Home Aviação Comercial Embraer entrega 26 jatos comerciais e 25 jatos executivos no 2T19

Embraer entrega 26 jatos comerciais e 25 jatos executivos no 2T19

1797
32

Embraer

São José dos Campos, SP, 30 de julho de 2019 – A Embraer (NYSE; ERJ; B3; EMBR3) entregou um total de 51 jatos no segundo trimestre de 2019 (2T19), dos quais 26 foram jatos comerciais e 25 foram jatos executivos (sendo 19 leves e 6 grandes).

A carteira de pedidos firmes a entregar em 30 de junho totalizava USD 16,9 bilhões na comparação a USD 16,0 bilhões no fim do 1T19. O aumento no backlog da Embraer no 2T19 é devido, em grande parte, à demanda contínua do mercado, principalmente pela nova família de jatos Praetor na Aviação Executiva.

No segundo trimestre, a Embraer recebeu o Certificado de Tipo para o E195-E2 por parte de três órgãos regulatórios: a Agência Nacional de Aviação Civil (ANAC), a Federal Aviation Administration (FAA) e a Agência Europeia para a Segurança da Aviação (European Aviation Safety Agency – EASA). O E195-E2 é a maior das três aeronaves que compõem a nova geração de aviões comerciais da Empresa, os E-Jets E2.

No início do 2T19, a Embraer assinou um pedido firme de 10 jatos E195-E2 com a Air Peace, maior companhia aérea da Nigéria. O contrato inclui direitos de compra para mais 20 jatos E195-E2. Com todos os direitos de compra sendo exercidos, o contrato tem valor de USD 2,12 bilhões.

Durante a 53ª edição do Paris Air Show International, a Embraer fez vários anúncios de vendas, conforme abaixo. Todos os valores são baseados nos atuais preços de lista da Companhia.

A United Airlines assinou um contrato para até 39 jatos E175 que inclui 20 pedidos firmes e 19 opções. O pedido tem um valor de US$ 1,9 bilhão com todas as opções sendo exercidas. A companhia aérea Binter, da Espanha, confirmou os direitos de compra de dois jatos E195-E2 adicionais previstos no contrato original firmado em 2018. A encomenda dos dois novos E195-E2 tem valor de USD 141,8 milhões.

E195-E2

A Embraer também anunciou a intenção de compra da KLM Cityhopper para até 35 jatos E195-E2, sendo 15 pedidos firmes com direitos de compra para outras 20 aeronaves do mesmo modelo. Essa intenção de compra, que ainda exige um Contrato de Compra, tem um valor de US$ 2,48 bilhões.

Durante o Paris Air Show, a Embraer anunciou a assinatura de um contrato com a japonesa Fuji Dream Airlines (FDA) para um pedido firme de dois jatos E175. O pedido tem valor estimado de US$ 97,2 milhões e já estava incluído na carteira de pedidos (backlog) da Embraer do 1T19 como “cliente não divulgado”.

No segmento de Aviação Executiva, a Embraer recebeu o Certificado de Tipo para o novo Praetor 600, da categoria supermédio, dos três principais órgãos regulatórios do mundo: a ANAC, a FAA e a EASA. O primeiro Praetor 600 foi entregue em junho para um cliente europeu não divulgado.

Praetor 600
Praetor 600
P600 AEW

A Embraer Defesa & Segurança e a ELTA Systems Ltd (ELTA), subsidiária da Israel Aerospace Industries (IAI), assinaram no Paris Air Show um Acordo de Cooperação Estratégica para desenvolvimento do P600 AEW (Alerta Aéreo Antecipado). Nessa cooperação, a Embraer fornecerá a plataforma aérea, sistemas de solo, sistemas de comunicações e integração de aeronaves, enquanto a IAI-ELTA fornecerá o radar AEW, SIGINT (inteligência de sinais) e outros sistemas eletrônicos.

A Embraer Serviços & Suporte anunciou no Paris Air Show a assinatura com a Azul Linhas Aéreas Brasileiras S.A. de um contrato de longo prazo para um programa de suporte de peças reparáveis à nova frota de jatos E195-E2 da companhia aérea. A Companhia também anunciou acordos de manutenção e reposição de peças com a Helvetic Airways, da Suíça, e a Aurigny Air Services, da Ilha Guernsey. Durante o MRO Americas, no início de abril, a Embraer também fechou contratos de suporte com a Air Botswana, a espanhola Binter e a Mauritania Airlines.

