Home Aviação de Ataque A Força de Bombardeiros Estratégicos da China

A Força de Bombardeiros Estratégicos da China

12074
25

 Sérgio Santana*

Embora a estrutura organizacional da Força Aérea do Exército de Libertação Popular chinesa (PLAAF) não possua (ainda) um comando sob o qual reúna as aeronaves de bombardeio estratégico atualmente operacionais na sua ordem de batalha (tal como a Força Aérea dos Estados Unidos tinha o “Comando Aéreo Estratégico” e a Real Força Aérea o “Comando de Bombardeiros”) é inegável que o Xi’an Hongzhaji H-6 (pronunciado “Rongjaji”, bombardeiro no idioma mandarim) tem desempenhado esta função, notadamente por causa das disputas de hegemonia motivadas pela situação de Taiwan (considerada pelo governo chinês como uma “província rebelde” e uma nação autônoma pelo Ocidente) e da soberania das águas territoriais do Mar do Sul da China (envolvendo Vietnã e Filipinas, dentre outros países).

Isto naturalmente aumenta o interesse dos estudiosos e aficionados em temas militares, muitos dos quais já conhecem os bombardeiros estratégicos norte-americanos que provavelmente seriam empregados caso um conflito entre as duas potências seja realmente deflagrado, os Rockwell B-1B Lancer, Northrop B-2 Spirit e Boeing B-52H Stratofortress.

Entretanto, para uma boa parte dos interessados em tecnologia militar e ainda mais para o grande público, a contraparte chinesa daquelas aeronaves, o H-6, permanece envolto em segredo.

A sua história remonta a 1956, quando a liderança soviética propôs uma força nuclear conjunta entre a China e a União Soviética, o que foi recusado pelos líderes chineses. Em lugar da proposta, em setembro de 1957, os soviéticos concordaram em estabelecer uma linha de montagem do bombardeiro médio Tupolev Tu-16 (“Badger” para a OTAN) na cidade chinesa de Harbin. Três exemplares da aeronave chegaram à China entre janeiro e maio de 1959.

Embora o primeiro exemplar do Tu-16 fabricado na China só tenha voado oficialmente pela primeira vez em 24 de janeiro de 1968, devido a contratempos políticos e à decisão de mover a linha de montagem para Xi’an, dois deles foram montados ainda em 1959 e em meio aos tradicionais testes de aceitação de fábrica, que precediam às avaliações operacionais, um daqueles bombardeiros foi equipado com um compartimento de bombas refrigerado para armas nucleares. Assim, no que foi o primeiro passo na direção do emprego do H-6 como o único vetor estratégico chinês para armas nucleares até aquele momento, o tipo lançou no campo de testes de Lop Nor a primeira bomba nuclear aerotransportada chinesa, designada A29-23, com potência de 22 quilotons, em 14 de maio de 1965, bem como o primeiro artefato termonuclear chinês, conhecido como H639-23, com a potência de 3.3 megatons, em 17 de junho de 1967.

As versões nucleares do H-6

A primeira variante do H-6 destinada ao emprego de armamento nuclear foi a H-6E, equipada com navegação inercial/GPS, contramedidas eletrônicas e de apoio aperfeiçoadas, cockpit remodelado e motores mais potentes, entrando em serviço no final da década de 1980.

A década seguinte presenciou a introdução do H-6H, capaz de levar dois misseis sob as asas, mas sem armamento no compartimento de bombas ou armamento defensivo, originalmente composto por sete torretas com canhões AM-23 de 23mm.

Das versões estratégicas do H-6 a mais recente é a “K”, grandemente remodelada e a única que permanece em produção, introduzida em 2012 para uma vida operacional além do ano de 2020: o seu cockpit para três tripulantes possui seis mostradores multifuncionais, radome maior e a aeronave é propulsada por dois motores D-30KP-2, os mesmos do transporte Ilyushin Il-76 “Candid”, que produzem 12000 kgf de empuxo máximo.

