Home Aviação de Ataque F-35 ainda tem canhão defeituoso e baixa disponibilidade para missões

F-35 ainda tem canhão defeituoso e baixa disponibilidade para missões

9655
155
F-35a
F-35A

A frota do F-35 Joint Strike Fighter ainda não tem uma taxa de disponibilidade de aeronaves adequada, de acordo com o escritório de testes do Departamento de Defesa dos EUA.

O caça de quinta geração teve uma tendência “plana” nas taxas de capacidade nos últimos três anos, de acordo com um recente relatório operacional, de teste e avaliação. Mesmo quando os serviços militares se concentram em iniciativas de melhoria, eles “ainda não estão se traduzindo em melhor disponibilidade”, afirmou o relatório.

“A disponibilidade média de toda a frota está abaixo do valor alvo do programa de 60% e bem abaixo dos 80% planejados necessários para a condução eficiente do [Teste Operacional Inicial e Avaliação, ou IOTE – Initial Operational Test and Evaluation]”, disse o relatório DOT&E 2018, segundo a Bloomberg, primeira a relatar a notícia.

Apenas as versões da Força Aérea e do Corpo de Fuzileiros Navais alcançaram o status pronto para o combate (IOC). A Marinha deverá declarar capacidade operacional inicial este mês.

Os primeiros lotes da variante F-35B dos Marines provaram ter uma vida útil menor do que a esperada.

A “aeronave F-35B de produção antecipada está bem abaixo da expectativa de vida útil de 8.000 horas de voo, e pode chegar a 2.100 horas de voo”, afirma o relatório.

Lockheed Martin F-35B Lightning II
Lockheed Martin F-35B Lightning II

Se os jatos de decolagem curta e pouso vertical não forem atualizados adequadamente, isso pode significar que suas horas de voo atingirão o limite em 2026, disseram as autoridades.

Em um comunicado enviado ao site Military.com, a Lockheed disse que a empresa está comprometida em atingir a marca de 8.000 horas:

“As modificações planejadas e o gerenciamento da frota do contrato antecipado das aeronaves F-35B garantirão que atendam ao requisito de vida útil de 8.000 horas, e a entrega de aeronaves hoje incorpora essas mudanças de projeto no processo de construção para garantir que atinjam 8.000 horas ou mais.”

O escritório do DOT&E disse que vai monitorar o progresso através do Escritório Conjunto de Programas (JPO).

“O Escritório do Programa Conjunto F-35 continuará a usar o Rastreamento Individual de Aeronave (TAI) de uso real para ajudar os serviços a projetar mudanças no tempo necessário para reparos e modificações, e ajudar na Gestão de Frotas”, disse o DOT&E.

Enquanto isso, a variante F-35A da Força Aérea não atingiu os padrões do escritório para seu canhão interno GAU-22/A, disseram os assessores.

F-35A testando canhão de 25mm em 2015

“Com base nos testes de canhão do F-35A até setembro de 2018, o DOT&E atualmente considera a precisão da arma, instalada no F-35A, inaceitável”, afirma o relatório.

O canhão sofreu com problemas que “resultam em erros de alinhamento do nariz”, bem como alertas de cockpit de “canhão inseguro”.

Questionado sobre o relatório, o tenente-general Arnold Bunch, vice-diretor do Departamento de Aquisição do Pentágono, disse que a alta liderança está dando mais ênfase ao programa enquanto continua trabalhando com o Escritório do Programa Conjunto (JPO) e a fabricante Lockheed Martin Corp.

Bunch, que foi indicado para conquistar sua quarta estrela e assumir o Air Force Materiel Command, disse que o objetivo é atingir a “taxa de 80 por cento da missão” estabelecida pelo então secretário de Defesa Jim Mattis em outubro, pelo menos para aeronaves codificadas para combate.

“Estamos trabalhando em muitas iniciativas diferentes”, disse ele em um café da manhã da Associação da Força Aérea em Washington, D.C.

“Estamos trabalhando em um plano de suporte ao ciclo de vida agora” com o JPO e a Lockheed, disse ele, acrescentando que o plano difere muito dos anteriores, mas se recusa a elaborar porque “ainda está em revisão”.

“Estamos definindo cronogramas e calendários para quando chegarmos a cronogramas, datas, marcos para fazer as coisas, de modo que estamos vendo que estamos obtendo as melhorias de desempenho que estamos antecipando”, disse Bunch.

Lockheed Martin F-35C Lightning II
A variante de porta-aviões, F-35C, deve atingir a IOC em 2019

Mattis queria que os serviços aumentassem as taxas de missão para a frota do F-35 e outros caças a mais de 80% em um único ano, exigindo que a Força Aérea e a Marinha aumentassem a manutenção e sustentação de dezenas de aeronaves de quarta e quinta  geração.

Bunch disse que a Força Aérea e o Departamento de Defesa como um todo estão “empurrando” essa taxa de 80%. “É um desafio, mas esse é o objetivo em que estamos”, disse ele.

Em um comunicado, um porta-voz da Lockheed disse que a empresa está se comunicando com os serviços para obter um melhor status de prontidão para toda a frota.

“Com maior confiabilidade, aeronaves mais novas agora têm em média mais de 60 por cento de taxas com capacidade de missão, com alguns esquadrões operacionais perto de 70 por cento”, disse o comunicado.

“Enquanto esperamos os detalhes completos da fase de testes operacionais em andamento, estamos ativamente aprimorando todos os aspectos do F-35 para garantir que ele exceda as demandas dos combatentes e supere as ameaças em evolução. Os itens identificados no relatório anual do DOT&E são bem compreendidos e foram resolvidos em parceria com o Escritório Conjunto de Programas do F-35 ou têm um caminho acordado para a resolução”, acrescentou.

O programa JSF, que deve custar US$ 1 trilhão ao longo de sua existência, continua na sua fase formal de testes operacionais, que entrou em dezembro.

FONTE: Military.com

NOTA DO PODER AÉREO: Para baixar o relatório DOT&E 2018 do F-35, clique aqui.

Subscribe
Notify of
guest
155 Comentários
oldest
newest most voted
Inline Feedbacks
View all comments
MFB
MFB
1 ano atrás

Galante. Como a maioria não lê antes de comentar, seria bom deixar claro no título que esse defeito no canhão é na versão A.

Sérgio Santana
Sérgio Santana
Reply to  MFB
1 ano atrás

MFB, a notícia foi sobre o F-35, do qual o F-35A é uma versão. É F-35 do mesmo jeito…A Luftwaffe tá certa em não comprar essa jaca. E boa parte dos que compraram foi também por falta de outras opções…

Ricardo N. Barbosa
Ricardo N. Barbosa
Reply to  Sérgio Santana
1 ano atrás

Falta de opções (F-15, F-16, F/A-18, Rafale, Typhoon, Gripen) ? Quando um produto não é adequado, basta não adquirir, observar os indianos que abandonaram sua variante do Su-57 (neste caso era uma parceria estratégica desde o desenvolvimento e não uma compra de prateleira). Luftwaffe fez uma escolha política e não técnica, um comandante foi demitido quando declarou o F-35 como único a cumprir os requisitos exigidos pela missão. Não gosto de adjetivos como jaca ou problemático, afinal, um sistema de armas é multifacetado, muito mais complexo do que um simples adjetivo.

