Home Aviação de Ataque Maioria dos caças F-35 retorna às operações de voo após inspeção no...

Maioria dos caças F-35 retorna às operações de voo após inspeção no tubo de combustível

2437
2
Lockheed Martin F-35B Lightning II
Lockheed Martin F-35B Lightning II

WASHINGTON – Depois que um problema no tubo de combustível “groundeou” (proibir o voo das aeronaves) todos os aviões F-35 na semana passada, mais de 80% dos jatos foram liberados para retornar ao voo, informou o escritório conjunto do programa F-35 (JPO) nesta segunda-feira.

Em um comunicado emitido no dia 15 de outubro, o JPO confirmou que as forças armadas dos EUA e parceiros internacionais concluíram as inspeções nas suas frotas de F-35 na busca por tubos de combustível defeituosos. As aeronaves que não foram afetadas pelos tubos defeituosos – que são componentes do motor F-35 produzido pela Pratt & Whitney – estão de volta ao status de voo.

“O Escritório Conjunto  do Programa F-35 continua a trabalhar em estreita colaboração com os serviços militares para priorizar substituições de tubos de combustível usando o atual estoque de peças sobressalentes”, disse o JPO. “A Pratt & Whitney está adquirindo rapidamente mais peças para minimizar o cronograma geral de reparo dos demais jatos. O estoque atual irá restaurar cerca de metade dos jatos impactados para as operações de voo, e as aeronaves restantes deverão ser liberadas para o voo nas próximas semanas.”

Na semana passada, todos os F-35 dos EUA e internacionais foram momentaneamente aterrados para permitir uma inspeção de tubos de combustível. A revisão foi fruto de uma investigação sobre o acidente ocorrido com um F-35B dos Fuzileiros Navais em 28 de setembro perto da Marine Corps Air Station de Beaufort, na Carolina do Sul – o primeiro acidente do F-35 na história do jato.

Ainda não está claro exatamente como os tubos de combustível defeituosos afetam o desempenho do jato ou a gravidade da ameaça de segurança que representam durante as operações de voo. Joe DellaVedova, porta-voz do JPO, recusou-se a discutir os problemas específicos que levaram o escritório do programa a pedir uma inspeção em toda a frota, dizendo que os detalhes não poderiam ser divulgados até que o Corpo de Fuzileiros Navais concluísse sua investigação.

FONTE: Defense News

Subscribe
Notify of
guest
2 Comentários
oldest
newest most voted
Inline Feedbacks
View all comments
Ricardo Bigliazzi
Ricardo Bigliazzi
2 anos atrás

Ué, não iriam ficar alguns anos no chão?

Johnny Calixto Gouvea
2 anos atrás

Ricardo. Eh que a lockheed vai quebrar! Lembra daquele papo sobre a UNIDAS?? kkkkkk