Home Aviação de Caça Primeiro caça Saab Gripen E do Brasil entra na segunda etapa da...

Primeiro caça Saab Gripen E do Brasil entra na segunda etapa da montagem final

42019
147

O Jane’s noticiou que o primeiro caça Saab Gripen E destinada ao Brasil entrou na segunda etapa da montagem final e está a caminho do seu primeiro voo de teste este ano.

Conal Walker, porta-voz da Saab, disse em 31 de janeiro que há três etapas na montagem final.

O estágio 1 é onde a maioria de todas as instalações, como cabos e tubulações, são feitas.

O estágio 2 inclui a montagem de instalações aviônicas, unidade de energia auxiliar (APU), motor, radar, canards, canopy e pára-brisa.

O vídeo abaixo, divulgado pela Saab do Brasil, mostra quatro caças Gripen E na linha de montagem na Suécia:

No cronograma abaixo, de entregas dos caças divulgado pela FAB, o primeiro Gripen E brasileiro deve voar em julho de 2019.

Alguns números do programa:

  • Serão 8 bipostos, somente para o Brasil;
  • 8 aeronaves serão montadas na Suécia com auxílio de brasileiros realizando on-the-job training;
  • 8 monopostos serão montados integralmente na Embraer;
  • 7 bipostos serão montados integralmente na Embraer;
  • 10 pilotos brasileiros, 2 de ensaio e 8 operacionais serão formados na Suécia.

[2019]

  • Janeiro – Início da certificação
  • Julho – Primeiro voo da aeronave FTI (Flight Test Instrumentation) monoposto brasileira

[2020]

  • Junho – Início da produção de aeronaves na Embraer

[2021]

  • Outubro – Primeiro voo da aeronave FTI (Flight Test Instrumentation) biposto brasileira
  • Outubro e Novembro – Entrega das primeiras aeronaves de série (8 e 3 aeronaves respectivamente)

[2022]

  • Agosto – Entrega do primeiro monoposto produzido na Embraer

[2023]

  • Setembro – Entrega do primeiro biposto produzido na Embraer

[2024]

  • Novembro – Entrega da última aeronave biposto

Caça Saab JAS 39E Gripen voa com mísseis Meteor
Caça Saab JAS 39E Gripen com mísseis Meteor

147 COMMENTS

  1. E pensar ,que há 20 anos coMprei a primeira revista com matéria de capa falava sobre FX e agora vou ter que esperar mais 5 anos só para ver todos em ação.

    Poxa que rápido Força Aérea Brasileira !!!

    • Nem me fale… lembro como se fosse hoje o dia em que comprei a minha primeira revista Força Aérea (a edição com o Skyhawk da MB na capa, se não me engano em 2003) e na contra capa tinha uma foto promocional do Gripen* C/D e pensei, wow, suas linhas gerais eram tão refinadas em comparação ao Skyhawk que me saltaram aos lhos rsrsrs, foi realmente impactante.

      *Havia sido a primeira vez que eu via o Gripen.

      • Ja que estão falando de revista ,tbm vou falar da minha expericia .Foi em 2001 ,tbm revista Força aerea com o AMX na capa …Em 89 ganhei uma revista Voar no domingo aereo do campo de marte ,onde nela se falava na substituição do F-5 por um novo caça …Pasmem ,em 89 ja se falava que o F-5 ia ser substituido antes dos anos 2000 ,até que resolveram modernizar e depois de 20 anos ,isso de fato vai acontecer.

        • Estou “ganhando”, a minha primeira edição da força aérea é de 1998. Trazia um Mirage 2000-5 na capa e citava o FX1. A idéia era comprar 12 aviões novos (entre eles Mirage 2000-5, Gripen, F-16 C/D e Su-27) para substituir os Mirage III no 1º GDA, com unidades adicionais para posteriormente substituir os F-5, A-1 e Xavante.

