Home Aviação de Ataque FLSC – o simulador de combate aéreo da Força Aérea Sueca

FLSC – o simulador de combate aéreo da Força Aérea Sueca

4253
22
Os simuladores do Gripen no FLSC funcionam em rede, permitindo o treinamento em esquadrilhas
Os simuladores do Gripen no FLSC funcionam em rede, permitindo o treinamento em esquadrilhas

A Força Aérea Brasileira noticiou que militares brasileiros – tanto pilotos como controladores de defesa aérea – realizaram treinamento em um centro de simulação de ambiente tático na Suécia – o chamado FLSC (sigla em sueco para Flygvapnets Luftstrids Simulerings Centrum). Entre os dias 29 de outubro e 1º de novembro, vinte militares estiveram envolvidos na atividade, que consiste na utilização de simuladores do caça para desenvolver habilidades de gerenciamento da guerra em pilotos e controladores, dentro do cenário escolhido pelos brasileiros.

O FLSC é um dos simuladores de combate aéreo mais avançados e completos do mundo e detalhes de seu funcionamento são secretos. Mas o que pode ser conhecido dele, o Poder Aéreo traz em primeira mão a seguir, para o público brasileiro.

Centro de Simulação de Combate

Atualmente, existem quatro esquadrões de aviões de combate na Força Aérea Sueca . Esses esquadrões podem engajar alvos em terra, no mar e no ar, bem como realizar operações de coleta de informações. Para isso, eles usam exclusivamente o caça multi-missão Saab JAS 39 Gripen. Como parte de seu treinamento de combate aéreo, todos os esquadrões freqüentemente usam o Centro de Simulação de Combate da Força Aérea Sueca/Flygvapnets Luftstridssimuleringscentrum (FLSC) que está localizado na Agência de Pesquisa de Defesa Sueca/Totalförsvarets Forskningsinstitut.

O simulador de combate no FLSC é capaz de treinar com até oito aviões controladas por humanos e um número arbitrário de forças geradas por computador simultaneamente e é projetado principalmente para treinamento de combate BVR (Beyond Visual Range) com o JAS 39 Gripen. Os objetivos da instalação são apoiar as forças armadas com treinamento de técnicas de combate, exercícios e desenvolvimento de capacidade, pesquisa de treinamento, desenvolvimento de tecnologia de simulador e uma plataforma de simulação para estudos, bem como pesquisa e desenvolvimento.

Caça Saab JAS 39C Gripen com míssil BVR Meteor
O FLSC foi projetado principalmente para simular missões de combate aéreo além do alcance visual (BVR – Beyond Visual Range. Na foto, um caça Saab JAS 39C Gripen fazendo ensaios com o míssil BVR Meteor

Uma sessão de treinamento de simulação no FLSC é sempre seguida por um debrief chamado de After Action Review (AAR). Na AAR, o desempenho e as táticas dos pilotos de caça como um grupo são analisados ​​e avaliados. Isso ocorre em frente a um grande display onde a sessão de simulação gravada é reproduzida. A AAR é dirigida por um instrutor de treinamento e todos os pilotos participantes e controladores terrestres militares participam nas discussões.

Durante a AAR, é fundamental avaliar situações em que aeronaves amigas estão sob ameaça de aeronaves inimigas e a consciência dos pilotos sobre a aeronave inimiga nas situações. A área em que um inimigo é considerado uma ameaça forma várias regiões tridimensionais centradas em cada aeronave de combate amiga, chamada de alcance de ameaça. Um avião inimigo não deve ser deixado chegar muito perto de qualquer aeronave amiga e, portanto, tal ocorrência deve ser avaliada na AAR.

Um dos simuladores do JAS 39 com tela plana
Um dos simuladores do JAS 39 Gripen com tela plana

Como é feito o treinamento?

Uma unidade de treinamento da Força Aérea usa o FLSC por uma semana de cada vez e pode conduzir várias sessões de simulação a cada dia. Uma sessão é disputada entre dois grupos de pilotos de caça (geralmente quatro contra quatro) ou entre um máximo de oito pilotos e um número arbitrário de forças geradas por computador (CGFs). As CGFs também podem ser adicionados a cada grupo de pilotos de caça para criar cenários mais complexos com grupos maiores de aviões controlados por humanos e CGFs.
Uma sessão típica, com dois grupos lutando entre si, tem a seguinte progressão:

