Home Aviação de Ataque Saab pronta para acelerar o ritmo de testes do Gripen E

Saab pronta para acelerar o ritmo de testes do Gripen E

12330
37
Saab Gripen E
Saab Gripen E 39-8

A Saab deve elevar significativamente o ritmo de seu programa de testes de voo para o caça Gripen E este ano, com a atividade a ser expandida de duas aeronaves atuais para cinco

Dois protótipos, designados 39-8 e 39-9, já estão envolvidos na campanha do fabricante sueco. Um terceiro exemplar (39-10) vai voar antes do meio do ano, enquanto a Saab também deverá retomar o uso da estrutura do “Gripen Demo” – um aparelho de dois lugares especialmente adaptado – em apoio ao programa. Seu primeiro exemplar de produção também apoiará o programa a partir do final deste ano, antes que as primeiras entregas sejam feitas às forças aéreas sueca e brasileira até o final de 2019.

“O programa de testes está realmente aumentando este ano, já que estamos adquirindo mais aeronaves de teste on-line e também aeronaves de produção”, diz Eddy De La Motte, chefe da unidade de negócios Gripen E/F da Saab. Ele descreve a reintrodução da plataforma de demonstração 39-7 – cujo cockpit traseiro foi adaptado para representar o Gripen E – permitindo que a empresa empregue o avião como um “equipamento de simulação aérea”.

“Nós nos concentramos muito no envelope de voo com a primeira aeronave de teste – agora estamos nos movendo gradualmente mais e mais nos sistemas táticos e de sensores, e tudo isso engloba uma aeronave completa”, Jonas Hjelm, disse o chefe da área de negócios aeronáuticos da Saab, durante o seminário anual Gripen da empresa em Estocolmo, em 27 de março.

As atividades de voo no ano passado incluíram testes de transporte do míssil Meteor da MBDA, além de testes de separação de mísseis ar-ar de alcance visual Diehl Defense IRIS-T, e De La Motte diz que o trabalho atual envolve radar de varredura eletrônica ativa (AESA) Raven ES-05 e o sensor de busca e rastreamento por infravermelho (IRST) – ambos fornecidos pela Leonardo – e a suíte de guerra eletrônica da Saab.

O Gripen Demo voltará ao programa de testes com o cockpit traseiro configurado como um Gripen E

As quatro primeiras aeronaves de produção Gripen E estão atualmente em fase final de montagem nas instalações da Saab em Linkoping, com o trabalho tendo começado no início deste ano. “Estamos muito felizes com o progresso do programa de produção”, diz De La Motte, que confirmou estar “no cronograma”. Uma vez que seu novo sistema de produção esteja totalmente estabelecido, ele poderá fornecer até 24 aeronaves por ano, acrescentou ele.

De La Motte diz que o primeiro Gripen F biposto do programa está programado para fazer sua estreia em voo em 2023. O Brasil encomendou oito do modelo de dois assentos como parte de um contrato de 36 aeronaves. Cerca de 150 engenheiros – divididos igualmente entre a Saab e o pessoal brasileiro – estão atualmente trabalhando nas mudanças de projeto necessárias para o modelo F, e De La Motte diz que a variante continua “no cronograma”.

Gráfico apresentado no Seminário Gripen mostra os protótipos do Gripen E e a capacidade plena de produção de 24 unidades por ano

Enquanto isso, de olho em novas oportunidades de exportação, Hjelm confirma que a Saab participará de um processo de avaliação de voo planejado pela Suíça ainda este ano, tendo recentemente respondido ao requisito de caça de próxima geração do país.

“Vamos mostrar ao cliente suíço que temos uma base tecnológica comprovada em nossas aeronaves, e que quando e se eles nos escolherem, eles obterão um sistema maravilhoso que funcionará de acordo com suas especificações quando eles quiserem uma entrega em 2025”, completou.

A Saab no início deste ano apresentou propostas para fornecer à Força Aérea Suíça 30 ou 40 caças Gripen E, dependendo de suas eventuais necessidades de frota. A Suíça selecionou previamente o tipo para uma exigência de caça de 22 unidades, mas a aquisição foi posteriormente abandonada após o resultado de um referendo público realizado em maio de 2014.

Caça Saab JAS 39E Gripen voa com mísseis Meteor
Saab JAS 39E Gripen 39-8 com mísseis Meteor

FONTE: FlightGlobal

37
Deixe um comentário

avatar
15 Comment threads
22 Thread replies
1 Followers
 
Most reacted comment
Hottest comment thread
31 Comment authors
jose luiz espositoFalconHuxley Hugo Cabanellas Malta Ma ltaCaioEstradero Recent comment authors
  Subscribe  
newest oldest most voted
Notify of
Roberto
Visitante
Roberto

Peço perdão pela perginta OFF Topic mas é que não encontrei em nenhum site .
Se 2 aviões identicos estiverem na mesma altitude e direção sendo um cheio de passageiros e outro vazio, haverá um maior consumo de combustível pelo que está cheio ? ou só o arrasto é que determina quando voando nivelado e o consumo só é maior nas decolagens e subidas de altitude ?
Desde já agradeço.
Robert

TJLopes
Visitante
TJLopes

Não sou especialista, mas acredito que o maior peso do avião com passageiros resulta em um maior consumo de combustível.

