Home Aviação de Ataque F-35: Pentágono luta contra o relógio para consertar problemas graves e não...

F-35: Pentágono luta contra o relógio para consertar problemas graves e não relatados

4244
106
F-35
Caças F-35

WASHINGTON – O site americano Defense News publicou hoje uma série de reportagens informando que nos últimos anos, os líderes do Departamento de Defesa dos Estados Unidos deixaram de citar problemas técnicos como a maior preocupação do programa F-35 e lamentando as despesas de compra e manutenção da aeronave.

Mas a realidade pode ser pior. De acordo com documentos obtidos exclusivamente pelo Defense News, o F-35 continua a ser marcado por falhas e defeitos que, se não forem corrigidos, podem criar riscos para a segurança dos pilotos e questionar a capacidade do caça de atingir partes importantes de sua missão:

Pilotos de F-35B e F-35C, obrigados a observar limitações na velocidade do ar para evitar danos à estrutura do F-35 ou ao revestimento furtivo. Picos de pressão no cockpit que causam dor “excruciante” e sinusite. Problemas com o monitor montado no capacete e a câmera de visão noturna que contribuem para a dificuldade de aterrissar o F-35C em um porta-aviões.

Estes são alguns dos problemas com o jato que os documentos descrevem como deficiências de categoria 1 – a designação dada a grandes falhas que afetam a segurança ou a eficácia da missão.

Todos, com exceção de alguns desses problemas, escaparam ao escrutínio intenso do Congresso e da mídia. Alguns outros foram brevemente mencionados em relatórios de grupos de fiscalização do governo.

Mas a maioria desses problemas não foi divulgada publicamente, expondo a falta de transparência sobre as limitações do sistema de armas mais caro e de alto perfil do Departamento de Defesa.

Esses problemas afetam muito mais operadores do que a base de clientes da Força Aérea, do Corpo de Fuzileiros Navais e da Marinha dos EUA. Onze países – Austrália, Bélgica, Dinamarca, Itália, Israel, Holanda, Noruega, Japão, Coreia do Sul, Turquia e Reino Unido – escolheram a aeronave como seu futuro caça, e nove nações parceiras contribuíram com fundos para a desenvolvimento do F-35.

Em conjunto, esses documentos fornecem evidências de que o programa F-35 ainda está enfrentando sérios problemas técnicos, mesmo quando se encontra em um momento-chave de transição.

E o relógio está avançando. Até o final de 2019, os líderes do Departamento de Defesa devem tomar uma decisão crítica sobre a possibilidade de fechar a porta no estágio de desenvolvimento do F-35 e seguir em frente com uma produção de cadência total. Durante este período, a cadência de produção anual vai disparar dos 91 jatos fabricados pela Lockheed Martin em 2018 para mais de 160 em 2023.

De um modo geral, a política do departamento exige que todas as deficiências sejam solucionadas antes do início da produção com cadência total. Isso significa reduzir os dispendiosos retrofits necessários para trazer os aviões existentes ao padrão.

Um F-35C Lightning II do Strike Fighter Squadron (VFA) 147 se aproxima do USS Abraham Lincoln (CVN 72) para pouso
Um F-35C Lightning II do Strike Fighter Squadron (VFA) 147 se aproxima do USS Abraham Lincoln (CVN 72) para pouso

As 13 deficiências incluem:

  • No sistema de logística do F-35 (ALIS) atualmente não tem como os operadores estrangeiros do F-35 impedirem que seus dados secretos sejam enviados para os Estados Unidos.
  • O inventário de peças sobressalentes mostrado pelo sistema de logística do F-35 nem sempre reflete a realidade, causando cancelamentos ocasionais de missões.
  • Picos de pressão de cabine no cockpit do F-35 são conhecidos por causar barotrauma, a palavra dada ao ouvido extremo e dor sinusal.
  • Em condições muito frias – definidas como ou próximas de 30 graus Fahrenheit – o F-35 erroneamente relatará que uma de suas baterias falhou, às vezes levando as missões a serem abortadas.
  • Voo supersônico acima de Mach 1.2 pode causar danos estruturais e formação de bolhas no revestimento furtivo do F-35B e F-35C.
  • Depois de fazer certas manobras, os pilotos F-35B e F-35C nem sempre conseguem controlar completamente o pitch, roll e yaw da aeronave.
  • Se o F-35A e o F-35B estourarem um pneu durante o pouso, o impacto também poderá romper ambas as linhas hidráulicas e representar um risco de perda de aeronave.
  • Um “brilho verde” às vezes aparece no visor montado no capacete, lavando as imagens no capacete e dificultando a aterrissagem do F-35C em um porta-aviões.
  • Nas noites com pouca luz das estrelas, a câmera de visão noturna às vezes exibe estrias verdes que tornam difícil para todas as variantes ver o horizonte ou pousar em navios.
  • O modo de busca marítima do radar do F-35 apenas ilumina uma pequena faixa da superfície do mar.
  • Quando o F-35B aterrissa verticalmente em dias muito quentes, motores mais antigos podem ser incapazes de produzir o empuxo necessário para manter o jato no ar, resultando em uma aterrissagem dura.

