sexta-feira, setembro 30, 2022

Gripen para o Brasil

AVIC anuncia produção seriada do helicóptero de ataque leve Z-19E

Destaques

Alexandre Galante
Alexandre Galante
Jornalista, designer, fotógrafo e piloto virtual - alexgalante@fordefesa.com.br
AVIC Z-19E
AVIC/Harbin Z-19E

Em 13 de outubro de 2018, a Aviation Industry Corporation da China (AVIC) informou que seu helicóptero de ataque leve Z-19E deve iniciar a produção em série.

O Z-19E orientado para exportação passou em todas as verificações em um programa de teste abrangente com sucesso e o modelo agora é capaz de entrar na fase de produção. O Z-19E fez seu primeiro voo em 18 de maio de 2017.

Seu tamanho comparativamente pequeno, boa manobrabilidade e bom desempenho em múltiplas missões dão ao helicóptero Z-19E uma ampla perspectiva de mercado. Embora a produção possa começar, ainda não há clientes garantidos conhecidos.

O Z-19 é uma versão atualizada modificada do Harbin Z-9W (similar ao desenvolvimento do Bell AH-1 Cobra a partir do UH-1). É um helicóptero com dois assentos em tandem  que usa componentes mecânicos derivados da série Eurocopter AS365 Dauphin, uma vez que a série Z-9 é uma versão licenciada do Dauphin.

FONTE: Scramble

- Advertisement -

36 Comments

Subscribe
Notify of
guest

36 Comentários
oldest
newest most voted
Inline Feedbacks
View all comments
Antunes 1980

Eu li que ele não é capaz de incorporar equipamentos/ armamentos ocidentais. Para nosso caso, do que adianta ter que adquirir estes vetores se equipamentos ocidentais e russos não podem ser integrados. Se for assim é melhor operar versões básicas de helicópteros Bell ou Eurocopter e adaptar duas metralhadoras .50 e alguns lança foguetes. Ficaria bem mais em conta.

TJLopes

É esse que tem uma blindagem mágica de Grafeno?

Ricardo da Silva

Grafeno é no Z-10

Rui chapéu

Apaching!

Brincadeiras a parte, eu não duvido nada da qualidade desse material chinês.
Eu até gostaria de ver a FAB com o JF-17, se fosse menos da metade do preço de um gripen e com uma qualidade decente.

BrunoFN

Qualquer semelhança com o Kawasaki OH-1 japona .. e mera coincidência….

Antoniokings

Sim. Principalmente as rodas e as hélices.

Bosco

Antônio, Só de curiosidade, helicóptero tem rotor, que pode se principal ou de cauda. Esse, especificamente, não tem um rotor de cauda convencional mas sim um “fan” carenado na cauda (duct fan) , como sistema anti-torque. A forma de uma pá de rotor é diferente da forma de uma pá de hélice, daí rotor e hélices serem diferentes. O “fan” de cauda difere do rotor convencional porque, além de ser envolto por uma carenagem, tem maior quantidade de pás, sendo muito mais curtas e que giram muito mais rápidas que as de um rotor convencional. Há vantagens e desvantagens relativas… Read more »

Ricardo da Silva

Fico imaginando um programa de colaboração entre as FFAA, Helibrás e AVIC desenvolvendo uma versão “ocidentalizada” produzida por aqui e sendo vendida para países da África e América Latina. ‘sonho meu, sonho meu’

Tiger 777

Senhores, com o advento das mísseis portáteis, como estes helicópteros podem operar de forma mais segura??? Durante a guerra da Sérvia, em 1999, devido a ser um terreno montanhoso, o uso de helis foi bastante limitado, não é??
Aí vem a dúvida, os helis voam mais baixo, acompanhando o terreno é mais seguro???
Grato pela atenção.

Bosco

Tiger,
É isso mesmo! A forma segura de se utilizar um helicóptero é a furtiva, o que implica em voar baixo e usar os acidentes do terreno a seu favor.
A discrição de um helicóptero de reconhecimento e ataque tem a ver com a posição dos sensores. Há 4 posições: acima do rotor, acima da cabine, no bico ou no ventre.
A posição mais vantajosa relativa à furtividade é acima do rotor, já que o helicóptero pode ficar escondido mas prescrutando a área a frente.
*Esse helicóptero não tem uma posição de sensores que otimize a furtividade.

Tiger 777

Grato mestre Bosco.

