Home Aviação Comercial ‘Boeing Brasil – Commercial’ é o novo nome da Embraer na aviação...

‘Boeing Brasil – Commercial’ é o novo nome da Embraer na aviação comercial

6013
174

Segundo a Folha de São Paulo, Boeing Brasil – Commercial é o nome da nova empresa resultante da compra da divisão de aviação comercial da brasileira Embraer pela gigante aeroespacial norte-americana. A joint-venture entre Boeing e Embraer não inclui a divisão de jatos executivos.

A escolha foi conservadora. Ainda há dúvida entre executivos da nova empresa sobre o impacto da aquisição no mercado e, especialmente, o temor de ferir sensibilidades políticas brasileiras. Daí o Brasil com “s”, ainda que seguido pelo “comercial” em inglês.

A Embraer foi estatal de sua criação pelos militares, em 1969, até 1994, e é a maior exportadora nacional de produtos com alto valor agregado. É vista como a joia da coroa industrial em um país cuja balança comercial é ancorada em commodities.

Assim, a decisão de imagem mais importante ainda vai demorar alguns meses: o nome a ser adotado pela série E-Jets E2, a continuação da bem-sucedida família de jatos regionais da Embraer que atraiu a Boeing em primeiro lugar a buscar o negócio.

Leia a matéria completa no site da Folha, clicando aqui.

174 COMMENTS

    • mas sinceridade 10. Finalmente assumiram que é uma compra e o nome deixa isso claro. Uma perda irreparável até mesmo para a construção de nossa auto-estima como nação.

    • Quando a criatividade enfrenta a lucratividade, adivinhem quem ganha?
      Como o nome da Boeing é internacionalmente reconhecido e consolidado através dos anos, gera confiança e atrai negócios. Nada mais natural, é como a Coca-cola, que coloca seu nome estampado num cantinho em tudo o que compra para revender (Del-vale, Cristal, Aquarius, Kapo, etc…)

      • Imagino uma lanchonete sensacional, que faz lanches maravilhosos e está situada em um país periférico qualquer. Já abriu centenas de lojas pelo mundo, e sua receita (do lanche) efetivamente deu muito certo. É uma empresa em franco crescimento e chama a atenção dos grandes players mundiais. E opta pela maior, que já tem logística, produção e marketing definidos com sucesso. Se associam para gerar um negócio ainda maior, aproveitando suas sinergias. Qual será a dúvida das pessoas, Sr. Curioso? Concordo inteiramente com sua visão. Se vale para a compra da Bud, do BurguerKing’s, da Heinz e de outras tantas, por que não? Parte estratégica preservada, parte comercial comercializada. Dinheiro em caixa para acionistas, que se gostarem do ramo de aviação, tem uma porção delas aqui mesmo no Brasil que adorariam tê-los como sócios. Aos nacionalistas de plantão, comprem ações das fabricantes brasileiras de aviões. Devem crescer.

        • Os nacionalistas de plantão não precisam comprar ação nenhum, tudo o que é Embraer é hoje ela deve aos nacionalistas e ao Estado brasileiro que incubou, ofereceu proteção e subsídio. Será que vocês nunca se tocam que algo assim nunca aconteceria em um país sério? Não tem a ver com ser privada ou estatal, é algo irrelevante para uma empresa desse porte e com essa importância para nação. Só tupiquim que se acha yuppie nas ruas de NYC acredita que tudo resume -se em privado ( bom) X estatal ( ruim) . Sem perceber que um dos Estados mais fortes e invasivos é justamente Trumplandia.

      • Com todo respeito, mas na vida real o liberalismo não é tão natural assim. Imagina a Huawei fazendo uma proposta para aquisição da Apple ou da Alibaba para adquirir o Google. Será que os EUA vão permitir o livre comércio ou vão agir como agiram no caso em que a Broadcom fez uma proposta para comprar a Qualcomm?

        Nenhum país soberano permite que outras nações ou empresas estrangeiras adquirem o controle de tecnologias ou de recursos sensíveis para sua segurança e seu desenvolvimento.
        É por essa e outras que o Brasil ainda tem um longo caminho para percorrer até entender que o liberalismo e o livre comércio é tão utópico quanto o ideário comunista. Somente países sem futuro colocam ideologias acima de seis interesses, sejam elas quais forem.

        • Marcos Paulo, perfeito !
          “…até entender que o liberalismo e o livre comércio é tão utópico quanto o ideário comunista. Somente países sem futuro colocam ideologias acima de seis interesses, sejam elas quais forem.”

        • Mas vocês esqueceram que antes de ser privatizada no início dos anos 90 a Embraer estava praticamente falida e bem longe do estado da arte na indústria da aviação, só após sua privatização e parcerias externas que ela voltou a crescer ,e de fato nos dar orgulho a ponto de hoje nos lamentarmos por sua venda ao estrangeiro. É triste ver empresas de alta tecnologia (nossa única no estado da arte) “deixar de ser brasileira” mas a verdade que ela se tornou isso com tecnologia estrangeira e principalmente com clientes dos EUA.

        • O mundo em que você vive não é justo amigo. Isso não afeta a credibilidade das grandes empresas como você imagina. Isso se reflete nos números de venda e lucro. Foi a Embraer que comprou a Boeing ou o contrário?

