Home Aviação de Caça Voo de Ayrton Senna em caça da FAB completa 30 anos

Voo de Ayrton Senna em caça da FAB completa 30 anos

9391
25

Saiba como foi o voo de Ayrton Senna em uma aeronave de caça da Força Aérea Brasileira há 30 anos

Era uma quarta-feira, 29 de março de 1989. Amanhecia dentro das instalações do Esquadrão Jaguar (1º GDA), localizado na então Base Aérea de Anápolis, atualmente Ala 2. Mas não era apenas um dia normal. Dois Mirage III do esquadrão estavam em voo para interceptar e conduzir a aeronave PT-ASN que entrava nos radares de Brasília. A bordo, o então campeão mundial da Fórmula 1, Ayrton Senna. Há 30 anos, o piloto conheceu as instalações da unidade, embarcou a bordo do Mirage III e inspirou a todos os brasileiros em uma data lembrada com carinho até hoje.

Ayrton Senna havia sido campeão mundial pela primeira vez em 1988. Ele estava no início da temporada de 1989 da Fórmula 1, protagonizada pelo seu duelo com Alain Prost dentro e fora das pistas. Até o precoce fim de sua carreira na categoria, ainda conquistaria mais dois mundiais (1990 e 1991) e obteria números impressionantes, que fazem com que muitos especialistas o considerem o melhor piloto que já passou pela categoria. Naquela época, o brasileiro tornava cada corrida mais emocionante e prendia a atenção da torcida nas manhãs de domingo.

Ao desembarcar em Anápolis (GO), Senna foi recebido por militares da Base Aérea, do 1º GDA e do Centro de Comunicação Social da Aeronáutica (CECOMSAER), que havia organizado a visita. Na sede do Esquadrão Jaguar, Senna cedeu entrevistas à imprensa, foi equipado para o voo e recebeu o briefing para embarcar no Mirage III. O comandante do voo seria o Tenente-Coronel Alberto de Paiva Cortes, que havia recém-assumido o Comando do 1º GDA. “Nós queríamos demonstrar a capacidade do Mirage III, realizar algumas manobras e romper a barreira do som; Senna queria, acima de tudo, sentir a velocidade da aeronave supersônica, porque ele queria sentir a diferença entre pilotar um caça e pilotar um carro de Fórmula 1”, disse o agora Coronel da reserva, quando perguntado do episódio.

No briefing, Senna foi sincero com o Comandante: queria sentir a velocidade do Mirage III. O automobilista já pilotava os aviões de sua família e estivera a bordo do F-5 do 1º Grupo de Aviação de Caça (1º GAVCA), em 1985. A altitude inibe a sensação da velocidade e, portanto, a pedido de Senna, a aeronave deveria voar o mais próximo possível do solo. Então, as manobras a serem realizadas foram definidas, o campeão passou pelo simulador, foi instruído acerca dos procedimentos de ejeção e recebeu os equipamentos de voo: traje anti-gravidade e capacete, auxiliado pelo então Capitão Aviador Antonio Carlos Moretti Bermudez, atual Comandante da Aeronáutica. De lá, eles embarcaram no Mirage III biposto, matrícula FAB 4904.

Ayrton Senna da Silva, piloto de Fórmula 1, voou nesta aeronave em 29 de março de 1989
Ayrton Senna da Silva, piloto de Fórmula 1, voou nesta aeronave em 29 de março de 1989

Após deixar o solo, era hora das manobras: aos 36 mil pés (quase 11 km), o Tenente-Coronel Cortes acelerou até romper a barreira do som e atingiu a velocidade de Mach 1.4, correspondente a 1.728 km/h. Em um rasante, o Mirage III chegou a Mach 0.95 (1.173 km/h) – mesmo em comunicação com a equipe em solo, a velocidade surpreendeu os fotógrafos e cinegrafistas que tentavam registrar o voo. Ao contrário da maioria dos que não estão acostumados com a força G, o automobilista não demonstrava enjoo ou abatimento – falava bastante e mostrava empolgação com a experiência, inclusive recebendo o controle da aeronave, orientado pelo Comandante do Esquadrão. Foram feitas duas passagens sobre a Base Aérea e algumas manobras com o caça da Força Aérea. Ao aterrissar, uma tradição do Esquadrão Jaguar caiu como uma luva para o campeão: ao invés de “batizar” o piloto com um banho de água, a celebração de praxe do 1º GDA era abrir uma garrafa de espumante, ato tão repetido por Senna nas comemorações no pódio da Fórmula 1.