Humberto
Visitante
Humberto

Robert, sim, o avião mais cheio ira consumir mais combustível, pois o peso da carga e ou passageiros é determinante para o consumo do avião.

nonato
Visitante
nonato

Tanto é que as empresas aéreas tentam limitar a bagagem que os passageiros levam. Não apenas por causa de eventual excesso de peso, mas também devido ao consumo.
Inclusive, antes de decolar, é necessário calcular a quantidade de combustível levando em consideração o trecho a ser percorrido, quantidade de passageiros, bagagem e uma sobra no caso de ser necessário mudar o aeroporto de destino, ter que ficar sobrevoando.
Lembra o caso do avião da chapecoense?
Falou-se muito no plano de vôo e nos cálculos.

Dod
Visitante
Dod

Sim, entenda quanto maior a altitude mais econômico fica o motor por conta da temperatura ser mais baixa(até 36 mil ft pq a temperatura ñ aumenta mais por conta da troposfera), o peso influencia diretamente na tração do motor fazendo com o que o motor perca ”fôlego”( T=W/G V2-V1), isso faz com que a aeronave tenha uma razão de subida menor e ande mais na pista, ñ é a toa que empresas de carga preferem decolar a noite por conta da temperatura.Uma das medidas para se economizar combustível é usar a”subida escalonada” (step climb), outro fator que influencia no consumo… Read more »

O Curioso
Visitante
O Curioso

Fantástica resposta.

JC
Visitante
JC

Quanto mais peso, mais sustentação é necessaria para contrapor este peso e manter a aeronave nivelada. Quanto mais sustentação, mais arrasto induzido ( aquele vortex nas pontas das asas )

Falcon
Visitante
Falcon

Roberto, o calculo de combustivel de um avião a jato é A – B + 5% deste total e B – C + 30min em espera a 1500′. Onde A é a origem, B o destino e C o alternado. O avião nivelado tem um consumo especifico que varia com o peso e a altitude voada. Um avião a jato consome menos em altas altitudes que varia de acordo com o peso, então numa viajem voce tem uma ótima altitude que é a de menor consumo, que varia de acordo com o peso do avião. O peso de passageiros e… Read more »

Willber Rodrigues
Visitante
Willber Rodrigues

Vambora SAAB, táca-lhe pau neste carrinho.
Sei que é algo que deve ser feito em etapas e sem pressa, mas não vejo a hora de ver esse caça nas mãos da FAB.

Batalhão do Aço
Visitante
Batalhão do Aço

Tem que acelerar a produção dos Gripen’s …não ficar de morosidade …

Alexandre Fontoura
Visitante
Alexandre Fontoura

Não há morosidade. Existe um processo, com várias etapas, que precisam ser seguidas.

Fila
Visitante
Fila

O peso conta e muito no gasto de combustível. Certa feita uma cia aérea fez campanha para que seus passageiros usassem o banheiro ainda em terra, pois cada descarga dada gastava um litro de água e cada litro a mais a bordo custava “X” em querosene.

Victor F.
Visitante
Victor F.

É uma campanha no mínimo curiosa, mas não creio que um avião vá decolar com menos água para lavatórios por causa disso. Provavelmente possa haver uma certa redução de peso porque os passageiros embarcariam mais “leves”, mas também não acredito que isso possa ser determinante. Suponho que devam existir formas mais eficazes de reduzir os custos com querosene.

Delfim
Visitante
Delfim

Considerando a degradação do cenário sul-americano (Venezuela), e as oportunidades de vendas pelo mundo afora, tem mais que se acelerar o ritmo de testes e produção mesmo. . Se confiou que a situação local não degradaria até a implementação total do F-39, dispensando tampões ou os F-18SH que já estariam voando na FAB, mas a coisa está ficando feia antes disso. . Por outro lado há diversos clientes potenciais interessados em um caça 4G bom e barato. O F-39 pode ser a melhor opção mas o F-16V está aí, com entrega rápida, suporte e FMS. Fora os Tejas, JF-17, MiG-29/35.… Read more »

jose luiz esposito
Visitante
jose luiz esposito

Continuam as mentalidades doentias pensando em guerras entre povos vizinhos, amigos e irmãos de latino América,todos com a mesma origem e formação , casos para serem estudados por especialistas ! Tranquilos , não teremos qualquer conflito entre nós , problemas de cada um de nós serão resolvidos de forma caseira , cada povo terá que fazer a sua escolha , para o bem ou mal , não precisamos de chamar o Diabo na região !

SmokingSnake 🐍
Visitante
SmokingSnake 🐍

Que mandem logo para o Brasil o SU killer

Foragido da KGB
Visitante
Foragido da KGB

Uma “pregunta” : Teremos sensor de busca e rastreamento por infravermelho (IRST) nos nossos tumbém ?

Gustavo
Visitante
Gustavo

Cada aeronave a mais de teste representa um ganho exponencial no ritmo de testes.
Ainda acredito que talvez tenhamos alguns meses de antecipação das entregas, se tudo correr perfeitamente. Resta torcer.

