Home Aviação de Ataque Saab negocia segundo lote de caças Gripen E com o Brasil

Saab negocia segundo lote de caças Gripen E com o Brasil

51314
304
Saab Gripen E 39-9
Saab Gripen E 39-9, segundo avião de testes, decolando para o primeiro voo

A Saab continua a progredir bastante com seu programa Gripen E, com o executivo-chefe Hakan Buskhe revelando que lançou a produção em série do caça no início deste ano.

Falando durante uma apresentação anual de resultados em 15 de fevereiro, Buskhe disse que o avanço do programa foi feito “na primeira semana de janeiro”. A Saab está sob contrato para produzir 60 exemplos do tipo de nova geração para a Força Aérea Sueca e 36 exemplos de modelos E/F em parceria com a Embraer para o Brasil.

Após as primeiras entregas agendadas para ambos os clientes antes do final do ano, espera-se que o Gripen E esteja disponível para uso na Suécia a partir de 2021, de acordo com a administração do material de defesa FMV de Estocolmo. A capacidade operacional inicial foi definida anteriormente para 2023.

Enquanto isso, Buskhe confirma: “Estamos discutindo um novo lote para o Brasil”, e sugere que a aquisição subseqüente possa ser feita por volta de 2021 ou 2022. O comandante da Força Aérea Sueca também indicou recentemente o interesse de seu serviço em potencialmente adquirir outro lote de 60 do tipo, ele observa.

Outras oportunidades de exportação também estão sendo observadas pelo caça monomotor. “Acabamos de entregar nossa proposta à Suíça e Finlândia, e estamos em discussão com o Canadá”, disse Buskhe. A Saab também está olhando para as exigências da Croácia, ele confirma, depois que a planejada aquisição de Lockheed Martin F-16s colapsou recentemente.

A proposta da Saab para a Finlândia totaliza 64 Gripen E/Fs, enquanto a Suíça está sendo oferecida 30 ou 40 exemplares de assento único. As decisões de aquisições de ambas as nações são esperadas por volta de 2021.

Respondendo a uma pergunta sobre a disposição da empresa sueca de colaborar em futuros programas europeus de aviões de combate, Buskhe diz que até agora não viu detalhes sobre um projeto franco-alemão recém-lançado. No entanto, ele confirma que teve “discussões muito proveitosas com o Reino Unido e parceiros” sobre o conceito Tempest.

Primeiro Gripen brasileiro em montagem final
Primeiro Gripen brasileiro em montagem final na Suécia
Visão em corte dos principais sistemas do caça Gripen E (clique na imagem para ampliar)
Visão em corte dos principais sistemas do caça Gripen E (clique na imagem para ampliar)

FONTE: FlightGlobal

Subscribe
Notify of
guest
304 Comentários
oldest
newest most voted
Inline Feedbacks
View all comments
Thomaz Alves
Thomaz Alves
1 ano atrás

Extremamente necessário!

Paulo Costa
Paulo Costa
Reply to  Thomaz Alves
1 ano atrás

Com certeza …

Eu acredito que a FAB vai comprar um 2º lote tambem de 36 aeronaves e esse contrato sera assinado em 2022

E na minha opinião e eu espero que a FAB faça isso e distribuir os gripens em 03 regioes do Brasil por exemplo:

24 em Anápolis (centro-oeste)
24 em fortaleza ou recife (nordeste)
24 em canoas (sul)

Centralizando os F-5M em santa cruz/RJ e os AMX em santa Maria/RS

Dodo
Dodo
Reply to  Paulo Costa
1 ano atrás

Paulo, as bases aéreas de Fortaleza e Recife são bases de desdobramento e logística, não bases operacionais. A base operacional do Nordeste a qual estes aviões poderiam ficar sediados, é na base aerea de Parnamirim, mas proximidades de Natal(RN)

Paulo Costa
Paulo Costa
Reply to  Dodo
1 ano atrás

Dodo … obrigado pela resposta !!!

Eu so citei essas bases por não terem unidades aéreas em operação
(que eu saiba) e como forma de levar a defesa aérea para o nordeste.

Minha pergunta seria se nessa base aérea de natal ja não tem unidades aéreas operando ? daria para criar mais um esquadrão de caças la ?

Sds

Dodo
Dodo
Reply to  Paulo Costa
1 ano atrás

Nada Paulo! Estos aqui pra isso mesmo.
Em relação a sua 2 pergunta, acho difícil, visto que no momento ambas bases aereas mencionadas por você, nada mais são do que “anexos” dos aeroportos de Fortaleza e Recife, não possuindo nada mais do que alguns galpões e instalações logísticas(assim como a “bases aereas” de Guarulhos, de Santos, de Brasília, etc…). Por isso que a base aerea realmente mais própria para isso, no nordeste, seria a de Parnamirim( 100% uso militar, com ampla experiência em operação de caças, contando com a adequada infraestrutura de logística e de defesa das aeronaves)

Flanker
Flanker
Reply to  Dodo
1 ano atrás

Dodo, só uma correção: a antes denominada Base Aérea de Brasília não está na mesma condição das Bases de São Paulo, Santos, etc, pois Brasília hoje é a Ala 1, e sedia o GTE e o 6° ETA, ao passo que Santos, São Paulo, Recife, Fortaleza, etc, não sediam nenhuma unidade aérea.

leo
leo
Reply to  Dodo
1 ano atrás

Por favor. Você pode me esclarecer uma dúvida? Pq pagamos a transferência de tecnologia? Eu ignorante mente pensava q após ter comprado os 36, a própria Embraer, junto a FAB, iriam produzir o restante. Mas como funciona esse contrato? A SAAB q irá produzir na fábrica da embraer em SBC? Toda a aviônica será brasileira?

Felipe S
Felipe S
Reply to  leo
1 ano atrás

15 caças do primeiro lote mais eventuais compras futuras serão totalmente montados no Brasil, esta compra de 36 prevê 40% de nacionalização da parte sensível do caça e 70% da estrutura. Assim como houve com o AMX , teremos o conhecimento do projeto, o know-how para construir, integração de sistemas, etc, mas partes do caça ainda serão produzidas na Suécia. Os suecos não podem transferir tecnologia do motor por exemplo por ser americano. Os suecos tem condições de desenvolver um motor mas sairia caro e levaria tempo , não se justificando para sua demanda de 60-120 caças. Pela mesma razão… Read more »

leo
leo
Reply to  Felipe S
1 ano atrás

Obrigado pela sua disposição e uso de seu tempo pelo esclarecimento. Já me deu uma noção.

Evaldo
Evaldo
Reply to  Dodo
1 ano atrás

Boa noite Paulo perdoe a minha ignorancia nao poderia ser na base aerea de salvador?

Paulo Costa
Paulo Costa
Reply to  Evaldo
1 ano atrás

Ótima pergunta para os especialistas responder, porque tem questões de pista e infraestrutura para analisar.

José Airton
José Airton
Reply to  Evaldo
1 ano atrás

Evaldo, Salvador, assim como FTZ e REC passou pelo processo de “desativação operacional” digamos assim. Ficou como base de desdobramento. Aeroporto civil junto, alto tráfego aéreo, tudo isso pesa. Hoje, a Base Aérea de Parnamirim RN seria a mais adequada para um esquadrão de defesa aérea voltada para o Atlântico e a costa, juntamente com Santa Cruz RJ.

Paulo Costa
Paulo Costa
Reply to  Dodo
1 ano atrás

Vlw Dodo, ótimos esclarecimentos

Rinaldo Nery
Rinaldo Nery
Reply to  Paulo Costa
1 ano atrás

Recife não tem e não terá mais nada além do CINDACTA 3. A área militar foi cedida à INFRAZERO por meio de acordo.

Francisco Ângelo Gomes Chaves
Francisco Ângelo Gomes Chaves
Reply to  Paulo Costa
1 ano atrás

Você está esquecendo da imensa região amazônica. Manaus é um local estratégico para a defesa da Amazônia Ocidental.

Celso
Celso
Reply to  Francisco Ângelo Gomes Chaves
1 ano atrás

Se me recordo, Manaus ja tem esse status de base aerea e conta com os F 5 E….alias, parnamirim fica onde mesmo ?

Adriano Madureira
Adriano Madureira
Reply to  Celso
1 ano atrás

Rio Grande do Norte, Parnamirim é conhecida também pelo apelido de trampolim da Vitória.

Norberto
Norberto
Reply to  Adriano Madureira
1 ano atrás

Caros, que bom que foi lembrado que Parnamirim foi o trampolim da vitória! Só precisa de recursos para restaurar o imobilizado abandonado nestes últimos anos. Passo na frente e me parte o coração

Flanker
Flanker
Reply to  Celso
1 ano atrás

Celso, Manaus tem status de base aérea há muito tempo….e hoje não é mais uma base e sim, a Ala 8. Sedia os F-5M do Pacau, os H-60 do Harpia e os C-98 e C-95M do 7° ETA.
Quanto à denominação da localização da Ala 10, realmente ela se localiza em Parnamirim, mas oficialmente era considerada como BANT – Base Aérea de Natal, hoje é a Ala 10, de Natal/RN. Nunca houve a denominação de Base Aérea de Parnamirim (talvez, apenas na época da 2ª GM).

Rinaldo Nery
Rinaldo Nery
Reply to  Flanker
1 ano atrás

Esqueceu dos C-105 Amazonas do 1°/9° GAV.

Flanker
Flanker
Reply to  Rinaldo Nery
1 ano atrás

Exato, Rinaldo…..esqueci do Arara! Justo a Nidade em que seu filho serve…
Escrevi de cabeça e não lembrei…

Felipe S
Felipe S
Reply to  Flanker
1 ano atrás

Também é sede de um grupo antiaéreo da FAB com mísseis IGLA-S e radares SABER-60. Os outros grupos são em Anápolis e Canoas. Se estuda criar um em campo grande e outro em santa cruz no RJ.

Andrew Martins
Reply to  Paulo Costa
1 ano atrás

Cara, se for mais 36 acho que não vai ser essa disposição de caças. Imagino algo mais como 24 em Anápolis para 2 esquadrões, 16 em Santa cruz, 16 em Canoas e por fim 16 em Manaus.

