Home Aviação de Transporte Nova Zelândia seleciona o Lockheed C-130J como transporte militar preferido

Nova Zelândia seleciona o Lockheed C-130J como transporte militar preferido

3471
65
Lockheed C-130J
Lockheed C-130J Super Hercules

Por Jamie Freed

SINGAPURA (Reuters) – A Nova Zelândia anunciou nesta terça-feira que selecionou o C-130J Super Hercules, da Lockheed Martin, como o substituto preferido de cinco velhos aviões de transporte militar C-130 Hercules, uma escolha em linha com seus aliados mais próximos.

O gabinete buscará informações detalhadas sobre os custos por meio do processo de venda militar estrangeira (FMS) dos EUA, disse o ministro da Defesa da Nova Zelândia, Ron Mark, acrescentando que o governo estimou anteriormente o custo em mais de NZ$ 1 bilhão (US$ 659,50 milhões).

“Depois de considerar cuidadosamente a gama de aviões militares de transporte aéreo, o Super Hercules foi selecionado, pois oferece o alcance necessário e capacidade de carga útil, além de satisfazer plenamente os requisitos da NZDF”, disse ele em uma declaração referindo-se à Força de Defesa da Nova Zelândia.

“Precisamos de um desempenho comprovado, e esta aeronave é testada e aprovada. Não podemos correr riscos com o que é uma das nossas capacidades militares mais críticas”, disse Mark.

Um porta-voz da Lockheed Martin disse que sua empresa estava entusiasmada em receber a Nova Zelândia na família de operadores da C-130J. Os Estados Unidos, o Reino Unido, a Austrália e o Canadá, aliados próximos da Nova Zelândia e outros membros da rede de compartilhamento de informações Five Eyes, todos têm esses aviões.

A Airbus SE havia proposto seu A400M e a Embraer SA lançou seu KC-390 para substituir os transportes Hercules da década de 1960, segundo fontes da indústria com conhecimento do assunto.

Um porta-voz da Airbus disse que sua empresa respeitava a decisão da Nova Zelândia, mas acrescentou que o A400M se provou em serviço com as principais forças aéreas do mundo.

A Embraer não respondeu imediatamente a um pedido de comentário.

Mark disse que nenhuma decisão final do contrato foi feita para o C-130J em números, custos detalhados ou implicações de financiamento e orçamento. Um plano comercial deve progredir para o gabinete no próximo ano, disse ele.

No ano passado, a Nova Zelândia concordou em comprar quatro aviões Boeing P-8A Poseidon por NZ$ 2,34 bilhões, incluindo os custos de treinamento para fortalecer sua capacidade de patrulhamento marítimo.

OBS: (US$ 1 = 1,5163 dólares da Nova Zelândia)

FONTE: WHTC

Subscribe
Notify of
guest
65 Comentários
oldest
newest most voted
Inline Feedbacks
View all comments
Delfim
Delfim
1 ano atrás

Qual a quantidade comprada ? Só cita que substituirá 5.

Chevalier
Chevalier
1 ano atrás

Lockheed venceu a Boeing… kkk

Grozelha Vitaminada Milani
Grozelha Vitaminada Milani
Reply to  Chevalier
1 ano atrás

e a Airbus!

BILL27
BILL27
1 ano atrás

O KC 390 vai suar para conseguir vender mais do que 100 unidades

DOUGLAS TARGINO
DOUGLAS TARGINO
Reply to  BILL27
1 ano atrás

Talvez até venda com a ajuda dos EUA, mas se fosse apenas o brasil, não passaria de 30 unidades brasileiras e umas 30 para outros países a mais dentro de uns 15 anos.

Edison Castro Durval
Edison Castro Durval
Reply to  BILL27
1 ano atrás

A previsão era de cerca de 700 possibilidades no mundo todo, atualmente já foram vendidos 28 aviões então para 10% faltam 42, não acha difícil chegar a 100 unidades.
Difícil mesmo é conseguir agradar a todos isso nem o Cristo conseguiu, aliás uma pergunta, porque o fracasso de outras pessoas lhe agrada tanto??
Isso lhe ajuda a viver melhor??
É apenas curiosidade.
Vida longa e próspera.

marcus
marcus
Reply to  Edison Castro Durval
1 ano atrás

Compraram por serem aliados dos EUA. Com certeza o KC390 é muito mais moderno.