          • Não me entendam mal. Eu não estou feliz com a venda, o temor com o futuro das tecnologias aprendidas e etc. Mas temos que ser realistas. As empresas brasileiras não andam muito bem das pernas. Sofreram principalmente altos impostos e com a corrupção e que imperou ao longo dos anos. Petrobras, Vale, JBS, BB, Odebrecht, etc. Perdemos mercado e credibilidade, tomara que algum dia possamos nos recuperar.

      • Tá achando ruim? Isso não é nada.
        Aqui todos os dias ouço comentaristas bem empolgados e sorridentes, falando sobre a breve aquisição da Petrobrás a preço de banana.
        Por falar em bananas, ainda bem que no Brasil ainda nascem bananas e laranjas. É uma boa oportunidade para o renascimento da United Fruit Company.

        • Por outro lado, vemos uma série de estatistas que se encontravam em estado animação suspensa (doutrinação ativa) enquanto a referida empresa era espoliada por uma certa turminha (leia-se quadrilha) por mais de uma década.
          Na cabeça desse pessoal, foi uma pena a Petro não ter se tornado uma PDVSA, por exemplo.
          Gente que sofre de Síndrome de Estocolmo, evidentemente.
          Ou mesmo se limitam a criticar o negócio entre a Boeing e a Embraer sem apontar saídas plausíveis de longo prazo para a companhia “brasileira” – já controlada de muitos anos por estrangeiros (só consultar no site da B3 a respeito) – achando que desejo é igual possibilidade e que basta ao governo não aceitar o negócio que futuramente a companhia terá plenas condições de competir no mercado com Boeing e/ou Airbus.
          É a famosa “Matemágica” em que tudo é simples de resolver, mas na fácil de se materializar.
          Comportamento negacionista típico.
          Sds.

  1. Boeing Brasil Commercial
    Sede: Seatle : USA

    Sumiram até com o nome EMBRAER.
    Nada que lembre seu passado.
    Seria ‘bem-feito’???????????

    • A sede da nova empresa será no Brasil e a Embraer vai continuar existindo já que vai seguir como empresa independente na aviação executiva.

    • Evidentemente o nome “Embraer” teria mesmo que desaparecer na nova companhia, afinal são empresas diferentes. Ou você acha que a parte restante, que vai continuar a usar o nome “Embraer”, iria concordar?

        • Nem adianta mais falar, para esses caras tudo é estratégico, desde a padaria do seu bairro até a oitava “maravilha” do mundo moderno brasileiro chamada Petrobrás.

          • Vamos vender tudo…vamos vender o pais…vamos vender tudo balatinho pros chinas e estadunidenses…vamos exportar nossos empregos para as nossas nações irmãs…Detroit precisa dos nossos empregos…vamos nos dedicar ao folclore e ao turismo sexual…o país esta com mais de 14 milhões de desempregados e outros 35 milhões no subemprego…deixa essas coisas “complicadas” de produzir avião ou petróleo refinado para países desenvolvidos fazerem né Matheus ….

          • Ué, se o dono quer vender, qual o problema? E se nossa economia é tosca, com lideres toscos, devemos é vender tudo mesmo, pelo menos a empresa não afunda, empregos são preservados, e não me diga que não haverão empregos, eu trabalho em uma multinacional, e no Brasil. O que realmente importa é a economia estar em ordem para que os empresários e acionistas percebam que é vantajoso financeiramente investira aqui, atualmente só existe risco.

          • É impossível vender tudo de um país como o Brasil, nossa riqueza nacional está avaliada em US$6 trilhões, ou seja, para os chineses comprarem o Brasil, teriam que abdicar de 30% do seu PIB e ainda usar todas as suas reservas internacionais, o que é realisticamente impossível. Os EUA teriam que duplicar os déficits anuais em um prazo de 6 anos para comprar o Brasil, até lá os estadunidenses estarão totalmente falidos, não há como suportar esta carga de dívida, portanto sua conclusão de vender o Brasil é inválida.

            Vender uma empresa como a Embraer não é exportar nossos empregos, isso é distorção por um propósito ideológico. A Embraer está integralmente ligado ao comércio global, apenas como exemplo os motores do novo Embraer E-109- E2 é da empresa estadunidense Pratt & Whitney, o mesmo motor usado pelo Airbus A-220, Pratt & Whitney PW1000G. Esse motor promete uma redução de até 16% em combustível em relação aos modelos da geração anterior, isso permite um produto vendido mais econômico, porém a concorrência usa o mesmo motor no que torna a disputa desigual pela empresa brasileira, tanto por pressão diplomática do país concorrente – França – quanto pelo mercado fechado europeu na qual os franceses certamente terão prioridade, estamos falando de um dos maiores mercado do mundo. A ajuda da Boeing para a empresa brasileira trará mais peso diplomático e pode abrir discussões sobre uma maior flexibilidade do mercado europeu aos produtos Boeing Brasil Commercial, o que se traduzirá em mais vendas e mais empregos tanto para os EUA quanto para o Brasil.
            Há muito mais coisa em jogo do que disputa ideológica.

