Home Aviação de Ataque F-35: Lockheed fatura US$ 2,43 bilhões para cobrir peças de reposição

F-35: Lockheed fatura US$ 2,43 bilhões para cobrir peças de reposição

5476
95

O contrato, que abrange uma variedade de pacotes de peças de reposição e consumíveis para a aeronave, inclui a expectativa de que todos os pedidos sejam feitos até dezembro de 2020

26 de agosto (UPI) – A Lockheed Martin Corp. recebeu um contrato de US$ 2,43 bilhões para fornecer peças de reposição para o avião de combate F-35 Lightning II Joint Strike Fighter, anunciou o Departamento de Defesa.

O contrato, anunciado na sexta-feira, compreende pacotes de peças de reposição globais, pacotes de peças de base, pacotes de peças de desdobramento, pacotes de peças de reposição mais frequentes e hardware associado relacionado à aeronave F-35.

O acordo abrange aeronaves pilotadas pela Força Aérea dos EUA, Corpo de Fuzileiros Navais e Marinha, bem como por participantes do programa que não pertencem ao Departamento de Defesa e clientes estrangeiros de vendas militares. Nenhum fundo foi obrigado à Lockheed no momento da concessão, mas o Pentágono espera que todos os pedidos do contrato sejam feitos até dezembro de 2020.

O F-35 é considerado um avião de combate multifuncional e um divisor de águas na capacidade de domínio do ar, com características furtivas avançadas, aviônicos integrados, suporte logístico superior e poderosos sensores integrados.

Cerca de 300 foram construídos, com o Pentágono pretendendo comprar mais de 2.000, além daquelas encomendadas e entregues em outros países.

A cadeia de suprimentos do avião, no entanto, tem sido um problema contínuo, segundo oficiais militares e membros do Congresso.

Em maio, um subcomitê da Câmara procurou aprovar apenas metade das compras de peças de reposição do Pentágono para jatos F-35 na revisão dos planos orçamentários para 2020. Na época, existia um estoque de 4.300 peças para os F-35 devido a problemas na cadeia de suprimentos, de acordo com o Government Accountability Office.

Um relatório do GAO de abril disse que a aeronave não foi capaz de voar cerca de 30% do tempo durante um período de sete meses em 2018 por causa de escassez e peças incompatíveis. O relatório acrescentou que a empresa tinha procedimentos inadequados de inventário e frequentemente não possuía dados sobre o custo e a localização atual de seus componentes do F-35.

Durante a audiência de confirmação do secretário de Defesa, Mark Esper, em julho, ele disse que a frota dos EUA de F-35 não deveria atingir a meta de avaliação de prontidão do Pentágono, principalmente devido à escassez de peças-chave.

A Lockheed Martin recebeu contratos adicionais do Departamento de Defesa para peças de reposição no início deste ano, incluindo um de US$ 542 milhões em janeiro e outro de US$ 117,1 milhões em abril.

O contrato de abril ocorreu depois que a empresa anunciou que negociava novos contratos de logística e reparo de longo prazo com os fornecedores de aeronaves F-35 Lightning II Joint Strike Fighter, com base em contratos de logística e reparo mestre com base no desempenho, para melhorar a capacidade, reduzir custos e aprimorar disponibilidade de suprimentos.

Os funcionários da Lockheed e do Departamento de Defesa culparam-se pela falta de peças de reposição. Os componentes do F-35 são muitos e são fabricados por centenas de fornecedores. Alguns foram fabricados por fornecedores turcos de fonte única que foram removidos da lista de suprimentos após a compra pela Turquia dos sistemas de defesa aérea russa no início deste ano.

FONTE: UPI

Subscribe
Notify of
guest
95 Comentários
oldest
newest most voted
Inline Feedbacks
View all comments
Ironcop
9 meses atrás

A tecnologia cobra seus preços…

Walfrido Strobel
Walfrido Strobel
Reply to  Ironcop
9 meses atrás

Aliado ao olho grande da LM, ganância não tem limites.
E tem gente que queria o Brasil com este avião.

