domingo, maio 22, 2022

Gripen para o Brasil

Embraer e FAB comemoram 50 anos do primeiro voo do Bandeirante

Destaques

Alexandre Galante
Jornalista, designer, fotógrafo e piloto virtual - alexgalante@fordefesa.com.br

Primeiro voo do Bandeirante

São José dos Campos, 26 de outubro de 2018 – A Embraer e a Força Aérea Brasileira (FAB) realizaram hoje uma cerimônia para celebrar os 50 anos do primeiro voo do Bandeirante, avião bimotor que representa um marco na história da indústria aeronáutica nacional e que levou à criação da Embraer em 1969 para a produção em série e comercialização do produto.

O evento recriou a solenidade oficial de 26 de outubro de 1968, quando centenas de convidados testemunharam o voo da aeronave que partiu da pista — na época não pavimentada — de São José dos Campos, interior de São Paulo. A celebração contou com a presença do Ministro da Defesa, Joaquim Silva e Luna, do Comandante da Aeronáutica, Tenente-Brigadeiro Nivaldo Luiz Rossato, do primeiro diretor superintendente da Embraer, engenheiro Ozires Silva, e da atual diretoria e funcionários da Companhia.

“O Bandeirante representou muito mais do que uma aeronave, mas um novo ciclo de transformação da indústria brasileira. Ele representa um Brasil que é aguerrido, capaz de unir competência, talento e inovação”, disse Paulo Cesar de Souza e Silva, CEO e diretor-presidente da Embraer. “Esta data comemorativa nos oferece uma oportunidade para agradecer e celebrar os pioneiros da Embraer e da indústria aeronáutica brasileira, os nossos próprios bandeirantes, que desbravaram as fronteiras da tecnologia aeronáutica. A Embraer é hoje uma empresa que compete em igualdade de condições tecnológicas com as maiores do mundo porque há 50 anos um grupo de engenheiros, projetistas e pilotos ousou trazer à vida uma aeronave que se tornou uma lenda.”

“Os 50 anos do Bandeirante devem ser comemorados sob diversos pontos de vista. Inicialmente como uma continuidade da genialidade e inventividade do brasileiro no campo da aviação. Ademais, o primeiro voo do Bandeirante representa também o início da inserção do Brasil em um contexto de destaque na indústria aeronáutica mundial, por meio da criação da Embraer e do estabelecimento de sucessivas parcerias de sucesso em diversos projetos, os quais após 50 anos projetaram a empresa a um patamar de reconhecimento e excelência incontestável em nível mundial”, disse o Comandante da Aeronáutica, Tenente-Brigadeiro Nivaldo Luiz Rossato.

O primeiro protótipo do Bandeirante, então denominado de IPD-6504, realizou o voo de teste inaugural em 22 de outubro de 1968, com a presença da equipe técnica do projeto. O avião, pintado nas cores da FAB, deixou o hangar do X10, do Centro Técnico Aeroespacial (CTA), para decolar às 7h07 e retornou para pouso 50 minutos depois sob o comando do major-aviador José Mariotto Ferreira e do engenheiro de voo Michel Cury. Mas foi somente quatro dias depois que o avião foi apresentado oficialmente a autoridades e jornalistas, e o voo novamente realizado.

Digno de seu nome, o avião Bandeirante liderou o desenvolvimento da aviação regional global e impulsionou a indústria aeronáutica brasileira, com o início de uma história de sucesso que permitiu transformar ciência e tecnologia em engenharia e capacidade industrial, hoje reconhecidas em todos os continentes nos quais voam os aviões fabricados pela Embraer.

Para a construção do primeiro protótipo, decorreram três anos e quatro meses, entre os primeiros estudos preliminares e o voo inaugural. Para isso, foram gastos 110 mil horas de projeto, tendo sido executados 12.000 desenhos de fabricação, 22.000 horas de cálculo estrutural e aerodinâmico e 282.000 horas de fabricação do avião e do seu ferramental.

