Home Aviação de Ataque Contratempos no exercício CRUZEX 2018

Contratempos no exercício CRUZEX 2018

22736
224

O Exercício Cruzex 2018 transcorreu sem acidentes, mas teve alguns incidentes, com algumas ocorrências acontecendo no mesmo dia.

Um caça F-5M da FAB perdeu as sapatas de trilhos lançadores de mísseis de ponta de asa durante o pouso (assista ao vídeo abaixo).

Dois outros caças F-5M da FAB foram parar no hangar de manutenção por pane seca, devido a instrumentos que não apresentaram a leitura correta.

Um Mirage 2000P do Peru trincou o canopy e caças F-16C da USAF tiveram pane por ingestão de FOD (Foreign Object Debris). O problema causou a perda de uma turbina e sérios danos em outra, motivo pelo qual a USAF apresentou nota de protesto junto à FAB.

Um piloto de KC-135 falou informalmente que o comandante disse o seguinte: “só retornamos aqui quando resolverem os problemas de sujeira e detritos da pista e pátio de estacionamento”.

O Chile também teve problemas similares, e na quinta feira (29) pela tarde chilenos e americanos não voaram em protesto.

Para completar, um cachorro deu um baile nas pistas de taxiway, correndo de um lado para o outro na hora das decolagens.

224 COMMENTS

    • Não amigo, isso é um problema que ocorre de forma mais constante do que imagina em exercícios desse porte em bases aerias. É por isso que a limpeza da pista ocorre de forma constante, tendo equipes especializadas neste tipo de serviço, mas obviamente nem sempre é possível detectar digamos um objeto do tamanho de um parafuso. Quanto ao cachorro, provavelmente deve ser do para sar que se soltou.

        • Amigo garanto lhe que que os problemas citados não são normais de todo, principalmente em exercícios reconhecidos e do porte do cruzex, incidentes acontecem sim, mas não repetitivos e desta natureza apresentada. Aeronaves relataram problemas similares, portanto não resolvidos, sujidade na pista e um cão??? A circular pelo recinto da base??? Um pássaro ok, agora um cão…. Houve falha independentemente do que disserem.

      • Não acredito. Cães do Para-SAR são muito bem adestrados e responderiam prontamente ao comando do militar responsável por ele, logo, não ficaria transitando pelas taxi-ways. Muito provavelmente, o cachorro deve ser de alguma casa ao redor ou de rua mesmo. Cães e gatos de rua são a coisa mais comum no Brasil.
        A questão do cão e do FOD podem significar falha na organização. Já ocorreram outras Cruzex em Natal anteriormente e não foram constatados problemas assim. Em todo cado, é uma operação que envolve grande número de pessoal e aeronaves, operando em um mesmo local de forma intensa. Problemas fazem parte do processo e servem de aprendizado para que não se repitam em outra oportunidade.

      • Amigo, engana se relativamente a normalidade destes incidentes. Muito menos quando se fala de exercícios como o cruzex ou idênticos. Problemas como os apresentados não são assim tão casuais e torna se mesmo vergonhoso quando repetentes. Quanto aos F5, isso é problema da FAB mesmo, mas operativos externos a servirem de aspirador para pistas é de facto algo nada comum, o F16 consegue engolir alguma sujeira mas como qualquer avião tem os seus requisitos operacionais e os mesmos têm de ser compridos, cada avião tem as suas necessidades e pistas limpas, ou pelo menos minimamente limpas, é algo dentro dos mínimos para receber um exercício internacional. Portanto temos aviões brasileiros a apresentarem problemas de forma repetida, um Mirage teve problemas e aviões F16 a engolirem lixo da pista, tendo em conta que um perdeu a turbina se calhar engoliu mesmo o cão que relatadamente por lá passeava. Amigo isto não é normal e muito menos aceitável, incidentes são isso mesmo, mas quando se repetem num curto prazo de tempo deixam de ser incidentes e passam a ser um problema e não uma coisa “normal” justificada seja pelo tipo de exercício ou pela sua envergadura. Muito menos se pode vir fazer ligação com a falta de organização da FAB com um problema que o F16 apresentou (mais uma vez, perdeu uma turbina é porque não foi uma simples ervinha) por causa de uma pista da FAB e em diferentes ocasiões. Como se não bastasse, aos olhos dos americanos, também os seus amigos brasileiros estavam a demonstrar dificuldades a operar os seus próprios aviões no seu próprio país e Peru e Chile não se safaram melhor!!! Estou a imaginar o pânico.

    • Tomara que, num conflito real, as pistas sejam iguais às de patinação no gelo…

      Ainda bem que nos Gripen NG, entradas de ar mais altas.

  1. “Um F-16C da USAF teve uma pane por ingestão de FOD (…) O Chile também teve problemas similares”.
    Agora já sabem porquê o F-16 ficou de fora nos F-X’s.

    • Exatamente. Eu já bati nessa tecla antes mas muitos sonhadores acham que essa aeronave era boa para o Brasil.

      Somado ao trem de pouso de bailarina, o “estadunibambi” fez bem em ficar fora das cores da FAB.

      Os fanboys podem falar o que quiserem, mas caça que precisa que fiquem lambendo pista para ele operar, e na hora do pouso tem que ser com carinho senão quebra, é dor de cabeça que a FAB não precisa.

    • Exatamente, concordo exatamentemente. Imaginem os F16 sendo desmembrados usando rodovias como pistas …. Rodovias em qualquer pais, certo?

      • Os “estadunibambi” operaram sem problemas por 35 anos na Venezuela, sem nenhum problema FOD. O F-16 da Venezuela, Chile e USAF voou sem problemas em todo o Cruzex anterior. Isso é um fracasso da organização, não do F-16.

        O F-16 da Venezuela opera a partir de estradas sem nenhum problema (veja o vídeo abaixo).

        • Victor, esses exercícios são apenas isso, exercícios. Isso não é operação diária. Pode apostar que essa estrada aí foi meticulosamente limpa antes de cada pouso e decolagem.

          Outra: você acha mesmo que em 35 anos de operação, nunca houve danos por FOD na frota de qualquer operador de F-16? Simplesmente não tem como provar.

        • Caro Victorinox,
          A Venezuela foi o primeiro pais estrangeiro a receber os F16, esua força aerea sempre foi muito bem estruturada. No seu video veja que operaram na estrada, – um trecho de 4 km – mirage, f16, f5 etc; coincidentemente em nossa ultima CRUZEX estes tres tipos de arronaves tambem operaram…. Nunca disse qye os f16 nao possam operar nestas condiçoes, principalmente tao controladas e restritas como no video, mas aqui, como com uma certa frequencia em outros s ambientes operacionais, o F16 tem sim problemas maiores com FOD do que outros modelos menos suscetiveis devido ao bocal de admissao do motir. Contra fatos nao ha argumentos.vide post acima!

        • Tambem ha wue se contextualizar meu comentario. A oepraçao real em bases desdobradas, em condiçoes de combate real, dar-se-á certamente em condiçoes muito criticas, com falta de recursos e com uma certa taxa de improviso. Em combates assimetricos pode-se esperar que inimigos infltrados consigam ate perfurar os pneus de aeronaves. Basta estar portando um canivete suiço….kkkkkkkk

      • Os F-16 operam na Venezuela, cujo clima é o mesmíssimo da Amazônia, segundo consta com disponibilidade melhor que os Su-30. E também operam na Indonésia e Singapura, cujo clima também é tropical e úmido.

        E agora?

        • E agora pergunto eu, segundo consta quem? Pelo que sei os F16 estão parados por embago faz muitos anos, antes mesmo da chegada dos SU por lá, como você pode dizer que tem disponibilidade maior? Pior, como você pode dizer que os caças venezuelanos como um todo operam nas condições precárias demandadas pela FAB? Oras, a própria FAB sempre teve ressalvas contra o F-16, além de ser pacifico que ele tem sim tendência a sofrer nesse tipo de ambiente. Não é uma questão de clima, é uma questão de estrutura, Singapura é uma ilha minuscula, não sei como cabe comparação, além que a Indonésia opera dos F16 nas mesmas condições que operamos o F-5 e o AMX por aqui? Quantas vezes eles já tiveram esse tipo de problema? Você sabe? Os operadores todos do F-16 admitem que o problema existe, assim como até a própria FAB, será que eles são espiões russos?