O H-6, em qualquer uma de suas versões, alcance de travessia de 4300 km, desempenho similar ao de um caça-bombardeiro da família Flanker, o que pode inviabilizar a sua inclusão na classificação geralmente aceita de um bombardeiro estratégico. Outras características técnicas incluem velocidade de cruzeiro de Mach 0,75 (795 km/h); máxima de Mach 0,80 (848 km/h); teto de serviço de 12800 m; peso vazio de 36600kg e máximo de decolagem de 75800 kg; carga de armas de 5500 kg transportados exclusivamente nos 6 pontos fixos subalares e que são compostos por mísseis de cruzeiro CJ-10K, YJ-63/KD-63 e mísseis antinavio YJ-12 e CM-802.

Aviônicos e Armamento

O H-6K possui TV/FLIR, SATCOM e datalink, MAWS e RWR. No que concerne ao armamento, o H-6E era armado com bombas nucleares de queda livre apenas, derivadas dos já mencionados artefatos lançados em testes.

O H-6H pode ser armado com dois misseis CHETA YJ-63/KD-63, considerados os primeiros misseis chineses de cruzeiro de longo alcance.

A arma, que entrou em operação em 2004/2005, mede sete metros, possui altitude de lançamento entre 200 e 500 m, alcance entre 20 e 185 km, velocidade de 900 km/h, altitude de voo entre 7 e 1.000 m, com múltiplos sistemas de direcionamento conforme a fase do voo (inicialmente inercial, depois datalink de comando, seguido de GPS e por fim TV). A ogiva pesa 500kg.

O H-6K não transporta armas internamente e recebeu seis pontos fixos externos subalares para misseis YJ-63/KD-63 ou CASIC CJ-10K. Este míssil, baseado no russo Kh-55, entrou em serviço em 2013 e usa navegação inercial, comparação de relevo e correlação digital de cena e mapeamento na última fase do voo. Mede 6.30 m, possui alcance de 2.500 km, velocidade de Mach 0.8 e ogiva de 500 kg ou nuclear de potência desconhecida, mas estimada em 200-300 quilotons. A precisão é de dez metros.

Procedimentos chineses de autorização do emprego de armamento nuclear

A China mantém a doutrina de não ser a primeira parte a lançar mão de armas nucleares num conflito.

Em tempo de paz, as armas de mísseis nucleares da Segunda Força de Artilharia não são apontadas a nenhum país. Mas se a China sofrer uma ameaça nuclear, a força de mísseis nucleares da Segunda Força de Artilharia entrará em estado de alerta e se preparará para um contra-ataque nuclear para impedir o inimigo de usar armas nucleares contra a China. Se a China sofrer um ataque nuclear, a força de mísseis nucleares da Segunda Força de Artilharia usará mísseis nucleares para lançar um contra-ataque resoluto contra o inimigo, independentemente ou junto com as forças nucleares de outros serviços.

Para viabilizar esta atitude, o centro de comando e controle central de todas as forças chinesas, incluindo o Segundo Corpo de Artilharia (Second Artillery Corps), responsável pelas armas nucleares terrestres, também conhecido como PLASAF (People’s Liberation Army Second Artillery Force, Segunda Força de Artilharia do Exército de Libertação do Povo), está localizado em Xishan, nas colinas a oeste de Beijing, de onde as ordens originam.

A comunicação direta com as seis bases de lançamento da PLASAF é transmitida através da sede do SAC e seu regimento de comunicações. No nível político, a autorização final para usar armas nucleares está sujeita ao comando da Comissão Militar Central.

Apenas o presidente da comissão tem o poder de emitir uma ordem para usar tais armas após os principais líderes chegarem a um consenso sobre o assunto. No entanto, é provável que tal decisão exija uma decisão de consenso com a Comissão Militar Central e outros altos militares mais idosos. Em tempos de guerra, um sistema que permite comunicações diretas, sem a participação de escalões comuns em tempos de paz, estaria em vigor, com o comando central comunicando-se diretamente com as unidades com armas nucleares.


*Bacharel em Ciências Aeronáuticas (Universidade do Sul de Santa Catarina – UNISUL), pesquisador do Núcleo de Estudos Sociedade, Segurança e Cidadania (NESC-UNISUL) e pós-graduando em Engenharia de Manutenção Aeronáutica (Pontifícia Universidade Católica de Minas Gerais – PUC/MG). Único colaborador brasileiro regular das publicações Air Forces Monthly, Combat Aircraft e Aviation News.