Ao longo de mais de duas décadas, a Embraer produziu e entregou 498 aviões Bandeirante em diversas configurações civis e militares. Atualmente, cerca de 150 aeronaves estão em operação em linhas aéreas, táxi-aéreos, entidades governamentais e Forças Aéreas nas Américas, Ásia, Africa, Europa e Oriente Médio.

 

Sobre a Embraer

Empresa global com sede no Brasil, a Embraer atua nos segmentos de Aviação Comercial, Aviação Executiva, Defesa & Segurança e Aviação Agrícola. A empresa projeta, desenvolve, fabrica e comercializa aeronaves e sistemas, além de fornecer suporte e serviços de pós-venda.

Desde que foi fundada, em 1969, a Embraer já entregou mais de 8 mil aeronaves. Em média, a cada 10 segundos uma aeronave fabricada pela Embraer decola de algum lugar do mundo, transportando anualmente mais de 145 milhões de passageiros.

A Embraer é líder na fabricação de jatos comerciais de até 150 assentos e a principal exportadora de bens de alto valor agregado do Brasil. A empresa mantém unidades industriais, escritórios, centros de serviço e de distribuição de peças, entre outras atividades, nas Américas, África, Ásia e Europa.

DIVULGAÇÃO: Embraer

- Advertisement -

43 Comments

Subscribe
Notify of
guest
43 Comentários
oldest
newest most voted
Inline Feedbacks
View all comments
fernandoEMB

Estava na cerimônia… Foi muito bacana. Um Bandeirante recebeu as mesmas cores do protótipo e foi feita uma encenação do primeiro voo… Seguido de um show aéreo com o Bandeirante, esquadrilha da fumaça, E190, legacy 650, o novo Praetor… E outros.
O discurso do Ozires foi muito emocionante e muita gente derramou lágrimas.
Esteve presente o Min da Defesa… E outras autoridades.
Depois teve batismo da aeronave e a mesma ficou disponível para os funcionários tirarem fotos, selfies, etc…

Rui Chapéu

Na foto da linha de montagem o segundo a direita é algum Bandeirulha?

Aquele bico diferente é o radar?

Rui Chapéu

Agora que vi os tanques nas asas!

BILL27

https://www.facebook.com/Embraer/videos/304244633742558/

Para quem não viu ao vivo ,aqui tem a cerimonia completa,foi muito bonita

FernandoEMB

Aeronave que marcou a história… Sucesso mundial e razão da criação da Embraer.

Tallguiese

E o sucessor dele. Qual vai ser?

Cláudio Severino da Silva

Creio que o sucessor foi o Brasília. O próximo, já de outra classe será o KC-390, transporte tático.

Paulo Silva

Roberto,

Já voei no tempo que meu pai era da FAB!! É um excelente avião!

Paulo

Marcelo

pois é, o Bandeirante é tão ruim que a FAB o opera até hoje e no lugar de adquirir um substituto, resolveu modernizá-lo. Deve ser ruim mesmo…

Paulo Silva

Concordo

Alfredo RCS

OFF TOPIC

Avibras – Nova familia de MISSEIS DE CRUZEIRO brasileira:

https://www.reddit.com/r/worldroleplay/comments/6tc1sj/news_brazilian_cruise_missile_developments/

AMC-500, lançada por aviao
AVTM-500, lançada por terra
NMC-750, versao naval

INCRIVEL!!!

Nilo Antonio Rodarte

498 unidades! Nada mal. Um número respeitável para qualquer aeronave, mesmo nos dias atuais.

Delfim

Off
Boletim Informativo da PCERJ de 25/10 informa sobre aquisição de dois helis Avibrás H125 Esquilo.

Delfim

Digo, Helibrás.

André luis

Voei no p-95b é uma aeronave muito elegante e versátil.

Pafuncio

Gostaria de saber sobre o futuro do Bandeirulha? Será modernizado?

fernandoEMB

Acabou de ser modernizado.

ciceropavei

O Brasil não é tão bom assim em tecnologia. Deveria ter avançado mais ao longo do tempo

Marcos10

Temos pessoas e capacidade para fazer qualquer coisa. O que pesa é a hostilidade contra nossas empresas.