JPC3
JPC3
Reply to  Walfrido Strobel
9 meses atrás

Nem sabem quantas peças e serviços estão incluídos no pacote.

Joao Moita Jr
Joao Moita Jr
Reply to  Walfrido Strobel
9 meses atrás

Mentira, não. Uma vez por acaso eu vi uma fatura do preço da substituição de um vaso de um dos banheiros da base, em um invoice sobre a escrivaninha lá no HQ…
US$48.000!!!!

Vinicius Momesso
Vinicius Momesso
Reply to  Ironcop
9 meses atrás

Nos EUA as empresas cobram valores muitas vezes “bem acima” do valor real de custo e o Governo aceita “numa boa”. Se acontesse algo do tipo aqui, é, pode investigar que é super faturado!!!

Gustavo
Gustavo
Reply to  Ironcop
9 meses atrás

a tecnologia e os erros.

Minuteman
Minuteman
9 meses atrás

O F-35 é espetacular. E coisas espetaculares custam caro.

Washington Menezes
Washington Menezes
Reply to  Minuteman
9 meses atrás

Espetacular porquê? O que ele fez de diferente de outros caças que o coloca em um patamar acima dos demais, até agora o que ele tem são muitos problemas, muita propaganda e muito puxa saco de resto é mais do mesmo.

Antoniokings
Antoniokings
Reply to  Washington Menezes
9 meses atrás

Fico imaginado o F-35 tentando pousar da maneira que o Su-57 pousou no post anterior.
Quanto a L.M. cobraria pelo trem de pouso que, certamente, quebraria?

JPC3
JPC3
Reply to  Antoniokings
9 meses atrás

Cara, falou bobagem. Ele pousa em porta aviões que, segundo alguns, é basicamente uma colisão controlada. Exige bem mais que aquele pouso do Su-57

E não pousa uma vez e sim várias centenas de vezes até o fim da vida útil.

Victor Filipe
Victor Filipe
Reply to  Alexandre Galante
9 meses atrás

Você sabe que pouso em porta aviões é mais violento que aquela brincadeirinha do Su-57 né?

Não sei porque ficar instigando essas bobeiras.

se eu postar a imagem do Su-22 quebrando ao meio e dizer que “se forçar de mais não aguenta” o pessoal não vai gostar.

Peter nine nine
Peter nine nine
Reply to  Victor Filipe
9 meses atrás

Victor, o Su57 não é navalizado, o f35 sim, se comparar as versões B e C não duvido que os níveis de resistência, comparadamente ao SU 57, sejam no mínimo iguais ou superiores (trem de pouso pelo menos), mas comparar a versão A, essa eu duvido que seja tão estruturalmente resistente como um avião russo, é de conhecimento comum que os russos fazem aviões cujas estruturas são bastante resistentes. A forma agressiva como o Su57 procedeu na referida aterragem danificaria sim alguns aviões ocidentais, muito probavelmente também danificariam o f35A.

Antoniokings
Antoniokings
Reply to  Peter nine nine
9 meses atrás

Perfeito Peter nine nine
Assino embaixo.

MMerlin
MMerlin
Reply to  Victor Filipe
9 meses atrás

É normal um posicionamento mais exposto de veículos de informação na mídia internacional.
Assim como o Aéreo e a Trilogia como um todo, outros veículos estão passando por esta transformação.
Não é um crítica. Em algumas casos, traz benefícios.

Super Tucano
Super Tucano
Reply to  Victor Filipe
8 meses atrás

O Galante adora fazer uma piada com o F-35…

Antoniokings
Antoniokings
Reply to  Alexandre Galante
9 meses atrás

Pode colocar mais alguns milhões na conta da L.M.
O povo americano agradece.