  2. O F-5 perdeu o trilho de lançamento inteiro da asa direita! Só esperando para começarem os comentários de que “são sucatas” e coisas do tipo…..só lembrando que isso pode acontecer com qualquer aeronave. E a FAB possui estoque de peças do tipo em grande quantidade. Só dos F-5 ex-Jordânia, são oito células que tiveram suas peças retiradas para servirem de estoque. Em poucos anos, os F-39 entrarão em operação e os F-5 mais cansados poderão se aposentar.

  3. Pessoal, o F-16 é sensível a FOD pela posição do intake, mas não me parece que seja exatamente um fracasso de avião né… então menos… muito menos em dizer que não escolhemos ele no F-X por conta disso…
    FOD é fod* em qualquer avião. Alguns têm proteção posicional um pouco melhor, mas foram dois incidentes com F-16 americanos e um com chileno… isto não é pouca coisa não…
    Além de PARA-SAR ou não, um cachorro solto na pista nas decolagens não é brinquedo.
    Que acontece em outros treinamentos, e muito mais do que isso em bases reais, tenho certeza de que sim, mas dessa vez a falha foi nossa.
    É aprender, o que é a principal função destes exercícios…

    • Já no F-X1 se prestou atenção para tal “característica” do F-16. Na época não havia tantas pistas pavimentadas.
      E o EMB-120 não teve ampla aceitação por causa das hélices de compósito, tb sensíveis a detritos.

  4. Até que é bom passar esta vergonha.
    Aí o Jair presta mais atenção nos problemas das FA’s e já começa tirando o escorpião do Erário.
    .
    Pode ser que os F-5M que deram pane não sejam dos melhores em serviço, afinal seria ilógico tirar os melhores do alerta para mandá-los a um exercício.

    • Delfim, a FAB possui 48 F-5EM/FM. Desses, sempre há em torno de 10 ou 12 no PAMA-SP passando por inspeções completas (de 1200 horas de voo). Foram deslocados 20 exemplares, dos 4 esquadrões, para a Cruzex. Em cada esquadrão, devem ter ficado 2 aeronaves para o alerta. Só aí, já temos 38 ou 40 aeronaves. Os restantes 10 ou 8 estão nos esquadrões de manutenção das Alas, passando por manutenções rotineiras. Portanto, as aeronaves que vão para missões são tão capazes quanto qualquer outra. Diria até que elas passam por uma revisão bastante completa e detalhada antes de irem para exercícios desse tipo.

    • Que tirar escorpião do “Erário” o quê?
      Que que é isso? O brasileiro já é o maior pagador de impostos do planeta, trabalha-se 5 meses do ano para pagar-se impostos federais e estaduais, é uma vergonha, uma palhaçada pela qual um povo entorpecido por futebol, cerveja, churracada, praias, putaria, babageiras da web, e novelas se submete.
      Tem é que taca-le imposto nas aéronaves e embarcações particulares, isso sim, e tirar todas as regalias, TODAS, de funcionários públicos civís. São uma classe que forma uma elite intocável, que produz muito pouco na maioria, com um custo de produção absurdo e que não tem as mesmas obrigações das pessoas comuns. Daí toda a grande concorrência que existe nos concursos públicos, é uma vida dos sonhos que tem de mudar e vai mudar.

      • Caro Cristiano. Os dados da OCDE sugerem que você está equivocado. França, Suécia e Dinamarca possuem carga tributário da ordem de 45%, enquanto que a brasileira é da ordem de 33% há vários anos. Sugiro um relatório “Pais estagnado. Um retrato das desigualdades brasileiras 2018”, elaborado pela ONG Oxfran. O problema da desigualdade tributária, que prioriza impostos indiretos ao invés de renda. O relatório tem outros capítulos bastante interessantes sobre a diferença de salários entre homens e mulheres (em média, a diferente é de 25%, chegando a 40% na camada dos 10% mais ricos.

  5. E diziam que os F-16 já tinham resolvido oproblema de ingestão de detritos, que eram ocorrecias das primeiras unidades.
    .
    Por outro lado a FAB tem que melhorar esta questão de limpeza em treinamentos internacionais.

    • No final dos anos 80 adotaram uma tomada de ar maior, mas foi apenas para acomodar o maior volume de ar admitido pelo motor F110.

      O único jeito de resolver o problema de FOD do F-16 seria por 2 medidas, que poderiam ser tomadas em conjunto ou não:

      1- Fazer com que a triquilha (trem dianteiro) seja telescópica como no F-5E, distanciando a tomada de ar do solo, mas isso tem limite. Seria a solução mais fácil;

      2- Modificar a tomada de ar, colocando portas de alívio de pressão nas laterais, comum em projetos europeus, como na família Mirage. A função dessas portas é aumentar temporariamente a área de admissão de ar da tomada, fazendo com que diminua a sucção quando a aeronave está parada e consequentemente, a possibilidade de ingerir detritos.

      Com a aeronave em fim de produção, dificilmente essas medidas serão tomadas e seus operadores parecem felizes em apenas conviver com essas deficiências.

        • Sim, bem lembrado Tiago. As portas tem formato de persianas e ficam bem próximas dos motores.

          Até o F-22 possui, também em formato de persianas, elas ficam no dorso, próximo aos motores. Aliás, as tomadas de ar do F-22 parecem ser fixas mas não são. Internamente possuem um esquema semelhante ao empregado no F-14 e F-15.

          No F-105, elas ficam dentro da cavidade do trem de pouso principal nas asas. Foi uma solução inteligente porque aproveita a proximidade do duto das tomadas de ar com o local onde as rodas ficam recolhidas.

    • Quando isso foi dito pelo Bolsonaro? Ele quer lidar com a ditadura venezuelana com dureza, mas jamais disse que pretendia entrar em guerra com aquele país. Pare de espalhar (ou pior, inventar) fake news para tentar dirimir quem o senhor não aprova politicamente.

    • Cícero Pavei

      Um teco teco já daria conta do recado numa guerra contra a VeneFavela. Os caras estão canibalizando seus caças para manter um minimo de operacionalidade, as munições estão fora do prazo de validade, soldados sem medicamentos, sem comida, sem dinheiro, sem moral e muitos outros problemas. O socialismo não deu certo em lugar algum do mundo, aceite que dói menos.

  6. Independentemente de qualquer coisa que sirva lição e possam ser traçados novos procedimentos afim de que esses problemas não volte a ocorrer. Tenho certeza que na próxima não vão ocorrer os mesmo problemas há muita gente competente na FAB.

  7. Resultado dos exercícios:
    três F-5 nossos, mas conseguimos levar um F-16 e um M-2000 uma derrota honrosa, além de termos “groundeado” dois times, not bed at all…
    Sobre o FOD o problema são os jatos excessivamente sensíveis? Ou foi descuido na preparação das pistas? acho que não se explica por falta de verbas.
    Em relação ao F-5 não tem jeito, estão velhos, porém espero que o Gripen possua robustez semelhante….

  8. Puxa, que vergonha, sujeira e cachorro na pista, realmente por isso acham que o Brasil só tem índios, cobras e selva, fazer o quê se aqui é tudo zona! Esse F5 pousou que nem uma bigorna caindo, não teve suavidade nenhuma, o piloto bateu na pista como um martelo, claro que caiu tudo que não estava bem preso nesse museu/caixão ambulante, que miséria!!!! E olha que os trilhos não estavam carregados com mísseis, senão a perda seria ainda maior, essas sucatas devem ser retiradas de serviço o quanto antes!!!!

    • O F-5 vem para o pouso bem rápido mesmo ,naõ tem jeito ,mesmo assim ,não era para isso ter acontecido.JA pensou uma coisa dessa acontece com o caça voando ???

  9. kkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkk
    Segundo alguns comentaristas ixpiscialistas que vivem dando pitaco contra nossas forças, podemos dizer que os F16 são caças nutelas pilotados por bambis, kkkkkkkkkkkkkkk
    Não podem ver uma sujeirinha na pista? kkkkkkkkkkkkkk

    • Extraindo um pouco de seriedade do comentário, achei uma atitude muito boba essa de se recusar a levantar voo, a verdade é que as condições de operação são estas mesmo, se for ficar fazendo beicinho e reclamando fica difícil. Imaginem numa situação real em que seja necessário operar forças de países diferentes! No mínimo vão querer tirar a logística da operação dos brasileiros em território brasileiro! E esse comandante americano, se realmente falou que não volta mais aqui, por acaso essa decisão é dele? Muito nutela mesmo, muito leite com pera…

    • Tanto é que nunca estiveram em um conflito, longe do Iraque, Afeganistão, Siria, Kosovo, nunca combateram por Israel (no deserto), etc, etc, etc…

      Um dia desses os EUA aprendem a fazer aviões…

  10. Eu queria fazer um comentário crítico, avaliar a situação, etc. Mas as vezes temos que usar o bom humor para tratar a nossa realidade tão sofrida.