Samuel Toledo

Muito me entristece não poder ter levado meu avô, que na época trabalhou na linha de montagem do Bandeirante, e viu o primeiro deles voar, com os hangares ainda sem teto, pra essa cerimônia. Mas também, poucos sabiam que ela ocorreria dentro do DCTA.

Marcelo

Excelente comentário. Continue assim!

OMAR GONCALVES AGUIAR

MUito bem Roberto, tenho a mesma posição. Comentários assim são perfeitamente dispensáveis??! Valeu!!!

Marcelo

obrigado! continuarei e bem !
PS.: mesquinho é quem desdenha do avião que levou a indústria aeronáutica brasileira a um outro patamar. Quanto à sobrevivência de alguns nesse site não entendi nada. Mas creio que você seja um supra sumo da inteligência por ter achado tanto significado no meu comentário de 4 palavras. Por isso, reitero: continue assim, assim você vai longe! Abraços.

FABIO MAX MARSCHNER MAYER

Esforço recompensado de centenas de brasileiros valorosos e visionários, como o Coronel Osires Silva e o Brigadeiro Montenegro.

O Brasil agradece a coragem deles em encarar o que parecia impossível!

Rommelqe

Voei bastante no Bandeirante! Do meu ponto de vista foram voos excelentes no que tange à aeronave em si! É inquestionavel sua importancia para o Brasil!

Roberto

Levou e leva esperança, vida e alegria aos rincões do Brasil.
Saltar, aprender a arte e ver a su importância, não tem preço. Orgulho de todos os que trabalharam, voaram ou fazem sua manutenção. Brasil com memória e com visão para o futuro.

Jmgboston

Sei que a conparação é desigual por serem aeronaves completamente diferentes em tamanho e propósito mas o tio sam em 1969 estava aposentando mais por motívos políticos pois so construiram 2 protótipos o Xb 70 Valkyrie. Um acidentou porque um caça acertou seus 2 estabilizadores verticais e foi esse a motivação do cancelamento do projeto e o outro esta no museu da Força aérea em Ohio. Fiz essa comparação mais pela coincidência do ano 1969.

Walfrido Strobel

Não pode se deixar de dar crédito ao seu projetista, o francês Max Holste.
. https://en.m.wikipedia.org/wiki/Max_Holste

Dr.Telêmaco

Contagem regressiva para o comentarista “incansável navio de sua majestade” vir aqui lhe confrontar para dizer que isso não pode ser verdade pois franceses só projetam porcarias caras, ineficientes e rainhas de hangar kkkkk

Marcelo

Sim, é verdade, foi projetista dos protótipos. Depois foi embora e o avião foi reprojetado para a produção em série. Aliás uma pessoa só não projeta um avião inteiro, essas pessoas lideram e orientam.

Delfim

Eu sempre achei o projeto original muito… francês. Clássico até demais. Como o Citroen 2cv.
Como dizem os ingleses, existem 3 maneiras de se fazer as coisas : a certa, a errada e a francesa.

Delfim

Se quer algo bem feito, pague. De graça não espere muito.

Delfim

Gostando ou não, em um país onde o empreendimento privado é visto como exploração, acaba sobrando para o Estado.
Aí o Estado se mete a empreendedor, deixando de cumprir seu papel social. Aí vira cabide deficitário de emprego.
Quando se resolve privatizar, é um Deus-me-acuda.

Paulo Silva

Caro Roberto,
Como falei no outro post, meu pai foi da FAB e pilotava o DC 3!Cancei de viajar neste avião guerreiro da segunda grande guerra!Era barulhento pra caramba, mas era o que tinha na época!!Inclusive tive um acidente em Brasília, quando o DC 3 pousou com uma roda só!Mas mesmo assim, aceitava viajar nele!!

