Home Comando e Controle China enfrenta OTAN em corrida armamentista de informações

China enfrenta OTAN em corrida armamentista de informações

3325
24
Tela do software da Luciad
Tela do software da Luciad

Negócio com empresa belga coloca a China em pé de igualdade com os EUA. Tecnologia pode vir com riscos e lições para governos e militares

Por Stephen Chen

A China obteve o software de tela grande usado pela Otan e os Estados Unidos para o mapeamento em salas de guerra, colocando suas forças em pé de igualdade com algumas das operações militares de elite do Ocidente.

A Luciad, uma empresa de defesa sediada em Leuven, na Bélgica, está vendendo o software de alto desempenho ao governo chinês usado para consciência situacional pelos comandos militares da Organização do Tratado do Atlântico Norte, segundo informações de empresas do governo chinês verificadas pelo South China Morning Post.

O pacote inclui o Luciad Lightspeed, um programa que pode processar dados em tempo real, incluindo objetos de movimento rápido, com velocidade e precisão.

A consciência situacional é a capacidade de saber o que está acontecendo em um ambiente alvo e usar essa inteligência para derrotar o inimigo. Na guerra, a situação é tão fluida que pode mudar em segundos.

Os planejadores usam dados de fontes como drones, imagens de satélite, radar, gráficos de sensores, previsões do tempo e status de tropas. Os softwares tradicionais podem gerar erros tão grandes quanto 500 metros (1.600 pés) no posicionamento de alvos móveis de diferentes fluxos de dados.

O software da Luciad pode analisar dados e gerar visuais perfeitos a uma velocidade de 100 cálculos por segundo, 75 vezes mais rápido que seu concorrente mais próximo, com precisão de 3 cm e em escala global, de acordo com a empresa americana de tecnologia gráfica Nvidia.

Isso permite que os planejadores visualizem e analisem as mudanças nas posições inimigas ou avaliem as informações do alvo em tempo real e ajustem os parâmetros da missão , de acordo com a Nvidia.

O mesmo software é usado pelo Comando de Operações Especiais dos Estados Unidos na Base Aérea de MacDill em Tampa, Flórida, onde missões secretas para o governo dos EUA – incluindo o ataque que assassinou o líder da Al-Qaeda Osama bin Laden no Paquistão em 2011.

Sob a lei chinesa, um fornecedor estrangeiro que forneça software ao governo chinês deve divulgar cada linha do código-fonte às autoridades para uma verificação de segurança. Não ficou claro se Luciad cumpriu esse requisito. A empresa não respondeu aos pedidos de comentários.

A adoção de tecnologia usada pela Otan no comando militar pode não ser isenta de riscos para a China, segundo um especialista em segurança da informação de Pequim que trabalhou com o governo.

O software pode conter códigos ocultos. “Isso pode levar à infiltração não autorizada no cérebro das operações militares chinesas”, disse o pesquisador.

Embora a rede militar esteja fisicamente isolada da internet e protegida por firewalls, sempre há a possibilidade de encontrar uma maneira de contornar todas as verificações de segurança, disse ele.

Alternativamente, estudar o software, especialmente no nível do código-fonte, ofereceria à China uma perspectiva sobre as operações de sala de guerra das potências ocidentais.

“Às vezes, um comentário [uma explicação ou anotação no código-fonte de um programa de computador] pode contar uma história”, disse o pesquisador.

A China opera um dos maiores sistemas de coleta de inteligência militar do mundo e sua sofisticação está aumentando. Tem uma rede de satélites em expansão – a maioria dos quais serve o governo ou o Exército de Libertação do Popular – que é o segundo em número atrás apenas dos EUA.

Dispositivos de monitoramento são implantados nos oceanos do mundo, desde o Mar do Sul da China até a costa oeste americana. Armas convencionais, como as minas terrestres, estão evoluindo com o uso da inteligência artificial.

Os serviços militares e de inteligência chineses monitoram setores civis, incluindo a internet, redes de câmeras de vigilância e mídias sociais para análise de informações e ameaças.

