Home Aviação Militar Malvinas 37 anos – O ataque dos Bombardeiros Vulcan

Malvinas 37 anos – O ataque dos Bombardeiros Vulcan

14860
65
Arte retratando um avião-tanque Victor reabastecendo um bombardeiro Vulcan
Arte retratando um avião-tanque Victor reabastecendo um bombardeiro Vulcan

Há 37 anos, no dia 1º de Maio de 1982, um bombardeiro Avro Vulcan da Royal Air Force atacou o aeródromo de Port Stanley nas Ilhas Falklands/Malvinas, invadidas por forças argentinas desde o dia 2 de abril daquele ano.

Foi a primeira da série das Operation Black Buck. Os raides que compreenderam voos de 6.800 milhas náuticas e quase 16 horas de voo, foram as mais longas missões de bombardeio até então.

Durante a Guerra das Malvinas em 1982, as Operation Black Buck 1 a Black Buck 7 foram executadas pelos bombardeiros Vulcan da RAF Waddington Wing da Royal Air Force (RAF), compreendendo aviões Nº 44, 50 e 101.

Os objetivos de todas as missões eram atacar o aeroporto de Port Stanley e suas defesas associadas.

Os ataques da Operação Black Buck foram realizados a partir da base RAF na Ilha de Ascensão, perto do Equador. O Vulcan foi projetado para missões de médio alcance na Europa e faltava o alcance para voar para as Malvinas sem reabastecer várias vezes. Os aviões-tanque da RAF eram em sua maioria Handley Page Victor com alcance similar, então eles também precisavam ser reabastecidos no ar.

Um total de onze aviões-tanque foram necessários para dois bombardeiros Vulcans (um primário e um reserva), um esforço logístico assustador, já que todas as aeronaves tiveram que usar a mesma pista. Os Vulcans carregavam internamente 21 bombas de 1.000 libras (450 kg) ou dois ou quatro mísseis anti-radar Shrike.

Dos cinco ataques Black Buck concluídos até o final, três foram contra a pista de aterrissagem do Aeródromo de Stanley e instalações operacionais, enquanto os outros dois eram missões anti-radar usando mísseis Shrike contra um radar 3D de longo alcance Westinghouse AN/TPS-43 na área de Port Stanley. Os Shrike atingiram dois dos menos valiosos e rapidamente substituídos radares de controle secundários, causando algumas baixas entre as tripulações argentinas. Um Vulcan quase se perdeu quando uma falha na sonda de reabastecimento o forçou a aterrissar no Brasil.

Bombardeiros Vulcan estacionados na Ilha de Ascensão durante a Guerra das Falklands-Malvinas
Bombardeiros Vulcan estacionados na Ilha de Ascensão durante a Guerra das Falklands-Malvinas
Aviões Handley Page Victor, Nimrod e Harrier GR3 na Ilha de Ascensão, em 1982
Esquema de reabastecimento em voo entre o bombardeiro Vulcan e aviões-tanque Victor nas Malvinas

Os ataques causaram danos mínimos à pista e os danos aos radares foram rapidamente reparados. Uma única cratera foi produzida na pista, impossibilitando que o aeródromo fosse usado por jatos rápidos. A tripulação de solo argentina consertou a pista dentro de vinte e quatro horas, a um nível de qualidade adequado para os transportes C-130 Hercules.

Os britânicos sabiam que a pista continuava em uso. Fontes argentinas afirmaram originalmente que os ataques de Vulcan influenciaram a Argentina a retirar alguns de seus caças Dassault Mirage III da Zona de Defesa do Sul da Argentina para a Zona de Defesa de Buenos Aires.

Esse efeito dissuasivo foi diluído quando as autoridades britânicas deixaram claro que não haveria ataques contra as bases aéreas na Argentina.

Assista na animação abaixo como era o esquema de reabastecimento do bombardeiro Avro Vulcan envolvendo 11 aviões de reabastecimento aéreo Handley Page Victor para chegar até as Falklands/Malvinas.

65
Deixe um comentário

avatar
19 Comment threads
46 Thread replies
2 Followers
 
Most reacted comment
Hottest comment thread
46 Comment authors
Marciojairo mendesMarcio Roberto CondeHermesESTEFEN Recent comment authors
  Subscribe  
newest oldest most voted
Notify of
DOUGLAS TARGINO
Visitante
DOUGLAS TARGINO

Fico imaginado se o Vulcan que teve um defeito e veio para o território brasileiro, se ele tivesse conseguido chegar ao continente (atacar o solo argentino no continente) que era seu proposito, será que a guerra teria se estendido, continuado mesma coisa ou acabado mais rápido? E se a guerra tivesse chegado a América do Sul, ficaria Argentina, Uruguai e Peru ao lados dos Argentinos conta Chile e Inglaterra?

