 36 Aviões .
E quanto a defesa Anti Aérea quase certeza que não vai nascer daí não , Apostaria na MBDA CANN

Leandro Costa
Visitante
Leandro Costa

Discordo. O segundo lote tem que começar à ser discutido JÁ. Nem parece que levamos míseros 40 e poucos anos até selecionarmos uma nova aeronave de combate… É importante manter a linha de produção aberta o máximo de tempo possível, se não para manter uma escala de produção, conservar postos de trabalho especializados e baratear o custo operacional e de aquisição de mais aeronaves para a FAB, que seja pelo menos para atrair o maior número possível de clientes externos.

Carlos
Visitante
Carlos

Paga primeiro aquele Fiado , depois Você Gasta Mais ,…….

Leandro Costa
Visitante
Leandro Costa

Carlos, quando o plano é de governo, medida paliativa ou eleitoreiro, a gente fala que não tem dinheiro. Quando é plano de Estado, algo que se enquadre em um planejamento de longo prazo com dividendos cada vezes maiores à nação, a gente se endivida direitinho sem problema.

José Airton
Visitante
José Airton

Caro Leandro, É preciso termos a certeza do que foi proposto, está realmente aprovado. O avião tem tudo para ser espetacular, está sendo testado e precisará ser feito em ambiente ao qual foi proposto. Concordo com muito do que vc disse em seus argumentos. Só acho ainda prematuro. Saudações.

Leandro Costa
Visitante
Leandro Costa

Eu comentei, mas não sei se saiu porque me embananei no teclado hehehehe.

Mas José, eu concordo com você que não devemos adquirir mais unidades de uma aeronave que não atende nossos requisitos, e é por isso que a FAB está super envolvida no projeto, acompanhando cada passo dado lá na Suécia. Mas acredito que as tratativas possam ser adiantas com essa condicional quando, e se, for decidido que é o caminho à ser seguido.

Rommelqe
Visitante
Rommelqe

É indispensável que a compra de um novo lote seja realizada em tempo hábil, pois caso contrario havera um lapso no suprimento de componentes, ociosidade nas fabricas, etc, e como consequencia, o Brasil perderá grande parte do ganho financeiro almejado com esta forma de contratação. Não consigo acreditar que possamos ainda discutir se técnicamente foi uma decisão acertada a ponto de termos que certifica-la com vários elementos já operando.

nonato
Visitante
nonato

Se as entregas começam em 2021 e terminam em 2024, nada que não possa ser resolvido em dezembro de 2023.

Luiz A Silva
Visitante
Luiz A Silva

Concordo como Leandro, precisamos planejar e planejamento a curto, medio e longo prazo. Se fossemos mais organizados nao estariamos nessa situacao complicada, falando financeiramente. Planeje os proximos 20, 30 anos e vai ajustando dw acordo com a capacidade financeira, perigo iminente, tecnologia, nescessidade e por ai vai

Mauricio R.
Visitante

A linha de produção que importa e a única capaz de incorporar ganhos de escala e baratear a aquisição e a operação do produto, é aquela em Linköping.

MBP77
Visitante
MBP77

Leandro;

Já está sendo discutido e não é de hoje:
*
https://www.aereo.jor.br/2019/02/15/saab-negocia-segundo-lote-de-cacas-gripen-e-com-o-brasil/
Sds.

Gabriel
Visitante
Gabriel

Cedo coisa nenhuma, aliá a FAB já tá em conversação para a aquisição do segundo lote de 36 gripens, não mistério nenhum nisso daí, dentre dois ou três ano a FAB deve anunciar oficialmente a aquisição desse segundo lote.

Victor Moraes
Visitante
Victor Moraes

Tudo bem que se deva adquirir mais aviões. Mas, espere, estes novos aviões, este novo lote não deveria ser produzido no Brasil? Pela Embraer?

FELIPE
Visitante
FELIPE

Hugo Vigneron, acho que temos que aproveitar o interesse mútuo para atrelarmos o segundo lote à um pedido do KC-390 pela Força Aérea Sueca.

FABRICIO SAMPAIO
Visitante
FABRICIO SAMPAIO

E a entrada no projeto FS 2020!

