Home Aviação de Ataque Como os EUA ‘aprenderam muito’ sobre as capacidades russas na Síria

Como os EUA ‘aprenderam muito’ sobre as capacidades russas na Síria

5657
8
Su-35S sobre a Síria
Su-35S sobre a Síria

WASHINGTON – Enquanto forças russas e americanas se instalam na Síria, analistas e especialistas notaram um claro padrão das forças russas.

Moscou está usando a Síria como uma plataforma de testes para suas novas capacidades e como uma oportunidade para ver de perto equipamentos americanos como o caça F-22. É um desenvolvimento que levantou preocupações de que Moscou possa estar ganhando uma vantagem militar sobre os EUA a partir de suas experiências na região.

A boa notícia para os militares dos EUA? Estão fazendo a mesma coisa.

“Certamente, aprendemos muito sobre algumas das capacidades que os russos trouxeram para a Síria”, disse o tenente-general Jeffrey Harrigian, chefe do Comando Central das Forças Aéreas dos EUA, ao Defense News. “Poderíamos ter aprendido mais? Há provavelmente algumas áreas lá que precisamos ter certeza de que acompanhamos.

“Somos uma organização de aprendizado. Eu não vou entrar em todos os detalhes, mas havia coisas que sabíamos que tínhamos que aproveitar, e garantir, dar retorno disso não apenas para a comunidade de Inteligência, mas também para aqueles sistemas que precisávamos melhorar.”

Harrigian conversou com o Defense News antes de sua transição nesta semana para fora da região e para um novo papel como vice-comandante das Forças Aéreas dos EUA na Europa, onde a Rússia será um fator ainda maior em seu dia-a-dia. E ele concorda que Moscou tirou proveito da situação na Síria para crescer e treinar seus militares.

“Está bem claro para mim que os russos aproveitaram a Síria como uma oportunidade de analisar suas capacidades e ter uma noção de onde estão”, disse ele. “Não apenas do ponto de vista do sistema de armas, mas também do seu pessoal, rotacionando suas forças, francamente para conseguir algum tempo de combate com elas.

“E não apenas algumas das pessoas que podem estar operando no terreno, mas também seus aviadores, e obter algum tempo de combate para lançar armas, ou, francamente, para ver o que estávamos fazendo lá em cima. Então, acho que precisamos estar cientes disso como nação e reconhecer que eles se aproveitaram disso.”

F-22 reabastece em voo na volta do ataque ao EI na Síria - foto USAF via Daily Beast
F-22 reabastece em voo na volta do ataque ao EI na Síria – foto USAF via Daily Beast

Originalmente, os ativos aéreos dos EUA estavam focados apenas na luta contra o grupo Estado Islâmico, mas nos últimos 18 meses eles começaram a coletar informações sobre as capacidades russas. Harrigian enfatizou a chance de ver como a Rússia opera os caças Su-34 e Su-35, enquanto coleta dados sobre esses e outros ativos russos, como parte dos planos operacionais dos EUA na área.

E a capacidade dos EUA de coletar dados provavelmente aumentará no outono, quando o F-35B Joint Strike Fighter aparecer na área de responsabilidade do Comando Central.

“Claramente, o F-35 é um recurso que nos proporcionará uma maior compreensão, do que eu chamo de ambiente operacional. E, devido aos seus sensores, vamos aprender algumas coisas, assim como os israelenses estão fazendo”,  disse Harrigian, referenciando o uso de F-35 por Israel na região.

“Ele coleta muitos dados. Pegando esses dados, devemos ser capazes de aprender com eles e depois aproveitar isso para melhorar não apenas o F-35, mas outros sistemas em todo o nosso portfólio ”, acrescentou. “E acho que essa será realmente a grande vantagem que o F-35 trará para nós. E mais uma vez, como você sabe, em toda a Síria há vários jogadores que estão operando lá e o F-35 nos ajudará.”