Ricardo
Ricardo
Reply to  Andrew Martins
1 ano atrás

Não se esqueça que o projeto inicial são 108 caças.

Paulo Costa
Paulo Costa
Reply to  Andrew Martins
1 ano atrás

Com exceção de santa cruz, porque se tivéssemos defesa aérea no sul, centro-oeste e norte, teríamos uma boa disposição de forças em todo o País…e se tivesse uma base no nordeste ficaria melhor ainda.

Não precisamos de aviação de caça no Rio de Janeiro, visto que a Marinha do rio de janeiro, poderia cuidar da defesa aérea integrada com a FAB nessa região, só basta ter recursos para comprar novos caças ou em ultimo caso Modernizar/Revitalizar/potencializar de Verdade todos os seus obsoletos caças A4-AF1 pra essa finalidade especifica.

Rinaldo Nery
Rinaldo Nery
Reply to  Paulo Costa
1 ano atrás

Para o cumprimento do Alerta DA, o VF-1 precisará cumprir as normas e padrões de eficiência estabelecidos pelo COMAE, que é da FAB. Tem que combinar com os russos.
Pergunta: esse avatar, você é do EB? Posto, serve aonde…

Helio Pereira
Helio Pereira
Reply to  Paulo Costa
1 ano atrás

E mais uns 100 em SÃO PAULO

Fred Paiva
Fred Paiva
Reply to  Paulo Costa
1 ano atrás

Pergunta de leigo. Uma base aérea tão próxima da fronteira como Canoas, não deixaria os Gripens expostos a ataques terrestres?

jose luiz esposito
jose luiz esposito
Reply to  Fred Paiva
1 ano atrás

Ataques dos nossos amigos e irmãos argentinos e uruguaios , vamos acordar, nossos inimigos não estão em nosso Continente ,assim seremos e estaremos expostos , pensamos em Defesa para desfiles militares ou demonstrações aos nossos amigos , mas vulneráveis como sempre estivemos

Ghutoz
Ghutoz
Reply to  jose luiz esposito
1 ano atrás

Amigo e irmão só se for seu! Ambos não são ameaças pq financeiramente não tem dinheiro nem para abastecer, deixa esses hermanos darem uma melhoradinha que logo logo põe as asinhas de fora “novamente”.

jose luiz esposito
jose luiz esposito
Reply to  Ghutoz
1 ano atrás

KKKKKKKKKK a Praça é Nossa é no SBT e não aqui !

Marco Antônio
Marco Antônio
Reply to  Paulo Costa
1 ano atrás

E o Norte?

Acácio José de Morais
Acácio José de Morais
Reply to  Paulo Costa
1 ano atrás

Para o Brasil hoje ter condições de defender a nossa soberania, teríamos que ter pelo menos uns 200 caças de ultima geração: Nossos caças estão obsoletos ultrapassados devido aos governos que não investiram em nossas forças armadas: Ainda bem que agora tudo mudou,

Fabio
Fabio
Reply to  Paulo Costa
1 ano atrás

Os F5 e AMX serão aposentados.
Já deu ne ???

Eduardo laguna
Eduardo laguna
Reply to  Fabio
1 ano atrás

Estão obsoletos a pelo menos 15 anos….

Luiz Henrique
Reply to  Paulo Costa
1 ano atrás

Paulo acredito que seja melhor colocar no Sul, Centro Oeste e Norte, os F-5 serão aposentados, li em um site que o primeiro F-5 deve ser aposentado ainda neste ano, só não sei se é real, não me lembro da fonte agora. Só que não é bom ficar contando com os Mikes, o pensamento a longo prazo deve ser traçado a partir de agora, e ir encostando os F-5.

Bardini
Bardini
1 ano atrás

Aliás, veja que 2021 e 2022 é o tempo certo… Pq? Pq até ajeitar tudo e jogar serviço para a linha de produção, vai bater com o término dos trabalhos do primeiro lote.
.
“A proposta da Saab para a Finlândia totaliza 64 Gripen E/Fs”
.
Pelo o que vi, são 52 E e 12 F…

Lucas Schmitt
1 ano atrás

Não seria melhor testar o gripen em solo brasileiro a exaustão para então decidir se vai adquirir um segundo lote ou não? Umidade, temperatura, condições de pista, tudo isso é diferente daqui para a Suécia. Óbvio que eles testaram tudo isso em laboratório e até na própria Suécia, mas não é a mesma coisa que colocar em prática nas nossas terras.

Fernando Garcia
Fernando Garcia
Reply to  Alexandre Galante
1 ano atrás

Rsrsrsrsr

Cinturão de Orion
Cinturão de Orion
Reply to  Alexandre Galante
1 ano atrás

São os mesmos que negativam a todos.

SPQR
SPQR
Reply to  Cinturão de Orion
1 ano atrás

Ah não, dessa vez eu negativei o Galante só pra zoar. rs

Cinturão de Orion
Cinturão de Orion
Reply to  SPQR
1 ano atrás

KKKKK. Tá perdoado (e salvo), SPQR.

Conan
Conan
Reply to  SPQR
1 ano atrás

Eu também, não resisti. kkkk

Theo Gatos
Theo Gatos
Reply to  Alexandre Galante
1 ano atrás

Hahahahahah morri de rir!!! É mais fácil um camelo passar pelo buraco de um alfinete do que quem negativa o editor entrar no reino dos céus… PA [16:02]
.
😜😜

ISMAEL AZAMBUJA ROCHA
Reply to  Theo Gatos
1 ano atrás

É no buraco da Agulha, e não é uma agulha de costura. Kkkkkk

Joao Moita Jr
Joao Moita Jr
Reply to  ISMAEL AZAMBUJA ROCHA
1 ano atrás

So que o buraco é mais embaixo… Rs

Tomcat4.0
Tomcat4.0
Reply to  Theo Gatos
1 ano atrás

Só pra constar, o “camelo” mencionado na Bíblia é um tipo de corda e não o bicho.rs
Rachei de rir aqui tbm ,Galante bobo!!!kkk

Elezer Puglia
Elezer Puglia
Reply to  Tomcat4.0
1 ano atrás

Não, o camelo da hipérbole usada por Jesus é o bicho mesmo. Houve quem sugerisse que a palavra poderia representar “corda“, ou “cabo“, mas mesmo uma análise etimológica superficial do texto original confirma que era o bicho.

Antônio Carlos Sandoque
Antônio Carlos Sandoque
Reply to  Theo Gatos
1 ano atrás

E alfinete tem buraco? kkkkkkkk

Leandro Costa
Leandro Costa
Reply to  Alexandre Galante
1 ano atrás

Caro Galante, Jesus está ocupado demais tentando convencer Brasília à nos presentear com um segundo lote de Gripens. Lamento hehehehe

MBP77
MBP77
Reply to  Alexandre Galante
1 ano atrás

Galante… chorei de rir com o 2° comentário… kkkkkk

Antonio Palhares
Antonio Palhares
Reply to  Alexandre Galante
1 ano atrás

” Jesus disse. Perdoai-vos. Eles não sabem o que fazem.”

Farroupilha
Farroupilha
Reply to  Alexandre Galante
1 ano atrás

kkkkkkkk! Negativar o Galante só por zoeira.
Mas, tem neguinho aqui que daria negativo até para uma vizinha, miss bumbum de fio dental na piscina da sua casa, em plena visita da patroa e da criançada na casa dos avós.

Eduardo
Eduardo
Reply to  Alexandre Galante
1 ano atrás

kkk+1000kkk

Luiz Trindade
Luiz Trindade
Reply to  Alexandre Galante
1 ano atrás

Kkkkkkkk… Essa foi boa Alexandre Galante… kkkkkkkkk

Thiago Telles
Thiago Telles
Reply to  Alexandre Galante
1 ano atrás

Kkkkkkk

Carlos Campos
Carlos Campos
Reply to  Alexandre Galante
1 ano atrás

kkkkkkkkkkkkk

Joao Moita Jr
Joao Moita Jr
Reply to  Alexandre Galante
1 ano atrás

Galante, quando é o seu aniversário?

Cirqueira
Cirqueira
Reply to  Alexandre Galante
1 ano atrás

KKKKKK

Juarez
Juarez
Reply to  Alexandre Galante
1 ano atrás

Disseste bem, o Gripen, como estamos falando do Gripen NG, então estamos comparando lagartixa com lagarto, são diferentes. Galante, é melhor aguardar o IOC para depois afirmar.

Carlos Alberto Soares
Carlos Alberto Soares
Reply to  Juarez
1 ano atrás

2022 é o start

Marcos10
Marcos10
Reply to  Alexandre Galante
1 ano atrás

Teve um tempo atrás em que os europeus resolveram chutar gato morto e os Gripens tiveram alguns problemas em clima quente.

Bardini
Bardini
Reply to  Marcos10
1 ano atrás

Aquilo lá foi problema de logística. Os Suecos se mobilizaram em menos de 24 horas depois que o parlamento decidiu entrar na operação. Aí chegaram lá, para operar e não tinha combustível:
.
https://www.thelocal.se/20110407/33058
.
Os Gripens ainda voaram 650 surtidas e coisa de 2.000 horas…

Junior
Junior
Reply to  Marcos10
1 ano atrás

Os tailandeses gostam muito dos seus gripens e só não compram mais por falta de orçamento para tanto, nunca li qualquer queixa deles sobre seus gripens no clima quente e húmido da Tailândia

Adriano Madureira
Adriano Madureira
Reply to  Junior
1 ano atrás

E compraram eles usando dólares e commodityes… Fazendo o famoso escambo.

Sérgio Luís
Sérgio Luís
Reply to  Alexandre Galante
1 ano atrás

Galante alguns gripen da África do Sul não estão encaixotados em containers!?

Gonçalo Jr.
Gonçalo Jr.
Reply to  Sérgio Luís
1 ano atrás

Não. Estão acondicionados em hangares e sendo mantidos pelas equipes de terra inclusive com acionamento de motores ocasionalmente. Apenas não estão sendo usados operacionalmente devido a falta de verbas mesmo.

