Home Aviação de Ataque VÍDEO: Guerra Não Convencional na CRUZEX 2018

VÍDEO: Guerra Não Convencional na CRUZEX 2018

5542
39

Esta edição do programa FABTV traz informações sobre o treinamento inédito de Guerra Não Convencional na CRUZEX 2018.

Este é um cenário mais próximo da realidade das missões da ONU. O programa também traz muitas imagens do exercício operacional.

A edição 2018 da CRUZEX, que aconteceu entre os dias 18 a 30 de novembro, na Ala 10, em Natal (RN), reuniu 13 países, além do Brasil, em torno de cem aeronaves militares brasileiras e estrangeiras.

Trata-se do maior treinamento conjunto e multinacional promovido pela FAB – pois também reúne Marinha e Exército. Foram voadas entre 1.200 a 1.300 horas.

A principal novidade da CRUZEX 2018 foi o cenário de guerra não convencional, em que o combate é contra forças insurgentes ou paramilitares e não entre dois Estados constituídos. É o perfil encontrado em missões de paz da ONU.

Nesta edição, Brasil, Canadá, Chile, Estados Unidos, França, Peru e Uruguai participaram com militares e aviões; Alemanha, Bolívia, Índia, Portugal, Suécia, Reino Unido e Venezuela, com militares.

Subscribe
Notify of
guest
39 Comentários
oldest
newest most voted
Inline Feedbacks
View all comments
Augusto L
Augusto L
1 ano atrás

Muito bom o treinamento, e o equipamento JTAC da FAB realmente impressionou, realmente de 1° mundo.
Eu só não entendo pq o Para-sar usa o SG 550 ao invés da M4 e G36 que são as armas padrão no EB e MB nas “forças especiais”.

GeneralSofá
Reply to  Augusto L
1 ano atrás

Porque o Para-sar é uma tropa da FAB, e o fuzil padrão na FAB é o SIG Sauer

Renato Amaro.
Renato Amaro.
Reply to  GeneralSofá
1 ano atrás

A arma padrão da FAB é o Hk33, desde os anos 70.

Rogério
Rogério
Reply to  GeneralSofá
1 ano atrás

Errado General, o fuzil padrão da FAB é o HK no calibre 5,56mm

Zmun
Zmun
Reply to  Augusto L
1 ano atrás

Seria interessante uma única diretoria de compras para as 3 forças como é em muitos países avançados, economizaria muito dinheiro…

Delfim
Delfim
Reply to  Augusto L
1 ano atrás

Não vejo aonde um Sig é inferior a um M4. E o G36 tá dando baixa na Alemanha.
E pode piorar com o IA-2.

Doug385
Reply to  Augusto L
1 ano atrás

Na verdade o G36C do é isso mesmo no Exército, mas não é padrão. Acredito que a tendência seja pelo uso do HI 416 no Exército e na Marina, mas o Significado 550 é uma ótima arma.

Doug385
Reply to  Doug385
1 ano atrás

Corrigindo: Na verdade o G36C só usado mesmo no Exército.

sergio ribamar ferreira
1 ano atrás

parece brincadeira. Fiz um comentário na madrugada de hoje com respeito as guerras assimétricas e/ou não convencionais. O soldado será um pouco de tudo em qualificação. infantaria, artilharia, engenharia, cavalaria. preparado para qualquer situação e empregar tudo ao seu alcance. Profissionais . Excelente postagem sobre a Cruzex. Parabéns!

Zmun
Zmun
1 ano atrás

Gostei dos boots dos fabianos, parecem ser bem confortáveis.

Delfim
Delfim
Reply to  Zmun
1 ano atrás

FE não usam boots ou outros acessórios comprados pelo menor preço. Ademais, pode haver liberdade para que os membros possam adquirir peças próprias, mais adequadas a seu biotipo. O shemag que aparece numa cena é bom exemplo.

Zmun
Zmun
Reply to  Delfim
1 ano atrás

Sei disso.

Alma
Alma
1 ano atrás

Normalmente vejo para-sar, mas nunca vejo “pastores”. Apesar de acreditar q eles se identifiquem como para-sar, tento ver a faca operacional, mas nada…. tem algum outro jeito de reconhece-los?

Dodo
Dodo
Reply to  Alma
1 ano atrás

Não
Esse é o objetivo

Alma
Alma
Reply to  Dodo
1 ano atrás

Seria uma boa matéria para o blog, falar sobre os pastores.

Rinaldo Nery
Rinaldo Nery
Reply to  Alma
1 ano atrás

Pastores e PARASAR são a mesma coisa. Pastor é código de chamada. A missão principal do PARASAR é resgate. A secundária são ações especiais.

Alma
Alma
Reply to  Rinaldo Nery
1 ano atrás

Mas pq nem todo pastor é para-sar?

Alma
Alma
Reply to  Rinaldo Nery
1 ano atrás

Escrevi errado kkkkk
O correto seria: “Pq nem todo para-sar é pastor”.

Alma
Alma
Reply to  Rinaldo Nery
1 ano atrás

Caraca kkk “Mas pq nem todo para-sar é pastor?”

Rinaldo Nery
Rinaldo Nery
Reply to  Rinaldo Nery
1 ano atrás

Quem disse?

Alma
Alma
Reply to  Rinaldo Nery
1 ano atrás

Vou mudar então: O para-sar operacional seria um pastor (ou seja que fez todos os cursos), é isso? E seria possível um militar que não fez todos os cursos ser um para-sar?