Marcos10
Marcos10
Reply to  Alexandre Galante
9 meses atrás

Teste F35C: quero ver outro avião aguentar isso aí.
https://youtu.be/h6BsCvDgbsc

Peter nine nine
Peter nine nine
Reply to  Marcos10
9 meses atrás

Marcos, a versão navalizada (C) não se poderia assim considerar se não aguentasse esse teste.

Chris
Chris
Reply to  Peter nine nine
9 meses atrás

Se os EUA quiserem que o F-35 pouse desta forma… Colocariam o trem de pouso do C no A !

Cada coisa que vcs discutem… kkkkk

MMerlin
MMerlin
Reply to  Alexandre Galante
9 meses atrás

Galante. As situações foram diferentes.
O F-35 da foto que você uso como exemplo colapsou durante o pouso, como postado aqui mesmo no Aéreo.
Não foi devido ao motivo de impacto.

Diogo
Diogo
Reply to  Antoniokings
9 meses atrás

Tonho Rei, da maneira que você diz parece que acionar os paraquedas de frenagem um pouco antes de tocar o solo fosse algo espetacular. Eu queria ver é o Su-57 pousar verticalmente como o F-35 faz… Por que todas as vezes que você compara um armamento ocidental com um russo você sempre denigre o ocidental? Os russos sempre levaram vantagem em todas as guerras onde de um lado haviam armamentos russos e do outro lado armamentos americanos? Isso pra mim se chama inveja, dor de cotovelo, birrinha, etc.. São duas aeronaves espetaculares, ambas com tecnologia a frente do nosso tempo… Read more »

Chris
Chris
Reply to  Antoniokings
9 meses atrás

Esse Antonio… kkkk

Tem até versão do F-35 para porta-aviões… Que recebem uma pancada muito mais forte no trem de pouso !

Alias… Ele pousa na vertical ! Nem precisa de nada disso, nem para-quedas !

Tadeu Mendes
Tadeu Mendes
Reply to  Washington Menezes
9 meses atrás

Pergunta aos sirios e iranianos o porque o F-35 e’ diferente de tudo que eles ja viram ou enfrentaram.

O software e o firmware do F-35 sao unicos no mundo.

Nao vou nem mencionar os metodos e processos de fabricacao da aeronave.

A inveja doi muito. Quem nao tem cao caca com gato.

Claudio
Claudio
Reply to  Tadeu Mendes
9 meses atrás

Pergunta para os sírios, como acertar (pássaros)estilhaços de mísseis do s-200 no F-35

Victor Filipe
Victor Filipe
Reply to  Claudio
9 meses atrás

Aquele acerto que ninguem acredita? nem os Russos?

Vinicius Momesso
Vinicius Momesso
Reply to  Tadeu Mendes
9 meses atrás

Usar o espaço libanês se escondendo entre pousos e decolagens de aviões comerciais e fácil. Uma coisa é fato: Depois da instalação dos S-300, Israel nunca mais adentrou o espaço aéreo sírio. Por que será que a IAF lança deZenas de mísseis caros por ataque para acertar um único alvo? O Pantsir tem se mostrado um ótimo sistema, pena que não tem em quantidade suficiente para repelir todos os mísseis.

Carlos Campos
Carlos Campos
Reply to  Vinicius Momesso
9 meses atrás

Vinicius vc devia ler mais desde que os S alguma coisa foram para Síria não mudou nada. semana passada mais uns Iranianos se ferraram lá.

Tadeu Mendes
Tadeu Mendes
Reply to  Vinicius Momesso
9 meses atrás

Você está muito mal informado.

Tadeu Mendes
Tadeu Mendes
Reply to  Vinicius Momesso
9 meses atrás

No início desta semana, Israel fez um ataque nos suburbio de Damascus.

I Pantsir é prêsa fácil da IAF. Os S-300 nem detectam o F-35.

Vinicius Momesso
Vinicius Momesso
Reply to  Tadeu Mendes
8 meses atrás

Se fosse presa facil, Israel não lançava dezenas de mísseis para acertar um único alvo. Evidência clara de “ataque de saturação”.

