Home Acidente Aeronáutico Motor de F-35C ingere cesta de reabastecimento em voo sobre o mar

Motor de F-35C ingere cesta de reabastecimento em voo sobre o mar

6698
54
Um F/A-18F Super Hornet reabastecendo um F-35C
Um F/A-18F Super Hornet reabastecendo um F-35C

Um F-35C Lightning II Joint Strike Fighter voando a partir do porta-aviões USS Abraham Lincoln (CVN-72) foi danificado durante um exercício de reabastecimento aéreo, no primeiro grande acidente de voo para a versão embarcada do JSF.

O motor de um F-35C do Strike Fighter Squadron (VFA) 125 foi danificado enquanto o avião recebia combustível de um F/A-18F Super Hornet do Esquadrão VFA-103 em 22 de agosto, confirmaram oficiais da Marinha dos EUA ao USNI News. Os detritos de uma cesta de reabastecimento aéreo foram ingeridos pela entrada do motor do F-35C, resultando em danos, disse o porta-voz da Naval Air Forces Atlantic, o comandante Dave Hecht na terça-feira.

Ambos os caças foram capazes de pousar com segurança – o Super Hornet voou para a Estação Naval Oceana, na Virgínia, enquanto o F-35C retornou para o porta-aviões Lincoln. Nenhum ferimento foi relatado e o incidente está atualmente sob investigação, disse Hecht.

Os danos ao F-35C foram relatados como um acidente de Classe A – o tipo mais grave de uma aeronave militar. Uma ocorrência é classificada como Classe A quando uma aeronave sofre mais de US$ 2 milhões em danos, é totalmente destruída ou envolve um ferimento grave ou fatal à tripulação. Os danos ao F-35 estavam acima do limite de US$ 2 milhões, disse Hecht. Um novo motor F135 para o JSF custa cerca de US$ 14 milhões, de acordo com o mais recente contrato para a fabricante de motores Pratt & Whitney.

O Super Hornet também foi danificado, mas foi relatado como um acidente de Classe C porque não houve feridos e o custo total estimado de danos à aeronave está entre US$ 50.000 e US$ 500.000, disse Hecht.

Um F/A-18E Super Hornet e um F-35C Lightning II a bordo do porta-aviões USS Abraham Lincoln (CVN 72). Foto: Marinha dos EUA
Um F/A-18E Super Hornet e um F-35C Lightning II a bordo do porta-aviões USS Abraham Lincoln (CVN 72). Foto: Marinha dos EUA

O F-35C estava voando em um evento de teste de ala aérea integrada a bordo do porta-aviões Lincoln que autoridades da Marinha descreveram como uma validação de como a aeronave opera e é mantida e sustentada no mar. Este primeiro teste operacional no mar para o F-35C, sendo lançado e recuperado ao lado de Super Hornets, E-2D Advanced Hawkeyes e C-2A Greyhounds, é um primeiro vislumbre de como será a futura ala aérea embarcada quando o F-35C alcançar a capacidade operacional inicial e for mais amplamente implementado.

O teste ofereceu à Marinha uma maneira de avaliar quão bem o F-35 “integra-se ao navio, como ele interopera com comunicações, enlaces de dados, outras aeronaves, e então como conduzimos a missão e conectamos as outras aeronaves que estão conduzindo missão e quanto eles são eficazes quando o fazem”, explicou o vice-almirante Dale Horan, diretor da Joint Strike Fighter Fleet Integration para a Marinha, a repórteres durante um evento de mídia na semana passada a bordo do Lincoln.

Os F-35Cs operando no Lincoln eram do VFA-125, um esquadrão de substituição de frota, e o VFA-147, um esquadrão operacional. Ambos são baseados na Naval Air Station Lemoore, Califórnia.

A Marinha espera alcançar a capacidade operacional inicial (IOC) para o F-35C em fevereiro de 2019. Antes de atingir a IOC, porém, o F-35C tem que realizar um evento inicial formal de teste e avaliação no mar, que deverá ocorrer no outono. A Marinha também terá que mostrar que pode tripular, treinar, equipar e operar 10 caças F-35C no mar, além de estabelecer uma rede de apoio apropriada para fornecer peças e pessoal, antes de declarar o IOC.

FONTE: USNI News

SAIBA MAIS:

Subscribe
Notify of
guest
54 Comentários
oldest
newest most voted
Inline Feedbacks
View all comments
Marcos
Marcos
2 anos atrás

É igual Avestruz, come de tudo!

Dinheiro do contribuinte, paciência dos parceiros, cesta de reabastecimento.

jorge Alberto
jorge Alberto
Reply to  Marcos
2 anos atrás

boa… kkk

Sergio Peixoto
Reply to  Marcos
2 anos atrás

…e as perspectivas de um caça também…..

