Home Apoio Logístico Força Aérea Brasileira contrata Leonardo para suporte logístico aos jatos AMX

Força Aérea Brasileira contrata Leonardo para suporte logístico aos jatos AMX

26018
120
A-1M

ROMA — O Comando Geral de Apoio da Força Aérea Brasileira (COMGAP) confirmou a Leonardo como fornecedor de serviços de apoio logístico de longo prazo para a frota de aeronaves AMX da Força Aérea Brasileira (FAB).

O acordo foi assinado no âmbito do programa da Força Aérea Brasileira para fornecer plena capacidade operacional para a frota AMX nos próximos cinco anos.

O contrato de 58 meses inclui uma gama de serviços, como reparo e revisão de componentes, suporte logístico para gerenciamento de peças sobressalentes, gerenciamento de obsolescência de aeronaves, bem como suporte técnico e de engenharia para a Força Aérea. Todas as atividades serão coordenadas pelo Centro Logístico da Força Aérea Brasileira (CELOG) em colaboração com a Leonardo.

Luiz Amedeo Iozzi da Silva, diretor do Centro de Logística da Força Aérea Brasileira, disse: “Graças ao apoio da Leonardo, a FAB garantiu a capacidade operacional contínua da frota AMX. Estamos convencidos de que a colaboração contínua com a Leonardo aumentará ainda mais a eficiência operacional da frota. Estamos cooperando com a Leonardo desde 2012 e estamos ansiosos para prosseguir até o final do ciclo de vida operacional do tipo. Sem o apoio logístico da Leonardo, tal programa de manutenção seria impossível e, com este acordo, a FAB poderá obter maiores economias para o suporte logístico AMX e reduzir os custos de gerenciamento”.

Placido De Maio, diretor de vendas para a América Latina da Leonardo disse: “Nossa empresa vem contribuindo com o apoio logístico de aeronaves AMX brasileiras e italianas há anos. Estamos orgulhosos que a Força Aérea Brasileira tenha renovado sua confiança em nós. Graças a este acordo, a FAB poderá continuar operando sua frota com alta eficiência ”.

O AMX é um avião de apoio aéreo aproximado desenvolvido nos anos 80 pela então Aeritalia (46,5%) e Aermacchi (23,8%) com a Embraer do Brasil (29,7%). A aeronave AMX entrou em serviço na Itália e no Brasil no final dos anos 80.

Dois A-1B com a primeira e segunda camuflagem adotada pela FAB

FONTE: Leonardo

LEIA TAMBÉM:

Subscribe
Notify of
guest
120 Comentários
oldest
newest most voted
Inline Feedbacks
View all comments
Papan
Papan
1 ano atrás

Gostaria de saber algumas informações a respeito de qual o tamanho da nossa frota de AMX disponível hoje, de quantas aeronaves foram modernizadas para o padrão A1-M, se a FAB pretende ainda modernizar mais aeronaves AMX. Obrigado!

Luiz Antonio
Luiz Antonio
Reply to  Papan
1 ano atrás

Segundo matéria anterior do PA o Cel. Nery postou que a previsão para a modernização era para 15 aeronaves há dois anos atrás. Não sei se foi realizada. Ver link da matéria nesta mesma matéria.

Flanker
Flanker
Reply to  Papan
1 ano atrás

A FAB recebeu até agora 4 aeronaves A-1 modernizadas, sendo 3 monoplaces (5506, 5520 e 5525) e 1 biplace (5652). Segundo divulgado, os planos são de modernizar 14 células no total. Além das 4 células “M” já entregues, existem ao menos mais 3 que foram modernizadas e serviram de protótipos do programa de modernização (monoplaces 5526 e 5530 e biplace 5650) e encontram-se , salvo alguma mudança, na Embraer Atualmente, todos A-1 da FAB são baseados na Ala 4, aqui em Santa Maria/RS, onde são operadas as 4 células “M” e os A-1A/B do 3° lote )algo em torno de… Read more »

Felipe S
Felipe S
Reply to  Flanker
1 ano atrás

Exatamente. Temos hoje 20 caças AMX operativos e a previsão é de que 14 serão modernizados, contudo não é impossível que todos os 20 passem para o padrão A-1M, e sejam mantidos dois esquadrões com 10 em cada em Santa Maria. Se hoje ainda temos uma capacidade aérea de projeção se deve ao AMX, o F-5M não tem muita autonomia nem capacidade de carga.

Paulo Costa
Paulo Costa
Reply to  Papan
1 ano atrás

Papan … ate onde eu se A ideia original era modernizar todos os 53 jatos A1 AMX para atuar mais 10 ou 20 anos, depois o planejamento era que apenas 43 jatos seriam modernizados, esse numero depois caiu para apenas 30 e depois apenas 15 e no fim os incompetentes so conseguiram 03 para sobrar dinheiro para esses …… que dirigiam a FAB torrar com recepções, coquetéis e medalhas e nessa colcha de retalhos que fizeram com a FAB nessa desorganização atual. O Gripen e a mesma palhaçada, antes seriam 134, 108, 96, 72, 48 e se conseguimos receber os… Read more »

Doug385
Reply to  Paulo Costa
1 ano atrás

Mais respeito. Os incompetentes foram aqueles que afundaram a economia e se esbaldaram dos recursos públicos durante mais de uma década. Contingenciamento não é responsabilidade das Forças.