Peter nine nine
Peter nine nine
Reply to  Tadeu Mendes
8 meses atrás

Tadeu e restantes, ele poderá não estar 100 por cento correcto, mas não está totalmente Idesinformado. Houve da facto uma grande redução no uso de aviões da IAF nas missões de ataque. Desde a presença de russos e iranianos assim como de sistemas como o s300 e o pantsir, Israel tem dependido bastante de mísseis de longo alcance, muito longo alcance e semelhantes para realizar os seus ataques, o que mostra que o s300 e restantes equipamentos de igual origem, não são ineficientes, ao contrário do que se tenta dar a entender, eles têm demonstrado uma aceitável taxa de acerto.… Read more »

Chris
Chris
Reply to  Vinicius Momesso
9 meses atrás

Quê ? Israel entrou inumeras vezes no espaço aereo sirio depois do S-300 ! Bombardeou até a capital Damasco…

E com F-16 mesmo ! Com zero baixas ! Ainda alegam que sabem muito bem neutralizar os sistemas russos !

Vinicius Momesso
Vinicius Momesso
Reply to  Chris
8 meses atrás

Israel tentou tentou uma segunda ofensiva, mas dois Su-35S levantaram vôo para impedir e a IAF teve de recuar. Os radares russos não detectam nada mesmo.

Tadeu Mendes
Tadeu Mendes
Reply to  Vinicius Momesso
8 meses atrás

SU-35 nunca decolou para enfrentar F-35.
Cara, você viajou de mais na maionese.

Vinicius Momesso
Vinicius Momesso
Reply to  Tadeu Mendes
8 meses atrás

Quem viajou foi voce que fica recluso a fontes ‘vizinhas’ à sua casa.

Argos
Argos
Reply to  Minuteman
9 meses atrás

Espetacular ? O que ele fez de espetacular até hoje além de sugar dinheiro e fazer promessas? Quero ver como se sairá quando testado de verdade…

Entusiasta Militar
Entusiasta Militar
Reply to  Minuteman
9 meses atrás

Minuteman
O F-35 é espetacular… concordo plenamente

Antoniokings
Antoniokings
9 meses atrás

Saco sem fundo.
E nem entrega o que promete.
O contribuinte americano lê esse tipo de notícia com a maior satisfação.

JPC3
JPC3
Reply to  Antoniokings
9 meses atrás

Claro, na Rússia as peças e o suporte saem de graça.

JPC3
JPC3
Reply to  Antoniokings
9 meses atrás

E em alguma áreas entrega bem mais que os outros.

Chris
Chris
Reply to  Antoniokings
9 meses atrás

Pra sua informação… O custo divulgado do projeto… Inclui o preço dos mais de 2000 caças planejados para serem fabricados !

Carlos Campos
Carlos Campos
9 meses atrás

tá certo que é o avião mais avançado da história, mas esse problema de peças é ridículo, e o pior o responsável por isso ganha dinheiro pelo erro de planejamento,

Vinicius Momesso
Vinicius Momesso
9 meses atrás

Se a Embraer Defesa(publica) resolvesse desenvolver um caça 4++ e o projeto fosse orçado em aproximadamente 3/5 do valor do F-35(projeto) Você como contribuinte, ficaria feliz com a independência tecnológica ou irado com o “modesto” valor?

Antunes 1980
Antunes 1980
9 meses atrás

Mídia voltando ao normal. Já faziam duas semanas que não havia a publicação de notícias criticando o programa ou o desempenho do F-35.
Hoje são mais de 350 F-35 Lightning II operacionais. O mundo inteiro está errado, e a mídia progressista está certa. Correto?