Sidy
Sidy
Reply to  Gonçalo Jr.
1 ano atrás

Estes Gripens sul-africanos parados não seriam uma opção para nós? Digo, para operarmos temporariamente em função da baixa dos F-5M, até a entrada dos nossos Gripens? Afinal, já trouxemos Impalas deles no passado, não?
Me preocupa o estado dos nossos F-5M e o tempo que passará até termos uma quantidade suficiente de Gripens NG.

CosmeTrindade
CosmeTrindade
Reply to  Alexandre Galante
1 ano atrás

Os da AS não servirão de parâmetro, pois tem sido pouco utilizados por questões econômicas, com 2/3 da frota parada por falta de recursos.

Robsonmkt
Reply to  Lucas Schmitt
1 ano atrás

Pelo o que a matéria afirma, deve ser isso mesmo que eles esperam que aconteça: a entrega do primeiro exemplar à FAB no final deste ano (2019) e um contrato para um segundo lote para 2021 ou 2022.

Sidy
Sidy
Reply to  Robsonmkt
1 ano atrás

Mas este primeiro Gripen feito para o Brasil vai vir para cá este ano? A certificação/FTI não vai ser feita na Suécia?

Flanker
Flanker
Reply to  Sidy
1 ano atrás

Pessoal, de uma vez por todas: já foi explicado exaustivamente isso por aqui, a FAB vai receber, na Suécia, o primeiro Gripen E em julho desse ano, para testes e certificações. A FAB receberá, em solo brasileiro, para equipar suas unidades aéreas, o primeiro Gripen em 2021!

Sidy
Sidy
Reply to  Flanker
1 ano atrás

Foi por isto que perguntei. Esta é a informação que eu conheço.

Altacyr Junior
Altacyr Junior
Reply to  Lucas Schmitt
1 ano atrás

O gripen usa um motor baseado no mesmo motor do Superhornet que opera em varias regiões do globo

Alex Nogueira
Alex Nogueira
Reply to  Altacyr Junior
1 ano atrás

Sem contar que o F-414 é um motor para operar na maresia constante rsrsrs.

Cristiano GR
Cristiano GR
Reply to  Lucas Schmitt
1 ano atrás

Cara a Tailândia opera o Gripen. Lá é clima tropical e a umidade, em todo o país, é igual a da Amazônia e já faz algum tempinho que eles voão por lá.

Sidy
Sidy
Reply to  Cristiano GR
1 ano atrás

Estão procurando pêlo em ovo…

colombelli
colombelli
Reply to  Lucas Schmitt
1 ano atrás

Lucas, rogando venia pra me meter, mas todas as aeronaves de alta performance não exaustivamente testadas em condições extremas, tanto de calor como frio, em parâmetros bem mais rígidos aliás dos que os que ordinariamente encontrarão na realidade. Observa a campanha de homologação do KC-390 e verás. Fico tranquilo que calor e umidade não será problema maior do que seria com qualquer outro modelo

Joel
Joel
Reply to  Lucas Schmitt
1 ano atrás

Também opera na Tailândia que é um país muito úmido.

willhorv
willhorv
1 ano atrás

O ideal seria + 48….24 para Manaus e 24 para os Pampas…
Creio que os primeiros 36 ficarão no planalto.
Daí poderia se finalizar com mais 24 para compor os anteriores….
O número mágico de 108 unidades…(3*36)…

Daniel
Daniel
Reply to  willhorv
1 ano atrás

Não faz sentido 36 células em Anápolis.

Matheus
Matheus
Reply to  willhorv
1 ano atrás

Um esquadrão de caça geralmente é composto por 12 caças, não 24.

Bardini
Bardini
Reply to  Matheus
1 ano atrás

O “ideal” seria entre 18 e 24 caças…

Melky Cavalcante
Melky Cavalcante
Reply to  Bardini
1 ano atrás

Não é muito pouco ? Afinal eles, futuramente, irão substituir todos os outros vetores à jato e sempre tem alguns em manutenção.

Bardini
Bardini
Reply to  Melky Cavalcante
1 ano atrás

Me referia ao número de caças por Esquadrão.

Melky Cavalcante
Melky Cavalcante
Reply to  Bardini
1 ano atrás

Entendi, obrigado.

JSilva
JSilva
Reply to  Bardini
1 ano atrás

18 caças por esquadrão está perfeito, se contratassem o segundo lote com mais 36 teríamos 72 no total, dá quatro esquadrões com 18 caças cada. Anápolis, Canoas ou Santa Maria, Santa Cruz e Manaus. Ainda faltaria Natal, que poderia concentrar os A-1 ou F-5 estantes.

Marcos10
Marcos10
Reply to  Matheus
1 ano atrás

11 para os suíços e 18 para os franceses.

Flanker
Flanker
Reply to  Matheus
1 ano atrás

Depende de qual Força Aérea consideramos: nos EUA e na França, pr exemplo, o normal são 18 células por esquadrão.

Matheus Santiago
Matheus Santiago
Reply to  Flanker
1 ano atrás

Uma dúvida de leigo:
Um esquadrão é formado por apenas um único vetor como bombardeiro ou caça ou são formados por vários segmentos da aviação militar?

Rinaldo Nery
Rinaldo Nery
Reply to  Matheus Santiago
1 ano atrás

Normalmente, no Brasil, somente um vetor. Mas o 2°/10° GAV, em Campo Grande, possui dois equipamentos: H-60 Black Hawk e SC-105 Amazonas. Mas a missão DEVE ser uma só. No caso, Busca, Salvamento e Resgate.

jose luiz esposito
jose luiz esposito
Reply to  Matheus
1 ano atrás

Esquadrão brasileiro não é !

guacyr soares
guacyr soares
Reply to  willhorv
1 ano atrás

Realmente acredito que devem haver unidades aéreas acima do Rio Amazonas, podem ser F-5M, AMX e ou Gripens, aquela região é muito desguarnecida via aérea, acho que a Marinha poderia encomendar um porta aviões de fundo raso para operar na Amazônia!

Gustavo
Gustavo
1 ano atrás

Aquilo que venho falando, até 2022 isso deve acontecer, se for antes, melhor.
Esse segundo lote deve ser igual em números totais, apenas tendo mais “Es” e menos “Fs”.
Acredito que vamos ficar na casa dos 80 Caças ao final das encomendas. Que já é um bom número.

Juarez
Juarez
Reply to  Gustavo
1 ano atrás

Até 2022 tudo pode acontecer, inclusive nada. Duvido que a FAB lance um novo RFP antes do NG estar plenamente operacional. Se, e tão somente se acontecer um novo RFP lá adiante não deverá ser superior a 24 anvs.
Porque 24:

Porque é o limite que a FAB a pau, a relho e a corda vai conseguir voar, manter e operar.
Sempre lembrando que ter, comprar, modernizar ou construir, não significa poder manter, voar, operar, navegar, dirigir e submergir.
Fatos ocorridos em um passado recente corroboram com minha afirmativa.

Bardini
Bardini
Reply to  Juarez
1 ano atrás

Eu estou apostando muito em 60 aeronaves (36 + 24).
.
E por mim, acho que fica mais ou menos por aí:
24 ficam em Anápolis
12 vão para Santa Cruz
12 vão para Manaus
12 vão para Santa Maria

Flanker
Flanker
Reply to  Bardini
1 ano atrás

E o Pampa, de Canoas? Se extingui?

Bardini
Bardini
Reply to  Flanker
1 ano atrás

Na boa. Sejamos bem francos… Vai ter cascalho pra continuar a manter essa loucura de ter um Esquadrão em Sta Maria e outro em Canoas?

Flanker
Flanker
Reply to  Bardini
1 ano atrás

Pois é, Bardini. Em tempos de reestruturação da FAB, não sei como não ventilaram ainda a desativação de uma das duas Alas do RS. E acho que não tem intenção de fazer isso. Quando as Alas foram criadas, eram 15 e hoje são 12. As Alas 13, 14 e 15 foram extintas. Se fosse ocorrer a extinção de uma das Alas do RS, não sei qual seria, mas se compararmos as instalações físicas da Ala 3 (Canoas) e Ala 4 (Santa Maria), veremos que a segunda tem instalações bem maiores, inclusive com 2 pistas e um grande hangar construído há… Read more »

Bardini
Bardini
Reply to  Flanker
1 ano atrás

Acho que vai continuar assim por um bom tempo, por conta dos AMX… Mas aí lá na frente, como faz se a grana não for suficiente pra comprar todos os novos caças que precisamos?
.
Eu citei Santa Maria pq é mais fora de POA e pela estrutura que tem e que ainda poderia ser muito ampliada, se necessário.

Juarez
Juarez
Reply to  Bardini
1 ano atrás

Não.

Gustavo
Gustavo
Reply to  Flanker
1 ano atrás

Dois esquadrões lado a lado para os novos tempos é meio que um gasto desnecessário…
Eu preferiria um esquadrão em Natal do que dois ao sul, talvez em Santa Maria unificando os esquadrões e com mais aeronaves, e em Natal um esquadrão mais modesto em números.
Gostaria de algo do tipo:
16 em Anápolis
12 em Santa Cruz
16 em Manaus
16 em Santa Maria
12 em Natal

Com o segundo lote de 36 unidades. Se houver um terceiro lote, acrescentaria proporcionalmente nessas bases.

Bardini
Bardini
Reply to  Gustavo
1 ano atrás

“Dois esquadrões lado a lado para os novos tempos é meio que um gasto desnecessário…” . Depende. Pra mim, concentrar dois Esquadrões com 12 caças, ou formar apenas um Esquadrão com 24 caças (ideal, no meu ver) em Anápolis é algo “inegociável”. Se economizaria muita grana com esse arranjo, mas além disso, Anápolis está no “centro do Brasil” e vai abrigar uma boa quantidade e capacidade logística, por conta dos KC-390. Ali é de onde deveriam partir as forças para se desdobrar e se dispersar para onde são necessários. . Manaus deveria ser uma força de pronta resposta, cuidando do… Read more »

Rafael_PP
Rafael_PP
Reply to  Bardini
1 ano atrás

Caro Bardini, com aquele projeto de base no “ponto geodésico” do país, os KC-390 não viriam a se concentrar nesta instalação?