Paulo Costa
Paulo Costa
Reply to  Doug385
1 ano atrás

Os incompetentes foram aqueles que fizeram tudo isso que voce falou e tambem colocaram outros incompetentes na Defesa e nos comandos.

luiz antonio
Reply to  Paulo Costa
1 ano atrás

Paulo Seu comentário é completamente equivocado quando cita os contingenciamentos ao longo dos governos PT. A FAB fez o que pode com o que tinha e para completar, essas reformulações nas estruturas da FAB nos últimos tempos é consequência de planejamento para os próximos 40 anos. O Gripen é apenas uma parte desse planejamento. Todos os A-1, inclusive já foram transferidos para Santa Maria (ALA 4) para, além de otimizar recursos, também se preparar para a desativação do A-1 com a operação do F-39. A FAB não é uma mercearia como voce pensa. Procure se informar melhor antes de postar… Read more »

Paulo Costa
Paulo Costa
Reply to  luiz antonio
1 ano atrás

Essas reformulações nas estruturas da FAB nos últimos tempos é consequência de planejamento equivocado isso sim. E se a FAB e as FFAA tivessem sido administrada como uma boa mercearia com bons gestores hoje ja seria um supermercado e nao um bar de 3ª com caças obsoletos e inferiores aos nossos possíveis inimigos. A qualidade do bom administrador e tirar leite de pedra e fazer um bom trabalho e nao usar desculpa falta de verbas para nao fazer nada. ” postar comentários ridículos sobre o que não sabe.” Quanto a essa frase isso e provocação imatura e nem vou perder… Read more »

Rinaldo Nery
Rinaldo Nery
Reply to  Paulo Costa
1 ano atrás

Você nem sabe o que foi realizado na reestruturação, porque foi feito, quem idealizou e quais foram os principais problemas enfrentados. Você é /foi da FAB?

Selvatico91
Selvatico91
Reply to  Paulo Costa
1 ano atrás

Vc ataca a FAB inicialmente e diz que o outro está provocando ?

Felipe S
Felipe S
Reply to  Paulo Costa
1 ano atrás

Errado. O FX previa 12 caças para substituir os Mirage III , e já na época se previa a necessidade da FAB em 120 aeronaves novas. O Governo decidiu não gastar 700 milhões de dólares em 12 caças novos, gastou 285 milhões para modernizar os 46 F-5E , e eram previstos 350 milhões para modernizar 43 AMX , que foi reduzido hoje para 14 – 20 unidades. Foram comprados os 12 Mirage 2000C por 80 milhões de euros e algumas dezenas de mísseis, ficaram em serviço por apenas 5 anos. Atualmente a necessidade da FAB são 108 Gripen NG ,… Read more »

Iurdiano Jr
Iurdiano Jr
Reply to  Papan
1 ano atrás

O Paulo tá certo! A FAB joga dinheiro público no ralo, sim! Cito aqui a compra EQUIVOCADA de 12 Anv P3 para patrulharem nosso Pré-sal.
Essas anvs foram descartadas pelos EUA, abandonadas num ferro-velho a céu aberto no deserto. E o Brasil comprou 12 unidades, que foram “modernizadas” e hoje, das 5 que sobraram (pasmem) só tem uma voando cheia de limitações!

Heverton Ribeiro
Heverton Ribeiro
Reply to  Iurdiano Jr
1 ano atrás

Não sei agora, mas enquanto estavam aqui na base aérea de Salvador, todas as tardes, sempre tinha um sobrevoando a cidade.

Rinaldo Nery
Rinaldo Nery
Reply to  Iurdiano Jr
1 ano atrás

Você é do 1°/7°?

Filipe Prestes
Filipe Prestes
Reply to  Rinaldo Nery
1 ano atrás

Eu tb via os P-3 decolando da base todo fim de tarde. Agora, se não me engano, o Orungan está em Sta. Maria. Não sei ao certo.

Filipe Prestes
Filipe Prestes
Reply to  Filipe Prestes
1 ano atrás

Acho cômico como alguns comentaristas, vindo de sabe-se lá onde, ainda teimam em achar que sabem mais que o Rinaldo que foi da FAB rsrsrs E é cada comentário que dá um câncer nos olhos só de ler. Paciência, caro Rinaldo. Admiro sua paciência com esses comentários

igortepe
igortepe
Reply to  Filipe Prestes
1 ano atrás

Disse bem, FOI da FAB.

Rinaldo Nery
Rinaldo Nery
Reply to  Filipe Prestes
1 ano atrás

Santa CRuz.

Glasquis7
Reply to  Iurdiano Jr
1 ano atrás

Os P3 são as aeronaves de maior longevidade junto com os H C 130. Muitas marinhas os usam até hoje inclusive algumas ainda procuram mais P3 no mercado para comprar.
A Lockeed Martin abriu uma linha de montagem para modernizar estas aeronaves que tem se mostrado muito eficientes.

willhorv
willhorv
1 ano atrás

“ciclo de vida operacional do tipo”
Hummm…58 meses!!
Compraremos mais quantos lotes de Gripen nestes 5 anos?? E serão entregues a tempo???
Serão A1, F5 e A4 dando baixa…
Shiiii!!!

Jonemir
Jonemir
1 ano atrás

Todo contrato pode ser renovado. Santo Deus….

