Home Aviação de Ataque LAAD 2019: Saab apresenta o progresso do Programa Gripen para o Brasil

LAAD 2019: Saab apresenta o progresso do Programa Gripen para o Brasil

11590
30
Caça Saab JAS 39E Gripen voa com mísseis Meteor
Caça Saab JAS 39E Gripen voa com mísseis Meteor

A Saab apresentou as mais recentes atualizações do Programa Gripen para o Brasil durante a LAAD International Defence & Security Exhibition, no Rio de Janeiro.

A Saab anunciou várias conquistas no último ano, assim como alguns próximos passos.

“O último ano foi bem sucedido para o Programa Gripen brasileiro. Entre outras ações, instalamos o Wide Area Display (WAD) e o motor no primeiro Gripen E para o Brasil. Este ano, a primeira aeronave brasileira será entregue para iniciar a campanha de ensaios em voo em Linköping, na Suécia” disse Mikael Franzén, vice-presidente e head da unidade de negócios Gripen Brasil na área de negócios Aeronautics na Saab.

Em 2018, a Força Aérea Sueca aceitou a proposta da Saab para equipar seus caças com o WAD, o Head-Up Display (HUD) e o Helmet Mounted Display (HMD), desenvolvidos pela empresa brasileira AEL Sistemas.

“Os caças Gripen terão agora a mesma configuração para os displays, harmonizando os programas sueco e brasileiro. Isso significa uma grande economia na manutenção da aeronave e no futuro desenvolvimento de software. Esse é realmente um bom exemplo da colaboração bem-sucedida entre a Saab e a indústria de defesa brasileira ”, explicou Franzén.

WAD no cockpit do Gripen - AEL Sistemas - Foto: Gilmar Gomes
WAD no cockpit do Gripen – AEL Sistemas

O programa de Transferência de Tecnologia continua avançando. Até o momento, 165 engenheiros brasileiros foram treinados na Suécia e concluíram seus treinamentos. Atualmente, a maioria trabalha no Centro de Projetos e Desenvolvimento do Gripen (GDDN) no estado de São Paulo. O GDDN foi projetado para servir como centro de desenvolvimento tecnológico do Gripen no Brasil para a Saab, a Embraer e os outros parceiros brasileiros que são beneficiários do Programa.

As equipes envolvidas no desenvolvimento do Gripen E/ F, no GDDN, trabalham no projeto de célula, desenvolvimento de software, instalação e integração de sistemas, aviônica, interface homem-máquina e comunicações. Atualmente, cerca de 120 engenheiros trabalham no local, em uma grande cooperação entre brasileiros e suecos.

GDDN
Subscribe
Notify of
guest
30 Comentários
oldest
newest most voted
Inline Feedbacks
View all comments
paulop
paulop
1 ano atrás

Parabéns à Saab/Embraer/FAB pelo trabalho. Mas, uma pergunta de leigo: o Míssil Tático de Cruzeiro que está sendo desenvolvido pela Avibras, que, conforme informações e apontamentos do pessoal mais entendido aqui na trilogia terá alcance superior a 300 km, poderia vir a ser integrado com o Gripen? Digo, no sentido de ser transportado e lançado por esta plataforma. Ou, seria possível utilizar o KC-390 para tal finalidade (cito o KC pois será a maior aeronave disponível pela FAB e recentemente vi uma foto do avião com tanques externos que lhe dão capacidade REVO e fiquei pensando se poderiam ser substituídos… Read more »

FighterBR
FighterBR
Reply to  paulop
1 ano atrás

Poderá sim ser integrado ao Gripen. Recentemente, o míssil da Avibras foi testado no pilote central do F-5M em Canoas.

José Nivaldo
José Nivaldo
Reply to  FighterBR
1 ano atrás

E com relação ao KC-390? Ele poderia servir como um bombardeiro pesado?

Alan Santos
Alan Santos
Reply to  José Nivaldo
1 ano atrás

José Nivaldo,o KC390 não tem compartimentos para lançar bombas na parte inferior da aeronave e nem estrutura para carregar-las em seu interior.Os bombardeiros pesados hoje em dia são usados apenas para o lançamento de mísseis de cruzeiro,o que requer um tipo de aeronave completamente diferente

Leandro Costa
Leandro Costa
Reply to  FighterBR
1 ano atrás

Pode me confirmar essa informação através de alguma fonte? Fiquei muito curioso para saber disso. Me parece um míssil um tanto longo para um F-5.

Bardini
Bardini
Reply to  Leandro Costa
1 ano atrás

Se levar em conta que não talvez não seria necessário o booster do míssil e que o F-5 leva pelo menos uma tonelada no center line… Dá pra tentar acreditar.

BILL27
BILL27
Reply to  Leandro Costa
1 ano atrás

Foi noticiado pela FAB que este teste ocorreria no inicio de 2019

Fernando XO
Fernando XO
Reply to  FighterBR
1 ano atrás

Na verdade, o emprego do míssil no F-5 atende à necessidade de efetuar ensaios em voo com o grupo propulsor do míssil, daí o apoio da FAB… abraço…

Mauricio R.
Reply to  Fernando XO
1 ano atrás

Mas é somente para testes, tá. Sem o aval dos norte americanos nem pensem instalar essa jamanta no F-5. Ou não estranhem se começarem a faltar peças de reposição…

Mauricio R.
Reply to  FighterBR
1 ano atrás

Se e qndo os suecos concordarem, o produto e a tecnologia são deles, então o aval deles é necessário.