Juarez
Juarez
Reply to  Bardini
1 ano atrás

Está corretíssima a tua afirmativa. Um número maior de anvs no esquadrão permitiria que se administrasse a diagonal de manutenção de forma mais tranquila.

Gustavo
Gustavo
Reply to  Bardini
1 ano atrás

Interessante Bardini
Sobre Campo Grande pensei também, mas a relativa proximidade com Anápolis me fez pensar que talvez devêssemos ter prioridade sobre Natal, para defesa do litoral dividindo a missão com Santa Cruz.
De fato o “losango defensivo” iria proporcionar uma forte defesa aérea para a região.
O que pensa sobre Natal ter seu esquadrão?

Leonel testa
Leonel testa
Reply to  Gustavo
1 ano atrás

Penso como vc Gustavo essa seria a minha formacao . E 18 A1 em Csmpo Grande

Dpatrick
Reply to  Bardini
1 ano atrás

E Canoas, RS?

RONEI MEDEIROS MIRANDA
RONEI MEDEIROS MIRANDA
Reply to  Dpatrick
1 ano atrás

Pelo que me falaram ,fecharam a base aérea de Santa Maria é verdade?? Tiraram todas às aeronaves de lá.

Cinturão de Orion
Cinturão de Orion
Reply to  RONEI MEDEIROS MIRANDA
1 ano atrás

Olá, Ronei. Fecharam a Base (estratégica) de Santa Maria? Essa é uma informação muito importante. Ajude a gente aí, Amigo: quem lhe falou isso? Você tem fotos ou algo que mostre que tiraram todas as aeronaves de lá? Ajuda aí.

Flanker
Flanker
Reply to  RONEI MEDEIROS MIRANDA
1 ano atrás

Ronei, quem te falou isso não sabe o que está falando…..talvez essa pessoa tenha confundido o “fim” da Base Aérea de Santa Maria, assim como de todas as outras bases da FAB, porque elas foram transformadas de Bases Aéreas em Alas. Te garanto que a Ala 4, antiga BASM, continua em funcionamento normalmente…..abrigando 2 esquadrões de A-1 (com 15 a 20 células entre os dois), 1 esquadrão de H-60 (com 6 aeronaves), 1 esquadrão de UAV/ARP (com 4 Hermes 450 e 1 Hermes 950) e 1 esquadrão de Comunicações e Controle (com radares aerotransportados).

José Airton
José Airton
Reply to  RONEI MEDEIROS MIRANDA
1 ano atrás

Prezado amigo, é preciso ter muita cautela com as colocações. A base de SM está equipada com todos os A-1, com H-60 B Hawk, com o esquadrão Hórus… Como poderiam desativar uma unidade assim na surdina? sem o menor sentido. Olhos atentos. Grande abraço

Junior
Junior
Reply to  Bardini
1 ano atrás

Se o segundo lote fosse de 36 caças, daria direitinho para colocar 18 caças nesses 4 esquadrões

Bardini
Bardini
Reply to  Junior
1 ano atrás

São “só” 12 caças a mais… Quem sabe.

Tutu
Reply to  Bardini
1 ano atrás

O que vai ser da nova base de Palmas – TO?

Celso
Celso
Reply to  Tutu
1 ano atrás

eu imagino o seguinte….esta a quase mesma distancia de todas as capitais do nordeste, esta a distancia do litoral (fato importante no caso de um ataque), pode ser um tremenda base de desdobramento tambem, enfim, pela localizacao , aliviando a futura pressao que anapolis possa sofrer em qualquer de utilizacao e ou emergencias. Deve ser muito mais que isso, mas deixo comentarios aos experts. rsrsrsr

Ronaldo
Ronaldo
Reply to  Celso
1 ano atrás

Gente Boa Noite,só pra tecer um comentário não tenho nada contra os caças Gripens eles são muitos extraordinário mas eu também gostaria de ver outros caças fazendo parte da FAB tambem como os F-16 pode até ser os block-40 ou 50 ou até mesmo uns F-15 strake Eagles que os EUA estão oferecendo ao Brasil juntamente com outros equipamentos tambem,esse é o meu comentário

Flanker
Flanker
Reply to  Junior
1 ano atrás

Se fossemos considerar os 108 Gripen sonhados pela FAB:
18 células no Pampa, no Grupo de Caça, no Pacau, no GDA, no Adelfi e no esquadrão resultante da fusão entre o Poker e o Centauro. 18 x 6 = 108

Moriah
Moriah
Reply to  Bardini
1 ano atrás

Tá mais realista que meus 108… e olha que a mente teima em pensar mais uns 24 operando no mar…hahah

Renato Cunha
Reply to  Bardini
1 ano atrás

Bom dia! Desculpa a “ignorância” mas talvez não precisaríamos de um esquadrão em Natal pra dar apoio aos P3? Obrigado….

Flanker
Flanker
Reply to  Renato Cunha
1 ano atrás

Os P-3 são baseados em Santa Cruz e não em Natal.

Gustavo
Gustavo
Reply to  Bardini
1 ano atrás

Acho que 60 é um número mais realista para o momento, o segundo lote deve ter no mínimo as 24 unidades, mas torço (e acredito que seja possível) para chegarem em 36. Pelo fator do valor unitário ser menor neste segundo lote, talvez isso ajude a chegar neste número. Acho que das 36, talvez incluam apenas mais umas 4 unidades biplace.
Alguém arrisca?
Vamos torcer!

Gonçalo Jr.
Gonçalo Jr.
Reply to  Bardini
1 ano atrás

Pode ser sim. E ficariam distribuídos dessa maneira:
.Anápolis: 20 Echo/4 Fox
.Santa Cruz, Manaus e Santa Maria: 10 Echos/2 Fox para cada esquadrão.

Salim
Salim
Reply to  Juarez
1 ano atrás

Exato, a estrutura tem que ser revista e aumentada, piloto de caça não é fácil e rápido de habilitar.
Segundo lote e prudente testar operacional 2/3 anos, mudou bastante coisa em relação ao ‘C’.

Fernandes
Fernandes
1 ano atrás

Os KC-390 vão entrar na negociação, conforme o Brasil ofereceu há alguns meses atrás?

Willber Rodrigues
Willber Rodrigues
1 ano atrás

Será, meu deus?
Caso se confirme, que delícia de notícia….

kornet
kornet
1 ano atrás

Um esquadrão de caça da FAB fica com quantas aeronaves 12,16,24 ou 36?

Juarez
Juarez
Reply to  kornet
1 ano atrás

Kornet, pode ser 12, 14, 6 ou oito, mas o número padrão seria de 18.

kornet
kornet
Reply to  Juarez
1 ano atrás

Certo Juarez,mas não dá pra FAB equipar 3 esquadrões ao invés de 2?
Não entendo essa distribuição, sem contar que o de Santa Cruz são 2 esquadrões.
Há muitos buracos na defesa aérea pra concentrar muitas aeronaves num esquadrão tendo tão poucas.

Rinaldo Nery
Rinaldo Nery
Reply to  kornet
1 ano atrás

Os dois Esquadrões de Santa Cruz existem somente no papel.

Matheus
Matheus
1 ano atrás

Muito bom! Se tivermos 96 Gripens nas minhas contas dá pra equipar nossos 8 esquadrões de caça com 12 cada.

Juarez
Juarez
Reply to  Matheus
1 ano atrás

Matheus, a FAB tem hoje seis esquadrões de caça da “primeira linha”, mas até 2022 deverá ter somente quatro.

Flanker
Flanker
Reply to  Juarez
1 ano atrás

Juarez, xirú véio! Hoje temos 2 Unidades de A-1 e 4 de F-5. A FAB já disse que irá reativar o Adelfi em Anápolis para operar o F-39. As duas Unidades de A-1 (Poker e Centauro) já operam atualmente de dorma compartilhada os A-1 ( não existem aeronaves dedicadas a cada esquadrão – a aeronave que está disponível para um esquadrão, está também para o outro). Assim, no futuro parece ser provável e previsto que as duas Unidades serão fundidas e se tornem um esquadrão só. Se você diz que até 2022 serão apenas 4 Unidades de primeira linha e… Read more »

Juarez
Juarez
Reply to  Flanker
1 ano atrás

Meu amigo, Flanker, Índio e gaudério da gloriosa Santa Maria da boca do monte. Ahh, a FAB dizer que vai reativar o Adelfi em AN, é mesma coisa que o meu cachorro latir para um caminhão velho FNM passando na rua. Gaudério, como tu bem sabes, vontade, verdade e realidade seguem caminhos distintos. O 1º do 10º deve ir para BACG e se tornar uma unidade de UAV, o 14 poderá ser extinto, o 3º do 10º poderá ser a unidade lá adiante quando o AMX der o “fim de curso” ser reequipado com NG, ficando AN, MN e se… Read more »

Flanker
Flanker
Reply to  Juarez
1 ano atrás

Juarez, amigo velho….a ideia de transferir o Poker pra CG é boa…teríamos uma segunda unidade de UAV e, naquela região, é de muita valia. Eu, particularmente, levando em conta a diferença de instalações hoje já existente, em favor de SM, e levando em conta também a bagagem histórica e de tradições do Pampa (criado em 1947) contra a história bem mais “recente” do Centauro (criado em 1978), se tiver que fazer mudança e extinção de Unidade Aérea, eu extinguiria o Centauro, reequiparia o Pampa com o Gripen e o transferia para SM…….mas, esse sou só eu, pensando com meus botões… Read more »

Dod
Dod
1 ano atrás

Olá gostaria de saber pq a (FAB) tem a maioria dos caças na região sul do país, ñ deveríamos coloca-los na região norte, pelo menos a grande maioria, onde representa uma ameaça maior ?