Sérgio Santana
Sérgio Santana
Reply to  Ricardo N. Barbosa
1 ano atrás

Observar que eu disse “também” sobre a falta de concorrentes como um dos fatores que pesaram na escolha do “F-35 jaca problemática” por alguns países. Mas nem foi o mais influente. Tem todo um lobby político-financeiro por trás dessas escolhas, como sempre. Quanto à Luftwaffe foi uma recusa sábia. Gastar os “olhos da cara” numa jaca problemática bilionária que vive apresentando problemas por causa da compatibilização com nukes é meio, digamos, arriscado demais. Não gosta de termos como “jaca” e “problemático” pra definir “sistemas de armas multifacetados” ?? Aconselho que se acostume, pois é nisso que o F-35 se tornou…

Ricardo N. Barbosa
Ricardo N. Barbosa
Reply to  Sérgio Santana
1 ano atrás

A última “jaca” (segundo a mesma lógica de resumir um sistema de armas complexo a um adjetivo) da USAF foi o F-15 (caças recebidos sem motores e baixa disponibilidade nos primeiros anos após sua capacidade operacional inicial). Qualificar o F-35 como uma “jaca” com base nos primeiros anos operacionais é desconsiderar a história da aviação de combate até hoje. Vide F-15 com os problemas já apontados e vide o F-16 com dezenas de acidentes fatais, em um ano chegou-se a mais de 10 aeronaves em acidentes fatais. Sim, o F-35 pode ser uma “jaca” para alguns, mas objetivamente é somente… Read more »

JPC3
JPC3
Reply to  Sérgio Santana
1 ano atrás

Só em dizer que não há concorrentes já está dizendo que é melhor que os outros.

Pois se é para agradar o Trump poderiam comprar F-15, F-16 e Super Hornet.

Na verdade, a divisão de caças da Boeing está precisando de mais ajuda que a Lockheed Martin e Lobby é o que melhor eles fazem

Vinicius
Vinicius
Reply to  Sérgio Santana
1 ano atrás

Exato, o que definem essas compras são interesses e lobbies políticos, tem muito país que sabe que terá problemas com o F-35 mas mesmo assim vão usar para agradar o Tio Sam!

MGNVS
MGNVS
Reply to  Ricardo N. Barbosa
1 ano atrás

Ricardo N Barbosa Saudacoes O termo “jaca” foi criado pelos fanboys dos americanos para se referir ao Rafale na epoca do FX e para qualquer outro tipo de armamento que nao seja dos EUA ou de Israel. Geralmente sao esses fanboys que adjetivam pejorativamente os armamentos militares de defesa apresentados na materias. Ao meu ver o Sergio Santana so repassou o termo adiante. O problema é que os F35zetes mimizentos aqui do blog ficam “ofendidos” qndo sai uma materia tecnica negativa contra o caça. E eu nao estou me referindo a vc, mas aos mesmos de sempre que vem aqui… Read more »

Ricardo N. Barbosa
Ricardo N. Barbosa
Reply to  MGNVS
1 ano atrás

MGNVS obrigado. Essa é a questão, qualificar um sistema de armas complexo e multifacetado com um adjetivo pejorativo é um despropósito (seja contra Rafale, um excelente caça, seja contra o F-35 ou Su-57). Um projeto dessa magnitude terá pelo menos 5 décadas de operacionalização e uma escala sem igual, os desafios são inerentes. Basta um exercício mental para observar que caças como F-15, F-14 e F-16 passaram por desafios proporcionalmente semelhantes ou até maiores (Imagine vc se hoje o motor de F-35 fosse tão inseguro ao ponto de aeronaves serem recebidas e estocadas à espera de um motor mais confiável?).… Read more »

Sérgio Ricardo Santana Cerqueira
Sérgio Ricardo Santana Cerqueira
Reply to  Ricardo N. Barbosa
1 ano atrás

Ricardo e demais do debate: “convidar” a um debate desapaixonado “pautado em uma análise profunda e em sintonia com a história da aviação de combate”, depois que você admitiu não gostar dos termos “jaca” e “problemático” é no mínimo contraditório. Eu tenho as minhas preferências como muitos aqui, mas sou capaz de emitir juízo de valor sobre cada uma delas sem ficar melindrado com adjetivos. Aliás, meus textos primam por isso… É óbvio que estamos testemunhando os primeiros anos de serviço do F-35, mas também estamos percebendo que o mesmo apresenta um número infindável de bugs, próprios de uma jaca… Read more »

Ricardo N. Barbosa
Ricardo N. Barbosa
Reply to  Sérgio Ricardo Santana Cerqueira
1 ano atrás

Contradição é argumentar que é capaz de emitir juízo de valor sem adjetivos e a cada argumento postar um adjetivo. Em uma analogia, os tais “bugs” são menos desafiadores do que problemas crônicos de motor que levaram ao recebimento de aeronaves sem motores no início da vida operacional(F-15), são também menos desafiadores do que ter um caça 5G operacional sem um motor 5G (J-20 , Su-57). Nesses últimos casos são “bugs” crônicos que comprometem a natura de ser da aeronave. Não existe 5G sem motor 5G, é como equipar o F-15 com motores de F-4, a aeronave perderia a característica… Read more »

Sérgio Ricardo Santana Cerqueira
Sérgio Ricardo Santana Cerqueira
Reply to  Ricardo N. Barbosa
1 ano atrás

Ricardo, quando falei de ser capaz de escrever sem emitir juízo de valor estava me referindo às minhas preferências. Coisa que, como comprova a sua defesa entusiasmada do F-35 você demonstra não poder ou não querer fazer. Eu posso escrever sobre o Mirage IV, o Sentry, o A-50, o MiG-31 e sobre quaisquer outras das minhas muitas preferências sem tomar partido ou ficar declaradamente melindrado (como você mesmo admitiu ficar ao dizer que “não gosta das palavras ‘jaca’ e ‘problemático’) com adjetivos como você faz com o F-35. Sei apontar apontar os pontos fortes e fracos de cada um…Sem endeusamentos.… Read more »

Ricardo N. Barbosa
Ricardo N. Barbosa
Reply to  Sérgio Ricardo Santana Cerqueira
1 ano atrás

A recíproca é verdadeira, não vejo imparcialidade absoluta em suas palavras. Basta observar como rotineiramente faz referência aos supostos fanboys do F-35 ou americanos na página e omite-se sobre os fanboy russos. Basta observar como adjetiva o F-35. Sua preferência é mais clara do que a luz do dia. Observar que em nenhum momento até agora tentei inferir suposta parcialidade de sua parte, até agora, mas não posso ignorar sua tentativa de desconstruir meus argumentos com a alegação de parcialidade. Parcialidade é uma realidade para todos, inclusive para vc, mas isso não é sozinho um demérito, desde que acompanhada de… Read more »

Sérgio Santana
Sérgio Santana
Reply to  Ricardo N. Barbosa
1 ano atrás

Ainda, Ricardo ??? 😂😂😂😂

Munhoz
Munhoz
Reply to  Ricardo N. Barbosa
1 ano atrás

Ricardo

Entendo sua frustração, mas vai se acostumando pois aqui tem gente que sabe mais que o pessoal da Área 51 !

José Adilson Mendes
José Adilson Mendes
Reply to  Ricardo N. Barbosa
1 ano atrás

Ricardo bom dia, antecipadamente informo ser leigo no assunto, sou grande admirador de tecnologia bélica – sem viés ideológico – e me surpreendeu ver você mencionar que o projeto do F35 terá 5 décadas de operacionalização…
Todos sabemos dos saltos “quânticos” que estão as portas das tecnologias conhecidas, tanto de linguagem, projetos e materiais e sinceramente, poderemos sim estarmos assistindo um dos maiores “micos” dos americanos, e seu em sustentar essa longevidade de um projeto cheio de falhas – não de desafios.