25
Deixe um comentário

avatar
14 Comment threads
11 Thread replies
0 Followers
 
Most reacted comment
Hottest comment thread
20 Comment authors
RODRIGOcarvalho2008Renato B.HeliR_CORDEIRO Recent comment authors
  Subscribe  
newest oldest most voted
Notify of
Leo Neves
Visitante
Leo Neves

Bem curta as pernas desse H-6 , subsônico , é um bombardeio bem “fraco” . Comparado ao Tu-22M3M que teve o vôo do seu primeiro protótipo a pouco tempo esse H-6K fica muito atrás.
E aquela história da compra da linha de produção do Tu-22 pelos chineses?

Sérgio Santana
Visitante
Sérgio Santana

Leo, o “Backfire” permanece algo exclusivamente russo, apesar de ser oferecido para exportação…

Leo Neves
Visitante
Leo Neves

Nos dias de hoje ainda é interessante ter um bombardeio do estilo do Backfire? Acho ele incrível , mas não seria muito vulnerável por não ser stealth e ser muito grande ?
Dizem que ele poderá lançar o Kinzhal como o MIG-31.

Renato B.
Visitante
Renato B.

Um bombardeio desse tamanho capaz de velocidade supersônica tem uma vantagem, seus mísseis e bombas tem uma velocidade de saída muito maior. Já faziam isso com o Tu-22 Blinder.

Em 1986 um Tu-22 líbio, em retaliação à operação francesa Épervier, atacou o aeroporto de N’Djamena voando a baixa altitude, ao chegar perto do alvo acelerou para Mach 1 subiu e liberou três bombas que acertaram o aeroporto com grande precisão. Na guerra Irã-Iraque os Tu-22 também foram usados para soltar bombas em trajetórias balísticas. Mesmo com grande velocidade e altitude os ataques eram precisos.

Samuca
Visitante
Samuca

(Quase) qualquer matéria em relação as forças militares chinesas, tendem a obsolecência – não estou vaticinando que esta seja – dado as profundas mudanças ordenadas pelo governo e que estão em curso já faz quase uma década, visando torná-la mais profissional. Por exemplo, segundo uma matéria da imprensa chinesa, porém não dos veículos da mainland, se não estou enganado, do South China Morning Post, de HK, o governo chinês já estudaria derrubar essa medida de só empregar armas nucleares num conflito caso fosse atacado primariamente por essa mesma arma pelo Estado inimigo. E…sobre bombardeiros chineses, certamente todos os entusiastas sobre… Read more »

Sérgio Santana
Visitante
Sérgio Santana

Pois é, mas enquanto as mudanças ainda não vigoram, ainda a política anterior fica valendo…

carcara_br
Visitante
carcara_br

Quem diria, das potências nucleares vistas até agora a china possui a atitude mais responsável, não as adotando como meio ofensivos e nem pretendendo seu uso numa guerra convencional.

Foxtrot
Visitante
Foxtrot

Imagino 6 unidades de bombardeiros estratégicos baseados no ERJ-19O E2 ou de maior dimensões.
Isso se não tivéssemos doado a Montar por uma pedrinha colorida rsrs.
Quem sabe o GF não inseri e um conglomerado de empresas aeronáuticas nacional ?
E uma forma de incentivo viria em forma de um programa nacional de desenvolvimento e aquisição, tais como bombardeios estratégicos, cargueiros, Jstar,s , Awack,s etc.
Empresas como Avibras, Mectron, Flight tecnologias, Aviônica Brasil, Desaer, Ximango etc etc
Estariam aptas a fazer parte desse conglomerado.

Guacamole
Visitante
Guacamole

Não vou entrar na parte ideológica (que as vezes os comentaristas da Tríade entram) nem vou entrar nas especifidades técnicas do bombardeiro.

Meu post é só para dizer “mas que bombardeiro bonito esse”.

Sério. Aviões como esse e o antigo “Handley Page Victor” me chamam a atenção mais pelo design do que qualquer coisa.

R_CORDEIRO
Visitante
R_CORDEIRO

Exatamente o que eu pensei. Muito bonito mesmo, além de aparentemente uma funilaria e pintura impecáveis.