Thiago Telles
Thiago Telles
2 anos atrás

Pessoal, na boa…. Chamem uma benzedeira p f35.

Sergio Peixoto
Reply to  Thiago Telles
2 anos atrás

…..acho que em toda a história da aviação nunca existiu um projeto tão problemático…..

Willber Rodrigues
Willber Rodrigues
2 anos atrás

Aproveitando o gancho da matéria, como são classificados os acidentes com aviões da FAB? São classificados por “valor´´ do concerto/prejuízo também?
“O F-35C estava voando em um evento de teste de ala aérea integrada a bordo do porta-aviões Lincoln que autoridades da Marinha descreveram como uma validação de como a aeronave opera e é mantida e sustentada no mar.´´
Isso que dá elogiar…

Guilherme Poggio
Editor
2 anos atrás

Ter um motor só sobre o mar e tendo que pousar num porta-aviões complica.

HMS TIRELESS
HMS TIRELESS
Reply to  Guilherme Poggio
2 anos atrás

Ainda assim o F-35 pousou! Que coisa não é Poggio!?

Ricardo da Silva
Ricardo da Silva
Reply to  HMS TIRELESS
2 anos atrás

HMS TIRELESS,
. . . e o F-35 sempre esta certo !

Hélio
Hélio
Reply to  Guilherme Poggio
2 anos atrás

Muito bem lembrado, ai entra a velha discussão entre monomotor x bimotor.

nonato
nonato
Reply to  Guilherme Poggio
2 anos atrás

Exatamente.
Eu nunca dei valor a essa história de aviões com um motor em vez de dois ou dois motores em vez de quatro.
Já imaginou um 777 sobrevoando o Atlântico com um só motor?
Ou um avião com um motor sobre o mar?

Hélio
Hélio
Reply to  nonato
2 anos atrás

Se tem um motor não tem problema, o problema é quando não tem nenhum.

Marco Antonio Capoeira
Marco Antonio Capoeira
Reply to  Hélio
2 anos atrás

Hélio, brevetei e voei muito planador… chamamos de voo de emergência o tempo todo… total atenção… Grande experiência.

Aêdo Rocha
Reply to  nonato
2 anos atrás

Amigo sugiro a leitura sobre operações ETOPS.

Marcelo Andrade
Marcelo Andrade
Reply to  Aêdo Rocha
2 anos atrás

Po, tirou daqui da minha boca, esse cara deve voar para a Europa só de Boeing 747 e A-340! kkkkkkkkk

nonato
nonato
Reply to  Marcelo Andrade
2 anos atrás

Deve ser uma maravilha voar dos EUA para a Austrália em um Boeing 777, de repente um motor parar de funcionar e o piloto dizer que vai voar 5.000 km só com um motor.
Maravilha hein…

Fernando
Fernando
Reply to  Marcelo Andrade
2 anos atrás

Nonato, já houve caso de um 777 perder um motor em pleno voo no Atlântico e pousou sem problemas, que eu me lembre no havai.se você pesquisar sobre operações etops e suas características verá o motivo pelo qual a principal companhia aérea da nova Zelândia faz o voo transpolar ate Buenos Aires em um 787 com total segurança. As normas etops são hiper rígidas controladas pelo FAA. Saudações

Bardini
Bardini
2 anos atrás

O caça engoliu uma cesta e não caiu?

Bardini
Bardini
Reply to  Bardini
2 anos atrás

“Os detritos de uma cesta de reabastecimento aéreo foram ingeridos pela entrada do motor do F-35C, resultando em danos, disse o porta-voz da Naval Air Forces Atlantic, o comandante Dave Hecht na terça-feira.”
.
O que será que seriam esses detritos??

HMS TIRELESS
HMS TIRELESS
Reply to  Bardini
2 anos atrás

A cesta certamente se rompeu e o material da qual ela é feita (metal, tecido, etc) foi ingerido pelo motor.

nonato
nonato
Reply to  Bardini
2 anos atrás

Ia fazer a mesma pergunta.
O texto confunde.
Engoliu a cesta ou detritos?
Que detritos?
Esse problema teria ocorrido com qualquer outro caça?
Porque se a cesta se despedaçou, a culpa não é do avião.

Thiago Telles
Thiago Telles
2 anos atrás

Deve ter batido na aeronave e despedaçado.

Everton Matheus
Everton Matheus
2 anos atrás

Acidentes com F-35 deveriam ter um novo catalogo de tipificação tendo em vista que qualquer coisa nessa aeronave é absurdamente cara. Uma “maçaneta” ja seria alguns milhoes… Kkkkk de qualquer maneira eu fiquei abismado com a capacidade dessa maquina “engolir” uma cesta(ou parte dela) e ficar por isso mesmo(pousar logo ali, em um navio).

