Home Aviação de Ataque Singapura identifica o F-35 como solução de caça a longo prazo

Singapura identifica o F-35 como solução de caça a longo prazo

4620
75
Mockup do F-35 em Singapura

O ministro da Defesa de Singapura, Ng Eng Hen, anunciou na mídia social que após a conclusão de uma avaliação técnica pela Força Aérea da República da Singapura (RSAF) e Agência de Ciência e Tecnologia de Defesa (DSTA), o Lockheed Martin F-35 foi selecionado como o sucessor de caça de próxima geração para a frota existente de F-16.

O anúncio feito em 18 de janeiro é uma pequena surpresa. A RSAF opera atualmente uma mistura de caças de origem norte-americana e baseia alguns dos seus F-15 e F-16 nos Estados Unidos para fins de treinamento de pilotos e tripulantes. Os laços militares entre a República de Singapura e os Estados Unidos são próximos, e o F-35 tem sido visto em muitos círculos como um sucessor natural do F-16.

Singapura seguiu o programa F-35 desde que se juntou como observador em 2004. Os EUA ofereceram a participação de Singapura como participante de “Cooperação em Segurança” (isto é, cliente do FMS) durante a fase de Desenvolvimento e Demonstração do Sistema (SDD) do programa, acesso a briefings de projeto e permitir que Singapura faça pedidos antecipados, pelo modesto custo de US$ 24 milhões.

Uma pedra angular da defesa e da política de segurança de Singapura é a necessidade de projetar poder e alavancar sua vantagem tecnológica militar como uma dissuasão útil contra possíveis inimigos, tanto próximos quanto estrangeiros. A adição do F-35 ajudaria esse requisito, ao mesmo tempo em que forneceria à RSAF uma plataforma capaz de operar juntamente com seus aliados estratégicos nos EUA e na Austrália.

Com a China continuando a pressionar suas reivindicações territoriais no Mar do Sul da China e seus militares desenvolvendo seus próprios caças stealth avançados, Singapura, sem dúvida, considera uma aquisição do F-35 como combinando as melhorias realizadas por um rival em potencial.

A advertência do anúncio da Ng Eng Hen é que a avaliação técnica realizada pela RSAF e pela DSTA concluiu que apenas um pequeno número de F-35 deveria ser comprado para realizar uma avaliação completa dos caças e determinar sua adequação antes de obter uma compra em maior quantidade.

Em outras palavras, essa é uma abordagem cautelosa envolvendo um processo de compra, venda e avaliação visto como necessário antes de empreender uma aquisição tão cara.

O ministro da Defesa também observou que as agências de Singapura precisam agora discutir com seus colegas americanos como melhor avançar em tal aquisição – um processo que deve levar de 9 a 12 meses antes que uma decisão final seja tomada.

Singapura tradicionalmente mantém seus planos de defesa secretos. Quando realiza um programa de compras, faz isso de maneira cuidadosa e incremental.

Assim, a determinação de fazer uma avaliação detalhada e mensurada do Joint Strike Fighter é menos incomum do que a abordagem de “pequenos lotes de compra-para-teste” ignorada por uma nação como Israel, muitas vezes vista como o modelo relativamente emulado por Singapura na construção de um forte exército com uma limitada reserva de mão de obra.

Também é digno de nota que o Ministério da Defesa não divulgou qual variante do F-35 pretende adquirir para o período final de avaliação.

A variante F-35 “B” de decolagem curta e pouso vertical (STOVL) faz sentido para Singapura devido à sua área de terra limitada e, portanto, sua vulnerabilidade a ataques aéreos inimigos e mísseis/foguetes em suas pistas.

O recurso STOVL eliminaria a necessidade de alinhar as aeronaves em um aeródromo, permitindo que a RSAF conseguisse dispersar sua frota em vez de sujeitar a aeronave a ser atingida no solo ou inutilizada devido a danos em suas pistas. Para esses jatos de STOVL, apenas uma capacidade limitada da pista é necessária.