Aranha
Visitante
Aranha

Alguém sabe dizer se há algum plano de contingência com relação a nossa força aérea se a vaca for pro brejo aqui na América do Sul?

André
Visitante
André

Não precisamos. Podemos não ter força ofensiva mas nossos vizinhos têm menos ainda…

Com muito esforço os su da Venezuela chegam em Manaus.

Alexandre Fontoura
Visitante
Alexandre Fontoura

Não chegam em Manaus, nem com esforço. Caem antes, por pane seca. A distância, em linha reta, de Caracas a Manaus é de 1693 km (1052 mi).
Veja o raio de combate do Flanker (Su-35, que tem maior raio de combate do que o Su-30), segundo a fabricante do avião, a Knaapo.

comment image?dl=0

Wagner
Visitante
Wagner

Não estão demorando pra fechar um segundo lote? Fico imaginando o quanto esse negócio de transferência de tecnologia é uma furada, a Embraer foi vendida e nada contra, mas com ela imagino que a transferência foi pra casa do chapéu, e do que adianta ficar com os militares, vão fazer uma nova estatal pra produzir algo adquirido com a transferência? E esse Up vai ser uma escada pra novas tecnologias? Pra um caça de uma geração superior, não vai, pois nem pra ter 72 aviões temos grana. Olha o nosso programa espacial, temos que dar graças a Deus dos States… Read more »

Alexandre Fontoura
Visitante
Alexandre Fontoura

1) A Embraer não foi vendida.
2) A negociação quanto ao segundo lote deve ocorrer por volta de 2021-2022.
3) Também não tínhamos dinheiro para os 36 primeiros. Por isso foi feito um financiamento.
4) Que nova estatal será criada?
5) O que tem a ver política com os EUA com o Programa?

Tomcat4.0
Visitante
Tomcat4.0

E vamo que vamo Gripen E. Vem logo pra FAB pra eu te ver no Portões Abertos !!!

Paulo Costa
Visitante
Paulo Costa

E quando eu digo que projeto do Gripen ta lento (ja que é so uma nova versão e não um caça feito o zero)muita gente me critica …

Acelera FAB e vai em busca de pelo menos 02 esse ano, isso deve ser possível.

ANDERSON CAMELOT
Visitante
ANDERSON CAMELOT

“Já que é só mais uma versão”
Ai que vc se engana

Pampapoker
Visitante
Pampapoker

Irmão aeronautico, vamos rever umas coisas, Não é uma versão do zero, e uma nova versão, com mais potência, aumento de tamanho.E uma aeronave maior, tudo o que tem dentro dela, tem que ser reposicionado, tem que se fazer os cálculos para acertar o balanceamento da aeronave, escolha de materiais novos, elaboração de cablagem etc, por fora pode ser igual, mas por dentro haverá mudanças estruturais, em termos de posicionamento de estrutura, dimensionamento, capacidade de carga etc.Vamos a um exemplo civil.. Se vc compra um jeep e que aumentar a capacidade de transporte de pessoas, vc não tem que mexer… Read more »

Ivanmc
Visitante
Ivanmc

Mas, não deixa de ser um lift monomotor, Pampapoker.

Alexandre Fontoura
Visitante
Alexandre Fontoura

LIFT monomotor? Essa é nova… Quer dizer que o Gripen NG agora é um LIFT?

Ivanmc
Visitante
Ivanmc

Pesquise bastante que tu irá aprender.

Alexandre Fontoura
Visitante
Alexandre Fontoura

O primeiro de série será entregue este ano, mas será uma aeronave dotada de FTI, como o primeiro da Suécia e, como a matéria diz, essas aeronaves vão ser usadas no programa de desenvolvimento, até 2021. Serão construídos mais 5 para a FAB em 2020 e outros 6 em 2021, junto com o primeiro que será entregue este ano, essas 12 aeronaves equiparão o 1º GDA e estarão no Brasil em 2021, quando será declarada a IOC da unidade. Os demais serão entregues em 2022 (9), 2023 (8) e 2024 (7). Este é o cronograma, definido no contrato que entrou… Read more »

Ricardo Bigliazzi
Visitante
Ricardo Bigliazzi

Peso de decolagem é componente nos cálculos de consumo e autonomia de voo em todo e qualquer avião.

Caio
Visitante
Caio

Como não tenho um conhecimento específico de aviação militar, peço desculpas, más no caso de um hipotético envolvimento militar alguma região do globo, claro não desejada, é possível o empréstimo precário, pela Saab de um hipotético avião semelhante ou precursor dos aviões adquiridos da Suécia/Embraer visto que o problema em geral é imediato, más a entrega têm cronogramas.

Huxley Hugo Cabanellas Malta Ma lta
Visitante
Huxley Hugo Cabanellas Malta Ma lta

Boa tarde ! Nossos cacas Gripen E eles vam comecar a ser entregues em que mes deste ano ? Na segunda metade do 1 semestre deste ano 2019 e no inicio do segundo semestre ou segunda metade do segundo semestre ? O caca Gripen alem de misseis ele vai ter um par de metralhadoras de quantos mm?