Home Aviação de Ataque Frota de teste do F-35 enfrenta baixas taxas de disponibilidade

Frota de teste do F-35 enfrenta baixas taxas de disponibilidade

6792
27

Por Dan Grazier

WASHINGTON – Os F-35 Joint Strike Fighters na frota de testes operacionais da Base Edwards da Força Aérea na Califórnia sofrem com baixas taxas de prontidão que podem ameaçar a conclusão bem-sucedida da fase crucial de testes de combate do programa, como mostrado em um gráfico criado pela Força Integrada de Testes do Escritório Conjunto de Programas (JPO) e obtido pelo Projeto de Supervisão Governamental (POGO).

A revelação de que o programa F-35 está lutando para superar o último obstáculo antes que ele possa entrar legalmente na produção completa segue numerosos relatórios recentes, incluindo o POGO bem como o Government Accountability Office (GAO), indicando que o sistema de armas mais caro da história está longe de estar pronto para enfrentar ameaças atuais ou futuras.

As 23 aeronaves da frota de testes atingiram uma taxa abismal de “capacidade total de missão” de 8,7% em junho de 2019, de acordo com o gráfico, que cobre dezembro de 2018 até meados de julho de 2019. Uma aeronave totalmente capaz de realizar missões pode realizar todas as missões atribuídas, uma medida de prontidão particularmente importante para programas de múltiplas missões, como o F-35.

A taxa de junho foi realmente uma melhora em relação ao mês anterior, quando a frota conseguiu uma taxa de apenas 4,7%. Desde o início dos testes operacionais em dezembro de 2018, a frota teve uma taxa média de capacidade de missão total de apenas 11%.

A frota de testes operacionais do F-35 tem uma taxa de prontidão de 11% desde que o IOT&E começou em 5 de dezembro de 2018. Existem 3 classificações de prontidão: Totalmente Capaz de Missão (em verde), Parcialmente Capaz de Missão (amarelo) e Não é capaz de missão (vermelho). Clique no infográfico para ampliar

O diretor de testes operacionais do Pentágono afirmou que a frota de testes precisa de uma taxa de disponibilidade de 80% para atender ao cronograma exigente do plano diretor de teste e avaliação do programa.

Os status de capacidade de missão de aeronaves podem ser degradados por motivos que incluem a falta de peças sobressalentes ou uma falha em um sistema de missão como o radar ou os instrumentos de guerra eletrônica. De acordo com fontes do programa F-35, um componente com falha frequente é o Distributed Aperture System (DAS). Este sistema fornece os alertas ao piloto da aproximação de mísseis inimigos e gera as imagens para o capacete de US$ 400 mil que o piloto usa.

O F-35 ainda pode voar com problemas como este, e, usando as ligações de dados entre aeronaves, algumas das informações de um sistema em funcionamento em outro F-35 podem preencher um ponto cego em um avião degradado. Mas isso só funciona até certo ponto e, para testar totalmente os recursos do programa, todos os sistemas devem funcionar corretamente.

Autoridades do Pentágono se recusaram a comentar sobre este relatório.

As baixas taxas de prontidão da frota de testes operacionais são surpreendentes, considerando a natureza de alto perfil da missão da frota. De acordo com a lei federal dos EUA, um grande programa de aquisição de defesa não pode legalmente proceder à produção integral até que o diretor de teste operacional e avaliação (DOT&E) apresente um relatório final ao secretário de defesa e ao Congresso após a conclusão do processo de teste. Por causa disso, a frota de testes operacionais recebe suporte extra na forma de equipes de manutenção maiores, e é presumivelmente mais importante na lista de prioridades para receber peças de reposição.

O gráfico de prontidão de frota de teste operacional mostra que aeronaves sendo usadas para testes operacionais estão, na verdade, com desempenho pior do que o restante da frota do F-35, que poderia alcançar apenas 27% da taxa de capacidade de missão total, de acordo com os últimos dados disponíveis.

Isso vem logo após um recente relatório do Air Force Times mostrando que os números de prontidão em todos os programas de aeronaves da Força Aérea diminuíram constantemente nos últimos oito anos.

Em 2012, todas as 5.400 aeronaves tiveram uma taxa média de 77,9%. Em 2018, esse número caiu para 69,97%. Uma aeronave capaz de realizar missões pode executar pelo menos uma de suas tarefas designadas.

Em setembro do ano passado, reconhecendo a crise na preparação de aeronaves, o então Secretário de Defesa James Mattis emitiu uma diretiva ordenando que os serviços atingissem uma taxa de 80% de missões até o final de setembro de 2019. Os números da Força Aérea indicam que o serviço não deve atender a esse objetivo.