BILL27
BILL27
Reply to  Edison Castro Durval
1 ano atrás

Que lance de fracasso de outros me agradar brother ???TA viajando ?
Só pq eu vejo o C 130J como um sucessor natural de quem ja opera o C130 antigo ,vc ta achando que to desejando fracasso do preojeto ,sendo que eu acho este avião lindo e muito capaz ? Isso é minha opinião pessoal e não um desejo. Cada uma …

Alfredo Araujo
Alfredo Araujo
Reply to  BILL27
1 ano atrás

No dia em que venderem computadores com injeção de Rivotril, bem no botão de liga/desliga, esse tipo de comentário vai ficar mais raro…
Vc está certo, o C130J é o sucessor natural de quem já opera o C130 antigo. Isso é um fato ! O KC390 tenta quebrar esse paradigma com um avião mais performático, em todos os sentidos, por um preço competitivo (calcanhar de aquiles do A400) !

teropode
Reply to  Edison Castro Durval
1 ano atrás

O Doberman não deixa passar nada , será o patrocinador russo ? Vc tá errado cara , 700 aparelhos gerais , a EMBRAER disse que o mercado vai absorver 700aparelhos nos próximos 20 anos , ela não afirmou que serão 700 KC390.

Salim
Salim
Reply to  BILL27
1 ano atrás

Acredito que a entrada em serviço aqui e em Portugal ficara visível a rapidez bem maior do KC, maior carga útil e custo operacional competitivo. Com 2 KC se fara o trabalho de 3 hercules dando ao KC vantagem tática e operacional testada e comprovada em campo tornando sua compra vantajosa. Exercícios da OTAN com participação Portugal será a grande vitrine para levar KC ao sucesso.

Vitor Silva
Vitor Silva
Reply to  Salim
1 ano atrás

Isso é que ter fé e acreditar no sucesso do KC-390. Vamos aguarda e trocer para isso aconteça, mas olha que o caminho é muito arduo ,duro e longo, até ao sucesso deste vetor de transporte.
Até lá temos que controlar a ansiedade, pois é o que nos resta…

Augusto L
Augusto L
Reply to  Salim
1 ano atrás

Se uma correção, o KC-390 não faz o serviço de 2 Hércules, não contra a versão J que é o Super Hercules

Salim
Salim
Reply to  Augusto L
1 ano atrás

A velocidade cruzeiro do KC e bem superior a dos hercules, 870 x 520 km/h o que leva a esta constatação. Lembro também que a velocidade maior e teto vôo maior, resulta em maior capacidade de sobrevivencia em ambiente contestado. Só entrando em serviço terá possibilidade de mostrar na pratica, pois do mundo real ninguém escapa e o KC deverá cumprir tudo o que e esperado dele.

Salim
Salim
Reply to  Augusto L
1 ano atrás

Também temos a capacidade KC de 26ton contra 20 ton do hercules j30.

Edison Castro Durval
Edison Castro Durval
1 ano atrás

FMS essas três letrinhas comandam a brincadeira, vai ser inevitável abrir uma fábrica do KC nos EUA.

E isso não é necessariamente ruim, vamos ser mais pragmáticos e menos ideológicos.
“O tempo é senhor de todas as verdades” é esperar e torcer pelo melhor.
Vida longa e próspera a todos.

LucianoSR71
LucianoSR71
Reply to  Edison Castro Durval
1 ano atrás

Estava escrevendo e não havia lido seu comentário, vamos na mesma linha.
Abs.

GFC_RJ
GFC_RJ
Reply to  Edison Castro Durval
1 ano atrás

Concordo, Sr. Edison.

A realidade é essa. Além do Super Hércules ser um monstro de competidor, contra o FMS é como começar o jogo com 2 gols de desvantagem.

Impossível prever futuro, somente especulações intuitivas. Apenas creio que as vendas mundiais massificadas deverão “decolar” mesmo só desta forma: Montagem nos EUA + FMS.

Fabio Jeffer
Fabio Jeffer
Reply to  Edison Castro Durval
1 ano atrás

Se for assim vamos ter nosso parque fabril esvaziado. Não concordo com essa afirmação

Edison Castro Durval
Edison Castro Durval
Reply to  Fabio Jeffer
1 ano atrás

Caro Fábio, FMS é para equipamentos militares, nada impede que o processo seja o mesmo que o do Super Tucano, Fabricação no Brasil, montagem nós EUA.
O problema na perda da nossa industrialização e bem maior do que simplesmente uma montadora nós EUA e devido a falta de vontade política no investimento no desenvolvimento de tecnologia e mudanças tributárias.