O Pentágono identificou quatro deficiências adicionais da categoria 1 desde o início dos testes operacionais em dezembro de 2018, principalmente centradas em interfaces de armas, disse Winter.

“Elas não são catastróficas. Se elas fossem, teriam que parar o teste. Não há nada assim”, disse ele. “Elas serão correções diretas de software. Nós só precisamos implementá-las”.

Subscribe
Notify of
guest
106 Comentários
oldest
newest most voted
Inline Feedbacks
View all comments
BILL27
BILL27
1 ano atrás

A primeira deficiencia é uma indecencia

Maurício.
Maurício.
Reply to  BILL27
1 ano atrás

BILL, eu nem acho que a indecência seja por causa da deficiência, a pior indecência é dos próprios operadores da aeronave que mesmo sabendo dessa deficiência ainda continuam com a aeronave, se eles sabem disso e mesmo assim continuam com a aeronave o problema é deles.

Adriano Madureira
Adriano Madureira
Reply to  Maurício.
1 ano atrás

F-35 Widowmaker…

Joao Moita Jr
Joao Moita Jr
Reply to  Adriano Madureira
1 ano atrás

F-35 CashBurner

Willber Rodrigues
Willber Rodrigues
Reply to  BILL27
1 ano atrás

Mas quem o comprou, não comprou sabendo desse “pequeno” detalhe?

Jonas Machado
Jonas Machado
Reply to  Willber Rodrigues
1 ano atrás

Não creio. Teve muito pano preto pro programa deslanchar. Agora já era.

Ricardo da Silva
Ricardo da Silva
Reply to  BILL27
1 ano atrás

F-35 “Aardvark II”

tadeu54
Reply to  Ricardo da Silva
1 ano atrás

Assim como o F-111 Aardvark foi lançado como panacéia, o F-35 também, com todas as promessas e todos os infindáveis defeitos.

Chris
Chris
Reply to  BILL27
1 ano atrás

Vendo isso… Percebe-se que sao deficiências normais de qquer projeto !

O erro… Foi vende-lo antes de estar pronto !

Marcelo Martins
Marcelo Martins
Reply to  Chris
1 ano atrás

Mas faz uns 15 anos que esse avião está em desenvolvimento e ainda não está pronto ?
Vai estar pronto quando ? Quando o sertão virar mar ?

Luís Henrique
Luís Henrique
Reply to  BILL27
1 ano atrás

Até o final do ano serão quase 500 F-35 produzidos.
Ano que vem a produção aumenta para 160 F-35 por ano.
Esses problemas não são tão complexos ou tão grandes como algumas matérias tentam mostrar.
Entendam que existe um lobby gigantesco da Boeing e das empresas europeias (Airbus, Dassault, SAAB, etc) para conseguirem vender os seus caças.

Joao Moita Jr
Joao Moita Jr
Reply to  Luís Henrique
1 ano atrás

A é? Aqui nas FFAAS dos Estados Unidos todos estamos cientes da jaca que virou esse projeto. Eu estou no US Army, mas trabalhamos sempre em conjunto com a USAF, trocamos sempre ideias, e por aqui a conversa diária são os problemas alarmantes de todas índoles do F-35. Além disso, tenho um sobrinho que está no segundo ano da USAF Academy em Colorado Springs, e adivinha o quê? Ele opina o mesmo.
Vaí por mim, amigo. Os problemas são descabelantes.

Abs

Dr. Telêmaco
Dr. Telêmaco
Reply to  Joao Moita Jr
1 ano atrás

E viviam dizendo que a jaca era o Rafale.
As voltas que essa terra plana dá, né?

