Home Aviação de Caça Senna recebe homenagem da FAB trinta anos após voar com o ‘Jaguar’

Senna recebe homenagem da FAB trinta anos após voar com o ‘Jaguar’

5490
21

Leonardo Senna, irmão do falecido piloto de F1, relembrou do voo

Em 1989, a Força Aérea Brasileira (FAB) e o ídolo Ayrton Senna se encontraram. Em Anápolis (GO), o Esquadrão Jaguar (1º GDA) fez uma simulação de interceptação da aeronave PT-ASN e, em seguida, recebeu Senna para um voo de demonstração a bordo do supersônico Mirage III. Nesta sexta-feira (03/05), a lembrança do herói brasileiro esteve presente na Ala 2 como há 30 anos. A mesma unidade aérea, que celebra 40 anos em 2019, recebeu a visita do irmão do tricampeão, Leonardo Senna, para homenagear os 25 anos de legado de Ayrton e rememorar o voo inesquecível nos céus de Anápolis.

O Comandante da Ala 2, Coronel Aviador Antonio Marcos Godoy Soares Mioni Rodrigues, falou sobre a relação da organização militar com a velocidade, que eternizou Ayrton Senna no esporte mundial. “Em minha mente, não teria outro lugar melhor para se fazer essa homenagem da FAB para Ayrton Senna. Ele voou aqui e é uma casa da caça, da velocidade, e ele se sentiu muito emocionado em seu voo, o que foi demonstrado também hoje, por Leonardo”, disse o Coronel Mioni.

Leonardo Senna chegou pouco antes das 10h na sede do Esquadrão Jaguar. Lá, ele conheceu as instalações do grupo e recebeu as instruções e equipamentos para voar a bordo do caça F-5, aeronave operada pelo 1º GDA atualmente. No briefing anterior à decolagem, ele foi questionado da mesma forma que Ayrton foi pelo piloto daquele voo, Tenente-Coronel Alberto de Paiva Cortes, há 30 anos: “O que você espera desse voo?”

Em 1989, o tricampeão mundial foi direto, queria sentir a velocidade supersônica, a diferença entre pilotar um caça e pilotar um carro de Fórmula 1. Já Leonardo foi mais contido, como disse ao embarcar na aeronave de matrícula FAB 4812. “Vou ser bem mais comedido: vou querer emoção, mas bem menos que Ayrton. Estou bem tenso, depois de todos esses procedimentos de segurança, do assento ejetável… Mas temos que ir, seja o que Deus quiser”, brincou.

E assim começou a experiência do voo de Leonardo Senna. Às 11h, o Major Aviador Cristiano Peixoto pedia autorização à torre de controle e decolava nos céus de Anápolis. De acordo com o piloto, o início foi cauteloso, mas depois Leonardo mostrou coragem. “Durante o voo, nós permanecemos no circuito de tráfego e fizemos aproximações e arremetidas no ar, atingindo cerca de 800 km/h a 300, 400 pés do solo. No início, ficamos cautelosos com a possibilidade de enjoo, mas depois ele esteve bem e até pediu para experimentar a força G de forma mais intensa. Para mim, foi uma honra participar dessa homenagem a Ayrton Senna, um ídolo que inspira a todos e que elevou a bandeira do Brasil a um ponto mais alto”, disse o Major Peixoto.

Após 20 minutos e diversos voos rasantes, o caça aterrissou novamente na Ala 2 e sua tripulação foi recebida com a tradicional festa do champanhe, tão presente nas celebrações de Ayrton Senna nos pódios da maior categoria do automobilismo mundial.

“Estava muito apreensivo no começo, mas me acostumei rápido e cheguei a pedir mais velocidade, e chegamos a 4.2 G. Fizemos manobras próximas ao solo e foi muito gostoso. Estou feliz por essa homenagem da Força Aérea. Fui bem mais modesto, Ayrton já iria querer passar o mais próximo do chão. Estou tendo uma semana de emoção, Ayrton sempre foi muito patriota e fico muito feliz com essa homenagem”, disse Leonardo após a aterrissagem.