    Vamos lá. Primeiramente o exercício deveria se chamar Antiquário 2018, porque, cá entre nós, tanta velharia voando junta é digna de qualquer museu/antiquário.

    Mirage 2000
    F-5
    A-37
    A-4 SkyHawk

    O F-16 guloso comeu pedaços de qual velharia? Ou foi apenas borracha dos pneus? Ou até mesmo um trilho do F-5

        • Projeto do início dos anos 70 que conforme a inesquecível palestra do Cel Fornhoff, disponível aqui, derrotou consistentemente os Su-30MKI indianos, com TVC e tudo, em combates simulados no Red Flag.

          Aceite Xings!

          • Grande coisa, isso quer dizer o quê? Nossos F5 velhos também derrotaram os f16 americanos, chilenos, venezuelanos, colombianos, e veja só, existe uma diferença bem grande entre derrotar f16 americano e sukhoi indiano, bem grande mesmo. O f16 é um projeto bastante antigo sim, ou vai querer negar o óbvio, ele é tão antigo quanto os citados.

          • O que isso quer dizer? Que o seu amado Sukhoi não é invencível e pode muito bem ser derrotado quer esteja sendo voado por indianos, quer por russos! Aliás em um único dia 5 pilotos russos foram abatidos por israelenses….,

    • Acho que era um espião argentino, tipo o Agente Canino do Get Smart.
      Depois, vai virar churrasco.
      Resultado da paixão argentina por carne com uma cruel crise econômica e social.

      • Você fala da cruel crise econômica e social deixada de presente para o atual governante pela família mafiosa Kirchnerista que assolou o país por 13 anos?

    • O cachorro pertence ao observador Venezuelano e foi usado para traficar drogas afinal como todos sabemos o cartel de los soles, que também atende pelo nome de forças armadas bolivarianas, é um dos maiores cartéis de drogas do mundo. Contudo o cão ao que tudo indica teve uma overdose pelo fato das trouxinhas terem se rompido no estômago do animal. Por isso o surto…

  11. Fazia tempo que não lia tanta bobagem junta. FOD tem em qualquer lugar do mundo. O F-16 é, sim, mais sensível devido à posição e ao tamanho da entrada de ar. A limpeza da pista é diária, mas lá VENTA PRA CACETE! E detritos são jogados sobre a pista e pátio o tempo todo! Só quem operou lá sabe. E, nas CRUZEX anteriores lá realizadas, não houve esse problema.
    Quanto ao F-5, o pouso foi um catrapo! Há incidência de wind shear na cabeceira 16 em função do telhado do terminal de passageiros, em formato de asa, jogando o vento cruzado direto pra cabeceira. Na última CRUZEX que participei (2008) ocorreu um episódio idêntico, só que havia um míssil no trilho, que ficou no meio da pista. A perna do trem furou a asa.
    E podem ter certeza: muito F-16 já perdeu motor por FOD, no Chile e nos EUA.
    Quanto ao cachorro: a área do aeródromo é GIGANTESCA! Pode ter entrado por qualquer lugar. Em Viracopos uma raposa mora numa taxiway.
    Vergonha! Oh meu Deus! Vou me suicidar.

    • Nery, você saberia me dizer se seria viável a FAB retirar as turbinas dos Mirage 2000 e usá-las como sopradores para limpar as pistas contra FOD e também para ajudar a secar as pistas em caso de chuvas torrenciais (em aeroportos como Congonhas etc)?

    • Rinaldo, eu leio diariamente fóruns gringos e muitos daqui tem uma visão muito errada do que acontece lá fora. Acham que tudo é perfeitinho e tal. Ficariam de olhos arregalados se soubessem ler inglês para ver os gringos falarem dos problema deles.

    • O pouso foi muito ruim, mas não deveria causar esse colapso e ter o risco de virar um desastre.
      Essa pane é causada por falta do controle de horas de voo dos lançadores, e esse resquício de amadorismo tem que acabar.

    • E quanto a pane de FOD na pista, de fato lá em Natal o vento é uma constante.
      Mas eu pergunto:
      O quê os engenheiro de infraestrutura da FAB estão fazendo?
      Poderiam estar desenvolvendo estruturas ou sistemas de canaletas e valas com determinado formato aerodinâmico que coletassem os FOD soprados pelo vento ou qualquer outra ideia que, a princípio, é maluca, mas que a engenharia a torne realidade.
      E eu respondo:
      Estão fazendo o projeto de reforma do rancho ou outra coisa que qualquer engenheiro faz.
      Como disse, a FAB tem que acabar com os resquícios de amadorismo.

      • Você é um dos que posta bobagens. O pátio de Natal tem sim, áreas deterioradas, as quais necessitam de uma concretagem. O pátio lá é gigantesco (não sei se você já operou lá. Aliás, nem sei o que você faz). A DIRINFA tem planos de recuperação. Precisa de dinheiro. Deveria ter sido feito antes? Sim. Tinha dinheiro pra obra? Não sei. Algumas áreas da Ala 10 são obras construídas pelos norte americanos na Segunda Grande Guerra.
        Valas pra recolher FOD? Nunca ouvi falar. Daria um bom mestrado em engenharia civil. O que existe são caminhões limpa pista e operação cata FOD, empregando o efetivo das UAE.

  12. Quanto ao FOD , fica a lição para que nas próximas edições tenham mais cuidado e atenção, o F-16 é operado no mundo inteiro em vários ambientes, é inaceitável que isto não ocorra aqui por simples desleixo em não cuidar da pista, isto vale para intrusos como o cachorro perdido.

    Quanto ao F-5, que venham logo os F-39s…é o que nos resta.

  13. A USAF apresentou nota de protesto porque seus F-16 adoram ingerir porcarias na pista? É cada uma…
    Isso é um exercício militar, não um exercício de faxina de pistas militares.
    Acho que foi por isso que a FAB nunca se interessou muito pelo F-16.

      • Antoniokings, vamos tentar debater sem ideologia barata, por favor, eu e você sabemos que isso que você comentou não é verdade, no caso específico do F-16, ele é sim muito sensível na questão do FOD, o problema é que muitos tentam negar, e nesse caso específico, colocaram a culpa na FAB, como Rinaldo ressaltou a questão do vento, não tem como deixar a pista sempre limpa, isso foi mimimi de americanos e chilenos, os outros caças não tiveram maiores problemas na questão do FOD, então, o problema é sim no F-16 por mais que alguns tentam negar.

      • As armas podem ser ruins, mas a equipe que dá treinamento para os usuários e o pós venda são excelentes, afinal, toda vez que usuários de armas ocidentais enfrentaram usuários de armas soviéticas, desde a segunda guerra, venceram as batalhas. Seja no oriente médio, na guerra Irã x Iraque, na Europa oriental…

          • O score do F-16 é de 74×0 e foi obtido principalmente sobre aviões russos, estando na conta alguns Migs-29….

            Sua ideologia vagabunda não resiste aos fatos Xings!

          • Talvez você não sabe a diferença entre batalha e guerra. Todas as batalhas no Vietnã foram vencidas pelos americanos e seus aliados. Só não ganharam a guerra prq para os americanos 60 mil vidas era um preço muito alto. Para os líderes comunistas, 1 milhão de vidas é um preço pequeno para pagar em defesa de sua própria ditaduta. Mas não houve uma única batalha vencida pelos norte comunistas…

    • Eu adoraria uns caças mais “parrudos” por aqui.
      O F 15, apesar da idade, ainda parece um excelente caça de superioridade aérea, e sem nenhuma derrota em seu currículo.
      A nova versão poderá levar até 18 mísseis antiaéreos.
      O problema é o rcs.
      Mas os especialistas aqui dizem o seguinte.
      Em primeiro lugar, os gripens não ficam muito atrás desses outros aviões.
      Não temos recursos. Os gripens tem baixo custo operacional.
      Não temos um teatro muito quente por aqui. O gripen dá conta.
      Dinheiro curto, a prioridade é ter mais gripens além dos 36.
      Dizem também não existe no mundo militar essa nomenclatura high and low.
      Eu particularmente ficaria muito satisfeito de ter uns 50 gripens e uns 20 F 35 ou F 15, ou 20 Rafales ou até SU 35.
      Aviões com maior autonomia, radares aparentemente muito melhores…
      Maior payload.