  1. Antes da sessão, um cenário de exercício é definido. Os pilotos então se dividem em dois grupos. Um grupo lutará como a força aérea amiga, referida como forças azuis, e o outro grupo lutará como uma força aérea inimiga, referida como forças vermelhas. Um piloto em cada grupo é designado líder do grupo e um piloto é nomeado instrutor de treinamento.
  2. Os dois grupos então se sentam em salas de reunião separadas e preparam um plano e uma tática para o cenário.
  3. Os pilotos tomam seus assentos nas cabines, os controladores terrestres militares se movem para as estações de comando e controle e a simulação começa. Os grupos então se combatem até que todos os membros de um grupo tenham sido abatidos ou
    os objetivos do cenário sejam cumpridos.
  4. Imediatamente após a simulação, todos os pilotos, controladores de solo e outros oficiais da unidade se deslocam para a área de múltiplas visualizações para participar de uma avaliação de seu desempenho chamada Revisão Após Ação (AAR – After Action Review). O instrutor de treinamento designado encabeça a AAR.
  5. Quando a AAR for iniciada, o instrutor de treinamento exige que cada líder de grupo explique suas táticas iniciais e planejamento do cenário.
  6. Depois disso, eles começam a executar uma reprodução gravada da simulação na maior tela da área de múltiplas visualizações. Quando a reprodução está em andamento, qualquer um está livre para iniciar uma discussão ou interrupção para perguntar sobre uma situação na reprodução. O instrutor de treinamento tem o papel de facilitador nessas discussões, mesmo que elas não sejam iniciadas por ele. Um membro da equipe do FLSC controla a reprodução da simulação a partir da estação de controle de simulação. Sempre que a reprodução precisar ser reiniciada, avançada rapidamente ou pausada, o instrutor de treinamento exige que o membro da equipe faça isso. A reprodução gravada funciona como base para feedback, discussão e revisão.
God's Eye View
God’s Eye View

A visão do olho de Deus

A tela maior, localizada no centro, da área de múltiplas visualizações é chamada de visão de Deus (no centro da imagem acima). Na visão de Deus, a área do campo de batalha é apresentada em uma visão geral tridimensional. A imagem pode ser ampliada ou inclinada em qualquer perspectiva e a reprodução pode ser pausada, reiniciada e avançada rapidamente. Além de uma visão geral da simulação, a visão de Deus também apresenta informações em texto e como visualizações. A informação que é apresentada no texto é altitude, combustível, velocidade e mísseis disponíveis para disparar. Esta informação é mostrada no canto superior esquerdo da visão de Deus. Existem várias visualizações de dados disponíveis, por ex. envelopes de mísseis, mas as unidades da Força Aérea raramente os usam na AAR devido à sua pouca utilidade.

Uma das visualizações usadas com freqüência mostra se algum avião das forças azuis fez um travamento de radar (radar lock-on) em uma determinada aeronave das forças vermelhas. Isso é apresentado como um ponto amarelo ao lado da aeronave das forças vermelhas nas quais uma ou mais forças azuis travaram o radar. Uma função chamada “track origin” adiciona uma visualização que lista todas os aviões das forças azuis que travaram o radar em aviões na força vermelha. Esta lista é apresentada como texto ao lado do ponto amarelo.

Outras visualizações, como a de envelopes de mísseis, também podem ser mostradas. Há também uma visualização que mostra o trajeto de voo anterior de qualquer aeronave.

Um modelo do layout de tela na área de múltiplas visualizações no FLSC. A visão do olho de Deus está no centro e as vistas do cockpit de cada lado
Um modelo do layout de tela na área de múltiplas visualizações no FLSC. A visão do olho de Deus está no centro e as vistas do cockpit de cada lado

Alcance de Ameaça

O alcance de ameaça relaciona-se tanto com o que pode ser chamado de Launch Acceptability Region (LAR) centrada no alvo, quanto com um tipo de notificação referida como “threat calls” ou chamada de ameaça. A LAR do alvo (veja a imagem abaixo) é a região que circunda uma aeronave alvo na qual ela está no alcance de tiro. Ou seja, se a aeronave estiver dentro da LAR, ela pode atingir o alvo. Em essência, a região é calculada através de seis valores: a velocidade, a direção e a altitude da aeronave e da aeronave alvo. O alcance de ameaça é o oposto disso, mas é definido pelos mesmos valores. É a região em torno da aeronave em que ela pode ser atingida por um adversário.

Chamadas de ameaça ou “threat calls” é um termo usado durante o voo na comunicação entre comando e controle e os pilotos. Antes do voo, os pilotos podem solicitar ao comando e o controle para fazer uma chamada de ameaça, ou seja, notificar o piloto se um adversário estiver a uma distância ameaçadora de sua aeronave. Esta distância é acordada ou unicamente escolhida pelo piloto e geralmente é maior na frente da aeronave e menor atrás. Por exemplo. um piloto pode pedir “threat calls” para adversários que estejam a 15 milhas náuticas à frente ou 10 milhas náuticas atrás da aeronave.