FONTE: Forecast International

Subscribe
Notify of
guest
75 Comentários
oldest
newest most voted
Inline Feedbacks
View all comments
Nilton L Junior
Nilton L Junior
1 ano atrás

Esse é que pode se dizer de espinho no pé dos Chineses.

teropode
Reply to  Nilton L Junior
1 ano atrás

O F35 sim , o Estado não.

Ricardo
Ricardo
Reply to  Nilton L Junior
1 ano atrás

É o Israel do Sul da Ásia

Carlos Campos
Carlos Campos
Reply to  Nilton L Junior
1 ano atrás

Coisa interessante é que Taiwan e Singapura são países chineses que não gostam do Chineses. e a Singapura é mais parecida com a China do que Taiwan no quesito governo.

Minuteman
Minuteman
1 ano atrás

É no mínimo estranho um país de 722.5 km2 e 5,6 milhões de habitantes comprar um caça desses. Se bem que tendo o Dragão como possível oponente na frente norte, já justifica a compra.

Antoniokings
Antoniokings
Reply to  Minuteman
1 ano atrás

Se a China algum dia atacar Cingapura (ou Singapura), tenha certeza que a guerra durará algumas poucas horas.
Em tempo: Cingapura tem cerca de 40 km de comprimento por 20 km de largura.

Victor Filipe
Victor Filipe
Reply to  Antoniokings
1 ano atrás

Ou seja, uma região extremamente pequena e muito fácil de se deixar densamente protegida. 6 F-35 conseguem fazer a vigilância de todo esse espaço aéreo com tranquilidade absurda. e se você for dar uma pesquisada na força aérea deles, vai parar de achar que a china teria vida fácil. principalmente pra china ficar movendo seus aviões até um pais que esta a 3.821km de distancia. claro que não é impossível pra eles. mas quantos aviões você acha que a china iria conseguir manter na região? Logistica Xingis. Logística, é uma coisa que você fatalmente esquece a PLAAF seria obrigada a… Read more »

Antoniokings
Antoniokings
Reply to  Victor Filipe
1 ano atrás

Creio que vc está sendo irônico, não?

Victor Filipe
Victor Filipe
Reply to  Antoniokings
1 ano atrás

Sua falta de conhecimento básico sobre estrategia aérea me faz pensar que você é o irônico

A china não vai simplesmente chegar e jogar aeronaves na Singapura como se fosse uma orda de bárbaros invadindo Roma

Washington Menezes
Washington Menezes
Reply to  Victor Filipe
1 ano atrás

Victor, quanto tempo você acha que seis F35 podem manter combate em uma guerra em se tratando de China? Você pode multiplicar isto por seis e ainda assim não muda o resultado.

Rodrigo M
Rodrigo M
Reply to  Antoniokings
1 ano atrás

Os árabes também pensavam assim em relação a Israel.

Antoniokings
Antoniokings
Reply to  Rodrigo M
1 ano atrás

Cingapura consegue ser menor que Israel.
E não tem tantos entusiastas assim nos EUA.

Rodrigo M
Rodrigo M
Reply to  Antoniokings
1 ano atrás

Então vamos lá.. Um porta-aviões consegue ser ainda muito menor que Singapura.
Você acha que seria fácil assim “destruir em poucas horas” ?? Então não se iluda tanto assim com tamanho..

Antoniokings
Antoniokings
Reply to  Rodrigo M
1 ano atrás

Pelo menos porta-aviões se movem e não são, por conseguinte, alvos fixos, né?
Se não me engano, Cingapura tem apenas duas bases militares.
Se ela entrar em conflito com a Malásia, sua vizinha de fronteira, todo seu território poderia ser alvejado por artilharia pesada.
A Indonésia, outro vizinho próximo, teria condições de atacar repetidamente esses aeroportos.
A China nem preciso comentar.
Portanto, repito.
A melhor estratégia de Cingapura é manter a paz com seus vizinhos e não serão meia dúzia de aviões que intimidariam seus vizinhos muito maiores e mais poderosos.