Luiz Antonio
Luiz Antonio
Reply to  MGNVS
1 ano atrás

Colega: o termo “jaca” segundo minhas observações foi criado pelos “Jaguares” quando operavam os Miragem IIIBR e nada a ver com Rafales ou “0utro armamento que não seja dos EUA”. Nem todos “embarcam” em comentários desonestos, ideológicos e infelizes como o seu, além de desrespeitosos com os demais colegas.
Abraços

Luiz Antonio
Luiz Antonio
Reply to  Luiz Antonio
1 ano atrás

Correção: Mirage III BR (corretor maldito)

MGNVS
MGNVS
Reply to  Luiz Antonio
1 ano atrás

Luis Antonio
Meu comentario nao se dirigiu a sua pessoa.
E mais… desrespeitosos sao os fanboys americanos de araque que vem aqui estragar os comentarios. Os caras negativam ate mesmo os comentarios tecnicos de gente que trabalha na area e vc vem aqui querer dar liçao de moral?
Faça-me o favor, va reclamar com os fanboys mimizentos que estragam o blog.

Dodo
Dodo
Reply to  MGNVS
1 ano atrás

Assino em baixo MGNVS

Dodo
Dodo
Reply to  Ricardo N. Barbosa
1 ano atrás

Ricardo, os únicos que fazem escolha política são aqueles que escolhem o f35

JPC3
JPC3
Reply to  Dodo
1 ano atrás

Olha o comentário que você faz e reclama dos comentários “ruins dos outros”?

Completamente injusto, errado e sem saber o que está dizendo.

Não entendo porque um objeto inanimado desperta esse tipo sentimento.

Lewandowski
Lewandowski
Reply to  Ricardo N. Barbosa
1 ano atrás

Parabéns, Ricardo… Parabéns pela disposição de discutir e esclarecer alguns pontos óbvios para aqueles que não querem ver… seja por ideologia, ou por ser ‘especialista’ demais… Ficou fácil criticar o F-35 – aliás, aqui só aparecem criticas mesmo – e esquecer que do outro lado sequer um motor a contento sabem fazer… mas a Jaca é daqui, do lado de lá, é a revolução em massa da tecnologia e o mundo da alice… Não perca seu tempo, pois aqui só se cria a ideoligia alinhada, caso do Sr Santana… . Em tempo: Le Jaca foi criada pelo VADER quando do… Read more »

Dodo
Dodo
Reply to  Sérgio Santana
1 ano atrás

Perfeito Sérgio, por isso ou por pressão política/ lobby. Eu sempre falei que esse avião é o exemplo perfeito de um “novo fazedor de viúvas” em alusão ao que foi o f104 nos anos 50 e 60, mas infelizmente a galera totalmente ideologizada não aceita o fato dos EUA terem feito um erro com esse programa, depois ainda reclamam dos pró russos que defendem sem dó tudo que a Rússia faz…. se comportam da mesma maneira Obs: é muita falta de respeito encontrar um comentário do Sérgio Santana, uma pessoa extremamente gabaritado e especialista na área, com livros inclusive já… Read more »

JPC3
JPC3
Reply to  Dodo
1 ano atrás

O mesmo Sérgio Santana que diz que dá para substituir caças por mísseis de 2000km de alcance?

Ou que compara o F-35 com um Mig-31 de 1978?

E nós não aceitamos realdade por ideologia cega???

Sérgio Ricardo Santana Cerqueira
Sérgio Ricardo Santana Cerqueira
Reply to  JPC3
1 ano atrás

JPC3, apenas duas das provas de que mísseis podem substituir caças ou outros tipos de aeronaves: mísseis antiaéreos (que tal ir a bordo de um caça e tudo que ele exige, como manutenção e treinamento, contra outra aeronave e tentar derrubá-la com canhões, que eram as armas primárias, tal como na Segunda Guerra ?) e mísseis stand-off (tal como carregados nos bombardeiros estratégicos…Topa ir em um B-52 numa missão de ataque com bombas “burras” contra alvos defendidos por S-300, por exemplo ? “Ah, mas eu falei de caças”. Certo… O mercado tá cheio de mísseis de cruzeiro com versões que… Read more »

Paulo
Paulo
Reply to  Sérgio Ricardo Santana Cerqueira
1 ano atrás

Mas aí é em um caso ou outro. Vc ¨propôs¨ abolir toda a aviação de caça em prol dos mísseis. Pela sua cabeça (bobagem gastar muito dinheiro em conhecimento e novas tecnologias) não haveria as grandes navegações e o homem muito menos tinha ido à Lua.

Flanker
Flanker
Reply to  Sérgio Ricardo Santana Cerqueira
1 ano atrás

Mísseis podem substituir aeronaves em situações pontuais….mas, nem perto de substituir em todas as missões….E você sabe disso. Não precisa nem discutir isso.

JPC3
JPC3
Reply to  Dodo
1 ano atrás

O caça que nem foi para guerra e sofreu uma queda depois de mais de 100.000 horas de voo é um fazedor de viúvas como o F-104???

E reclama da de ideologia cega e chama os outros de torcedor???

Chega a parecer que estão fazendo piada com o blog.

Ricardo N. Barbosa
Ricardo N. Barbosa
Reply to  Dodo
1 ano atrás

F-35 fazedor de viúvas ? Nenhum piloto foi morto no comando do F-35 até hoje. (Fake News).

MGNVS
MGNVS
Reply to  Dodo
1 ano atrás

Dodo
Assino embaixo.
O pessoal do besteirol ideologico tem negativado ate comentarios tecnicos de gente que trabalha na area. Imbecilidades de “feicebuque”.

Paulo
Paulo
Reply to  MGNVS
1 ano atrás

Essa sua ¨história¨ das negativadas até parece aquele chororô do Whatsapp. Democracia zero, vc que não aceita a opinião dos outros.

MGNVS
MGNVS
Reply to  Paulo
1 ano atrás

Paulo
Vc vem falar de democracia aqui no blog qndo os fanboys pro-EUA/Israel negativam ate o pessoal especializado na area e que tem conhecimento tecnico e sou eu quem nao aceita a opiniao dos outros???

Os caras ja negativaram ate o Cel. Nery qndo ele expos uma opiniao contraria ao F-35.

Paulo… o senhor é um fanfarrao.

Dodo
Dodo
Reply to  MGNVS
1 ano atrás

Exato, eu nem perco mais saliva discutindo com essa gente, a área de comentários do blog atualmente parece até a área de comentários do G1, só falta aqueles malucos que dizem que tudo é o “fim do mundo se aproximando” kkkk

Paulo
Paulo
Reply to  Dodo
1 ano atrás

O que eu vejo é que vcs se apressam em negativar os outros como aconteceu agora com o meu comentário mas não gostam de ser negativados – muito democrático isso, não!? E para piorar vcs são mesmo os mais negativados da trilogia e então procuram todo tipo de desculpas para tanto repúdio.

Flanker
Flanker
Reply to  Dodo
1 ano atrás

Peraí! Aqui todo mundo é debatedor…..Sem essa de que porque escreveu livros sua palavra seja regra ou lei. E não estou menosprezando a capacidade do referido escritor (aqui, um comentarista). Ele expôs a ideia é a preferência dele e a opinião dele acerca do F-35….E respeito. Cada um pode ter opinião sobre qualquer assunto. Mas, nem por isso, o que ele escreveu é a verdade. Nesse assunto “F-35” tudo é polêmico. Tanto que a opinião dele nesse tópico é uma opinião pessoal, que ele usou o termo “jaca”….termo bastante técnico!!! E olhe que não estou dizendo que o referido aparelho… Read more »

ednardo curisco
ednardo curisco
Reply to  MFB
1 ano atrás

A maior razão pela qual o F35 parece mais bichado que os demais aviões é que há mais transparência na divulgação de informações e que nunca um avião teve tanto detalhe de seus projeto tão amplamente divulgado como hoje.

Os demais aviões de que tanto falamos hoje em dia são projetos que ou estão na prancheta, ou sob sigilo total ou projetos de 20 a 30 anos atrás que nunca vaza nada.

