Home AEW Reino Unido compra cinco E-7 Wedgetail por US$ 1,98 bilhão

Reino Unido compra cinco E-7 Wedgetail por US$ 1,98 bilhão

6545
77
E-7 Wedgetail
E-7 Wedgetail

O secretário de Defesa do Reino Unido, Gavin Williamson, assinou um acordo de US$ 1,98 bilhão (£1,51 bilhão) para comprar cinco aeronaves E-7 Wedgetail. A frota E-7 substituirá a atual aeronave E-3D Sentry e garantirá a continuidade do recurso de Alerta Aéreo Antecipado e Controle (AEW&C) do Reino Unido.

O Secretário de Defesa, Gavin Williamson, disse:

“A E-7 fornece uma vantagem tecnológica em um espaço de batalha cada vez mais complexo, permitindo que nossos pilotos rastreiem e direcionem caças contra os adversários de forma mais eficaz do que nunca. Este acordo também fortalece nossa parceria militar vital com a Austrália.

“Vamos operar os mesmos jatos F-35 de última geração e navios de guerra Type 26 de classe mundial, e esse anúncio nos ajudará a trabalhar ainda mais juntos para enfrentar as ameaças globais que enfrentamos.”

A nova frota será capaz de rastrear múltiplos alvos aéreos e marítimos ao mesmo tempo, usando as informações coletadas para fornecer consciência situacional e direcionar outros ativos, como caças e navios de guerra. O E-7 Wedgetail é uma aeronave comprovada que está atualmente em serviço com a Força Aérea Real da Austrália e foi usada em operações na batalha contra o Daesh no Iraque e na Síria.

Como parte do plano para uma transição gerenciada para o E-7, foi decidido reduzir a frota E-3D existente de seis para quatro aeronaves, removendo os dois ativos inservíveis a longo prazo da frota ativa. Fazer isso agora permitirá que a Sentry Force concentre seus recursos em fornecer melhor disponibilidade das quatro aeronaves restantes, para melhor garantir a futura saída da Sentry Fleet, incluindo nossos compromissos com a Força Aérea de Alerta Aéreo e Controle da OTAN e o fornecimento de missões de Medidas de Garantia da OTAN. .

Falando após o anúncio, o Chefe do Estado-Maior da Aeronáutica, Marechal do Ar Sir Stephen Hillier, disse:

“O anúncio de hoje sobre a aquisição de cinco aeronaves E-7 ‘Wedgetail’ de Alerta Aéreo Antecipado e Controle é uma excelente notícia tanto para a RAF quanto para a Defesa mais ampla. Esta capacidade de classe mundial, já comprovada com nossos parceiros da Royal Australian Air Force, aumentará significativamente nossa capacidade de entregar comando e controle aéreos decisivos e se baseia na reputação da nossa E-3D Sentry Force.

“Junto com o investimento da Defesa em outras aeronaves de ponta, o E-7 formará um elemento central da Força Aérea da Próxima Geração, capaz de superar as ameaças complexas atuais e futuras.”

O E-7 é baseado em um avião comercial Boeing 737 padrão modificado para transportar um sofisticado radar ativo de varredura eletrônica da Northrop Grumman. Ele pode cobrir quatro milhões de quilômetros quadrados ao longo de um período de 10 horas.

Clique no infográfico para ampliar
Clique no infográfico para ampliar

FONTE: Royal Air Force

Subscribe
Notify of
guest
77 Comentários
oldest
newest most voted
Inline Feedbacks
View all comments
Matheus
Matheus
1 ano atrás

Tá aí o substituto do E-99. Com o desmembramento da Embraer vamos ter que olhar as opções do mercado.

HMS TIRELESS
HMS TIRELESS
Reply to  Matheus
1 ano atrás

Creio que também será o substituto do E-3 na USAF

Rafael_PP
Rafael_PP
Reply to  HMS TIRELESS
1 ano atrás

Acredito até numa combinação do E-7 com o CAEW da Gulfstream, que já amealhou contratos para outras aeronaves de fins especiais, como o TRSA e o ‘Compass Call’, rendendo os EC-130.

Leonel Testa
Leonel Testa
Reply to  Matheus
1 ano atrás

Caraca 400 milhoes de dolares cada um ???? . Meeeu Deuuss

Ricardo Bigliazzi
Ricardo Bigliazzi
Reply to  Matheus
1 ano atrás

Não é, a EMBRAER sempre se notabilizou pelos projetos que ocupavam as lacunas no mercado. Esse avião da Boeing não é igual ao E-99. São produtos diferentes.

