Home Noticiário Internacional Suíça: Saab não participará de testes para um novo caça a jato

Suíça: Saab não participará de testes para um novo caça a jato

2947
25
Saab Gripen E
Saab Gripen E (clique na imagem para ampliar)

BERN – Na quinta-feira, 13 de junho de 2019, a fabricante sueca Saab informou à armasuisse que a Saab não participaria dos ensaios de voo e solo para um novo caça do Exército suíço em Payerne com o Gripen E.

O teste do Gripen E foi agendado de 24 a 28 de junho de 2019. Com sua não participação nos testes de voo e solo, o Gripen E sai do processo de avaliação.

O retorno aos testes de voo e solo em um estágio posterior contradiz o princípio da igualdade de tratamento para todos os candidatos e não é uma opção.

Desde o início de 2018, a armasuisse tem estado em contato regular com todos os candidatos e explicou claramente o processo e os critérios.

Com base nas informações e análises atuais sobre o grau de maturidade e a integração dos subsistemas, especialistas da armasuisse e da Força Aérea Suíça chegaram à conclusão de que várias das missões planejadas não podiam ser realizadas de forma conveniente.

Por esse motivo, a armasuisse recomenda que a Saab se retire da avaliação.

Aparentemente, Saab também chegou à conclusão e, separadamente, estimou a não participar nos ensaios de voo e terra.

Os quatro candidatos seguintes permanecem na avaliação:

  • Airbus com o Eurofighter (DE)
  • Boeing com o Super Hornet F/A-18 (EUA)
  • Dassault com o Rafale (FRA)
  • Lockheed Martin com o F-35A (EUA)

Procedimento adicional no projeto do Novo Caça a Jato

As descobertas da fase de análise e testes serão resumidas separadamente nos relatórios de especialistas da armasuisse em colaboração com a Equipe do Exército, a Força Aérea, a Base Logística do Exército e a Base de Suporte à Liderança. Esses relatórios técnicos são a base para uma comparação sistemática e abrangente entre os candidatos, que será realizada no segundo semestre de 2020. Os relatórios técnicos também servem para determinar o tamanho da frota necessária para cada tipo de aeronave.

A armasuisse irá, com base no calendário atual, preparar um segundo pedido de oferta nesta base e apresentá-lo aos candidatos.

Usando os resultados da segunda oferta, a armasuisse irá comparar os candidatos com base nos relatórios técnicos e determinar os benefícios totais por candidato. Em seguida, será elaborado o relatório de avaliação, no qual o respectivo benefício total será comparado com os custos de aquisição e operação por 30 anos.

A decisão de seleção do tipo é feita pelo Conselho Federal.

FONTE: Agência de Compras de Defesa da Suíça, Armasuisse

25
Deixe um comentário

avatar
12 Comment threads
13 Thread replies
0 Followers
 
Most reacted comment
Hottest comment thread
21 Comment authors
LuciannoRCJWellington GóesBardiniGabriel BR Recent comment authors
  Subscribe  
newest oldest most voted
Notify of
MBP77
Visitante
MBP77

Em outras palavras, só ficaram as aeronaves “baratinhas”.
Vamos se o vencedor vai ser aprovado em novo referendo popular*, ou não.
Sds.
*Se é que tenha desta vez.

Robert Smith
Visitante
Robert Smith

Hum…. cheirinho de marmelada… ou melhor seria algo como nosso conhecido e tradicional jogo de cartas marcadas…

BILL27
Visitante
BILL27

O caça de produção ainda não esta pronto como poderia participar disso ?
COm os prototipos ? O Gripen nem poderia estar nesta lista

Paulo Costa
Visitante
Paulo Costa

” Aparentemente, a Saab também chegou à conclusão e, separadamente, estimou a não participar nos ensaios de voo e terra”

Ou seja, nao houve marmelada e sim W.O.

Delfim
Visitante
Delfim

No atual estágio o F-39E está muito à frente do que quando foi escolhido no F-X2, quando ainda era um projeto. Tecnicamente não há empecilhos.
Provável de tal decisão vir da antiga tradição suíça de rigidez e precisão em tudo que faça. Uma pressão dos demais concorrentes e seus respectivos governos não pode ser descartada.
De qualquer forma, regras são regras, mas acredito que a Suíça no final sairá perdendo pois seus concorrentes, embora cumpram as exigências, o farão com custos maiores.

EduardoSP
Visitante
EduardoSP

Para dizer que tecnicamente não há empecilhos, é necessário o conhecimento do conjunto de operações que serão avaliadas, a forma como a avaliação foi construída, assim como o estágio de desenvolvimento do Gripen E. Sem esse conhecimento, não é possível fazer essa afirmação.