Dudu
Dudu
Reply to  Antunes 1980
9 meses atrás

Antunes:
Incorreto,já que pergunta.Acredito que os oficiais militares e membros do congresso que estão reclamando fazem parte do mundo.
Quanto á mídia creio que ela não tem culpa quando as notícias são ruims,eles só repassam o que acontece.Claro que esse tipo de matéria dá mais pano pra manga,inclusive aqui,gerando muitos comentários.Mas são os fatos.
Mas é só minha opinião.

Jack
Jack
9 meses atrás

Soltar pecinha não solta!! Mas tem que comprar pecinha, que não estava previsto ou pecinha deu errado ou pecinha evoluiu…Agora pecinha é cara $$$ e só vende em uma mercearia, resumo! Ou compra pecinha ou SOLTA pecinha. Cliente escolhe.

pampapoker
pampapoker
Reply to  Jack
9 meses atrás

Bota casaco,tira casaco , kkkkk automaticamente lembrei disto kkkk

Munhoz
Munhoz
9 meses atrás

Alguém tem que ter lucro né !

Agora a grande pergunta é, quanto tempo os demais países vão demorar para chegar a este patamar ?

sandro
sandro
9 meses atrás

Notaram que na segunda foto o Cockpit esta com rachaduras em alguns pontos na junção da tampa do canopi?

Argos
Argos
Reply to  sandro
9 meses atrás

Cara, que olho biônico vc tem! Hahaha

MMerlin
MMerlin
Reply to  sandro
9 meses atrás

Também acredito que seja o caso.
E a 5018 foi entregue em 2013. Foi o 25o disponibilizado.
Se era uma falha, o problema já deve ter sido solucionado.

Nilton L Junior
Nilton L Junior
9 meses atrás

Bem o caro sai caro.

Wagner
Wagner
9 meses atrás

E tinha doido que era a favor do F35 no Br. Lembro do sujeito que se intitulava como Lord Vader ofendendo a todos aqui, dizendo que as pessoas pensavam pequeno etc e tal. Ta ai, essa coisa no Brasil seria pior que o São Paulo.

Rodrigo
Rodrigo
9 meses atrás

Deixar a Força de Israel começa a fazer suas intervenções cirúrgicas usando o F35 que muitos críticos saberão do que essa aeronave e capaz…

Tadeu Mendes
Tadeu Mendes
Reply to  Rodrigo
9 meses atrás

Mas a IAF ja vem fazendo incursores e ataques em territorio sirio ha quase dois anos, e usando os F-35 como vetor.

Claudio
Claudio
Reply to  Rodrigo
9 meses atrás

F-35 já saiu com o traseiro chamuscado pelo s-200

MMerlin
MMerlin
Reply to  Claudio
9 meses atrás

Claudio. Se você tem mais informações sobre o ocorrido poste o link no comentário.
Na época que eu li algo a respeito, todos os caminhos levavam a fonte South Front, que é o Sputnik 2 da vida, ou seja, quase nenhuma.

Italo Souza
Italo Souza
Reply to  MMerlin
9 meses atrás

Só lembrar do incidente do F117, a imprensa ocidental só foi se manifestar sobre o caso muito tempo depois e só porque houve um vazamento de informação.

Claudio
Claudio
Reply to  MMerlin
8 meses atrás

até hoje nunca divulgaram nenhuma foto do tal “bird strike” .

Salim
Salim
9 meses atrás

Acho que tem gato na tuba, tao escondendo grana, pra que náo sei.

Dudu
Dudu
9 meses atrás

Fabricados cerca de 300.Mas que não foram capazes de voar cerca de 30% do tempo.Os problemas com o avião não são relacionados apenas ás suas característica inovadoras:”a empresa tinha procedimentos inadequados de inventário e frequentemente não possuía dados sobre o custo e a localização atual de seus componentes”…Problemas na cadeia de suprimentos.Parece que houve certa pressa em “empurrar” o avião,sem haver o preparo adequado.Problemas sérios,apontados por oficiais militares e membros do congresso.Figuras livres de sentimentalismo e paixões,diferentes de alguns entusiastas,se me permitem observar.