Coutinho
Coutinho
Reply to  Dr. Telêmaco
1 ano atrás

No caso do Rafale, o apelido não era referente a problemas no avião e sim a questões como custo de hora de vôo, armamento exclusivamente francês e detalhes assim.

MARCIO VAGNER BARBOSA
MARCIO VAGNER BARBOSA
Reply to  BILL27
1 ano atrás

Não acho que é deficiência. Parece mais proposital.

M.@.K
M.@.K
1 ano atrás

Esse é preço de inovar tecnologicamente. O estanho é que dificuldades assim não foram relatadas com o F22. Se foram, ficaram bem abafadas.

BILL27
BILL27
Reply to  M.@.K
1 ano atrás

naqela época a cobertura detses temas e o acesso a internet era bem menor

M.@.K
M.@.K
Reply to  BILL27
1 ano atrás

Hehehe, bom pode ser….

Coutinho
Coutinho
Reply to  BILL27
1 ano atrás

E o método de desenvolvimento do F-22 não foi o malfadado “concurrency”. O avião foi testado antes da produção em larga escala.

Antoniokings
Antoniokings
Reply to  M.@.K
1 ano atrás

Com o avanço da ciência e dos sistemas computacionais não poderia haver tantos erros em aparelhos já em uso.
Esses problemas eram para ser acusados nas simulações de computação e não ‘in loco’.
Isso é bizarro.

M.@.K
M.@.K
Reply to  Antoniokings
1 ano atrás

Não entendo muito do assunto. Mas penso eu que o maior problema do F35 foi a ousadia em tentar criar uma aeronave que que tivesse as caraterísticas de um interceptador, caça e avião de ataque ao solo (me corrija se estiver errado), tentado fundir numa única aeronave o F16, o A10 e o Sea Harrier, além de caraterísticas stealth do F22. Acho que não havia muita maturidade tecnológica para um avanço tão complexo como esse. Por isso essa lista infindável de problemas….

cirqueira
cirqueira
Reply to  M.@.K
1 ano atrás

tbm acho q toda tecnologia de ponta está sendo colocada e atualizada nesse projeto, não existe nada igual no mundo!

Paulo Costa
Paulo Costa
Reply to  M.@.K
1 ano atrás

E difícil Assoviar e chupar cana ao mesmo tempo…

Mortadela
Reply to  Antoniokings
1 ano atrás

Primeiro comentário sensato! Parabéns!

João Ramos
João Ramos
Reply to  M.@.K
1 ano atrás

Sem contar que o F22 não foi exportado, diminuindo a necessidade de relatar problemas.

Kira
Kira
Reply to  João Ramos
1 ano atrás

Tô começando a achar que não foi a toa que pararam de fabricar o F.22. Talvez seja tão problemático quanto seu irmão mais novo, mas não revelaram os defeitos. Obs: adoro o F22!

ivo
ivo
Reply to  Kira
1 ano atrás

pararam de fabricar o f22 porque ele não dava problemas, oque da lucro são exatamente os problemas.

BILL27
BILL27
Reply to  ivo
1 ano atrás

O F-22 foi parado porque a USAF na época achava que a quantidade era sufisciente e como não iria ser exportado estava bom .Vide outras aeronaves exclusivas ,que tbm não foram produzidas em grande quantidade a exemplo o F-117

Kemen
Kemen
1 ano atrás

Não acredito que todas essas falhas e algumas são muito graves, sejam de todos os F-35, apenas de um ou outro, mas de qualquer forma são bastantes.

Washington Menezes
Washington Menezes
Reply to  Kemen
1 ano atrás

Kemen eles usam o mesmo software, logo é geral, e o ponto forte que seria o software que fazem um alarde, faz dez anos que falam em atualizar, melhorar e continua uma M…. a ponto do radar de busca iluminar uma pequena área.

JT8D
JT8D
Reply to  Washington Menezes
1 ano atrás

Mas muitos dizem que é o preço a pagar por um avião revolucionário. Me diz o que um radar de busca tem de revolucionário

Jadson Cabral
Jadson Cabral
Reply to  JT8D
1 ano atrás

Duvido que você entenda, caso alguém explique.

JT8D
JT8D
Reply to  Jadson Cabral
1 ano atrás

Você sabe?