  14. Nossas, FOD?? Que descuido da FAB. Para os caras não voarem em protesto, é pq a coisa foi feia. E com certeza o problema não é a fragilidade do F16, mas sim a desorganização da FAB.

    • Algum outro caça teve problema de FOD ou foi só o F-16? Me desculpa a sinceridade, mas o F-16 é frágil nesse quesito, todo mundo sabe disso(alguns por questões ideológicas tentam negar) o Rinaldo comentou que lá na base venta muito, e é verdade, eu via os vídeos dos fotógrafos no Instagram e estava sempre ventando, acho que é praticamente impossível deixar a pista sempre 100% limpa para o F-16, na questão de FOD o F-16 é complicado mesmo.

      • F-16 é bem sensível a FOD, mas ao menos 3 caças em poucos dias sognifica que faltou sim mais cuidado da FAB.
        Mas sem ideologias, ou complexo de vira lata. É bola pra frente e melhorar nesse quesito na próxima vez.

        • ” É bola pra frente e melhorar nesse quesito na próxima vez”
          Ou os americanos tragam seus F-15 e os chilenos os F-5, esses como os outros aviões do exercício cruzam por cima de tudo sem muita frescura igual o F-16.

  15. Fico a pensar: se for como estão descrevendo, em uma situação de conflito com operadores de F16 basta encher a pista com porcas e parafusos e adeus F16, não voam mais? Pois não é a primeira vez que leio sobre FOD prejudicando voo de F16…

  16. A essência do post foi a falta de cuidado com a pista de pouso e decolagem e também de taxiamento, o que é inadmissível ainda mais numa operação conjunta internacional realizada na Base Aérea de Natal. Quando os chilenos protestaram faltou agilidade para que fosse tomada às providências necessárias, o que posteriormente também houve protesto dos americanos com sérios prejuízos em sua aeronave, para agravar até cachorro correndo depois pela pista. Decepcionado com esta perfomance negativa da BANT nesta situação que será alvo de análise dos países participantes. Este procedimento de limpeza e varredura de pista é elementar em qualquer unidade da Aeronáutica que possua uma pista de pouso.

    • Cara ,quem reclamou da FAB foi a USAF e a FACH .Fica uma palavra contra a outra .Somente qem tava in loco pode falar sobre as condiçoes da pista .Claro que a FAB limpa a pista ,isso é noraml de se fazer ,mas na opinião dos operadores não foi feito a contento ,sei la .

      • Nos vídeos de partida de aeronaves,se vê uma estrada a distancia,bem movimentada,e um bairro a seguir em direção a pista,em seguida uma ferrovia,paralela a cabeceira da pista,e em um vídeo se vê um muro de tijolo de concreto com uns três metros de altura
        paralelo a ferrovia,muro de alvenaria é melhor do que se fosse de tela ,para segurar o particulado junto com o vento.Tem também uma guarita no muro.Em outro vídeo se vê que o muro ainda esta sendo feito aos poucos,E a vegetação ao redor da pista existe e tem uma certa altura,também ajudando na contenção de particulados.Pode -se ainda jogar agua de um lado e outro da pista ,de manhã cedo para segurar um pouco o FOD,mas isto é com a FAB que já deve saber o que fazer.

  17. Todo mundo sabe que o F-16 é mais sensível devido a “bocarra”. Alguns anos atrás os argentinos recusaram uma “doação” de F-16 alegando que eram inadequados para a FAA pois ventava muito nas bases argentinas gerando acúmulo de detritos nas pistas.

    No tocante ao protesto, se verdadeiro, basta não convidar os envolvidos para a próxima edição. É uma atitude tão desrespeitosa que é difícil de acreditar.

    • Convida sim. Em breve a FAB vai ter F-39 com AESA, WAD e Meteor; e E-99 modernizado com Link, e KC-390 no REVO. Será uma FAB de Primeiro Mundo, aguardando os cucarachas mymyzentos.

    • O F-16 é mais sensível sim, mas 3 aviões em poucos dias é muita coisa. O episódio do cachorro também é grave,
      Situação aqui é tocar a bola pra frente, não precisa se desculpar publicamente, e nem “não convidar” na próxima.
      É só tomar mais cuidado em 2019, e não é por algo assim pontual que as relações e treinamentos com os Chilenos e Americanos devem se prejudicar.
      Do jeito que tudo se projeta, provavelmente 2019 teremos um Cruzex maior e melhor!

  18. A pista de Natal era boa quando era Administrado pela Infraero com constantes passagens do Limpa Pista. Saudades do Aeroporto Augusto Severo. Perto de Tudo. Depois de reformarem por cerca de 17 milhões, fizeram o Aluízio Alves, longe de tudo e de todos. Agora o grande elefante branco fica apenas de recordação do que foi um dia o Glamoroso Severo. Esse FOD foi lamentável pq Operações cata-FOD acontecem semanalmente pela SCOAM e diariamente o Bombeiro tb realiza antes do início das atividades aéreas.

  19. Que ridícula a fragilidade do F-16. Imagina se ele tivesse que operar de estradas, como os Gripens suecos. Eu acho que o F-35 teve a quem puxar …

  20. Que os americanos se arvorem no direito de protestar, vá lá. São a potência mundial.
    Mas os chilenos ? Ou é muita arrogância, ou puxasaquismo dos americanos, ou os dois juntos.
    Por mim só faria um CRUZEX com o F-39 na FAB, dava-lhes um chá de humilhação no ar. Que se dane o tal espírito de confraternização.

    • Delfin.
      O F16 sempre teve estes problemas no Afeganistão e Iraque. Nunca foi e jamais seria um avião para a FAB. Os Chilenos embarcaram na arrogância dos Americanos. Que não venham mais.

  21. É, pelo visto, aquela estória (agora história, com H mesmo) de que a FAB nunca quis o Falcon, devido a sua fragilidade, ou facilidade de ingestão de detritos na pista (por causa do nosso desleixo – o que é comum no Brasil com falta de recursos), é sim verdadeira. Rsrsrsrs

    Quanto à nota da USAF…….. Quero ver se daqui a um tempo, com a FAB pouco se importando com ela, a USAF não voltará com os rabos entre às pernas, como já o fez com a própria CRUZEX, devido ao exitoso exercício que a FAB, os “cucarachas sul’americanos” conseguiu montar, detalhe, sem ajuda deles e sim dos “esnobes e desprezíveis” gauleses. Só espero que o atual comportamento do nosso futuro mandatário (batendo continência pra qualquer funcionário de segundo escalão dos EUA), não seja comungado por todos os membros das nossas FFAA. É preciso ter um pouco mais de brio, de alto estima.

    Até mais!!! 😉

  22. E o cachorro?
    Será que foram os observadores venezuelanos que pegaram para levar e ele fugiu?
    Ou será que entrou pela parte do muro que está aberta lá na linha férrea?

  23. O F-16 tem sido usado por 40 anos pela USAF, mais de 4.500 aeronaves entregues, mais de 25 países usam aeronave, incluindo países como Venezuela, Chile, Egito, Jordânia, Tailândia, Singapura, Indonésia; isso para citar alguns países que, supostamente, têm as mesmas condições ou até mesmo, condições inferiores de manutenção de pista que o Brasil. A aeronave ainda é produzida, tem encomendas e participa de cotações de compra. Portanto, culpar a aeronave como causa imediata do incidente revela, no mínimo, má vontade ou ignorância.
    Aqui não se trata de denegrir o nome da Força Aérea Brasileira, e seus comandantes, não se trata de apontar culpados, dar desculpas muito menos pedir desculpas. Deve-se é admitir a culpa, reconhecer o erro e corrigir o que está errado.
    A FAB convidou estes países para o exercício, é a anfitriã, é a responsável em oferecer e dar todas as condições para a operação segura e eficiente de todas as aeronaves. É a responsável em receber as informações sobre o tipo de operação de cada aeronave, assim como, cada país é responsável em fornecer informações sobre as particularidades da operação das aeronaves. Portanto, ficaria ridículo uma força aérea como a Força Aérea Brasileira, a maior força aérea da América Latina, dizer aos americanos e chilenos que não podemos receber o Lockheed F-16 porque em nosso país acontece um fenômeno meteorológico misterioso só nosso, venta na pista. Não podemos receber aeronaves porque nossas bases têm horário de passagem de cachorros, vacas e jumentos.
    O incidente não representa a Força Aérea Brasileiro, nem mesmo os americanos diriam tal coisa, eles sabem que o Brasil tem uma das melhores forças de combate no mundo. Mas uma falha dessas depõe contra o nome da FAB, contra o país, e pior, arruína todo um trabalho de centenas de militares envolvidos na operação. Muitos desses militares deram o seu máximo, deram o seu tempo e esforço para que absolutamente tudo desse certo, sem falha nenhuma. Infelizmente o trabalho de muitos é eclipsado por erro e incompetência de uns poucos.
    O ideal seria, reverter a falha e desafio. O Comandante da Aeronáutica deveria dizer ao comandante responsável pela operação, para, logo no ano que vem, fazer outro exercício, ele mesmo pegar o telefone e ligar convidando. Mas convidar somente os Estados Unidos e o Chile, pedir para trazer dúzias de F-16 e mostrar que o Brasil é capaz de fazer a perfeição.