Coutinho
Coutinho
Reply to  Dudu
9 meses atrás

Sim. Foi o Processo chamado de “Concurrency” onde o desenvolvimento e a fabricação são simultâneos. Devido a sua complexidade, o F-35 deveria ter sido concebido da maneira antiga, sendo exaustivamente testado antes do inicio da produção em serie. Como já foi dito aqui no P.A. anos atras: aplicado ao F-35, o concurrency foi um desastre. Que bom que o Gripen está sendo testado a exaustão.

Dudu
Dudu
Reply to  Coutinho
9 meses atrás

Coutinho:
Obrigado pela observação do “Concurrency”,essa expressão me era desconhecida.
Sendo que o F-35 tem três versões,sendo o B incrível,assim como incrivelmente complexo.Quatro até,se considerarmos o i.
O desenvolvimento do Gripen me parece criterioso.

Tadeu Mendes
Tadeu Mendes
Reply to  Coutinho
9 meses atrás

Concurrency é melhor do que fabricar 2300 aeronaves e depois ter que concertar uma por uma.

Por essa razão, a produção inicial (LIPR) , Low Initial Production Rate , foi em baixa cadência.

Eu acho foi uma estratégia bem sucedida.

Coutinho
Coutinho
Reply to  Tadeu Mendes
8 meses atrás

Mas ao que parece, a coisa está caminhando para isso, porque ainda há “alguns” problemas que não foram solucionados e a cadência de produção está aumentando.

Dudu
Dudu
Reply to  Tadeu Mendes
8 meses atrás

Tadeu:
Quando leio esse argumento,ele me parece aquele pensamento:”dos males o menor”.Como se tivessem sido dispendidos tanto dinheiro e tempo que aqueles que tomam as decisões se vêem praticamente obrigados a continuar do jeito que está,pois consideram que parar com o projeto seria ainda pior.Ao menos tenho essa impressão.
Mas talvez esteja exagerando.

Tadeu Mendes
Tadeu Mendes
Reply to  Dudu
8 meses atrás

Nada que vêr. Você deveria saber que software, firmware and hardware estão em constante upgrades. Portanto, é melhorar ir atualizando os lotes durante a cadência de produção do que montar todas aeronaves e depois começar a fazer debugs no final da linha. O resto dos chamados “problemas” não passam de eventos normais durante a produção e o desenvolvimento do caça. Normal em qualquer projeto de engenharia. Aposto que a lista de problemas do SU-57 e o J-20 deve ser imediatamente maior que a do F-35. Os russos e chineses estão aprendendo ou tentando a aprender, aos trancos e barrancos, como… Read more »

Dudu
Dudu
Reply to  Tadeu Mendes
8 meses atrás

Tadeu: Tems razão quando falas sobre os constantes upgrades.Mas me refiro aos erros de programação,centenas deles. Correção de erros e upgrades me parecem coisas diferentes. Se me permite discordar,a quantidade de “problemas” e o consequente montante de recursos necessários para solucioná-los,estão longe de serem normais,em qualquer projeto de engenharia.Creio que se houvessem um levantamento e uma comparação imparcial com outros projetos,semelhantes ou não,isso saltaria aos olhos. Ao argumentar,matas a charada:..”eventos normais durante a produção e o desenvolvimento do caça.”…Exato:isso é normal pois se cometeu o erro de fazer a fabricação o desenvolvimento simultâneos (o tal Concurrency,como o Coutinho gentilmente me… Read more »

Delfim
Delfim
9 meses atrás

LM fatura horrores com aviação militar, aeronaves civis como o Electra e o L-1011 foram “erros”.
.
Se o F-35 fosse o mais avançado caça da História, os EUA, assim como fizeram com o F-22, não o venderia a clientes externos, pura e simplesmente. Há algo de contraditório nisso tudo.

JPC3
JPC3
Reply to  Delfim
9 meses atrás

Todos os outros caças em produção no mundo também estão à venda, por essa lógica nenhum seria o mais avançado.