Sérgio Santana
Sérgio Santana
1 ano atrás

Certos estão os alemães de excluírem essa jaca…

Paulo Costa
Paulo Costa
Reply to  Sérgio Santana
1 ano atrás

A alemanha nao tem dinheiro nem para manter os equipamentos que ja tem operacionais, imagina ter dinheiro para comprar o F-35 ou manter depois.

André E.
André E.
Reply to  Paulo Costa
1 ano atrás

Dinheiro eles tem…

Elton
Elton
Reply to  André E.
1 ano atrás

Será? Então porque as forças armadas da Alemanha estão caindo aos pedaços.???

Wagner
Wagner
Reply to  Elton
1 ano atrás

Política… pura política…

Thiago Telles
Thiago Telles
Reply to  Elton
1 ano atrás

A situação das fa alemãs nao tem nada a ver com falta de dinheiro. A política destruiu as fa alemas.

Pathfinder
Pathfinder
Reply to  Sérgio Santana
1 ano atrás

“Certos estão os alemães de excluírem essa jaca…”
quando tu fala alemães, está se referindo aos politicos né?!
-Certo está o ex Comandante da Luftwaffe tenente-general Karl Müllner!!!

cwb
cwb
1 ano atrás

Eles estão dizendo que de 10 aviões na rampa,7 podem em teoria cumprir a missão?
Sou leigo no assunto,então para outros vetores qual é a taxa de disponibilidade?
Com base nisso podemos dizer se atende ou não…
observação:não sou vermelho,azul,verde ou maduro..
apenas para ter assunto para discutir no campo técnico.
abraço a todos

Sérgio Santana
Sérgio Santana
Reply to  cwb
1 ano atrás

Isso dá 70% de disponibilidade, um pouco acima do que se vê por aí, é bem verdade…

Flanker
Flanker
Reply to  Sérgio Santana
1 ano atrás

Psois é! Qual país, com Força Aérea relevante, possui disponibilidade de 70% em seus vetores de combate? Alemanha e Reijo Unido (para citar apenas 2), com seus Typhoon, é que não são!
Qual a disponibilidade das Forças Aéreas de Rússia e China? ? Ninguém sabe! São caixas pretas quanto a operacionalidade de seus vetores. …..e mais ainda quando se trata do status de desenvolvimento e dos problemas encontrados nesses vetores! Pano preto total! Vai ver que não apresentam problema algum! Acredita nisso quem quiser! !

JPC3
JPC3
Reply to  Flanker
1 ano atrás

Até me surpreendi, achei que disponibilidade era de 40%.

Rinaldo Nery
Rinaldo Nery
Reply to  Flanker
1 ano atrás

Por incrível que pareça, a disponibilidade dos nossos F-5 ¨vovôs¨ atinge 70%, com frequência.

André E.
André E.
Reply to  Sérgio Santana
1 ano atrás

Problema é que não sabemos como são calculados esses indicadores, nem sabemos se são os mesmos para as diferentes forças aéreas… Se alguém souber, compartilha aqui conosco…

Douglas Falcão
Douglas Falcão
1 ano atrás

Os EUA são uma nação formidável. Esse tipo de relatório, produzido por um órgão do próprio governo, é divulgado em razão do programa F 35 ser financiado com dinheiro publico (i.e. dinheiro do cidadão que paga imposto). Ninguém verá algo semelhante na Ásia (China incluída), Oriente, América do Sul e inclusive parte da Europa Ocidental. As aparentes falhas, também existem em outros programas ao redor do mundo. A diferença é que lá, nos EUA, são intensamente criticadas. debatidas e se tornam objeto de estudo para soluciona-las. Em outros lugares são varridas pra debaixo do tapete…

Adriano RA
Adriano RA
Reply to  Douglas Falcão
1 ano atrás

Perfeito! Essa postura crítica é bastante elogiável. Equipamentos russos e chineses possuem apenas virtudes. Qualquer problema em combate será sumariamente debitado na conta dos “usuários incapazes e mal treinados”. Vide o que está acontecendo com os Sírios…

Alessandro
Alessandro
Reply to  Douglas Falcão
1 ano atrás

Douglas Falcão, exato, e pensar que tem gente que odeia a democracia ocidental e tenta acabar com ela, pq não sabe viver em harmonia com quem não pensa igual.

Defensor da liberdade
Defensor da liberdade
Reply to  Alessandro
1 ano atrás

Democracia do relho do estado para os que não concordam com ele. Snowden que o diga. Denunciou a safadeza de seu próprio governo e teve que fugir para não acabar na cadeira elétrica.

Agnelo
Agnelo
Reply to  Defensor da liberdade
1 ano atrás

Snowden fez uma grande favor à NSA.
As pessoas tinham varias fontes independentes a serem rastreadas, agora, tudo é vinculado, basta ver q o q vc procura no Google ou conversa no WhatsApp aparece nas sugestões do Face.

Defensor da liberdade
Defensor da liberdade
Reply to  Agnelo
1 ano atrás

Essas sugestões de busca são caraterísticas da web 2.0, iniciada por volta de 2004.

Diogo de Araujo
1 ano atrás

Ué, canhão José, hj em dia? Os EUA vão enfrentar quem? o barão vermelho? É um cosmédico inútil que devem estar tentando por de qualquer jeito apenas por questões comerciais…. A Alemanha só abandonou o f-35 pq querem o próprio caça de quinta geração e competência para isso eles tem… No mais é só chororo da concorrência mesmo que não tem nada que se equipare

Flanker
Flanker
Reply to  Diogo de Araujo
1 ano atrás

Canhão não é algo dispensável, não! Os próprios EUA se arrependeram amargamente de prescindir do canhão nos seus F-4. Aprenderam a lição. E mesmo em vetores que teoricamente vão enfrentar seus adversários sempre em BVR, nada garante que o enfrentamento não progrida para um dogfight….aí, sem canhão, já era!! E canhão tb pode ser usado contra alvos de superfície.

Fabio Araujo
Fabio Araujo
Reply to  Diogo de Araujo
1 ano atrás

Os americanos sentiram na pele a falta que um canhão faz na guerra do Vietnam, os primeiros F4 não tinham canhão e quando perceberam a falta que fazia tiveram que desenvolver um pod com canhão e depois uma versão com canhão. E o F35 tem entre suas missões apoio ao solo o que torna o canhão ainda mais importante.

Clésio Luiz
Clésio Luiz
Reply to  Diogo de Araujo
1 ano atrás

Diogo, tenta aí imaginar pelo menos 3 usos para um canhão num caça moderno. Você consegue.

José Luiz
José Luiz
Reply to  Clésio Luiz
1 ano atrás

1 tiro de advertência impossível com mísseis. 2 danificar uma aetonave alvo sem destruir totalmente para forcar im pouso. 3 Atingir e abater uma aeronave cujo valor não compensa o uso de um míssil como um drone ou uma aetonave leve. E tem outras. Se quiser veja os problemas sofridos pelas versões sem canhão do mig 21 nos conflitos árabes israelenses.

Carlos Gallani
Carlos Gallani
Reply to  José Luiz
1 ano atrás

Imagine um míssil de centenas de milhares de dólares pra matar dois idiotas em um camelo! Claro que o canhão tem uso!!!

Wagner
Wagner
Reply to  Diogo de Araujo
1 ano atrás

Nao faz parte do pacote de missões o apoio aéreo aproximado? Canhão não serve só para dogfight!

Carlos Gallani
Carlos Gallani
1 ano atrás

O F-35 é o futuro, este volume de erros é o preço a se pagar por forçar uma evolução disruptiva, todo esse papo de avião “micado” não cola, minha única tranquilidade é que em nosso teatro regional o gripen da conta mas o mesmo não passa de uma releitura de um conceito ultrapassado, excelente releitura diga-se de passagem, não estou depreciando, só dizendo que o F-35A está em outra categoria mesmo, sem dor de cotovelo! Li um estudo outro dia, da Dinamarca se não me engano, justificando um pedido com uma comparação em diverso teatros e situações com o F-18,… Read more »

Washington Menezes
Washington Menezes
Reply to  Carlos Gallani
1 ano atrás

O estudo foi feito pela lockheed martin.