Kemen
Kemen
Reply to  Washington Menezes
1 ano atrás

Washington, em relação as falhas de software eu concordo com você, mas existem outras…

tadeu54
Reply to  Washington Menezes
1 ano atrás

A algum tempo plagiei aqui descaradamente os físicos nucleares que criaram a ” Lei dos reatores a fusão nuclear “: ” Não importa o ano, a fusão nuclear vai sempre precisar de mais 30 anos para ficar pronta ! ”
E criei a Lei do F-35: ” Não importa o ano, o F-35 sempre vai precisar de mais 500 bilhões de dólares ( é, com b de Brasil ) e mais 5 anos de desenvolvimento para ficar pronto ! “

Augusto L
Augusto L
Reply to  Washington Menezes
1 ano atrás

Eu não sei q M…, os ultimos blocks ja estão com 95% das funções operacionais e dos 13 problemas citados no texto 10 não tem nada haver com software.
Quanto ao radar, o texto foi bem vago, se for a função SAR/ISAR é bem provavel que seja uma aérea pequena mesmo, qualquer caça com essa capacidade terá esse problema, eles não são plataformas com grandes radares de abertura sintentica como o P-8 ou o E-8, ou seja, é bem provável que o texto ta botando defeito onde não tem.

Antoniokings
Antoniokings
1 ano atrás

Já havia escrito aqui.
Quanto mais produzem, mais reproduzem os problemas.

Tomcat4.0
Tomcat4.0
Reply to  Antoniokings
1 ano atrás

Xings, mais uma vez(são raras) vc mereceu um Like!!! 😉

Antoniokings
Antoniokings
Reply to  Tomcat4.0
1 ano atrás

Valeu! Vou contabilizar.
rsrsrs

Dr. Telêmaco
Dr. Telêmaco
Reply to  Antoniokings
1 ano atrás

Também dei um joinha rsrsrsrs

Coutinho
Coutinho
Reply to  Tomcat4.0
1 ano atrás

Verdade. Tambem dei dois likes pra ele nessa matéria.

Maurício.
Maurício.
1 ano atrás

” Um “brilho verde” às vezes aparece no visor montado no capacete…”
Se tem uma coisa que eu acho que foram muito radical no F-35 é a falta de um HUD, por esse relato os problemas naquele bendito capacete ainda não foram 100% resolvidos.

Wagner
Wagner
Reply to  Maurício.
1 ano atrás

Alienigenas! Kkkkkkk

100nick-Elã
100nick-Elã
1 ano atrás

Eu defendo o F35 com unhas e dentes. Acho um ótimo avião e acredito que os EUA e vários países ocidentais deveriam comprá-los aos monte, porque esses problemas são mínimos e é o preço a pagar pela inovação. Rússia e China vão tremer de medo e se colocar no seu devido lugar, caso os EUA produzam esse avião em massa. Estão morrendo de medo, esses vermelhinhos.

Flanker
Flanker
Reply to  100nick-Elã
1 ano atrás

Bela ironia, vinda de você! Logo você, um defendor ferrenho e apaixonado incondicional pela Rússia……você está torcendo para que os EUA e seus aliados comprem muitos ……. para ficarem, no seu entendimento, com um problema cada vez maior nas mãos…..

RENAN
RENAN
Reply to  100nick-Elã
1 ano atrás

Poderia produzir 100 mil aeronaves assim quebraria o orçamento de vários países

Rprosa
Rprosa
Reply to  100nick-Elã
1 ano atrás

100nick-Elã independentemente do seu lado fanboy, acho que você deveria se ater aos termos da reportagem, os problemas não são minimos, ao contrario impedem o perfeito funcionamento da máquina, ou voce consegue se imaginar num caça com limite de velocidade para não danificar o revestimento, e o mesmo que voce ter uma Ferrari e não poder passar dos 100, assim de que adinta comprar centenas, milhares de F-35 sem que sejam solucionados todos os problemas os quais não são poucos. Data venia maxima, a eterna desculpa de que por ser um avião tecnologicamente avançado seria a causa dos problemas não… Read more »

Edison Castro Durval
Edison Castro Durval
Reply to  Rprosa
1 ano atrás

Rprosa, ele está sendo sarcástico, ele não é um defensor do F35.

Jonas Machado
Jonas Machado
Reply to  100nick-Elã
1 ano atrás

Cara, seja racional. Babação demais cega. O EUA estão abrindo mão de um enorme aliado estratégico pra não deixar o S400 e o F35 juntos. É um recibo cabal que o avião não é tudo isso.

