Home Alerta Aéreo Antecipado IAI Eitam – Os olhos da Força Aeroespacial de Israel

IAI Eitam – Os olhos da Força Aeroespacial de Israel

4678
49
Eitam CAEW (Conformal Airborne Early Warning) e Shavit SEMA (Special Electronic Missions Aircraft)
Eitam CAEW (Conformal Airborne Early Warning) e Shavit SEMA (Special Electronic Missions Aircraft)

Sérgio Santana*

A atualmente designada Força Aeroespacial de Israel dispõe da capacidade de Alerta Aéreo Antecipado e Controle desde 1978, quando completou a incorporação de quatro aeronaves Grumman E-2C Hawkeye do chamado “Grupo 0”, cujo radar AN/APS-138 podia detectar 600 alvos (incluindo alvos terrestres) a no máximo 402km. Curiosamente, e ao contrário da grande maioria dos Hawkeye, os exemplares de Israel podiam ser reabastecidos em voo.

Durante o período operacional, os Hawkeyes israelenses alcançaram um excelente recorde de desempenho, sendo considerados como uma das chaves para a vitória do país durante a campanha “Paz na Galiléia”, em 1982.

Mas foram aposentados vinte anos depois. Três deles foram vendidos para a Marinha Mexicana, enquanto o quarto exemplo foi mantido para ser exibido no Museu da Força Aérea Israelense em Hatzerim, deixando a Força Aérea de Israel sem capacidade de AEW&C.

Essa situação começou a mudar em abril de 2003, quando a Gulfstream Aerospace assinou um contrato avaliado em US$ 473 milhões para o desenvolvimento de uma versão de seu jato executivo G550 dedicado àquelas missões.

O acordo, anunciado oficialmente quatro meses depois, inicialmente incluiu o desenvolvimento e suporte (por 20 anos) de quatro aeronaves G550 Conformal Airborne Early Warning e Control ou CAEW, com opção para mais duas.

Modificações estruturais

Para cumprir a nova missão, o G550 foi extensivamente modificado. Sua fuselagem esguia foi equipada com protuberâncias que geravam o mínimo de arrasto, abrigando as antenas do sistema Elta EL/W-2085, que funcionam em banda dupla (banda L / banda S, 1-2GHz e 2-4GHz, respectivamente) e é uma evolução do radar EL/W-2075, o primeiro sistema de rastreamento eletrônico de dedicado a funções de AEW&C, tendo sido instalado a bordo do “Condór”, um único Boeing 707-385C operado pela Força Aérea Chilena desde 1995.

Ao contrário do EL/W-2075, que tem cobertura de apenas 260 graus, o radar projetado para o G550 pode varrer uma área de 360 ​​graus de cobertura, graças a quatro antenas: duas laterais cobrindo 135º cada, complementadas por duas outras na cauda e nariz, com 40º e cobertura de 50º, respectivamente.

Além de sua cobertura de 360º, o EL/W-2085 fornece trajetórias tridimensionais precisas, baixa taxa de alarme falso (isto é, é ativado somente quando determinados parâmetros de velocidade do alvo são detectados), tempo de revisitação alto (permitindo que alvos rápidos sejam continuamente rastreados) Contra Contramedidas Eletrônicas (tornando-o resistente a interferidores) e um Sistema Integrado de Identificação ou Amigo, capaz de determinar a trajetória de destino em até quatro segundos após a detecção.

O sistema opera em rastreamento automático, seleção de área de varredura e modos de detecção de alvos com alta agilidade. É amplamente divulgado (mas também altamente controverso) que 100 alvos aéreos, navais e terrestres podem ser rastreados simultaneamente (incluindo mísseis balísticos de teatro) e mais de uma dúzia de interceptações ar-ar ou ataques ar-solo podem ser gerenciadas em um alcance máximo de 370 km.

No entanto, como é o caso do sistema de missão da Condor, o EL/W-2085 trabalha em conjunto com o conjunto Elta EL/L-8382 de Medidas de Suporte Eletrônico/Inteligência Eletrônica, localizado nas pontas das asas e no radome.