Marcos10
Visitante
Marcos10

Conforme o texto, os objetivos nunca foram o Continente.

Ricardo Bigliazzi
Visitante
Ricardo Bigliazzi

Os Ingleses nunca pensaram em atacar a Argentina, apenas queriam retomar o seu território invadido

Helio Eduardo
Visitante
Helio Eduardo

O solo continental nunca esteve nos planos das missões Black Buck.

Jorge Aluísio Prates
Visitante
Jorge Aluísio Prates

Não viaja. As operações foram apenas para dar um corretivo na Argentina e resguardar a imagem do Reino Unido. Jamais se pensou em ações continentais. Além disso, os governantes dos outros países não iriam seguir o bebum do Gualtieri. Foi apenas solidariedade sulamericana.

Otavio
Visitante
Otavio

O Brasil pediu para o Presidente dos EUA avisarem para os ingleses não atacarem a Argentina continental pois o Brasil entraria na guerra.

Celso
Visitante
Celso

hahahahahaha sabe nada inocente……..

Fabio Araujo
Visitante
Fabio Araujo

Pelo tratado da OEA todos os países membros, inclusive os EUA, teriam que declarar guerra caso a Inglaterra atacasse o território continental da Argentina. Por isso os ingleses evitaram atacar o continente, mas houve algumas ações de inteligência com observadores em terra monitorando as bases aéreas.

GUSTAVO E VIEIRA
Visitante
GUSTAVO E VIEIRA

Os EUA nunca apoiariam a Argentina contra um membro da OTAN em plena Guerra Fria.

Marcio Roberto Conde
Visitante
Marcio Roberto Conde

Otávio, meu tio estava servindo o exército lá sul para poder se “aclimatar” ao frio das ilhas.

George Guerra
Visitante
George Guerra

Há um equívoco na informação sobre o pouso do Vulcan no Brasil, não foi por pane e sim, por interceptação do SINDACTA. Ocorreu a invasão de nosso espaço aéreo e os grupamentos de Santa Cruz e Anápolis interceptaram a aeronave. A tripulação e o Vulcan ficaram retidos da Base Aérea do Galeão.

Pangloss
Visitante
Pangloss

A pane antecedeu – e motivou – a entrada do Vulcan em nosso espaço aéreo. Anápolis é longe demais do ocorrido, não houve participação de Mirage no episódio. E, dado o quadro, a interceptação não encontrou qualquer resistência do Vulcan.

Claudio Melo
Visitante
Claudio Melo

Não há equívoco. O Vulcan, teve, sim, uma pane, liberou as armas de queda livre no mar para diminuir o peso, permanecendo armado apenas com um sidewinder, e entrou no nosso espaço aéreo embora não recebesse autorização para fazê-lo mas não havia alternativa.Resumindo: O Vulcan teve uma pane na sonda de reabastecimento, entrou no nosso espaço aéreo, foi interceptado e escoltado até a Base aérea de Santa Cruz, se não me engano.

Tomcat
Visitante
Tomcat

Não. Você está enganado. O Vulcan não tinha nenhum armamento para ejetar, execto um míssil Shrike que não havia se soltado do cabide no momento do disparo para o alvo e, obviamente, não tinha como ser ejetado. E não foi escoltado para a BASC. O pouso foi no Galeão.

Marcio
Visitante
Marcio

Ele foi primeiro para o Galeão e depois escoltado para a BASC para manutenção. Eu estava na BASC na época e presenciei sua chegada.

carvalho2008
Visitante
carvalho2008

O Brasil desde o briefing da missão, era considerado o unico local para pouso de emergencia se qualquer um dos reabastecimentos na volta falhasse.

O pior ocorreu e a tripulação não teve alternativa, tinham de aproar para o Brasil.

Quando entraram no espaço aereo Brasileiro, o Cindacta acionou a interceptação que fez a confirmação da identificação e escoltou o Vulcan ate o pouso.

ainda em alto mar, a tripulação alijou todo o material que dispunham a bordo, livretos, codigos etc….

jairo mendes
Visitante
jairo mendes

tem uma excelente matéria na revista asas, só não me lembro o número. e suas informações batem pelo que me lembro. eu assisti uma matéria na globo, onde os pilotos diziam que estavam sendo bem tratados, oq foi confirmado pelo embaixador. parece, e não tenho como provar, que ganhamos um míssil de “presente” naquela época, que foi devidamente estudado por aqui…

Marcio Roberto Conde
Visitante
Marcio Roberto Conde

Até a guerra acabar ele ficou “retido” no Galeão sim.