Sobre a Embraer

Empresa aeroespacial global com sede no Brasil, a Embraer completa 50 anos de atuação nos segmentos de Aviação Comercial, Aviação Executiva, Defesa & Segurança, Aviação Agrícola. A Companhia projeta, desenvolve, fabrica e comercializa aeronaves e sistemas, além de fornecer Serviços & Suporte a clientes no pós-venda.

Desde que foi fundada, em 1969, a Embraer já entregou mais de 8 mil aeronaves. Em média, a cada 10 segundos uma aeronave fabricada pela Embraer decola de algum lugar do mundo, transportando anualmente mais de 145 milhões de passageiros.

A Embraer é líder na fabricação de jatos comerciais de até 150 assentos e a principal exportadora de bens de alto valor agregado do Brasil. A empresa mantém unidades industriais, escritórios, centros de serviço e de distribuição de peças, entre outras atividades, nas Américas, África, Ásia e Europa.

DIVULGAÇÃO: Embraer

Para download do release completo com demais tabelas clique aqui.

32
Deixe um comentário

avatar
8 Comment threads
24 Thread replies
0 Followers
 
Most reacted comment
Hottest comment thread
19 Comment authors
Rafael OliveiraKommanderJuniorFernandoEMBAntoniokings Recent comment authors
  Subscribe  
newest oldest most voted
Notify of
João Moro
Visitante
João Moro

Pessoal, com tenho orgulho da Embraer! espero que continue assim: tendo produtos de alta qualidade, gerando milhares de empregos e trazendo divisas para cá.

Camargoer
Visitante

Parabéns à Boeing-Brasil

Kommander
Visitante
Kommander

Por que os deslikes? Não existe mais embrar, agora é Boeing-Brasil.

Fernando EMB
Visitante
Fernando EMB

Porque isso ainda não é verdade.

Camargoer
Visitante

Porque sim não é resposta (disse o garotinho de 5 anos)

Rafael Oliveira
Visitante
Rafael Oliveira

Kommander,
Sério que até hoje você não entendeu o negócio e que ainda vai existir uma Embraer?

Camargoer
Visitante

A linha de aviões comerciais é da Boeing-Brasil, portanto os 37 aviões relacionados à 2019 foram vendidos pela Boeing-Brasil. Parabéns á ela.

Fernando EMB
Visitante
Fernando EMB

Ainda não existe a tal Boeing Brasil, então os aviões forem produzidos, vendidos e faturados pela Embraer SA.
O resto são mentiras… Ou desinformação.

Camargoer
Visitante

Caro Fernando, Gostaria de destacar um trecho da reportagem da revista “Exame” de 04/jun/2019 (Presidente da Boeing Brasil-Commercial vê fôlego para criar um novo modelo), “…Segundo John Slattery, presidente da Boeing Brasil – Commercial, o braço de vendas da empresa combinada, as duas companhias juntas terão fôlego financeiro para criar um novo modelo, provavelmente um turboélice…”. Se a empresa não existe, o Sr. Slattery é um fanfarrão.

Fernando EMB
Visitante
Fernando EMB

Terão é futuro…. Não existe Boeing Brasil ainda.

Camargoer
Visitante

Caro Fernando. Quem está no futuro é o fôlego financeiro para criar um novo modelo, não a empresa.

Cristiano de Aquino Campos
Visitante
Cristiano de Aquino Campos

Muito bom.

Antoniokings
Visitante
Antoniokings

Ontem, a Air France encomendou 60 + 60 A220s.
Em encomendas, o A220 está ganhando de lavada.

Mauro
Visitante
Mauro

Maior mercado de aviões do mundo são os EUA, é onde a Embraer mais vende aviões desde sempre. Acordo comercial Brasil USA a caminho… então… iremos negociar com quem realmente tem dinheiro.

Camargoer
Visitante

Ola Antônio. Parabéns a Airbus.

ELTON R
Visitante
ELTON R

aquela parada que aconteceu com o B737 com certeza assustou possiveis compradores

Marcos10
Visitante
Marcos10

Na verdade tem muita gente insatisfeita com a Airbus e optando pela Boeing, com problemas e tudo.

Antoniokings
Visitante
Antoniokings

Eu li, ontem, em site de economia americano, que um engenheiro da própria Boeing não permitia que sua família viajasse em um avião da empresa.