L.D.K.
1 ano atrás

Um teste de veracidade, se é ou não um bom ou mal avião é, vender para a Índia e esperar o resultado de um ano de uso.
Se sobreviver aos indianos, é inegável que é um super sistema.
Do contrário, será só mais uma vítima de uma cadeia logística ineficiente e mortal para qualquer equipamento.
Sendo irônico, porém não tanto.

Adriano Madureira
Adriano Madureira
Reply to  L.D.K.
1 ano atrás

Essa foi boa LDK‼️ Esse teste seria o TESTE…

Carlos Ravara
Carlos Ravara
Reply to  L.D.K.
1 ano atrás

Poderiam colocar a maioria no leste europeu também, 100% de certeza que a culpa seria dos russos ou do malvado Putin.

Nilton L Junior
Nilton L Junior
1 ano atrás

Pera ai galera … o caça ainda esta em desenvolvimento, não é igual ao Russo e Chines que está quase pronto.

MBP77
MBP77
Reply to  Nilton L Junior
1 ano atrás

“Abre a boca, é Ursal!” * Desculpe, o trocadilho foi mais forte do que eu. 🙂 * Sobre os aviões citados (russo e chinês), quais as fontes fidedignas que temos para saber as reais capacidades delas frente ao F-35 ou mesmo ao F-22? Há como aferir (sem torcida) se são semelhantes àquelas, superiores ou inferiores? Há como aferir se elas passam por problemas em seu desenvolvimento, ou estes são omitidos? Creio que sem termos acesso a esses dados, tudo não passa/passará de ilações embasadas mais em desejo do que em fatos concretos. Até porque, convenhamos, propaganda de “melhor aeronave de… Read more »

Nilton L Junior
Nilton L Junior
Reply to  MBP77
1 ano atrás

Ironia meu jovem, apenas ironia.

Wagner
Wagner
Reply to  Nilton L Junior
1 ano atrás

Hoje é dificil ser ironico.

Carlos Ravara
Carlos Ravara
Reply to  MBP77
1 ano atrás

Sobre os aviões F-35 e F-22 , quais as fontes fidedignas que temos para saber as reais capacidades deles?

Carlos Ravara
Carlos Ravara
Reply to  Carlos Ravara
1 ano atrás

US Defense e outros sites do governo não valem (lei de sputnik rsrs).

MBP77
MBP77
Reply to  Carlos Ravara
1 ano atrás

Pois então, você acabou de confirmar o teor do que eu disse acima. Aliás, nação alguma divulga a real capacidade de combate das suas aeronaves no estado da arte, isso é evidente. Realmente, fontes fidedignas e isentas não existem, em qualquer dos lados. Mas pelo pouco que sabemos, o F-22 já participou de operações de combate reais (e está operacional há um bom tempo), assim como os F-35 israelenses. O SU-57 ao menos foi deslocado recentemente para a Síria e, segundo os russos, participou de ações naquele teatro. O chinês, nem isso. Portanto, tendo como base apenas esses dados (limitados,… Read more »

Carlos Ravara
Carlos Ravara
Reply to  MBP77
1 ano atrás

O ideal seria fontes com vídeos, e mesmo assim não há como saber onde o su-57 está; quanto ao f-22, veio da “reuters podemos tirar, se achar melhor”?
Para os desavisados, é uma pergunta retórica; o MBP77 pode ter lido, ou visto, de qualquer outra fonte. Coloquei a Reuters pelo prestígio e, mesmo assim, submeteu-se a uma situação, usando um eufemismo, embaraçosa.

MBP77
MBP77
Reply to  Carlos Ravara
1 ano atrás

Carlinhos (Er)Ravara;

https://www.aereo.jor.br/2018/11/24/novo-video-mostra-caca-furtivo-russo-su-57-operando-na-siria/

https://www.aereo.jor.br/2017/12/14/cacas-f-22-e-su-35-voltam-se-encontrar-nos-ceus-da-siria/

https://www.aereo.jor.br/2018/05/22/cacas-f-35-de-israel-acabam-de-fazer-sua-estreia-em-combate/

Espero não ter te embaraçado, só mais um pouco, por não ter tido a capacidade de pesquisar aqui mesmo no PA.
Favor observar as fontes das respectivas matérias também, ok?
Sds.