O alcance de ameaça se refere a “threat calls”, no sentido de que também é necessário ser de tamanho personalizável e ainda pertencer à forma complexa da LAR centrada no alvo.

A razão pela qual é necessário que o valor do alcance da seja personalizável é porque os pilotos são frequentemente obrigados a correr riscos e se colocar dentro do alcance de um adversário por diferentes razões táticas e dependendo da complexidade do cenário.

Em casos como estes, o piloto já está ciente da ameaça e não requer uma “threat calls” durante o voo ou uma notificação durante a AAR. Portanto o alcance da ameaça ou uma “threat calls” é considerado mais como um limite de risco que os pilotos estão dispostos ou autorizados a tomar durante um cenário. Assim, se um piloto ultrapassar o limiar uma notificação é necessária.

A forma mais simples de uma LAR centrada no alvo com a aeronave alvo azul no centro e os adversários vermelhos apontando para ela
A batalha aérea é apresentada na grande tela e um briefing é realizado após o exercício
A batalha aérea é apresentada nas telas gigantes para o briefing pós-exercício
Debriefing no FLSC
Debriefing no FLSC após a missão de treinamento. O instrutor está apontando para a visão de Deus do cenário
Modelo do simulador de combate aéreo no FLSC. A área marcada com 1 são as cabines com telas esféricas, a área 2 são estações de comando e controle, a área 3 é a área com múltiplas visualizações, a área 4 são as cabines com três telas planas e a área 5 são as salas de reunião
Modelo do simulador de combate aéreo no FLSC. A área marcada com 1 são as cabines com telas esféricas, a área 2 são estações de comando e controle, a área 3 é a área com múltiplas visualizações, a área 4 são as cabines com três telas planas e a área 5 são as salas de reunião

22
Deixe um comentário

avatar
13 Comment threads
9 Thread replies
0 Followers
 
Most reacted comment
Hottest comment thread
16 Comment authors
Henrique de FreitasRenato B.Leonardo AraújoTallguieseKlesson Nascimento Recent comment authors
  Subscribe  
newest oldest most voted
Notify of
BMIKE
Visitante
BMIKE

Ótimo texto, PA meus parabéns!

bruno sanches biz
Visitante

esse simulador faz parte do acordo da compra dos caças ?

Thiago Minach
Visitante
Thiago Minach

Será que existe interesse da FAB em adquirir e implantar algo parecido aqui no Brasil junto com a implantação do Gripen E?
Abraço!

ALEXANDRE
Visitante

Poxa que legal,espero que compremos um.
Seria bom para treinar os pilotos que usarão os 36 gripens e ja preparar a proxima turma

Delfim
Visitante
Delfim

Será que os suecos venderiam ? Há muita informação e tecnologia ali que deve ser classificada.

Marcos10
Visitante
Marcos10

Esse simulador, fixo, faz muita diferença em relação a um simulador móvel que são usados na aviação comercial?

Rinaldo Nery
Visitante
Rinaldo Nery

Esse é um simulador de combate BVR. Não é um full flight simulator classe D, para formação básica. Este foi adquirido no pacote. O FLSC tem por objetivo principal o gerenciamento de sistemas de combate e treinamento de táticas. O movimento, nesse caso, não é importante.

Klesson Nascimento
Visitante
Klesson Nascimento

Comandante, a FAB tem algo semelhante em simulação de combate BVR? Acredito que o Senhor falou sobre gerenciamento de sistemas de combate e treinamento de táticas esteja dentro da doutrina BVR.

Rinaldo Nery
Visitante
Rinaldo Nery

Não, não possui.

Klesson Nascimento
Visitante
Klesson Nascimento

Obrigado

Defensor da liberdade
Visitante
Defensor da liberdade

Caraca esse brinquedo deve custar 1 bilhão. Mas seria interessante adotar ele na FAB, economizaria alguma coisa em combustível e desgaste das aeronaves.

sergio ribamar ferreira
Visitante

Concordo com os comentaristas. Matéria excelente.

Tallguiese
Visitante
Tallguiese

O comandante disse que ele veio no pacote pessoal!

Tallguiese
Visitante
Tallguiese

Ho Alexandre que pena! Fiz confusão. Desculpe ai.

Leonardo Araújo
Visitante
Leonardo Araújo

Por que a Flightnetvap adotou o WAD no painel da cabine esférica?
Será uma possível migração para esta doutrina no futuro próximo.

Henrique de Freitas
Visitante
Henrique de Freitas

Gostaria de saber onde será instalado nosso simulador fisicamente ? Obrigado,

Rinaldo Nery
Visitante
Rinaldo Nery

Ala 2, em Anápolis.