Matheus
Matheus
Reply to  Ricardo Bigliazzi
1 ano atrás

Mas quem disse que ele é igual ao E-99? Só disse que um dia o E-99 terá que ser substituído. E temos que ver as opções disponíveis no mercado.

Wellington Góes
Wellington Góes
Reply to  Ricardo Bigliazzi
1 ano atrás

Tu não entendeu, não é?!

Mauricio R.
Reply to  Ricardo Bigliazzi
1 ano atrás

O E-99 não é essa última bolacha do pacote, o radar nem é da Embraer e a Saab não é parceira, mas concorrente.
Já foi o tempo.

Rinaldo Nery
Rinaldo Nery
Reply to  Mauricio R.
1 ano atrás

Eita ódio da EMBRAER… Freud explica.

Marcelo Andrade
Marcelo Andrade
Reply to  Rinaldo Nery
1 ano atrás

Boa Cmte!!! kkk , mas por favor!!! Não some não, tu andas muito sumido!!!

Kemen
Kemen
Reply to  Matheus
1 ano atrás

Um dos possiveis substitutos sem dúvida, existem outros, mas tão ou mais importante que a plataforma que tem de ter largo alcance, velocidade compativel, baixo custo de manutenção e RCS razoável, são os sistemas eletrônicos que estão instalados.

Carlos Alberto Soares
Carlos Alberto Soares
Reply to  Matheus
1 ano atrás

E 190/195 ou KC 390 deverão ser às novas plataformas.

JSilva
JSilva
Reply to  Matheus
1 ano atrás

Seguindo essa lógica, por quê não o Bombardier Globaleye da Saab? Manteríamos o sistema do mesmo operador, com uma aeronave mais ou menos do mesmo porte, embora com muito mais alcance e ainda com capacidade multimissão.

ALEX ROCHA
ALEX ROCHA
1 ano atrás

Achei bonitão o formato do bicho.

Victor
Victor
1 ano atrás

Atualmente eu só conheço um missil de alcance de 400km o russo R-37 projetado para abater Awacs

Brunow Basillio
Reply to  Victor
1 ano atrás

A um Chinês também..

TJLopes
TJLopes
1 ano atrás

Só tem que ter cuidado na hora de decolar…

BILL27
BILL27
Reply to  TJLopes
1 ano atrás

tem nada a ver com o Max

Tutu
Reply to  TJLopes
1 ano atrás

Ele é um 737 ng com reforços estruturais.

Fabio Jeffer
Fabio Jeffer
1 ano atrás

Houve um tempo em que o Reino Unido desenvolvia e produzia esse tipo de aeronave alem de muitos outros tipos e modelos. Era totalmente independente, justificando no orgulho de seu povo. Hoje em dia não faz nem metade do que fazia antes, aliás, virou capacho dos EUA, do qual compra tudo. Qualquer dia até os navios da gloriosa Royal Navy serão comprados na América.

nonato
nonato
Reply to  Fabio Jeffer
1 ano atrás

Estamos vendo alguém preocupado com a glória da Grã Bretanha ou da Rússia?

Minuteman
Minuteman
Reply to  Fabio Jeffer
1 ano atrás

E tenho certeza que lá não tem essa historinha de “submissão” aos americanos por isso. Já aqui, meu Deus, se fizermos um acordo assim um dia, muita gente vai dizer que viramos colônia deles. Para com isso.

Kemen
Kemen
Reply to  Fabio Jeffer
1 ano atrás

Acho dificil para um pais que é uma ilha e que tem tradição maritima, a Grã Bretanha depende muito do transporte maritimo, as vias aéreas não tem a mesma capacidade de transporte, além do custo ser bem mais alto.

Tomcat4.0
Tomcat4.0
1 ano atrás

Já deveríamos estar pensando no substituto do E-99. Este avião é bem caro hein, mas o que deve entregar tbm deve ser um absurdo de poder dentro de sua função.

elton
elton
Reply to  Tomcat4.0
1 ano atrás

agora podemos olhar opçoes fora do brasil ja que o “ToT” dançou junto com a trasferencia de EMBRAER

Walfrido Strobel
Walfrido Strobel
Reply to  Tomcat4.0
1 ano atrás

O avião nem acabou de ser modernizado vcs já querem trocar?

Paulo Costa
Paulo Costa
Reply to  Walfrido Strobel
1 ano atrás

tem 20 anos de E-99 ainda na FAB

Wellington Góes
Wellington Góes
1 ano atrás

Futuro substituto dos E-99, graças aos “planejadores pragmáticos da indústria aeroespacial brasileira”.