      • Não estou denegrindo o A-4 SkyHawk, que é uma de minhas aeronaves favoritas, mas a diferença aerodinâmica das linhas gerais das duas aeronaves é extrema.

        Afinal são mais de 30 anos de diferença entre os projetos e a propósito, fico muito feliz que o Brasil é/vai ser operador das duas aeronaves 😀 .

    • Minha também! Uma T&D email 2001 com a capa preta e os cinco caças do FX. Ganhei essa e uma Avião Revue com a foto do E170: tinha acabado de fazer o Roll-Out.

    • Acho que você não acompanhou todo o processo, então… Qual a culpa da FAB nesta questão? Você sabe que o primeiro F-X foi adiado por FHC e depois, cancelado por Lula em 2002, com a desculpa de que “ia usar o dinheiro para combater a fome” (uma das maiores mentiras do mentiroso Lula, já que o dinheiro não sairia imediatamente do Tesouro ou do Orçamento da União, mas de financiamento internacional). Na verdade, esse cancelamento veio a calhar para a FAB, que corria o risco de ter que engolir o Mirage 2000-5 Mk2, que viria a ser substituído pelo Rafale. Depois de suspenso por vários anos, foi retomado em 2008, como F-X2, com novos concorrentes. Ou seja, outro processo. Em 2009, já tínhamos os 3 finalistas e, em 2013, o vencedor. Então, o F-X2 não durou tanto mais do que outros processos de seleção de aviões de combate pelo mundo. Foram seis anos. Quanto ao processo de entrega, está totalmente no cronograma definido em contrato.

      • A Culpa não é da FAB , mas da mentalidade implantada no Brasil , com o Golpe da Republiqueta , esta escolheu para o País a Submissão ,além de apenas ser Coadjuvante no mundo , coitado !!

    • Não sou o maior fá do Gripen, mas a cadencia de produção está bem dentro esperado, visto o tamanho atual do programa.
      Quer uma produção maior é só pagar mais para a SAAB conseguir arrumar a linha de produção. Eles não vão erguer uma nova linha de produção para ficar parado dentro de 10 anos.
      O que me deixa preocupado (sobre o ponto de vista de leigo) é a quantidade de pilotos que serão formados lá na Suécia, me parece um número subdimensionado, pois quando voltarem, alguns vão ter que ajudar a montar o programa de treinamento para outros pilotos, outros vão ter se tornar instrutores, outros auxiliar no processo burocrático (ou seja, voar pouco para assessorar a copac entre outras coisas), mas a FAB com certeza sabe onde a coisa pega.

      • O que me preocupa não é esse programa ou a qualidade do caça.
        O mundo hoje está caótico, imprevisível e confuso. O Oriente Médio está um caos absoluto, a Ásia está sentindo os dentes do Dragão e isso provocou uma corrida armamentista na região, a Europa está sentindo a imigração em massa, fragmentação política, além do bafo do Urso, já a América Latina está ficando caótico por conta da Venezuela e com as ondas de imigrações da América Central.

        Ao que parece, nos próximos anos vai haver um conflito pela supremacia global, e nesse cenário não vai existir países neutros. O Brasil vai precisar desses caças e de novos navios mais rápido do que anteriormente previsto.

  2. Também comprei todas revistas abaixo ou acima citadas aqui e também concordo deveriam acelerar a produção, a FAB já esperou muito tempo isso… E nós também… Se o governo quiser faz na metade do tempo….

    • Esse anúncio nos livra de aventar a possibilidade de querer comprar aviões americanos de segunda ou até terceira linha.
      É uma excelente notícia.

  3. A Embraer demorou 10 anos para entregar 56 AMX e de imaginar que vai demorar o mesmo tempo para o Gripen até lá :canibalização e remendo nos F5 e A1 a toda velocidade….