    • Roberto, isso tudo que você falou é verdade, mas com todo o respeito, acho que não é má vontade ou ignorância culpar a aeronave como causa imediata do incidente, no exercício tinha vários tipos de aeronaves, e só o F-16 apresentou o problemas de FOD.
      Não podemos negar que o F-16 requer um cuidado a mais nessa questão, nem o velho Dragonfly que é bem rente ao chão apresenta esse problema.
      Na próxima, que os americanos tragam seus militares com sacolinhas plásticas e tudo se resolve.
      https://media.defense.gov/2010/Jun/07/2000354716/-1/-1/0/100607-F-7939S-016.JPG

      • Maurício.
        A causa o incidente foi o objeto estranho sugado pelo motor de um F-16 causando dano considerável. Não foi o F-16 o causador do incidente.
        A característica tomada de ar do F-16, pode sim, ser fator contribuinte, não imediato.
        No F-16, e em alguns aviões, é comum certa característica, que é, quando parado e com motor acelerado, logo na entrada de ar é formado um vórtice de ar em ângulo de noventa graus com a entrada de ar, quando o ar está húmido é possível ver esse vórtice na forma de vapor. Conforme o motor é acelerado o vórtice aumenta de força, podendo, inclusive sugar pequenos objetos que estão logo abaixo da entrada de ar, como pequenas pedras, parafusos, etc.
        Essa é uma característica desse avião, outra característica, é durante a decolagem, mais precisamente, no início da decolagem. Na aceleração máxima do motor e com a corrida de decolagem, a área sujeita à sucção de detritos aumenta consideravelmente. Porém, é preciso notar que tal característica é comum nos aviões a jato e se agrava em aeronaves com motores de elevada potência, (25.000 – 30.000 libras) e com baixa razão de ‘by-pass’. A massa de ar que entra na entrada de ar é muito maior, parte disso, em razão da potência e também por conta do relativo pequeno tamanho do diâmetro da entrada (diferente dos grandes turbofans comerciais) isso causa um aumento da velocidade do ar no duto, aumentando assim, o poder de sucção. Portanto, uma aeronave muito mais potente que um F-16, mas com entrada de ar mais alta, pode até correr mais risco de ingestão.
        O perigo é universal e constante, com maior ou menor risco dependendo da aeronave, mas todas correm o risco. Nas bases aéreas nos Estados Unidos, é comum procedimentos que eles chamam de “FOD walk”, que é quando dezenas de militares (e até civis) andam de lado a lado procurando objetos estranhos ao ambiente, é fácil ver um coronel ao lado de um recruta nessas operações, todos participam.
        Portanto, o que eu disse no primeiro parágrafo sobre o F-16, é fato irrefutável, incontestável, não cabe qualquer discussão, seria perder tempo.
        A causa do incidente foi o objeto estranho na pista ou no pátio, ocasionado por imprudência, imperícia ou negligência no cuidado da inspeção dessas áreas de operação (pista de pouso e decolagem) e nas áreas de movimento (pistas de taxi e pátios)
        Não foi algo ‘acidental’, uma infelicidade, não foi. Não foi porque objetos soltos não fazem parte da natureza de um pátio de aeronaves, muito menos de uma pista de pouso. Não devem existir.
        A responsabilidade disso está sob a jurisdição da Força Aérea Brasileira, portanto é ela quem responde pelo incidente.

  24. Boa noite, alguns dos amigos saberia me dizer o motivo da retirada dos canhões dos A-4 MB que foram modernizados? A retirada de um dos 2 no F-5, nós soubemos e de certa forma, compreendemos em função da localização. Só não entendi essa dos A-4.

    • José, eu tinha essa dúvida também, semana passada eu perguntei no Instagram do esquadrão se na modernização os Skyhawk tinha perdido os canhões, eles me responderam que os canhões permaneciam no mesmo lugar, só que agora não ficam mais a mostra como antes.

  25. Na questão do Mirage peruano que trincou o canopy, eu lembrei de uma reportagem da RFA onde os primeiros Mirage-2000 de Taiwan apresentavam problemas de embaçamento do canopy, a Dassault levou um certo tempo até resolver a questão.

  26. A ala 10, antiga bant, está sendo murada, no lugar das cercas. A cidade de parnamirim engoliu o aeródromo e hoje em dia é mais comum casos como esse do cachorro.

    Sobre a questão do fod, eh muito comum na aeronave em questão. Agora saber se foi apenas beicinho dos cmd das delegações ou se teve outra coisa, é campo das suposições.

  27. Na boa..

    O F16 opera na Venefavela há décadas e voam muito mais que os ultra mega resistentes Flankers e tenho certeza que a infra estrutura da FAB é muito melhor que a existente na Venefavela.

    O que aconteceu contratempos..

    Para quem não conhece Natal venta muito a ponto de disfarçar o calor da cidade..

    então o cuidado nas pistas não tem que ser nem duplicado, mas quadruplicado..

    Com relação ao cão acontece..

    Acho muito difícil 100% da área em volta da BANT, que é gigantesca, ser cercada a ponto de impedir a entrada de um animal pequeno.

  28. “Um Mirage 2000P do Peru trincou o canopy e um F-16C da USAF teve uma pane por ingestão de FOD (Foreign object damage).”

    Neste caso, o que o F-16C ingeriu foi um Foreign Object Debris.
    Foreign Object Damage é o dano causado por um Foreign Object Debris.

    A confusão com esse FOD é enorme. Causa e consequência com a mesma sigla é um perigo.

  29. As duas sapatas ……

    Mesmo com o impacto deviam estar 50% encaixadas.

    Eu acredito que a partir do ano que vem possamos vislumbrar um cenário semilhante a década de 70 e 80 na FAB. Haverá mais vontade do governo que já declarou que as FAAs são estratégicas para o país e que não deve-se considersr as despesas com elas como gastos e sim investimentos.

    Meu sonho :
    – 136 Grippen
    – 030 Sea Grippen ( caso tenhamos 1 porta aviões )
    – 015 F-35 (8 para o Atlântico) (7 para DF)
    – 050 Aermacchi M-346
    – 180 Super Tucanos
    – 06 767 KC
    – 28 KC 390
    – 13 KC 390 Marítimo no lugar dos P3 Orion
    – 130 Novaer N-210 no lugar do Neiva
    – 060 Black Hawks
    – 010 Apaches
    – 130 ATL-100 Desaer no lugar dos Bandeirante
    – demais modelos que já operamos e são mais novos.

  30. Eu mesmo na esfera policial debato que, com o uso bronco que se faz dos equipamentos e armas, assim como a longevidade causada por espaçadas renovações (demorou 50 anos para o FAL ser substituído), teria mais que se usar AK-47 no BR.
    Podem contar que o F-39 será um caça bem mais robusto que o F-16. E ainda existem planos de uma versão navalizada do F-39, com trem de pouso reforçado justamente para suportar os pousos em NAe. Só adotar o trem de pouso naval e dormir sossegado com os catrapos.

