Home Aviação de Ataque Chefe da Força Aérea Indiana defende o Rafale, mas olha para o...

Chefe da Força Aérea Indiana defende o Rafale, mas olha para o Tejas no longo prazo

3848
9
LCA Tejas monoposto

IAF comprará 250 Tejas Mark II para operar 18 esquadrões de Tejas

Com controvérsias em torno da compra de 36 caças Rafale da França, o chefe da Força Aérea Indiana (IAF), Air Chief Marshal BS Dhanoa, sublinhou no dia 12 de setembro a “ameaça de duas frentes” da China e do Paquistão para argumentar que o Rafale é urgentemente necessário.

“O Paquistão tem mais de 20 esquadrões de caça, com F-16 aprimorados e está incorporando caças JF-17 da China em grande número. A China tem 1.700 caças, incluindo 800 de quarta geração. Mas nós não temos os números, com 31 esquadrões de caça dos 42 sancionados ”, disse Dhanoa, dirigindo-se a um seminário em Nova Delhi.

Nisso, Dhanoa estava ironicamente do mesmo lado da oposição. Sua principal crítica ao governo é que ele comprou apenas 36 caças Rafale (dois esquadrões), enquanto cancelava uma licitação em andamento para 126 caças (seis esquadrões) que teriam compensado as deficiências do esquadrão da IAF em maior grau.

Além de acusar o primeiro-ministro Narendra Modi de reduzir unilateralmente o acordo com o Rafale, a oposição está acusando o governo de minar o “Make in India” cancelando um plano para construir 108 Rafales na Hindustan Aeronautics Ltd (HAL); e do “capitalismo de compadrio” ao permitir que o Reliance Group de Anil Ambani se beneficie dos acordos de compensação decorrentes da compra do Rafale.

Dassault Rafale
Dassault Rafale

Dhanoa tentou explicar o cancelamento do acordo dos 126 Rafale afirmando que o plano para construir 108 deles na Índia “chegou a um impasse devido a diferenças insolúveis entre a Dassault Aviation e a HAL”.

A base para a disputa de Dhanoa ainda não está clara, já que em 25 de março de 2015, apenas 17 dias antes da Modi anunciar o novo acordo em Paris, Eric Trappier, diretor executivo da Dassault, disse à imprensa em Delhi que havia um acordo com a HAL no compartilhamento de responsabilidades. Trappier disse: “Eu acredito fortemente que a finalização e assinatura do contrato virão muito em breve”.

A apresentação da IAF na quarta-feira passada defendeu o preço pago pelo Rafale, afirmando que incluía: “A maioria dos sensores modernos, melhores armas da classe, EW (guerra eletrônica) estado da arte e melhor capacidade de sobrevivência, melhorias específicas na Índia, melhores condições de preço, melhor prazos de entrega e cronograma, melhores termos de manutenção, compromisso de suporte industrial mais longo, garantia adicional e comprometimento de PBL (performance based logistics). ”

Afirmando que o governo havia realizado em várias ocasiões anteriores “compra de emergência” de caças, ele citou a compra de dois esquadrões do MiG-23MF em 1983 para combater os novos F-16 do Paquistão, dois esquadrões do Mirage 2000 em 1985 e dois esquadrões do MiG-29s.

Na terça-feira, a oposição condenou duramente o que considera o uso de oficiais de serviço pelo governo para defender o acordo com o Rafale. “Totalmente exposto, o governo agora está atirando dos ombros dos bravos homens e mulheres de uniforme”, afirmou um comunicado conjunto da imprensa de Yashwant Sinha, Arun Shourie e Prashant Bhushan.

LCA Tejas
LCA Tejas bipostos

Comprando mais 12 esquadrões de Tejas

Pela primeira vez, a IAF indicou que os esquadrões de MiG-21 e MiG-27 seriam substituídos pelo Tejas Light Combat Aircraft (LCA), não por caças médios multi-função (MMRCAs) como o Rafale.

Dhanoa disse que estava analisando a incorporação de 12 esquadrões do caça Tejas Mark II, além de dois esquadrões de Tejas Mark I e quatro esquadrões de uma versão melhorada, o Tejas Mark I-A, que já estão sendo processados.

Isso somaria 18 esquadrões de caças Tejas de todos os tipos, tornando-se a aeronave mais numerosa da IAF, ainda mais que os 13 esquadrões de caças Sukhoi Su-30MKI.

O primeiro esquadrão de Tejas, chamado de “Flying Daggers”, já está sendo preenchido com caças Mark I quando eles saem da linha de produção da HAL – embora muito mais lentamente do que o planejado.

O Tejas Mark IA está atualmente em desenvolvimento com cinco melhorias especificadas sobre o Mark I. Elas incluem um “radar ativo de varredura eletrônica (AESA), um míssil ar-ar com capacidade “além do alcance visual”(BVR), um jammer de autoproteção, capacidade de reabastecimento ar-ar e um sofisticado “software defined radio” (SDR). O Ministério da Defesa iniciou uma encomenda para 83 combatentes do Mark 1-A.

O Tejas Mark II é planejado como um caça muito mais capaz, com seu atual motor General Electric (GE) F-404 sendo substituído por um mais potente motor GE F-414, e uma nova geração de aviônicos desenvolvidos na Índia. Ele também contará com um link de dados de nova geração – que pode ser o padrão da OTAN Link 16, que a Índia está agora qualificada para comprar depois de assinar o contrato de segurança de comunicações COMCASA com os EUA.