Mauricio R.
Visitante

Dificilmente deve ocorrer, os suecos tem um MoU com o Team Tempest.
Ao qual os italianos já se juntaram oficialmente.

Gelson
Visitante
Gelson

Que venha o primeiro, parabéns!
Mas,…trezentos convidados!?
Precisa tudo isso?

Fernando "Nunão" De Martini
Editor
Famed Member

Gelson, isso inclui delegações de outros países interessados no caça.

Hugo Vigneron
Visitante
Hugo Vigneron

Então isso pode ser muito bom para o projeto,Quanto mais gente interessada , mais as chaces de vendas.

Gelson
Visitante
Gelson

Fernando,
é claro que haverá delegações de outros países interessados. Mesmo assim ainda tenho na memória a “festa” de lançamento do Sub Riachuelo.
Para algumas coisas essenciais não há verbas. Já para outras…
Desculpe, estava só considerando a alegada situação de penúria das FFAA, MD…enfim!
Sem dúvida é um marco importante e deve ser prestigiado.
Abraços.

Luís Henrique
Visitante
Luís Henrique

Gelson, quem vai pagar a conta é a SAAB, não o governo brasileiro. A apresentação é na Suécia. E eles convidam delegações militares para mostrarem seus produtos e pessoal da mídia para divulgarem seus produtos em diversos países.
Se parar para pensar, 300 pessoas é até pouco.

Leandro Costa
Visitante
Leandro Costa

Gelson, posso estar enganado, mas acho que boa parte do evento, senão ele todo, está sendo bancado pela SAAB…

Fernando "Nunão" De Martini
Visitante
Fernando "Nunão" De Martini

Gelson, certamente há uma boa parcela dos convidados que está indo com despesas bancadas pelo Estado: autoridades políticas e militares com suas equipes, não só do Brasil, mas de outros países, cada país pagando seus representantes na celebração. Mas também há diversos representantes de empresas envolvidas no programa, cada uma bancando a viagem de seu pessoal: Embraer, Akaer, AEL, entre outras . Há jornalistas do Brasil e de mais países, cada um viajando ou a convite da Saab ou por conta de suas empresas de comunicação. Há também jornalistas, autoridades e militares da própria Suécia, além de profissionais da Saab… Read more »

Gabriel BR
Visitante
Gabriel BR

Em breve o segundo lote será encomendado

Victor Moraes
Visitante
Victor Moraes

Encomendado para quem? A ToT não teve a função de capacitar a Embraer para este segundo lote?

Luiz Floriano Alves
Visitante

Ofe4receram parceria no caça de quinta geração? A força sueca exige um aparelho mais moderno. Quem tem Putin como vizinho não pode brincar em serviço.

Mauricio R.
Visitante

Os suecos estão interessados no Tempest. Então essa discussão é com os britânicos e quem sabe, talvez com os italianos.

Jsilva
Visitante
Jsilva

Considerando que as encomendas do primeiro lote terminam em 2024 e que um prazo máximo para um segundo lote ser contratado, sem afetar a linha de produção, seja em 2022, está mais do que na hora de começar as conversar PRELIMINARES (quantidade, forma de pagamento, preço) sobre um futuro segundo lote.

Rommelqe
Visitante
Rommelqe

Caro Jsilva: mesmo com o primeiro lote as fabricas brasileiras ficarão com uma capacidade ociosa relativamente grande. Como a FAB terá que substituir todos os F-5 /A1 e ainda considerando que os (“poucos mas muitos” ) A4 serão também descontinuados, eu ja contrataria um segundo lote desde ja, prevendo uma cadencia de, pelo menos, quatro unidades/ano adicionais, a partir de 2022. Note que se esse segundo lote incluir 36 unidades, somente em 2031 teríamos quantidade total suficiente para compor algo em torno de 5 alas…. e os primeiros vetores ja estariam com mais de 10 anos de operação. Também espero… Read more »

Fernando "Nunão" De Martini
Visitante
Fernando "Nunão" De Martini

Jsilva
Tem matéria aqui no site sobre essas conversas já terem começado.