Isso cria uma demanda grande e urgente por software avançado de processamento de dados, de acordo com especialistas do setor.

“A Luciad é a Ferrari do software GIS. Ela chega ao lugar certo na hora certa ”, disse um engenheiro de informações geoespaciais de uma empresa aeroespacial de Pequim.

Nos últimos meses, altos funcionários técnicos do governo chinês e grandes empresários fizeram cursos intensivos sobre o novo software em Pequim.

Um foi hospedado em junho pela Key Mapper, um provedor de serviços de informações geoespaciais na China. Em um exercício, um tutor da Luciad forneceu dados sobre São Francisco para demonstrar a função do software.

“Através deste treinamento, os participantes não só têm uma compreensão profunda da gama completa de produtos da Luciad, mas também podem usar os produtos de forma independente para desenvolver aplicações relacionadas”, disse a empresa em seu site.

A Key Mapper confirmou na segunda-feira que era um revendedor oficial do software Luciad licenciado para clientes do governo chinês.

A empresa com sede em Pequim se recusou a divulgar mais detalhes por causa da sensibilidade da tecnologia.

A Luciad foi criada pelo Dr. Lode Missiaen, um cientista sênior que trabalhou na Agência de Consulta e e Controle da Otan em Haia, na Holanda, nos anos 90.

Missiaen, responsável pelo desenvolvimento e aplicação de modernas tecnologias de software para controle de tráfego aéreo e gerenciamento do espaço aéreo da Otan, reconheceu a falta de software comercial que pudesse combinar informações geográficas e em tempo real.

Ele deixou a Otan e fundou a Luciad em 1999 para preencher a lacuna, mas foi apenas em 2008 que a Otan adotou totalmente a nova tecnologia em seus centros de comando para gerar imagens para exibição em tela grande em salas de guerra.

O software da Luciad agora é usado não apenas pelos países membros da Otan, mas também pelos principais fornecedores de armas, incluindo a Boeing, a Airbus Defence and Space, a Lockheed Martin e a Thales.

A empresa foi comprada no ano passado pela Hexagon, um grupo de tecnologia sediado na Suécia.

A Hexagon estabeleceu laços com a indústria militar e de defesa chinesa. Sua tecnologia tem sido usada pelo fabricante de aviões furtivos da China.

Caça J-20
Caça furtivo J-20

Não ficou claro se a venda de software da Luciad na China ocorreu após a aquisição. A Hexagon não respondeu às perguntas do South China Morning Post.

O professor Wu Lun, diretor do departamento de sistemas de informações geográficas da Universidade de Pequim e consultor sênior do governo chinês em tecnologia da informação geoespacial, disse que a plataforma GIS estrangeira mais popular na China atualmente é o ArcGIS, um software comercial desenvolvido pelo Environmental Systems Research Institute na Califórnia.

Embora tenha alguma aplicação militar, “o ArcGIS é usado principalmente para projetos civis”, disse ele.

Por questões de segurança, o governo chinês promoveu software GIS caseiro para aplicações governamentais e militares, e alguns fornecedores, como SuperMap e MapGIS, apresentaram “produtos bastante capazes e competitivos”, disse ele.

“Mas clientes diferentes têm demandas diferentes. Software estrangeiro e nacional coexistirão por muito tempo ”, disse Wu.

FONTE: South China Morning Post

24
Deixe um comentário

avatar
8 Comment threads
16 Thread replies
0 Followers
 
Most reacted comment
Hottest comment thread
18 Comment authors
Alexandre GalanteFredRinaldo Nerypaulo cesarpau cesar Recent comment authors
  Subscribe  
newest oldest most voted
Notify of
ROBERTO DIAS
Visitante

O grande problema com a China de ser o futuro líder mundial é por causa das suas intenções, diariamente ficamos sabendo de inúmeros avanços em seu poderio militar e de sua política de expansionismo, alguém vai falar, sim e os EUA? Lembrem se que os EUA foram empurrados para a 2a Guerra, e praticamente assim se tornaram potência mundial, mas a China procura por todos os meios crescer e se posicionar pela força, e isso preocupa. E ainda tem mais… ela tem um “pé” no comunismo e outro no capitalismo.