Bosco

Só pra ilustrar:
1)comment image
2)comment image
3)comment image
4)comment image

Ricardo da Silva

Alexandre Galante 19 de outubro de 2018 at 14:56,
Já que não fizemos o que eles fizeram, qua tal dar continuidade do “nosso” jeito ?
Bosco 20 de outubro de 2018 at 23:16
Seguindo a mesma linha de raciocínio acima, poderíamos ocidentalizar e continuar evoluindo aeronave.

Senhores acredito que o que os chineses fizeram era o mais difícil, melhorar alguns pontos seria, comparativamente, mais fácil

Ivanmc

Bacana esse Heli.

Foxtrot

Ricardo da Silva 19 de outubro de 2018 at 14:39
Fico imaginando um programa de colaboração entre as FFAA, Helibrás e AVIC desenvolvendo uma versão “ocidentalizada” produzida por aqui e sendo vendida para países da África e América Latina. ‘sonho meu, sonho meu’

Até parece que Brasil mais seus eternos senhores feudais irão cooperar com a China (Helibras é quase toda da Eurocopter ou seja, apenas uma montadora e mantenedora local da mesma).
Parabéns aos Chineses que vem tirando o sono de muita gente, principalmente seus antigos algozes.

JORGE ALBERTO BATISTA PEPE

Fred.. O que ele quis dizer eh que: Nos tb tínhamos licença de producao e nao evoluimos…. Os chineses sim!

Ate os sul africanos desenvolveram um Heli de combate em cima dos Pumas que eles tinham!

A Embraer, sempre procurou atender a FAB e nichos de mercado, Pos privatizacao se tornou essa liderança que eh!

E a Helibras? O que fez? Faltou um Maurício Botelho em sua Adm???

Sera que agora com a “transferencia” de tecnologia, ela produzira algo?

Marcelo

Concordo em parte com voce Jorge. A “pequena” diferenca que existe entre a Helibras e a Embraer eh que a Helibras pertence (maioria das acoes) a Airbus, uma empresa estrangeira com seus interesses proprios, e a Embraer eh brasileira (ainda).

jorge Alberto

Fred.. O que ele quis dizer eh que: Nos tb tínhamos licença de producao e nao evoluimos…. Os chineses sim!

Ate os sul africanos desenvolveram um Heli de combate em cima dos Pumas que eles tinham!

A Embraer, sempre procurou atender a FAB e nichos de mercado, Pos privatizacao se tornou essa liderança que eh!

E a Helibras? O que fez? Faltou um Maurício Botelho em sua Adm???

Sera que agora com a “transferencia” de tecnologia, ela produzira algo?

Groo_SP

Podiam ter colocado um canhão em uma torre.

Bardini

Mas isso aí é mais voltado para reconhecimento e ataque leve. O WZ-10, mais pesado e capaz é o que você imagina:
https://1.bp.blogspot.com/-WlfLNzodXYM/UjseXUj3UFI/AAAAAAAAGjs/_JSyHA84qjI/s1600/WZ-10+Attack+Helicopter-01.jpg

Tomcat4.0

Bardini , eu particularmente, sonho em ver um helicóptero similar desenvolvido aqui no Brasil, assim como um caça , totalmente nacional e idem um MBT.

Foxtrot

Fred 20 de outubro de 2018 at 9:20 “Apenas”. É necessário um tremendo conhecimento técnico para exercer as atividades que a Helibras desempenha. Não se trata de plastimodelismo. Procure conhecer essas atividades. Estou certo que ficará muito satisfeito. Abraço. Não sei se foi para mim, mas não adianta ter capacidade técnica para montar equipamentos localmente. Adianta ter capacidade técnica, liberdade de criação e capacidade de criação, coisa que a Helibras não tem. Me diga durante esses mais de 50 anos da empresa no Brasil, qual helicóptero ou mesmo projeto nacional a empresa criou??? Mesmo a Embraer sendo privada e com… Read more »

jorge Alberto

Como dizia “aquele carinha” que fazia computadores: “As pessoas não sabem o que querem, até mostrarmos a elas” – Steve Jobs “Se nao existiu projeto é porque nao tinha demanda” – Ainda bem que trabalhas na Helibras e nao na Apple… Mas voltando ao assunto, a Embraer sempre procurou “caminhos”… O ALX foi uma solicitacao da FAB? Ou fruto da frase “profetica” de Jobs? Os Tucanos e AMXs, foram uma “solicitacao” da FAB e que a Embraer procurou de alguma forma atender e conseguiu. Apos tantos anos, podemos ver projetos de um caça e que nao foram adiante. Mas e… Read more »

Defensor da liberdade

Esse negócio deve ser muito barato, dava para utilizar para patrulhar nossas fronteiras, colocando duas .50 e a eletrônica made in ocidente, se o bicho fedesse entrava os Sabres e os super tucanos.