Guilherme Poggio
Editor
Famed Member

Em breve pretendo fazer um texto sobre os motivos dos argentinos não terem estendido a pista de Stanley para a operação de jatos de alto desempenho.

colombelli
Visitante
colombelli

aproveitando, quero sugerir uma matéria “enciclopédica” com a organização atual e distribuição dos meios da FAB como a feita pelo Nunão a algum tempo atras acerca da MB.

Helio Eduardo
Visitante
Helio Eduardo

Poggio, se me permite, aproveitando a celeuma sobre a Venezuela, seria possível uma comparação entre nossas FFAAs e a deles?

Sei que para a imprensa em geral, e mesmo para alguns foristas, o assunto gera discussão ideológica mas, em nome da grande maioria que preza o bom debate sobre Defesa que a Triologia proporciona, seria interessante poder debater o hipotético cenário de conflito Brasil x Venezuela.

Davi
Visitante
Davi

Nossos F-5 da época eram pários para os Harriers?

Luiz Trindade
Visitante
Luiz Trindade

Em resposta bem suscinta: Não!

Fernando Turatti
Visitante
Fernando Turatti

resposta rápida e errada.
É inconclusiva uma comparação justamente devido a natureza de ambos. O harrier perde terreno por ser bem mais lento. A questão é que na época provavelmente quem serviria de ponta de lança seriam os Mirage III, não os F-5.

Nilton L Junior
Visitante
Nilton L Junior

Não tenho bem certeza a eletrônica do harrier era superior aos do Mirage III e do F-5.

Helio Eduardo
Visitante
Helio Eduardo

Exato Fernando!

Suponho eu que em um cenário defensivo para o Brasil, os Harrier perderiam feito. Senão, vejamos: a FT britânica teria que ficar afastada do nosso litoral e vigilante quanto ao contra ataque de nossa Marinha. A “perna curta” dos Harrier lhes daria pouco tempo sobre o alvo, enquanto Mirages como interceptadores e Tigres na caça tática estariam na defensiva, próximos às suas bases e com apoio de terra.

carvalho2008
Visitante
carvalho2008

sempre…sempre…sempre…depende do conjunto missão+equipamento+TO….e ai tudo se inverte dependendo de cada elemento…. Harrier e F-5 são caças de defesa de ponto….rapids e perna curta em seus envelopes….um é supersonico, o outro decola de qualquer beco ou rua… Harrier não é um bom atacante, preponderantemente é um defensor de ponto….então no ataque, vai sofrer muito pela autonomia e limitação de bombas embarcadas…. Se o F-5 esta na defesa, esta dentro daquilo para o qual foi criado, defendendo o ponto, supersonico e com grande auxilio de controle situacional das bases de terra ao qual esta defendendo…a probabilidade ai, é que auxiliado nisto,… Read more »

Pangloss
Visitante
Pangloss

Onde eles se enontrariam? Ambos têm pequeno alcance. Quem atacaria, e quem defenderia?
Provavelmente terminaria em 0 a 0.

jose carlos souza sub oficial da reserva remunerad
Visitante

Nem os mirage III dos argies o foram!

carvalho2008
Visitante
carvalho2008

depende da missão e do contexto em que se encontrarem …. O F-5 é supersonico, e rapido de manobra, embora o harrier possa manobrar muito melhor , é subsonico…. Os dois tem perna curta…. Então depende do contexto e cenario de uso…. A grande vantagem do Harrier naquele cenario era que independente do adversario ali com que se encontrasse , o combate era subsonico e a media baixa altura. Justamente onde situa-se o seu melhor envelope de voo. Mirage, Dagger, nunca puderam usar sua superioridade pois não havia combustivel suficiente para Pos Combustão, voavam baixo pois sabiam que a artilharia… Read more »

Marcos10
Visitante
Marcos10

O uso dos Vulcans tiveram mais símbolismo que efeitos práticos. O recado foi: nós podemos fazer.

Pangloss
Visitante
Pangloss

Efeito Doolittle – o aviador. Sem traduções diretas (e equivocadas).

carvalho2008
Visitante
carvalho2008

correto, mas de qualquer forma…era um perigo real e imediato se acertassem a pista….