Minuteman
Minuteman
Reply to  Wellington Góes
1 ano atrás

Ok fanfarrão.

Wellington Góes
Wellington Góes
Reply to  Minuteman
1 ano atrás

É, não é?! Rsrsrsrs

Bardini
Bardini
1 ano atrás

“Tá aí o substituto do E-99”
.
Ahahah… O pessoal se ilude muito fácil.

Wellington Góes
Wellington Góes
Reply to  Bardini
1 ano atrás

Bardini, tu entendeste a irônia, não?!

Minuteman
Minuteman
Reply to  Bardini
1 ano atrás

Muitos aqui gostam de debochar com a cara dos outros. E não é a primeira vez que falo isso. Usem seu conhecimento, e expliquem os motivos deste avião não ser o substituto do E-99. Muitos dos visitantes da trilogia não nasceram sabendo tudo, como vossas senhorias.

Bardini
Bardini
1 ano atrás

Bom, só pra adicionar… Os israelenses estavam oferecendo a sua solução ao UK:
http://www.iai.co.il/2013/37440-en/MediaRoom.aspx

Tomcat4.0
Tomcat4.0
Reply to  Bardini
1 ano atrás

Eu curti a máquina, parece bem capaz e por ser de tecnologia israelense com certeza ruim não é !!!

Bardini
Bardini
Reply to  Tomcat4.0
1 ano atrás

O israelenses compraram M346 da Itália. Os Italianos, em troca, compraram coisas como um satélite (OPTSAT3000) e um par desses AEW…
https://www.israeldefense.co.il/en/node/32733

nonato
nonato
1 ano atrás

Com a compra da Embraer, quem sabe surge um E 195-2 AWACS?
Seria mais uma opção no catálogo da Boeing.
Possivelmente mais barato.

julio
julio
Reply to  nonato
1 ano atrás

O problema é q teriam q desenvolver uma nova suíte eletronica e um novo radar.

nonato
nonato
Reply to  julio
1 ano atrás

Desenvolver por que?
Claro que terão que adaptar o avião.
Mas não sei se o radar e os aviônicos seriam totalmente novos.
Claro que caberia a Boeing decidir se vale a pena.
Mas é mais fácil para a Boeing do que para a Embraer em termos de custos.
E logicamente faria sentido se for mais barato e para países mais pobres.

julio
julio
Reply to  nonato
1 ano atrás

Porque o equipamento usado nos aviões da Embraer é sueco e eles disseram q a partir de agora só vai instalá los em aviões da Bombardier.

nonato
nonato
Reply to  julio
1 ano atrás

Mas não falo em usar equipamentos suecos.
Não é pegar nosso atual sistema x 99 e colocar num E 195-2.
Mas uma versão mais barata desse sistema da Boeing.

Carlos Campos
Carlos Campos
1 ano atrás

Bom para mim o Brasil devia pensar logo nos substitutos dos E 99 e R 99, de preferência com um radar Northrop Grumman, ou da ELTA, os Suecos partiram para uma parceria com a Bombardier, mas o avião deles é muito bom também.

Humberto
Humberto
Reply to  Carlos Campos
1 ano atrás

Meu caro, a FAB está falando em modernização dos 99, não creio que exista a vontade nem a capacidade financeira da FAB para uma nova geração de aviões como o 99.

elton
elton
1 ano atrás

Futuramente “se voçê não pode comprar o E7 temos o muito mais barato Boeing 145 AEWC2

Mauricio R.
Reply to  elton
1 ano atrás

A versão mais barata do P-8, sobre plataforma Challenger 605, durou uns 3 anos no catálogo da Boeing.
Não vendeu nada, então dançou, assim não se anime muito.
Até por que se a Boeing decidir por uma versão mais em conta de seu AEW&C, a plataforma e o radar necessariamente não serão Embraer e nem Saab.

Mauro
Mauro
1 ano atrás

Só toma cuidado com o MIG-21.

Peter nine nine
Peter nine nine
Reply to  Mauro
1 ano atrás

😉

Walfrido Strobel
Walfrido Strobel
1 ano atrás

O E-7 Wedgetail é concorrente na Indonésia com o Bombardier/SAAB e o C-295 AEW.
O favorito é o C-295 por ser fabricado na Indonésia, mas tem o problema do radar israelense ELTA que vai causar protestos de alguns parlamentares mais radicais.
.comment image

Mauricio R.
Reply to  Walfrido Strobel
1 ano atrás

O C-295 também poderá ser a plataforma da nova encarnação do “Netra” na Índia.

smichtt
smichtt
1 ano atrás

Esse tipo de avião, junto com os aviões-tanque, é um “peixão” que, em caso de conflito, seriam alvos preferenciais de um ataque inimigo. Não seria viável o desenvolvimento de um avião não-tripulado que só levasse antenas e sensores e os operadores ficassem em terra?

