Home Divulgação Presidente e CEO da Saab, Håkan Buskhe, deixa o cargo em 2020

Presidente e CEO da Saab, Håkan Buskhe, deixa o cargo em 2020

1473
8
Saab Gripen E e GlobalEye

Håkan Buskhe informou ao Conselho de Administração da Saab que deixará o cargo de Presidente e CEO. A partir de agora, o Conselho dará início ao recrutamento de um sucessor.

Håkan Buskhe tem um acordo em contrato que cumprirá um período de aviso prévio de seis meses em sua função atual, mas deixará a Saab em fevereiro de 2020. A data exata será determinada de acordo com o processo de recrutamento já iniciado pela diretoria da Saab.

“Com grande comprometimento e suas várias decisões estrategicamente importantes, Håkan Buskhe estabeleceu uma base sólida para o contínuo progresso positivo da Saab. O desenvolvimento do Gripen E, a atuação da Saab no projeto T-X dos Estados Unidos e um aumento acentuado na capacidade de áreas tecnológicas importantes de sensores como, por exemplo, o GlobalEye, são alguns exemplos disso.

Sob a liderança de Håkan Buskhe, a Saab também se expandiu internacionalmente e iniciou colaborações com várias outras indústrias de defesa líderes. Em resumo, isso significa que a Saab tem uma base sólida, o que é necessário para os desenvolvimentos tecnológicos extremamente rápidos que impactam todas as indústrias”, diz Marcus Wallenberg, presidente do Conselho.

Håkan Buskhe
Håkan Buskhe

Atualmente com 55 anos, Håkan Buskhe assumiu o papel de Presidente e CEO da Saab em 1º de setembro de 2010.

“A Saab cresceu para um novo nível e é hoje uma forte empresa internacional de defesa e segurança. Conseguimos isso por meio de parcerias estratégicas, presença global e foco contínuo em investimentos no portfólio de produtos. Foi fantástico liderar este trabalho ”, diz o presidente e CEO da Saab, Håkan Buskhe.

“A razão pela qual escolho deixar a Saab é que gostaria de enfrentar outros desafios na minha carreira. Até que um novo CEO esteja no lugar, continuarei tendo foco total na Saab para garantir uma transição tranquila na liderança, com as prioridades sendo a implementação dos principais projetos junto aos nossos clientes e o trabalho contínuo para atingir as metas financeiras da Saab ”, conclui o presidente e CEO da Saab, Håkan Buskhe.

Subscribe
Notify of
guest
8 Comentários
oldest
newest most voted
Inline Feedbacks
View all comments
Marcelo Bardo
Marcelo Bardo
10 meses atrás

A Embraer Defesa e Segurança deveria contratar este cara.

João Moro
João Moro
10 meses atrás

10 anos é muito tempo. Já deve estar cansado …

JT8D
JT8D
Reply to  João Moro
10 meses atrás

Ainda mais num cargo de tanta responsabilidade

Denis
Denis
10 meses atrás

Entrou para a história da empresa, e talvez até para a história da aviação militar, como o homem que geriu o surgimento de uma nova geração de caças suecos.

Por mim, pessoalmente, será lembrado como um dos nomes importantes no processo de mudança de geração da aviação de caça da FAB, junto com o Comandante Saito.

Espero que o sucessor tenha uma visão igual ou maior que a dele. Se for um dirigente meia-boca, poderemos sofrer com isto.

Lucianno
Lucianno
10 meses atrás

O Gripen é o ultimo caça da SAAB, no futuro ela será apenas uma fornecedora de peças e componentes para a BAE Systems e ajudará no desenvolvimento do Tempest.
Nunca existirá um 5g da SAAB. Basta ver o pequenino orçamento militar da Suécia, o faturamento modesto da SAAB e comparar com o custo de desenvolvimentismo de um 5g. Quem vai bancar o desenvolvimento de um 5g para SAAB?

Leonel Testa
Leonel Testa
Reply to  Lucianno
10 meses atrás

Concordo tirando EUA e China duvido que algum pais tenha condiçao financeira de bancar caças de 5 ou 6 geraçoes sozinhos mesmo os Russos

Lucianno
Lucianno
Reply to  Leonel Testa
10 meses atrás

A Rússia fará um caça de 5 geração por uma questão de sobrevivência. Mesmo sendo uma nação empobrecida e economicamente decadente, os russos gastarão até o ultimo rublo para garantir sua soberania ante vizinhos poderosos como os inimigos da OTAN no oeste ou os “amigos” chineses no leste.
Em relação aos europeus ocidentais a situação é incerta devido às politicas adotadas que vem negligenciando as forças armadas com crescentes restrições orçamentária. Teoricamente Reino Unido, França e Alemanha teriam condições financeiras para isto, não sei se há vontade política.

Rommelqe
Rommelqe
10 meses atrás

Quero parabenizar o Sr. Buskhe pelo excelente trabalho desenvolvido! Que a SAAB encontre um sucessor de mesma estirpe !