Antoniokings
Antoniokings
Reply to  Alexandre Galante
1 ano atrás

Pode ter, mas suas bases aéreas ficam a apenas 10 km da fronteira malaia e seria alvo até de canhoneio direto. Com relação à Indonésia, um pouco mais distante, algumas posições devem ter uns 30 km pelo Estreito de Singapura.
Não creio que a dispersão de aviões por bases em outros países seja útil nessa situação.

Minuteman
Minuteman
Reply to  Antoniokings
1 ano atrás

Corroborando o Galante. Singapura tem “só” 40 F-15 e 60 F-16. Que inveja.

Tiago Georgette
Tiago Georgette
Reply to  Antoniokings
1 ano atrás

Cingapura possui bases na Austrália, portanto, nem todos seus recursos estão ao alcance da artilharia vizinha.

https://www.em.com.br/app/noticia/internacional/2016/05/06/interna_internacional,759968/cingapura-expandira-bases-militares-no-norte-da-australia-de-olho-na-c.shtml

Além do fato, de que se a Austrália recepciona bases de Cingapura em seu território, o acordo de cooperação deverá ser robusto.

carcara_br
carcara_br
Reply to  Alexandre Galante
1 ano atrás

Não adianta absolutamente nada se toda a infraestrutura estiver ao alcance dos inimigos.
Antônio só disse o óbvio…

Antoniokings
Antoniokings
Reply to  carcara_br
1 ano atrás

Exatamente.
Aliás é difícil entender porque países como Singapura, Catar, Bahrein gastam fortunas com armas.
Não tem chance alguma contra os vizinhos.

Carlos Campos
Carlos Campos
Reply to  Antoniokings
1 ano atrás

E ilhas no mar do Sul da China iam ser alvos de Singapura, fora os Aviões que partiriam da Austrália para atacar Singapura, você esqueceu que Singapura tem um serviço de inteligência e saberia muitas horas antes de um ataque Chinês, a Singapura também tem seus navios e baterias anti-aérea, eu Acredito que a China venceria Singapura, mas a que preço? a China ia perder vários aviões, pilotos treinados, ia perder suas ilhas, talvez até um porta aviões afundado, e quem sabe locais em Shenzen, Cantão e Pequim sendo destruídos.

Carlos Gallani
Carlos Gallani
Reply to  Antoniokings
1 ano atrás

“Aliás é difícil entender porque países como Singapura, Catar, Bahrein gastam fortunas com armas.”

Eu explico, é pq todas estas nações são burras e vc é esperto!!!

Victor Filipe
Victor Filipe
Reply to  carcara_br
1 ano atrás

Eles não estão, estão a quase 4 mil km

Eleazar Moura Jr.
Eleazar Moura Jr.
Reply to  Alexandre Galante
1 ano atrás

Mais e bem melhores: F-15 e F-16 de versões modernas!

teropode
Reply to  Antoniokings
1 ano atrás

Singapura está pra região como é Luxemburgo para a Europa , um banco segue o para os bilionários da região é até para os líderes pios da China.

teropode
Reply to  Antoniokings
1 ano atrás

Atacar Singapura pra que ? Não me atrevo nem pensar na Hipóteses, seria pra exercitar o alter-ego ?

Washington Menezes
Washington Menezes
Reply to  Antoniokings
1 ano atrás

Não será nem guerra.

Rui Chapéu
Rui Chapéu
1 ano atrás

E há quem diga que o F-35 está na pior……

Sérgio Luís
Sérgio Luís
Reply to  Rui Chapéu
1 ano atrás

Más a única coisa que voa de quinta geração é esse pseudo furtivo f-35! Eles tem que comprar é esse mesmo uai!

JPC3
JPC3
Reply to  Sérgio Luís
1 ano atrás

Primeiro tem que saber o que é furtividade….. Para depois poder comentar.