Walfrido Strobel
Walfrido Strobel
Reply to  smichtt
1 ano atrás

Ele e os KC operam longe da zona de combate, não ficam dando chance para serem abatidos facilmente.

André
André
Reply to  smichtt
1 ano atrás

Eu imagino a força aérea britânica, durante uma guerra contra a Rússia, deixando 400 milhões de dólares voando sozinhos por aí, louco para levar um teco…

E aí me pergunto, como um avião vai chegar a 400km disso sem ser detectado, ainda mais que stealth não presta para nada e a Rússia está focada no ultramoderno su35.

Renato B.
Renato B.
Reply to  smichtt
1 ano atrás

Ninguém seria louco de deixar um desses voando sem proteção, sem contar que deve se difícil se aproximar dele sem ser detectado, afinal é essa a missão dele.

Pessoalmente ainda acho incerto como esses drones vão operar em ambiente de guerra eletrônica pesada. Um desses vai depender muito disso.

nonato
nonato
Reply to  smichtt
1 ano atrás

Até um tempo atrás estavam muito seguros a uns 400 km do teatro de operação.
Talvez 200 km.
Atualmente existem mísseis ar ar com maior alcance.
De qualquer modo, pior sem o AWACS.
Eu gosto muito da ideia de balões presos ao solo.
Isso vai depender também de onde é usado.
Talvez não dê para transportar.
Mas digamos colocar isso em Brasília, no Rio de janeiro.
Em tese oferece uma boa linha de visada e não gasta combustível.
Já se for para patrulhar fica mais complicado.
A não ser que houvesse um no meio do mar ancorado.

Plinio Jr
Plinio Jr
1 ano atrás

É um belo vetor, mas caro para a nossa realidade, se for para pensar em um substituto ou complemento dos r-99 a opção seria uma versão da família E-190E-2 da Embraer….

Walfrido Strobel
Walfrido Strobel
Reply to  Plinio Jr
1 ano atrás

Não imagine que fique barato desenvolver um E-190 AEW&C para fabricar meia dúzia de aeronaves.
Se os E-99 forem ficando velhos o C-295 AEW é uma opção, pois já usamos o C-105 e SC-105, seria fácil a transição e temos a manutenção.
Além de termos boas relações com Istarl e o radar ELTA não seria problema.
Isso com um custo baixo, bem mais barato do que desenvolver um novo avião que usaria uma base que pertence 80% a Boeing como os E-Jets.

Walfrido Strobel
Walfrido Strobel
Reply to  Walfrido Strobel
1 ano atrás

Acima é Israel e não Istarl e…

Adriano Luchiari
Adriano Luchiari
Reply to  Walfrido Strobel
1 ano atrás

Cel. Nery seria bem vindo para comentar o post do Strobel, ele conhece muito tanto o C-105 como o E-99…

Rinaldo Nery
Rinaldo Nery
Reply to  Adriano Luchiari
1 ano atrás

Vejo com desconfiança um AEW turbohélice devido à baixa velocidade num ¨safe escape¨. Além de o jato chegar mais rápido no ponto on station. Quanto a usar a plataforma KC-390, já postei várias vezes que há que se levar em conta o custo operacional da plataforma: o que é mais barato de operar, E195E2, uma plataforma comercial, ou KC-390, uma plataforma militar? Qual pós venda é mais barato?
Quanto à antena, não vejo a possibilidade de não usar outra que não o ERIEYE, visto a estrutura de manutenção que construímos em Anápolis.

Plínio Júnior
Plínio Júnior
Reply to  Rinaldo Nery
1 ano atrás

Exatamente isto Rinaldo, sugeri a plataforma E195E-2 como uma possibilidade apostando em uma boa carteira de vendas do mesmo, que viria baratear os custos de manutenção, a mesma aposta que a FAB fez com os 145 para transforma-los em R-99, quanto a antena, uma versão mais atualizada do ERIEYE e sistemas mais recentes….outra opção seria o KC-390, mas creio que o conhecimento da Embraer no R-99 poderia ajudar na conversão do E195E-2.