  4. Há um outro fator relevante, são poucas aeronaves para as dimensões continentais do Brasil e a nossa projeção geopolítica. Na década de 80 eram 36 F5 e 16 Mirage, a FAB já queria mais aeronaves na época. Podiam complementar com os F 16 Americanos oferecidos a baixo custo visto a nossa cronica falta de verbas…

    • E esses F-16, incluindo a reativação, as armas, possíveis e necessários modernizações, peças sobressalentes e treinamento de pessoal sairiam de graça?

      • Claro que não. Só na cabeça de alguns. Teríamos que pagar pela modernização deles (nos EUA, ainda por cima), para que fossem de fato efetivos. Dinheiro gasto à toa.

    • Em primeiro lugar, não há F-16C/D disponíveis sem que tenham que sofrer uma extensa modernização nos Estados Unidos, para que sejam de fato caças multifuncionais eficientes. Os últimos que atendiam a este requisito e que estavam disponíveis em Davis-Montham (AMARG), a própria USAF pegou de volta para si, por conta dos atrasos do F-35. Então, esqueça: adquirir F-16 de segunda-mão não é oferta “a baixo custo”. Seria dinheiro nosso gasto sem retorno. Em segundo lugar, não ficaremos nesses 36. A FAB foi inteligente neste aspecto e saberá justificar a necessidade do segundo lote não apenas para substituir os F-5 e A-1 restantes, como para justificar a manutenção da linha de montagem na Embraer e os empregos gerados.

  5. para aqueles que falavam que era um avião de papel,parece que dobraram a folha em formato delta e agora a mão está pronta para lançar…..
    boa sorte às equipes da embraer e da fab.

      • Tem dois protótipos voando e um terceiro vai voar em julho e tu tem a cara de pau de dizer que o gripen e é um caça de papel, toma vergonha na cara Wellington, admita que o seu problema é que o rafale, caça pelo qual você torcia no fx, PERDEU e até hoje você não engoliu isso. O caça escolhido pela FAB foi o gripen vc gostando ou não, a decisão já esta tomada e o seu rafale perdeu, de resto o choro é livre

  6. Galante, bom dia!
    Se já estão instalando a aviônica, é de se supor que a tela multifuncional já está homologada, inclusive com o software já atualizado ou em fase de atualização final.
    Nesse ponto resta saber se as versões suecas também irão receber ou já receberam a mesma tela.

    • Acredito que é pra isso que irá servir o primeiro Gripen da FAB, uma aeronave instrumentada, para validar, em voo real, aquilo que se testou e “programou” nas bancadas de desenvolvimento/simulador.
      Quem tiver maior conhecimento/informações poderia esclarecer mais!
      Abraço!

      • As versões suecas irão receber, também, o WAD. O WAD já passou pela certificação/homologação, e fará parte da linha de produção (aeronaves de série).

    • Isso já foi noticiado, no ano passado. A AEL agora é parte da cadeia mundial de fornecedores da Saab para o Gripen NG. Não haverá mais “Gripen Sueco” e “Gripen Brasileiro”. Todos os Gripen E/F produzidos usarão o WAD, o HUD e o capacete com HMD Targo (esse já havia sido escolhido pela Suécia antes) produzidos pela AEL Sistemas.

  7. Bom. Os brasileiros preferiram estádios de futebol ao invés de novos aviões e navios. Mas o Cmte Farinazo do Arte da Guerra falou que o projeto, desenvolvimento, operação de equipamento militar demora mesmo para países que não se metem em guerras. Aqueles que se metem…… A coisa anda mais rápido. Não por isto que vamos sair por aí fazendo guerra.

  8. Torcendo e roendo unhas com a ansiedade de ver um bichão destes equipando nossa força área, parece que o tempo não passa e a hora não chega. :(, vem logo Gripen.

  9. Aquela imagem do Gripen naquele angulo armado que coisa maravilhosa , estou ansioso para o mês de julho chegar logo , e ver a imprensa falando que e um caça Brasileiro de ultima geração e vão estar falando a verdade 😊

      • Seria o mais do mesmo , um caça antigo com padrão de outro caça antigo. Os F5-BR já estão atualizados no que é possível com aviônicos Israelenses. Não tem mais onde fazer upgrade neles. Esperemos uma aposentadoria digna e nada mais.