Junior
Visitante
Junior

Que muita gente é essa, até agora só vi a IAG fazer isso e aposto que só fez pq a Boeing deu um descontão daqueles irrecusáveis, fora isso três empresas já cancelaram pedidos de MAX a Boeing, inclusive uma saudita que cancelou o seus MAX e logo depois fez um pedido firme para a Airbus. Lembrando que o pedido da IAG para a Boeing é apenas uma carta de intenção, nem contrato assinado tem

Adriano RA
Visitante
Adriano RA

Verdade. O jogo mudou completamente e se a nova joint-venture Boeing-Embraer não colocar todo o seu peso nessas negociações rapidamente, a Airbus vai trucidar nesse mercado. Não tem como a Embraer competir com a gigante européia.
Podem criticar a venda da área de aviação comercial da Embraer por muitos motivos, mas é o clássico caso de “vão-se os anéis, ficam-se os dedos”. Os dedos são a área executiva, defesa e serviços.

Antoniokings
Visitante
Antoniokings

E o pior para a Boeing é que ela está emitindo dívida para comprar a EMBRAER.
Isso em um péssimo momento financeiro com a paralisação do 737-MAX.

Reginaldo
Visitante
Reginaldo

Os A220s são para substituir os A318s e A3190s e naquele esquema… O preço estimado é de 4,9 bilhões de euros mas a companhia não revelou o valor real e eu duvido que tenha sido por este valor mesmo, provável que foi tudo a preço quase de custo, o avião que está dando lucro para a Airbus é o A320 mesmo, surfando na onda do problema do 373 max

Vinicius Momesso
Visitante
Vinicius Momesso

No caso do P600 AEW, a Embraer produz algum componente ou equipamento do sistema de radar?

Observador.
Visitante
Observador.

“O acordo entre a EDS e a Elta, subsidiária da Israel Aerospace Industries (IAI), estabelece que sairão da indústria brasileira o jato, os recursos de terra e os sistemas de comunicação e integração. Os israelenses fornecerão o radar de alerta antecipado, mais os sensores de coleta de informações, vigilância e inteligência.”
Fonte
https://www.aereo.jor.br/2019/06/18/p600-aew-novo-projeto-militar-da-eds/

Carlos Miguez - BH
Visitante
Carlos Miguez - BH

Como é possível no 1T19 terem sido entregues apenas 10 E175, e no 2T19 a produção ter atingido 22 (mais que o dobro) aviões do mesmo modelo ?????
A diretoria anterior (até 09/abr) estava retardando as entregas ????
Se isto ocorreu os acionistas minoritários foram muito prejudicados.

Fernando EMB
Visitante
Fernando EMB

Carlos… Me explica aí o que vc pretendeu dizer? Qual nova diretoria de nada mudou? Como assim retardar entregas?
Vc por acaso analisou o perfil de entrega as anuais?
Entendi que você estava ensinuando algo no seu comentário… Se foi, o que era?

Roberto F. Santana
Visitante
Roberto F. Santana

Provavelmente a Boeing terá que mudar a designação desses aviões ou modificar, acrescentando seu nome ou nova numeração. Quando a fabricante adquiriu a McDonnell Douglas, assumiu, dentre os modelos, o MD-95 derivado da série MD-80, este, por sua vez, já era uma herança do Douglas DC-9. A Boeing, enfim, acabou preenchendo uma antiga lacuna na famosa série de aeronaves de passageiros, designando o modelo como Boeing 717. A aeronave, com poucas vendas e já associada ao seu antigo nome (MD-95 ou DC-9), teve pouca fama, e seu nome acabou no ostracismo. Infelizmente, o mercado de aquisições de companhias e fábricas… Read more »

Valdez de Araujo
Visitante
Valdez de Araujo

Carteira de 26 em 2 trimestres (aviaçao comercial)? Considerando que foi vendida por 6Bi, em pouquissimo tempo a Boing vai tirar a grana que gastou na compra da Embraer.

Marcos10
Visitante
Marcos10

São 363 pedidos firmes. Por quanto foram negociados? Não sabemos. Vamos chutar 50 mi cada aeronave. São 18 bi de alguma coisa. Com margem rondando a casa de 2% … São 360 mi de lucro. Aí você pega 17 bi de divida.

FernandoEMB
Visitante
FernandoEMB

É isso aí… Fazer avião dá um trabalho enorme, custa uma fortuna e as margens são minúsculas.

Valdez de Araujo
Visitante
Valdez de Araujo

2% de lucro por aeronave??? Caramba, padaria dar mais grana.

Camargoer
Visitante

Ola colegas. Lembro que a empresa importavaotorno de us$ 2, 5 bilhões e exportava algo acima de us$ 4 bilhões. Em 2016 teve lucro de cerca de R$ 580 milhões, em 2017 lucro de R$ 780 milhões mas prejuízo de R$ 650 milhões em 2018.