O EL/L-8382 possui uma precisão do localizador de direção abaixo de 1 grau (em 360 graus possíveis), largura de banda instantânea de ~ 4 GHz, sensibilidade entre -70 e -85 dBm e cobertura de banda entre 500 MHz e 18 GHz, permitindo abranger uma ampla gama de emissões hostis. A informação é transmitida através do sistema de comunicação por satélite e de link de dados Elta EL/K-1891.

O Sistema Elta EL/M-2160, composto de Receptor de Aviso de Radar, Sistema de Aviso de Aproximação de Mísseis, Medidas Direcionais de Infravermelho, lançadores de chaff e flare, localizados sob as naceles do motor, completa as modificações externas aplicadas ao G550 CAEW.

Internamente, o G550 tem sua seção dianteira ocupada por racks de equipamentos eletrônicos, enquanto a parte traseira contém seis posições para operadores de equipamentos, com estações de trabalho multifunção de 24 polegadas rodando programas baseados no Microsoft Windows, gerenciando todos os sensores e realizando a função de comando e controle. Além de um conjunto completo de UHF/VHF, o equipamento de navegação do G550 CAEW inclui o Sistema Diretor de Voo PZ-8500 e aviônicos do sistema Primus II Epic.

A fim de permitir que todos os sistemas de missões funcionem corretamente, a estrutura da aeronave foi adaptada com o resfriamento aprimorado do equipamento líquido e um gerador de energia melhorado.

O G550 CAEW é equipado com dois turbofans Rolls-Royce BR710-48, com capacidade nominal de 6.980 kg cada. A aeronave tem velocidade máxima de 938 km/h, velocidade de cruzeiro de 753 km/h e teto de serviço de 12.496 metros, com o teto máximo sendo de 15.544m. O G500 CAEW tem um tempo de vigilância (on-station) de mais de 7 horas a 926 km da sua base, ou, alternativamente, de mais de 9 horas a 185km do local de decolagem. A aeronave possui alcance é de 12.509km, podendo ser reabastecida em voo.

Os primeiros voos e a introdução ao serviço na Força Aérea Israelense

O protótipo do CAEW registrado como N637GA voou pela primeira vez em maio de 2006 nos EUA e foi levado para Israel em 19 de setembro de 2006 para a instalação dos aviônicos da missão. O último exemplar, N969GA, foi transportado para modificação em julho de 2007. O tipo foi oficialmente declarado operacional em fevereiro de 2008 e recebeu o nome hebraico Nachshon Eitam, em homenagem a uma espécie de águia marinha.

Contudo, a nova aeronave atuou em missões operacionais antes de ser declarada oficialmente operacional. Em setembro de 2007 o Eitam foi empregado na Operação Orchard, o ataque às instalações nucleares sírias pelos F-15Is israelenses e F-16Is.

Além disso, dois Nachshon Eitams voaram em apoio aos estágios iniciais da Operação Chumbo Fundido em Gaza entre dezembro de 2008 e janeiro de 2009, quando vetoraram os F-16 e geraram uma imagem completa do teatro operacional para os comandantes israelenses.

Desde então, o Eitam (operado pelo Esquadrão Nº 122 na Base Aérea de Nevatim) tem sido empregado em cada ação militar israelense que exija aeronaves, como nos mais recentes ataques.


*Bacharel em Ciências Aeronáuticas (Universidade do Sul de Santa Catarina – UNISUL). Pesquisador do Núcleo de Estudos Sociedade, Segurança e Cidadania (NESC-UNISUL). Pós-graduando em Engenharia de Manutenção Aeronáutica (Pontifícia Universidade Católica de Minas Gerais – PUC/MG). Autor de livros sobre aeronaves de Inteligência/Vigilância/Reconhecimento. Único colaborador brasileiro regular da Shephard Media, referência em Inteligência de Defesa.