  31. Quero PARABENIZAR a FAB pelo excelente e exitoso exercicio. Em determinado momento havia 59 aeronaves em voo, a maioria decolando e pousando em Natal, o que por si so ja impediria ate o acesso de veiculos e pessoal visando varrer a pista. Sugiro ate avaliar os dados existentes e verificar quando os f16 tiveram danos causados por detritos succionados, pois certamente, nos instantes anteriores a esses incidentes havia outras decolagens/pousos em curso, o pessoal de segurança em terra posicionados em viaturas em prontidao para combate a eventuais incendiis e assim por diante.
    Os aviadores americanos sao excelentes, seus avioes expetaculares, e sao aliados de sempre do Brasil. Na minha opiniao sao muito benvindos e devemos muito a eles. Mas, embora a perda de turbina seja algo muito “doloroso” eles deveriam ter o bom senso de olhar para os aspectos envolvidos neste treinamento: a nossa base aerea estava repleta, com uma frota de caças muito maior do que a disponivel em todo o Brasil, e o proposito desta ediçao foi justamente focado em guerra assimetrica. Inclusive em apoio no solo. Lessons learned para todos….excelente exercicio axissimetrico….ate para tentar evitar FOD….e suas damages.

  32. Não se pode condenar o evento por conta desses contra tempos, esses acontecimentos devem ser visto como episódios a ser superados.

  33. Que vergonha. Mesmo com FOD o F-16 é o melhor caça leve de toda história. Emirados Árabes, Israel.. No deserto tem uma eficiência notável. Quem dera a FAB ter uns 10 F-16V.

  34. Eu consegui participar de uma visita a CRU,EX na última terça-feira e, enquanto seguimos de ônibus para um setor próximo a pista, foi solicitado cuidado para evitar a perda de objetos pelo vento, especialmente bonés. Próximo a pista foi possível ver membros da FAB realizando a limpeza ds mesma com um trator e uma espécie de rede e nesse dia só decolaram dois F 16 da USAF.

  35. – Episódio do cachorro: Grave, mas acontece;
    – FOD com F-16: Acontece, é do caça;
    – 3x FOD com F-16: O F-16 é sensivel, mas tá com jeito que não limparam a pista a contento, sabendo que eles vinham!

    – 2x Pane Seca por problema no marcador de combustível: A matéria não dá maiores detalhes, mas espero eu que os protocolos pré decolagem tenham pego isso, e que uma tragédia não tenha sido evitada por mera sorte. Ao meu ver foi a ocorrência mais grave do Cruzex.

    Exercícios são para isso, detectamos falhas nos aviões, bases e procedimentos e melhoramos! Enquanto temos nossos aviões no inventário são apenas “Super Trunfo”, mas são situações de grandes treinamentos como esse que vemos os pontos a melhorar ou não.

    Imaginem numa hipotética situação de guerra em que os americanos viessem nos ajudar?! Seriam 2-3 aviões fora de combate por algo que pode ser melhorado.

  36. Na verdade foi um exercício ultrassecreto da FAB visando testar novas maneiras de interditar pistas de aeroportos. Dentro em pouco teremos bombas “sujas” para os Gripens e ogivas de lixo para nossos mísseis de cruzeiro semelhantes às bombas cluster, mas que jogarão todo o tipo de lixo para impedir a decolagem e pouso de aeronaves inimigas. Os KC-390 também terão dispensers de cães vira-latas que cairão as centenas de paraquedas sobre os aeroportos inimigos, de preferência com machos e fêmeas no cio que ficarão correndo como loucos para lá e para cá. Muito melhor que as bombas antipistas atuais.
    (Modo irônico off)

  37. Quanto ao comentário dos colegas mais acima sobre os canhões do AF-1 modernizado:
    – os canhões permanecem, cobertos por uma carenagem? Como? E os canos dos canhões? Ficam onde?
    Pelas fotos publicadas no site spotter.com.br o que se percebe é uma carenagem que cobre o orifício por onde passa o cano do canhão. O que pode acontecer é que a aeronave tenha mantido a capacidade de portar o canhão e esse seja instalado quando for necessária sua utilização, ou seja, nas fotos, com aquela carenagem, o canhão não está instalado.

    • Flanker, alguém do esquadrão me respondeu da seguinte forma:
      Os canhões permanecem no mesmo lugar, só que agora não ficam expostos como antes.
      Eu agradeci pela resposta, mas confesso que ainda tenho dúvidas quanto a isso.

    • O canhão continua no caça .Foi o que me informou um antigo mecanico do VF-1 .Na época ,mesmo os não modernizados ,apareciam em fotos sem a ponteira do canhão .Eu perguntei se tinham tirado ,ele falou q não .q ali tinha uma carenagem para tampar o buraco por onde saia a ponta do canhão .

  38. Galera, o episódio do cachorro não é grotesco! Grotesco é usarem uma carcaça de T-25 acidentado, com muitos vestígios de sangue, como alvo, em um exercício de tiro, e o exercício ser interrompido no inicio do passe de tiro, pela presença de no mínimo dezenas de canídeos que afluíram à área atraído pelo cheiro de restos humanos.
    Trapalhada é ver o comandante se dirigir ao “alvo” com seu Fiat 147 e na presença de no mínimo 900 pessoas que se espraiavam pela cabeceira de uma das pistas, realizar uma perseguição automotiva implacável aos canídeos para que o “espetáculo” tétrico pudesse continuar, esquecendo-se o colega tombado dias antes e a nossa memória do episódio.

    • Inacreditável! Profunda falta de respeito com o companheiro de armas caído! Ademais vislumbro infração administrativa visto que a carcaça aindae meio de prova na investigação do acidente.

    • Não faz sentido nenhum esse seu comentário. A BANT dispõe de vários veículos, o que diabos um fiat 147 estaria fazendo lá? O que diabos um T-25 Acidentado estaria fazendo lá. E porque diabos também ele estaria sendo utilizado como alvo de tiro????

  39. Cheguei agora, bem depois e o que eu queria dizer já foi dito pelo comentarista Roberto F. Santana…

    O fato é que a FAB foi a anfitriã e os fatos registrados são para nós extremamente constrangedores…

    Em participações anteriores os norte-americanos trouxeram caminhões com turbinas para limparem as pistas. Podem não ter trazido desta vez, afinal, a responsabilidade pelo suporte às operações é do anfitrião. Comentar sobre a característica do F-16 quanto a ingestão de FOD, no presente contexto, serve apenas como ilustração no tocante ao projeto, pois não pode nos redimir do constrangimento gigantesco havido nesta última CRUZEX…

    No mais, caríssimos comentaristas, é evitar que isto se repita no futuro.

  40. HMS TIRELESS 2 de dezembro de 2018 at 14:59
    Não seja desonesto, o fanboy aqui é você, tanto que você só aparece para causar confusão. Isso quer dizer que seu amado f16 é um projeto antigo que vence indianos incompetentes, você, desonestamente, tenta coloca-lo como superior usando dados de confrontos contra forças amadoras, mal treinadas e mercenárias, e se esquece que mesmo os americanos, que ao contrário dos indianos, não são incompetentes, não fazem milagres com o F16, tanto que saíram em desvantagem com nossos velhos F5 de uma geração de desvantagem. Oras, para o F16 ser inferior aos nossos F5, eles não parecem tão bons quanto você tenta pintar, não é? Sabe por quê? O vetor pouco importa, o que importa é a doutrina e o treinamento, quer um exemplo? O overpower F22 foi incapaz de abater o Rafale em exercícios com a França, o Rafale só não o abateu por causa da furtividade do F22, que serviu como característica defensiva, mas não ofensiva, o problema é no F22? Não, não é. Não tente pregar a superioridade da “raça” americana e pseudo-ocidental usando exemplos desonestos, onde os EUA e seus aliados atuam com imensa superioridade financeira e numérica, assim é fácil, comparações honestas são sempre niveladas em igualdade de condições.

    • Meu caro, sugiro você se informar mais….

      O fato é que o F-16 mostrou-se capaz de sobrepujar o Su-30MKI, e achar que esse fato se deu por suposta incompetência dos indianos é absolutamente risível. Por isso mesmo coloquei o exemplo dos pilotos russos abatidos por israelenses, cumprindo lembrar que nesse último caso o vetor empregado (Mig-21) em diversos aspectos era superior ao Mirage III que Israel à época usava!

      E agora, para onde vai seu palavrório todo?