        • Se a célula do F-5 tivesse digamos, ao menos 50% de vida útil pela frente, eu seria a favor de atualizar o radar Grifo para a versão Grifo-E, que consiste na troca da antena móvel por uma antena aesa, que com a atualização de software, profavelmente permitiria o escaneamento ar-ar e ar-solo/mar simultaneamente, além de ter maior resistência a medidas de defesa eletrônica e maior capacidade de contra medidas eletrônicas.

      • O F-20 Tigershark é uma evolução da célula do F-5E, mas muito diferente. Entre outras coisas, usava uma turbina F404 ao invés das duas J85. Inviável tal “upgrade”.

    • Também concordo. A FAB poderia fazer 99% ainda assim, não seria “nada profissional”. Não passam de “incompetentes” na visão de um monte de palpiteiros com seus pensamentos negativos e que só tornam o debate, chato em função da falta de dados e critérios para tal. F-5 padrão F-20, F-16 de terceira com nova linha de manutenção, etc. Quanto à quantidade de F-39, outro afirma categoricamente que não passará dos 36. Puts…. Haja sal grosso, orações e exorcismo pra tanto negativismo.

    • Toda crítica se concentrou na área política da aquisição, atrasos na entrega e a pequena quantidade de caça, .não houve questionamentos contra a aquisição e contra a qual8dade do caça, vcs tem que entender que muitos viveram as promessas do AMX , por isso o ceticismo. Eu duvido que seja incorporado mais do que 24 caças, antes de 2035 .

      • Concordo Alexandre, acredito que será esta a sua melhor e principal função. E digo mais, não ficará apenas em 8 unidades. Aposto nun segundo lote tranquilamente, com pelo menos mais 6 unidades ou mais.

      • Galante,
        Não seria melhor controlar uma aeronave de sexta geração à miliares de km com mause?
        Enviar uma aeronave de 4,5 geração para controlar uma de sexta geração não seria um desperdício de tudo?!
        Sexta geração a meu ver não necessariamente precisaria de controle voando do lado!
        Não faria sentido!

      • Concordo, gostaria de que fossem 3 as principais missões do Gripen F na FAB.
        Adaptação do piloto ao caça
        Guerra Eletrônica (principal função)
        Centro de Rede “local” para Drones de combate.

    • E teríamos a Força Aérea mais burra ou mais rica do planeta, usando 3 aeronaves diferentes, com caudais logísticos diferentes, para fazer a mesma coisa. E a FAB estaria contrariando uma das suas diretrizes para o F-X2, que é a escolha de uma aeronave multifuncional para substituir todos os seus tipos de caças (Mirage 2000, F-5 e A-1). Não seria nada decente, usar o dinheiro do contribuinte para fazer isso. A FAB seria muito questionada a respeito, com razão!

  10. 4 Gripens em construção e apenas 1 é destinado ao Brasil. Eu sei que são configurações diferentes, mas bem que a Suécia poderia deixar esses 4 Gripens para o Brasil. Sem o Brasil o projeto Gripen NG poderia demorar mais 1 década para surgir, pois foi com a compra do Brasil que o projeto ganhou visibilidade. A Suécia faz um merchandising pesado usando o Brasil como holofote para o seu caça.

  11. Vamos jogar estas contas na realidade, 2021 o primeiro e lá por volta 2030 o último, mais ou menos quando os EUA divulgarem seu caça de sexta geração e nem adianta chorar, se sair os 36 tá bom demais! O povo é movido por fé e emoção!