Thomaz Alves
Thomaz Alves
1 ano atrás

A FAB conta com pelo menos 20 AMX 100% operacionais? Sei que o número de aeronaves é maior, mas operacionais não imagino quantos.

carcara_br
carcara_br
1 ano atrás

A EMBRAER não poderia fazer?

Nicolas_RS
Nicolas_RS
1 ano atrás

Eu queria ver um sucessor do AMX, me agrada muito mais do que o Uno(A-29).

JT8D
JT8D
Reply to  Nicolas_RS
1 ano atrás

O sucessor do AMX é o Gripen E

Nicolas_RS
Nicolas_RS
Reply to  JT8D
1 ano atrás

JT8D
O Gripen E é outra categoria de avião, é igual comprar o F-35 com o A-10C, o F-35 faz o que o A-10C, mas não com mesma “perfeição”.

Rafael Oliveira
Rafael Oliveira
Reply to  Nicolas_RS
1 ano atrás

O que o AMX faz com mais perfeição que o Gripen E?

Cipinha
Cipinha
Reply to  Rafael Oliveira
1 ano atrás

Quanto custa a hora de vôo do A1 e do Gripen?

Ferreras
Reply to  Rafael Oliveira
1 ano atrás

Cipinha provavelmente a hora de custo de voo poderia custar muito mais do que a do Gripen isso porque teria custos que o Gripen já absorveu.

* Ferramental;
* O processo de aquisição em si;
* Transferência de tecnologia (caso houvesse);
* Treinamentos;
* Logística de peças;
* Escala de produção;

Carlos Alberto Soares
Carlos Alberto Soares
Reply to  Rafael Oliveira
1 ano atrás

Custo unit, custo da hora/voo etc…. é um bombardeiro leve nato.
Está pago há muito tempo, portanto ….. Defendo a modernização de todas as células passíveis de recebe-las, essa anv é páreo para a maioria dos nossos vizinhos, ficou ótimo modernizado. O padrão M da uma sobrevida de 15/20 anos ao “abelhinha”.

Nicolas_RS
Nicolas_RS
Reply to  Rafael Oliveira
1 ano atrás

O AMX, foi projetado para voar em baixa altitude, e menor velocidade, é por isso que eu falei que eu esperaria um sucessor, pois esse AMX é muito fraco, o Gripen é superior em tudo, porem um sucessor do AMX faria com melhor desempenho em tudo!

JOSE AIRTON CAVALCANTI
JOSE AIRTON CAVALCANTI
Reply to  Nicolas_RS
1 ano atrás

Permita-me discordar do amigo. Apesar de fã do A-1, este não teve seu aproveitamento completo como inicialmente projetado. Hoje, o Gripen pode sim efetuar reconhecimento e ataque com tecnologia e precisão cirúrgica, mantendo à FAB, uma unificação e racionalização de meios. Quando se tem um mínimo a ser gasto, este precisa ser efetivamente “Bem gasto”. Por isso a FAB de hoje volta-se mais para um projeto de Gestão focada na otimização dos gastos e melhor aproveitamento de seu potencial.

Evaristo Pereira de Souza
Evaristo Pereira de Souza
1 ano atrás

Eu quero saber o porquê de tanta demora para fazer essas melhorias e a confecção de novos aviões e se com essa demora toda, quando chegarem as aeronaves, não já chegam com tecnologias arcaicas pelo fato de tanta demora?????? Pois se pede agora em 2019 e só vão estar em uso no Brasil em 2025, 2030 sei lá quando, dez, vinte anos a frente, a tecnologia de 2030, por exemplo, já será bem mais avançada que a de 2019. Acho que deu pra entender o que estou colocando na pergunta.

Mauro
Mauro
1 ano atrás

Base Yankee en Natal. Boa noite.

nonato
nonato
Reply to  Mauro
1 ano atrás

Não foi a Embraer que fabricou e modernizou?
Não houve transferência de tecnologia?
Por que se fica dependente de uma empresa estrangeira?

Leonardo de Araújo
Leonardo de Araújo
Reply to  nonato
1 ano atrás

Houve uma licitação e a Leonardo venceu.
Nesta há uma série de requisitos que a concorrente tem que obedecer. Capacidade técnica e uma delas, e uma empresa que já está envolvida com os AMX da Aeronáutica Militare.
Não tem nada que desabone tal empresa

rui mendesmendes
rui mendesmendes
Reply to  Leonardo de Araújo
1 ano atrás

Não têm nada que desabone tal empresa? Claro que não. Até porque 70% do avião, foi essa empresa que o fez, a Embraer têm os restantes 30%.

nonato
nonato
Reply to  Mauro
1 ano atrás

Não entendi…
Isso é uma sugestão?

marcio alves
1 ano atrás

Seria interessante um AMX-NG (A-1 NG) com um nova turbina para maior desempenho e reforço estrutural e maior capacidade de carga dos atuais 3.500 kg de armamentos para os 5.000 kg e velocidade de mach 1.8 para uma penetração e saída rápida de um ambiente hostil e formando uma dupla com o Gripen E/F . Assim a FAB não perderia sua capacidade de apoio aéreo aproximado e deixando os Gripens para as tarefas de superioridade aérea, ataque e reconhecimento. 72 A-1 NG para 4 esquadrões e outros 72 Gripens para outros 4 esquadrões = a 144 caças modernos.