Carlos Alberto Soares
Visitante
Carlos Alberto Soares

Teremos novidades, uma nova compra já foi decidida.
Estão acertando os detalhes.
Breve, mais breve do que podemis imaginar.

Principal motivo ?
Amazônia

Pacau em Bia Vista-RR ?

Carlos Alberto Soares
Visitante
Carlos Alberto Soares

Erros ortográficos, estou com sérios problemas de visão.

Minuteman
Visitante
Minuteman

Carlos, tem fonte dentro da FAB?

Victor Moraes
Visitante
Victor Moraes

E a ToT, serve para que? Não deveriam ser produzidos pela Embraer?

JOAO
Visitante
JOAO

Lote adicional do Gripen?🤨

Entusiasta Militar
Visitante
Entusiasta Militar

temos que nos aprofundar essas parcerias existe um leque de parceria com a suécia, isso vai desde 2 lote caças, novos navios, armas e equipamentos diversos para serem comprados no âmbito de acordos entre países.

Marcos
Visitante
Marcos
Jon
Visitante
Jon

Pessoal anda bem iludido com segundo lote, se soubessem que o Brasil está custando pagar o primeiro. O primeiro caça vem no final de 2021. Podem anotar.

Fernando "Nunão" De Martini
Editor
Famed Member

Jon, entregas em 2021 de caças para o primeiro esquadrão constam desde 2015 nos cronogramas divulgados, publicados aqui e extensamente debatidos. Qual a novidade pra anotar?

Jon
Visitante
Jon

Corrigindo a minha publicação; será 2022. No money no fighter.

Marcos
Visitante
Marcos

Fonte: As vozes em minha cabeça

É fácil chegar aqui e publicar um monte de merd. sem qualquer fonte para dar o mínimo de embasamento aos argumentos. Mostre dados de que o Brasil está custando para pagar o primeiro.

Boa noite

Jon
Visitante
Jon

A fonte sou eu mesmo. Acredite quem quiser, quem está envolvido no projeto sabe dos cortes orçamentários. Em 2022 eu te lembro quem anda falando merd. Aqui.

Gabriel
Visitante
Gabriel

O que tem a ver uma coisa com a outra? tu é burro? a primeira unidade vem oficialmente no primeiro trimestres de 2021, não tem essa de “money” tá no contrato independentemente de qualquer coisa, aposto como tu é daqueles bobões que viviam falando que o Gripen nem sairia do chão kkkk

Jon
Visitante
Jon

Que isso que descontrole emocional é esse jovem. Eu torço pra ter 108 unidades mas virão apenas 36 com muito custo. Não se iluda entusiasta.

Flanker
Visitante
Flanker

Humm…..entendi! Mas, e o contrato, que determina que o pagamento se iniciará somente depois da entrega da última aeronave do lote de 36 unidades? Como fica? Mudaram o contrato e nós não ficamos sabendo?

Minuteman
Visitante
Minuteman

Você não sabe de nada Jon.

Doug385
Visitante
Doug385

Como, se o financiamento só começará a ser pago após as entregas?

Victor Moraes
Visitante
Victor Moraes

Um segundo lote não deveria ser produzido no Brasil, pela Embraer? E a tal de ToT? Serve para que?

Leandro Costa
Visitante
Leandro Costa

Victor, muito provavelmente serão todas construídas aqui sim, mas ainda é um produto SAAB e a compra precisa ser negociada, e contratada né? Mesmo se tivesse como o Brasil simplesmente construir essas aeronaves sem falar com ninguém (o que não é possível fazer), isso seria considerado uma rasteira das brabas hehehehehe

Victor Moraes
Visitante
Victor Moraes

Parece que a rasteira foram eles quem deram… Que @#$% ToT é este que não se tem liberdade para construir quando e como se quer? Ainda mais considerando que foi divulgado que a patente deste diferente Gripen, E, seria Brasileira… Ó nóis tomanu lá di novu…

Fernando "Nunão" De Martini
Editor
Famed Member

Vitor, você está mal informado. A transferência de tecnologia nunca foi pra construir o avião inteiro aqui, e sim partes dele, integração e montagem final, projeto, códigos-fonte, entre outros itens considerados de interesse pela FAB, MD e indústrias do setor.