    • O último deste primeiro lote será em 2024. em 2030 estaríamos recebendo o ultimo quem sabe, já de um terceiro lote. Não esqueça que a fábrica aqui, a tecnologia, aqui, os empregos aqui, a reestruturação da FAB, o equilíbrio da economia e o crescimento tecnológico que entraremos, pode ter certeza: eu Creio neste país, em nossa FAB, e espero está vivo para vermos o sucesso destes aviões defendendo nossos céus, graças à competência dos pilotos, engenheiros e comandantes de noa FAB. Sou otimista sim. grande abraço.

  12. Que ótimo.
    Compramos um projeto de um caça que será entregue em sua totalidade defasado.
    Por uma fortuna em detrimento de outros projetos já em operação e uso no mundo.
    E em detrimento de um projeto nacional já testado e provado em combate pela Itália e poderia ser facilmente evoluído.
    Parabéns Brasil!
    Sempre evoluindo.
    Como diz em nosso hino nacional “deitado eternamente em berço esplêndido”.

    • “Compramos um projeto de um caça que será entregue em sua totalidade defasado.”
      A tradição tem que continuar. Aposto que nossos netos estarão debatendo daqui a 75 anos a substituição dos Grippen. Rsrs

    • Foxtrot, gostaria de saber, quais os conhecimentos que o amigo possui para tal afirmação. Sendo simplesmente “achismo”, eu me calo aqui. Sendo o amigo engenheiro aeronáutico, sistemas, ou piloto da FAB, aí já mudo meu modo de pensar e peço ajuda ao amigo para que nos explique melhor, pois está comprovada então a total incompetência da FAB e Embraer juntas.

      • Será mesmo incompetência?
        Eis a questão.
        Não possuo conhecimentos técnicos em engenharia aeronauta, mas em outras áreas.
        E na área que trabalho, se compramos um projeto de máquina que iremos começar a utilizar em 2030 hoje, quando a mesma entrar em operação já estará desatualizada frente as nova tecnologias da ápoca.
        Agora mesmo nos centros de P&D estão pesquisando Asas aeroelásticas, turbinas hipersônicas, comunicações quânticas etc..
        Não precisa ser técnico para ser lógico, basta ter senso critico e saber fazer contas.

    • Você está querendo dizer que o AMX poderia ser “evoluído facilmente” até o nível do Gripen NG? Isso é simplesmente impossível. Nada no AMX poderia evoluir até um avião de combate multifuncional supersônico. E, se o Gripen C/D, a versão atual do Gripen, não está defasado, imagine o Gripen NG (ou Gripen E/F), que agora é que começou a ser produzido! Pelo seu raciocínio, o F-22 é “defasado”…

      • Preciso responder?
        Vide exemplos de problemas nos F-22,s em que mais da metade dos mesmos se encontra fora de operação.
        Até o F-35 já está em estudos de substituição pela Usa Air Force.
        Agora junte 1+1 e faça suas contas.

  13. Sou ESPECIALISTA em estruturas de aviões a mais de 30 anos , trabalhei em vários projetos e gostaria muito de trabalhar no projeto gripen F-39 NG , seria uma realização profissional.

    • Olha ai quem sabe a Embraer poderia ter produção por mais de uma década , podemos fabricar sobre licença para parceiros regionais desde que feche contratos firmes claro , ou to falando m?

    • Caro Sérgio Luiz, gostaria de saber se seria viável uma evolução do projeto estrutural do AMX (tecnicamente falando) ao patamar de um caça supersônico.
      Pois sabe-se que desde os primórdios do projeto AMX a Embraer já tinha o projeto MPFL.
      Caça leve supersônico semelhante ao F-16.
      Não sou especialista em aviões mas em outras áreas da engenharia sim.
      Sendo assim, mecanicamente acredito que tecnicamente seríamos mais que capazes disso.
      Olhando pelo aspecto industrial/ técnico nacional.

      • Amigo, até a aquisição do GRIPEN, a EMBRAER não possuía NENHUM conhecimento de aerodinâmica supersônica, tampouco comandos de vôo para tal.