    • Se a união não tivesse quebrada era a hora de integralizar uns 10bi e desenvolver um substituto do Max e “matar” a boeing. Mas era até capaz da administração trump embargar tudo de vez.

      • Os chineses tentam fazer isso, os russos tentam fazer isso, os japoneses também e nenhum deles conseguiu qualquer sucesso real até agora. A Embraer estaria cometendo suicídio empresarial se fosse pelo mesmo caminho. Não se suplanta uma empresa dominante e enraizada no mundo todo de uma hora pra outra, a tendência mais provável seria a falência. Aliás a Embraer já está perdendo a maior parte das encomendas para a concorrente Airbus com os seus A220. Era só deixar as coisas como estão e a empresa brasileira começaria a afundar.

    • Os responsáveis pela empresa resultante da união Natura-Avon certamente vão usar o nome que trouxer o maior retorno comercial para o negócio. É assim que uma empresa cresce e se solidifica. E foi essa a estratégia da Boeing.

    • Exatamente! E outra, pessoal fica melindrado. QUALQUER empresa, seja estatal ou não, assim que performa globalmente está sujeita a M&A. Isso existe desde sempre, e continuará a existir.

      Como o Galante me disse uma vez: O choro é livre, aceitem que dói menos

  2. Incrível como o brasileiro ama ser submisso para o papai do hemisfério norte. Um povo sem identidade! Agora temos alguns achando isso lindo por aqui. Até mesmo se fosse a Airbus comprando a Embraer iriam rosnar, mas como é o querido Tio Sam ficam mansinhos e tudo tá lindo… Fato!

  3. A “sede” será no máximo apenas fisicamente no Brasil, na verdade todas as decisões são de fora, e todos os diretores serão estrangeiros, o brasileiro no tal conselho não tem voz ativa alguma, é apenas um “olheiro”, não manda nada, e o pior, é oriundo do meio empresarial de transporte de ônibus, não entende nada de aviação, parece ser proposital, detalhe que é amigo e foi escolha de Paulo Guedes.
    A tendência é acabar mesmo e o Brasil se tornar apenas fornecedor de mão de obra barata, detalhe, mão de obra formada com dinheiro público, formação caríssima.

  4. Para mim, que comecei a me interessar por Defesa a 30 anos por causa da Embraer, uma empresa brasileira que fazia produtos de ponta, fica um sentimento melancólico e um gosto amargo na boca.

  5. Terem mantido Brasil no nome é um indicativo importante de que a estrutura da Embraer vai se manter aqui. Não perderemos empregos no país. Talvez até aumente com o crescimento da empresa. E agora é certo que o KC390 vai decolar em vendas.

    • A Boeing Brasil Commercial será uma empresa brasileira, pois só assim poderá aproveitar incentivos fiscais. O capital será 80% Boeing e 20% Embraer SD, com o acionista majoritário controlando o conselho de administração e a diretoria executiva. As decisões sobre a empresa serão tomadas em Chicago, e de acordo com o plano estratégico da Boeing.

    • Tudo indica que o número de empregos vai aumentar muito a partir de agora no Brasil, com essa união com a Boeing. O que se comenta nos EUA, entre os profissionais da área, é que essa nova empresa – a Boeing Brasil Commercial – terá um papel fundamental no desenvolvimento e na fabricação do Boeing 797, o próximo projeto da Boeing para aviões de médio porte, que vai substituir os obsoletos B767.

    • Também acho engraçado, parece que todo brasileiro recebia pelos resultados positivos e, quando no negativo, contribuía pessoalmente com $$. Essa síndrome também acontece com o Banco do Brasil, com a Caixa, com a Petrobras, e com qualquer outras bras que tanto nos infelicitam. Esquecem eles, que faz muito tempo que os contribuintes não põe $$ na Embraer, mas continuam colocando em todas as bras que não evoluem, não dão lucro, não produzem. Enfim, passou da hora de serem extintas. Correios? Nunca me mandaram um cheque sobre seus lucros. Mas atrasam as encomendas que mando ou recebo. Um dinossauro disfuncional, um monopólio que só nos atrasa e passou da hora. Trem Bala. Ainda existe. Hotéis, o governo ainda tem muitos. Tecelagem. Também tem. Tem de tudo. Isso não serve. Logo, parabéns a Embraer, uma Cia privada, por ainda ser uma grande empresa que produz aviões e sistemas de defesa independentes em solo nacional e ainda é sócia da maior empresa de aviação do mundo, graças aos seus méritos de tecnologia, produção, marketing, e inovação. Que podem, devem e provavelmente serão replicados em outras empresas aqui instaladas. A meta deve ser a evolução da indústria, do comércio, das inovações e da integração dos povos. A Prosperidade! Quem é contra tudo isso, por ideologia, por ignorância ou por malandragem, bem, má sorte para vocês! Como sabemos, quando o mundo todo prospera, nosso país e nossa população também prospera. E desejo para mim e para todos, prosperidade.