PauloSollo
Visitante

Creio que o maior problema da China em relação aos seus meios é a sua incapacidade de desenvolver projetos próprios, com seu próprio DNA. Ficam limitados a clonar velhos projetos soviéticos que se demonstram muito inferiores ao que há em outros países. Todo país que desenvolveu uma indústria aeronáutica de respeito o fez graças aos esforços criativos de seus engenheiros e projetistas, e apesar de muitas soluções serem adotadas por todos, cada um deles tem sua tradição aeronáutica com características que as diferenciam umas das outras. É estranho que a China, que têm uma cultura muito rica e milenar, não… Read more »

Clésio Luiz
Visitante
Clésio Luiz

Eles estão preparando seu bombardeiro stealth semelhante ao B-2. Foi divulgado uma imagem ano passado.

Recruta zero
Visitante
Recruta zero

Vai se chamar Pig’s spirit.

Ricardo Bigliazzi
Visitante
Ricardo Bigliazzi

Vamos ver a copia do B-2 que andam a fazer, o resto é apenas resto.

Wagner
Visitante
Wagner

Sérgio, parabéns pelas matérias! Tenho uma dúvida: se o H6K não carrega armas internas e o bomb bay foi recheado com tanques de combustível, entre outros ítens, esse combustível a mais não se traduz em maior alcance?

Antunes 1980
Visitante
Antunes 1980

Isto prova que mesmo a China com seus bilhões, não conseguem desenvolver bombardeiros de um nível superior.
E quando o H-6 sair de serviço, qual será o seu substituto?

kevinbuenuu
Visitante

Pelas imagens vazadas do novo bombadeiro stealth chinês H-20, este será o substituto.

Rafael M. F.
Visitante
Rafael M. F.

Não se deixem enganar pelo aparentemente antiquado design do H6K. Um ataque de saturação de meia dúzia desses bombardeiros com mísseis de cruzeiro pode causar sérios problemas para um Carrier Group.

R_CORDEIRO
Visitante
R_CORDEIRO

E com certeza uma esquadrilha desses patos, que devem brilhar mais que vaga-lume na capoeira diante dos radares, não teriam nenhuma resposta. A guerra é um inferno meu amigo e nenhuma certeza existe neste cenário.

Dito isso, que baita aviounzinhus bunitos estes.

Peter nine nine
Visitante
Peter nine nine

Gostei muito do avião, tem um ar bem lindo, pena o alcance não ser o melhor para a missão que cumpre. Usado da melhor maneira dentro do seu leque operacional e o h6 torna se bem interessante. Gostei. Aparentemente, e atenção que isto não é para provocar ninguém ou sequer escolher lados, mas, os EUA parece que são mesmo, a nação mais agressiva a nível nuclear do mundo, sao os que mais se patrocinam nesse aspecto, são os que mais atenção dão ao seu arsenal e são também os que teem um protocolo de lançamento rápido, simples mas também seguro… Read more »

R_CORDEIRO
Visitante
R_CORDEIRO

EUA por sua política mais transparente (hj em dia) faz com que tenhamos acesso aos seus protocolos, apontamento de possíveis inimigos, política a longo prazo da utilização nuclear e balística. Assim sendo, aliada a sua grande capacidade de investimento e seus orçamentos anuais amplamente divulgados, passa realmente como vc disse, uma impressão mais belicista, contudo há de se concordar que não se tem a devida proporção dos orçamentos, investimentos e estratégias a longo prazo de outros países, mesmo europeus, quanto mais chineses e russos sobre o tema, o que nos leva a crer numa política menos armamentista e mais “humana”,… Read more »

Heli
Visitante
Heli

A missão desse bombardeiro é a de lançar suas armas, misseis de longo alcance, numa distancia segura dos alvos. Não é como a missão inicial do B1, ou do Tu160, de penetrar nas defesas inimigas. E isso, assim como o B52 e o Tu95, ele tem condições de realizar bem.

Foxtrot
Visitante
Foxtrot

Impressionante, os caras estão fazendo Stones ucav sthealt , bombardeios sthealt , caças e uma infinidade de tecnologias que nos Brasileiros ainda nem sonhamos em desenvolver, seja copiando ou não.
E ainda tem gente aqui que ” come mortadela e que arrotar caviar”.
Eita povinho viu!

carvalho2008
Membro
Famed Member
RODRIGO
Visitante
RODRIGO

Mais uma excelente matéria, assim como as outras correlacionadas. Parabéns!