Antoniokings
Antoniokings
Reply to  JPC3
9 meses atrás

‘Todos os outros caças em produção no mundo também estão à venda, por essa lógica nenhum seria o mais avançado.’

Exatamente isso. São equivalentes.
Não tem essa baboseira de mais isso, mais aquilo.
O único problema é que o Su-57 e J-20 voam como devem e não apresentam esse rosário de problemas do caríssimo F-35.

Coutinho
Coutinho
Reply to  Antoniokings
9 meses atrás

Bom, voar todos os três voam com certeza. Agora, como não sabemos sobre os sistemas do SU-57 e do J-20 não podemos dizer nada sobre suas capacidades.

100nick-Elâ
100nick-Elâ
Reply to  Coutinho
8 meses atrás

Também vale para F-22 e F-35: ainda não foram testados em combate, portanto não sabemos nada de suas capacidades

Super Tucano
Super Tucano
Reply to  Antoniokings
8 meses atrás

Voam como devem? Não estão nem operacionais.

Tadeu Mendes
Tadeu Mendes
Reply to  Delfim
8 meses atrás

De jeito nenhum. Nada de contraditório.

Os F- 35 americanos não exatamente os mesmos que são exportados, excepto para a Inglaterra.

Tanto é assim, que Israel foi autorizado a fazer as modificações pertinentes aos requerimentos específicos a sua doutrina de combate.

Tadeu Mendes
Tadeu Mendes
Reply to  Delfim
8 meses atrás

Delfim,

Os L-1011 500 Tristar, foram os melhores wide body jets jamais produzidos.

Muito superiores aos 747 e DC-10.

Jefferson EX
Jefferson EX
9 meses atrás

Eu acho esse avião extremamente barato pelo que oferece, é de longe muito superior a qualquer coisa existente. Antes gastar 2 bilhões de dólares em cientistas e companhias nacionais do que viver em um país tomado por bandidos da extrema-esquerda racista. Falar nisso, onde esta onde bilhões limpados dos cofres públicos?

Jagderband#44
Jagderband#44
9 meses atrás

Legal os russian-sino boys sempre criticarem os custos que envolvem o F35.
Aliás, agradeçam à democracia que permite que se tenha acesso a tais informações.
Porém fica a pergunta, alguém tem noção dos custos que envolvem o Su57 e o J20?
Não né. Preços de sobressalentes? Manutenções? Ferramental de fabricação? Mão de obra?
Ninguém sabe.

JPC3
JPC3
Reply to  Jagderband#44
9 meses atrás

Compra Sukhoi por 50 milhões e um ano depois diz que não voam tanto quanto poderiam porque faltam peças e assistência técnica.

Blayke
Blayke
Reply to  Jagderband#44
9 meses atrás

Legal que além dos pró-rússia e anti-USA tbm tem uma galera norte americana (militares, congressista e quase todo órgão que emite relatórios, como o GAO) criticando os custos. A menos que eles tbm sejam pró-rússia e anti-USA. Já pensou que baita salada de fruta que tá virando essa “liberdade democrata” ? Não quer dizer que o que Rússia, China e até a Suécia porque não, não falarem tanto de seus problemas quer dizer que não tenha, quem sabe se realmente não é pior. Fato que o programa JSF em si era para ser o oposto do que é apresentado. Era… Read more »

Jmgboston
Jmgboston
9 meses atrás

Ha uma coisa fácil de entender. No States os Caças realmente voam e sendo assim o F35, assim como outros caças, vai ter um maior consumo de peças exigindo reposição e com o tempo vai ser resolvido esse problema. Os Gripen ” brasileiros” vão passar a maior parte do tempo no chão, assim mesmo sendo apenas 32 ou 36 não vão precisar de repor tantas peças. Ou alguem aqui acredita que um piloto brasileiro voa o mesmo tanto de horas que um americano, russo ou até chinês? Nos nunca vamos ter esse problema, fiquem tranquilos.