Mauro
Mauro
1 ano atrás

Super Tucano também só iria vender para a FAB… hoje tem deputado no Congresso dos EUA implorando para que se compre o A-29 para apoio de tropas americanas e países amigos que lutam contra o terrorismo.
Portugal bem ou mal fez a sua parte… país que só quer o venha a nós e o vosso reino nada, merece é um “adíos” do Brasil… só papinho furado de fabricar mais e mais partes e nada de comprar. Abre o olho capita, estás acendendo vela pra santo errado, véi.

Alfredo Araujo
Alfredo Araujo
Reply to  Mauro
1 ano atrás

Diferente… muuuuito diferente ! Os EUA não fabricam (no momento) nenhum avião turbo-hélice para realizar CAS/COIN… Já o Brasil, fabrica desde a década de 80, um avião desses que já foi experimentado em combate, tem mais de 1 dezena de operadores mundo afora, etc… E calha do momento das FAA americanas “clamarem” por um avião capaz de realizar CAS, com um boa persistência em combate, robusto, e o principal, com um valor de hora de voo baixo… . Situação muuuuuito diferente se formos falar de aviões de transporte, tipo de avião que eles, americanos, são os principais fabricantes do mundo,… Read more »

LucianoSR71
LucianoSR71
1 ano atrás

O C-130 é uma excelente aeronave, mas o FMS desequilibra a competição, extrapolando as comparações meramente técnicas, por isso me parece ser fundamental a entrada da Boeing p/ viabilizar uma maior igualdade de condições. É melhor vender bem mais c/ menos lucro e manter a produção por vários anos, possibilitando até novas versões c/ maior capacidade, por exemplo, gerar empregos no Brasil ( ele não será produzido totalmente nos EUA ), royalties p/ o Estado Brasileiro e impostos que não dividir os lucros, ter poucas vendas e vida curta – o que traria ainda um ônus na manutenção dos adquiridos… Read more »

Carlos Campos
Carlos Campos
1 ano atrás

Bom acredito que o Brasil devia ser mais agressivo, não ouvi falar de o KC390 ir lá NZ, então acho que devia ter ido, o BNDES devia financiar, financiamos porto para país que mal tem o que exportar, metrô para miseráveis, demos refinaria para cocaleiros, compramos refinaria velha pelo preço de uma mega refinaria. bora financiar a venda de aviões que geram empregos de alto nível, inovação tecnológica, e etc;

Rafael Oliveira
Rafael Oliveira
Reply to  Carlos Campos
1 ano atrás

O avião foi demonstrado na NZ.

Renan
Renan
1 ano atrás

Alguém sabe mi dizer qual e o limite que os EUA financiam em equipamentos militares via FMS e em quantos anos geralmente são financiadas, desde já agradeço.

Defensor da liberdade
Defensor da liberdade
1 ano atrás

Oxe o KC-390 deveria levar essa. Cadê o chanceler brasileiro que não foi fazer lobby ou marketing para o governo neozelandês? Ah me esqueci, o cara está mais preocupado em saber se o nazismo era de esquerda ou de direita, e se a terra é redonda ou quadrada, ou um hambúrguer gigante … O nível dos ministros do atual governo é igual ao nível do mandatário e seu guru, o Jim Jones da Virgínia: patético, quase um espetáculo circense. Daqui a pouco Bolsonaro se rende à seita terraplanista e anti-ciência igual ao seu guru.

Wellington Rossi Kramer
Wellington Rossi Kramer
Reply to  Defensor da liberdade
1 ano atrás

O “Defensor da Liberdade” deve ser o pseudônimo do Marco Villa que foi banido da Jovem Pan por falar bobagens.

João Moro
João Moro
Reply to  Defensor da liberdade
1 ano atrás

Mas que comentário politizado e parcial..

Defensor da liberdade
Defensor da liberdade
Reply to  João Moro
1 ano atrás

E por que não seria?

Bardini
Bardini
1 ano atrás

KC-390 só vai vender mais que meia dúzia de unidades se os americanos comprarem…

GFC_RJ
GFC_RJ
Reply to  Bardini
1 ano atrás

Caro amigo, Bardini.

Isso é outra questão.

