Home Aviação Militar Radar AESA de Taiwan disputa mercado internacional

Radar AESA de Taiwan disputa mercado internacional

1282
3
Radar AESA de Taiwan

A política reforçada de auto-suficiência da indústria de defesa da presidente Tsai Ing-wen parece estar funcionando

Um mercado antes dominado por empresas de defesa ocidentais parece agora ter um novo concorrente internacional para radares ativos de varredura eletrônica (AESA) – Taiwan.

A Tron Future Tech, uma nova empresa derivada da Universidade Nacional Chiao Tung (NCTU), saiu com um novo sistema de radar AESA usando semicondutores de nitreto de gálio (GaN). O GaN é a maneira mais recente e melhor para lidar com problemas de calor e melhorar a força do sinal eletrônico.

A indústria de semicondutores está se movendo mais rápido do que a indústria de defesa, reduzindo assim o tempo e o custo do desenvolvimento de novos sistemas de radar phased array e guerra eletrônica (EW), disse um porta-voz da companhia.

Parece também que a Lei de Moore está vindo para assombrar a indústria de defesa ocidental, já que a capacidade do circuito integrado dobra a cada dois anos, tornando a fabricação mais barata e mais fácil para outros países, como Taiwan.

Embora o Instituto Nacional de Ciência e Tecnologia de Chung-Shan (NCSIST), estatal de Taiwan, tenha construído grandes radares passivos de varredura eletrônica (PESA), fixos e terrestres para as forças armadas, esta parece ser a primeira vez que uma entidade de Taiwan foi capaz de produzir um AESA com GaN.

A NCSIST tem trabalhado em um AESA aerotransportado para o programa de aeronaves de treinamento da Força Aérea, mas agora a Tron está desafiando a NCSIST em todos os requisitos de radar e guerra eletrônica para os militares de Taiwan.

Um porta-voz da empresa disse que isso inclui o projeto de treinamento de jato avançado XAT-5 Blue Magpie de US$ 2,3 bilhões (substituto do AT-3 Tzu Chun), agora em construção na estatal Aerospace Industry Development Corporation (AIDC). Além disso, haverá um upgrade de U $ 2-4 bilhões do AIDC Indigenous Defence Fighter (substituição do radar AN/APG-67V4) e um projeto Submarino de Defesa Autóctone de US$ 4 bilhões com sensores EW. Finalmente, o porta-voz disse que outros planos incluem um projeto de destróier estilo Aegis de US$ 5 bilhões e um projeto de fragata de patrulha lança-mísseis de US$ 4 bilhões.

XAT-5 Blue Magpie
XAT-5 Blue Magpie
AIDC Indigenous Defence Fighter

A China deve tomar cuidado com a tecnologia AESA se tornando mais onipresente, porque os caças J-20 e J-31 “furtivos” serão alvos mais fáceis. Quer sejam furtivos ou convencionais, as aeronaves que tentam fugir ou interferir no AESA em terra irão enfrentar relógios atômicos de escala de chip de troca rápida, permitindo a sincronização de sinais.

A Tron, estabelecida no início deste ano, não apenas servirá como concorrente do NCSIST, mas também das empresas ocidentais que desejam fornecer equipamentos para esses projetos. Ela também planeja entrar nos mercados internacionais, tanto no setor civil quanto no setor de defesa.

A principal diferença entre os radares AESA e PESA da NCSIST é que as soluções da Tron estão focadas no AESA digital em nível de elemento em formato ultrafino.

“Para alcançar uma forma ultrafina, dependemos fortemente da tecnologia de sistema em um chip CMOS [complementary metal-oxide semiconductor] altamente integrado, amplificador de potência de GaN de alta eficiência e troca de calor avançada”, disse ele.

“O AESA digital de nível de elemento permite que o nosso AESA atue em radar/guerra eletrônica/comunicação simultaneamente, e é definido por software, o que significa que suas funções podem ser rapidamente alteradas dependendo das necessidades da situação.”

Ele disse que o NCSIST não pode atingir essa capacidade e ainda sofre com os problemas de SWaP [tamanho, peso e potência]. “Atualmente, estamos ajudando o exército, a marinha e a força aérea de Taiwan a avaliar e desenvolver seus sistemas.”

Em agosto, a empresa forneceu uma demonstração de uma matriz de modo de pulso de baixa voltagem para as Forças Armadas de Taiwan e está em processo de produzir um AESA em grande escala com o MIL-STD 810G. Um módulo de transmissão/recepção (T/R) AiP [antena no pacote] já está pronto para produção e um módulo GaN/CMOS T/R usando material de substrato compósito de cerâmica está agora em desenvolvimento.

“Dependendo da densidade de potência [geração de calor média/tamanho de abertura AESA], o requisito mais exigente é o AESA de controle de tiro da força aérea; para este, o calor é um problema devido ao tamanho pequeno e à densidade de alta potência, mas estamos trabalhando duro com a ajuda de consultores externos e isso será resolvido no próximo ano”, disse ele. “O restante dos AESAs não é tão exigente, incluindo os sistemas Aegis da Marinha ou outros sistemas civis; nesses casos, não temos problemas de calor.”

Devido à indústria de computadores exclusiva de Taiwan, a Tron pode usar “fábricas domésticas de semicondutores para eliminar o controle de exportação”.

O nascimento de empresas como a Tron foi possível graças a uma política de auto-suficiência da indústria de defesa reforçada sob a presidente Tsai Ing-wen. Quando seu governo assumiu o poder em 2016, ele pressionou pela independência da indústria nacional de defesa que protege Taiwan das mudanças de humor da política externa dos EUA sobre as relações com a China.

A lei também incentiva transferências de tecnologia e cooperação entre a academia e o setor privado. Também exige uma proporção fixa da receita da Tron a ser doada à NCTU para ajudar a facilitar pesquisas futuras.

FONTE: Yahoo/National Interest

3
Deixe um comentário

avatar
3 Comment threads
0 Thread replies
0 Followers
 
Most reacted comment
Hottest comment thread
3 Comment authors
Carlos CamposWellington Góescarcara_br Recent comment authors
  Subscribe  
newest oldest most voted
Notify of
carcara_br
Visitante
carcara_br

Pra começar em falar em soberania e independência quando o assunto é aeronáutica pelo menos dois componentes precisam ser produzidos localmente o motor e o radar, é o básico, o mínimo. Então parabéns a Taiwan! Em relação ao texto em si, senti uma pitadinha de preconceito em: “Parece também que a Lei de Moore está vindo para assombrar a indústria de defesa ocidental, já que a capacidade do circuito integrado dobra a cada dois anos, tornando a fabricação mais barata e mais fácil para outros países, como Taiwan.” Já que dá a entender que o desenvolvimento e pesquisa não parte… Read more »

Wellington Góes
Visitante
Wellington Góes

Tem quem tenha mentalidade industrial, o brasileiro médio é mais “isperto”, tem a mentalidade mercantil.

O Scipio……… A mediocridade é marca registrada no Brasil, inclusive nas FFAA.

Carlos Campos
Visitante

Bom o fato de ser um AESA com nitreto de gálio o torna muito melhor é mais potente, é mais sensível, a USNAVY vai usar radares com essa tecnologia, ele pode emitir muita energia fazendo guerra eletrônica, identificando alvos mais longes, ou seja caças com essa tecnologia vão ver o F35 e o J20 mais longe, parabéns a Taiwan realmente não querem fazer parte da China continental, pelo visto se o Xi quiser Taiwan vai sair muito caro, com bilhões aviões e navios destruídos.