      • Com que dinheiro o projeto da FAB kc 390 foi pago?
        Um valor que englobando as compras é superior ao pago na negociata de alienação da empresa de tecnologia sensível ora conhecida por EMBRAER!!!!
        Mesmo sendo privada a empresa era essencialmente estratégica para a nação que outrora era conhecida por Brasil!
        Agora é apenas uma empresa Tática dos Patrões e Senhores da quinta coluna!!!!!

        • Se eu perdesse ou ganhasse dinheiro com isso ai sim estaria preocupado, queria ser um executivo da Embraer essas horas pra estar com o bolso cheio da $$$$, enquanto vcs ficam chorando e lamentando que a empresa vai pra lado X ou Y. Viúva de estatal ja é chato, agora viúva de empresa privada é pra acabar mesmo.

      • Alexandre, vou falar por mim, eu sempre deixo claro que no que tange a política externa, eu considero EUA, Rússia e China tudo farinha do mesmo saco, sou contra essa parceria caracu da Embraer, mas até hoje eu não entendo todo o auê que fazem no caso da continência para a bandeira dos EUA, o país em si não tem nada a ver com as lambanças de seus governantes, acho que a continência foi um ato de respeito, não vi nada de errado nisso, mas claro, é minha opinião, e cada um tem a sua.

        • Cra Maurício
          A continência como ato de respeito pode e deve ser visto como tal desde que não seja acompanhado de postura de subserviência!

    • O próximo alvo é os correios agora…depois a Embrapa, Eletrobras, Empresa Brasileira de Comunicação(EBC), Valec, Serpro, Dataprev, Telebras, Empresa de Planejamento e Logística(EPL)…e finalmente a Petrobras….o alvo principal deles…ai pronto…o nosso país estará todo desmantelado e sob o controlo deles…

      Nossos governantes não governam a favor do crescimento​ e enriquecimento do Brasil e sim a favor de seus financiadores de campanhas a fim de garantir suas futuras campanhas…

    • “Idiotas patriotas”, vc tá acompanhando aguerrido do ESTADO americano contra empresas chinesas? Quem é o idiota, vc ou Trump?

  6. Bom ,agora podemos enfium nos referir aos aviões da Embraer com o nome Boeing …
    Em tempo ,a foto deste Boeing da materia ficou ótima

  7. Negócios.. … Apenas negócios…q seja
    Agora o choro e livre e o “comando “pode reclamar como se nada podesse fazer pra evitar o ocorrido..piada
    KC 390 pode ter sido o último grande projeto aeronáutico brasileiro no médio prazo ..o da Embraer “Br” ctz foi . e o fx-2 ..ou Gripen”Br” já nasce morto … parabéns aos envolvidos

    • Corretíssimo meu caro Brunofn.
      Infelizmente o governo Bolsonaro vai ficar manchado na nossa História com essa perda nacional feita conscientemente por brasileiros.

      Esse nome é a confirmação do que os nacionalistas vinham afirmando desde o início das negociações obscuras “parceria uma ova isso é venda”.
      O tapa na cara dos brasileiros era a extinção do nome EMBRAER do terceiro lugar da aviação comercial mundial. E está aí: Foi bem dado.

      Paulo Guedes e Bolsonaro, baita bola fora (Embraer estratégica para o marketing internacional industrial do Brasil).

      Quanto a Gavião Peixoto, KC-390 etc, tudo se encaminhando para o Norte, longe de nosso território. O próximo passo será sabotar a nossa capacitação para termos indústria de supersônicos, enfraquecer o quanto poderem nossa parceria com a Saab.

      • Nessa eu isento o Bolsonaro … Quando eleito já estava feito .. tentou até rever mas teve aval de toda a área militar … principalmente FAB…q hj parece e querer se posar de vítima….e a MB ainda envolve essa empresa nas corvetas tb …erro proposital…n sabemos nem quanto as corvetas vão custar ….
        Daki a 20 anos quando a FAB lançar uma nova concorrência … Vamos pagar 4 x mais o valor de mercado com a desculpa esfarrapada de tecnologia e recriar a “Embraer”(propina mesmo) ..quem viver verá….ao menos hj temos a internet e n meros recortes de jornais pra lembrar esse episódio …. Q sirva de exemplo pra gerações futuras….

        • Sim, o martelo foi Temer quem bateu (a Boeing se aproveitou do momento político caótico para fazer o arremate), porém a materialização da aquisição, com a tal denominação Boeing Brasil, nome nada diferente de qualquer multinacional atuando em outro país, ficará historicamente com o governo Bolsonaro e que conta com vários generais lhe assessorando, o que deixa tudo muito pior. A não ser um historiador muito detalhista duvido que esse erro estratégico seja marcado no governo anterior.
          E uma decisão, de tal envergadura nacional, ser decidida no final de um mandato?
          Um governo de transição, no qual um vice super enrolado na Justiça assumiu para apenas finalizá-lo. Essa entrega deveria ser contestada e anulada.

  8. Tudo isso debaixo das barbas dos militares. Alguém sabe como fica as empresas “puxadinho” da Embraer?

    Ninguém prestou atenção nos detalhes. Em pleno processo de absorção por parte da Boeing, a Embraer fusionou diversos puxadinhos para facilitar o trabalho da Boeing.

    No fim de 2018 a Bradar (Defesa) e a Neiva (Civil) se fundiram. O site da Bradar foi retirado do ar. Ninguém mais teve notícias.