Senna ainda permaneceu com o esquadrão após o voo: trocou lembranças e recebeu um certificado do voo supersônico, fazendo questão de levar consigo a tarjeta do macacão personalizada com seu nome e o brevê da FAB. Ele almoçou na Base e, mais à vontade, conversou com os militares. De acordo com o relato do agora Coronel da Reserva Cortes após décadas do voo, “uma personalidade muito agradável, humilde e muito patriota”.

Hoje, o Mirage III matrícula FAB 4904 utilizado em 1989 está exposto para visitação no Museu Aeroespacial (MUSAL), unidade vinculada ao Instituto Histórico-Cultural da Aeronáutica (INCAER), localizada no Campo dos Afonsos, Rio de Janeiro (RJ). Na fuselagem do supersônico, estão eternizados os nomes dos tripulantes e a data daquele voo.

Ayrton Senna posa com os militares da FAB ao lado do Mirage III
Ayrton Senna posa com os militares da FAB ao lado do Mirage III

FONTE: Força Aérea Brasileira

25
Deixe um comentário

avatar
20 Comment threads
5 Thread replies
0 Followers
 
Most reacted comment
Hottest comment thread
23 Comment authors
JodreskiEduardoAlex FaulhaberOiseau de ProieTheo Gatos Recent comment authors
  Subscribe  
newest oldest most voted
Notify of
Aldo Ghisolfi
Visitante

Mai più!…

Kommander
Visitante
Kommander

Último ídolo unânime NACIONAL que o Brasil teve. Bela lembrança da FAB!

Observador
Visitante
Observador

Vendo estas fotos do nosso herói brasileiro, o grande Ayrton Senna da Silva, do Braaaasillllllll, me vem boas lembranças, uma saudade boa, o tema da Vitória, o Galvão narrando, tocava nas manhãs de domingo, nosso heroi que fazia questão de carregar a bandeira brasileira a cada Vitória sua, orgulhosamente. Me lembro ainda da maior Vitória dele, no GP de São Paulo em 1993, uma só marcha, berrando de dor, com alegria por ter vencido no nosso país, e quase que não conseguiu levantar o troféu de tão exausto na comemoração carregado pelo povo, um verdadeiro campeão! Ou ainda uma vez… Read more »

Fabio
Visitante
Fabio

Na verdade a Vitória foi em 1991, a de 1993 foi a segunda, ambos os carros pararam na reta oposta.

Observador
Visitante
Observador

É verdade, me equivoquei nas datas, a incrível Vitória do Senna somente com a 6 marcha foi em 1991, sendo a segunda Vitória em Interlagos em 1993.

Eduardo
Visitante
Eduardo

A segunda e a sexta marcha.

O piloto socorrido foi Martin Brundle na bélgica.

Doug385
Visitante
Doug385

Não pelo esporte, que afinal não tem importância, mas pela pessoa e pelo exemplo. O cara era dedicado do início ao fim no que fazia e sempre buscava a excelência e superação. Pessoas como ele devem sim ser exemplo para as gerações

Sagaz
Visitante
Sagaz

Na minha opinião é a soma da extrema genialidade com a dedicação e associado à habilidade, tal qual a cantora Tina Turner o homenageou em um show pedindo que ele subisse ao palco: Simple the best!

Saldanha da Gama
Visitante
Saldanha da Gama

Não consigo formatar palavras para descrever o que este ” ser ” fez por mim e pela Pátria Brasil. Não consigo achar adjetivos, elogios ou pontuar suas qualidades de forma que lhe seja justo, a única coisa que consigo é MUITO OBRIGADO AYRTON SENNA! Que Deus (Me perdoem os ateus) o tenha acolhido em seus braços curado e minimizado suas dores.

Clésio Luiz
Visitante
Clésio Luiz

“aos 36 mil pés (quase 11 km), o Tenente-Coronel Cortes acelerou até romper a barreira do som e atingiu a velocidade de Mach 1.4, correspondente a 1.728 km/h. Em um rasante, o Mirage III chegou a Mach 0.95 (1.173 km/h)”

Algo me diz que o individuo que digitou isso daí não levou em consideração que a velocidade do som não é contante, do nível do mar aos 36.000 pés.

E o mais doloroso não é ver que esse tipo de equívoco não foi cometido por pela imprensa comum, mas por gente empregada pela Força Aérea Brasileira.