49
Deixe um comentário

avatar
17 Comment threads
32 Thread replies
0 Followers
 
Most reacted comment
Hottest comment thread
29 Comment authors
Rinaldo NeryDenisWellington GóesJoao Moita JrDelfim Recent comment authors
  Subscribe  
newest oldest most voted
Notify of
Sérgio Luís
Visitante
Sérgio Luís

Horrível mas deve ser esplêndidamente funcional!

DOUGLAS TARGINO
Visitante
DOUGLAS TARGINO

Avião lindo!

Carlos Campos
Visitante
Carlos Campos

Muito obrigado pela matéria, achei interessante ele não ter as antenas em cima do avião, parece uma solução melhor que causa bem menos arrasto aerodinâmico e consequentemente gastando menos combustível, o fazendo permanecer por mais tempo no ar, acredito que até a FAB necessitar de novos aviões do tipo os israelenses terão sensores melhores, podendo rolar uma parceria.

Fabio Jeffer
Visitante
Fabio Jeffer

Dada a geografia e o tamanho de Israel qualquer teco-teco com antena enxerga pra fora de seu território

Antoniokings
Visitante
Antoniokings

E, pelo jeito, enxergou pouquíssimo na guerra no Líbano.

Alfa BR
Visitante
Alfa BR

Não houve combates aéreos.

Antoniokings
Visitante
Antoniokings

Vc leu ‘alvos terrestres’?

JPC3
Visitante
JPC3

E por acaso a missão dele é rastrear tropas com ATGMs?

JPC3
Visitante
JPC3

Você nem sabe o que avião fez, deixa de ser tro…

Alfa BR
Visitante
Alfa BR

Mas em compensação enxergaram e muito no mesmo Líbano em 1982, durante a operação Mole Cricket 19. Pense numa surra…

Antoniokings
Visitante
Antoniokings

2006-1982 = 24 anos.
Muita coisa mudou, inclusive com uma surra que Israel levou do Hezbollah.

JPC3
Visitante
JPC3

Mudou tanto que os Migs sírios nem decolam quando os caças de Israel chegam. 4 caças de Israel contra mais 20 ou 30 migs e mesmo assim eles não saem chão.

Eduardo
Visitante
Eduardo

Putz o cara comemora feitos do Hezbollah! Paga a mensalidade deles também para sustentar a família dos mártires?

Joao Moita Jr
Visitante
Joao Moita Jr

Como assim? Ele não está comemorando não. Simplesmente disse o que todos já sabem. O Hezbolah sim, deu uma surra na IDF. Dizer que não é o caso é tapar o sol com a peneira. Eu mesmo já conversei com vários soldados israelenses que me confirmaram isso, pois aqui sempre estamos fazendo treinamentos conjuntos.
Israel sim, possui tropas muito bem adestradas e mais pra lá de dedicadas. Mas, guerra no chão, contra unidades bem adestradas, equipadas e lideradas é coisa seria. As baixas acumulam, e a população civil israelense simplesmente não tem saco para baixas numerosas.

Abs

CRSOV
Visitante
CRSOV

Com certeza é uma aeronave excepcional para a sua finalidade e somente os israelenses sabem de todas as suas potencialidades !! Com certeza essas aeronaves e suas respectivas bases aéreas serão ou poderão virar alvos para ataques de mísseis de precisão inimigos !!

Fernando Turatti
Visitante
Fernando Turatti

Talvez fosse interessante uma matéria fazendo comparações entre as aeronaves de alerta antecipado ao redor do mundo.

Antoniokings
Visitante
Antoniokings

Acho que em comparação com o A-100 russo, basta olhar para sabermos qual é o mais potente.
E muito mais potente, né?

JPC3
Visitante
JPC3

Agora qual é o mais avançado já é mais difícil dizer, visto que os indianos pediram um radar israelense nos A-50 que eles compraram da Rússia.