      • Continua na mesma, a sua desonestidade ainda está aí, primeiro, quem foi que falou em SU? Você trouxe o assunto a tona por puro rage de fanboy que não suporta que “fale mal” dos seus amados. Você tenta provar a superioridade da “raça” pseudo-ocidental (sim, o que você está fazendo é isso, o que você diz nada tem a ver com o assunto, você só quer afirmar a “superioridade” do ocidente ante o “bloco sino-russo” que você pensa ser comunista, se esquecendo que o comunismo é ocidental, com todo seu material ideológico sendo produzido no ocidente e amplamente financiado e adotado pelos governos ocidentais, sendo os EUA o maior produtor de material e financiador da “nova esquerda”) usando como exemplo a notória incompetência indiana. Aí eu te pergunto, se o F16 é tão superior assim, por que saem perdendo dos nossos F-5 que são inferiores em todos os aspectos imagináveis e inimagináveis? O problema é o vetor ou aquela pecinha que controla o avião? Onde está seu palavrório para explicar isso? Absolutamente risível é a sua xenofobia típica de aloprado político em tentar mostrar superioridade “ocidental” diante dos russos com a desculpa dos SU indianos e ignorar o histórico da própria FAB diante do F16, oras, diga, afinal, o F-5 é superior ao F-16 ou foi a doutrina e a capacidade dos nossos pilotos que fizeram a diferença?

        • É tanta bobagem que estou a me perguntar se toda essa vergonha você vai passar no débito ou no crédito parcelado porque em cash não dá…hehehehe

          • É um questionamento muito simples, porque você foge dele? Pior, ainda usa jargão de menina de 14 anos para sair como pombo enxadrista. Aponte as bobagens, eu expus as suas bobagens muito bem.

          • Só porque num exercício os F 5 brasileiros se saíram melhor do que os F 16 significa que o F 5 é melhor e que todos os países que usam F 16 deveriam voltar a usar F 5?
            É isso? É esse o argumento???
            Então está certo, os F 5 são superiores ao F 16. Essa é a conclusão.
            Acredito que essa conclusão espanca qualquer dúvida que havia.

      • O troll Tireless sempre joga com a desinformação e conta com o esquecimento geral dos fatos por conta dos comentaristas…

        Fazem uns 10 anos, um tal Coronel Terrence Fornof deu uma palestra onde desandou a falar da superioridade do material norte-americano, tanto humano como técnico, sobre o material de outras nacionalidades. Focava ele sobre a participação da IAF com o SU-30 MKI na Red Flag…

        Fornoff disse barbaridades como o fato dos franceses ficarem a coletar frequencias dos demais participantes com o sistema Spectra do Rafale…
        Quanto aos indianos praticamente colocou-lhes o carimbo de amadores, indo da incapacidade de manter os horários a idiotas em dogfight. Disse que a presença de TVC nos vetores indianos favoreceu os norte-americanos no combate simulado e que o radar embarcado nos vetores indianos era deficiente…

        A palestra causou uma comoção nos fóruns militares do mundo inteiro e enfureceu os indianos…
        O que fizeram?
        Publicaram os dados da IAF na Red Flag…

        E os dados revelados demonstravam que os indianos não tiveram panes, ou atraso nas partidas; não fizeram uso de TVC nos combates simulados, estando os bocais travados; mantiveram o radar no modo treino e… Não foram abatidos nos dogfights simulados, pelo contrário, o score de combate era amplamente favorável ao contingente indiano…

        Os dados da Red Falg não são sigilosos e pesquisadores norte-americanos cruzaram os dados indianos com os da Red Flag e os confirmaram…

        Então, caríssimos, que ficou “mal na fita” foi o Coronel Terrence Fornof…
        Ganhou fama de falastrão, foi repreendido pela USAF em nota publicada e perdeu credibilidade.

        Se não me engano este site, Poder Aéreo, publicou a palestra do Coronel Terrence Fornof…

        Fornof é um exemplo de que a vaidade não cai bem em ninguém, principalmente em um oficial…

          • Galante, não tem nada de errado com a palestra do Fornhoff, salvo na cabeça doentia e fanática desse sujeito!

        • A mais triste figura dos sites de defesa, que atende pelos nomes de César Antônio Ferreira, Ilya Ehemburg, Higgins, brigadeiro salomé e Xarliane veio aqui não apenas me acusar de desinformar como também ele próprio veio desinformar sempre esquentando as invencionices com bobagens do tipo “vi nos fóruns gringos” ou então “os fóruns militares”….mas para quem gosta de mentir vergonhosamente (basta lembrar das “dezenas de Merkavas incendiados” que ele bravateou durante a operação “protective edge”) isso é café pequeno!

          Quando ele tiver coragem de vir aqui debater (o que acho improvável) eu exponho as farsas dele…

  41. Espero que esses Grifos venham logo, porque o corajoso F-5 já deu o que tinha que dar.
    Se não for Grifos, pode ser Falcons, já estava de bom tamanho e mais realista com a situação que nos encontramos.

  42. “Rinaldo Nery 1 de dezembro de 2018 at 19:29

    Em Viracopos uma raposa mora numa taxiway.
    Vergonha! Oh meu Deus! Vou me suicidar.”

    Huahuahauhuahua…. 😀

    “FOD tem em qualquer lugar do mundo. O F-16 é, sim, mais sensível devido à posição e ao tamanho da entrada de ar. A limpeza da pista é diária, mas lá VENTA PRA CACETE! E detritos são jogados sobre a pista e pátio o tempo todo! Só quem operou lá sabe. E, nas CRUZEX anteriores lá realizadas, não houve esse problema.
    Quanto ao F-5, o pouso foi um catrapo! Há incidência de wind shear na cabeceira 16 em função do telhado do terminal de passageiros, em formato de asa, jogando o vento cruzado direto pra cabeceira. Na última CRUZEX que participei (2008) ocorreu um episódio idêntico, só que havia um míssil no trilho, que ficou no meio da pista. A perna do trem furou a asa.
    E podem ter certeza: muito F-16 já perdeu motor por FOD, no Chile e nos EUA.
    Quanto ao cachorro: a área do aeródromo é GIGANTESCA! Pode ter entrado por qualquer lugar. Em Viracopos uma raposa mora numa taxiway.
    Vergonha! Oh meu Deus! Vou me suicidar.”

    Melhor comentário do post….aprendi varias coisas…é sempre um deleite para mim ler os comentários do senhor aqui… 🙂

  43. Tudo, literalmente tudo por aqui, vira br8ga ideológica!! Isso enche o saco de qualquer um!! O F-16 tem problema de ingestão de FOD? Sim. Isso impediu que ele fosse um dos caças mais vendidos da história? Não. Ele opera somente em locais impecavelmente limpos? Não, pois basta olhar seu histórico de combate no Iraque e e em Israel, ambos em regiões desérticas, , com muita areia. O F-16 é o suprassumo da aviação de caça? Não é mais, mas já esteve entre os melhores do mundo, e se mantém extremamente letal, em suas últimas versões (à partir do block 50 em diante). Os eventos de FOD registrados na Cruzex mostram que é uma aeronave que precisa de cuidado nesse quesito, mas isso põe por terra toda sua excepcional ficha de combate (74 x 0 em combates aéreos)? Quantos milhares de missões esse avião desempenhou nas guerras do golfo, da Bósnia, do Afefanistão, à serviço de Israel e em outras tantas? O FOD impediu que ele fosse um sucesso de vendas, com mais de 4500 unidades produzidas? Tudo isso que falei é torcida? Não….são fatos! Torcida à favor é achar que é uma aeronave perfeita e imbatível e torcida contra é dizer que é um avião velho, que não presta e todo seu histórico foi anulado por conta do FOD. Torcida só cega e impede de ver os fatos como eles são.

    • Compartilho do seu desabafo amigo! Lamentavelmente as colunas de comentários estão a ser aviltadas pelos mesmo tipinhos, provocadores contumazes que se dedicam a fazer apologia à autocracias, ditaduras totalitárias e estados fascistas com o único propósito de causar tumulto.

  44. Se havia um problema de detritos na pista, e os fatos dizem que sim, e se há uma necessidade de preparação prévia da pista par evitar FOD nas entradas de ar dos F-16, e os fatos também evidenciam que sim, então norte-americanos e chilenos deveriam ter passados essas instruções previamente ao exercício.

  45. O que mais me impressiona é que tem gente defendendo o F-5 como se fosse uma aeronave boa. Se o F-16 já está sendo substituído em países de primeiro mundo…E esse já é extremamente superior ao F-5.

    Só falta vir neguinho falando que a Suíça usa F-5.