    A empresa Visiona da Embraer é responsável por nada menos que o nosso satélite de 1 bilhão – SGDC-1

    Fora outras empresas, como a ATECH que participa até o talo no projeto do Gripen NG

    Vai tudo pra Boeing

    Embraer Defesa e Segurança só vai existir no papel

  9. Detalhe, não sou anti americanos, nem anti governo Bolsonaro. Mas nem tudo são flores mesmo nos relacionamentos pacíficos, e erros são cometidos e não podemos nos calar.

  10. Todo mundo criticando, mas ninguém tem um centavo investido lá, nem estará disposto a por dinheiro lá e nem tem qualquer responsabilidade.
    Mas vou dar uma opinião: concordo que compraram baratinho, baratinho. Fiquei com dó mesmo foi dos investidores americanos que tiveram de engolir a Boeing: receberam merrecas.

    • Pois é….a FAB investiu , com o meu e com o dinheiro de milhoes de brasileiros que não são acionistas, no kc 390, muito mais do que o valor que a Boeng ( braço civil do estamento estatal militar estadunidense) pagou para se apropriar de tudo que a quinta coluna nunca se importou em e tão pouco se orgulhou pois pra eles o melhor é America First!!!!
      A quinta coluna ama a os EUA, bate continência para a bandeira dos EUA, acham adoravel que eles gastem trilhões em um vetor que no super trunfo é a quinta essência , e , aplaudem o corte das universidades brazileiras, aplaudem a entrega de reservas estratégicas brazileiras, e a alienação de empresas de tecnologias sensíveis brazileiras!!!!
      Eu que não investi em ações sou culpado pelo fato da quinta coluna abdicar de qualquer noção de responsabilidade e patriotismo!!!!!
      Vivandeiras!!!!!!!!!!!
      Canalhas!!!!!!!!!!!

  11. Joint-venture o escambau. Foi aquisição pura e simples. Logo os E-Jets vão se chamar Boeing B-7×7, como aconteceu com o MD-11 que virou B-717 na cara dura.
    .
    Seria muito legal a parte independente de jatos executivos da Embraer se voltar futuramente para aviões comerciais, se tornando rival da própria Boeing Brasil, mas provavelmente a Boeing deve criar alguma proteção jurídica. Livre iniciativa o meu de óculos.

    • Deve haver cláusulas contratuais que impeçam a Embraer de concorrer com a Boeing, pelo menos por vários anos. Isso é normal nesse tipo de negócio. Mas nada impede que outra empresa brasileira de aviação faça isso. Há vários pequenos fabricantes de aviões no Brasil, alguns excelentes, só que feitos em pequeno volume. Falta capital para sua alavancagem. O que precisamos, no Brasil, é de um ambiente que facilite o empreendedorismo com menos impostos e com mais liberdade para fazer negócios. Temos mão-de-obra qualificada pra isso.

  12. Resumo da história o nome da empresa é Boeing.
    A marca Boeing Brasil – Commercial é apenas marca corporativa.
    Como “The Cola Cola Company” é marca corporativa de um produto chamado “Coca Cola”.
    Boeing Brasil – Commercial é marca corporativa de um produto chamado ” Aeronaves Boeing”
    Um exemplo de marca corporativa é a Helibras, uma pseudo nacionalização de um produto que quando você esta na FIDAE, aqui do lado se chama “Airbus Helicopters”

  13. A Bombardier e seus acionistas estão dando gargalhadas neste momento. O nome da sua principal concorrente sumiu do mercado.

    Brasileiro é muito ixperto!!! Kkkkkk

    • Apenas para lembrar, o produto antes pertencente à Bombardier hoje se chama Airbus A220. Os acionistas da citada empresa canadense riram mesmo quando foram salvos da falência. Canadense é muito ixperto!

    • O mais importante é que agora se os patriotas da quinta coluna decidirem que o brazil ( com bezinho e zezinho) nescessita de um vetor com qualquer carectestica relevante que seja concorrente ao patrão e senhor fica mais facil de escoar nosso dinheiro para a America! Pois aqui nos restará comprar deles o que se poderia ser desenvolvido aqui!
      Um desafio à quinta coluna: quando sera que a FAB podera novamente executar um projeto como o kc 390 novamente? Quando o brazil podera determinar co Soberania suas próprias necessidades estratégicas em relação aos seus vetores aéreos novamente? Adianto a resposta: quando as vivandeiras da quinta coluna não mais estiverem no poder! Até lá tudo estará ok! Taokei!!!!

      • Desde que a Airbus adquiriu a linha do C Series da Bombardier, a Embraer está perdendo quase todas as vendas dos seus aviões concorrentes. Atualmente a Embraer está dando grandes prejuízos e as encomendas encolheram. Como você acha que uma empresa assim vai ter capital e estrutura para se manter na ativa no futuro? Ou tomava uma decisão agora ou era a derrocada certa. Não dá pra competir com as duas gigantes mundiais. Chineses, russos e japoneses até tentam mas nenhum deles conseguiu sequer fazer sombra até agora.