Luiz Trindade
Luiz Trindade
1 ano atrás

Rapaz… A Lockheed Martin fez uma péssima associação com a Northrop. O F-35 vem sofrendo sérios reverses… Quando na associação Lockheed Martin com a Boeing que fez o F-22 tá tae ae operacional.

JT8D
JT8D
1 ano atrás

Aí vai aparecer alguém dizendo que tudo isso está acontecendo porque se trata de uma tecnologia ultra mega hiper sofisticada que nem os extraterrestres de Andrômeda dominam.
Mas gente, é só um canhão, e nem isso eles conseguem fazer funcionar! Não conseguem alinhar um canhão !!!
Vida útil de pouco mais de 2000 horas? É muita tecnologia …

Gorgoroth
Gorgoroth
Reply to  JT8D
1 ano atrás

Concordo é o primeiro canhão e uma aeronave Americana.
Um dia aprendem.
Coitados deles.

marcelo kiyo
marcelo kiyo
1 ano atrás

Deve sair mais barato criam um míssil com 2.000 km de alcance multi-role (ataque ao solo e com rastreamento anti-radar) do que investir no F-35.

JPC3
JPC3
Reply to  marcelo kiyo
1 ano atrás

Não tem como um míssil substituir um caça.

Sérgio Santana
Sérgio Santana
Reply to  JPC3
1 ano atrás

Pode apostar que tem, depende da missão e projeto. Mais barato de conceber, manter e operar…

JPC3
JPC3
Reply to  Sérgio Santana
1 ano atrás

Tá bom, vai usar mísseis balísticos para caçar tanques…

Sérgio Ricardo Santana Cerqueira
Sérgio Ricardo Santana Cerqueira
Reply to  JPC3
1 ano atrás

Repetindo o que disse acima: “depende da missão e projeto”

JPC3
JPC3
Reply to  Sérgio Santana
1 ano atrás

Como usar mísseis de longo alcance sem uma plataforma com radar e sensores para localizar a posição dos alvos?

Sérgio Ricardo Santana Cerqueira
Sérgio Ricardo Santana Cerqueira
Reply to  JPC3
1 ano atrás

Pra ficar num exemplo só: nunca ouviu falar das versões do Tomahawk lançadas de navios e submarinos ?

JPC3
JPC3
Reply to  Sérgio Ricardo Santana Cerqueira
1 ano atrás

Mas esses tomahawks não podem ser usados contra alvos móveis sem uma plataforma na linha de frente com radar e sensores para identificara a posição dos alvos.

Existe alguma força no mundo que pretenda abandonar o uso caças?

Sérgio Santana
Sérgio Santana
Reply to  JPC3
1 ano atrás

Os Tomahawks lançados de navios e submarinos não precisam de auxílio externo pra atingirem seus alvos. As forças aéreas de ponta estão investindo num meio termo: caças e UCAVs, que podem ser sacrificados em missões muito arriscadas, evitando perda desnecessária de recursos humanos (pra não falar de anos e milhões gastos em treinamento). O futuro tende a ser bem menos tripulado que o presente…

JPC3
JPC3
Reply to  Sérgio Santana
1 ano atrás

Um caça pode atacar centenas ou milhares de alvos ao longo de sua vida útil, um míssil com 2000 km de alcance só pode atacar um.

Ou alguém vai acreditar que um míssil hipersônico é mais barato que um Brinstone ou uma SDB?

JPC3
JPC3
Reply to  JPC3
1 ano atrás

Acho que “milhares”” eu exagerei. Substituiria por várias dezenas e centenas em alguns casos.

Desculpem.

Sérgio Ricardo Santana Cerqueira
Sérgio Ricardo Santana Cerqueira
Reply to  JPC3
1 ano atrás

Quantos mísseis desses podem ser comprados com o valor de aquisição, manutenção e treinamento típicos de um caça de última geração ? Você notou que já há projetos de caças não-tripulados ? Por que será ? Um míssil em essência é a mesma coisa, com a diferença de que não pode ser reutilizado…

JPC3
JPC3
Reply to  Sérgio Ricardo Santana Cerqueira
1 ano atrás

Amigo, alguma força no mundo está abandonando a utilização de caças?

Flanker
Flanker
Reply to  Sérgio Santana
1 ano atrás

Pela sua lógica, o míssil, ou mísseis, podem substituir todos os caças em operação. Desativem-se todos os caças e os substituam por mísseis.

Sérgio Ricardo Santana Cerqueira
Sérgio Ricardo Santana Cerqueira
Reply to  Flanker
1 ano atrás

Dependendo do projeto a que se destina, pode sim…

Clésio Luiz
Clésio Luiz
1 ano atrás

Um dia, talvez daqui a uns 10 a 15 anos, o F-35 deverá estar no mapa para aquisição pela FAB ou MB. E a isso eu não me oponho. Não porque o considere uma ótima aeronave, mas porque infelizmente será a única opção viável nos próximos 20 a 25 anos. Mas do jeito que está hoje, o F-35 é uma bomba. Uma dor de cabeça que não quero ver nem perto dos hangaretes de uma FAB ou MB mal financiadas. Enquanto precisar retrofits caríssimos, estar ligado aos computadores da Lockheed nos EUA para conseguir fazer manutenção (sistema ALIS), não é… Read more »

Antunes 1980
Antunes 1980
1 ano atrás

O resultado destes relatórios tem duas finalidades claras, uma é passar a falsa impressão que o projeto em si é pessimo, e o vetor é incapaz de cumprir as missões para o qual foi projetado. Fazendo assim, com que seus adversários subestimem suas reais capacidades.
A outra é impulsionar as empresas a melhorarem cada vez mais, na qualidade das suas entregas. Sendo uma forma de exposição pública do nível técnico dos seus serviços.
Eu particularmente sou totalmente contra a divulgação de qualquer informação sensível a projetos de defesa.

JPC3
JPC3
1 ano atrás

¨60 a 70% de disponibilidade não é tão ruim, melhor que muitas forças aéreas por aí. Mas também não é grande coisa.

Flanker
Flanker
Reply to  JPC3
1 ano atrás

Não estou aqui defendendo o F-35. O projeto tem “n” problemas, é caríssimo e de desenvolvimento arrastado. Mas, se os números forem verdadeiros, 70% de disponibilidade é sim, um ótimo número. Se mantiverem isso durante a vida operacional do modelo, mesmo quando chegar a época das primeiras grandes revisões das células, será um número bom. Em um esquadrão com 18 células, significa que sempre 12 ou 13 células estarão disponíveis para as missões. Disponibilidades maiores são muito, muito raras. Com isso estou falando que o F-35 é um caça sem problemas? Não. Apenas falei sobre a disponibilidade de 70% ser… Read more »

JPC3
JPC3
Reply to  Flanker
1 ano atrás

Também acho 70% um número bom, melhor do que eu esperava.

Luiz Antonio
Luiz Antonio
Reply to  Flanker
1 ano atrás

Concordo: não é um projeto fácil. Mas se prepare para ser lacrado de , fanBoy.

Emerson Duarte de Lima
Emerson Duarte de Lima
1 ano atrás

Que porcaria de avião !!! De caça de quinta geração é uma piada que custa bilhões de dólares e nunca está disponível para o combate. Nunca deveria ter parado com o F22 Raptor … Um caça que só tem uma função de ser invisível aos radares ,acordem isso é impossível pois o F35 em vôo simples mostra que não é melhor que nenhum dos caças russos . Não é atoa que Israel prefere os F15 .