Maurício.
Maurício.
2 anos atrás

Se fosse aquela cesta de metal dos KC-137 da FAB, que danificava os radome de fribra dos AMX, não sei se esse F-35 chegaria até o porta-aviões.

João Bosco
João Bosco
2 anos atrás

Mais uma desse caça…..caro, cheio de problemas e agora, comedor de cestas de reabastecimento.

Walfrido Strobel
Walfrido Strobel
2 anos atrás

Neste caso a culpa não é do avião, se o piloto atropelar cesto com a mangueira, o motor engole sem pena…..
Quanto a continuar funcionando, pode ser uma questão de sorte, pois em alguns casos uma palheta solta pode causar um evento catastrófico com despalhetamento que pode inutilizar completamente o motor causando uma explosão ou incêndio.

Celso
Celso
2 anos atrás

É que a cesta também era stealth….kkkk

Victor Filipe
Victor Filipe
2 anos atrás

É muita inocência culpar o F-35 pelo acidente com a cesta de reabastecimento…

Marcos R.
Marcos R.
2 anos atrás

Na verdade cabe elogiar a capacidade de assimilar os danos e pousar em segurança.

Humberto
Humberto
Reply to  Marcos R.
2 anos atrás

Sim, por esta prova o projeto do avião passou. O motor aguentou bem a prova tb, pois trouxe o avião e o piloto de volta.

LucianoSR71
LucianoSR71
2 anos atrás

Só lembrando de alguns dos jatos monomotores operados pela US Navy ( descartando aqueles do início da operação de jatos em porta aviões ):
A-4, A-7, F-8 e há ainda o AV-8B Harrier II pelos USMC. Ter 2 motores pode ser até melhor, mas se a aeronave for bem projetada e tiver um motor confiável, não é insegura.

nonato
nonato
Reply to  LucianoSR71
2 anos atrás

Mas qualquer motor está sujeito a problemas, especialmente num ambiente hostil.

Ozawa
Ozawa
2 anos atrás

A moral do Lightning está tão baixa ultimamente que o episódio pode sair na imprensa sensacionalista com o título: “Foi fazer rendez-vous e engoliu tudo” . . .

Marcelo Andrade
Marcelo Andrade
Reply to  Ozawa
2 anos atrás

kkkkkkkkkk muito boa!!!!

J-20
2 anos atrás

E quando dizem que o reabastecimento em voo é uma das manobras mais difíceis, ainda tem gente que não acredita. Tá aí, um piloto experiente que errou nesse procedimento.

Ricardo Bigliazzi
Ricardo Bigliazzi
2 anos atrás

Não caiu??? Não deve ser tão ruim assim.

EduardoSP
EduardoSP
2 anos atrás

KKK!!!
Excelente!

Alex II
Alex II
2 anos atrás

“O motor de um F-35C do Strike Fighter Squadron (VFA) 125 foi danificado enquanto o avião recebia combustível de um F/A-18F Super Hornet” disse o porta-voz da Naval Air Forces Atlantic, o comandante Dave Hecht na terça-feira.

Está é uma diferença realmente importante entre os EUA e as outras superpotências, o quesito transparência.

Eles comunicam as cagadas deles e as tornam publicas. Russos escondem. Chineses escondem mais ainda.

Vale o registro.

Aêdo Rocha
2 anos atrás

Não sabemos o que foi ingerido pelo motor, que parte da cesta (não sei se é o nome correto) foi ingerida. Mas nem tudo que é ingerido pelo motor entra na seção de força do motor (compressores, câmaras de combustão e turbinas), grande parte do ar passa por fora da seção de força e esse detrito pode ter seguido este caminho. Essa área é chamada de área de by-pass, simplificando é a área ao redor do motor em si (seção de força). Ou seja, o detrito entrou no motor mas não afetou seu centro (partes giratórias).

Aêdo Rocha
2 anos atrás

Completando: Os maiores danos, e mais perigosos, são exatamente se afetados estes componentes giratórios.

EdcarlosPrudente
EdcarlosPrudente
2 anos atrás

Engoliu a cesta no momento do reabastecimento entrando pelo duto que conduz o ar até o motor. Dentro do duto de ar o cesta soltou detritos que danificaram o motor. Isso tudo é suposição de minha parte.

Agora vem o mais complicado, a simples possibilidade do F-35C engolir a cesta de reabastecimento em voou ser uma ameaça constante nesse tipo de operação.

Saudações!

Sérgio Luís
Sérgio Luís
2 anos atrás

Estava com muita sede!

CRSOV
CRSOV
2 anos atrás

Esse F 35 praticamente todo dia tem uma notícia negativa a respeito dele !! Como disse o amigo acima é preciso dar uma boa benzida nesse caça !!