      • Respondendo quanto ao “Quando” a Embraer poderá fazer outra aeronave tipo KC 390 , quando houver demanda para tal, uma vez que a Embraer Defesa continua e continuará a existir, Gavião Peixoto continua lá como Embraer Defesa, assim como todos os contratos de Defesa continuam a existir com a Embraer, não entendo estes caras !!!

    • A Airbus, que adquiriu a unidade de fabricação do C Series e renomeou pra A220, está nadando de braçada atualmente sobre a Embraer. Tudo o que eles gostariam é que continuasse como está, sem a Boeing e sua capacidade comercial concorrendo diretamente com seus aviões de menor porte.

    • O grande legado de Bonaparte foi a criação do exército nacional em contrapartida as forças mercenária. Hoje os mercenários e a quinta coluna estão felizes !!!!! Pois o patrão e senhor que é o dinheiro subjuga o Nacional!
      Vivandeiras!!!!!
      Canalhas!!!!!

  14. E o Comando da Aeronautica por que aprovou essa venda ein? Não sabiam que ia dar nisso? Vergonha eterna! Agora, como é Brasil sei que cabeças NÃO irão rolar…

    • Vivandeiras!!!!!!! Simples assim!!!!
      E o pior , vivandeiras esculachadas por um astrólogo que só não é apatrida pelo fato de estar na patria que muitos da quinta coluna amam e batem continência a sua bandeira!!!!!

      • Vaza petralha. Só pq critiquei como lidaram com essa venda nao quer dizer que to do lado dos vermelhinhos. Vcs queriam seguir o caminho da Venefavela, que é territorio livre para narcotraficantes e terroristas.
        E astrologo é a tua mae. O Olavo é o maior intelectual do país e tem um Genious Visa, vc sabe o que é isso?

  15. Não sei quanto aos senhores, mas doravante voarei nos aviões da Boeing com sentimento de asco.
    O pior de tudo é a hipocrisia desde o início de insistir que era uma parceria e não aquisição.
    ASCO da Boeing.

    Internacionalmente voltamos a ser simplesmente um país periférico produtor de commodities.

    • Para ser liberal é necessário ser minimamente racional! Nossa quinta coluna decide que o Brasil deve adotar o liberalismo quando o patrão assume seu viés protecionista nacionalista America First?
      Vai ser ingênuo lá no …brazil das vivandeiras !!!!!!

    • Todo liberal vive exaltando os eua como exemplo capitalista, liberalista, pró mercado, e etc…mas ninguém comenta que o super liberal Donald Trump barrou a venda de empresas E-S-T-A-D-U-N-I-D-E-N-S-E-S que nem estatais são…e sim privadas…por qual motivo será???..Empresas estratégicas, petróleo, energia, tecnologia não podem ser deixadas nas mãos do capital alienígena…isso mina a soberania de qualquer país….

    • Se Lula tivesse re-estatizado a Embraer Isso não teria acontecido.
      Não teríamos acionistas estrangeiros interessados na venda…
      Bolsonaro deu mole.
      Mas já pegou o final do processo.

    • Aceitem q dói menos, sindicalistas imbecis! Engulam essa! A autoestima n aceita? Vão morar na Venezuela p ver o q eh bom! Canalhas! O choro agora eh livre, e parabéns a Boeing

  16. É sempre assim…quando estamos ganhando alguma coisa temos que vender para crescer e usar tudo que temos de melhor para dar aos estrangeiros!!…sempre cedemos as pressões e perdemos o que construímos…Lembrem-se da maior indústria automotiva da América Latina…a Vemag…Um mês após ser vendida teve o nome apagado e toda linha de produção cancelada…

    Grandes multinacionais estrangeiras de forma geral usam sua força econômica para fazer com que as decisões políticas dos governos sejam favoráveis a elas…A empresa Halliburton que fechou contrato generoso para reconstruir o Iraque que os próprios estadunidenses destruíram tem como sócio o ex-presidente estadunidense George W. Bush...empresas como a United Fruit Company (que existe até hoje, sob o nome Chiquita) chegaram a controlar o governo de alguns países da América Central durante o Período Mercantil…Diversas atuações ilegais foram marcadas em sua história como na Colômbia, em 1928, que diante dos protestos dos trabalhadores agrícolas exigindo melhorias nos trabalho a companhia ordenou às autoridades locais a reprimir a manifestação a tiros assassinando truculenta e impunemente muitos manifestantes…É o que hoje é conhecido como Massacre das Bananeiras…

    Em 1954 na Guatemala quando Jacobo Arbenz Guzmán tentou aplicar uma lei moderada a favor da expropriação das grandes propriedades, e depois as indenizaria com bônus a longo prazo, foi deposto por Carlos Castillo Armas, graças a colaboração do governo de Washington…Se deu um conflito brutal já que Allen Dulles, diretor da CIA, era advogado da United Fruit Company…Muitos dos empregados governamentais tinham interesses privados na empresa…Em Cuba era uma das empresas que controlavam a produção de açúcar e foram expulsos em 1959, por trás da revolução cubana que um ano mais tarde, em 1 de janeiro de 1960, nacionalizaria todas as suas possessões…..