Enquanto a diretiva do ex-secretário era um passo na direção certa, ele estabeleceu um nível relativamente baixo para os serviços. Estipulou uma meta para as taxas de missão, e não para as taxas totalmente capazes de missões, a medida mais relevante da prontidão de uma frota para o combate.

A Força Aérea forneceu várias explicações para as taxas pobres. Um porta-voz disse ao Air Force Times que a principal razão para as taxas em declínio é a idade da frota, atualmente uma média de 28 anos. Uma leitura atenta dos números do artigo do Air Force Times põe em dúvida essa afirmação. Aeronaves mais novas, como o F-22 e o F-35, têm uma média de taxas de missão mais baixas do que as aeronaves antigas que serão substituídas.

Por exemplo, a frota do F-22 teve uma taxa de missão de 51,74 por cento em 2018, enquanto o F-15E mais antigo teve uma taxa de 71,16 por cento. A frota do F-35A tinha em média uma taxa de capacidade de missão de 49,55 por cento, enquanto o F-16D tinha uma taxa de 66,24 por cento, e o A-10C tinha uma taxa de capacidade de missão de 72,51.

O coronel Bill Maxwell, chefe da divisão de manutenção da Força Aérea, também tentou acalmar as preocupações, dizendo ao Air Force Times que a taxa de capacidade global da Força Aérea é apenas um “instantâneo no tempo”.

Seja como for, o gráfico de prontidão de frota de testes operacionais do F-35 que o POGO obteve mostra claramente seis meses de dados para o programa da aeronave no centro de todos os planos futuros dos serviços armados. Ele mostra flutuações nas taxas relativas ao longo do período do relatório, mas as taxas de prontidão durante esse processo crítico de teste de combate têm sido consistentemente ruins.

Espera-se que o Pentágono decida, em outubro, se o programa do F-35 está pronto para passar para a produção de cadência máxima. À luz da divulgação das dificuldades da frota de testes, é difícil ver como o atual programa de testes pode ser concluído a tempo.

Este poderá ser um momento revelador para Robert Behler, o diretor de testes operacionais. Ele poderá, a fim de cumprir o cronograma arbitrário do Pentágono, suspender os testes e dar sinal verde para passar para a produção de cadência completa sem completar o plano de testes aprovado. Mas tal movimento questionaria a integridade do processo de teste e o propósito de seu escritório.

E as tripulações que devem confiar suas vidas a essa aeronave teriam motivos para questionar seu valor de combate, enquanto o povo americano teria mais motivos para duvidar de que um programa que eles financiaram nos últimos 17 anos pode realmente funcionar como anunciado.

FONTE: POGO – Project On Government Oversight

27
Deixe um comentário

avatar
14 Comment threads
13 Thread replies
0 Followers
 
Most reacted comment
Hottest comment thread
20 Comment authors
CoutinhoAntunes NetoJohn Goncalvestadeu54Washington Menezes Recent comment authors
  Subscribe  
newest oldest most voted
Notify of
Willber Rodrigues
Visitante
Willber Rodrigues

“Em setembro do ano passado, reconhecendo a crise na preparação de aeronaves, o então Secretário de Defesa James Mattis emitiu uma diretiva ordenando que os serviços atingissem uma taxa de 80% de missões até o final de setembro de 2019.” Mais cheques em branco pra LM… “Aeronaves mais novas, como o F-22 e o F-35, têm uma média de taxas de missão mais baixas do que as aeronaves antigas que serão substituídas.” E é por isso que NENHUMA força aérea do mundo, incluindo EUA e China, terão uma força aérea de 100% de caças 5° geração. A 4° geração e… Read more »

Washington Menezes
Visitante
Washington Menezes

Quando eu falo que este caça é invisível ninguém acredita, vai ser muito difícil algum radar pegar eles voando.

Washington Menezes
Visitante
Washington Menezes

Mas fanboy é fanboy.

John Goncalves
Visitante
John Goncalves

Oi Menezes, rainha do hangar não costuma ser pego no radar mesmo, não importa a qual geração pertença, pois quem não voa não se molha…

Antoniokings
Visitante
Antoniokings

Estou surpreso com esta notícia.

Antonio Renato Arantes Cançado
Visitante
Antonio Renato Arantes Cançado

Jurra??!

