Home Aviação de Ataque LAAD 2019: Saab apresenta o progresso do Programa Gripen para o Brasil

LAAD 2019: Saab apresenta o progresso do Programa Gripen para o Brasil

11514
30
Caça Saab JAS 39E Gripen voa com mísseis Meteor
Caça Saab JAS 39E Gripen voa com mísseis Meteor

A Saab apresentou as mais recentes atualizações do Programa Gripen para o Brasil durante a LAAD International Defence & Security Exhibition, no Rio de Janeiro.

A Saab anunciou várias conquistas no último ano, assim como alguns próximos passos.

“O último ano foi bem sucedido para o Programa Gripen brasileiro. Entre outras ações, instalamos o Wide Area Display (WAD) e o motor no primeiro Gripen E para o Brasil. Este ano, a primeira aeronave brasileira será entregue para iniciar a campanha de ensaios em voo em Linköping, na Suécia” disse Mikael Franzén, vice-presidente e head da unidade de negócios Gripen Brasil na área de negócios Aeronautics na Saab.

Em 2018, a Força Aérea Sueca aceitou a proposta da Saab para equipar seus caças com o WAD, o Head-Up Display (HUD) e o Helmet Mounted Display (HMD), desenvolvidos pela empresa brasileira AEL Sistemas.

“Os caças Gripen terão agora a mesma configuração para os displays, harmonizando os programas sueco e brasileiro. Isso significa uma grande economia na manutenção da aeronave e no futuro desenvolvimento de software. Esse é realmente um bom exemplo da colaboração bem-sucedida entre a Saab e a indústria de defesa brasileira ”, explicou Franzén.

WAD no cockpit do Gripen - AEL Sistemas - Foto: Gilmar Gomes
WAD no cockpit do Gripen – AEL Sistemas

O programa de Transferência de Tecnologia continua avançando. Até o momento, 165 engenheiros brasileiros foram treinados na Suécia e concluíram seus treinamentos. Atualmente, a maioria trabalha no Centro de Projetos e Desenvolvimento do Gripen (GDDN) no estado de São Paulo. O GDDN foi projetado para servir como centro de desenvolvimento tecnológico do Gripen no Brasil para a Saab, a Embraer e os outros parceiros brasileiros que são beneficiários do Programa.

As equipes envolvidas no desenvolvimento do Gripen E/ F, no GDDN, trabalham no projeto de célula, desenvolvimento de software, instalação e integração de sistemas, aviônica, interface homem-máquina e comunicações. Atualmente, cerca de 120 engenheiros trabalham no local, em uma grande cooperação entre brasileiros e suecos.

GDDN

30
Deixe um comentário

avatar
6 Comment threads
24 Thread replies
1 Followers
 
Most reacted comment
Hottest comment thread
24 Comment authors
Alexandre FontouraFligth_FalconAlexandre FontoruaCarlosMauricio R. Recent comment authors
  Subscribe  
newest oldest most voted
Notify of
paulop
Visitante
paulop

Parabéns à Saab/Embraer/FAB pelo trabalho. Mas, uma pergunta de leigo: o Míssil Tático de Cruzeiro que está sendo desenvolvido pela Avibras, que, conforme informações e apontamentos do pessoal mais entendido aqui na trilogia terá alcance superior a 300 km, poderia vir a ser integrado com o Gripen? Digo, no sentido de ser transportado e lançado por esta plataforma. Ou, seria possível utilizar o KC-390 para tal finalidade (cito o KC pois será a maior aeronave disponível pela FAB e recentemente vi uma foto do avião com tanques externos que lhe dão capacidade REVO e fiquei pensando se poderiam ser substituídos… Read more »

FighterBR
Visitante
FighterBR

Poderá sim ser integrado ao Gripen. Recentemente, o míssil da Avibras foi testado no pilote central do F-5M em Canoas.

José Nivaldo
Visitante
José Nivaldo

E com relação ao KC-390? Ele poderia servir como um bombardeiro pesado?

Alan Santos
Visitante
Alan Santos

José Nivaldo,o KC390 não tem compartimentos para lançar bombas na parte inferior da aeronave e nem estrutura para carregar-las em seu interior.Os bombardeiros pesados hoje em dia são usados apenas para o lançamento de mísseis de cruzeiro,o que requer um tipo de aeronave completamente diferente

Leandro Costa
Visitante
Leandro Costa

Pode me confirmar essa informação através de alguma fonte? Fiquei muito curioso para saber disso. Me parece um míssil um tanto longo para um F-5.

Bardini
Visitante
Bardini

Se levar em conta que não talvez não seria necessário o booster do míssil e que o F-5 leva pelo menos uma tonelada no center line… Dá pra tentar acreditar.