Tem dezenas e dezenas de matérias aqui no site sobre isso. Sugiro pesquisar e ler, porque você está debatendo a partir de premissas totalmente erradas.

Victor Moraes
Visitante
Victor Moraes

O triste é quando damos respostas, e elas não são publicadas por serem constrangedoras aos debatedores, editores e governo.

Doug385
Visitante
Doug385

O contrato tem regras claras. Muito já foi debatido a respeito dele. Não há nenhuma surpresa. Deve se informar melhor antes de levantar questões que podem ser constrangedoras para si mesmo.

Mauricio R.
Visitante

A defesa anti aérea de que necessitamos, os suecos não tem. Estão comprando Patriot.
E o 2º lote somente após o 1º haver sido completamente entregue, viu Embraer e estar em operação a pelo menos uns 5 anos. Disponibilidade não inferior a 95%.
Ai quem sabe.

Vitor
Visitante
Vitor

A minha pergunta é quanto ao cronograma de teste deste caça Brasileiro. Como ele vai contribuir e que tipo de atividades e testes ele passará? Quantas horas de voo se espera desta aeronave para contribuir com o programa Gripen E? Quantas aeronaves Brasileiras serão entregues até o 2020? Elas vão ser operadas por pilotos brasileiros na Suécia e farão parte do esquadrão de treinamento até o seu translado até o Brasil em 2021? Referente ao treinamento dos pilotos Brasileiros, eles farão formação e treinamento junto com os pilotos suecos? Como será esse treinamento quantos pilotos se estimam e quantas horas… Read more »

Minuteman
Visitante
Minuteman

O Brasil poderia ser convidado a participar do programa FS 2020 da Saab, eles precisam de parceiros para o seu caça stealth de 6ª geração.

A parceria no Gripen abriu essa ótima oportunidade.

Victor Moraes
Visitante
Victor Moraes

Eu não sei exatamente, mas os comentaristas estão falando que o Ministro da Defesa pode estar negociando um segundo lote dos caça Gripen. Mas se for isto talvez, com todo respeito, nosso Ministro está precisando tomar algumas doses de Ritalina. Jesus! Não se pagou caro pela tal de “Tranference of Technology?” Não houve a capacitação da EMBRAER para fabricar tais aviões? Se ele realmente está negociando novo lote de caças com a SAAB não me sobra outra opção a não ser comparar ele com um Brasileiro. Isto está parecendo Brasil! Quando começa o carnaval?

Leandro Costa
Visitante
Leandro Costa

Victor, para ser curto e tentando não ser grosso, SE a EMBRAER Defesa (aquela que não foi vendida para a Boeing), usar o conhecimento adquirido com a ToT, simplesmente DESENVOLVER por conta própria uma NOVA AERONAVE de caça, seja de 4.5++++++++++ ou de 5a geração, aí não se negocia aquisição de nova aeronave com ninguém mais além de EMBRAER. Enquanto se negocia a compra de SAAB GRIPEN, se negocia com a SAAB. A ToT não quer dizer que compramos o projeto para fabricarmos quantos quisermos, da forma que quisermos. E mesmo assim, quando existem aeronaves fabricadas fora do país de… Read more »

Victor Moraes
Visitante
Victor Moraes

Eu acho que você está enganado… se for como você diz, todos fomos enganados… Quem compra o projeto “e” a “PATENTE” tem liberdade para fazer “o que quiser”.

Leandro Costa
Visitante
Leandro Costa

Depende do contrato, Victor. Vou dar outro exemplo. Só vou fazer isso porque já sou careca mesmo, então não vou me descabelar. Lembra-se quando a MB contratou a Vosper para a fabricação das Fragatas Classe Niterói? O projeto foi comprado, tivemos transferência de tecnologia e know-how de fabricação, etc. Por causa disso pudemos inclusive nós mesmos fazer todas as atualizações e substituição de sistemas aqui mesmo, além de fabricarmos unidades dessa Fragata. Foi um marco na história da MB, do AMRJ, etc. A tecnologia absorvida com esse programa das fragatas, foi usada para projetar o Navio Escola Brasil, as corvetas… Read more »

Victor Moraes
Visitante
Victor Moraes

Eu posso estar enganado mas eu li e ouvi do então ministro da defesa na época da assinatura do contrato que a patente seria nossa. Nós pagaríamos por isto também. Assim, quem tem patente, pode tudo. É o proprietário. Ponto final.