Tomcat
Visitante
Tomcat

O F-35 é o Fórmula 1 dos ares. Quando aterrissar, vai ter de ter uma equipe tão grande a que cuida dos pit stops nas corridas para por ele pronto para a próxima missão… ;P

Antoniokings
Visitante
Antoniokings

Force India.

Chris
Visitante
Chris

Com esse comentário… Definitivamente seu problema é de inveja… heheh

Gustavo
Visitante
Gustavo

E depois é a gente que pega no pé…

Antonio Renato Arantes Cançado
Visitante
Antonio Renato Arantes Cançado

É, parece que quando o F-35 estiver totalmente operacional, estará também totalmente obsoleto.

Washington Menezes
Visitante
Washington Menezes

certeza

Sergio Prado
Visitante
Sergio Prado

“… tem uma taxa de prontidão de 11% desde que o IOT&E começou em 5 de dezembro de 2018”.

Isto é brincadeira não é?

Pergunta aos clientes?

Quem vai bancar as melhorias????

…o contribuinte????

Alfredo RCS
Visitante
Alfredo RCS

Se os F35 apresentam baixa disponibilidade, imagine a “frota” russa de su-35 e a “frota” chinesa de J-20, as quais nao estão sujeitas a padrões de qualidade exigidos pelo livre mercado e nao precisam enfrentar a concorrência internacional para fornecimento de peças…

Thiago Aiani
Visitante
Thiago Aiani

Livre mercado?? NO mercado bélico esse conceito não faz nem sentido.

Washington Menezes
Visitante
Washington Menezes

lá vem o chororo, ninguém ta falando dos Russos e Chineses .

Coutinho
Visitante
Coutinho

É mesmo. A matéria é sobre O F-35. É preciso parar com essa mania de querer desviar do assunto especulando sobre outras aeronaves. É preciso ter mais imparcialidade.

Salim
Visitante
Salim

Teste já acabou. Aeronave em producão, inclusive acelerando entregas o que esta gerando problemas na reposição. Estes aviões, alguns irão reserva, alguns disponíveis para testes de melhorias. A atualização dos mesmos para padrão atual, já foi noticiado que náo vale a pena. Vejam KC390, um avião teste vai pra ativa, um virou scrap e o terceiro vai ser mantido( acredito eu ) pela Embraer como demonstrador comercial e melhorias futuras.

Mattos
Visitante
Mattos

Essa coisa monstruoso de feio ainda vai dar muita dor de cabeça e dor nos bolsos.

alexcg
Visitante
alexcg

so queria saber uma curiosidade qual o sistema operacional dos computadores do caça f35 ?

Washington Menezes
Visitante
Washington Menezes

windows vista, aquela bomba o bom que já vem armado.

Dr. Telêmaco
Visitante
Dr. Telêmaco

O mais irônico nisso tudo é que as armas mais complexas e caras são feitas para nunca serem usadas na sua finalidade real. O Raptor, para dar um exemplo, nunca terá a chance de provar suas qualidades contra as forças chinesas e russas, contra as quais foi idealizado. Nunca enfrentará um Su-30/35 e fará o tira-teima para dirimir milhões de discussões que ocorrem na blogosfera sobre se “esse ou aquele é melhor”. O mesmo vai acontecer com o F35: se um dia resolverem todos os problemas, mesma assim o máximo de ação que ele verá será no oriente médio ,… Read more »

Denis
Visitante
Denis

Pois é. As FFAA americanas foram as criadoras da gestão e manutenção centrada em confiabilidade. A disponibilidade está intimamente relacionada com a confiabilidade (ambas são indicadores usados neste tipo de gestão). Então, uma deficiência daquela está relacionada a uma deficiência também desta. Daí que, indiretamente, eles estão assumindo que o F-35 não é tão confiável quanto deveria.

Zorann
Visitante
Zorann

Será que o salto tecnológico desejado foi alto demais e impossível de ser alcançado dentro dos prazos do programa? Pra mim, parece que é esta a realidade.

E ao vermos o F-35 ser fabricado em lotes com uma infinidade de alterações/modificações tentando sanar problemas no projeto, fica muito claro que o F-35 desejável pode não ser factível.

Washington Menezes
Visitante
Washington Menezes

Assino em baixo

tadeu54
Visitante

Concordo plenamente também, estabeleceram metas baseadas em tecnologias ainda embrionárias, com riscos altíssimos, agora consertar os erros vai ser muito difícil.

Antunes Neto
Visitante
Antunes Neto

Da pra dizer que o F-35 tá próximo dos 80% de taxa de indisponibilidade.