Para se ter acesso ao FMS, necessita como premissa de uma linha de montagem nos EUA. Mas para se construir esta linha, precisaria de uma intensão forte de encomendas do próprio EUA (premissa da premissa).

Não vi até hoje nada muito convincente sobre um possível interesse de compras por parte deles. Já viu algum interesse a respeito?

Grozelha Vitaminada Milani
Grozelha Vitaminada Milani
1 ano atrás

Resultado normal e esperado!

Vitor Silva
Vitor Silva
Reply to  Grozelha Vitaminada Milani
1 ano atrás

E não foi apresentada uma contra proposta por parte da Boeing/Embraer, isto é assim, desiste-se logo no primeiro combate, até ao lavar dos cestos é vindima. acho eu.
Todos sabemos que o KC-390 não têm histórico, provas dadas em zonas de guerra ou em situações limite. e mesmo a nível de fiabilidade e segurança em voo. Mas a LM também já passou pelo mesmo, talvez tenha havido persistência, resiliência, agressividade comercial para além das qualidades associadas â marca e ao vetor em causa.

Mauricio R.
1 ano atrás

Não gostei, torcia para o C-2.

Mathrus
Mathrus
1 ano atrás

Ué?
Agora ninguém reclama sobre a Boeing ter participação no marketing do KC né?
Quando a m*rda agarra todo reclamante fica pianinho.

Fabio Jeffer
Fabio Jeffer
1 ano atrás

Esses típicos países aliados dos EUA preferem comprar um fusca dos americanos do que comprar o KC390

Antunes 1980
Antunes 1980
1 ano atrás

Brasil, Portugal e talvez Argentina.
Tem mais algum país interessado em receber os KC-390?
Será que a Boeing já pensou em modificar o KC-390 para outras versões como AWACS, REVO ou mesmo uma versão armada?
Não seria interessante ampliar o portfólio?

Matheus
Matheus
Reply to  Antunes 1980
1 ano atrás

Boeing não manda em nada nesse projeto, informe-se.

Vitor Silva
Vitor Silva
Reply to  Antunes 1980
1 ano atrás

Ou então uma nova versão, de maior comprimento, tal como acontece com o C-130H, pode levar um a dois anéis e o comprimento do mesmo, aumenta significaticamento.
Mas penso que ainda não é o timing certo, até lá tem-se que recuperar uma parte dos custos do projeto de desenvolvimento.

francisco Farias
francisco Farias
Reply to  Antunes 1980
1 ano atrás

A Boeing só vai se dedicar a vender o KC-390 quando a EMBRAER Defesa for encampada por ela.
Após o fracasso nas vendas do KC-390 as vozes privatizantes vão começar a fazer campanha pela venda do restinho que ficou da EMBRAER. É assim que funciona.

Matheus
Matheus
Reply to  francisco Farias
1 ano atrás

É estatal? Não?
Porque você esta com essa tipica mentalidade derrotista tupiniquim?
Certeza que voce queria mesmo é que voltasse a ser estatal ou que virasse pó em 10 anos.

João Moro
João Moro
Reply to  Antunes 1980
1 ano atrás

O KC 390 é um aparelho novo. Assim como o Super tucano, com uma quantidade maior de horas de voo, as demais nações ficarão menos inseguras de investir no KC 390.

Tiago
Tiago
1 ano atrás

Lobby rola solto ali

Luiz Trindade
Luiz Trindade
1 ano atrás

A Embraer vai responder o que? Não tem comprovação do KC 390 em palco operacional real. Infelizmente eles escolheram o que comprovadamente dá certo com eles. A Embraer tá demorando demais com o KC 390.

João Moro
João Moro
Reply to  Luiz Trindade
1 ano atrás

O comentário tava indo bem até você dizer a última frase…

Marcelo Andrade
Marcelo Andrade
Reply to  João Moro
1 ano atrás

João , espera você ler o do amigo Hélio, lá embaixo!!! Morri!!!!

Rafael
Rafael
1 ano atrás

Nem todo mundo e afim de comprar protótipos que ainda não estão em operação nem mesmo no país de origem,eles foram apenas pragmáticos.

Marcelo Andrade
Marcelo Andrade
Reply to  Rafael
1 ano atrás

Só que o “país de origem” comprou 28!!!

Rafael
Rafael
Reply to  Marcelo Andrade
1 ano atrás

Quantos estão voando em unidades operacionais ?