Leandro Costa
Leandro Costa
Reply to  marcio alves
1 ano atrás

Desperdício de dinheiro. Foca no Gripen.

Luiz Antonio
Luiz Antonio
Reply to  marcio alves
1 ano atrás

O Gripen foi selecionado justamente para suprir as missões primárias do A-1 e do F5M/F-2000-desativado através de apenas um modelo de aeronave. Caça Padrão. Não teria sentido algum quaisquer dessas plataformas serem utilizadas, além do desperdício de dinheiro, inclusive para operar tantas diferenças.

Rafael Oliveira
Rafael Oliveira
Reply to  marcio alves
1 ano atrás

E coloca o nome de F-70, pois iria custar o dobro do F-35 (igual o AMX custou o dobro do F-16).
E, claro, esquece isso de 144 aviões modernos. Acho que vai ficar em 72 e olhe lá.

Rommelqe
Rommelqe
Reply to  marcio alves
1 ano atrás

É praticamente impossivel fazer um up-grade para atingir mach 1,8.
Seria um outro avião, ou melhor, é um outro avião. Aliás, chama-se Gripen E/F.

marcio alves
Reply to  marcio alves
1 ano atrás

Bom dia Leandro Costa, Luiz Antonio, Rafael Oliveira e Rommelqe: Compreendo a visão de cada um de vocês, mas na minha opinião não acho desperdício de dinheiro e sim um investimento na defesa o A-1 tem muito potencial que não foi explorado tipo versões C/D por exemplo. Países estão desenvolvendo versões NG dos seus projetos por terem um custo de desenvolvimento baixo de uma plataforma já desenvolvida e não do zero. E tem a questão de deixar a defesa do nosso país nas mãos de apenas um vetor seria perigoso devido a embargos que podem acontecer por interesses políticos num… Read more »

Rafael Oliveira
Rafael Oliveira
Reply to  marcio alves
1 ano atrás

Marcio, Partindo dessa sua nova premissa (evitar embargos). O AMX NG teria turbinas e aviônicos russos ou chineses? Pois só assim para escapar de um embargo ocidental. Acredito que o custo seria maior do que eu já havia apontado. Se quer fugir de embargos, compre uma aeronave russa ou chinesa. Sai muito mais barato e é mais eficiente do que desenvolver um AMX NG. E nada impediria o Brasil de sofrer um duplo embargo, do Ocidente e do Oriente e não dar nada todo esse investimento. o A-1 não tem potencial nenhum, tanto que só Brasil e Itália compraram e… Read more »

marcio alves
Reply to  Rafael Oliveira
1 ano atrás

A aviônica seria doméstica e a turbina seria nacional caso o governo tivesse dado atenção merecida e investimento a Turbumachine ( Ex-Polaris) no desenvolvimento de turbinas tanto civil como militar. Radar o A-1 brasileiro tem o SCP-01

Rafael Oliveira
Rafael Oliveira
Reply to  marcio alves
1 ano atrás

Para sair da turbininha da Polaris e chegar numa turbina confiável para um avião Mach 1.8 vão alguns bilhões de dólares em investimentos. A aviônica brasileira, na verdade, é israelense. Pode colocar mais alguns milhões de dólares para desenvolvê-la. Mais alguns bilhões para desenvolver o caça e outros bilhões para encomendar 72 deles. Tudo isso para fabricar, daqui uns dez anos, um avião igual ou inferior ao Gripen E/F. Sem querer ser ofensivo, mas economicamente não faz nenhum sentido sua proposta. Veja o caso do Tejas que é um bom parâmetro para sua ideia.

Leonardo de Araújo
Leonardo de Araújo
Reply to  marcio alves
1 ano atrás

Marcelo esse seu projeto do A1 NG já está em pleno trabalho e será entregue este ano o primeiro exemplar sobe nome de F-39 NG
Fica tranquilo que tudo será melhor que você está imaginando

Foxtrot
Foxtrot
Reply to  marcio alves
1 ano atrás

Sempre defendi um AMX MK-2, mas os especialistas de plantão acham um absurdo.
Não precisaria de muito, sabe-se que a Embraer tinha o projeto MPFL caça super sônico baseado no AMX com novo motor Rolls Royce.
Bastaria reviver o projeto e somado aos conhecimentos do Gripen /AMX criar um caça nacional moderno, ao nível de um 4G ++ .
Mas !

JOSE AIRTON CAVALCANTI
JOSE AIRTON CAVALCANTI
Reply to  marcio alves
1 ano atrás

Isto não é tão fácil assim quanto parece amigo. Colocar um motor muito mais potente, mexer em toda a estrutura aerodinâmica, isso seria quase fazer uma aeronave nova com perfil próximo do Gripen.

Paulo
Paulo
1 ano atrás

Me vem na cabeça a história que o AMX quando entrou em serviço na FAB era chamado de F-32 porque custava 2 F 16 mas o custo compensaria porque o avião traria o tal de TOT e total independência para operação do caça no Brasil. E agora precisamos chamar a Leonardo…

André E.
André E.
Reply to  Paulo
1 ano atrás

A participação na construção do AMX propiciou conhecimento à Embraer para projetar e construir os seus jatos. É público e notório.

