Home Aviação de Ataque Caças F-35B do USMC realizam primeiro ataque aéreo

Caças F-35B do USMC realizam primeiro ataque aéreo

17129
61
Caça F-35B Lightning II pronto para decolar do do navio de assalto anfíbio USS Essex (LHD 2)
Caça F-35B Lightning II pronto para decolar do navio de assalto anfíbio USS Essex (LHD 2)

O caça F-35B Joint Strike Fighter dos EUA fez seu primeiro ataque aéreo nas últimas 24 horas, de acordo com três autoridades de defesa dos EUA.

O ataque ocorreu no Afeganistão contra um alvo fixo do Talibã. A aeronave envolvida era a variante do Corpo de Fuzileiros dos EUA (USMC) que voa a partir do navio de assalto anfíbio USS Essex.

O jato furtivo F-35 é considerado o sistema de armas mais caro da história, e seu desenvolvimento foi atingido por vários atrasos antes de ser considerado pronto para combate.

Ele é apontado como o futuro da aviação militar: uma aeronave letal e versátil que combina capacidades furtivas, velocidade supersônica, extrema agilidade e tecnologia de ponta de fusão de sensores, de acordo com a Lockheed Martin, principal fabricante do avião.

O F-35B é uma das três variantes do avião F-35 e o único com a capacidade de pousar verticalmente como um helicóptero. Ele também pode decolar de um espaço muito mais curto do que outros jatos de combate. A variante do Corpo de Fuzileiros Navais foi a primeira a ser designada como pronta para combate.

O F-35 tem sido o favorito do presidente Donald Trump, que elogiou a aeronave várias vezes por ser “invisível”. A aeronave tem capacidade reduzida para ser vista por radares adversários, mas não é invisível.

FONTE: CNN

61 COMMENTS

    • Olha lá, olhá lááá, vai ser aberta a porteira, lá vem o “carboy 35” montando o “touro Relampão, cuidaaado “35” que o “Relampão” te esboracha no chãoooo…!!!! rss

      • Concordo. Vale ressaltar que desde a missão americana no Afeganistão (2001), o talibã nunca esteve tão forte. Infelizmente eles conseguiram recuperar cerca de 80% do território perdido para a coalisão. E atualmente dominam cerca de 90% das principais províncias que estão próximas as maiores cidades. Não sei ao certo se ficar despejando mais bombas mudará o cenário atual, seja com o F35 ou com o Supertucano. Ao meu ver helicópteros são mais eficazes contra esta guerrilha.

  1. Bem, hoje a Rússia informou que já entrou em serviço o novíssimo R37-M … mais de 300KM de alcance e Mach 6 na fase final de voo..será usado por Su-30/34/57… acredito que a partir de 2019/20 teremos grande avanço (russo) na área de radares… pode se benzer F-35..rs

    • Pena que o R-37 não serve contra o F-35, porque nenhum caça russo está perto de poder travar nele a mais de 50 km.

      Na verdade, nem se sabe se algum caça russo consegue realmente travar no F-35 pois ele possui ECM de fase ativa no radar.

      • Fala isso prós soviéticos que levaram um cacete lá….

        Mas assim, se é contra talibã não vale, se é arma russa contra israelense não vale.

        Quando que vale?

        • E porque russos e chineses ainda não começaram a armar o Talibã.
          E mesmo assim, hoje, os americanos mal conseguem sair de suas bases. Aguarde um pouco para ver o que ocorrerá

          • Menos de 5.000 mortos americanos no Iraque e Afeganistão.
            70.000 mortos russos no Afeganistão…
            Realmente… igualzinho…

          • Só que os soviéticos mataram cerca de 1.500.000 de afegãos. Naquele ritmo, a população do Afeganistão acabaria e a guerra não. Não adianta. Aquilo é um atoleiro e os americanos estão presos em suas bases. Nem podem tomar um cafezinho na esquina que levam bala.

          • Antônio,
            Cê fica aí babando ovo dos russos e não demora e aparece aquele “patriota” brasileiro metido a “agente de viagem” que não suporta nenhuma manifestação que não seja pró-Brasil. Ele vai te mandar morar na Rússia e vai te chamar de um monte de nome feio.
            Num fica esperto não pra ver…

      • Antônio,
        Só você entendeu que usaram o F-35 porque era missão difícil. Todo mundo entendeu que usaram o F-35 porque era a arma que eles tinham.
        Quer mais bizarrice que seus ídolos russos que lançam mísseis cruise a 1500 km de distância contra insurgentes cercados em território amigo e ainda filmam a ação com um avião (só espera que o avião que filmou não tenha sido um bombardeiro ).