JPC3
JPC3
Reply to  Emerson Duarte de Lima
1 ano atrás

Não é verdade amigo. O próprio texto diz que a disponibilidade é de 60 a 70%.

Quanto a não ser melhor que nenhum caça russo, acho que deveria pesquisar mais. Ninguém escolhe avião através de especificações de blogs e wikipedia.

Maicon
Maicon
Reply to  Emerson Duarte de Lima
1 ano atrás

Todas as notícias vindas do OM dão conta de que a IAF não só gostou do Adir como debutou ele em combate e quer mais encomendas. Um dia leremos sobre as missões dele em revistas de história da aeronáutica.

Sérgio Luís
Sérgio Luís
1 ano atrás

Opinião cada um tem a sua!
– Não furtivo
-Limitado
– Impotente (Canhão)
– Dependente de escolta
– Sem visão 6 horas

JPC3
JPC3
Reply to  Sérgio Luís
1 ano atrás

Você tem uma fonte séria para dizer que não é furtivo ou que precisa de escolta?

Sérgio Luís
Sérgio Luís
Reply to  JPC3
1 ano atrás

Você tem que perguntar é para o governo de Israel o porquê de não o utilizarem de forma efetiva sobre a Síria! Quando te explicarem a justificativa por favor nos fale!
Outra coisa sugiro que leiam mais!

JPC3
JPC3
Reply to  Sérgio Luís
1 ano atrás

Ta bom.

Achei que tinha informações concretas. Porque gente séria dizendo que ele é furtivo tem bastante, inclusive tem 13 países comprando o avião com essa alegação.

Sobre os voos na Síria, ingenuidade achar que israel vai ficar divulgando na internet pra galera ficar debatendo.

Sérgio Luís
Sérgio Luís
Reply to  JPC3
1 ano atrás

Tá bom então também ! Tá combinado!
Se ele der as caras na Síria você está convidado a nos informar! Fico no aguardo!
Sem ressentimento!

Maicon
Maicon
Reply to  Sérgio Luís
1 ano atrás

Mas as “notícias” (rumores) dão conta que o Adir já “deu as caras” na Síria, como na operação de retaliação ao abate do F-16 pelos iranianos /sírios ano passado, que deve ter sido algo espetacular do ponto de vista da eficiência e destemor. Daqui a uns 30 anos eles publicizam os detalhes das missões secretas desse vetor furtivo.

Sérgio Luís
Sérgio Luís
Reply to  Maicon
1 ano atrás

Tô sentado!

Gorgoroth
Gorgoroth
Reply to  JPC3
1 ano atrás

Concordo.
Sem provas é só asneira mesmo.
Releve

Sérgio Luís
Sérgio Luís
Reply to  Gorgoroth
1 ano atrás

Quem tem que provar que é furtivo e que toca o terror não sou eu e que vale o seu peso em ouro!
Entra na fila pra avisar quando ele der as caras lá na Síria e tem muita gente na frente!!

PauloSollo
Reply to  Sérgio Luís
1 ano atrás

Opinião depreciativa desprovida de evidências concretas só serve para poluir o ambiente de debate. E na verdade estes péssimos atributos que você citou se encaixam verdadeiramente no SU-57 “Kneaded Frog” e no J-20 “Lady Jequiti”. Dois “fake istéfies”, não furtivos(os indianos disseram que o SU-57 não é furtivo e que detectam o J-20 sem problemas), bocais com grandes assinaturas térmicas, limitados ( sem capacidade de combate), impotentes ( sem motores definitivos, e no caso do J-20 são clones tuberculosos de motores russos obsoletos), dependentes de escolta(como vimos o SU-57 na Síria, e o J-20 vive escondido em seu hangar refrigerado,… Read more »

Sérgio Luís
Sérgio Luís
Reply to  PauloSollo
1 ano atrás

Ótimo!
Mais um para nos lembrar presença do F-35 Natimorto sobre a Síria!?!
Outra coisa! Se por ventura dominarem o idioma inglês leiam Janes! Talvez possam abrir os horizontes da teorica aviação furtiva!

JPC3
JPC3
Reply to  Sérgio Luís
1 ano atrás

Amigo.

Você já disse que ele não voava na síria e ele voou, todo mundo lembrou de você aqui e comentou.

Acha que eles vão comprar um caça para não usar? Até o F-16 cheio bombas entra na Síria às vezes.

Sérgio Luís
Sérgio Luís
Reply to  JPC3
1 ano atrás

Chamar aquele sobrevoou de contundente e eficaz seria “pouca vergonha” para aquilo que ele projetado!
Não meu caro! Essa (sei lá o quê) tem que provar muito ainda!
Se esse F-35 provar que é efetiva e eficaz (não só pra mim mas para o mundo todo)eu retiro minhas conclusões sobre essa aeronave!
Tranquilamente!!!

JPC3
JPC3
Reply to  Sérgio Luís
1 ano atrás

A furtividade é uma vantagem, não é porque é furtivo que eles vão desfilar na frente dos radares inimigos sem necessidade.

Se podem atirar de longe, não tem razão para arriscar o caça e as tripulações, porque o que mais acontece em guerras são situações imprevistas. Não tem porque abusar da confiança.

Quando não for possível atacar de uma distância segura aí sim existiria justificativa de se aproximar das defesas inimigas.

Sérgio Luís
Sérgio Luís
Reply to  JPC3
1 ano atrás

Outra coisa!
Não achem ruim se eu sugerir mais leitura!
Em 40 anos de uso quantos da família F-15’s foram abatidos nos vários teatros de operações que eles atuaram!?
Agora nos surge uma aeronave que para ser “Pseudo-furtiva” tem esconder tudo na baia que por sinal é minúscula e se torna o “Deus Vivo”da aviação”!?!
Convenhamos !!!

JPC3
JPC3
Reply to  Sérgio Luís
1 ano atrás

Estranho, quem está dizendo que prefere F-35 e só vai comprar o F-15 se tiver dinheiro sobrando é Força Aérea dos Estados Unidos.

Não somos nós.

Sérgio Luis
Sérgio Luis
Reply to  JPC3
1 ano atrás

Volto a te induzir ao raciocínio! Qual causa do surgimento da proposta do F-15X?
Tem noção da lacuna que ele propõe tampar na USAF?
Caso contrario leia!

JPC3
JPC3
Reply to  Sérgio Luis
1 ano atrás

Se você colocar a fonte eu lerei com prazer.

Por enquanto, a opinião oficial é de que só comprarão F-15 se derem mais dinheiro. E até o momento são 12 possíveis encomendas para a Guarda Nacional.

Como o F-15 é de outra categoria e oferece outras capacidades não acho nenhum escândalo se a USAF mudar de ideia e quiser comprar alguns.

Sérgio Luís
Sérgio Luís
Reply to  JPC3
1 ano atrás

Agora para opinar sobre qualquer assunto serei obrigado a citar fontes!?!
Faça suas próprias interpretações do que lê!!
Outra coisa eu nunca neste forum opinei sobre conclusões de ninguém!
“Cada macaco no seu galho” uai!

JPC3
JPC3
Reply to  Sérgio Luís
1 ano atrás

Sobre sugerir mais leitura, só lhe digo que nem todo mundo que comenta aqui tira suas conclusões da internet. Alguns compraram livros sobre furtividade e conversaram com militares e analistas de verdade.

Sérgio Luís
Sérgio Luís
Reply to  JPC3
1 ano atrás

Pois é meu caro concordo!
Que Wikipedia não ajuda raciocinar!
Más… estou aqui sentado e aguardando o F-35 tocar o terror na Síria e “adorar” como vocês esse “Deus Vivo da aviação furtiva”!!

JPC3
JPC3
Reply to  Sérgio Luís
1 ano atrás

Bom, não tenho interesse em criar polêmica ou discussão.