Antoniokings
Visitante
Antoniokings

Isso é apenas questão de gosto do cliente (preço, disponibilidade, custo de manutenção e etc.), visto que é impossível uma potência global como a Rússia, capaz de confrontar e derrotar os americanos, não ter um equipamento de ponta nessa área.
E o que dizem é que são dos melhores do Mundo.

JPC3
Visitante
JPC3

Quem diz que são melhores do mundo? Você???O Sputnik???

Sim é questão de gosto, o cliente gosta do que ele acha melhor….

JPC3
Visitante
JPC3

Tudo o que é russo é melhor do mundo, mas sai na rua e não encontra um produto fabricado na Rússia. E quando a acha ainda vem escrito: made in china.

Nostra
Visitante
Nostra

IAF Phalcon AWACS is the Israeli IAI EL/W-2090 radar and other sub systems fitted onto Russian Il-76 aircraft.

Attempts to buy 2 additional Phalcons stalled due to steep price hike by the Russians for the IL-76 platforms. Now the deal is close to finalizing with a renegotiated deal of 800 million dollars for 2 Phalcon AWACS.

Nilton L Junior
Visitante
Nilton L Junior

Sem dúvida.

Tomcat4.0
Visitante
Tomcat4.0

Ótima idéia.

JPC3
Visitante
JPC3

Um problema seria a diversidade das fontes. Acredito que cada um divulgue seus dados com bases em referências diferente.

Sérgio Santana
Visitante
Sérgio Santana

JPC3, sou autor/co-autor de dois livros e de alguns artigos (além de um TCC) sobre aeronaves de AEW&C. Serão minhas fontes nessa proposta de texto…

JPC3
Visitante
JPC3

Confio em você. Me refiro aos fabricantes divulgarem ou medirem dados de forma diferente.

Como, por exemplo, cada um divulgar o alcance máximo mas contra alvos de RCS diferentes. E também o fato de não termos certeza se eles fornecem dados verdadeiros, se escondem ou exageram números, por exemplo.

Eu discordo um pouco da sua opinião as vezes, mas respeito muito o seu trabalho. Já gostei de muita coisa que você escreveu.

Um abraço!

Sérgio Santana
Visitante
Sérgio Santana

JPC3, agradeço a sua discordância eventual…São coisas assim que me permitem avaliar o que faço…Quanto aos dados, posso dizer o seguinte: o mundo das aeronaves de AEW&C é mais cercado de segredos, informações duvidosas e mesmo contrainformações do que se pensa…Mas dá pra calcular com boa margem de acerto coisas como alcance máximo e contra alvos de diversos RCS (que varia também com a posição do alvo…). Abraço…

BILL27
Visitante
BILL27

Isso aí é melhor fazer video do que materia ,pois tem muita coisa

Material Arquivo
Visitante
Material Arquivo

A Itália tem 2 desses aviões? Certo?

Matheus
Visitante
Matheus

Sérgio, poderia fazer uma matéria desse tipo sobre o Sentinel R1. Aeronave de Reconhecimento da RAF. Eu e creio que vários colegas aqui tem curiosidades sobre ele. Abraço.

Sérgio Santana
Visitante
Sérgio Santana

Matheus, anotado !

Rinaldo Nery
Visitante
Rinaldo Nery

Quando comandava o 2°/6° GAV recebemos a visita de um Brigadeiro da RAF, Comandante do Grupo 2, a fim de conhecer nosso R-99 e como operávamos, visto a similaridade das aeronaves. A RAF iria enviar o Sentinel ao Afeganistão, e necessitava saber um pouco mais sobre a sua operação. Durante essa visita consegui um intercâmbio, a fim de voar nos E-3D. Enviamos dois oficiais e dois graduados para a RAF Waddington. O Sentinel é o JSTAR inglês,

Hélio
Visitante
Hélio

Pense num bichão bonito…

Tallguiese
Visitante
Tallguiese

Com as antenas internas na aeronave, não corre a tripulação risco de ficar exposta a uma taxa alta de irradiação eletromagnética?