  46. Aquela entrada de ar ali embaixo, não é para qualquer pista não, tem que ter carinhas varrendo tudo o tempo todo ou maquinas varredoras (maquinas na pista cuidado !). O que pode ocorrer em pistas no meio do deserto com tanto vento levando areia junto o tempo todo? Ficam no solo !
    Sempre tive a sensação que muitos problemas dessas aeronaves não se divulgam ao público, por uma questão de mercado, mas vem a tona quando os presenciamos. Que estejam logo disponiveis os nossos Gripen.

  47. Outro dia um coronel da FAB me disse o seguinte: “quem tem F-5 não se desfaz”

    Ele não disse nenhum absurdo. Com exceção da rica Arábia Saudita, ninguém aposentou o F-5E.

    O F-5E deve ser o melhor caça leve de sua geração. Aliás, diz a lenda que superava todos os caças soviéticos no dogfight.

  48. Um projeto excelente, rusticidade, perfeito para condições precárias de operação o que é um grande mérito, infelizmente não teve um uso em combate tão grande quanto merecia, mesmo assim o F5A fez sucesso no Vietnam e um grego abateu um F102, conforme dizem os gregos e um F5E do Irã pegou de surpresa um Mig 25 em baixa velocidade e passou fogo de 20 mm mas não abateu.

  49. Entradas de ar do F-39 com configuração similar ao F-5 e AMX, na altura da bochecha, mostra mais um acerto e coerência na escolha do mesmo. Não tão crítico quanto ao F-16 “guloso”, o Super Hornet com as entradas de ar embaixo e mesmo o Rafale com uma configuração um pouco mais protegida se comparado a vespa, são mais propensos a fazer uma boquinha com uma eventual food express na pista, se comparados ao lendário Leão alado mitológico.

  50. Na década de 90, o embrião das Cruzex foram as operações Tiger, sendo que a primeira foi em Canoas, com a participação de franceses e suecos com o gripen. A segunda operação Tiger foi em Natal, onde os americanos exigiram modificações na pista 16L, para possibilitar o pouso do Falcon F16 e, daí houve o pouso até do gigantesco Galaxy C5.

    • José, os suecos nunca operaram aqui. O que houve foi uma demonstração do Gripen, em 2000, em Anápolis e Santa Cruz. Eu servia em Anápolis e assisti a demonstração. Em Santa Cruz o Gripen deu pane. Ficou lá alguns dias.

    • So uma correção: a primeira operação Tiger ocorreu em Porto Rico, em 1994, entre Brasil e EUA. A segunda, ocorreu em Natal, em 1995. A terceira, ocorreu em 1997 em Santa Maria. Todas envoveram unidades de F-16 da ANG e as inidades de caça da FAB. Em 1998, tivemos aqui em Santa Maria também, a operação Mistral, entre a Força Aérea francesa, com seus Mirage 2000C/B e as unidades de caça da FAB. A Força Aerea sueca nunca participou de operações, com suas aeronaves, aqui no Brasil. Eles vieram para demonstrar o Gripen, mas não participaram de operações.

  51. olha perder o os dois trilhos é uma clara indicação de que quem fez a instalação, fixação não sabia o que tava fazendo , insto ao meu ver é uma falha grave, os outros BO ao meu ver são normais, inclusive a pane seca DO f-5 É UMA FALHA É MAIS SE NÃO TIVESSE acontecido outras talvez tivesse passado despercebido, sabemos da idade dos bicudos então operar sem que nenhum problema ocorra é fantasia, Do resto muito muito “MIMIMI” por parte dos gringos….. é Claro ninguém gostaria que acontecesse mais na minha humilde opinião são coisas que se esta sujeito, Ainda mais quando se opera fora de casa

  52. “só retornamos aqui quando resolverem os problemas de sujeira e detritos da pista e pátio de estacionamento”.

    por isso gosto da doutrina das FFAA’s brasileiras. armas que funcionam em qqr terreno, temperatura, umidade, tempo. vide supertucano, ALAC etc e tal.

  53. Quase 100 aviões e caças em operação que devem ter somado milhares de decolagens/pousos e há de se considerar até leves os contratempos.
    Se o problema está na limpeza da pista, se resolve simplesmente com equipamentos mais eficazes e com maior cuidado na limpeza da pista nas próximas CRUZEX ou simplesmente muda para uma base aérea com melhores condições (Anápolis ou Santa Cruz por exemplo).
    Quanto aos F5, é mais do que sabido que breve serão substituídos pelos F-39. É bem provável que numa próxima Cruzex já terão algumas unidades com as cores da FAB.

  54. Apenas para lembrar :
    O F-16 foi concebido para a concorrência de caça padrão da OTAN, para ser usado na Europa bacana, rica e limpinha. Então tem seu grau de sofisticação, que se traduz em “frescura” no uso. Não foi projetado inicialmente para países menos favorecidos e/ou menos alinhados.
    A própria Lockheed tentou o F-16XL, com turbina J-79, para clientes “pobres” mas não deu certo. Aliás tem matéria sobre tal versão aqui no PA.
    Não se está colocando seu histórico de combate ou origem em questão.
    Quem pôde comprar o F-5, tijolo barato e robusto para 3o mundo, comprou. Com o encerramento da linha do F-5 e sabotagem (minha opinião) ao F-20, só sobrou o F-16 para ser ofertado, com suas qualidades em combate e limitações em robustez.

    • Amigo, a Tailândia, a Indonésia, a Venezuela e o Paquistão são forças aéreas usuárias do caça F-16, não me parece que esses países tenham uma infraestrutura tão melhor que a do Brasil não, aliás em alguns aspectos tem infra até pior que a brasileira

  55. Enquanto isso o A-1 engole FOD, pombo, urubu, a porr@ toda, e continua voando ! Santo Spey !
    .
    Trocadalho infame : sabem o que acontece quando o F-16 engole um FOD ?
    Fica FOD-ido !!!
    😆😆😆😂😂😂

    • é por isto que gosto de equipamentos simples e rusticos….para não te deixar na mão….

      lembro que na Guerra de Angola… os Sul Africanos usavam os Impalas na linha de frente…avançados…..eles conseguiam operar onde os demais caças e supersonicos não conseguiam….

      Voce operar sem apanhar é uma coisa….operar apanhando é outra…o cenario é totalmente diferente….eu fico intrigado com isto….existem guerras e batalhas…mas não dá para imaginar uma base com pista de porcelanato…num embate minimamente equilibrado a coisa toda é um caos…maquinas na pista tapando buraco….aspirando….terra pra todo lado….trechos operando…trechos interrompidos…etc…

  56. Isto acontece…..apesar dos trabalhos, algum novo detrito foi parar lá….

    Por outro lado…não da´para reclamar da areia no chão se voce vier trabalhar com sapatilhas de bailarina….

    Francamente….quer dizer que um lobo solitario poderia então chegar a uns 2 km de uma base com F-16 estacionado e com uma merreca de morteiro 60 mm fazer um estrago de estilhaços por toda a pista e arriscar a um esquadrão inteiro de F-16 nem decolar….????Hummmm!!! fiquei curioso…não é possivel que seja tão sensivel e facil de apurrinhar assim…até limpar a pista pro bicho desfilar Ines é morta…!!!

    nem ao céu nem a Terra….tá complicado isto ai….

  57. Boa tarde senhores, ficou bem mais comodo falar que o F-16 é mal projetado…Mas Israel nao opera eles também ? La no oriente médio nao tem sujeira nao….Tem tempestade de areia mesmo, constantemente! Nas últimas cruzex, os proprios americanos limparam a pista. Sobre o F-5, o caça está velho de mais, espero que nao tenhamos que usa-los em combate real e deem uma segurada nos exercícios, por segurança ne ! Enfim, falta de verba e treinamento, que se apure os responsaveis !

  58. Israel… Israel recebeu seus F-16 em condições que nenhum outro operador externo tem. Tem ampla liberdade para fazer as modificações que bem entender. Precisando os EUA mandam peças e armas na hora. Alguém aqui acha que o BR seria tratado da mesma forma que Israel ?
    O Chile comprou seus F-16 junto com mísseis AIM-120, que foram inicialmente retidos.
    Colômbia paquera o F-16 faz um bom tempo, mas mesmo com seu alinhamento não tem moleza.

  59. 200 comentários e até agora ninguém realmente sabe o que ocorreu, ou a FAB ou a USAF deveria vir a público e explicar o ocorrido. Falta muito grave essa.

LEAVE A REPLY

Please enter your comment!
Please enter your name here