Bardini
Bardini
Reply to  Dod
1 ano atrás

A maioria dos caças não estão no sul…

Dod
Dod
Reply to  Bardini
1 ano atrás

Eu quis dizer caças supersonicos aeronaves “fighter”.Seria interessante ler uma materia sobre isso, para ver onde estão, igual no “Poder Naval”.Abraço.

Flanker
Flanker
Reply to  Dod
1 ano atrás

Dod, os esquadrões de caça de primeira linha da FAB estão divididos asssim: Região sul: Esquadrão Pampa – Canoas/RS – F-5M Esquadrão Poker – Santa Maria/RS – A-1 Esquadrão Centauro – Santa Maria/RS – A-1 Região sudeste: Grupo de Caça (esq. Jambock e Pif-Paf) – Sta. Cruz-Rio de Janeiro/RJ – F-5M Região centro-oeste: Grupo de Defesa Aérea (Jaguar) – Anápolis/GO – F-5M Região norte: Esquadrão Pacau – Manaus/AM – F-5M Nas unidades de F-5, em Canoas e Santa Cruz, a dotação é de cerca de 12 células cada e em Anápolis e Manaus, em torno de 8 células cada, enquanto… Read more »

Dod
Dod
Reply to  Flanker
1 ano atrás

Muito obrigado “Flanker”, pelo visto as regiões mais para o sul são bem mais protegidas do que a norte e o nordeste, como dizia meu professor da FAB “isso é dar as costas para o inimigo”.

Andrigo
Andrigo
Reply to  Dod
1 ano atrás

Talvez por que a maioria dos ativos mais estratégicos de indústria e infra-estrutura estão nestas regiões?

francisco
francisco
Reply to  Andrigo
1 ano atrás

E as reservas minerais e a produção de alimentos? estão mais concentradas no Norte e Centro-Oeste.
Sem comida, sem combustível e sem outros insumos não se sustenta uma guerra.

Sequim
Sequim
Reply to  Bardini
1 ano atrás

Bardini, vc já externou opinião de que é contra adquirir caças usados , mas não seria viável adquirir alguns f-15 ou f-16 dos estoques americanos para formar uma segunda linha de defesa? Gostaria de saber sua opinião para formar a minha em definitivo sobre o assunto.

Bardini
Bardini
Reply to  Sequim
1 ano atrás

Tem que comprar, modernizar, ajeitar a estrutura e o pessoal para aprender a operar e manter. É um gasto de tempo e dinheiro considerável e eu não vejo sentido em fazer isso, quando poderíamos estar financiando a aquisição de aeronaves novas, que durariam muito mais e seriam mais modernas e eficientes, contando ainda com cadeia logística em parte nacionalizada…

Sequim
Sequim
Reply to  Bardini
1 ano atrás

Mestre Bardini, grato pela resposta.

Foxtrot
Foxtrot
1 ano atrás

Não recebemos nem o primeiro lote ainda!

PauloSollo
Reply to  Foxtrot
1 ano atrás

Negociações envolvendo compra de armamentos podem ser demoradas e as entregas idem, ainda mais em se tratando do Brasil, portanto o quanto antes negociarem um novo lote melhor. Já é um alívio saber que não ficaremos em parcas 36 unidades, mas esperemos que passe das 100, ainda mais considerando que provavelmente serão usados por bem longa data e até o osso antes de decidirem substituí-los.

Foxtrot
Foxtrot
Reply to  PauloSollo
1 ano atrás

És vero!
Obrigado amigo.

Juarez
Juarez
Reply to  PauloSollo
1 ano atrás

Boa tarde. Você leu ou viu algum comunicado oficial da FAB que está negociando um novo contrato??
Não né, então qualquer afirmativa baseada em um cliping de fornecedor é mesma coisa que a Mãe Dinah receber uma irradiação. Eu não estou estou dizendo que não possa acontecer, mas vocês começam a tirar conclusões baseadas em opiniões e não em fatos.

PauloSollo
Reply to  Juarez
1 ano atrás

Se o executivo chefe da SAAB afirmou que “Estamos discutindo um novo lote para o Brasil”, como está na matéria, então estamos nos baseando num FATO. Você pode afirmar que ele é um mentiroso, mas você não têm nenhuma base para afirmar isto, e creio que ele não seria leviano a ponto de inventar algo assim. Portanto menos impulsividade e mais coerência amigo.

Flanker
Flanker
Reply to  PauloSollo
1 ano atrás

Só uma comparação simples:
A Embraer falou que Portugal iria comprar um lote de 5 ou 6 KC-390. O governo português falou que estava interessado e tal e coisa. Mas, o que aconteceu até agora? Nada! Pode ocorrer a venda? Pode. Assim como pode não ocorrer.
Eu prefiro acreditar em lotes adicionais quando esses estivrem acertados e com contratos assinados. Até lá a gente vai debatendo e colocando aquilo que acha mais adequado….mas, não passa disso por enquanto…exercício de futurologia!

ALEX ROCHA
ALEX ROCHA
1 ano atrás

Será ótimo se esta noticia se confirmar daqui a algum tempo. Bons ventos e céu de brigadeiro nos tragam esta noticia.

Leonardo Gama Souza
Leonardo Gama Souza
1 ano atrás

Se o Brasil conseguir fazer uma reforma decente da previdência, vai ser tranquilamente possível o segundo lote.

Jadson Cabral
Jadson Cabral
Reply to  Leonardo Gama Souza
1 ano atrás

A proposta tá muito boa. Agora só depende do congresso

Carlos Campos
Carlos Campos
Reply to  Jadson Cabral
1 ano atrás

por mim aumentava um ano para as mulheres, diminuía um ano para os homens

Flanker
Flanker
1 ano atrás

Agora, colocando os pés no chão (não muito, pois teríamos que contar com um segundo lote de 36), teríamos o mesmo número de esquadrões equipando, cada um, com 12 células.

Moriah
Moriah
1 ano atrás

Um bom número seria 108: 18 (Canoas), 36 (Rio), 36 (Brasília) e 18 (Manaus)

Maus
Maus
Reply to  Moriah
1 ano atrás

Não há caças em Brasília, somente em Anápolis.

Jadson Cabral
Jadson Cabral
1 ano atrás

Tão deixando a gente sonhar…

Jorge Augusto
Jorge Augusto
Reply to  Jadson Cabral
1 ano atrás

Eu adoraria colocar a imagem do Ronaldinho aqui

Maurício Benício de Carvalho
Maurício Benício de Carvalho
1 ano atrás

Excelente notícia. Mas querem apostar que com nossa imprensa vendida, irão noticiar que estamos nos armando pra invadir a Venezuela?

Maus
Maus
Reply to  Maurício Benício de Carvalho
1 ano atrás

Maduro não chega até 2021, a mídia vai ter que falar que vamos invadir Cuba.

Farroupilha
Farroupilha
1 ano atrás

Que venha logo o segundo lote de “36”, mas… A conta estratégica (FÁCIL) que tem que ser feita é de quantos caças um NAe inimigo transporta, e de quantos Nae o inimigo poderia deslocar aqui para o Atlântico Sul para nos atacar ou afrontar. Também tem que ser calculado o número médio de caças operacionais, tirando todos aqueles em manutenção e os dedicados à treinos. Óbvio que o número 36 para 4.489.919 km², apenas de superfície da Amazônia Azul, é insignificante, pois tirando os não operacionais desses 36, o que resta? (seriam apenas 15 operacionais?)… Esse punhadinho para defender o… Read more »

Flávio Henrique
Flávio Henrique
Reply to  Farroupilha
1 ano atrás

NAe americano GF 56
NAe americano 44
WASP/America 20/22
Type 001/001A 32
QEC 36
Cavour 16
CdG 34
A. Kuznesov 12
Vikramaditya 16

PS.: Os números se refere a quantidade de caças.

Alex Nogueira
Alex Nogueira
1 ano atrás

SAAB just in time!

Antonio Marcelo
Antonio Marcelo
1 ano atrás

Bom dia a todos. Alguém poderia dizer porque na região nordeste do Brasil não há esquadrão de caças ou se tem algum projeto de ter?

Adriano RA
Adriano RA
Reply to  Antonio Marcelo
1 ano atrás

Não tem porque o “cobertor é curto”. Ainda que não existam “ameaças” pelo fato da região não ter fronteiras com outros países, existe sempre a possibilidade de caças precisarem ser acionados para prestar auxílio a aviões comerciais com algum tipo de emergência. É uma pena não termos um ou mais esquadrões na região. O mesmo para as demais.

Cinturão de Orion
Cinturão de Orion
Reply to  Adriano RA
1 ano atrás

Caro Adriano. Não é uma questão de “cobertor”, e sim da mais simples “necessidade”, daí se justifica o fato mais do que sabido do … “por não ter fronteira com/ameaça de outros países”. Só não entendi que tipo de “auxílio” (imediato ou não) um avião comercial poderia precisar que um “caça” – um “CAÇA”, seria e/ou teria a solução: acompanhamento do tipo “cicerone caríssimo”? abate do avião com dezenas de pessoas dentro? E … pior, que justificasse o investimento de milhões ou bilhões em infraestrutura [Base(s)], em remuneração de pessoal (pilotos, mecânicos, operadores, administrativos, …, mais de uma centena, acho)… Read more »

Adriano RA
Adriano RA
Reply to  Cinturão de Orion
1 ano atrás

Apenas um de muitos e muitos exemplos : recentemente, em Portugal, dois F-16AM da Força Aérea Portuguesa foram acionados para prestar auxílio a um EMB-190 de uma empresa do Cazaquistão que acabara de passar por manutenção e apresentou problemas assim que decolou. Foram fundamentais para a segurança de todos.

Cinturão de Orion
Cinturão de Orion
Reply to  Adriano RA
1 ano atrás

A questão é a (des)necessidade dos “caças”. Não vejo que “auxílio por problema pós-manutenção” e tão “fundamental” poderia justificar serem acionados 02 F-16.