Glasquis7
Reply to  André E.
1 ano atrás

Se a EMBRAER queria ter conhecimento, então que investisse sem usar dinheiro publico.

Flanker
Flanker
Reply to  Glasquis7
1 ano atrás

Quando o AMX foi projetado e construído, a Embraer era 100% estatal. Quanto à essa questão de usar dinheiro público para projetar, desenvolver e fabricar aeronaves militares, é mais que lógico! Quem é que compra aeronaves militares? Nào são os governos? Essas aeronaves não são feitas para servirem à Forças Aéreas? Qual a empresa vai desenvolver algum projeto militar, que envolve altíssimos custos, sem compromisso de compra por parte de algum governo? A Força Aérea apresenta seus requisitos e necessidades e então a empresa desenvolve. Nos casos do A-29 e KC-390, a FAB é proprietária intelectual dos projetos e ainda… Read more »

Glasquis7
Reply to  Flanker
1 ano atrás

E então por que, já que foi investido nela, agora se usa a LEONARDO e não a EMBRAER pra trabalhar os AMX se no fundo, tudo foi feito para absorver conhecimento e adquirir independência tecnológica?
Aonde está o “retorno” do investimento feito?

DOUGLAS TARGINO
DOUGLAS TARGINO
1 ano atrás

Um avião ainda que daqui a vinte anos, faz seu trabalho bem. Porém o F5 já não é efetivo a 25 anos comparando com outros aviões!

Pedro
Pedro
1 ano atrás

O que a FAB gastou com o programa de upgrade do F-5, deveria ter feito com o AMX na atual decada e ter simplesmente substituido os F-5 por outra aeronave mais capaz nos anos 90, juntamente com o Mirage III. Agora temos um avião que até tem um potencial, mas não pode ser modernizado por falta de recursos e um jato sem potencial (F-5) que foi modernizado!

EdcarlosPrudente
EdcarlosPrudente
1 ano atrás

Se ficar somente nos 36 Gripens, modernizar o A-1 AMX será uma questão de necessidade e não uma mera opção. Essa modernização seria apropriada para antes da baixa completa dos F-5.

Saudações!

Rafael Coimbra
Rafael Coimbra
1 ano atrás

Você não faz a minima ideia de como seria absurdo o custo e quanto tempo levaria de desenvolvimento e produção só para fazer seu A1 atingir mach1.8… seria produzir uma aeronave 99% nova… Foca no Gripen…

Mauricio R.
1 ano atrás

O que nós realmente necessitamos é de uma aeronave capaz de interditar o Atlântico Sul.
Algo entre o F-15E, o H-6 ou quem sabe o Tu-22M3M.
Infelizmente, ou felizmente vai saber, nossa indústria não é capaz de prove-lo.
Outras alternativas seriam um míssil IRBM anti navio, ou um clone de “Brahamos”.

Ferreras
1 ano atrás

Considero correta a decisão de manter/modernizar o que já temos. Isso inclui o A29.
Quanto a um novo avião vamos focar nos Gripens que é o mais racional e o que os nossos recursos permitem.
Se for para desenvolver novo avião, podemos pensa em Drones com parceria com Israel aproveitando os bons ventos, preferencialmente com a Embraer. Se quisermos um dia ter uma SAAB para chamar de nossa, teremos que seguir esse caminho, com todas as vantagens e desvantagens que isso implica.

Foxtrot
Foxtrot
1 ano atrás

Uma dúvida, com a modernização dos AMX quem teria que dar esse suporte logístico não teria que ser a Embraer?
E por ser um equipamento bi nacional fabricado no Brasil essa capacidade teria que ser oferecida pelo fabricante local, não ?

Foxtrot
Foxtrot
Reply to  Foxtrot
1 ano atrás

Me deram uma avaliação negativa por perguntar?
Isso que é rancor kkkkk!

BILL27
BILL27
Reply to  Foxtrot
1 ano atrás

mais um pra vc ficar feliz kkkkk

Foxtrot
Foxtrot
Reply to  BILL27
1 ano atrás

Ótimo!
Esse não fere meu ego.
Toma de presente outra para você.
Não busco aqui aprovação, apenas exponho minhas opiniões indiferente da aceitação ou não de vocês.
Mas sempre busco respeitar os colegas de fórum, sem ser cego partidário ou ideológico.
Passar bem!

Mauricio R.
Reply to  Foxtrot
1 ano atrás

A Embraer não sabe dos “know how” e “know why” do projeto da célula, pois a aeronave não é projeto dela.
Essa é a razão do contrato com a Leonardo.

Foxtrot
Foxtrot
Reply to  Mauricio R.
1 ano atrás

Obrigado pela resposta amigo!

Fernandes
Fernandes
1 ano atrás

Não quero ser chato, mas vejo quase todos apostando todas suas fichas no Gripen E, não considerando que trata-se de um avião em desenvolvimento, não testado em combate. Por enquanto tudo que temos são promessas e previsões, com a realidade parcial só poderemos saber após as entregas das primeiras unidades em 2022. Esse filme se passou com o F-35. E estamos vendo os resultados… Por isso sou favorável a desenvolvermos mais o AMX e termos também uma esquadrilha de caças de grande porte, com capacidade para os novos mísseis pesados que estão surgindo no mercado e de outra origem, para… Read more »

luiz antonio
Reply to  Fernandes
1 ano atrás

O Gripen (F-39) não é apenas um projeto. É uma aeronave nova carregando sistemas já comprovados e operacionalmente testados e com novas capacidades. Esse discurso de “avião em desenvolvimento” é antigo e ultrapassado. Ou voce acha que todas aquelas pessoas na SAAB e da EMBRAER estão brincando?