HMS TIRELESS
HMS TIRELESS
2 anos atrás

o F-35C a despeito do motor ter ingerido pedaços da cesta de reabastecimento ainda conseguiu pousar no NAe! Alguns anos atrás, durante aquelas operações dos Balcãs, um Mirage 2000 do Armée D’Air teve o mesmo problema quando foi reabastecer de um KC-135. Sabe o que aconteceu com o avião? Foi parar no fundo do Mar Adriático…. No mais cumpre lembrar que o F-35C já fez inúmeros reabastecimentos em vôo a partir de diversas plataformas inclusive o próprio F/A-18E/F sem qualquer problema. Esse incidente pode ter sido causado por uma série de fatores inclusive falha humana ou uma corrente de turbulência… Read more »

Walfrido Strobel
Walfrido Strobel
Reply to  HMS TIRELESS
2 anos atrás

Vc está querendo tirar uma conclusão en cima de dois casos isolados sem ter detalhes, como quais foram as partes ingeridas e o modelo e catacteristicas de cada cesta.
Não saberiamos qual seria a reação do motor do F-35 se tivesse engolido a cesta do KC-135.

Felipe
Felipe
Reply to  HMS TIRELESS
2 anos atrás

Isso que é motor! Se fosse Russo ou Chinês, teria soltado pecinha e caído no oceano matando todos os tripulantes.

Rodrigo M
Rodrigo M
2 anos atrás

Senhores usuários, para reclamações do F-35 retire sua senha e aguarde atendimento..

Maurício.
Maurício.
2 anos atrás

A respeito da cesta ou drogue(nome correto), eu não sei exatamente essa da matéria, mas as cestas atuais são bem mais leves, não sei se esse sistema é o da Cobham, mas no site da Cobham se fala que em caso de acidente ou sucção pelo motor do caça, a cesta meio que se parte e automaticamente já elimina as partes que poderiam causar um dano maior, tudo evolui, inclusive uma cesta de reabastecimento, não são mais iguais as cestas dos anos 80 e 90, que eram em grande parte feitas de metal. Olhem essa cesta como parece ser leve.… Read more »

Guizmo
Guizmo
2 anos atrás

Eu acho que o F-35 passou dos limites, engolir a cesta já é demais, recomendo uma reunião do AA assim que o navio atracar no porto

AL
AL
Reply to  Guizmo
2 anos atrás

Kkkkkkkkk, essa boi boa Guizmo!!! Poderiam chamar o avião de F-35C Lightning II Zica Strike Fighter!!! Ô avião azarado esse…

WFonseca
WFonseca
2 anos atrás

A US Navy espera atingir capacidade operacional (IOC) DO F35C em fevereiro 2019, testes e avaliações em andamento. F35 B e C possuem ponta da sonda intencionalmente fraca para proteção do equipamento e por isso quebram com frequência. Entre abril2014 e agosto2017 ocorreram 21 incidentes, impondo restrições para reabastecimentos e exigindo: 1) melhoria no treinamento pilotos; 2) inspeção mais detalhada no equipamento abastecedor; 3) melhoria no software de reabastecimento a partir de maio 2018, 4) Reforço na sonda de abastecimento. Este novo e caro incidente deverá acelerar solução efetiva, um achismo meu. Para efeito de comparação, talvez as recentes aeronaves… Read more »

Guina
Guina
2 anos atrás

E aqui estamos mais uma vez naquelas matérias onde os paga-paus dos americanos vão fazer de tudo pra dizer que o avião é perfeito, os paga-paus dos russos vão dar muita risada e os sensatos só verão e dirão “o piloto está vivo e a aeronave não foi perdida, que bom!”.

E agora é a parte que provavelmente serei atacado por criticar fanboys. Já deixo aqui que ignoro tudo mesmo, porque esse tipo de gente não presta.

Ricardo da Silva
Ricardo da Silva
2 anos atrás

Sugestão ao Poder Aéreo :
Falam muito do F-35, de suas pertenças qualidades e de seus inúmeros problemas. Porém as intenções de compra continuam crescendo. Isso me faz lembrar do F-104, de quem a USAF “desistiu” mas que foi um sucesso de vendas na Europa. Alguns anos mais tarde surgiram denúncias, investigações, abafamentos, condenações e absolvições de casos de corrupção envolvendo as compras do Starfigther. Com menor repercussão também ocorreu tal fato com o F-16.
Concluindo, vocês poderiam fazer uma matéria sobre esse assunto?

Mauro Oliveira
Mauro Oliveira
2 anos atrás

O problema do F-35 não é ser problemático, porque a maioria dos aviões quando entra em operação tem muitos problemas. Perguntem a alguém da manutenção da United Airlines como foi gostoso aqueles primeiros 777-200.

O problema do avião é que foi o primeiro a entrar em operação na época de redes sociais. Haters são uma coisa complicada