Rui Chapéu
Visitante
Rui Chapéu

“ela tem um “pé” no comunismo e outro no capitalismo.”

Ela escolhe quem serão os ricos e os pobres, igual ao governo antigo que escolhia os campeões com crédito subsidiado e concessão de licensas estilo JBS.

Mas a burrice é dos EUA de ainda darem credibilidade a Europa.

Eles já deveriam ter abandonado aquilo lá e a OTAN desde que acabou a URSS.

Thiago
Visitante
Thiago

Quem impulsionou a China e ofereceu em uma bandeja de prata o mundo foram exatamente os Estados Unidos. Nixon e Kissinger construíram e traçaram esse rumo no tentativo de afastar os chineses dos soviéticos.
E depois globalização , terceirização, deslocalização fez o resto… As empresas europeias seguiram o rumo apenas isso, quem traçou foi o ” leader”, a potência máxima, nem mais nem menos. Agora é tarde, a China está retomando o lugar dela.

Antoniokings
Visitante
Antoniokings

A China sempre foi a maior potência mundial, exceto por breves períodos quando perdeu o posto para a Inglaterra e depois os EUA.
Desta forma, é verdade que ela apenas esteja retomando o que sempre foi dela.

Rodrigo M
Visitante
Rodrigo M

Sempre?? É alguém matou muita aula de história…

J-20
Visitante
J-20

Rodrigo M, como se isso fosse ensinado em algum lugar no Brasil a não ser especialização nas universidades.

Antoniokings
Visitante
Antoniokings

Sim. Enquanto os americanos ainda estavam plantando algodão, a China já era o maior império do mundo. Conhecida como o ‘Império do Meio’ teve durante a maior parte dos últimos dois mil anos as maiores economias e população do mundo. Só perdeu essa condição de maior potência nos momentos finais da Revolução Industrial com o estabelecimento do predomínio inglês, substituídos pelos americanos após a 1ª G.M.
Historicamente, a China sempre foi a mais poderosa e, portanto, está caminhando a passos pargos para restabelecer seu predomínio.

strana
Visitante
strana

Vc está errado. Muitas vezes era a Índia, não a China, o mais rico país do mundo . Inclusive quando os britânicos começaram a colonização e seus bárbaros crimes/atrocidades contra os indianos, no século 18, ela, Índia, era a maior economia mundial.

Antoniokings
Visitante
Antoniokings

Vc está confundindo as riquezas pessoais gigantescas dos dirigentes de então da Índia com a riqueza do País. Aliás, até hoje a Índia é assim. Uma massa gigantesta de algumas da pessoas mais pobres do mundo e dirigentes empresários riquíssimos.

Antoniokings
Visitante
Antoniokings

A China está indo às compras na Europa. Desde empresas de tecnologia e bens de consumo até softwares da área militar.
E isso tudo graças às políticas restritivas de investimentos chineses nos EUA praticada por Trump.
Sinal dos tempos.
America first!

Alessandro
Visitante
Alessandro

sem a tecnologia e o capital OCIDENTAL oq seria da China não é ? rsrs..

os chineses tem muito que agradecer ao ocidente, mas não é ao Trump, mas sim aos metacapitalistas americanos e europeus.

Ricardo Bigliazzi
Visitante
Ricardo Bigliazzi

E os milhares e milhares de cientistas chineses devem ter ficados desapontados.

Piada do dia, na hora que o “bicho pegar” o software vai “bugar”, mais ou menos como os ispecialisstas vermelhos falam sobre as restrições que os EUA impõe aos F-35 da Turquia.