Sérgio Santana
Visitante
Sérgio Santana

Tallguiese, creio que em sistemas de geração avançada como este o risco é quase inexistente, ao contrário do que acontecia com o radar Liana do Tupolev Tu-126 Moss, cujo funcionamento afetou várias gerações de operadores ao longo dos anos com altas doses de radiação. Há muitos relatos de leucemia e câncer…Ainda hoje os sistemas russos do tipo parecem ofecerer algum risco à tripulação, visto que o Beriev A-50 Mainstay possui um revestimento fino isolante de ouro em algumas de suas janelas.

nonato
Visitante
nonato

Acho que a radiação é muito elevada, não importa onde a antena está.
Estão muito próximo da fonte de radiação.

Conan
Visitante
Conan

Até onde eu saiba ondas eletromagnéticas emitidas por radares são transmitidas em linha reta como FM e sinal de TV, portanto penso que estando atrás da antena não há perigo de exposição aos feixes do radar. Só estou conjeturando, pois não sou um especialista no assunto.

Sérgio Santana
Visitante
Sérgio Santana

Conan, as ondas eletromagnéticas são emitidas em fachos denominados “lóbulos”. Existe o lóbulo principal (que pode ser direcionado) e os secundários (que vão em várias direções). Em um radar AESA, como é o caso, estes últimos são minimizados, porque poderiam denunciar a presença da aeronave. E, de fato, a emissão é para o exterior da aeronave…

Rinaldo Nery
Visitante
Rinaldo Nery

Corre esse risco sim. Desde que iniciamos a operação com os E-99 nos fizemos essa pergunta. A EMBRAER e a SAAB não possuíam uma resposta precisa. Um dos nossos oficiais, especialista em Comunicações, Engenheiro Elétrico, realizou um estudo sobre o tema no seu Mestrado no ITA (PPGAO – Programa de Pós Graduação em Aplicações Operacionais). Mas já havia passado o comando, e não tive ciência do resultado.

Glasquis 7
Visitante

A mesma soluça usada.no Condor da.FACh.

Nilton L Junior
Visitante
Nilton L Junior

Qualquer Força Aérea que deseje não tiver em seu inventário aeronaves AEW&C ou equivalente ficará em desvantagem em sua capacidade defensiva.

João Bosco
Visitante
João Bosco

Parece que ele foi montado na base da gambiarra ( encaixo uma coisinha ali, outra lá, outra acolá, etc). Mas, sendo eficiente……..

Sérgio Santana
Visitante
Sérgio Santana

João, você acha mesmo que empresas como a Gulfstream e a IAI enterrariam recursos numa gambiarra ? 😏😏. O único vetor projetado para AEW&C foi o Grumman E-2 Hawkeye. Os demais tem sido adaptações…

filipe
Visitante
filipe

Acredito no ERiEYES + EMB-195-E2 , a FAB vai estar noutro nivel… uma avanço face ao muito bom R-99 ERJ-145.

Delfim
Visitante
Delfim

Estava indo bem mas parei em “Microsoft Windows”.

Sérgio Santana
Visitante
Sérgio Santana

Existe hoje uma tendência em usar softwares comerciais. Mas obviamente há segredos envolvidos…

Wellington Góes
Visitante
Wellington Góes

Parabéns pelo trabalho, Sérgio!!! 😉

Mas fiquei com dúvidas… Quantos destes aparelhos a Hel HaAvir possui no inventário, apenas os quatro primeiro aparelhos pedidos, ou completou com as outras duas opções, ou seja, são seis unidades operacionais?! São todas do modelo Eitam CAEW, ou alternam com o Shavit SEMA? Se sim, quantos de cada?

A ideia aqui é tentar fazer um paralelo com os quantitativos dos nossos E-99 e R-99 já que, ao que parece, são equivalentes aos nossos em função (AEW&C e RS/ELINT/SIGINT).

Grande abraço!!! 😉

Denis
Visitante
Denis

O design deve ser muito significativo para a funcionalidade, uma vez que fizeram dois modelos diferentes. Isso encarece à beça o processo.