Luís Henrique
Visitante
Luís Henrique

Não é marmelada.
Eles querem avaliar capacidades operacionais.
Como fazer a avaliação do Gripen E se este ainda está em desenvolvimento?

Voar é uma coisa. Envelope de vôo, etc.
Agora, capacidades de combate fica difícil de avaliar em vôos operacionais.
O Gripen E só terá IOC em 2023 ou 2024.

Os 4 concorrentes já tiveram IOC e até participação em conflitos.

Bardini
Visitante
Bardini

“O Gripen E só terá IOC em 2023 ou 2024.”
.
2021…

Marcelo
Visitante
Marcelo

Considerava o Gripen favorito. Agora creio que dê Rafale, que já havia sido considerado o melhor na 1a competição . Mas se estão com verbas curtas melhor ir de F/A-18E/F. F-35 é inadequado para a missão suíça (patrulhamento é interceptação).

Junior
Visitante
Junior

Se o Trump fizer chantagem e querer tarifar produtos suíços que entram nos EUA, a Suíça pode mudar de ideia rapidinho e o F-35 se transformar em favorito

teropode
Visitante

Não é muito inteligente imaginarmos que os clientes do F35 compram o caça por pura pressão Americana , não imagino nações como Turquia , Israel , CS e Japão sendo feitos de bobinhos. Eles não estão na América do Sul.

Junior
Visitante
Junior

Engraçado você falar da CS, o Trump pressionou hoje o primeiro ministro da CS a comprar mais F-35

Lucianno
Visitante
Lucianno

terapode: O Japão, CS e Israel são totalmente dependentes dos USA quando se trata de defesa. (estou excluindo a Turquia desta lista). É obvio que irão sempre comprar equipamentos americanos. Os USA gastam bilhões com tropas para proteger Japão e CS. Se não fosse pelos americanos, Israel hoje não existiria mais. A pressão americana não é somente para o F-35, mas para qualquer armamento americano. A Noruega relatou que foi “obrigada” a comprar o F-35. Os USA vetaram “informalmente” a compra do Rafale por qualquer país da OTAN que precise de tropas americanas, ou seja praticamente todos! Não estou criticando… Read more »

Marcelo Andrade
Visitante
Marcelo Andrade

Acho que vai dar Super Honet. mantendo a cadeia de logística já que usam o F-18C, apesar de serem aviões diferentes.

teropode
Visitante

Querem uma aeronave para os próximos 40 anos , em 30 anos o F18 se torna totalmente irrelevante .

teropode
Visitante

Estranho o NG não participar , a desculpa que ele ainda tá em desenvolvimento não faz sentido , o F35 também está em desenvolvimento e participa da shortlist, a única diferença é que utilizam mais de 400 protótipos 😂😂😂😂😂😂😂. Será que o NG terá pelo menos 100 protótipos?

Holtberi
Visitante
Holtberi

SAAB … Só no Brasil .

Antonio Renato Arantes Cançado
Visitante
Antonio Renato Arantes Cançado

…no Brasil e…na Suécia, na África do Sul, na Hungria, na República Tcheca, na Tailândia…

Antonio Renato Arantes Cançado
Visitante
Antonio Renato Arantes Cançado

Ainda acho que o Gripen seria o vetor de combate ideal para a Suíça, mas…

Ferreras
Visitante
Ferreras

Como eles costumam manter uma posição neutra, provavelmente irão escolher um caça que atenda mais a policiamento aéreo do que um conflito de alta intensidade.

Fernando Turatti
Visitante
Fernando Turatti

Honestamente, a Suíça é uma furada. Desde a palhaçada do plebiscito que eu já me negaria a ter gastos pra concorrer lá.
A Suíça fez o certo na ordem errada. Primeiro deveriam ter feito um plebiscito, DEPOIS uma concorrência. Eles fizeram de otsrios os participantes, algo inaceitável.

Marcos Cooper
Visitante
Marcos Cooper

Sempre foi assim. No processo de escolha do F-18,quando este venceu o F-16,foi feito uma consulta à população, que entendeu a necessidade da força aérea e então o governo autorizou a licitação.

Gabriel BR
Visitante
Gabriel BR

Minha torcida é para o Rafale F4

Wellington Góes
Visitante
Wellington Góes

Força aérea séria, não avalia o que não existe operacionalmente, ou seja, não inventa avaliação baseado em AutoCad.

RCJ
Visitante
RCJ