Home Aviação de Ataque Oferta da indústria para o radar AESA do Eurofighter será feita esse...

Oferta da indústria para o radar AESA do Eurofighter será feita esse mês

2703
18
radar Captor-E
radar Captor-E

PARIS – O consórcio da indústria que desenvolve o novo radar AESA para o Eurofighter deve apresentar sua oferta para a produção e modernização do radar Captor-E até o final do mês.

A oferta será submetida à NETMA, a agência executiva do programa, e poderá ser seguida de uma ordem de produção em meados de 2019, de acordo com o relatório do Ministério da Defesa alemão sobre programas de armamentos, divulgado em 7 de dezembro. A NETMA Eurofighter e Tornado Management Agency – gerencia os dois programas em nome dos governos do Reino Unido, Alemanha, Espanha e Itália.

O consórcio Captor-E está desenvolvendo o radar AESA sob um contrato de € 1 bilhão concedido em 19 de novembro de 2014, à Eurofighter Jadgflugzeug GmbH pela NETMA, e completou o desenvolvimento de hardware em junho, afirma o relatório.

Nenhuma decisão de produção foi tomada ainda para os quatro países parceiros, mas como os Eurofighters a serem entregues ao Kuwait no final de 2020 serão os primeiros com o radar AESA, os radares de produção iniciais devem ser entregues em 2019.

No entanto, houve atrasos no desenvolvimento de software complexo devido a restrições de recursos, e seus efeitos estão sendo examinados para que as etapas necessárias de mitigação possam ser resolvidas, acrescenta o relatório.

Isto significa que a data prevista para o retrofit do radar Captor-E em Eurofighters alemães, embora tenha sido adiada para 2022, pode, no entanto, ser realizada.

As atualizações do programa Eurofighter, incluindo eliminação de obsolescência, desenvolvimento do EURODASS, adaptação de papel e integração do míssil Meteor adicionaram € 585 milhões à estimativa inicial, de acordo com o relatório, enquanto o radar AESA adicionou € 78 milhões para custos da Alemanha.

A fim de cobrir as necessidades das quatro nações, o desenvolvimento do radar incluiu um receptor multicanal (MCR) e, em setembro de 2017, a indústria foi convidada a apresentar uma oferta relacionada até o final de 2018.

Enquanto isso, “as conseqüências dos atrasos indicados pela indústria no desenvolvimento contínuo do radar AESA e as medidas de mitigação propostas pela indústria devem ser cuidadosamente analisadas e avaliadas criticamente”, acrescenta o relatório.

O futuro do programa é complicado pelo fato de que, enquanto a Alemanha está complementando o desenvolvimento em curso com um receptor multicanal, o Reino Unido, por outro lado, continua a exigir um novo desenvolvimento de radar focado na aplicação de guerra eletrônica.

“Em termos de política de armamento, as principais tecnologias no campo dos sensores de reconhecimento usam sistemas desenvolvidos e protegidos pela Alemanha, cuja disponibilidade é de interesse substancial em segurança para a República Federal da Alemanha”, segundo o relatório. “As ações do programa de desenvolvimento e fabricação do radar AESA contribuem para manter a capacidade nacional de engenharia e fabricação neste segmento.”

FONTE: Defense-Aerospace.com

18
Deixe um comentário

avatar
5 Comment threads
13 Thread replies
0 Followers
 
Most reacted comment
Hottest comment thread
12 Comment authors
Jean JardinoLEONEL TESTAAugusto LWalfrido StrobelMercenário Recent comment authors
  Subscribe  
newest oldest most voted
Notify of
Marcelo
Visitante
Marcelo

A reportagem dá a impressão que os alemães e britânicos estão com divergências técnicas no desenvolvimento desse radar. Talvez os alemães estejam se cansando de trabalhar com os britânicos, que são de fato, a nação líder do Eurofighter, e vão tentar novos ares com os franceses no NGF. Esse Eurofighter no papel era um caça promissor, mas na realidade se revelou um programa complicado, arrastado, caro e demorado!

Clésio Luiz
Visitante
Clésio Luiz

Comparado aos programas do Gripen e Rafale, o do Eurofighter é sempre o último a por as coisas para funcionar, último a entrar em operação, último a operar com armas ar-solo, último a receber o Meteor, e agora, o último a ter o radar AESA instalado.