Segue o jogo, só estou a espera da defesa dos ispecialistas vermelhos sobre essa compra de ocasião da China…

paulo cesar
Visitante
paulo cesar

e você acha que a china é idiota em comprar um software que não saiba o que contém cada linha de código? você acha que o mesmo não será exaustivamente auditado e seu funcionamento monitorado? você acha que ela não tem condições de fazer engenharia reversa, se quisesse? tolo é você, que confunde informática com ideologia política. a china tá comprando porque é o caminho mais rápido pra obter o software. se a empresa concordou com a venda é porque o valor negociado é irrecusável e a mesma não vai arriscar-se num negócio desse porte escondendo informações aos chineses. tolinho… Read more »

Rene Dos Reis
Visitante

Nunca imaginei que veria a queda de uma superpotência e a ascensão de outra ainda mais poderosa , e acho que nem os crânios la da terra do norte por essa esperavam.

Tadeu Mendes
Visitante

A China tem sido a maior potência mundial do arroz dos últimos três mil anos. Estabeleceu um grande comércio do ópio, e e superpotência na exportação de pandemias globais, começando pela peste bubônica na Idade Média, depois a gripe suína de 1918 (conhecida como gripe espanhola), seguida de recentes epidemias de grive aviária. No podemos esquecer os comunista chineses mataram entre 70 a 100 milhões de seus compatriotas. Também exportou sua revolução comunista para o Laos, Camboja e Vietnam. E continua exportando porcarias para o mundo todo, destruindo as economias ocidentais. A futura grande pandemia global do século XXI também… Read more »

Antoniokings
Visitante
Antoniokings

Não há importância, contanto que ela deixe os EUA sempre em segundo.
Está ficando muito bom.

Flanker
Visitante
Flanker

Essa sua abesão contra os EUA deve ter alguma explicação freudiana……vc foi abusado por algum norte-americano? Ou é só lavagem cerebral vermelha mesmo?

paulo cesar
Visitante
paulo cesar

5000 anos de história juntados incompreensivelmente numa salada interpretativa, para justificar o “perigo comunista”. obviamente sua miopia seletiva não vê que todas as potências mundiais também dominaram pela violência, que foi sofisticando-se ao longo das décadas até a nada sutil e pura chantagem econômica do séc 21. em tempos de fake news em whatsapp, K. Marx tornou-se desnecessário (quem tiver ouvidos para ouvir, que ouça). queira ou não, a china esta aí, jogando nas mesmas regras de mercado, legitimamente, e ganhando os setores estratégicos que são a base do país. o “perigo vermelho” está na sua cabeça retrógrada de “guerra… Read more »

Rinaldo Nery
Visitante
Rinaldo Nery

A ESG não fala de “perigo vermelho” há anos… Você anda desatualizado. Mas continua sendo a única escola do País que “pensa o Brasil”.

Fred
Visitante
Fred

Como esse comentário passa, mediação? Esse funil já foi mais seleto, sim?

Delfim
Visitante
Delfim

Os EUA sempre levando pernada de alguns aliados. Tá na hora do Trump cobrar fidelidade.

ADM. José Neto
Visitante
ADM. José Neto

Os Estados Unidos ainda serão a maior potência militar e tecnológica por mais 200 anos. E igual a Roma se impondo pela força, a pergunta hoje e a seguinte. Quantos minutos de guerra o mundo consegue combater os Estados Unidos. Só no mar são 14 porta aviões, cada um com 89 caças em média. O resto de discussão e apenas romantismo.

pau cesar
Visitante
pau cesar

o que vocês não entendem é a mentalidade chinesa. acham que ela tá presa no seu “mundinho comunista” da foice e do martelo, conspirando avidamente pra exportar as idéias do falecido K. Marx ao mundo. a china quer liderança mundial porque que tem os requisitos pra isso: importância geoestratégica, economia, riqueza, gente e vontade. aprenderam os fundamentos da economia de mercado, aplicaram-no no país, mandaram o marxismo pros livros de história e agora enfrentam a meca do capitalismo com as suas próprias regras. e tem político brasileiro achando que pode “enfrentar” o tigre por igual, tentando estirpá-lo do mercado brasileiro… Read more »