Bardini

Deus do céu… Pq precisamos torrar um grana preta em um helicóptero de ataque para fazer patrulha de fronteira?
.
Quantas vezes o poder de fogo dos Sabres foi empregado na fronteira, tirando nenhuma?
.
Com a grana dos Sabres, que foram comprados com essa desculpa de “combater o narcotráfico”, quantos helicópteros utilitários nós poderíamos ter a disposição da FAB?

Agnelo

Bardini

Este foi o deserto q deu pra ser providenciado para este camelo entubado pelo Celso Amorim…

jorge Alberto

Tem certeza Bardini?

Pq ate vir a publico, ninguem sabia da “missao do rio traira”… E tantas outras que ocorreram e ocorrem que “nao sabemos”…

Sabes que ha lugares de fronteira que os pilotos da FAB trabalham sem insignias e q vao e voltam dos hangares com capacetes e as viseira abaixadas ne?

Podes ter certeza, que os “Sabres” nao ficam estacionados nos hangaretes ou “passeando” em desfiles… muita municao ja foi utilizada…

Paulo Prado

Esquilos armados e pronto.. vigilancia. retaguarda tucanos e os sabres. Assim penso.

Para que canhoes?… nossos amigos vivem falando de contra insurgencia… nao tem coragem de enfrentar inimigos externos armados?estamos querendo um ataque interno? Paranoia.

Bardini

Aliás, como na China nada se inventa, tudo se copia… O WZ-10 tem uma grande “inspiração” no Rooivalk, da África do Sul.
comment image

Foxtrot

O melhor mesmo seria adquirir uns Abrams né Bardini? Usando de suas palavras “Deus do céu, quantas vezes o CFN utilizou seus SK-105 em combates reais? Estou usando esse parâmetro de comparação, para mostrar que não precisamos de armamentos para ontem. Cabendo as FAAs se munirem de pequenas quantidades e esperar um desenvolvimento local ou nacionalização (caso nosso equipamento não atenda a contento as necessidades das mesmas). Uma boa opção está sendo tomada pelo EB, armando seus Esquilos com mísseis Spike (se não me engano). Solução simples, lógica e prática. Quem sabe até ter a versão solo/ar do MSS 1.2.… Read more »

Ronaldo de souza gonçalves

O Brasil deve comprar o supercobra depois comprar os zíper novos é está formado os helicópteros de ataque do Brasil,é pena que o EUA não nos tranfira tecnologia pois os zíper poderia ser fabricado aqui sob licença.

Cláudio Severino da Silva

Estranho é que os EUA ofereceram o supercobra ziper ao Paquistão (depois desistiram da oferta) e para o Brasil estão oferecendo somente a versão W+plus. Porque não oferecem a versão estado da arte, a Z? Será que não é para desequilibrar o cenário militar da América do Sul? Apesar de terem oferecido o Lockheed Martin F-16 ao Chile…
Abraço.

Mikhail Bakunin

Será por que o Brasil está falido e talvez só possa adquirir equipamentos por valores “simbólicos”?

Cláudio Severino da Silva

Correção: o Lockheed Martin F-16 “Viper” o Chile já tem! A Lockheed está oferecendo ao Chile o F-35.
http://forum.contatoradar.com.br/index.php/topic/125323-o-f-35-esta-totalmente-disponivel-para-o-chile-diz-lockheed-martin/

Cláudio Severino da Silva

Correção: o Lockheed Martin F-16 “Viper” o Chile já tem! A Lockheed está oferecendo ao Chile o F-35.
http://forum.contatoradar.com.br/index.php/topic/125323-o-f-35-esta-totalmente-disponivel-para-o-chile-diz-lockheed-martin/

Abraço.

Últimas Notícias

Força Aérea Brasileira inaugura nova estação radar de vigilância aérea em Rondônia

Estação será usada pelo Sistema de Controle do Espaço Aéreo (CISCEA) para auxiliar na proteção de fronteiras do Brasil A...
Parceiro

LAAD 2023

- Advertisement -
- Advertisement -