Augusto L
Augusto L
1 ano atrás

O KC não tem uma vantagem operacional tão grande contra o Super Hércules, para se justificar custar mais e com o avião da Lockheed ja sendo provado em combate e tendo FMS, fica ainda mais difícil.

Marcelo Andrade
Marcelo Andrade
Reply to  Augusto L
1 ano atrás

Augusto, tudo no KC-390 é melhor que o Hércules, o problema é o dindin! FMS é fogo! O KC-390 ainda está entrando em serviço e vai atingir o IOC , assim começará a ser mais notado, tudo normal e seguindo conforme o script! O pessoal aqui quer tudo pra ontem!!!

Hélio
Hélio
1 ano atrás

E tinha gente que jurava de pé junto que o C 390 iria tomar mercado do Hércules.
Isso que é a política de campeãs nacionais, deram um projeto inútil na mão da Embraer só para ela ganhar dinheiro. Se tivessem investido o dinheiro gasto no 390 em uma família de motores e aviônica, teríamos uma independência tecnológica infinitamente maior, mas não, tem que dar dinheiro para a campeã nacional, que logo tratou de negar ser nacional para se vender para uma empresa monopolista estrangeira.

Marcelo Andrade
Marcelo Andrade
Reply to  Hélio
1 ano atrás

Caramba!!! Ganhou o troféu de besteira comentada do dia!!! essa doeu!!!

Marcelo Andrade
Marcelo Andrade
Reply to  Hélio
1 ano atrás

Show!!! a gente iria ter um motor e uns aviônicos!!! E ia fazer o que com eles???

MARCOV
MARCOV
1 ano atrás

O modelo que venceu a concorrência, como também as anteriores, é o C-130J-30, a versão alongada do C-130J que leva mais tropa aerotransportada.
https://australianaviation.com.au/2019/06/royal-new-zealand-air-force-to-get-c-130j-30-super-hercules/

Kommander
Kommander
1 ano atrás

Esqueçam essa porcaria de Boeing, antes a gente sabia viver sem a Boeing, agora é Boeing pra lá, Boeing pra cá. O KC-390 foi feito visando a FAB, as exportações são apenas um bônus. (;

Cláudio Severino da Silva
Cláudio Severino da Silva
Reply to  Kommander
4 meses atrás

Prezado Kommander
Smj, nenhum projeto é feito para vender somente 30 unidades. Esta quantidade, de qualquer avião, não paga nem os custos de projeto e desenvolvimento.

Justin Case
Justin Case
1 ano atrás

A declaração oficial de que o C-130J foi escolhido porque está testado e tem baixo risco é praticamente um reconhecimento de que seu concorrente de mesma classe (KC-390) tem capacidade militar superior.
O que acham?
Abraços,
Justin

Rommelqe
Rommelqe
Reply to  Justin Case
1 ano atrás

Concordo contigo, caro Justin. Acho tambem que a NZ esta sendo conservadora em funçao das missoes previstas envolvendo grandes distancias (ate ai vantagem do KC390) e pistas rusticas (sem instalaçoes mais completas para apoio de mnutençao basica), que constituem um dos principais pontos a serem certificados e devidamente comprovados pela aeronave brasileira. Concordas?
Abraços

Justin Case
Justin Case
Reply to  Rommelqe
1 ano atrás

Ê isso. O resultado final provavelmente foi definido pelo peso do fator risco na matriz de avaliação, informação a qual nao temos acesso.
Abraço.
Justin

Carlos Alberto Soares
Carlos Alberto Soares
Reply to  Justin Case
1 ano atrás

Perfeito, valeu a regra entre o novo e o que já conhecemos.

Carlos Alberto Soares
Carlos Alberto Soares
Reply to  Justin Case
1 ano atrás

Ótima análise e conclusão.

Luiz Floriano Alves
Reply to  Carlos Alberto Soares
1 ano atrás

O projeto do KC deve ter opção de multi-missão. Assim fica mais atrativo para o operador militar. Cargueiro, passageiro, ambulância, reconhecimento marítimo, ASW, bombardeiro (com opção de asas de alta altitude), STOL (pq não?)lançador de para quedas (ainda se pensa nisso?).

Cláudio Severino da Silva
Cláudio Severino da Silva
Reply to  Luiz Floriano Alves
4 meses atrás

Sim. Lançamento de paraquedistas é uma das funções atribuídas ao C-390, assim como a de bombeiro.