Dhanoa deixou claro que a implementação dessas melhorias de capacidade era uma pré-condição para mais pedidos da IAF para os Tejas.

A IAF também iniciou a aquisição de outros 114 caças médios do mercado global, uma concorrência na qual o F-16, o F/A-18, o MiG-35, o Rafale, o Gripen E e o Eurofighter Typhoon estão competindo. A maior parte desses caças será construída na Índia sob o modelo de Parceiro Estratégico.

FONTE: Business Standard

9
Deixe um comentário

avatar
7 Comment threads
2 Thread replies
0 Followers
 
Most reacted comment
Hottest comment thread
8 Comment authors
Gonçalo Jr.helioNilton L JuniorstranaRamon Grigio Recent comment authors
  Subscribe  
newest oldest most voted
Notify of
Rodrigo M
Visitante
Rodrigo M

O que seria dos sites de defesa sem a IAF?? Toda semana uma noticia ou uma novidade. rsrs

Almeida
Visitante
Almeida

Faz sentido para eles firmarem essa compra de Tejas ao invés de introduzir mais um tipo de aeronave leve estrangeira na IAF. Porém, ainda falta MUITO para o Tejas chegar ao nível de um F-16 ou Gripen, tem que investir e acelerar esse desenvolvimento. Sendo assim, nessa “nova” concorrência, faz muito mais sentido encomendar mais Rafales, pelo mesmo motivo. 13 esquadrões de Su-30MKI (240+) 8 esquadrões de Rafale (36+114) 18 esquadrões de Tejas, preferencialmente o mark II (250+) 39 esquadrões bem equipados com apenas 3 tipos de aeronaves diferentes, low-medium-high, sendo uma nacional, outra estrangeira fabricada fora mesmo e uma… Read more »

strana
Visitante
strana

O Tejas é veloz , ágil, tem um dos menores RCS de um 4a geração (0,5), pode carregar armas indianas, russas, israelenses, possui sistema de controle fly-by wire excepcional, aviônica equilibrada que está sendo atualizada. É elogiado por pilotos de uma das mais poderosas forças aéreas do mundo – a quarta, para ser mais preciso. Por quê falta MUITO para chegar ao nível de um F16 ou Gripen ? Baixa autonomia ? Isso é reparado com número de aeronaves construídas e abastecimento aéreo, já testado. Deixe a dupla Sukhoi/Rafale para as tarefas ofensivas e o Tejas para defesa interna.

Almeida
Visitante
Almeida

Se você acredita que o fly-by-wire dele é realmente excepcional, que é tão veloz e ágil assim e que ainda por cima tem um RCS de 0,5, bem, seria mesmo um ótimo avião!

Pena que nada disso é verdade. Só perguntar pra própria IAF, que vive brigando com a HAL e o governo por ter que aceitar esse avião medíocre, problemático e caro. Quem sabe um dia a versão mark II voe e seja barata, mas até lá, ele está bem abaixo de outros caças de 4a geração, tanto em performance quanto em custo/benefício.

https://www.google.com.br/search?q=tejas+price&rlz=1C1CHZL_pt-BRBR749BR749&oq=tejas+price&aqs=chrome..69i57j0l5.6785j0j7&sourceid=chrome&ie=UTF-8

https://www.google.com.br/search?rlz=1C1CHZL_pt-BRBR749BR749&ei=TCOgW8XrJMijwgSKyqvwBA&q=tejas+problems&oq=tejas+problems&gs_l=psy-ab.3..0i203k1j0i22i30k1.14534.16761.0.17002.11.10.1.0.0.0.122.981.6j4.10.0….0…1c.1.64.psy-ab..0.11.985…0j0i19k1j0i22i30i19k1j35i39k1.0.w3q68dxKNQU

CarlosW
Visitante

A oposição criticando que a compra para a área da defese foi pequena. Interessante, não?

Ramon Grigio
Visitante
Ramon Grigio

Sério que os Mig23MF só vieram em 1983? Os pilotos do MF ao terem contato com o Mirage 2000 pouco tempo depois devem ter entrado em depressão, tamanha a diferença na avionica embarcada.

Interessante pois já havia o ML a anos e até mesmo MLA e MLD (esse de 1982).

Nilton L Junior
Visitante
Nilton L Junior

Lendo essa matéria chego a pensar que realmentes eles não sabem o que querem e não tem a menor idéia do querem.

helio
Visitante
helio

eles querem ganhar conhecimento técnico através de transferência de tecnologia com outras empresas então muito valor a fabricação interna

Gonçalo Jr.
Visitante
Gonçalo Jr.

No último parágrafo: “A IAF também iniciou a aquisição de outros 114 caças médios do mercado global, uma concorrência na qual o F-16, o F/A-18, o MiG-35, o RAFALE, o Gripen E e o Eurofighter Typhoon estão competindo. A maior parte desses caças será construída na Índia sob o modelo de Parceiro Estratégico.”

Após comprar 36 Rafales abriram um concorrência com todos os outros caças e o Rafale novamente participando? Mas que bagunça.

Os 36 Rafales estão programados para entrega de novembro de 2019 a meados de 2022. Nem começaram a receber…