Humberto
Reply to  luiz antonio
1 ano atrás

Me permita educadamente discordar de você. O avião ainda tem que ser aprovado pelos operadores (no caso a FAB e a Flygvapnet) e o avião está ainda em desenvolvimento, mesmo após as primeiras entregas o desenvolvimento e possíveis problemas (naturais em qq projeto) vão estar sendo corrigidos. Neste momento está na fase de testes com os protótipos e na construção dos primeiros a serem entregues, obviamente falta pouco (sobre o ponto de vista do projeto), mas nem de perto pode ser considerado operacional. Quanto a alguém estar brincando, concordo, mas mesmo gente séria, trabalhando seriamente não conseguem SEMPRE entregar bons… Read more »

luiz antonio
Reply to  Humberto
1 ano atrás

Desculpe mas entre crer em “entusiastas e leigos” e profissionais, fico com esses últimos.
Abraços

Humberto
Reply to  luiz antonio
1 ano atrás

Interessante, mas não vi nenhum relatório da FAB falando que o avião “já comprovados e operacionalmente testados ”
Ou estou enganado?

luiz antonio
Reply to  Fernandes
1 ano atrás

“esquadrilha de caças de grande porte, com capacidade para os novos mísseis pesados que estão surgindo no mercado e de outra origem, para evitarmos problemas de embargo.”
Quais seriam as opções concretas e factíveis? Onde arrumaria o dinheiro para comprar apenas uma esquadrilha? Quanto tempo seria preciso para introduzir esses “caças de grande porte” na FAB? Uma esquadrilha resolveria o problema? Por quanto tempo? E os “misseis pesados”? compraria de quem? poderiam ser utilizados nesses “caças de grande porte”?

Fernandes
Fernandes
Reply to  luiz antonio
1 ano atrás

Não querendo ser deselegante, nem tampouco contestar o conhecimento superior ao meu do colega Luis Antonio, registro aqui alguns esclarecimentos e atualidades: – Durante décadas, dependíamos de uns poucos Mirage, sendo os F-5 apenas para defesa de ponto; – Há crescente animosidade da Venezuela, com poder aéreo superior ao nosso, criação de uma base russa e a Rússia se propondo a equipar a sua Marinha; – Vetores aéreos temos os americanos, europeus e russos com a capacidade requerida; – Mísseis disponíveis no mercado há chineses, indianos e israelenses, afora fornecedores europeus; – Dinheiro sempre será um problema, mas você preferiria… Read more »

Luiz Antonio
Luiz Antonio
Reply to  Fernandes
1 ano atrás

Concordo com suas justificativas, mas perdemos o bonde nas atualizações e reequipamento das nossas FAs. Não se recupera o tempo. Agora é ter calma para fazer o correto. Comprar no desespero e mais um erro e desperdício.
Em tempo: longe de mim ter conhecimentos superiores. Sou apenas um cara que ama aviação.
Abraços CT aí

Sérgio Melo
Sérgio Melo
Reply to  Fernandes
1 ano atrás

O que realmente me deixa curioso quanto aos vários motivos de alguns comentaristas serem contra a modernização de qualquer coisa que seja de domínio nacional, sejam aviões ou navios, é o por que que uma superpotência moderniza seus meios, como os EUA, que insistem em modernizarem seus B-52, que para eles funcionam muito bem, ou Israel com suas adaptações e modernizações, ou ainda para a Rússia, que atualiza todos seus meios. Para eles servem muito bem. Para nós, com recursos financeiros, tecnológicos e doutrinários muito mais limitados, esse pensamento estratégico não serve. Projeto de submarino adquirido há alguns anos, não… Read more »

Glasquis7
Reply to  Fernandes
1 ano atrás

Eu disse isso milhares de vezes mas… Ao parecer tem alguns que vieram do futuro e já viram como o Gripen destrói todos seus adversários na terceira Guerra Mundial.

Lincoln Batista
Lincoln Batista
1 ano atrás

Não entendo como sendo a Embraer sócia do programa ela não teria condições de realizar algo desta natureza…

Juarez
Juarez
Reply to  Lincoln Batista
1 ano atrás

E simples e eu te explico.
Quando a FAI deu baixa no AMX, os fornecedores italianos perguntaram a FAB se queríamos que mantivessem as linhas de produção de peças abertas, o que obviamente teria um custo. A época não existiam recursos para tal.
Agora, a Leonardo apresentou uma proposta global oaraanter 15 anvs, usando spare parts de células da FAB e da AMI o que reduziu o custo. A ideia é voar mais dez anos com 15 células.

luiz antonio
1 ano atrás

Caro Marcio É claro que respeito seus argumentos que em um sentido geral são pertinentes no caso de outros países que partiram para versões NG de aeronaves mais antigas. Talvez voce se refira aos F-18, F-16, SU-27 etc cujos projetos previam Up-grades. No caso do A-1, o projeto foi “seco” ou seja, um projeto específico para uma determinada finalidade (ataque) que foi atropelada pelas mudanças no cenário político mundial e especificamente europeu. Com as mudanças o AMX/A-1 tornou-se um peixe fora dágua, sem utilização massiva e sem capacidades definitivas e decisivas. Para o Brasil, serviu como plataforma para desenvolvimento de… Read more »

luiz antonio
1 ano atrás

Daqui há pouco vão sugerir a fabricação de um P-51 NG.
Nota: Já existe: o A-29

Edson Parro
Edson Parro
Reply to  Alexandre Galante
1 ano atrás

Gostei deste novo sistema. Pareceu-me um boa melhoria em relação ao antigo. Aprovado!