Fligth_Falcon
Fligth_Falcon
Reply to  FighterBR
1 ano atrás

FlghterBR,
Tem algum link sobre o assunto ou fonte.
Acho complicado carregar esse míssil de 1400 kg no pilone central do F-5.
Mesmo o pilote carregar um tanque com 1.041 litros aquele pilone com lançador aumentará muito o arrasto e peso naquele ponto.

Alexandre Fontoura
Alexandre Fontoura
Reply to  Fligth_Falcon
1 ano atrás

Já em relação ao Gripen, não há restrições, já que este pode levar o Taurus KEPD 350, que pesa 1.400kg, nos pilones internos das asas.

Carlos
Carlos
Reply to  paulop
1 ano atrás

Mísseis de cruzeiro podem ser lançado de navios e ou plataformas terrestres. Não há motivo para serem lançados de aviões se bem que pode ser possível sim.

Leandro Costa
Leandro Costa
Reply to  Carlos
1 ano atrás

São lançados por aeronaves também e sobram motivos para isso.

paulop
paulop
Reply to  paulop
1 ano atrás

http://sistemasdearmas.com.br/ca/macx04ac.html
Achei este texto interessante para ilustrar a discussão.

Vitor
Vitor
1 ano atrás

Prezados editores do Poder Aéreo,

Seria muito interessante entender quais são os sistemas diferentes entre a aeronave Sueca e a configuração Brasileira. Considerando a adoção do WAD teremos a mesma aeronave?

Mauro
Mauro
Reply to  Vitor
1 ano atrás

Sistema de comunicação e data link será diferente, o deles é padrão OTAN. Brasil linkBR2.

FighterBR
FighterBR
Reply to  Vitor
1 ano atrás

A FAB também usará a mesma pintura cinza da Força Aérea Sueca. Para economizar

Marcelom
Marcelom
Reply to  FighterBR
1 ano atrás

A FAB tem a sua pintura padrão de superioridade aérea.

HORÁCIO
HORÁCIO
Reply to  FighterBR
1 ano atrás

Economizar? Meu Deus!

Flanker
Flanker
Reply to  FighterBR
1 ano atrás

A FAB utilizará a mesma pintura dos Gripen suecos? Pode ser, não vi em nenhum lugar essa info…mas, já que vc diz, tudo bem. Entretanto, usará a mesma pintura “para economizar”? O que tem a ver o tipo de camuflagem com o valor? Se usar dois tons de cinza é mais barato do que usar a pintura padrão, verde/cinza, da FAB? Ou uma pintura tipo a dos M2000? Não entendi a questão da “economia”…..

Leafar Neruj
Leafar Neruj
1 ano atrás

Olá pessoal, hoje, no final da tarde vi um caça F5 passar pela Zona Norte de São Paulo. É primeira vez que vejo um caça nesta região fora de datas comemorativas ou eventos da Fórmula Indy.
É comum e eu nunca percebi ou tem alguma comemoração? A sua direção seguia a mesma dos aviões que seguem para pouso em Guarulhos.

BILL27
BILL27
Reply to  Leafar Neruj
1 ano atrás

estava indo para Gru ..todos que fazem revisão no PAMA pousam la ..

Marcos
Marcos
1 ano atrás

Não vai rolar matéria sobre o projeto de avião apresentado pela Akaer? O Mosquito

Tallguiese
Tallguiese
1 ano atrás

Será que o BADER da AKAER seria um substituto interessante para os tucanos da AFA?

Rafael Oliveira
Rafael Oliveira
Reply to  Tallguiese
1 ano atrás

Bader não é da Akaer. É (ou era) da Novaer. E.está acima dos Tucanos, no nível dos Supertucanos.
No mais, não me parece que a FAB queira trocar seus Tucanos no momento.

Denis
Denis
Reply to  Rafael Oliveira
1 ano atrás

Pelo que entendi, ele se refere à AFA, e não à FAB.

Gustavo
Gustavo
Reply to  Tallguiese
1 ano atrás

Os Tucanos da AFA serão modernizados, eles estão bem conservados em média. Contam com bastante peças de reposição e etc. Não vejo motivo para substitui-lo tão cedo.

ALEXANDRE
ALEXANDRE
1 ano atrás

Seria bom se a SAAB falasse,”estamos tao adiantados que entregaremos 4 fno final de 2019″

Alexandre Fontorua
Alexandre Fontorua
Reply to  ALEXANDRE
1 ano atrás

O cronograma definido no contrato, desde 2015, prevê 1 em 2019, 5 em 2020, 6 em 2021, IOC com essas 12 aeronaves em 2021, 9 em 2022, 8 em 2023 e os últimos 7 em 2024, com a FOC também em 2024.