Leandro Costa
Visitante
Leandro Costa

Então… “Primeiro gerente do Programa FX-2, em 2008, e professor do Instituto Tecnológico de Aeronáutica (ITA), o coronel aviador Fernando Abrahão concorda com Barbieri, embora aponte que a demora do Brasil em assinar o contrato com a Saab limitou a participação da indústria nacional em parte do desenvolvimento do Gripen E/F.” “‘O aproveitamento dos pontos fortes do Gripen – ou seja, a possibilidade de desenvolvê-lo conjuntamente e operar em seguida suas capacidades – teria um potencial maior de sucesso se o contrato de aquisição tivesse sido assinado em 2010, e não em 2014. Em quatro anos, várias tecnologias podem mudar'”… Read more »

Victor Moraes
Visitante
Victor Moraes

Um grande texto que não afirma nem nega o que eu ou você dissemos… aliás, deu a entender que eu estou mais certo do que você. Mas de patente aí não falou nada. Onde está escrito que a patente continua sendo sueca?

Leandro Costa
Visitante
Leandro Costa

Victor, o fato de você NÃO SABER INTERPRETAR TEXTO é problema única e exclusivamente SEU. A patente não foi mencionada porque ela não consta do acordo. A patente do Gripen é da SAAB e isso é inquestionável, fruto do suor dos suecos que desenvolveram a aeronave original e a maior parte da aeronave que a FAB selecionou. Leia o texto com atenção ao invés de mandar ‘ctrl + f’ na palavra ‘patente’ e aprenda à interpretar texto.

Mauricio R.
Visitante

Acho que o Lavi, o F-2 e o T-50 tem algo a dizer sobre o uso de tecnologia de terceiros, em seus desenvolvimentos.

Leandro Costa
Visitante
Leandro Costa

E em todos esses casos houve PARCERIA para o DESENVOLVIMENTO de uma NOVA AERONAVE com base na technologia adquirida a um custo que não foi barato, mas que para esses países valeu bastante à pena.

Isso tudo é definido em contrato após uma quantidade significativa de tempo em negociações.

Mauricio R.
Visitante

Nas 3 aeronaves citadas, parceria, desenvolvimento, ou ter valido a pena, foi o que menos houve. Em dado momento o Lavi, dependente de tecnologia e dinheiro norte-americano, era visto com um óbice as vendas de F-16. Óbice as vendas de F-16???? Qntos IAI Kfir, Israel vendeu???? Era um óbice as vendas de F-16, aos próprios israelenses. Óbice removido, os F-16 vendidos renderam 3 apelidos diferentes: Netz, Barak e Sufa. No F-2 a grande briga foi o desenvolvimento do código fonte, os japoneses queriam porque queriam faze-lo, os norte-americanos donos da tecnologia disseram um sonoro não, mas reverberações dessa decisão a… Read more »

Leandro Costa
Visitante
Leandro Costa

Maurício, nenhum país vai fazer parceria em detrimento de seus interesses. Sejam interesses geopolíticos, econômicos ou sociais, eles vão sempre estar em primeiro lugar. Eu não culpo os EUA por correrem atrás dos seus interesses e eles tem mecanismos próprios de regularem o que quer que seja em relação à comércio de armamento. Tendo dito isso, acho que as partes envolvidas tem que fazer um bom contrato, bem amarrado, para evitarem problemas posteriores. Caso haja alguma irregularidade, que o país que for prejudicado, que saia do negócio. Acho que foi exatamente o que aconteceu quando a Índia teve pé frio… Read more »

Victor Moraes
Visitante
Victor Moraes

.

Victor Moraes
Visitante
Victor Moraes

Negociando um segundo lote? O Ministro é Brasileiro? Só pode! Negociando um segundo lote depois de caríssimo ToT?