Dudu
Dudu
Reply to  Jmgboston
9 meses atrás

Jmgboston: Realmente é fácil de entender,justamente por isso é inadmissível a Lockheed não ter preparado a cadeia de suprimentos para tal situação.E pra resolver isso,além de tempo,vai ser preciso muito dinheiro e comviver com baixa disponibilidade,o que é bem ruim pros EUA pois eles precisam voar bastante como tú bem citaste.Realmente acho que não teremos esses problemas,já que o Gripen está sendo adequadamente testado antes de ser posto em operação,diferentemente do que ocorreu com o F-35.E quando precisarmos repor peças é bem provável que tenhamos tais peças disponíveis,e mais,serão compatíveis,haverá informação sobre seu custo e conseguiremos localizá-las. Creio também que… Read more »

Tadeu Mendes
Tadeu Mendes
Reply to  Jmgboston
9 meses atrás

Exatamente jmgboston

tomcat4.0
tomcat4.0
9 meses atrás

Muito bacana a primeira foto e mostra bem que o F-35 não é pequeno e ainda é gordinho(tbm pra levar tudo embutido e ficar liso pra diminuir o arrasto) mas tem seus probleminhas e tal por possuir avanços extremos que,na “minha” opinião, ao mesmo tempo em que está sendo produzido já está sendo a bancada de testes do caça de 6º geração do tio Sam. Custa caro manter e operar?sim e muito mas…quem pode pode. Lembrar que o F-117 já existia a mais de dez anos antes de o vermos pela primeira vez na guerra do Golfo. 😉

Control
Control
Reply to  tomcat4.0
8 meses atrás

Jovem Tomcat
Quais são os avanços extremos?

Tadeu Mendes
Tadeu Mendes
Reply to  Control
8 meses atrás

Control,

Sua pergunta para o Tomcat, é uma evidência de que você não entende a diferença entre os F-35 e o resto.

Control
Control
Reply to  Tadeu Mendes
8 meses atrás

Jovem Tadeu
Então nos esclareça sobre os avanços extremos do F35. Críticas e elogios sem fundamentação, o blog está cheio, situação que não esclarece nada. Opiniões fundamentadas em dados factuais seriam muito bem vindas para os interessados em aviação e defesa.
Sds

Tadeu Mendes
Tadeu Mendes
Reply to  Control
8 meses atrás

Jovem Control,

Eu fiz o dever de casa e tentei aprender o máximo possível sôbre as tecnologias embarcadas no F-35.

Em resumo, o F-35 é um computador com asas e mísseis.

São vários anos acompanhado o desenvolvimento do caça.

É muita tecnologia utilizada na aeronave. Existe muita informação de acesso público.

Sugiro ao amigo uma pesquisa na Internet,. Nos sites especializados relativos a F-35.

Você vai descobrir que a eletrônica / software/hardware/firmware . São bastante avançados, e inexistentes em outras aeronaves, tanto americanas, quanto estrangeiras.

Delfim
Delfim
8 meses atrás

F-35 é que nem carro francês, pode até sair barato, mas na hora da manutenção dói.

Tomcat4.0
Tomcat4.0
Reply to  Delfim
8 meses atrás

C4 Pallas manda lembranças!!!rs

alexcg
alexcg
8 meses atrás

a verdade é que pode ser americano, russo, chines, europeu onde for quando o projeto sai ruim nao tem o que fazer, os EUA ja tem otimos caças como o f18, f16, f15 fora o f22 de quinta geração que esta a frente dos russos e chines ai inventou o f35 so pra gasta dinheiro pq o dinheiro gasto nesse dava para reabrir a linha do f22 e acho que fazer outro caça novo apenas para a marinha ja com base na tecnologia do f22.

Thiago Telles
Thiago Telles
8 meses atrás

Pelo menos tem alguém feliz com o projeto.