Carlos Ravara
Carlos Ravara
Reply to  MBP77
1 ano atrás

De forma alguma fiquei embaraçado, sou cético em relação a quase tudo, dúvida é a minha forma de encarar a vida, o mundo, etc.
Quanto aos links, já vi todos aqui (não comentava ainda, ficava me divertindo com as tretas); mas a dúvida permanece quanto à veracidade das capacidades das aeronaves que alguns comentaristas tratam como se fosse o Pai Nosso.
Quanto ao SU-57, pode ser montagem, estão dizendo que os russos editaram um vídeo de lançamento de um míssil hipersônico!

Em relação ao “Carlinhos”, seria melhor mudar para Carlão, tenho mais de dois metros de altura.

Jeff
Jeff
1 ano atrás

É o preço pago pelo pioneirismo. Nada que não resolvam com o tempo.

João Ramos
João Ramos
Reply to  Jeff
1 ano atrás

Essa já não esta colando mais….

Thiago Telles
Thiago Telles
Reply to  João Ramos
1 ano atrás

Pela enesima vez digo: um bom laboratório p os próximos projetos. Caro… Mas um bom laboratório.

Tomcat4.0
Tomcat4.0
Reply to  Thiago Telles
1 ano atrás

Lembrem do F-117 que já estava voando 10 anos antes de sabermos de sua existência, já devem estar bem adiantados em um vetor mais capaz e moderno que o F-35, o laboratório voador.rs

francisco Farias
francisco Farias
Reply to  Tomcat4.0
1 ano atrás

Quer dizer então que: os USA empurram uma porcaria nos vassalos e, com o dinheiro adquirido dos bestas, desenvolvem um vetor superior e só pra eles.
É, como diz o ditado popular “quem tem besta não compra cavalo”.

Coutinho
Coutinho
Reply to  francisco Farias
1 ano atrás

Francisco Farias: Você se esquece que os maiores clientes do F-35 são as Forças Armadas dos USA (Força Aerea, Marinha e Fuzileiros). Ou você não sabia disso?

Carlos Ravara
Carlos Ravara
Reply to  Tomcat4.0
1 ano atrás

Alegoria ao “O Senhor dos Anéis”.

JT8D
JT8D
Reply to  Jeff
1 ano atrás

Sim, o tempo dessa coisa sair de operação e ser substituído por um avião decentemente projetado

Antunes 1980
Antunes 1980
1 ano atrás

Fico imaginando como países livres como Rússia e China permitiriam que fosse feito esta propaganda negativa do seu produto. Já notaram que até hoje não vi absolutamente nenhuma notícia negativa do SU-57 e do J-20? A tal imprensa livre, fica a todo momento querendo denegrir governos e empresas. Se achando o balizador moral da humanidade. Além deles, profissionais extremamente mal intencionados, que às vezes até fazem papel de espionagem, enchem os tabloides de notícias sensacionalistas e nem sempre fidedignas. Uma pena o mundo estar seguindo o caminho do sensacionalismo barato em detrimento ao trabalho sério. O F-35 já foi adquirido… Read more »

Rprosa
Rprosa
Reply to  Antunes 1980
1 ano atrás

Me diga qual missãod e combate ele voou, com exceção de atacar os barbudinhos de sandalias do ISIS e voar sobre os ceus do Libano, o F-35 não fez mais nada em combate, assim afirmar que um caça que não consegue sequer usar o canhão e um suicesso de critica e de público e muito achismo. O problema do F-35 e que é um programa multinacional, se fosse apenas americano como o LCS, DDG 1.000 ou o Comanche, acredito que ele já teria sido suspenso, porém como envolve muitas nações e o dinheiro investido e muito alto, além de estar… Read more »

Wagner
Wagner
Reply to  Rprosa
1 ano atrás

Me diga qual aeronave de 4++ geraçao atirou em algo que nao fosse alguma coisa de sandalia ou Hilux com metralhadora na caçamba.

Marcelo
Marcelo
Reply to  Antunes 1980
1 ano atrás

não é verdade que não existem reportagens negativas sobre o Su-57. Basta procurar. Na Air International já li várias.