Rinaldo Nery
Rinaldo Nery
Reply to  Rinaldo Nery
1 ano atrás

O sujeito, ao ingressar no PARASAR, ganha o código PASTOR. Pra ingressar no PARASAR deve ser, no mínimo, paráquedista militar. Não sei quais outros cursos realizará. O de resgate, certamente. Haverá outros: mergulho autônomo, montanha, guerra na selva etc. Alguns serão obrigatórios, outros não. Ao concluir os obrigatórios, será declarado operacional, com o respectivo código PASTOR. Ou seja, todo militar do PARASAR é PASTOR. Assim como todo oficial do 2°/6° GAV é Guardião, e por aí vai.

Thiago Mibach
Thiago Mibach
Reply to  Rinaldo Nery
1 ano atrás

Bom dia Cel e demais colegas do fórum! Pelo que entendi, para ser Pastor tem que concluir todos os cursos operacionais previstos, não somente ingressar no esquadrão. Acredito que tem militares do Parasar que ainda não são Pastores.

http://www.fab.mil.br/noticias/mostra/17249/PARA-SAR%2050%20ANOS%20–%20Quem%20são%20os%20pastores?

Bueno
Bueno
1 ano atrás

Achei interessante o uso do Super Tucano na escolta dos EC725, não tinha visto antes.
Parece que foram 2 EC725 e 6 Super Tucanos
Usar helicóptero de ataque MI35 ou AH-1Z seria mais efetivo ?

Doug385
Reply to  Bueno
1 ano atrás

Teria a vantagem de acompanhar mais de perto e fazer melhor varredura do terreno voando a menor velocidade.

Bueno
Bueno
Reply to  Doug385
1 ano atrás

Obrigado Dug385. Fiquei pensando nisto,
O EMB-314 pode chegar primeiro no TO e tem maior autonomia , acho que seria um incremento, aumentando o leque de armas na proteção da tropa na infiltração, em uma área de insurgência.
Acho que incluir MI-35 neste pacote , daria maior proteção aos EC275. Achometro

Rinaldo Nery
Rinaldo Nery
Reply to  Bueno
1 ano atrás

A escolta anexada, normalmente, é realizada por helicópteros de ataque. Os Apache escoltam os MH-60 da USAF nas FT SAR. Podem ser empregadas aeronaves também. Na USAF, o A-10. O oficial da USAF, piloto de A-10, que realizou o intercâmbio no 3°/3° GAV passou os detalhes que nos faltavam. Foi treinado na Operação Tapio, em Campo Grande. Foi matéria aqui.

Bueno
Bueno
Reply to  Rinaldo Nery
1 ano atrás

Rinaldo Nero, obrigado. Excelente! A FAB faz treinamento deste tipo com CAvez?
Obrigado

Rinaldo Nery
Rinaldo Nery
Reply to  Rinaldo Nery
1 ano atrás

CAvez é CAvEx? Não tenho essa informação. Acho que ainda não.

Wellington Góes
Wellington Góes
Reply to  Bueno
1 ano atrás

Cada macaco no seu ganho. Os helicópteros de ataque são utilizados para escolta. tanto o Mi-35, quanto o AH-1Z. Helicópteros full CSAR no ocidente são o HH-60 Pavehawk, H-92 Superhawk, HH-53 Jolly Green Giant, HH-47H Chinook, H225M CSAR Caracal (que é o que a FAB possui), AW101 Merlin CSAR, todos possuem sonda REVO (ou provisão), por exemplo. Existem outros, “menos equipados” (sem sonda), mas que podem fazer a missão, como no caso do AW149/139M, Bell 412/UH-1H/Z, Puma/Cougar/Super Puma, Panther/Dauphin, Lynx/Super Lynx, possuem menor autonomia (devido apenas o uso de tanques de combustíveis internos), mas podem ser devidamente equipados para tal.… Read more »

Ricardo
Ricardo
1 ano atrás

Uma pena não ver os MI-35 neste exercício.

Bruno H. Paes
1 ano atrás

Excelente matéria! Além das belas imagens deu pra notar um enorme profissionalismo entre os envolvidos. Parabéns FAB!

Lyw
Lyw
1 ano atrás

Interessante o trabalho de escolta dos helicopteros C-SAR pelos A-29. Os americanos devem ter “observado com carinho” pois, em um futuro próximo, poderão estar realizando missões parecidas em campos de batalhas reais mundo afora.

Rinaldo Nery
Rinaldo Nery
Reply to  Lyw
1 ano atrás

Já viram intercâmbio lá em Campo Grande.

Bueno
Bueno
Reply to  Rinaldo Nery
1 ano atrás

Sim CAVEX. Obrigado.
Tropas especiais tem nas três forças, imaginei a interoperabilidade.
Com uma futurar adoção de helicópteros de ataque pelo CAVEX , vai ser produtivo uma operação conjunta.

Rinaldo Nery
Rinaldo Nery
1 ano atrás

Matéria bem mais útil e interessante do que “contratempos” e “launch rails que caem”.

Joli Le Chat
Joli Le Chat
Reply to  Rinaldo Nery
1 ano atrás

Fantástica matéria!

bruno sanches biz
1 ano atrás

no minuto 1:04 que arma e essa com supressor na mao do primeiro soldado?

Lyw
Lyw
1 ano atrás

Off Topic:
KC-130 e F/A-18 se chocam em exercício no Pacífico.