      • Só para lembrar que o AMX é um avião de ataque ligeiro, dos anos 70 ou 80, e mesmo assim não foi feito só pela embraer, aliás a maior percentagem do fabrico desse avião foi a Itália que fez.

  14. Não tenho dúvida de que será um excelente caça, mas custando mais caro pelas especificações/modificações propostas e com prazo de entrega muito longo. Será que não teria sido mais interessante a FAB adquirir, pelo mesmo valor e condições negociados com a Saab, uma quantidade maior de Gripen C/D com radar AESA e menor prazo de entrega?

    • Ele não ficou mais caro por conta de especificações/modificações propostas. E o prazo de entrega é o esperado, para uma aeronave em desenvolvimento. A proposta da Saab era a mais completa e melhor, além de mais barata entre os finalistas:
      Proposta da Saab para os 36 Gripen = SEK (Coroas suecas) 39 bilhões, ou o equivalente a US$ 4,7 bilhões em dólares de 2015.
      Proposta da Boeing para os 36 Super Hornet = US$ 6,6 bilhões.
      Proposta da Dassault para os 36 Rafale = US$ 8,8 bilhões.
      Onde que a proposta da Saab ficou “mais cara”?

      • Alexandre, obrigado pelos esclarecimentos. O “mais caro” é em relação aos Gripen C/D oferecidos inicialmente para a concorrência do F-X2. O preço fechado pelos NG inclui tudo o que você escreveu mais transferência de tecnologia e qualificação para fabricação local. Porém a FAB poderia ter optado por comprar “de prateleira” uma quantidade maior da versão C/D com radar AESA pelo mesmo valor. Sem a participação financeira brasileira no desenvolvimento do NG, a própria força aérea sueca encomendaria à Saab mais Gripen C/D com aquele radar e elevaria os modelos A/B já em operação para esse novo padrão. Abraço!

  15. Sou leigo no assunto! Mas me permitam discordar gentilmente dos companheiros que opinam sobre a aquisição dos F16, supostamente oferecidos pelos EUA: a FAB tem uma doutrina de operação dos seus caças, no nosso caso, o F5: para um F5 levantar voo são necessários dezenas de técnicos que estão amplamente familiarizados com os inúmeros aspectos técnicos do caça; foram precisos anos de treino para isso voltado especificamente para o F5. Da mesma forma os pilotos que operam o F5 conhecem as capacidades e limitações do aparelho; o que só foi possível com anos de treinamento. Vocês acham que se os F16 fossem comprados e fossem entregues amanhã, no mesmo dia o piloto de um F5 sairia da carlinga dele, entraria na do F16 e já sairia voando em missão?

  16. Para quê um biposto ?
    – Treinamento, óbvio. Principalmente para habituação com o elevado desempenho do F-39E, que será 3 a 4 vezes mais veloz que o A-29;
    – Guerra eletrônica;
    – “Wild weasel”, contra AAA;
    – Antinavio;
    – Enfim qquer função na qual o piloto possa ficar sobrecarregado.

  17. Olhando o vídeo acima, mais parece que estão fabricando uma nave espacial, com engenharia reversa de um UFO.
    Numa fábrica, subterrânea, totalmente asséptica e secreta.

    Dá-lê Dá-lê GripenNGBR-E-F!

  18. Aproveitando o assunto dos nossos f-5, alguns poucos deles poderiam ser usados como agressores, em treinamento? Ou a FAB não treina desta forma?

    Obrigado

  19. Kkkk se venderem para o Brasil o projeto de “disco voador” da extinta Avrocar Canadense vai ter gente aqui vibrando muito.
    Hoje mesmo o Gripen já é um projeto desatualizado frente ao Rafale, J-17, Eurofighter etc.
    Imagina em 2030 quando o Brasil receber sua última unidade (acho que a previsão é essa mesmo).
    Eu era mais o Brasil ter comprado o projeto do Rafale, SU-35BR etc.
    Projeto de aviões já prontos e em operação e com proposta de parceria nos futuros 5G,s de seus fabricantes.
    Mas a esquizofrenia estratégia prossegue!