Alexandre
Alexandre
Reply to  Antunes 1980
1 ano atrás

De fato o f-35 ja é um sucesso! Afinal, conseguir vender algo que não é capaz de minimamente apresentar as virtudes prometidas, ou melhor dizendo, as especificações estabelecidas em projeto , representa um sucesso enorme de vendas!!!! Fico imaginando muitos dos que, em nome da transparência e do custo da inovação, aceitariam comprar um celular,um carro, um computador,uma televisão….etc, que não funcionasse e não executasse tudo que é especificado no manual, ficariam satisfeitos e esperariam por tempo indeterminado as soluções e correções necessárias!!!! Há mais de uma década a promessa é substituída por mais promessas! F 35 é um sucesso… Read more »

Willber Rodrigues
Willber Rodrigues
1 ano atrás

Centenas de deficiências no projeto, muitos deles extremamente sérios.
Daqui a pouco os EUA e seus parceiros de projeto soltam mais alguns cheques em branco para resolvê-los. Simplesmente porque não há alternativas, e esse programa já foi longe demais pra ter outra alternativa.

Davi
Davi
1 ano atrás

O J-31 que é uma cópia exata do F-35 deve estar sofrendo dos mesmos problemas.
Por quê a China não divulga nada?

Nilton L Junior
Nilton L Junior
Reply to  Davi
1 ano atrás

Horas porque o da China é bem feito, por isso.

Flanker
Flanker
Reply to  Nilton L Junior
1 ano atrás

É pra rir, né?

Thiago Telles
Thiago Telles
Reply to  Davi
1 ano atrás

Com devido respeito, apesar de a china estar evoluindo a passos largos, a tecnologia embarcada no projeto f35, funcionando ou nao, esta anos na frente do j31.

Nilton L Junior
Nilton L Junior
Reply to  Thiago Telles
1 ano atrás

Talvez mas os fanboy vão ao delírio.

Celso Cruz
Celso Cruz
Reply to  Thiago Telles
1 ano atrás

“tecnologia embarcada”?.. alguém aí de vcs já abriu algum celular, tablet e/ou notebook? um mísero PC? percebam os inúmeros microcontroladores fabricados made in taiwan, china e etc. praticamente não há made in USA 😉

Flanker
Flanker
Reply to  Celso Cruz
1 ano atrás

Humm….entendi! Então os EUA não tem essa tecnologia? O vale do silício nos anos 70 foi tudo invencionice…..Microsoft, Apple, Dell, ……tudo isso é invencionice….. Esses produtos que você falou são fabricados em Taiwan, na China, etc….com tecnologia 100% daqueles países? Os EUA criaram essas marcas só no papel e deram para os orientais e falaram: nós criamos a marca e vocês criam todos os produtos? Menos, cara…..beeeem menos…… Empresas visam lucro! E o que dá mais lucro? Produzir nos EUA, pagando o salário de um trabalhador norte-americano e outros custos associados ou produzir em Taiwan, pagando o salário de um… Read more »

Merlin
Merlin
Reply to  Davi
1 ano atrás

Já li definições de que o projeto do F-35 é um conjunto de sistemas, onde o avião (como conhecemos hoje) é apenas uma parte dele. Não tenho opinião sobre esta afirmação porque não tenho conhecimento da amplitude que os sistemas aplicados embarcados nele tem. Mas dizer que o J-31 é uma cópia exata do F-35, mesmo baseando-se apenas na parte visual, foge bastante da realidade. O nível da acabamento para potencializar a furtividade já define o patamar dos projetos. Referente aos sistemas, não dá para comparar. O F-35 e sua suíte de softwares e eletrônica devem estar em outro patamar.… Read more »

Coutinho
Coutinho
Reply to  Davi
1 ano atrás

Externamente o J-31 é uma cópia do F-35. Agora, os sistemas, os motores e até a tinta RAM são diferentes. Não duvido que todos os sistemas do J-31 sejam os mesmos do J-11. Por isso deve ter menos problemas .

Merlin
Merlin
Reply to  Coutinho
1 ano atrás

Cópia é forçar a barra Coutinho. Cópia é o que a China fez do Su-27 com o J-11.
Referente aos demais (sistemas e motores), tenho o mesmo pensamento.

Coutinho
Coutinho
Reply to  Merlin
1 ano atrás

Verdade. Mais correto seria dizer que os chineses se basearam nas linhas do F-35 para criar o J-31. Mas que ficou quase idêntico, isso ficou. 🙂

Tutu
1 ano atrás

Só digo uma coisa, B1 Lancer

marcus
marcus
Reply to  Tutu
1 ano atrás

Reativar a linha de montagem do F22. E a Lockheed Martin deverá empregar tudo que já recebeu no projeto do F35, para produzir novos F22.E se o fabricante falar que é difícil, isso é mentira.