Isso remete a um aspecto mais amplo do poder aéreo americano que Harrigian gostaria de ver melhorado: acelerar o ciclo de coleta, processamento e disseminação de informações.

“Eu acho que o que estamos vendo lá fora é a capacidade de aprender com o que temos no campo de batalha, mudar o software, fazer o que for preciso para levar essa capacidade de volta ao combatente o mais rápido possível. Isso será fundamental em minha mente para qualquer operação futura com a qual nos encontremos envolvidos”, finalizou.

FONTE: Defense News

Subscribe
Notify of
guest
8 Comentários
oldest
newest most voted
Inline Feedbacks
View all comments
Nilton L Junior
Nilton L Junior
2 anos atrás

É a velha porém atual escaramuça, fico aqui imaginando quais dados seriam de maior relevância seja para os Russos e Americanos, por exemplo quando a base Siria foi atacada os EUA avisaram os Russos, nesse caso o que os Russos poderiam coletar de dados.

Leandro Costa
Leandro Costa
Reply to  Nilton L Junior
2 anos atrás

Muita coisa, mas muita coisa mesmo. Perfis de vôo das aeronaves atacantes e das aeronaves de suporte, assinaturas radar, eficiência de jamming, etc. Muita coisa via ELINT/SIGINT.

Tadeu Mendes
Tadeu Mendes
2 anos atrás

Segue o velho jogo da espionagem militar, dessa vez muito mais sofisticada e precisa.

Os russos ja’ fazem muito tempo (Afghanistan) que estao fora de combate. A Siria serviu para treinamento de uma nova geracao de armas e de tropas.

A grande manobra militar de 300 mil homens que a Russia se prepara para fazer brevemente, vai elevar o nivel de adestramento, e se preparar para um grande conflito. Poderia ser na Ucrania, ou no Oriente Medio????

Ypojucan
Ypojucan
Reply to  Tadeu Mendes
2 anos atrás

Caro Tadeu, o Gal. Raymond Thomas comandante do US Special Operations Command disse numa conferência em Tampa (FL) no dia 26 de Abril que os Russos tem usado de maneira muito agressiva a guerra eletrônica, inclusive, segundo ele, os UAV operando pela coalizão e mesmo aeronaves como o AC-130 sofreram ataques eletrônicos no que ele descreveu como “.. the most agressive eletronic warfare environment on the planet..” segundo ele “.. the US military aircrafts are experiencing and are being vulnerable to eletronic attack, as opposed to jamming and meaconing, in the current conflit..” ou seja, as capacidades de EW/ELINT/SIGINT/COMINT dos… Read more »

Tadeu Mendes
Tadeu Mendes
Reply to  Ypojucan
2 anos atrás

Caro Ypojucan, Aqui se usa uma expressão: combat hardened troops, ou seja, tropas amadurecidas em combate (experiência adquirida em guerras) . Os EUA estiveram em dois grandes conflitos, A guerra do Golfo 1 e 2, e a Russia esteve de férias desde o conflito no Afeganistão, e quando foram para a Síria tiveram a oportunidade de desenferrujar um pouco. Os russos estão fazendo o dever de casa e já passaram a um outro patamar, aproveitando para aplicar contra medidas na área de guerra eletrônica, contra os atuais mestres da matéria (EUA). Nós sabemos que para ter sucesso no campo de… Read more »

Joao
Joao
Reply to  Tadeu Mendes
1 ano atrás

A russia nao ficou de férias esse tempo todo nao: na década de 90, levou um couro dos chechenos

Bruno
2 anos atrás

A título de Off-Topic: Esse F-22 é muito bonito! Pra mim a mais bela ave de rapina entre todas! Falando no que nos compete, o Gripen E/F também é muito bonito!

fabio jeffer
fabio jeffer
2 anos atrás

Jogo de gente grande
Rússia, EUA, Israel e por aí vai
Israel provavelmente deve passar alguma informação aos EUA, mas não duvido que espionem o próprio tio Sam