Ferreras
Reply to  Alexandre Galante
1 ano atrás

Visualmente poluí um pouco mas achei bem interessante, principalmente a ordenação.

Andrigo
Andrigo
Reply to  Ferreras
1 ano atrás

Concordo, o visual antigo era mais limpo, mas esse ordena melhor os comentários. Só questão de costume.

BILL27
BILL27
Reply to  Alexandre Galante
1 ano atrás

È melhor que o antigo ,mas se for possivel Galante ,faz um teste com o Disqus, ele é bem mais limpo visualmente ,quando vc entra no site ,fica um icone de quantos comentarios seus foram respondidos ,ai tem como vc ir repondendo um a um sem necessidade de ficar procurando.No Disqus tbm tem a opção de vc anexar uma foto no comentario diretamente do celular ou do computador .Sdem contar que vc sempre fica logado ,recebendo sempre um email quano alguem responde seu comentario.

BILL27
BILL27
Reply to  Alexandre Galante
1 ano atrás

Tranquilo …Não sabia deste problemas …COmo disse ,este é melhor que o antigo ,então em linhas gerais ,eu gostei .Abs

Jonatas
Jonatas
Reply to  Alexandre Galante
1 ano atrás

Não dá para agradar gregos e troianos. Novo ano, cara nova. Gostei.

Sérgio Melo
Sérgio Melo
Reply to  Alexandre Galante
1 ano atrás

Disqus nem pensar! Você está certíssimo, é um horror!

Felipe Morais
Felipe Morais
Reply to  Alexandre Galante
1 ano atrás

É galante, pelas coisas que vocês ainda deixam passar, imagino o tipo de comentários que vocês recebem aí. Deve ser algo bizonho.

Quanto às mudanças no site, achei excelente. A parte de curtir e descutir e a ordenação dos comentários. Está bem melhor pra acompanhar um comentário e suas respostas. Não achei a imagem poluida e retirou aquele CAPTCHA, que era um saco.

Só no caso de comentários grandes que tem a necessidade de esperar carregar o restante. É chatinho, mas nada demais.

Muito bom, parabéns a vocês pelo novo design do site.

luiz antonio
Reply to  Alexandre Galante
1 ano atrás

Prezado Galante. Achei ótimo. Muito mais pratico e de melhor estética.
abraços

Eussin ramos
Eussin ramos
Reply to  luiz antonio
1 ano atrás

Alguém viu o valor do contrato sem licitação nacional e internacional.pois a lei 8.644.vale pra tudo.ate onde a conhesso.so em caso de decretos e urgenciaa.rss

Nilton L Junior
Nilton L Junior
Reply to  Alexandre Galante
1 ano atrás

Aprovado

Diego
Diego
Reply to  Alexandre Galante
1 ano atrás

Já era hora. Excelente!

Carlos Alberto Soares
Carlos Alberto Soares
Reply to  Alexandre Galante
1 ano atrás

Editores, postaria em comentários. Excelente formato e muito interativo. Parabéns. Por mim podem mante-lo, reitero …. é ótimo.

Overandout
Overandout
Reply to  Alexandre Galante
1 ano atrás

Muito bom, fica melhor de visualizar as discussões principalmente no celular, sem precisar ficar “caçando” os comentários novos nas respostas

André Bueno
André Bueno
Reply to  Alexandre Galante
1 ano atrás

Grande melhoria!

Rodrigo Botelho Campos
Rodrigo Botelho Campos
Reply to  Alexandre Galante
1 ano atrás

Sim. Mais dinâmico. Amigável. Leve.

Sérgio Melo
Sérgio Melo
Reply to  Alexandre Galante
1 ano atrás

Sim, ótimo!

ALEXANDRE
ALEXANDRE
1 ano atrás

Foca no gripen e ponto final…ficar gastando grana com periquito não rola,ja ta na hora de investimentos serios na area,os russos ja estão ali na esquina

Nilton L Junior
Nilton L Junior
1 ano atrás

PA mais uma vez inovando na interface, esse caça é lindo, imagino se o desenvolvinto continusse qual salta teria sido alcançado.

Bueno
Bueno
Reply to  Alexandre Galante
1 ano atrás

Parabéns , Gostei da novidade!!

Flanker
Flanker
1 ano atrás

Quanto à dúvida dos colegas, do porque a Leonardo ter sido contratada, lembrem-se que a Alenia-Aermachi, que desenvolveram o AMX em parceria com a Embraer, são hoje subsidiárias da Leonardo. Portanto, a Leonardo foi, em última análise, uma das desenvolvedoras e construtoras do AMX, estando plenamente apta a dar suporte aos A-1 da FAB. No texto não fala em uma concorrência aberta para esse contrato. Entretanto, isso deve ter ocorrido, pois isso é praxe em todos os contratos públicos, incluindo as Forças Armadas. Se a Embraer não foi a escolhida, talvez seja porque ela não participou da concorrência ou porque… Read more »

João Bosco
João Bosco
1 ano atrás

É uma das aeronaves mais bonitas que já vi de perto. Pena que surgiu na hora errada- fim da guerra fria – mas merecia uma boa modernização.