Rinaldo Nery
Rinaldo Nery
Reply to  Plínio Júnior
1 ano atrás

Já existe o Enhanced ERIEYE, que está na plataforma Gulstream.

Adriano Luchiari
Adriano Luchiari
Reply to  Rinaldo Nery
1 ano atrás

Obrigado Coronel!

Marcos
Marcos
Reply to  Walfrido Strobel
1 ano atrás

A boeing não tem motivos para produzir um e-190 ? (talvez mudem a nomenclatura igual a airbus fez) para AEW&C. Eles já possuem o 737 nesta configuração.

Adriano Madureira
Adriano Madureira
Reply to  Plinio Jr
1 ano atrás

Eu sempre penso em uma aeronave com boa autonomia, como o E-190 ou até mesmo um Lineage…

Ricardo da Silva
Ricardo da Silva
1 ano atrás

Então a parceria SAAB(Globaleye) / Airbus(a3x0) subiu no telhado. Efeito Brexit ?

Kemen
Kemen
1 ano atrás

Outra opção seria instalar um sistema completo da IAI israelense ou o Globaleye na plataforma do KC-390, faltaria a Embraer viabilizar a adaptação e aceitar a encomenda, tendo em vista as varias adaptações necessarias, por exemplo, o consumo de energia que seria bem maior devido aos sistemas, a distribuição do peso para maior equilibrio, etc.

Walfrido Strobel
Walfrido Strobel
Reply to  Kemen
1 ano atrás

Muita gente torce o nariz quando se fala em KC-390 AEW&C, mas não seria o primeiro nem o último cargueiro convertido para AEW&C.
.comment image

Mauricio R.
Reply to  Walfrido Strobel
1 ano atrás

Não tem nada a ver conosco, não pagamos pela integração de sistemas.
Vamos continuar nessa ladainha de pagarmos pra Embraer posar de bacana e o país não ganhar nada com isso????
Besteira, desce um cala boca bem dado na ESD e toquemos o barco com o que existe e está em serviço.
Não com coisas que existem somente em Power Point e animações JPEG.

Walfrido Strobel
Walfrido Strobel
Reply to  Kemen
1 ano atrás

Outro cargueiro AEW&C. Este de fabricação russa com radar israelense e pertencente a India.
.comment image

julio
julio
Reply to  Kemen
1 ano atrás

Globaleye é exclusivo dos aviões da bombardier.

Almeida
Almeida
Reply to  Kemen
1 ano atrás

Torço o nariz para um KC-390 AEW&C mais pela quantidade de aeronaves encomendadas do que por ser um cargueiro. Não tem como competir em manutenção contra um avião comercial como os ERJ ou 737 quando se fala em técnicos formados, empresas certificadas e peças de reposição disponíveis no mercado.

Por outro lado, mais versões especializadas do KC-390 significam mais encomendas e um futuro melhor para sua manutenção.

Heli
Heli
1 ano atrás

Depois que a RN escolheu o P8 Poseidon, e com o Brexit a escolha de um A330 AEW pouquíssimo provável, ficava mais do que logica a escolha do 737 para AEW da RAF, racionalização de custos com treinamento e peças.
Alguém sabe informar o quão menos capaz esse radar Northrop Grumman’s MESA do E7 é menos capaz em relação ao radar giratorio AN/APY-2 do E3?

Walfrido Strobel
Walfrido Strobel
Reply to  Heli
1 ano atrás

O AEW&C da Airbus se sair será na plataforma A320, do porte do B737.
Antes cogitaram no A310 que era a plataforma para REVO, mas não houveram interessados no AEW&C, a Alemanha e Canadá compraram a versão de reabastecimento em voo.

HMS TIRELESS
HMS TIRELESS
Reply to  Walfrido Strobel
1 ano atrás

Os europeus sequer conseguiram desenvolver uma variante MPA/ASW do A320, o que dirá um AWACS

Juarez
Juarez
Reply to  HMS TIRELESS
1 ano atrás

Olá Tire. Desenvolver até vão, mas vai custar o triplo de dum E 7, vai levar 15 anos para estar operacional, iniciará a operação manco, cego e perneta, e depois de muita briga estra as “bibas” vão pagar a conta para ter um A 400 “II” Jason Live, e serão felizes para sempre.

Almeida
Almeida
1 ano atrás

Quase o preço de uma corveta! o.O

groosp
groosp
1 ano atrás

Acho que a opção ideal seria o radar do E-2D Advanced Hawkeye montado em um Boeing 737.