    • Desfasado?????? Frente ao j-17? Mas isso se compara com um Gripen ng? Nunca compares sequer, o grippen ng é um avião militar actualíssimo, e dos melhores, e poderá ser actualizado por muito tempo.

      • Pode ser atualizado, vitaminado, etc…mas é um avião de 40 anos de projeto. As melhorias na eletrônica embarcada ainda o mantem em fabricação. Porém o seu histórico nas competições para compra de caças novos vai muito mal. Além de ser uma fábrica pequena. Vimos linha de montagem com quatro células. Nos E.U. isso é linha experimental.Aviões de combate tem linhas de montagem de dezenas de postos. Tem que liberar uns dois por mês. No mínimo.

        • Qual avião tem 40 anos de projeto??? Se é do Gripen que vc está falando, falou uma enorme besteira!! E se for do Gripen E/F, maior besteira ainda!! Você saberia listar quais estruturas do Gripen NG são iguais às dos Gripen anteriores?? Eu posso te dizer aquelas que são totalmente diferentes….

    • Você está entrando em contradição, Foxtrot! Diz que o Gripen NG chegará “defasado”, mas quer propor aviões mais antigos, como o Rafale e o Su-35? Aviões cujas propostas não chegavam nem perto da proposta da Saab em matéria de transferência de tecnologia… E quem disse que a Saab não poderá desenvolver um 5G com a Embraer no futuro?

      • Ao menos já estaríamos operando esses aviões, e em 2030 estaríamos iniciando a operação dos caças 5º G,s desenvolvidos em parceria.
        O Gripen estaremos operando em 2021 mais ou menos e sua ultima entrega em 2030 (se ficarmos só com as 36 unidades).
        E iniciaremos a operação de caças 5º G,s quando???
        Ou seja, estaremos sempre passos atrás da modernidade.
        Não é contradição, é lógica!

  20. Bom! Um pouco demorado mas dentro das nossas possibilidades.
    Já no aguardo da contratação do 2° lote de 36 unidades!! Deve acontecer logo na entrada dos primeiros.
    Creio que se confirmar as 108 unidades, 24 ficarão no sul, 24 no norte, 24 no nordeste e 36 no planalto!
    Para mim, o ideal seriam 144…36 em cada região das que falei…
    Excelente!!

  21. ouvi dizer que a embraer vai se associar a ANFAVEA (Associação Nacional dos Fabricantes de Veículos Automotores) como a 5a montadora mais lucrativa do setor. 5 bilhões de dólares por 36 caças, podendo vendê-los para… américa do sul, africa e… marte! kkkkkkkkkkkkkkkkkkkk

    • Isso é para ser engraçado?
      Proposta da Saab para os 36 Gripen = SEK (Coroas suecas) 39 bilhões, ou o equivalente a US$ 4,7 bilhões em dólares de 2015.
      Proposta da Boeing para os 36 Super Hornet = US$ 6,6 bilhões.
      Proposta da Dassault para os 36 Rafale = US$ 8,8 bilhões.
      Todo Gripen E/F produzido, seja para o Brasil, Suécia e qualquer outro país que vier a adquirir o caça, terá partes produzidas no Brasil. Não haverá dois fornecedores diferentes para o mesmo componente. Por exemplo, o WAD (Wide Area Display), o HUD (Head Up Display) e o capacete com mira montada Targo HMD, serão produzidos pela AEL Sistemas, para todos os Gripen E/F.

  22. No Brasil existe um termo de Gíria , ** Estou Correndo Atrás * e outro ainda pior , ** Estou Correndo Atrás do Prejuízo **, ainda não entenderam , que desta forma estaremos sempre sonhando com um FUTURO ,que nunca chegará !

LEAVE A REPLY

Please enter your comment!
Please enter your name here