João Borges Queiroz Júnior
João Borges Queiroz Júnior
1 ano atrás

Não compreendo o por que de os EUA terem iniciado a produção em série desse caça, ainda com tantos problemas detectados a essa altura do programa… E já fabricaram mais de 400.

JT8D
JT8D
Reply to  João Borges Queiroz Júnior
1 ano atrás

A explicação: $$$$$$$
Deve ter gente ganhando muito dinheiro com isso

teropode
Reply to  João Borges Queiroz Júnior
1 ano atrás

Erros e defeitos elementares , os clientes não reclamam , a China gasta milhões espionando o projeto e desenvolvendo meios para neutraliza-lo , a única certeza é que alguém faz papel de palhaço, o contribuinte americano , o congresso , os aliados e seus contribuintes ou a torcida contra pois estão embriagados com oanta desinformação , duvido que china e Rússia caem neste papo furado , mas torcem pra ser verdade .

Nilton L Junior
Nilton L Junior
Reply to  João Borges Queiroz Júnior
1 ano atrás

É porque lá trafego de influência é legítimo ops quero dizer looby.

RENAN
RENAN
1 ano atrás

Pesado estes problemas imagina o que não foi a público

Manock
Manock
1 ano atrás

É tão stealth que nem os infinitos problemas aparecem…

J-20
J-20
1 ano atrás

Acho que a necessidade de fazer tudo brilhar verde é para parecer mais futurístico… Como se o próprio desenho da aeronave não fosse.

Vald
Vald
1 ano atrás

Erros de sofware podem ser corrigidos, mas um caça desse, poder ter danos estruturais em condições relativamente normais de voo é vergonhoso!

Roberto da Silva Rocha
1 ano atrás

Não sei se tem a ver com o caso, ou, com os fatos.
Tenho argumentado desde 1995 que os EUA perderam! a dianteira da corrida tecnológica.
Os EUA formam desde essa data uma média de 210 mil engenheiros por ano
A Índia forma 1200 mil, China 1600 mil, Rússia 510 mil.
Os engenheiros da Boeing estão se aposentando sem reposição, a causa principal da aquisição da Embraer brasileira com o seu time jovem de engenharia.

Marcelo
Marcelo
1 ano atrás

é, o F-32 da Boeing era (muito) mais feio, mas será que ia dar tanto problema assim?

M.@.K
M.@.K
Reply to  Marcelo
1 ano atrás

E põe feio o bicho era..hehehehe

sergio
sergio
1 ano atrás

PROBLEMAS NÃO RELATADOS !!!!!!!!
Tem gente escondendo mais problemas??????????

groosp
groosp
1 ano atrás

Vi um tweet hoje que tinha a foto de uma matéria antiga de jornal que falava dos problemas no desenvolvimento do C-17. Hoje o C-17 é uma das melhores aeronaves da USAF.

Jodreski
Jodreski
1 ano atrás

Parece que a L.M. está mandando na USAF nos USMC e na USNAVY, pq quem deveria estar perdendo os cabelos para resolver esses problema é o fabricante da aeronave que ganhou um contrato de mais de um trilhão de dólares, prometeu mundos e fundos e seu produto não está cumprindo as exigências dos operadores. Claramente a L.M. superestimou sua capacidade de produção e desenvolvimento.

Marcelo Martins
Marcelo Martins
1 ano atrás

Novamente, com o perdão da palavra: que merda de avião !!!!

JULIO CESAR SENDERSKI
JULIO CESAR SENDERSKI
1 ano atrás

Acho que tudo é um propaganda falsa da USA, para os adversários desacreditarem nesse caça. É muito dinheiro para ter ficado com tantos problemas relatados assim.

Rprosa
Rprosa
Reply to  JULIO CESAR SENDERSKI
1 ano atrás

Me desculpe. mas se fizermos uma pequena analise dos projetos militares dos EUA nos ultimos anos, perceberemos que diversos projetos foram cancelados, apesar de ser investido bilhões de dólares nestes, bem como, basta uma simples análise nos sites especializados para perceber que mesmo os projetos que avançaram da fase de desenvolvimento apresentam falhas, como exemplo podemos citar o LCS, o DDG 1000, os PA Classe Gerald Ford, isso em contar as falhas de manutenção de aeronaves importantes como os B-1 e os B-2, e isso num pais que gasta mais de 700 bilhoes de dólares em orçamento militar, ou seja… Read more »