Diogo de Araujo
1 ano atrás

ué mas e o T-50??? eu mesmo respondo: arrebentando a boca do balão, 12 unidades vendidas!

Douglas Rodrigues
Douglas Rodrigues
Reply to  Diogo de Araujo
1 ano atrás

Para a própria Rússia… rs

Sérgio Luís
Sérgio Luís
Reply to  Diogo de Araujo
1 ano atrás

Moooço a Rússia não vai vender esse eterno protótipo t-50 pra seu ninguém!!!

nonato
nonato
Reply to  Sérgio Luís
1 ano atrás

A Rússia também não está muito empolgada…

Fernandes
Fernandes
1 ano atrás

Porque F-35? Resposta toda no 3º parágrafo, através da letrinhas mágicas: FMS…

JPC3
JPC3
Reply to  Fernandes
1 ano atrás

E não poderiam ter escolhido novos F-15 ou F-16 via FMS?

Victor Filipe
Victor Filipe
Reply to  Fernandes
1 ano atrás

Qualquer aeronave comprada dos EUA poderia vir por FMS seja
F/A-18F
F-15 (qualquer variante)
F-16V
e la se vai.
pegaram o F-35 pq quiseram.

Guilherme Silva
Guilherme Silva
Reply to  Victor Filipe
1 ano atrás

Vão optar pelo F-35 por ser uma evolução natural e necessária dos meios que eles já possuem. (F-16/F-15)

Lewandowski
Lewandowski
1 ano atrás

Não é só FMS…
.
O F35 é o caça mais avançado da história e custa menos de 100 doletas… olhem os quanto o Rafale custou aos indianos, ou o Typhoon para o Qatar… O FMS tbm estaria disponível para o F15 ou F18, mas não se comparam o F35…
.
Não adianta, o F35 é o futuro…
.
Sds

JPC3
JPC3
Reply to  Lewandowski
1 ano atrás

Sendo que tem muita gente nos EUA com “interesse” em ajudar a Boeing.

Antoniokings
Antoniokings
Reply to  Lewandowski
1 ano atrás

Talvez sejam sobras dos cancelamentos de Itália, Israel ou Taiwan.
Países que estão sob ameaça de invasão e destruição, como Israel e Taiwan, estão declinando das ofertas.
A Itália é falta de grana mesmo.

JPC3
JPC3
Reply to  Antoniokings
1 ano atrás

Como os aviões que ainda não foram fabricados podem ser sobras de cancelamentos?

JPC3
JPC3
Reply to  Antoniokings
1 ano atrás

Tem um link sério dizendo que Israel não quer mais F-35?

Taiwan não cancelou nada, nem tinha feito encomendas.

Lewandowski
Lewandowski
Reply to  Antoniokings
1 ano atrás

Tu só não aceita a realidade porque ela vem dos EUA, e pra ti isso não pode… . Taiwan não declinou dos F35… os EUA se quer queriam modernizar os atuais F16 e quiçá vender outros para não aumentar as tensões com a China. Ou seja, F35 é opção dos EUA e não de Taiwan. . Israel não cancelou o F35 (até pq nem pode cancelar aquilo que é ‘dado’)… apenas quer complementar com F15 que simplesmente tem maior alcance e carga bélica. O F35 vaí acabar com as defesas AA e o F15 vem de martelo… simples… . Concordamos… Read more »

Antoniokings
Antoniokings
Reply to  Lewandowski
1 ano atrás

Pegue três trechos do texto: ‘A RSAF opera atualmente uma mistura de caças de origem norte-americana’, ‘Singapura seguiu o programa F-35 desde que se juntou como observador em 2004″ e ‘os EUA ofereceram a participação de Singapura como participante de “Cooperação em Segurança” (isto é, cliente do FMS)’.
Aí vc descobre os motivos da escolha.
Não viaje.

JPC3
JPC3
Reply to  Antoniokings
1 ano atrás

Talvez fosse melhor aproveitar o blog e os comentários para aprender algo sobre aviação e não ficar perdendo tempo fazendo pregação antiamericana.