THIAGO MACEDO NUNES
Visitante
THIAGO MACEDO NUNES

Equívoco comum, infelizmente

Jodreski
Visitante
Jodreski

Cara que bobeira… quem escreve tem que pensar à quem está escrevendo também.. ele estava retratando um acontecimento, não dando aula de física.

Willber Rodrigues
Visitante
Willber Rodrigues

A lembrança mais antiga que eu tenho é de assistir as corridas do Senna no domingo ao lado do eu avô materno, já falecido, sentado num sofá esburacado no interior da Bahia, assistindo numa TV preto e branco na casa do vizinho. O Senna deve ter sido a última pessoa que me fez realmente sentir orgulho genuíno de ser brasileiro. Ele não era apenas um ótimo profissional, mas tambem um bom homem, e um bom ser-humano.

Oliver
Visitante
Oliver

Senna era genial. Senna era o cara!
Seu maior legado: a Fundação Ayrton Senna!
Quando lhe foi pedido ajuda à uma criança que necessitava de um tratamento médico, tirou da gaveta seu talão de cheques e assinou, doando uma grande soma. Senna era, é e será sempre uma luz para todos nós.
Infelizmente a busca da perfeição o tirou de nós.
Senna, sempre Senna! Nas manhãs de domingo ainda ecoa o ronco de seu F1.

Ulisses
Visitante
Ulisses

A geração atual pode ficar com o Neymar deles… A minha teve AYRTON SENNA DO BRASIL!!!!

Guizmo
Visitante
Guizmo

Eu me lembro desse voo. A foto de dentro do cockpit saiu no Estadão e eu guardei o recorte. Ele disse depois do voo: “O estômago se desmacha”……Grande Senna, e grande Mirage III

Luiz Trindade
Visitante
Luiz Trindade

Um grande brasileiro que mostrou que apesar de todas as dificuldades impostas em sua trajetória de piloto, por sermos brasileiros não desistimos nunca! Essa foi a mensagem mais importante transmitida por ele que ainda continua como legado.

Tadeu Mendes
Visitante
Tadeu Mendes

A FAB era uma fôrça aérea de verdade. Com seus Mirage III, F-5 e AMX.

E o que dizer de Ayrton Senna? A grande estrêla internacional damn F1, e um patrimônio nacional.

Nico 88
Visitante

Duas lendas. Senna e o Mirage.

Flanker
Visitante
Flanker

Assisto F-1 desde 1982….e desde aquele ano até 2013, não deixei de assistir sequer 1 corrida que fosse…depois, enchi…hoje continuo assistindo, mas não tem mais a graça daqueles tempos…quem assistiu Ayrton Senna correr, nunca vai esquecer! Foi o maior piloto de todos os tempos….na época, ele tinha adversários como Prost, Mansell, Piquet…todos campeões mundiais tb….ele tb correu contra Schumacher, no início da carreira deste…a concorrência era muito maior. Hoje, a tecnologia nivelou muito os pilotos. Na epoca de Senna, o câmbio era totalmente mecânico, manual (com alavanca, mesmo…ao invés da borboleta de hoje), tinha que usar a embreagem em todas… Read more »

luiz Claudio
Visitante

SAUDADE em maiúsculo …. esse valia a pena ….

THIAGO MACEDO NUNES
Visitante
THIAGO MACEDO NUNES

Avião mitológico

Theo Gatos
Visitante
Theo Gatos

Saudades!!! #SennaEterno

Oiseau de Proie
Visitante
Oiseau de Proie

Ele é reconhecido e valorizado hoje porque uma grande parte das pessoas puderam acompanhar a sua trajetória…mas eu não dou aqui uns 30 anos para o seu nome cair no completo esquecimento…assim como foi com Santos Dumont, Bartolomeu de Gusmão, Oswaldo Cruz, Vital Brasil, Manuel de Abreu, Landell de Moura, Carlos Chagas, Oscar Niemeyer, José Braz Araripe e muitos outros grandes nomes de nossa historia… Este país teve grandes nomes em sua história passada…mesmo hoje temos nomes como Aron de Andrade, Miguel Nicolelis, Álvaro Alberto, Othon Luiz…mas os brazileiros nem sabem quem são… Sabemos hoje mais sobre história estrangeira do… Read more »

Alex Faulhaber
Visitante
Alex Faulhaber

O único fora do mundo da aviação militar que eu fico feliz por ter tido esse privilégio de voar um caça da FAB porque aguentar Luciano Huck e Ana Maria Braga tendo esse privilégio enquanto verdadeiros apaixonados muitas vezes não podem nem chegar perto das aeronaves, é dose!!!