Victor Moraes
Visitante
Victor Moraes

Este nosso país está parecendo o Brasil! Piedade!

Minuteman
Visitante
Minuteman

Com pessoas como você dando opiniões, Deus tem piedade do Brasil.

Victor Moraes
Visitante
Victor Moraes

Obrigado por usar a palavra “tem” ao invés de “tenha”, isto significa que foi um elogio. Obrigado! Sim, eu sou um servo de Deus.

Tomcat
Visitante
Tomcat

Victor Moraes, já ouviu falar em propriedade intelectual? Patentes? Diversos fornecedores diferentes? ToT é uma coisa; licenças; planejamento, combinar com os fornecedores é outra…

Victor Moraes
Visitante
Victor Moraes

Eu li que a patente é Brasileira. Precisa-se da aprovação da SAAB para negociar com fornecedores?

Leandro Costa
Visitante
Leandro Costa

Então… você leu aonde? Cadê? O que exatamente você leu? Você não consegue dar muitos detalhes.

José Airton
Visitante
José Airton

Aonde você leu isso meu amigo? De onde você tirou essa idéia? De forma humilde, aconselho ler um pouco mais sobre o acordo, a ToT, a parceria, talvez assim o amigo possa compreender mais a situação. “O caça é Sueco”, o que pagamos foi o direito de ter acesso a um gama de informações de projeto para fabricação local, más daí a direito de patente… Acredito que todos nós aqui desconheçamos tal fato.

Victor Moraes
Visitante
Victor Moraes

“Pelo que o ministro da Defesa, Celso Amorim, disse na quarta-feira, as patentes dos itens fechados nos contratos serão repassadas às empresas brasileiras. Isso fará com que o Brasil não tenha de pagar royalties no futuro.” https://www.em.com.br/app/noticia/politica/2013/12/20/interna_politica,481052/enquanto-novos-cacas-nao-chegam-brasil-negocia-com-suecia-emprestimo-de-avioes.shtml

Fernando "Nunão" De Martini
Editor
Famed Member

Victor, Nessa notícia que você postou o então MD fala de forma genérica e, ainda por cima, é de antes da negociação detalhada do contrato, que só foi assinado um ano depois (com muita negociação entre um momento e outro). E o contrato só se tornou efetivo em 2015, após a assinatura do contrato de financiamento. É sério que você está fazendo essa celeuma por uma declaração do Celso Amorim de dezembro de 2013, quase seis anos atrás, sem levar em conta tudo que foi negociado e feito de lá pra cá? Está na hora de você se atualizar, tem… Read more »

Victor Moraes
Visitante
Victor Moraes

Ah tá, então não foram transferidas patentes e o preço continuou o mesmo, aliás, aumentou, certo?

Fernando "Nunão" De Martini
Editor
Famed Member

Victor, volte aos seus primeiros comentários, em que você começou um escarcéu a partir de premissas erradas, como se a patente fosse do caça inteiro, pra se fabricar aqui no Brasil sem ter que se contratar a Saab, como se o caça inteiro pudesse ser fabricado aqui, o que não foi objeto do contrato. Está havendo absorção de tecnologia para fabricação de várias partes do caça, para projetsr, para desenvolver em conjunto, para integrar todas as partes, os armamentos, sensores, sistemas, para o código-fonte, para fazer a montagem final, enfim, para uma série de coisas, e isso envolve, até onde… Read more »

Leandro Costa
Visitante
Leandro Costa

O que você dizia sobre paciência mesmo?

Enfim, já deixei link daqui do PA com tudo explicado minuciosamente, inclusive com oficiais graduados da FAB explicando por que não precisa de transferência de tecnologia para o caça inteiro, o por que não precisar, etc., mas ele se recusa à ler ou se recusa à entender. Então duvido que a leitura vá ser boa.

Fernando "Nunão" De Martini
Editor
Famed Member

Sou otimista

Minuteman
Visitante
Minuteman

O cidadão vem sentar a lenha no ministro sem saber de nada.

O caça ainda é um produto da Saab, independente de termos a tecnologia para produzir aqui. Qualquer negociação deve ser informada a eles primeiro.