Bosco
Bosco
Reply to  JPC3
1 ano atrás

A ama de leite do Antoniokings era do Mississípi e ficava esfregando aqueles úberes agigantados na cara dele e aí ele pegou trauma.

Antoniokings
Antoniokings
Reply to  Bosco
1 ano atrás

Mississipi é local típico de ‘rednecks’ e ‘white trash’.
Estou fora.

Cinturão de Orion
Cinturão de Orion
Reply to  Lewandowski
1 ano atrás

“… o F35 é o futuro…”. Parabéns. Na simplicidade, este foi um comentário dos mais “lúcidos” em se considerando aeronaves pilotadas.

Carlos Gallani
Carlos Gallani
Reply to  Cinturão de Orion
1 ano atrás

O F-35 é o futuro e ponto final!

Walfrido Strobel
Walfrido Strobel
1 ano atrás

Vejo muita gente considerando Singapura como um possível adversário da China, mas não é bem assim. Singapura tem uma população com 60% de etnia chinesa e todos os documentos oficiais são redigidos em inglês e em uma das linguas chinesas, não me lembro qual, pois uma grande parcela da população usa o chinês como idioma principal. . Em 2021 inaugura a ferrovia Kunming–Singapore, mostrando que a relação entre eles é boa “The Kunming–Singapore railway, increasingly called the Pan-Asia railway is a network of railways, being planned or under construction, that would connect China, Singapore and all the countries of mainland… Read more »

Walfrido Strobel
Walfrido Strobel
Reply to  Walfrido Strobel
1 ano atrás

Com esta ferrovia a China tem mais uma possibilidade de manter suas exportações e importações em caso de problemas no Mar da China, a China tem o maior porto do mundo em movimentação de conteiners e Singapura o 2° maior do mundo.

Walfrido Strobel
Walfrido Strobel
Reply to  Walfrido Strobel
1 ano atrás

Para terem uma ideia muitos comerciais na TV de Singapura são em mandarin.
. https://m.youtube.com/watch?v=QeWS4ZKpbwc
.
. https://m.youtube.com/watch?v=0izY5hGTZDo

Antoniokings
Antoniokings
Reply to  Walfrido Strobel
1 ano atrás

Não estou nem considerando os excelentes laços econômicos entre China e Singapura, o que torna uma guerra quase impossível. Além da questão étnica.
Estou considerando a questão estratégica de defesa de um território tão pequeno.
Apesar de antiga, lembro que quando Singapura era uma fortaleza britânica, muito bem protegida e considerada até inexpugnável, foi conquistada pelos japoneses em cerca de 10 dias.

Carlos Gallani
Carlos Gallani
Reply to  Walfrido Strobel
1 ano atrás

Etnia por etnia Taiwan vai muito bem!

FRANCISCO CARLOS TOLLMEINER
FRANCISCO CARLOS TOLLMEINER
1 ano atrás

China não desenvolveu nada, no máximo roubou tecnologia e fez uma cópia que mal funciona.

Billy
Billy
1 ano atrás

Ah não! Esqueceram de consultar alguns companheiros aqui do fórum.

Gilbert
Gilbert
1 ano atrás

O atual governo não me surpreenderia nem um pouco se no futuro os caças de um NAe da MB fossem F-35 em vez de Gripen Marine.

Cinturão de Orion
Cinturão de Orion
Reply to  Gilbert
1 ano atrás

Concordo. Para um País sem absolutamente nenhuma necessidade de projeção de poder, creio que bastam PHMs ou mesmo NDMs com capacidade para F35s. Me parece uma tendência.