Após a adrenalina do voo, outra emoção tomou conta da área operacional da Ala 2. Em celebração ao voo do ídolo nacional e aos 40 anos do Esquadrão Jaguar, a aeronave Mirage FAB4940 recebeu uma pintura alusiva ao tradicional capacete do automobilista, desenvolvida por Raí Caldato e Alan Mosca, este filho do designer Sid Mosca, que assinava a arte nos capacetes de Senna. “A pintura incorporou Senna e a história da Base Aérea, ficou perfeito. Fico muito orgulhoso, eu e meu pai sempre fomos muito fãs da FAB e foi uma grande honra poder participar dessa homenagem, me sinto privilegiado. Foi uma realização profissional, me orgulho como brasileiro e patriota, principalmente sendo uma homenagem para Ayrton, que agora está imortalizada”, afirmou Alan.

Para aqueles que quiserem conhecer de perto a aeronave em que Ayrton Senna voou em 1989, o Mirage III matrícula FAB 4904 está exposto para visitação no Museu Aeroespacial (MUSAL), unidade vinculada ao Instituto Histórico-Cultural da Aeronáutica (INCAER), localizada no Campo dos Afonsos, Rio de Janeiro (RJ). Na fuselagem do supersônico, estão eternizados os nomes dos tripulantes e a data daquele voo, 29 de março de 1989.

FONTE: FAB

Subscribe
Notify of
guest
21 Comentários
oldest
newest most voted
Inline Feedbacks
View all comments
Daniel
Daniel
1 ano atrás

Desculpe aos falecidos e familiares dos morreram pilotando “um desses aí”, mas tais pilotos eram tão famosos quanto ao que morreu pilotando um F1, e que deu tantas emoções e alegrias aos brasileiros?

RODRIGO LAMONATO
RODRIGO LAMONATO
Reply to  Daniel
1 ano atrás

Pacheco detected.

Vinicius Momesso
Vinicius Momesso
1 ano atrás

Sobre o abate de um Mirage f1 pilotado por um “mercenário” português pelo governo libio, ninguém vai comentar?

Guizmo
Guizmo
1 ano atrás

Rai Caldato, mencionado na reportagem, foi meu colega de faculdade. Desde aquela época, 1994 (ano que o Senna morreu), já desenhava capacetes alusivos ao Senna.

Quanto ao caça Mirage 2000, achei interessante a pintura, que simulou no nariz até as entradas de ar, o Mirage 3

Rui chapéu
Rui chapéu
1 ano atrás

Pq não pintaram um f-5 com aquela cor? Ia ficar mais legal a homenagem.

Observador
Observador
1 ano atrás

Coisas de séries humanos meu caro… Até hoje não intendi por que no dia 25 de dezembro, ensinam seus filhos a chamarem Noel (personagem ficticio) de papai, sendo que Jesus , que morreu em nosso lugar, para perdão dos nossos pecados e supostaménte faz aniversário nesta data, muitas vezes nem é lembrado muito menós citado. No caso do Airton, ainda é compreensível, por ser um patriota mesmo com o Brasil que nós temos. Brasileiro de se tirar o chapéu. Como também os camaradas das forças armadas e outros.

Willber Rodrigues
Willber Rodrigues
1 ano atrás

Uma pena que esse Mirage não voa. Seria espetacular ver essa aeronave voando com essa pintura.