        • Bosco os dois são idiotas , tanto Russos como americanos , quanto mesmo vale uma hora de vôo de um F22 ou F35 ? Vale a pena mandar eles atacar insurgentes de sandálias , ou aquelas cetenas de misseis Tomahawk que acertou alvos escolhidos pelos próprios Russos na Síria ..
          Aqueles punhados de Kalirb lançados lá do Cáspio valeu a pena ?…..

          • Bruno,
            Quanto aos F-35, era o avião que tinha disponível.
            Quanto aos Tomahawks, os americanos em tese não penetraram em território hostil controlado pelos russos.
            Já em relação aos Kalibrs, eu pelo menos só vejo uma ação espetaculosa com razões propagandistas e ufanistas, sem razões operacionais práticas.
            Mas de forma alguma condeno os russos. Eles fazem o que quiserem com seus mísseis e suas forças armadas,não sou contribuinte russo e realmente não me importo, assim como não me importo com o que os americanos fazem com seus impostos.
            Quanto aos russos, o lançamento dos Kalibrs ainda serviu para treinamento de sua equipagem e a monitoração e o aperfeiçoamento dos procedimentos. Nesse ponto de vista foi altamente válido.
            O mesmo para os americanos com o F-35B. Além de ser a aeronave certa no local certo, o procedimento ainda serve como treinamento e aperfeiçoamento de procedimentos em uma ação real, mesmo que de baixa intensidade.

    • Bispo, somente se os russos desenvolverem um novo tipo de radar para conseguir atingir um F 35 com misseis guiados por radar, atualmente o F 35 é imune a esses tipos de misseis, ele pode ser abatido somente por misseis guiados por IR.

      No entanto esse míssil russo novo pode ser muito útil contra os E 3 e reabastecedores etc castigando a retaguarda antes do contato com os F 22 / 35, ai se o Su 35 conseguir ludibriar os AIM 120 ele vai ter boas chances a curta distancia com os R 73 e num futuro próximo com lasers.

      A grande jogada dos russos seria conseguir ludibriar os AIM 120 !

  2. Não to entendendo… O F-35 está desempenhando exatamente o que foi projetado: ataque.

    Independente do alvo.

    Queriam o que? Que ele estreasse num ataque a Rússia, largando uma bomba em cima do Kremlin e voando incólume sobre os céus de Moscou?

  3. Ele saiu do mar… Como o Paquistão ou o Irã o viram?
    Além disso, para os descrentes…. avião russo atacando guerrilheiro na Síria é bonzão, né?
    Hipocrisia ideológica

  4. CNN é uma piada. Todo mundo chama de avião invisível, mas como foi o Trump que disse ela tinha que que denegrir as palavras dele.
    É a única coisa que podem fazer

  5. O uso do F35 na Somália e Afeganistão parece descabido tal como o F22 atacar laboratórios de drogas nestes teatros, levando críticas aos militares americanos. A resposta é treinamento. Capacitação do piloto, capacitação da aeronave, munição real, cenário e circunstâncias reais, comunicação, uso dos sensores, a equipe de suporte etc… tudo isso com risco mínimo ou inexistente. Só para esclarecer, o F35 está usando refletores de radar para aumentar sua assinatura nestes teatros.

  6. Quem pode, pode…! Eles tem F-35 para atacar talibã e nós temos o quê…..? É mais ou menos assim…..! Nós temos jipe para ir pescar, eles vão pescar de BMW. Cada uma…….!

  7. Penso, cada vez mais, avião caça, que efetivamente entra no espaço aéreo inimigo, está com os dias mais do que contado. Não tardará para que até grupelhos radical tenham meios de travar e derrubar *qualquer avião* dentro do raios de ação dos futuros mísseis/radares.

  8. Isso de valer ou não valer vai de acordo com a preferência da torcida, pra alguns o ataque que o Su-57 fez na Síria contra barbudinho de ak-47 não vale, já pra alguns esse ataque contra barbudinho de ak-47 só que afegãos também não vale.
    O princípio foi o mesmo, testar as capacidades das aeronaves, se acertaram os alvos, ambos foram efetivos, independente da torcida.

  9. Por mais que a Russia tenha misseis ar-ar de 300km /mach 6. Com certeza esses F35 ja possui alguma carta na manga q ainda nao foi divulgada.

  10. Esse é o caça do futuro, pena que muita gente não entenda o quanto ele é superior e avançado, os americanos estão anos-luz à frente, o domínio tecnológico é imenso.