Flávio Henrique
Flávio Henrique
Reply to  Gilbert
1 ano atrás

Quando se leva em conta o custo do navio o F-35B se tornar barato de se operar…. A versão B é a única que tem um bom custo x benefício… A e C deveria ser derivados de um outro projeto…

Carlos Gallani
Carlos Gallani
Reply to  Flávio Henrique
1 ano atrás

Discordo, o A está ficando a preço de banana e o C é para quem tem brinquedos de verdade!
Cinturão, acho a proposta dos classe Izumo um pitéu para a MB!

teropode
1 ano atrás

Na boa pessoal , nenhum comentário tocou no óbvio, Singapura é um protetorado da comunidade britânica das nações, tocar em Cingapura seria como chutar o saco deste pessoal , no pacote destes F 35 está incluído 4 Subnucles , 4 PA nuclear , 130 F18 e mais uns trocados Britânicos, Australianos e Canadense . Singapura é um espinho Anglo-saxao na garganta de seus vizinhos .

Carlos Gallani
Carlos Gallani
Reply to  teropode
1 ano atrás

A galera esquece do commonwealth!

Thiago Telles
Thiago Telles
1 ano atrás

Longo prazo. Ta certo. Longo prazo p ficar pronto.

Humberto
Humberto
1 ano atrás

Prezados, Posso estar redondamente enganado, mas Cingapura não está se armando por causa da China e sim por causa do seu vizinho, Malásia, este sim é a ameaça do pais. Uma boa parte da sua doutrina é muito parecida com a de Israel, que por sinal, sempre foram aliadas e parceiras, inclusive, Israel ajudou a criar as forças armadas de Cingapura. Cingapura tem uma população e território muito pequenos, perto dos seus adversários (como Israel) muito maiores MAS, uma parte dos equipamentos bélicos de Cingapura estão fora do pais, como EUA, Austrália. Obviamente não é só para treinamento….. Eles investem… Read more »

Ivan
Ivan
Reply to  Humberto
1 ano atrás

Si vis pacem, para bellum. . A questão é DISSUASÃO. . É um substantivo feminino que, conforme os dicionários, significa: – Ação de dissuadir, de fazer com que alguém mude de ideia, de opinião, de ponto de vista; – Ação de convencer uma pessoa (física ou jurídica) a deixar de fazer alguma coisa, a perder certa intenção que tinha; despersuasão; – Circunstância em que o medo da repressão adversária impede a evolução do conflito. . Pois é. Simples assim. . Singapura não precisa “derrotar” a China ou a Malásia. Basta tornar tão cara, tão sangrenta e tão demorada uma batalha… Read more »

JAGDERBAND#44
JAGDERBAND#44
1 ano atrás

Mais uma vitória para o F35.

teropode
Reply to  JAGDERBAND#44
1 ano atrás

O maior cliente para o F35 seria a China, pena que não vendem pra eles , o jeito é então roubar o que der de informações, Singapura será mais vigiada do que o biggloboblode. Não se esqueçam, os caças ficaram nos EUA .

Paulo Costa
Paulo Costa
1 ano atrás

Eu acho que se essa compra teste for bem sucedida, Singapura vai acabar sim comprando os F-35B, e fara um grande negocio.

E tenho certeza que a nossa Marinha vai sim construir um Porta-aviões e teremos caças F-35B operando nele

Carlos Gallani
Carlos Gallani
Reply to  Paulo Costa
1 ano atrás

Amém para algo do naipe dos classe Izumo!

Antunes 1980
Antunes 1980
1 ano atrás

Algum forista poderia por favor compartilhar algumas matéria sobre o resultado do F-35 em um dogfight.

Luiz Floriano Alves
Reply to  Antunes 1980
1 ano atrás

Cingapura está adotando uma solução muito inteligente. Vai comprar um lote pequeno para avaliação. Comprar um vetor com pouco histórico de combate é bem arriscado. Some-se os incidentes técnicos e poderemos ter surpresas desagradáveis. Tipo fabricar um lote de corvetas nunca dantes navegadas. Ou avião sueco que dança no pouso.

paulo sergio
paulo sergio
1 ano atrás

defender uma cidade-estado não é fácil. que o diga Esparta!