é a maxima da guerra…voce usa o que tem, no limite do que tem, da forma como dá,,,,

PauloSollo
Visitante

Impressionante. Independente dos bombardeios terem produzido resultados pífios, estas operações foram mais um exemplo do gigantesco esforço empreendido e da obstinação em busca da vitória. Creio que a falta de uma determinação como esta por parte dos argentinos foi o mais preponderante para sua rápida derrota, influênciando inclusive na desorganização tática e no comedimento em relação ao uso de seus melhores meios aéreos e navais.

Antunes 1980
Visitante
Antunes 1980

Só mesmo os argentinos conseguiram perder uma guerra onde eles tinham ampla vantagem territorial e bélica.
Mais uma vergonha dos nossos hermanos.

Marcos Cooper
Visitante
Marcos Cooper

Masss,hein???

Fernando Turatti
Visitante
Fernando Turatti

Vantagem bélica?
Literalmente nada deles era superior. Os a-4, SE decolassem do porta-aviões lento deles, talvez daria um combate interessante contra os Harriers, contudo não tenho certeza de qual ar-ar usavam seus A-4 na época.
Os submarinos britânicos eram incomparáveis a qualquer coisa naval argentina da época. Dois porta-aviões pequenos mas funcionais contra um porta-aviões inútil. Não tem absolutamente nenhum respaldo para afirmar que tinham vantagem bélica.
Territorial sim, que de nada adiantava porque seus mirage não tinham REVO.

Rafael M. F.
Visitante
Rafael M. F.

Os mísseis ar-ar usados pela FAA eram os AIM-9B, Matra Magic I e Rafael Shafrir. Todos de Geração I.

Helio Eduardo
Visitante
Helio Eduardo

A qual conflito o amigo se refere? Com certeza não é ao conflito das Falklands/Malvinas…..

ESTEFEN
Visitante
ESTEFEN

Antunes 1980. “JAJAJAJA vergonha dos nossos hermanos”. Querido amigo, fué una locura de Galtieri enfrentar a la Otan. EE.UU con sus misiles aire aire. Casi 500 barcos logísticos de la mayoría de los países Otan europeos. Espalda de Francia con los Exsocet. Ayuda chilena. Apatía Brasilera. Militares Gurcas + escoces + galeces y si no me equivoco soldados Ingleses. La OEA, indiferente total. Solo Perú apoyo con Mirage y Exsocet que llegaron tarde. Y así y todo el Picnic para los OTAN les salió bastante caro. Abrazo

Grozelha Vitaminada Milani
Visitante
Grozelha Vitaminada Milani

Nossa, dois dos mais belas aeronaves e funcionais construídas: Handley Page Victor e Nimrod.

Parabéns pelo Design!

Grozelha Vitaminada Milani
Visitante
Grozelha Vitaminada Milani

Segundo o video, precisava de 11 Handley Page Victor para 1 só Vulcan chegar nas Malvinas … e qtos precisavam para retornar a ilha?

Rafael M. F.
Visitante
Rafael M. F.

Apenas dois. Olhe a “White Wave”.

Os Vulcan já retornariam aliviados do peso das bombas e a grande altitude.

Grozelha Vitaminada Milani
Visitante
Grozelha Vitaminada Milani

Eu ví o gráfico e o video … mas as informações não batem. No gráfico a ida tem 10 Victors e no video 11. E eu acho 2 reabastecimentos na volta muito pouco … e se for isso mesmo, é muito crítico e na “banguela” (tipo o voo fatídico da Chapecoense).

Diogenes Luiz
Visitante
Diogenes Luiz

Eu servia na Base Aérea de Santa Cruz era Soldado, vi quando 2 caças F5 da FAB, decolou para interceptar o Vulcan, era um Cap e Ten da Base Aérea de Santa Cruz, esse avião invadiu o espaço aéreo do Brasil com armas para ir para a Guerra das Malvinas, mas no percurso teve problemas e foi interceptado, ficou na Base Aérea de Santa Cruz até o término da Guerra, eu tirava serviço de Guarda bem próximo do avião.

Clésio Luiz
Visitante
Clésio Luiz

O amigo presenciou um fato histórico. Obrigado pelo relato. Se possível, fique a vontade para compartilhar mais sobre a época.

ednardo curisco
Visitante
ednardo curisco

espaço aéreo ele não invadiu. Até porque o Brasil estava a centenas de km da rota de ataque.

Na volta de um ataque foi que ele teve problemas e pediu para fazer pouso emergencial aqui.

Carlos Miguez - BH
Visitante
Carlos Miguez - BH

Salvo engano o Vulcan aterrizou no Aeroporto do Galeão, e ficou nos limites da Base Aérea do próprio Galeão.