Admito que o F-35 tem sérios problemas sim, e que não é a melhor opção para todas as forças aéreas do mundo. Cada uma tem seus requisitos e necessidades específicas.

Acho melhor aguardar e esperar o tempo responder.

Sérgio Luís
Sérgio Luís
Reply to  JPC3
1 ano atrás

Concordo plenamente!

Ricardo N. Barbosa
Ricardo N. Barbosa
Reply to  Sérgio Luís
1 ano atrás

As baias do F-35 são maiores do que a do F-22 (basta observar que o F-35 pode transportar bombas de 2.000lb e o F-22 de apenas 1.000lb).

Sérgio Luís
Sérgio Luís
Reply to  Ricardo N. Barbosa
1 ano atrás

Sim isso é óbvio!

PauloSollo
Reply to  Sérgio Luís
1 ano atrás

Natimorto de fato é um projeto(SU-57) cujo parceiro (Índia) pulou fora dizendo que não atende aos requisitos e do qual o país projetista (Rússia) encomendou apenas uma dúzia de protótipos “para testes” segundo disseram. Em relação ao F-35, chamar de natimorto um caça que está sendo adquirido por 13 países, que está em processo de aperfeiçoamento creio que seja no mínimo imprudente de sua parte. E se você mesmo diz que devemos aguardar para ver se ele provará do que é capaz, porque parte para a depreciação sem sequer dar tempo para a aeronave entrar em combate e mostrar algo?… Read more »

Sérgio Luís
Sérgio Luís
Reply to  PauloSollo
1 ano atrás

Esse Su-57 é outro embuste!
Sollo
Pensa um pouco e cite pelo menos um de quinta geração que esteja a disposição no ocidente! Só existe o “pseudo” Deus Vivo da aviação furtiva(F-35) !!!! Sendo assim é “claro” que todos os 13 por falta de opção (singular) compraram e vão comprar mais, isso é óbvio!
“Efeito manada “

Flanker
Flanker
Reply to  Sérgio Luís
1 ano atrás

Esses dias te perguntei sobre o termo natimorto. Tu tens todo o direito de não gostar do modelo e de apontar seus muitos defeitos. Mas, natimorto ele não é! Já foram entregues centenas e muitas e muitas centenas mais serão entregues. Natimorto é aquele modelo que foi previsto, desenvolvido e não entrou em operação ou foi cancelado.
Quanto à ele ter operado sobre a Síria…..bem, não se tem informações definitivas de que ele já operou……mas também não se tem informações definitivas de que ainda não operou.

Sérgio Luís
Sérgio Luís
Reply to  Flanker
1 ano atrás

Sim respeito também as conclusões e opiniões de todos neste fórum!
Agora com relação as ações de Israel sobre a Síria tanto eu quanto você sabemos que seria ingenuidade da na nossa parte pensar que qualquer movimentação de israel não estaria sendo monitorada por vários interessados em ter pelo menos uma “lasquinha” desse F-35!
Um mero rollout do F-35 é captado por vários satélites!

juggerbr
juggerbr
Reply to  Sérgio Luís
1 ano atrás

teste

Carlos Campos
Carlos Campos
1 ano atrás

Essa fase de aveão zuado já passou, cada dia mais o F35 vai melhorando, lembro que até problema estrutural ele teve e foi resolvido, quanto ao canhão, esse porcaria já tinha pronta aí resolveram fazer um novo! mas pq? $$$$$$$ quem disse que não existe corrupção nos EUA, nesse quesito para mim o F35 é o maior esquema de roubo aos contribuintes americanos, vários erros que a LM não é penalizada, pq ela simplesmente não resolve o problema, ela cobra para resolver.

Flávio Henrique
Flávio Henrique
1 ano atrás

Só a durabilidade das células de vôo deve-se deixa uma observação: os F-35B de lotes anteriores ao 12 bem como algumas aeronaves desse lote (12) é que são afetadas lembrando que os lotes iniciais não receberam reforços estruturais, esse reforços foram necessários por causa de novos recursos/requisitos. Doc Assessment – For all variants, this testing has led to discoveries requiring repairs and modifi cations to production designs, some as late as Lot 12 aircraft, and retrofi ts to fi elded aircraft. – Based on durability testing, the service life of early-production F-35B aircraft is well under the expected service life… Read more »

Wagner
Wagner
Reply to  Flávio Henrique
1 ano atrás

Tá… mas 2000 e poucas horas de voo… projetinho bom hein…

Carlos Gallani
Carlos Gallani
Reply to  Wagner
1 ano atrás

É assim com outras aeronaves tbm, só tem esse carnaval pq é moda criticar o F-35, aos poucos essa quantidade de horas vai subir, é um avião muito inovador, muitos outros problemas aparecerão e muitos dirão que é uma bomba mas ele não está vendendo igual água apenas pelo lobby, logo ele mostrará seu valor no mundo real e meu palpite é que será excepcional!

wagner
wagner
Reply to  Carlos Gallani
1 ano atrás

Aponte um caça produzido desde a década de 50 cuja célula só aguenta até 2200 horas de voo… Olha, não sou contra a ideia que existe por trás do F35 de discrição à detecção e uso intenso de softwares avançados, mas os problemas que tem aparecido são referentes a aspectos básicos do projeto… São falhas estruturais e aerodinâmicas, coisa básica! E nem falo sobre a aviônica Klingon! Esse programa ou é o poço sem fundo para deixar empresários/politicos/alguns militares bastante ricos, ou é como foi dito já por outro comentarista: uma fonte de dinheiro para projetos secretos e obscuros do… Read more »

MGNVS
MGNVS
1 ano atrás

Em breve vai sair a nova versao, o F-35-BM.
Será o F-35-Bug-do-Milenio.
Pq esse aviao esta dando bugs desde o inicio.

GripenBR
GripenBR
1 ano atrás

Estados Unidos tem tempo e uma torneira orçamentária de dinheiro do tamanho da represa de Itaipu para inflar confres da Loockheed o quanto for preciso até que o F-35 se tornar algo qualquer coisas parecida entre a promeça e a realidade. O contribuinte americano parece não se importar, com essa verdadeira super empreiteira agora da no estado americano, e graças a uma decisão acertada não é problema nosso, por que o praguimatismo oriental do Saito nos levou oa Gripen. O porrete geopolítico é a maior qualidade deste gladiador imbatível de Super Trunfo.

Wagner
Wagner
1 ano atrás

Não acredito que a primazia do Stealth sobre todos os outros elementos seja correta. Fico com a escola Russa : Agilidade é mais importante. Acredito que os sistemas SAM e de detecção sempre vão conseguir passar a frente nessa corrida. O espaço utilizado num sistema SAM é quase que a vontade, o que não limita seu desenvolvimento, já um caça stealth tem limitações estruturais que um dia vão mostrar que essa ideia tem um máximo de desenvolvimento. Sim, ele escapa dos radares de hoje. Mas não vai escapar dos de amanhã… Alias os stealth so tiveram sucesso pq coincidiram com… Read more »

JPC3
JPC3
Reply to  Wagner
1 ano atrás

A Rússia não disse que agilidade era mais importante que Stealth, (Eles dizem que é importante preservar a performance e manter os custos operacionais baixos). Essa é argumentação da Sukhoi para explicar a menor furtividade do Su-57 em comparação com os 5Gs ocidentais.

Inclusive eles concordam que quem vê primeiro tem vantagem tática.

A questão é que as necessidades deles são diferentes das necessidades americanas e os recursos disponíveis também.

Thales
Thales
1 ano atrás

Avião ruim do kct. Os americanos deveriam considerar importar sukhois.

rdx
rdx
Reply to  Thales
1 ano atrás

Deveriam esquecer esse lixo de caça e desenvolver uma nova versão do F-22.