Paulo

fernandoEMB

Interessante… Uma empresa recém criada, sem experiência, estatal… Não se limitou a trabalhar no comodismo de se pendurar em encomendas estatais… Recebeu o projeto de uma aeronave que não teria a menor chance no mercado… Projetada com auxílio e de acordo com a visão do francês Max Holste, e a reprojetou, tornando-a maior, mais moderna e com melhor desempenho. Com apoio do governo conseguiu encomendas do mercado civil e governamental. Mas ainda assim não poderia parar… A demanda não a manteria no curto prazo… Olhou e escutou o mercado externo. Mais uma vez a aeronave foi redesenhada, cresceu novamente, ganhou… Read more »

fernandoEMB

O Bandeirante pavimentou o caminho para o Brasília no sentido de abrir o mercado mundial para as aeronaves Embraer. Foi o Bandeirante que levou a marca Embraer para os quatro cantos do mundo. Tanto é que alguns operadores do Bandeirante depois se tornariam também operadores do Brasília. A visão inicial de uma família de aeronaves, a família 12X logo foi desfeita e acabou se desenvolvendo aeronaves completamente diferentes, com pouco de comum entre elas. Ou seja nunca foram uma “família”. E sim… O francês não foi o projetista do bandeirante, mas um consultor, um orientador. Mas o Bandeirante não nasceu… Read more »

Walfrido Strobel

Em relação a Embraer deixar de fabricar o EMB-110 eese concentrar no EMB-120, isso foi uma tendencia mundial. O mundo todo fabricava suas aeronaves Commuter de 19 passageiros e de uma hora para outra migraram para as aeronaves de 30 passageiros. Eram fabricados o Twin Otter, Farchild, Jetstream 31, Donier 228, Nord 262, EMB-110 e outros e as vendas sumiram, todos deixaram de ser fabricados, depois somente o Twin Otter e o Dornier 228 voltaram a produção limitada. Tomaram lugar os EMB-120, Short 330/360 ,Jetstream 41, SAAB 340 que depois foram desbancados pelos ERJ e CRJ entrando na fase do… Read more »

Walfrido Strobel

Uma correção, eu coloquei o Nord 262 na faixa do EMB-110, mas na verdade foi o Nord 260, protótipo criado por Max Holste para 17 passageiros.
Nord 260 ou Max Holste MH.250 Super Broussard:comment image

Walfrido Strobel

A versão final que entrou em produção Nord 262 levava 29 passageiros.
.comment image

FernandoEMB

Fred… muito bom. Mas também acho que alguns pontos devem ser melhor explicados e esclarecidos. Como por exemplo o fato da primeira exportação do Bandeirante ter ocorrido para o Uruguai (Força Aérea) e a segunda para o Chile (Marinha). (em 1975 e 1976). A venda para a Air Littoral foi emblemática por se tratar de uma venda a uma empresa do velho continente. Mas entende que talvez estivesse pensando na primeira exportação para uso comercial. Não disse que a família 12X foi “logo descartada”… mas que os conceitos evoluíram e o conceito de “família” de aeronave deu lugar a aeronaves… Read more »

sergio ribamar ferreira

Excelentes comentários. Como se aprende sobre evolução de uma empresa. Parabéns a todos. A Embraer fez sucesso no passado para um propósito e continuará fazendo sucesso no presente e futuro. parabéns a FAB, fundadores-projetistas, técnicos e engenheiros do passado, presente e futuro. Embraer sempre. sim, começou estatal, foi privatizada e (minha opinião) continua fazendo sucesso.

Baschera

Mas as coisas não vão bem, atualmente, para a EMB.
Vejam o prejú que o “zero uno” do KC-390 provocou…além do fato que as outras divisões também estão “roendo a corda”.

https://economia.uol.com.br/noticias/reuters/2018/10/30/embraer-registra-prejuizo-de-r84-mi-no-3-tri.htm

Sds.

Últimas Notícias

Operação Rimon 20: Caçadores israelenses versus caçadores soviéticos

Sérgio Santana O fim da Guerra dos Seis Dias de 1967 deixou as forças israelenses no lado leste do Canal...
- Advertisement -
- Advertisement -