Rafael Coimbra
Visitante
Rafael Coimbra

Verdade, com alguns Tornados também foi assim, voaram sem radar um bom tempo! quando o Radar chegou a Guerra Fria já havia acabado!

Mercenário
Visitante
Mercenário

Clésio,

Tem certeza que o Meteor já está em serviço com o Rafale? Já foram feitos testes, mas salvo engano ainda não operacionalmente.

Clésio Luiz
Visitante
Clésio Luiz

O padrão F-3R do Rafale foi aprovado em novembro, então imagino que os testes tenham terminado. Agora botar a mão no bolso e comprar os mísseis.

https://www.aereo.jor.br/2018/11/09/rafale-f3-r-e-qualificado-pela-direcao-geral-de-armamento-dga/

Mercenário
Visitante
Mercenário

O Typhoon cumpriu missão de QRA na RAF nessa semana armado com o Meteor, ou seja, está efetivamente operacional.

O Rafale não sei se já cumpriu missão com o míssil.

Jean Jardino
Visitante

O TYPHOON JA USA O METEOR, MAS COM SERVICOS LIMITADOS, POR FALTA DE UM RADA AESA. O RAFALE, PRIMEIRO CACA EUROPEU A RECEBER O RADAR AESA, TERA AGORA A PARTIR DE DEZEMBRO, CACAS ENTREGUES JA COM O METEOR ATIIVADO, COM CAPACIDADES FULL.

nonato
Visitante
nonato

Não sei se entendi.
Os typhoon não tem radar AESA?
Ou se trata de uma atualização?
Quanto a divergência entre Reino unido e Alemanha, não entendi direito.
A Alemanha quer só para sensor e o Reino unido quer deixar o radar menos sensor e mais interferidor?
É possível desempenhar as duas funções sem prejuízo de nenhuma?
Por que não fazem logo um com duas versões, cada uma mais apropriada para determinada função.
Esse pessoal complica muito.
Perde tempo com bobagem.
Sem falar que tudo no ocidente é uma burocracia.

Augusto L
Visitante
Augusto L

Ainda não tem, usam um radar mecânico.

Jean Jardino
Visitante

NAO TEM RADAR AESA, UNICO CACA EM ACAO FEITO NA EUROPA QUE POSSUI RADAR AESA, E O RAFALE.

Delfim
Visitante
Delfim

A impressão que tenho é que, como vão receber os F-35-A/B e desenvolver o Tempest, o UK está de má vontade com os Typhoon.
Não duvido que, assim como a RN com algumas belonaves, a RAF os disponibilize para venda.

Mercenário
Visitante
Mercenário

Uk de má vontade com o caça? Mas como se lideram a iniciativa para o novo radar e lideraram o desenvolvimento do meteor.

Os alemães é que complicam. Não liberam dinheiro para as suas forças armadas, basta ver as inúmeras notícias de baixa disponibilidade do caça na Luftwaffe.

Kemen
Visitante
Kemen

caraca, só agora o AESA esta disponivel para o Eurofigther? O Gripen já tem o seu AESA prontinho esperando a produçaõ seriada dos E/F.

Régis Athayde
Visitante
Régis Athayde

Pois é, e ainda tem gente que fala mal do Rafale e do MiG-35 por estarem atrasados com seus radares atualizados.

Walfrido Strobel
Visitante
Walfrido Strobel

E qual a pressa se o seu radar convencional do Eurofighter está funcionando bem?

Kemen
Visitante
Kemen

Funcionar bem todos funcionam, PULSE DOPLER, PESA, mas os AESA tem maior confiabilidade, menor consumo, maior alcance e permitem ações simultâneas (no mesmo instante) ar-ar, ar-mar, ar-terra, os AESA são a última evolução dos radares. O CAPTOR já chegou atrasado para os Eurofigther.

LEONEL TESTA
Visitante
LEONEL TESTA

Pelo que li os Tranche 3 ja operam com o Meteor a algum tempo

Jean Jardino
Visitante

SIM, COMECARAM A OPERAR, MAS NAO POSSUEM RADAR AESA, DEVIDO A ISSO, OPERAM O METEOR COM CAPACIDADE LIMITADA. OS RAFALES POR EXEMPLO, QUE POSSUEM O RADAR AESA, A PARTIR DE DEZEMBRO IRAO SER ENTREGUES COM CAPACIDADE DE OPERAR O METEOR COM SUA CAPCIDADE ILIMITADA.