Defensor da liberdade
Defensor da liberdade
1 ano atrás

Acho que os analistas de marketing devem ficar de cabelo em pé ao analisar o caso desta aeronave, acho que é o maior trunfo da história do marketing kkkkkkkkkkk

Nilton L Junior
Nilton L Junior
1 ano atrás

Vou elogiar para não ser negativado no comentário, um canhão pode ser trocado assim como um trem de pouso.

Coutinho
Coutinho
Reply to  Nilton L Junior
1 ano atrás

Segundo o relatório do DOT&E FY16AR, o problema parece ser bem mais complexo.
https://www.aereo.jor.br/2017/02/24/dote-fy16ar-o-canhao-do-f-35/

tassios
tassios
1 ano atrás

O problema não são as falhas, coisa comum em projetos novíssimos. O problema é a LM conseguir cada vez mais dinheiro do contribuinte para consertar falhas q nao deveriam estar lá.

Junior
Junior
Reply to  tassios
1 ano atrás

Sabe como é né, cria-se uma dificuldade, vende-se uma facilidade, a Lockheed Martin deve ter aprendido isso na mesma escola que a Odebrecht frequentou

rdx
rdx
1 ano atrás

Na minha opinião, fizeram uma grande lambança. Os EUA deveriam ter desenvolvido uma versão do F-22 para substituir o F-15, o F-16, o Hornet e o Super Hornet. Para amenizar os custos eles poderiam desenvolver uma versão de exportação. Decerto, os alemães teriam escolhido o “F-22” para substituir o Tornado. Aliás, a impressão que tenho é que muita gente está engolindo o F-35 por compromisso comercial ou político. Penso também os EUA deveriam ter desenvolvido outra aeronave para substituir o A-10 e o AV-8. Não faz sentido empregar um caríssimo caça de 5ª geração para executar principalmente missões de apoio… Read more »

Luiz Floriano Alves
Reply to  rdx
1 ano atrás

Em qualquer equipamento a taxa de disponibilidade cai com a complexidade e multiplicidade de sistemas e componentes. A versão B, com mais um motor e controles para a decolagem e pouso verticais deve ser pior ainda. Na frente de combate deverá possuir uma estrutura de apoio muito sofisticada (e cara). As reservas de back up serão muito maiores do que um avião comum.

Thiago Telles
Thiago Telles
1 ano atrás

Projeto desastrado.

Sidney
Sidney
Reply to  Thiago Telles
1 ano atrás

Tão desastrado que existirão uns 4000 F-35 em operação no mundo. E tão desastrado que houve apenas um acidente em 12 anos desde o primeiro voo. E tão desastrado que quem voa o avião só tece elogios às suas capacidades. E tão desastrado que irá em breve custar 80 milhões, menos que o Gripen. E tão desastrado que o Brigadeiro Juniti Saito referiu-se a ele assim: “O Brasil teria uma capacidade dissuasória maravilhosa”. E tão desastrado que ocupará o lugar do F-16, do F-15, do F-18 e do AV-8B nos EUA. Mas o EUA devem estar equivocados, afinal eles não… Read more »

Thiago Telles
Thiago Telles
Reply to  Sidney
1 ano atrás

Eua tem a maior experiência do mundo em projetos e os mais capazes foram feitos por eles. Isso nao isenta os eua de errar e ficar dando murro em ponta de faca em projetos “tortos” seja lá por qual motivo…. Sao vários os exemplos. Talvez o preço da evolução, tentativa e erro pode fazer parte. F35 será um baita laboratório para as próximas gerações.

edcarlosprudente
edcarlosprudente
1 ano atrás

Nada que outro cheque em branco não possa resolver!

Saudações!

andrepoa2002
andrepoa2002
1 ano atrás

Se com a gigantesca escala de P&D americana isso ocorre, imagina com os genéricos meia-boca russo e chinês…

Sidney
Sidney
1 ano atrás

O auge das bobagens ditas neste post culminou em dizer que é um projeto desastrado. A isso respondo assim: Tão desastrado que existirão uns 4000 F-35 em operação no mundo. E tão desastrado que houve apenas um acidente em 12 anos desde o primeiro voo. E tão desastrado que quem voa o avião só tece elogios às suas capacidades. E tão desastrado que irá em breve custar 80 milhões, menos que o Gripen E. E tão desastrado que o Brigadeiro Juniti Saito referiu-se a ele assim: “O Brasil teria uma capacidade dissuasória maravilhosa”. E tão desastrado que ocupará o lugar… Read more »

Thiago Telles
Thiago Telles
Reply to  Sidney
1 ano atrás

Hr q chegar no nr. 3999 a um preço de usd 79,9mm, avisa.

Sergio Peixoto
Sergio Peixoto
1 ano atrás

ABACAXI voador….

Denis
Denis
1 ano atrás

Cara, torço muito para que o programa JSF dê certo, em termos de solução de problemas, mas não dá pra ignorar a quantidade gigantesca de problemas que os F-35X apresentam. Não se trata da questão dos inevitáveis desafios de um novo projeto, nem do fato de haver tecnologias incipientes; trata-se de erros crassos de engenharia. Como exemplo, posso citar:1) O capacete pesado, capaz de quebrar o pescoço do piloto durante a ejeção; 2) aquela historinha de não poder voar em meio a raios; 3) essa nova historinha do canhão. Há muitos outros, mas não quero esgotar o tema aqui. Esses… Read more »

Kemen
Kemen
1 ano atrás

Fica mais fácil perguntar quais são os problemas que os F-35 não tem ? Apelidar o bichinho de “jaca” é difamar as jacas (dura ou manteiga). Espero que um dia terminem os problemas encontrados nos F-35 e seja mais um meio de combate aereo seguro, algumas Forças Aéreas desistiram de adquirilos…talvez pelo custo/beneficio

Flanker
Flanker
1 ano atrás

Sem entrar no mérito dos problemas do F-35, que são muitos, mas tem uma coisa que já foi falada várias vezes aqui, mas que muitos não levam em conta: publicidade desses problemas! Esse avião está sendo desenvolvido e entrando em operação numa época em que a informação é instantânea! E, no caso especifico do F-35, não sujeita à filtros. Seus problemas são todos divulgados. Como podermos afirmar que os projetos anteriores não tiveram grandes problemas também? Só que na época, a informação não se propagava tão rapidamente ou era tão fácil de ser obtida. Façamos apenas um raciocínio: será que… Read more »

Douglas Falcão
Douglas Falcão
Reply to  Flanker
1 ano atrás

Chineses e russos tem transparência mínima, ou nenhuma, quando comparados aos americanos. Por isso os últimos estão há quase 300 anos sem uma revolução ou golpe político. Mesmo os europeus ficam muito atrás. Repare que projetos como o Rafale são noticiados como o “hiper super das galaxias”. Não há exteriorização dos debates sob o argumento da proteção do interesse nacional, e neste aspecto, sabemos bem que interesse nacional pode encobrir muito defeito ou ate malversação de dinheiro. E diga-se de passagem essa razoável transparência no uso do dinheiro arrecadado do cidadão americano não os impede de manter projetos ultra secretos… Read more »

Denis
Denis
Reply to  Flanker
1 ano atrás

Flanker e Douglas Falcão. Bom dia. Não quero desmerecer vossos argumentos; considero-os muito válidos. Só gostaria de lembrar que os suecos são bastante transparentes, e vivem na mesma época da informação instantânea que os americanos. O Gripen deve ter seus problemas, sim, mas o projeto está dentro do prazo previsto, atingindo todas as metas de forma satisfatória. A questão é que os problemas divulgados do F-35 são situações de erros grosseiros de projeto. Quanto ao Rafale, talvez os franceses não sejam tão transparentes como os americanos, mas em termos de OBJETIVO DE PROJETO, sem levar em consideração os custos nem… Read more »