    Em 1969 foi comprada por Zapata Corporation, empresa relacionada com George H. W. Bush…A empresa modificou sua razão social para Chiquita Brands e até hoje opera com esse nome…Em 2007, Chiquita Brands enfrentou um julgamento nos eua por haver financiado grupos paramilitares na Colômbia que foram responsáveis pelo massacre de sindicalistas e camponeses…A companhia teve que pagar multa às autoridades de seu país, agora as autoridades colombianas buscam cooperação dos eua para que extraditem os funcionários responsáveis por esses delitos e sejam julgados no país…..

  17. Vixi. Quanta choradeira…

    Quem sabe se dessa nova empresa saia o próximo 737?!

    A Boeing tem que colocar dois novos produtos no mercado: o NMA e um substituto pro 737… principalmente depois do fiasco do Max. Pelo o que eu saiba, eles não tem engenharia experiente disponível pra isso, mas tem grana…

    E a Embraer que fica: fatura menos, mas gasta menos, está capitalizada e tem excelentes produtos na mão.

    Pelo o que entendo, manterá parte significativa da engenharia “core”. A mesma que desenvolveu o Legacy 500 e o KC390… fonte das tecnologias embarcadas no E2.

    Na boa, quanto a aviação comercial, é melhor 20% de alguma coisa do que 100% de muito pouco.
    Afinal de contas, depois do movimento atrapalhado da Bombardier (incompetente como sempre), os excelentes E2 não vendem mais nada graças ao poder financeiro dos Europeus.

    Vamos que vamos…

      • Falta de informação que tristeza !!! Antigamente tinha o pessoal do Lago de Paranoá a trazer desinformação, agora parece que estão atacando de novo, eita !!! Os antigos me entenderão …..

    • Há esperança, sim, de novos produtos que substituam a linha 737, que já está defasada. Mas o boato que corre entre os profissionais da área, nos EUA, é que a Boeing Brasil será uma empresa atuante no desenvolvimento e na fabricação do novo B797, que é o projeto atual da Boeing de aeronaves de médio porte e que deve substituir os B767. Não há confirmação oficial – nem poderia, no atual estágio do negócio – mas especula-se que isso trará muitos empregos para a unidade brasileira da empresa. Eu particularmente fico torcendo para que esses boatos se confirmem, afinal o que realmente faz diferença para todos é mais empregos e cadeia local de produção, incluindo know-how.

  18. Uma pergunta a todos: o programa E135/E145 fica com quem?
    É que agora o mercado de aviões comerciais com menos de 70 passageiros está vazio e a própria Bombardier não se livrou ainda dos CRJs porque tem ainda muito em comum com os aviões de negócios…. se calhar a Embraer deveria apostar em fazer o mesmo… substituir o E135/E145 com um novo Legacy…

  19. A Boing comprou o KC 390 e levou de graça a terceira maior fabricantes de aeronaves do mundo. Parabéns aos envolvidos.

  20. Ninguém olha para o horizonte. Ninguém parece enxergar que o óbito estava ali, na esquina. Estava na UTI, ia viver mais alguns meses e ia definhar, definhar, até morrer. É uma briga de cachorro grande. Pelo menos, agora, terá alguma chance, alguma. Pode ser que sim, pode ser que não… Mas tem uma chance. De qualquer forma, após o óbito, todos iriam culpar o governo Bolsonaro, os militares, bla bla bla… E não ia adiantar de nada. O ruim é que todo mundo sabe que não teria futuro, a Bombardier jogou a toalha – muito esperta – a Russia entrou no “negócio”, a China também. Não tem futuro, simplesmente não tem, a EMBRAER – neste segmento – iria quebrar de qualquer forma. Ainda não entendi se os comentários são maldosos ou se é falta de visão mesmo. Ou seja, falam por falar ou falam de maldade própria.

  21. Pra mim como brasileiro pouco importa o nome que se dará a essa empresa e tudo um negocio privado e nada a ver ter sensibilidade pra isso.

    Mas, fico imaginando se a Embraer agora somente com a área executiva e de defesa vai conseguir ir contra os pessimistas de plantão e ter lucro em suas atividades daqui pra frente ou se vai sucumbir e falir por nao conseguir vender seus produtos.

    Espero mesmo que a FAB consiga recursos que garanta a compra total dos 28 KC-390, da modernização de 12 A1-AMX e também de um 2º lote de Gripens construídos pela Embraer ja aqui no Brasil.

  22. Essa foi com certeza uma das transações mais absurdas ds história de nosso país. Compraram por merreca anos de projeto, investimento, trabalho, audácia, tudo em prol de argumentos rasos. Senhores liberais de meia tigela, ponham na cabeça que o Brasil nunca será desenvolvido sem uma indústria de alta tecnologia.