  11. Estas missões são principalmente para treinamento e testar as capacidades da aeronave. Agora falando na prática, não entendo como a Rússia conseguiu ter grande sucesso utilizando mísseis de cruzeiro lançados de navios contra os terroristas na Síria e a coalisão liderada pelos Estados Unidos através da sua inteligência, não consegui até o momento realizar estes ataques cirúrgicos (com resultado). Outra doutrina amplamente realiza com sucesso pelos soviéticos no Afeganistão, antes da utilização dos missões anti aéreos Stinger, foi o emprego de helicópteros para ataque aproximado. Às vezes penso que a coalisão não quer vencer esta guerra, pois a situação atual é extremamente crítica para aqueles lados do mundo.

  12. 1. O pessoal tá confundindo ideologia com torcida. Não tem nada a ver. Até porque Rússia e EUA, se os julgarmos pela concepção pueril de ideologia, estariam no mesmo time ideológico. Torcida é gostar mais de um país do que outro. Meio dispensável mas nada de necessariamente errado IMO;
    2. Ppra que gastar tempo no f35 hating? É claro que ele vai dar certo, olha o que já foi gasto no programa. Até eu acabo meu TCC em um mês com um trilhão de investimento em mim ;
    3. Comparar a situação da Rússia e EUA quanto ao uso de armas é meio ingênuo. A RU raramente entra em guerra, e quando surgiu a necessidade /oportunidade na Síria eles aproveitarem pra testar armas, doutrina e etc. Já os EUA… por falta de guerra eles não passam mal.

    • Fabio,
      Sem dúvida! Mas pelo menos, em tese, todas as ações dos Tomahawks foram justificadas do ponto de vista operacional tendo em vista a ação ocorrer em território inimigo ou não amistoso ou não haver condições de efetuar ataque aéreo clássico ou os alvos serem de tempo crítico e só haver na área unidades navais armadas com Tomahawks.
      E não se tem notícia de ter um avião americano na área gravando a ação, o que demonstra pelo menos que só os Tomahawks poderiam estar lá o que já justifica a opção por eles.

  13. Curioso para saber como e quantas serão as marcas por esse alvo fixo abatido do Talibã logo abaixo do cockpit do piloto . . . Um, dois, três, quatro, “n”, turbante(s)? 🤔

    Ironias à parte, nada mais merecido que a versão B, a verdadeira razão da existência desse projeto, para a primazia do batismo de fogo dos F-35 americanos.

  14. O pessoal tá falando que o super tucano faz o mesmo, mas para mim não faz não, nunca vi um super tucano decolando de um navio e atacando um alvo em terra… O dia que o super tucano tiver essa capacidade ai sim dá para se fazer essa comparação do mais, acho que não é uma comparação justa, poderiam comparar com com hornet, super hornet, ou outra aeronave que tenha tal capacidade.

  15. Não entendo o motivo da polêmica. Claramente os EUA estão agindo com certo cuidado com o caça devido aos problemas pendentes, logo, procuraram um campo de baixa intensidade para provavelmente testar funções mais básicas. Claro, podem existir as questões levantadas por alguns de que o caça pode ter atravessado territórios inimigos (Irã, por ex.) e, assim, ter testado a capacidade Stealth. De todo modo, parece-me mais plausível um teste para algumas funções mais básicas de ataque do caça em um cenário quase controlado. Acho que os EUA vão utilizar o F-35 lentamente e com muito cuidado, até boa parte dos defeitos encontrados serem corrigidos. Diria até que o uso do F-22 na Síria seria um indicativo disso.

  16. Essa missão é parte de um trabalho que vem sendo feito já faz algum tempo.
    Não embarcaram o F-35B só pra torrar munição cara em “terrorista” insignificante. O alvo não tem a menor das importâncias… O que importa é que foi uma operação real. O que importa, é o ganho para aqueles que estão trabalhando para tornar esta aeronave operacional.

  17. F 35 no Afeganistão deve ser para teste em missões reais leves sem oposição, porque gastar esse custo todo contra forças que mal possuem manpad não tem sentido.

  18. Se fosse um avião russo avançado, contra uma “carroça” armada uma metralhadora e a “pulverizasse” aposto que muitos comentários aqui seriam: tecnologia superior de combate, os americanos que se cuidem, o urso acordou….
    É difícil entender que somos apenas meros espectadores, porque numa guerra pra valer a coisa é bem diferente e tecnologia e logística fazem toda a diferença.

LEAVE A REPLY

Please enter your comment!
Please enter your name here