Sagaz
Sagaz
1 ano atrás

Os heróis anônimos estão presentes em todos os nossos dias e compõem os devidos lugares de apreço entre seus familiares, amigos e intituições. Ou o prezado acredita que não há nenhuma cerimônia destinada àqueles que graduam-se pilotos, médicos, advogados, bombeiros,…? A repercussão é proporcional ao interesse da sociedade via mídias, as quais vendem o que a sociedade consome. Agora se a hora de vôo de um caça envolve filantropia, propaganda, homenagens ou o que mais o nobre cidadão tenha a achar em desacordo com a legislação sugiro entrar com alguma ação no ministério público a fim de que, sem preconceitos,… Read more »

Ricardo da Silva
Ricardo da Silva
1 ano atrás

Ficou desconectado. O Mirage 2000 chegou na FAB bem depois da morte do piloto, que voou no F-5E (quem não era o mais veloz da FAB).

Acredito que a idéia tenha sido de “o caça mais veloz” com a do “piloto da F-1”, forçado.
Não ficou lindo, mas bonito.

Agora é esperar se vão lançar os decais ou o modelo pra comprar.

PODER AÉREO, por favor nos avisem, já vou separar um lugar na estante!

Wellington F. R.
Wellington F. R.
Reply to  Ricardo da Silva
1 ano atrás

Caro, o Senna voou num Mirage III, não num F-5.

Rodrigo Maçolla
Rodrigo Maçolla
Reply to  Wellington F. R.
1 ano atrás

Na verdade amigo ele voou os dois tipos o Mirage III e também o F-5 Tiger II

Flanker
Flanker
Reply to  Ricardo da Silva
1 ano atrás

Senna voou em um F-5B em 1987 e em um F-103D em 1989.

Rodrigo Maçolla
Rodrigo Maçolla
Reply to  Flanker
1 ano atrás

ok

Wellington Góes
Wellington Góes
1 ano atrás

irão levar este caça (digo, o que restou dele) para o MUSAL, também, ou irão espetá-lo em alguma base?!

Até para homenagear, a FAB está meio barata tonta. rsrsrs
“Ah, mas isto é birra do Wellington”. Putz!!!

Renato de Mello Machado
Renato de Mello Machado
1 ano atrás

Prezada FAB,eu sempre me preocupo com vocês,já critiquei muito nos sites pedindo mais e mais,material novo.Quando cai algo da FAB,dói meu coração.Por favor me chama para um voo desses,num F-5.Pode ser também de AMX ou A-29.

GFC_RJ
GFC_RJ
Reply to  Renato de Mello Machado
1 ano atrás

Se tiver com grana, pode ir de MIG-29…
Quase 15K Merkels com direito a supersônico…

https://migflug.com/flights-prices/fly-mig-29-in-russia/

Vai?

Renato de Mello Machado
Renato de Mello Machado
Reply to  GFC_RJ
1 ano atrás

Quem dera amigo.

André Marques de Almeida Viana
André Marques de Almeida Viana
1 ano atrás

Esse espécime deve ser preservado para sempre!

Flanker
Flanker
1 ano atrás

Essa aeronave, o F-2000C 4940 (o primeiro da FAB), muito provavelmente (arrisco dizer que, certamente) será mantida na Ala 2, preservada do mesmo modo que o F-103E 4910 (o primeiro da FAB) está preservado no mesmo local, pintado nas cores e marcas com que entrou em servico na FAB. No MUSAL há o F-2000C 4948, o F-103E 4913 e o F-103D 4904 (exatamente o exemplar que foi voado por Senna).

Grozelha Vitaminada Milani
Grozelha Vitaminada Milani
1 ano atrás

São grandes heróis das 3 Forças Armadas os pilotos e todo staff que poem nos céus brasileiros a KOMBI voadora! Pilotos e todos os co-passageiros que voam sem saber se irão voltar vivos ao seu lar ou a sua família.

Abençoados são aqueles que sobreviveram ao piscar ou ao acender a luz âmbar amarelada no painel e conseguiram, esses bravos guerreiros, sobreviver a um dos maiores lobbys da tríade Airbus-Governo de MG-Apertaparafusobrás!

Esses são os verdadeiros heróis das Forças Armadas!