BILL27
Visitante
BILL27

Foi noticiado pela FAB que este teste ocorreria no inicio de 2019

Fernando XO
Visitante
Fernando XO

Na verdade, o emprego do míssil no F-5 atende à necessidade de efetuar ensaios em voo com o grupo propulsor do míssil, daí o apoio da FAB… abraço…

Mauricio R.
Visitante

Mas é somente para testes, tá. Sem o aval dos norte americanos nem pensem instalar essa jamanta no F-5. Ou não estranhem se começarem a faltar peças de reposição…

Mauricio R.
Visitante

Se e qndo os suecos concordarem, o produto e a tecnologia são deles, então o aval deles é necessário.

Fligth_Falcon
Visitante
Fligth_Falcon

FlghterBR,
Tem algum link sobre o assunto ou fonte.
Acho complicado carregar esse míssil de 1400 kg no pilone central do F-5.
Mesmo o pilote carregar um tanque com 1.041 litros aquele pilone com lançador aumentará muito o arrasto e peso naquele ponto.

Alexandre Fontoura
Visitante
Alexandre Fontoura

Já em relação ao Gripen, não há restrições, já que este pode levar o Taurus KEPD 350, que pesa 1.400kg, nos pilones internos das asas.

Carlos
Visitante
Carlos

Mísseis de cruzeiro podem ser lançado de navios e ou plataformas terrestres. Não há motivo para serem lançados de aviões se bem que pode ser possível sim.

Leandro Costa
Visitante
Leandro Costa

São lançados por aeronaves também e sobram motivos para isso.

paulop
Visitante
paulop

http://sistemasdearmas.com.br/ca/macx04ac.html
Achei este texto interessante para ilustrar a discussão.

Vitor
Visitante
Vitor

Prezados editores do Poder Aéreo,

Seria muito interessante entender quais são os sistemas diferentes entre a aeronave Sueca e a configuração Brasileira. Considerando a adoção do WAD teremos a mesma aeronave?

Mauro
Visitante
Mauro

Sistema de comunicação e data link será diferente, o deles é padrão OTAN. Brasil linkBR2.

FighterBR
Visitante
FighterBR

A FAB também usará a mesma pintura cinza da Força Aérea Sueca. Para economizar

Marcelom
Visitante
Marcelom

A FAB tem a sua pintura padrão de superioridade aérea.

HORÁCIO
Visitante
HORÁCIO

Economizar? Meu Deus!

Flanker
Visitante
Flanker

A FAB utilizará a mesma pintura dos Gripen suecos? Pode ser, não vi em nenhum lugar essa info…mas, já que vc diz, tudo bem. Entretanto, usará a mesma pintura “para economizar”? O que tem a ver o tipo de camuflagem com o valor? Se usar dois tons de cinza é mais barato do que usar a pintura padrão, verde/cinza, da FAB? Ou uma pintura tipo a dos M2000? Não entendi a questão da “economia”…..

Leafar Neruj
Visitante
Leafar Neruj

Olá pessoal, hoje, no final da tarde vi um caça F5 passar pela Zona Norte de São Paulo. É primeira vez que vejo um caça nesta região fora de datas comemorativas ou eventos da Fórmula Indy.
É comum e eu nunca percebi ou tem alguma comemoração? A sua direção seguia a mesma dos aviões que seguem para pouso em Guarulhos.

BILL27
Visitante
BILL27

estava indo para Gru ..todos que fazem revisão no PAMA pousam la ..

Marcos
Visitante
Marcos

Não vai rolar matéria sobre o projeto de avião apresentado pela Akaer? O Mosquito

Tallguiese
Visitante
Tallguiese

Será que o BADER da AKAER seria um substituto interessante para os tucanos da AFA?

Rafael Oliveira
Visitante
Rafael Oliveira

Bader não é da Akaer. É (ou era) da Novaer. E.está acima dos Tucanos, no nível dos Supertucanos.
No mais, não me parece que a FAB queira trocar seus Tucanos no momento.

Denis
Visitante
Denis

Pelo que entendi, ele se refere à AFA, e não à FAB.

Gustavo
Visitante
Gustavo

Os Tucanos da AFA serão modernizados, eles estão bem conservados em média. Contam com bastante peças de reposição e etc. Não vejo motivo para substitui-lo tão cedo.

ALEXANDRE
Visitante
ALEXANDRE

Seria bom se a SAAB falasse,”estamos tao adiantados que entregaremos 4 fno final de 2019″

Alexandre Fontorua
Visitante
Alexandre Fontorua

O cronograma definido no contrato, desde 2015, prevê 1 em 2019, 5 em 2020, 6 em 2021, IOC com essas 12 aeronaves em 2021, 9 em 2022, 8 em 2023 e os últimos 7 em 2024, com a FOC também em 2024.