  23. Ainda não entendi a surpresa, quem comprou foi a Boeing.. uma empresa brasileira…. Boeing Brasil… simples e óbvio, eles ainda tiveram a boa vontade de colocar brasil… eu deixaria só Boeing mesmo! Quem reclama deve ser o mesmo que acredita que Santos Dumont inventou o avião… e que o avião ele inventou quando trabalhava na Embraer kkkk

  24. Traição de oficiais de alta patente?

    https://www.oantagonista.com/brasil/exclusivo-parecer-da-fab-indica-que-embraer-salvou-boeing/

    https://www.oantagonista.com/brasil/exclusivo-comando-da-fab-ignorou-ressalvas-tecnicas-e-aprovou-negocio-com-a-boeing/

    No parecer sigiloso, obtido por O Antagonista, o Comando da Aeronáutica conclui favoravelmente pelo negócio da Embraer com a Boeing.
    Curiosamente, ignora as ressalvas técnicas feitas ao longo do documento e endossa a versão oficial de salvação da companhia brasileira.
    Desde o início das negociações da Embraer com a Boeing, prevaleceu a tese de que a venda da área comercial (a mais lucrativa) era a única maneira de salvar a companhia brasileira. O parecer técnico da FAB, obtido com exclusividade por O Antagonista, indica o oposto.
    A fabricante americana, segundo o documento, é que precisava do portfólio de aeronaves da Embraer para manter a posição de liderança no mercado mundial.
    Pior: o documento revelado diz que, segundo os pareceres da Aeronáutica, a proposta de separar as duas áreas – aviação comercial e defesa – “irá eliminar o processo de investimento público brasileiro na inovação da Embraer Defesa, pois não será coerente investir recursos para novas tecnologias que serão transferidas para a Embraer Comercial”, que passou ao controle da Boeing.
    Militares entregarem o interesse nacional, por dinheiro, a estrangeiros tem um nome: traição.

    • O problema das privatizações do braziu é que não existe privatizações(capital privado que investe no setor público)…o grosso é dinheiro do BNDES(capital público) que banca as empresas privadas nas negociações…

      Se alguém quer comprar é porque dá lucro!..

      • Que legal então, nossos militares ajudando uma empresa estrangeira a não quebrar (no mínimo bisonho, pois a preocupação com determinada falência que fique com o governo do país da empresa), esse fato serve para reforçar aquele dito: Brasileiro é tão bonzinho!

  25. Eu queria ver a reação de alguns aqui do blog se o nome da “parceria” fosse:
    AVIC EUA-Commercial
    AVIC Israel-Commercial
    ou
    KnAAPO/Sukhoi EUA-Commercial
    KnAAPO/Sukhoi Israel-Commercial

    • Não entendi sua analogia.
      Uma das nossas preocupações é com o nome EMBRAER, que transportava milhões de pessoas pelo mundo.
      E quais empresas gigantes essas Sukhoi ou AVIC teriam engolido em ISRAEL e EUA (na sua hipótese)? E que esses países teriam permitido.

      • Farroupilha, essas horas o que menos me importa é o nome Embraer, até porque já é da Boeing agora, o meu ponto de vista foi da aquisição em si.
        Em Israel as empresas poderiam ser Elbit, IAI, ou a Rafael, já nos EUA já imaginou uma empresa russa ou chinesa comprando uma Boeing ou uma Lockheed Martin? Ia ser o choro do século, e o pior, as lágrimas iam ser brasileiras.
        Mas é claro que isso nunca vai acontecer, Israel e EUA são países sérios que cuidam de sua soberania, bem diferente do Brasil.

  26. mais uma empresa que morreu foi enterrada no esterco, os criadores dela com certeza devem sentindo-se traídos e enganados . tudo que a embraer foi sera apagado como outras que a boeing. so lembrança do que foi. parabéns ao presidente que que mudar nos pais entregando tudo que temos .

    • O próprio criador da Embraer é a favor da Joint Venture..
      O que me deixa mais triste, ver o Ozires Silva ser a favor desse crime lesa a patria

      • A maioria dos acionistas devem ser americanos, então ser Embraer o nome não presta. Agora podiam fazer que nem a Lenovo, que compraram a Motorola e mantiveram o nome.
        .
        Tem duas coisas que não estou curtindo, a Kaspersky sumiu com ícone do “K” e botaram um escudo no lugar e agora o nome Embraer indo para as cucuias, assim fica difícil adorar empresas rsrs. Antes de tudo, comentário resenha viu 😉

  27. Alguém me corrija caso eu esteja errado:

    A Boeing comprou a área de aeronaves comerciais, e a Embraer defesa é segurança ficará com a área de aviação executiva, que ficou de fora do acordo, assim como a divisão militar é isso?

    Mas as aeronaves comerciais e executivas não dividem tecnologias entre si,quem seria detentor dela?

    Li também que com a compra da embraer, os americanos abocanharam a fábrica que projeta os trem de pouso das aeronaves.

  28. O CANCER DO BRASIL SÃO OS POLÍTICOS, O TIO SAN DEVE TER COMPRADO A MAIORIA DOS POLÍTICOS PARA QUE ISSO CONCRETIZA-SE…

  29. Show! Acaba logo essa novela e vamos dominar de vez o mundo!!! Airbus se prepara!! O mimimi fica e a caravana passa!!!

  30. A Embraer foi vendida quase de graça para a Boeing, com os novos pedidos que irão superar o valor da compra, a Boeing ganhou a Embraer e ainda terá lucro e isso sem fazer nenhum esforço. Está bom para vocês?

LEAVE A REPLY

Please enter your comment!
Please enter your name here