Renato Vargas
Renato Vargas
Reply to  João Bosco
1 ano atrás

Idem. Me lembro quando ficavam na BASC, na ocasião de minha visita, lá pelos anos de 1995. Tinham muitas células estocadas em container e umas de S2-Tracker, com suas asas fechadas. Os S2, nessa ocasião, pareciam, aparentemente, novas. Uma maravilha.

Helio Eduardo
Helio Eduardo
1 ano atrás

O AMX A-1 foi um bom avião mas, quando chegou, os tempos, ou melhor, a doutrina, já era outra. No meu tempo Pré-Trilogia, quando achar informação de qualidade sobre as FFAAs era uma tarefa árdua e eu, ainda por cima, era um desinteressado, eu imaginava que a FAB teria uns 300 A-1, afinal o avião era “brasileiro”. Ainda lembro da minha surpresa quando li em uma revista especializada que a frota mal passava de 50 unidades…. Cresci, aprendi e hoje posso afirmar que ele, atualizado, modernizado ou repaginado não terá lugar na nossa FAB. Falta grana, simples assim! Se sobrassem… Read more »

Adriano Luchiari
Adriano Luchiari
Reply to  Helio Eduardo
1 ano atrás

Também penso assim, e creio que junto com o primeiro lote de Gripen a FAB deveria incorporar mais A-29s para negação e policiamento do espaço aéreo, é o que a realidade impõe e a economia permite hoje. Chega de velharias como AMX, A-4 e outros…

Paulo Costa
Paulo Costa
1 ano atrás

Eu acho ótimo esse contrato de manutenção com a Leonardo por 05 anos ou ate mais para manter os A1-AMX (mesmo sem modernização) voando.

E torço para o novo comando introduzir o conceito de um Lift como o M-345 da Leonardo para substituir o AMX no futuro em algumas missões mais adequadas a ele em que o Gripen nao fosse necessário.

Seria ótimo ver na FAB A-29, M-345 e Gripen

Rinaldo Nery
Rinaldo Nery
Reply to  Paulo Costa
1 ano atrás

O novo comandante, TB Bermudez, é piloto de A-1 (foi cmt do 1°/16°). Apesar da sua torcida, não vai ter LIFT.

tonolucro
tonolucro
1 ano atrás

O gripen faz tudo o que o amx faz com mais eficiência, sistemas mais modernos, capacidade de se defender em dog fight, terá uma academia com treinamento especializado em uma só aeronave, padrão de peças de reposição com possibilidade de estoque, mas alguns entusiastas acreditam que seja melhor reformar o chevette, equipamento totalmente diferente, tecnologia aerodinâmica ultrapassada, treinamento exclusivo, o feriado acaba mas a viagem continua….

Marcel
Marcel
Reply to  tonolucro
1 ano atrás

Você é da FAB? É piloto? rsrs

Rene Dos Reis
Rene Dos Reis
1 ano atrás

Foi o primeiro vetor de combate que conheci pessoalmente , bela aeronave, e como estão os italianos operantes ainda?

Samuca cobre
Samuca cobre
Reply to  Rene Dos Reis
1 ano atrás

Realmente linda aeronave

Carvalho2008
Carvalho2008
1 ano atrás

O AMX sempre me pareceu um ótimo avião

Ótimo alcance, boa capacidade de penetração e carga

Teve seu momento, isto já passou…

Caso tivesse uma maior alavancagem de vendas mesmo que ao Brasil, Itália ou algum outro, revisões dele tal como foi a iniciativa do AMX-T teriam vingado e ocupado antecipadamente uma boa fatia dos Lifts que estavam ainda sendo conceituados. Mas como o momento dele e a produção já passou, ficou inviável uma conta de produto competitivo na sua categoria.

A FAB está fazendo a coisa certa que é apostar todas as fichas que tem Gripen NG.

Leonel Testa
Leonel Testa
Reply to  Carvalho2008
1 ano atrás

O certo e modernizar apenas o ultimo lote dos AMX 22 se nao me engano e focar em pelo menos 60 F39 ja ta bom demais

Flanker
Flanker
Reply to  Leonel Testa
1 ano atrás

O último e 3° lote do A-1 na FAB era composto por 22 aeronaves, sim. Eram 15 monopostos (5530 a 5544) e 7 bipostos (5654 a 5660). Foram todos destinados ao Poker e ao Centauro, aqui em Santa Maria. O 5532 foi perdido em acidente logo após ter sido entregue à FAB, mas antes de entrar em operação efetiva. Após o recebimento de todas as outras 21 células, foram perdidos em acidentes o 5540 e o 5656. O 5542 foi seriamente danificado após colidir com um urubu na aproximação para pouso em SM. Algum tempo depois, foi transformado em monumento… Read more »

Billy
Billy
1 ano atrás

Precisamos que nossa força estratégica esteja operacional para futuras contingências próximas.