R. Brito
R. Brito
Reply to  Antonio Marcelo
1 ano atrás

Desculpa a minha ignorância. Mas, a região nordeste não seria a porta de entrada do Brasil para ameaças naval ou aérea. Então não seria importante ter uma base aérea com esquadrão de caças Gripen em Natal, Recife ou mesmo em Salvador?

Flávio Henrique
Flávio Henrique
Reply to  R. Brito
1 ano atrás

Só seria a porta de entrada para algum país do hemisfério norte ou do norte da África…

Maus
Maus
1 ano atrás

E também temos que entrar no desenvolvimento de um caça de sexta geração com outro país.

Leonel testa
Leonel testa
1 ano atrás

Eu acredito em 60 ou 72 F39 e acho que o idealseria 5 bases 3 com 16 cacas e 2 com 12 sendo 60 E 12 F colocaria 12 em natal e manaus e as outras seria santa maria anapolis e santa cruz e deixaria os A1 em campo grande

Gutemberg
Gutemberg
1 ano atrás

Uma dúvida, o Brasil comprou um lote de 36 caças incluindo transferência total de tecnologia, certo? Já que o Brasil vai produzir gripens os caças, não entendi porque encomenda mais um lote da Saab?

PauloSollo
Reply to  Gutemberg
1 ano atrás

O Brasil não comprou o projeto e sim o direito de produção, e o aprendizado desta, dos caças que comprou e dos que porventura consiga vender a outros. Mas obviamente terá que ter a aprovação da SAAB, dona do projeto, que também fornecerá componentes e receberá sua parte nas vendas.

Gonçalo Jr.
Gonçalo Jr.
Reply to  Gutemberg
1 ano atrás

A negociação que envolve este 2º lote provavelmente seria todo ele fabricado aqui. Se negocia com a SAAB porque é o normal que se faz afinal ela é a proprietária intelectual do projeto do caça mesmo que tenhamos participado.

Antunes 1980
Antunes 1980
1 ano atrás

Acredito que a escala será de 36 vetores iniciais, depois indo para 52 e por fim 64.
Acho que este número similar à Finlândia já nos dá segurança a médio prazo.
Com a influência russa e chinesa na região da América do Sul, precisamos estar preparados.
Parabéns SAAB e FAB pela ampliação da parceria.

Abel Fernando Martinho
Abel Fernando Martinho
1 ano atrás

Acredito que temos que temos que valorizar o caça que foi escolhido pela FAB para ser o nosso principal vetor e garantir a segurança nacional. Futuramente com a parceria que já está sendo desenvolvida pela Saab e a Embraer, logo teremos um outro caça de maior capacidade de ataque e de 6 geração. Os engenheiros brasileiros são muito criativos e vão garantir essa supremacia para os futuros caças brasileiros. Aproveitando o comentário, acredito que o Brasil através da FAB poderia pensar na possibilidade da aquisição de pelo menos (10) dez aviões A-380 para o transporte de tropas, considerando-se a vasta… Read more »

Adriano Luchiari
Adriano Luchiari
Reply to  Abel Fernando Martinho
1 ano atrás

A380 para transportar tropas para onde? No território nacional só os aeroportos do Galeão e Guarulhos comportam a operação dessa aeronave…

Tutu
1 ano atrás

Off#
O que vai ser da nova base de Palmas-TO

filipe
filipe
1 ano atrás

Ao total serão 108 Caças Gripen NG , 1º lote de 36 , 2º lote de 36 , 3º lote de 36 , e logo depois quem sabe 24 Gripen M para a MB, lá para 2030-2035, num total de 48 unidades para a MB, nesse caso serão 108 Gripens para a FAB e 48 Gripens para a MB, totalizando 156 aparelhos, e pensando no futuro caça de 5ª Geração , poderá ser o FS-2020 da SAAB, um desenvolvimento da SAAB + BAE + Boeing + Embraer , quem sabe a gente consiga um lote de 36 caças de 5ª… Read more »

Paulenir
Paulenir
1 ano atrás

Tô duvidando da chegada até do primeiro lote!

José Airton
José Airton
Reply to  Paulenir
1 ano atrás

Fala sério amigo. Sem querer ofender, explica para nós do grupo, tamanho negativismo. Tudo está sendo feito conforme o planejado.

Adriano RA
Adriano RA
1 ano atrás

O melhor é realmente esperar um pouco para fechar o segundo lote. Juarez falou da necessidade de esperar o IOC, o que é sensato, mas em especial devemos esperar os resultados das concorrências na Índia, Finlândia e Suíça. O motivo? O preço do segundo lote tende a cair se houver um número de compradores (encomendas) maior do que atualmente.

Bardini
Bardini
Reply to  Adriano RA
1 ano atrás

O IOC é em 2021… Vai dar tempo. E se estão discutindo segundo lote, é pq a coisa deve estar caminhando bem.

Carlos Alberto Soares
Carlos Alberto Soares
Reply to  Bardini
1 ano atrás

2022

Bardini
Bardini
Reply to  Carlos Alberto Soares
1 ano atrás

O cronograma estabelecido é 2021…
A SAAB diz que está tudo correndo conforme o planejado e não pediu mais tempo para cumprir sua parte.
.
2021 A FAB recebe 8+3 aeronaves.
.
Existe um contrato de suporte operativo de 5 anos, que foi assinado para ir de 2021 até 2026.
.
Então…
IOC será em 2021.
O FOC, a principio, será em 2024.

Juarez
Juarez
Reply to  Bardini
1 ano atrás

Só um detalhe;

Não está tudo correndo conforme, o programa está com um atraso de mais de um ano, admitido pela própria SAAB, o que diga-se de passagem é normal em um programa destes.

Manuel Flávio
Manuel Flávio
Reply to  Juarez
1 ano atrás

Não é verdade. Desde a assinatura do contrato o cronograma permanece o mesmo para a FAB.

FABIO MAX MARSCHNER MAYER
FABIO MAX MARSCHNER MAYER
1 ano atrás

Alvíssaras!

Bosco
Bosco
1 ano atrás

Um fato interessante ocorreu agora comigo. Fui dar uma pesquisada no Google se havia alguma notícia recente sobre o F-35 e só digitei F-35 e fui em “notícias”. Das 20 páginas mostradas 15 eram do Sputnik Brasil falando de defeitos no caças e citado “autoridades” sem nome para comprovar as alegações. rsrss
Da mesma forma procurei notícias do Su-35 e fui em “notícias” e haviam 7 do Sputnik Brasil, todas altamente elogiosas e repletas de adjetivos favoráveis ao caça. rsrssss
Perdão pelo off-topic.

Ivanmc
Ivanmc
Reply to  Bosco
1 ano atrás

Pois é, cada um puxa a brasa para para o seu assado.

Carlos Alberto Soares
Carlos Alberto Soares
Reply to  Bosco
1 ano atrás

Sputinices

CipherNine
CipherNine
Reply to  Bosco
1 ano atrás

Nossa mas o F-35 tá mais mídia que o neymar. Nada aver com a matéria e do nada ele aparece nos comentários…

tatsch
tatsch
1 ano atrás

Se o Gripen também vai para alguma base do Sul do Brasil futuramente? Bom sobre a ALA 4 , BASM está com obras de ampliação no patio operacional na linha de vôo (vejam no Google maps). Vi uma reportagem do jornal local em que falavam que a ampliação é para a vinda dos Gripen futuramente até 2022. Eu até acho que no futuro eles levarão o Esquadrão Pampa para lá e mandarão o Pantera e seus helicópteros para Canoas. Este papo que a Ala 4 vai fechar não procede. Eles estão construindo mais hangares, aumentando pátio operacional. É a mesma… Read more »

Juarez
Juarez
Reply to  tatsch
1 ano atrás

Prezado, o que poderá acontecer é que a BACO feche,o GCC, o ETA e a GAAD acabem indo para a BASM, e o 14 poderá ser extinto

Flanker
Flanker
Reply to  tatsch
1 ano atrás

Olha, moro em Santa Maria. Aqui não há o menor comentário sobre fechamento da Ala 4. As instalações são grandes (para os padrões da FAB), o pátio de estacionamento está sendo aumentado, sim (foi uma contrapartida pela cessão das instalações do aeroporto local para a prefeitura municipal, que o opera). Além disso, a região é ideal pelo quesito de baixo tráfego aéreo civil; é próximo do estande de tiro da FAB em Saicã, +/- 60 mn (lá há inclusive uma pista de pouso); a área ao redor da Ala 4 permite crescimento futuro, se necessário; Santa Maria sedia a 3ª… Read more »

Rinaldo Nery
Rinaldo Nery
Reply to  Flanker
1 ano atrás

Só a meteorologia que é uma bosta. No inverno fecha por nevoeiro, e só abre depois das 10:00h. Se o PAR der pau ninguém decola. Cumprir Alerta DA num aeródromo assim é difícil… Operei muito aí.

Flanker
Flanker
Reply to  Rinaldo Nery
1 ano atrás

Sim, Rinaldo. Aqui, desde meados do outono até fins do inverno o nevoeiro é comum……mas em Canoas também é! E lá, o Pampa tira alerta de DA 24/7.

Flanker
Flanker
Reply to  tatsch
1 ano atrás

Quanto à modernização dos A-1, a FAB assinou contrato com a Alenia no final de 2018 para suporte total à aeronave pelos próximos 5 anos. Na última Revista Força Aérea, o ex-comandante do Comaer, Nivaldo Rossato, confirmou que o programa de modernização do A-1 será de 14 células.

Flávio Henrique
Flávio Henrique
Reply to  Flanker
1 ano atrás

Muito interessante o número de celulas.. se você pegar o numero de Gripen E (28) e dividir de modo que fique ao menos 12 Aeronaves por esquadrão dará 2 esquadrão com 14 aeronaves…

Agora a especulação:
1) – 4 esquadrão de 12,monoposto, dá no total aeronaves da 48
2) – 4 esquadrão de 14, monopostos, 56 Grien E
Se a FAB não encomendar a variante F teremos no segundo lote 20 ou 28 aeronaves. Nos damos o total de 56 aeronaves, opção 1, ou 64 aeronaves opção 2….