Rinaldo Nery
Visitante
Rinaldo Nery

Cap Dias e Ten Coelho. Servi com o Maj Coelho na AFA. O Vulcan ficou retido na BGL, não na BASC.

Rinaldo Nery
Visitante
Rinaldo Nery

BAGL

Dalmar
Visitante
Dalmar

O Vulcan iria para as ilhas, mas teve pane durante o procedimento de reabastecimento, soltou então suas bombas, mas um missil Schryke não soltou. Foi interceptado, pousou, e a RAF teve apreendidos o avião e o missil, que inclusive serviu depois como fonte de conhecimento para o desenvolvimento do missil MAR-1. Acho que já foi tudo isso relatado aqui recentemente.

Marcelo Zhanshi
Visitante
Marcelo Zhanshi

A ilha de Ascensão fica perto da Linha do Equador. O texto diz que fica “perto do Equador”. Em que pese esteja gramaticalmente correto, a forma em que foi escrito causa uma indesejável ambiguidade geográfica que poderia ser evitada.

Rafael M. F.
Visitante
Rafael M. F.

Ah, também o Matra R.530.

Space Jockey
Visitante
Space Jockey

Dois mísseis que nunca prestaram, diga-se de passagem

Roberto F. Santana
Membro
Famed Member
Roberto F. Santana

Eis aí a razão da existência dos porta-aviões.
Não obstante a fenomenal operação de planejamento e atuação dos ingleses nessa operação, o fato mostra o ato falho do prematuro abandono do desenvolvimento e manutenção dos porta-aviões ingleses no início da década de setenta.
A possessão além-mar, a garantia e segurança de rotas marítimas, tratados, acordos de proteção de aliados, preservação da integridade de países com grande extensão e até mesmo certa pretensão imperialista; são algumas razões que justificam essa arma poderosa que é o porta-aviões.

PRAEFECTUS
Visitante
PRAEFECTUS

Faltou visão estratégica à Portugal nos anos seguintes após a “descoberta” do Brasil. Portugal ou até mesmo a Espanha na época poderiam ter colonizado as ilhas de Ascensão e Sta Helena e desta forma garantido aos seus “herdeiros” do continente Sul Americano uma invejável posição estratégica para dominar todo o Atlântico sul. Mas, não conseguiram enxergar isso à época, mesmo possuindo colônias na África(como Portugal). Os ingleses argutos como são vislumbraram o potencial estratégico das ilhas, e, em 1800 e pouco, as anexaram, colonizando-as até com escravos libertos dos navios negreiros apreendidos por sua marinha na costa africana. E, mantém… Read more »

ednardo curisco
Visitante
ednardo curisco

talvez tenha faltado ‘perna’.

Recomendo muito o livro “império ultramarítimo português’ do Charles Boxer.

Portugal era um país muito nanico. tremendamente nanico. ter sido o primeiro império ‘onde o sol nunca se põe’ (possessões em quase todas as longitudes com terra) no mundo, tendo importantes colônias em inúmeros locais da América, e da África até a China, inclusive tendo os pés no japão, foi de uma ousadia e talento inacreditável.

Sérgio Luís
Visitante
Sérgio Luís

Só acertaram diretamente uma única bomba que tirou de operações a pista de Stanley.
Mas valeu a pena pra rainha!

Rafael M. F.
Visitante
Rafael M. F.

Curiosidade inútil: o Vulcan que pousou no Rio de Janeiro tinha QAv insuficiente para arremeter caso a primeira tentativa de pouso falhasse.

Um amigo meu era PA e estava servindo no Galeão em 1982. Inclusive viu o Vulcan de perto. Vou ver se ele possui fotos do bicho.

Vicente Jr.
Visitante
Vicente Jr.

Estão comentando aí que esse texto da reportagem foi copiado de outro site.
Procede, sr. Editor?

Rene Dos Reis
Visitante
Rene Dos Reis

Belas aeronaves , agora , o bicho era beberrão ein.

João Bosco
Visitante
João Bosco

Fico imaginando a m….. que teria sido se aquele Vulcan que pousou no Rio de Janeiro tivesse deixado aquele míssil anti-radiação destruísse o aeroporto do Galeão. Acho que a coisa inverteria……

Rafael M. F.
Visitante
Rafael M. F.

Um Shrike no máximo iria acertar um dos radares do CINDACTA…

Hermes
Visitante
Hermes

Era um Shrike nuclear kkkkkk

Joli le Chat
Visitante
Joli le Chat