Yuri
Yuri
1 ano atrás

Um esquadrão com F39 em Santa Cruz/RJ é mais do q necessário por 2 motivos:

Nossos submarinos estarão ao lado em Itaguaí e nossa base industrial em SP.

Dor de barriga n avisa.

Juarez
Juarez
Reply to  Yuri
1 ano atrás

O que a ver submarino em Itaguai com Gripen.

JSilva
JSilva
Reply to  Juarez
1 ano atrás

Juarez, já que não haverá sistema de defesa AA na nova base de submarinos, não seria crucial que a base de Santa Cruz fosse a base aérea responsável pela defesa daquele setor?

Juarez
Juarez
Reply to  JSilva
1 ano atrás

Tche, uma guerra não começa com uma invasão Klingow de surpresa, ela é procedida de movimentos políticos, diplomáticos e mobilizações. em até 48 é possível destacar uma unidade para qualquer base nas imediações, inclusive na Macega.

Mano Jones
Mano Jones
Reply to  Juarez
1 ano atrás

Parece que o gaúcho quer todos os gripens no RS. Hehehe.

Juarez
Juarez
Reply to  Mano Jones
1 ano atrás

Independente de eu se gaúcho, a única coisa que gostaria e que ele fosse operado na sua plenitude e para isto acontecer serão necessárias várias mudanças logísticas, estratégicas e doutrinárias que dependem de recursos financeiros, humanos, planejamento e muita boa vontade.

Up The Irons
Up The Irons
Reply to  Yuri
1 ano atrás

Sem contar que há as duas maiores cidades em termos de PIB e população no país (Rio e São Paulo), as usinas nucleares de Angra, todos os nossos navios de guerra na Baía de Guanabara e como você bem disse, Itaguaí com nossos submarinos.
Ter caças em Santa Cruz é o mínimo que se espera da FAB…

Juarez
Juarez
Reply to  Up The Irons
1 ano atrás

Cidadão, ter caças em Santa Cruz ou em São Cricario da Bororoca não vai mudar absolutamente nada. guerras não começam com um estalar de dedos, são procedidas de movimentos políticos, diplomáticos e mobilizações, e ainda, manter aquela base está ficando cada vez mais difícil, pois ela está isolada por uma enorme favela e o acesso é um verdadeiro corredor polonês. Ninguém mias quer servir lá. Agora pergunta o tamanho da fila para transferência para Santa Maria, Campo Grande e Florianópolis antes de se tornar base de operações. Segurança e custo de vida mais baixo

Nicodemos Andrade
Nicodemos Andrade
1 ano atrás

Acredito que a FAB, fará a aquisição de mais caças uma que 36un sao insuficiente para um país com a nossa extensão. Outro ponto a ser destacado, foi a acertada escolha desse caça, principalmente o ganho de tecnologia que o pais irá absorver. Parabéns aos nossos militares que sempre pensam no Brasil em primeiro lugar.

Gallina
Gallina
1 ano atrás

Lembro aqui que recentemente tivemos notícia dando conta de uma grande aquisição de armamentos usados junto ao Tio Sam, via FMS…
Não se trata de torcida contra ou a favor, mas um fato.
Estaria a Saab preocupada, buscando antecipar um segundo lote ? É a pergunta que fica.
Sds

Juarez
Juarez
Reply to  Gallina
1 ano atrás

Sim.

Peter nine nine
Peter nine nine
1 ano atrás

Mas afinal qual é o número do segundo lote? 🙄🤔

Junior
Junior
Reply to  Peter nine nine
1 ano atrás

A quantidade vai depender de quanto será disponibilizado no orçamento para a compra, mas se essa informação do executivo-chefe da SAAB for verdadeira, tanto a FAB como a SAAB devem ter mais ou menos uma ideia de quantos seriam

Juarez
Juarez
Reply to  Peter nine nine
1 ano atrás

Não se sabe, porque tudo por enquanto é pura especulação.

Baschera
Baschera
1 ano atrás

Papo de vendedor.
De concreto mesmo, só o cimento.

Sds.

Manuel Flávio
Manuel Flávio
Reply to  Baschera
1 ano atrás

É melhor vc se informar mais antes de falar.
Aliás o Buskhe falou pouco. Mostre aonde está o papo de vendedor.

Flanker
Flanker
Reply to  Manuel Flávio
1 ano atrás

Sim, falou bem pouco! Tanto, que estamos todos discutindo no campo das hipóteses. Ele faz o papel dele…..problema algum. Mas, que não há nada de concreto sobre um segundo lote é pura verdade. Por enquanto, não passa de especulações ou, no máximo, intenções.

MACLEITIANE ECKER
MACLEITIANE ECKER
1 ano atrás

Sei que o assunto são os Gripen, mas alguém sabe me dizer a distribuição dos A-29 em território nacional?

Flanker
Flanker
Reply to  MACLEITIANE ECKER
1 ano atrás

1°/3° GAV – Ala 7 – Boa Vista/RR
2°/3° GAV – Ala 6 – Porto Velho/RO
3°/3° GAV – Ala 5 – Campo Grande/MS
2°/5° GAV – Ala 10 – Natal/RN
EDA – Pirassununga/SP
IPEV – São José dos Campos/SP

João Bosco
João Bosco
1 ano atrás

Deveria ser pensado em mais dois lotes, de 36 aeronaves cada, espalhando por cada região geográfica pelo menos dois esquadrões cada, para dar uma certa proteção aérea ao país como um todo. Se ,e somente se, o país voltar a ter um porta-aviões, teria de pensar em um caça naval, ele poderia ser um caça a ser pensado.

Juarez
Juarez
Reply to  João Bosco
1 ano atrás

João, espalhar caças pelo território nacional, no contexto geopolítico em que estamos inseridos é irracional, inviável e causaria transtorno logísticos quase intransponíveis. eu vou tentar explicar em poucas palavras: Uma aeronave como o NG com um nível de eletrônica embarcada enorme, construção com materiais compostos exige um investimento na base que irá sediar o esquadrão, babilônico, que vai desde o piso, hangares com proteção eletro estática, climatização, controle de umidade, ferramental de apoio, bancadas de teste, paióis e muiiiiiito pessoal extremamente qualificado. Hoje a FAB não recursos para efetuar este investimento e nem seria produtivo pois acarretaria um custo geométrico… Read more »

Pecatoribus
Pecatoribus
Reply to  Juarez
1 ano atrás

Olá Juarez. Muito esclarecedor o seu post. Uma pergunta: como fica a manutenção nos desdobramentos? As aeronaves teriam que rotacionar, voltando às bases de origem com frequência? Isso em caso de conflito seria um limitador de disponibilidade? Abraço.

Juarez
Juarez
Reply to  Pecatoribus
1 ano atrás

Boa tarde. Não, e uma questão de planejamento, o esquadrão vai destacando as anv com mais horas disponíveis antes de alg check ou inspeção, permitindo que estás permaneçam mais tempo no TO de operações.

Pecatoribus
Pecatoribus
Reply to  Juarez
1 ano atrás

Muito obrigado.

Rinaldo Nery
Rinaldo Nery
Reply to  Juarez
1 ano atrás

Algumas inspeções podem ser realizadas fora de Base. Toda UAE possui um Plano de Mobilidade, onde são previstos deslocamentos com número variável de aviões e dias fora de sede. Em função desses critérios define-se a quantidade de suprimento e equipamentos a serem deslocados. E, caso necessário, suprimento extra é deslocado para o local da operação via aviação comercial.

Rinaldo Nery
Rinaldo Nery
Reply to  Juarez
1 ano atrás

Juarez, já falamos isso aqui INÚMERAS vezes, mas a maioria esquece rápido. Ainda vai ter gente perguntando o porquê da concentração inicial em Anápolis.

Marcos Paulo Trierweiler Trierweiler
Marcos Paulo Trierweiler Trierweiler
1 ano atrás

Ideal que cheguemos em 250 a 300 caças de guerra Grippen e dividir por cada região do país. Isso sem contar com os caças navais.
Com 300 caças nos levar a ficar na nona colocação em n° de caças de guerra.
Fonte: https://www.globalfirepower.com/aircraft-total-attack-types.asp

Quer fazer direito, vamos fazer.

Giovanne
Giovanne

e a intenção da FAB de criar uma Base em Tocantis e outra no Mato Grosso.
Ajudem ai por favor.

Juarez
Juarez
Reply to  Giovanne
1 ano atrás

Boa tarde. Giovane esta decisão de criar uma nova OM naquela região está diretamente atrelada a decisão do EB de onde irá a Brigada Paraquedista do EB.

Filipe Prestes
Filipe Prestes
1 ano atrás

Tomara que de fato aconteça e a FAB possa atingir os 108 “grispen” (não resisti) pretendidos. Mas 2022 é ano eleitoral. Então que o MD tenha pressa e conclua a bagaça em 2021 logo. E seria demais pedir logo 72 nesse segundo lote?

Delfim
Delfim
1 ano atrás

Eu assinaria logo, pois se outros países assinarem antes ainda podemos acabar no rabo da fila. BR não é Israel que furou a fila do F-35.
.
E ainda assinaria o terceiro lote pois 72 é pouco.

Juarez
Juarez
Reply to  Delfim
1 ano atrás

Baseado em que dados tu faz esta afirmação?

Delfim
Delfim
Reply to  Juarez
1 ano atrás

Que afirmação ? Coloquei possibilidades. Favor ler com atenção.

Juarez
Juarez
Reply to  Delfim
1 ano atrás

Tá escrito a uma, tu afirmou que o ideal e ter 72, volto a perguntar:
Baseado em que tu afirma isto?

PauloSollo
Reply to  Delfim
1 ano atrás

Que fila amigo se os caças serão produzidos aqui pela Embraer?

Delfim
Delfim
1 ano atrás

Off – Itália se posicionou contra participar do FCAS e se alinhou com o Tempest inglês.
https://www.defensenews.com/global/europe/2019/02/15/taking-sides-italian-defense-industry-rep-attacks-franco-german-fighter-deal/

Sidy
Sidy
Reply to  Delfim
1 ano atrás

Bem, ao contrário de França e Alemanha, a Itália adquiriu o F-35. Como agora resolveu diminuir a quantidade a ser adquirida, pelo jeito contava com o convite para participar do FCAS.

filipe
filipe
Reply to  Sidy
1 ano atrás

A Italia está mantendo apenas a Tradição, nos Helicopteros Augusta Westland, é familia BAE System, no EuroFither a mesma coisa, nada mais natural do que alinhar no Tempest, acho que a Italia vai querer sair da Zona Euro também….

Filipe Prestes
Filipe Prestes
Reply to  filipe
1 ano atrás

Nem brinca com um negócio desses! Kkkk Se a divida publica italiana em euros bateu 154% do PIB, pagar isso nas velhas liras desvalorizadissimas é certeza de crise a vista. A bolsa de Milão onde invisto e a Banca del Popolo que o digam

Acho muito dificil a Italia abandonar a UE ppr motivos sobretudo economicos

Marcelo Bardo
Marcelo Bardo
1 ano atrás

Podiam encomendar logo 72 neste segundo lote.

Tomcat4.0
Tomcat4.0
Reply to  Marcelo Bardo
1 ano atrás

Também penso o mesmo, já mantém a linha de montagem ativa direto e chegaríamos nos 108 caças mas, já saber de uma segunda encomenda já é excelente.

Adriano Madureira
Adriano Madureira
Reply to  Marcelo Bardo
1 ano atrás

Aí seria como entregar um 2° e 3° lote de uma vez só, fechando 1️⃣0️⃣8️⃣ Unidades…
Antes de correr é melhor aprender a andar, melhor a FAB ir fazendo Cooper ao invés de tentar são silvestre.

Fabio
Fabio
1 ano atrás

A FAB em suas adoções dos esquadrões de caça ,normalmente 9 caças por unidade! Digamos 18 caças para SM que são dois esquadrões, 18 para Canoas, 18 Santa Cruz, 24 em Anápolis e 12 em Rondônia .

Andrigo
Andrigo
Reply to  Fabio
1 ano atrás

Os primeiros F-39 creio eu que vem para substituir os F-5, que já estão perto do limite, logo bases como SM que operam só A-1, que tem muito mais lenha para queimar do que o F-5, devem ser as “‘últimas da fila” a receber o Gripen.

Palpite de leigo, grato se alguém com mais conhecimento dissertasse a respeito.

jose carlos cunha
jose carlos cunha
Reply to  Fabio
1 ano atrás

Bela divisão, comenta-se muito sobre o modelo E, até entendo, mas…e o modelo F alguém sabe alguma coisa, como anda o projeto, quando começariam montar/testar,e para onde iriam?

Adriano Madureira
Adriano Madureira
Reply to  jose carlos cunha
1 ano atrás

Amigo, bem dizer o Gripen naval está pronto…
A aeronave tem 90-95% de similaridade com o Gripen-E, para que ele se transforme em realidade, acredito que basta aparecer compradores para que possa se tornar real.
Acho que o quê diferencia o E do Sea Gripen são reforços estruturais no trem de pouso, asas e gancho de parada, e talvez outros sistemas.

Juarez
Juarez
Reply to  Adriano Madureira
1 ano atrás

Boa tarde. Se fosse somente isto já teria rodado, mas na verdade para emprego naval serão necessárias modificações estruturais a nível de longarinas ventrais e de asas para que aguente a “porrada” do pouso, bem como o tranco da catapulta. Todos os compartimento que alojam itens eletrônicos deverão ser reprojetados para que possam protege-los do do tranco e das batidas no convoo e ainda todo o sistema elétrico tem que ser reprojetado com proteção anti corrosiva, caso contrário em dois anos os chicotes viram pó. Além disto todo o componente magnésio, por exemplo deve ser substituído, e por aí vai.

Adriano Madureira
Adriano Madureira
Reply to  Juarez
1 ano atrás

Sim Juarez, mudanças estruturais,se os caras da Saab disseram que a similaridade entre o Gripen-E e o Sea Gripen ficará entre 90% ou 95%,talvez esses 10% ou 5% restantes seja o percentual necessário para que o sueco possa ser efetivado como um lutador naval, não sei, talvez seja isso…

Flanker
Flanker
Reply to  Fabio
1 ano atrás

A FAB adota 9 caças por esquadrão? Quais são esses esquadrões?

colombelli
colombelli
1 ano atrás

Se confirmado é caixa de foguetes e “champas”. Com 72 unidades se pode dar cobertura em Manaus, Canoas, Santa Cruz, Anápolis e Natal, cobrindo todo território nacional praticamente. Talvez fosse o caso adiante de se pensar em Belém também e em por um esquadrão mais perto da cabela do cachorro remanejando alguns A-29 ( são gabriel da cachoeira).
Santa Maria ainda operará um bom tempo os A-1 e o Hórus, além dos black hawks.

Ronaldo
Ronaldo
Reply to  colombelli
1 ano atrás

Boa Noite colombelli,bom eu assistir a um vídeo no Youtube a despedida do esquadrão Adelfi,daí fica a dúvida se as forças armadas vão reativar ou não esse esquadrão novamente e que pelo que eu pesquisei a fábrica tem interesse em pelo menos 108 caças mas não disse que seria só de um modelo de caças vamos esperar pra ver, sinceramente eu gostaria de ver outros tipos de caças sobrevoando os céus do nosso BRASIL!
Há e não esquecendo as forças armadas poderiam criar mais bases para os novos caças tambem porque o Brasil não é pequeno e sim muito grande!

Adriano Madureira
Adriano Madureira
Reply to  colombelli
1 ano atrás

Seria bom se a BANT recebesse alguns Gripen, a base teve sua importância na segunda guerra mundial,ser contemplada com algumas aeronaves Suecas seria bom…

colombelli
colombelli
Reply to  Adriano Madureira
1 ano atrás

O saliente nordestino é o gargalo do atlântico sul. fora o fato de as rotas comerciais passarem perto. Essencial cobertura ou ali ou em Belém.

Daniel Ricardo Alves
Daniel Ricardo Alves
1 ano atrás

Comprando 3 lotes, totalizando mais ou menos 108 aeronaves, divididas entre centro oeste, norte e sul do país formaria uma defesa “campeã”. Ainda mais se forem apoiadas por bases aéreas com logística para rápido deslocamento pelo Brasil, pelos aviões de alerta antecipado da FAB e pelo satélite geoestacionário. De causar inveja a muitos países do mundo e anos luz a frente da América Latina.

Luiz Trindade
Luiz Trindade
1 ano atrás

A piada foi boa Alexandre Galante sobre a negativação de sua postagem. Mas falando sério… Tem de ver como o atual governo tá vendo essa futura aquisição. Os tempos são outros. Quero acreditar que iremos encomendar esse segundo lote, porém lembremos do Lorde Sith Paulo Guedes no governo. Sinceramente… Acho que não vai rolar essa encomenda…

Filipe Prestes
Filipe Prestes
Reply to  Luiz Trindade
1 ano atrás

A FAB tem que bater o pé firme pra isso rolar mesmo

Paulo Cardim
Paulo Cardim
Reply to  Luiz Trindade
1 ano atrás

Vai entrar em outro programa orçamentário. O orçamento de 2019 foi aprovado ano passado, por outro governo.

Glasquis7
1 ano atrás

Só uma dúvida, se a tal compra com TOT era para que o Brasil obtive-se a plena capacidade de construir seus próprios caças, por que tem que negociar com a SAAB a compra de um segundo lote, não pode só construir e ponto?

Mauro
Mauro
Reply to  Glasquis7
1 ano atrás

Este é um assunto para ser tratado entre países que fabricam aviões. Jogamos em outra liga.

Glasquis7
Reply to  Mauro
1 ano atrás

Qual avião fabrica o Brasil?

Coutinho
Coutinho
Reply to  Glasquis7
1 ano atrás

Glasquis7 saudações. Vou colar duas respostas que foram dadas lá em cima referente a uma pergunta parecida com a sua: PauloSollo O Brasil não comprou o projeto e sim o direito de produção, e o aprendizado desta, dos caças que comprou e dos que porventura consiga vender a outros. Mas obviamente terá que ter a aprovação da SAAB, dona do projeto, que também fornecerá componentes e receberá sua parte nas vendas. Gonçalo Jr. A negociação que envolve este 2º lote provavelmente seria todo ele fabricado aqui. Se negocia com a SAAB porque é o normal que se faz afinal ela… Read more »

Glasquis7
Reply to  Coutinho
1 ano atrás

Até entendo seu ponto mas, não vejo nada de diferente quanto ao que aconteceu com o AMX Internatinale. Quem absorvo algum conhecimento é a iniciativa privada, financiada com dinheiro público e como no caso da EMBRAER, depois pode migrar paara qualquer país dependendo da sua conveniência e da decisão dos acionistas.

Felipe S
Felipe S
Reply to  Glasquis7
1 ano atrás

Filho , estamos tendo transferências de tecnologia, conhecimento, know-how, mas o projeto é Sueco. Óbvio que a fabricante tem que autorizar, e ainda fornecer partes do caça. O acordo do primeiro lote é 70% de nacionalização da estrutura e 40% da aviônica, pode ser ampliado no segundo.

Glasquis7
Reply to  Felipe S
1 ano atrás

Saudade de quando os comentários do Vader, do Juarez e do Xo, esclareciam as minhas dúvidas.

Filipe Prestes
Filipe Prestes
Reply to  Felipe S
1 ano atrás

Xará Felipe, mais claro impossível

Glasquis7
Reply to  Felipe S
1 ano atrás

Me dé o link onde aparecem esses percentuais que vc postou por gentileza.

Juarez
Juarez
Reply to  Felipe S
1 ano atrás

Cidadão se isto chegar a metade, já será um suplício.

Glasquis7
Reply to  Juarez
1 ano atrás

Falando do “Diabo” eis quem aparece para salvar o debate, junto com a boa intervenção do Coutinho é claro.

Grande mestre Juarez me explique, O Brasil, como país e não como setor privado, em que se beneficiou nesta transação?