Home Espaço EUA esperam criar ‘força espacial’ até 2020

EUA esperam criar ‘força espacial’ até 2020

5815
98

O vice-presidente dos Estados Unidos, Mike Pence, afirmou nesta quinta-feira (9) que o Pentágono definiu os passos concretos para criar uma força espacial, seguindo uma proposta do presidente Donald Trump. Para ser colocada em prática, a proposta precisa da aprovação do Congresso americano. A força espacial seria o sexto ramo das Forças Armadas do país. O Departamento de Defesa espera que ela seja criada até 2020.

Em junho, Trump afirmou que o país teria uma força espacial, que seria dissociada da força aérea. “Nós teremos a Força Aérea e a Força Espacial, separadas, mas iguais”, declarou.

Trump justificou a medida dizendo que não era suficiente haver presença americana no espaço. “Precisamos ter um domínio dos EUA no espaço”, afirmou.

“Nosso destino além da Terra não é apenas uma questão de identidade nacional, mas uma questão de segurança nacional”, afirmou Trump, em junho.

FONTE: G1

NOTA DO EDITOR: O editor pede licença poética para incluir neste post uma foto da Astronave de Combate Galactica

98 COMMENTS

  1. “Força espacial”?? Os caras não possuem nem.foguetes para chegar a estação internacional, precisando da Rússia para levá-los e vem falar em força espacial?? Esse povo vive da imaginação Hollywoodiana kkkkk….

    • Caro amigo, farão como sempre fizeram nos últimos 60, 80 anos: vão criar doutrina, equipamento, padrões estratégicos e táticos, etc. O show de sempre.

    • Testarão dois modelos de naves tripuladas para ligação a estação espacial, uma da SpaceX e uma da Boeing, testarão agora, do fim de 2018, até o fim de 2019 ou 2020. O problema de faltar uma nave viável em caso de desentendimento com os russos existe realmente (bota na conta do Bush e Obama), mas está sendo contornado, em um ritmo “politicamente correto”, digo, sem matar pessoas no processo.

      Foguetes eles tem sim, e muitos diferentes, o que eles não tem é uma “nave simples para 3 pessoas, testada e pronta” para fazer a tarefa “simples” da Soyuz de chegar a uma Estação orbitando no espaço.

      – A nave complexa e cara:
      Para a nossa Lua e para fora da esfera de influência magnética terrestre já testaram/lançaram a nave Órion, que é um dos componentes de um sistema complexo, ainda incompleto, mas sendo estudado e desenvolvido, para chegar a Lua e outros planetas (Marte), bom, acho que está bem encaminhado.

      Pode ser que atrase.
      Tentando esclarecer. Um grande abraço.

    • O problema não é o americano com imaginação Hollywoodiana…
      O problema é o brasileiro sem um pingo de conhecimento de causa querer comentar.

    • Fernando Reis,

      Quantos Onibus Espaciais tem a Russia? Nenhum , porque somente montaram um mockup. Nunca puderam ir adiante com o Buran, que era uma copia do Space Shuttle.

      Quantos Onibus espaciais tinha NASA? 4
      Quantas vezes os Onibus Esapaciais da NASA foram enviados a orbita? 135 vezes.
      Quantas tripulantes voaram durante a existencia desses veiculos? 833 astronautas.

      Os astronautas americanos passaram a usar a Soyuz como carona, porque dois Onibus Espaciais foram acidentados, e os outros dois foram desativados. A frota tambem estava ficando velha e desgastada.

      Entao por favor nao fale sobre o que voce nao conhece. Seu comentario cheira a despeito.

      Eu concordo que os Russos arracaram na frente em 1957. Primeiro veio o Sputnik, e depois a cachorrinha Laika, depois Yuri Gagarin e a seguir Valentina Tereskovka.

      Mas logo ja no inicio da decada de 60, os EUA comecaram a acelerar o programa espacial para chegar a Lua, o qual culminou com viagem da Apolo 11, e a alunisagem da nave Eagle no dia 20 de Julho de 1969. Os EUA botaram outras tres naves na Lua.

      Os Russos foram perdendo o terreno (melhor dizer o cosmo), porque nao conseguiram competir com a NASA. Parece que a Russia chegou ao limite intelectual, tecnologico e monetario para poder seguir na corrida espacial.

      Os Russos chegaram a possuir uma estacao espacial em orbita.
      Os EUA tambem tiverem sua estacao espacial orbital.

      A Russia parou seu progresso tecnologico. Ficou reciclando a Soyuz, e hoje esta na Space Station como socia do programa. Do qual o Brasil fazia parte, diga-se de passagem, mas foi chutado para fora por falta de seriedade com os objetivos e requisitos a serem cumpridos.

      A corrida espacial esta acelerando novamente, e em grande a parte a iniciativa privada de empresas americanas.

      Quanto ao novo ramo militar americano, ainda esta’ longe de se tornar um Battlestar Galatica, mas o pontape ja foi dado.

      Aparentemente nossos inimigos sao todos terraqueos, portanto a gente pode combater-los aqui mesmo na Terra.

      A viabilidade tecnologica de embarcar tropas para o cosmo, no momento nao existe.

      A nao ser que Trump, esteje pensando em reativar o programa Star War de Ronald Reagan.

      Seria um Star War 2.0. Somente armas orbitais seriam usadas, e sem a presenca humana.

      Ou sera que estamos nos preparando para combater os Aliens???? Rsrsrssrs.

    • País que leva sua segurança a sério é isso: enquanto tem gente zoando, eles estão se preparando para começar a criar a doutrina. Quando o resto do mundo for se ligar nisso, eles já estão anos à frente e dominando tudo. Ai vem aquele xororô de sempre: americanus malvadus, dominadores, exploradores e tal. Fora que. só para desenvolver esse negócio, se nada der certo, vão inventar e criar um monte de tecnologia nova que nossos filhos e netos vão usar no futuro, ainda que seja só por diversão. Que pena nosso país não ter esse tipo de pensamento.

  2. A partir desta medida haverão um grande avanço tecnológico e revelação de grandes descobertas. A corrida espacial foi retomada.

  3. Redundância. Mais um nível burocrático para fazer mais do mesmo que outros já fazem. Uma idéia digna de um cérebro preenchido pelo vácuo absoluto . . .

    • Como assim? Vc não sabe as tecnologias envolvidas, nem as capacidades que já possuem.

      Pode ser que criaram isso para a USNAVY / USARMY / AIRFORCE pararem de gastar com o espaço em concorrência um com o outro e passar pra um órgão só.

      Quando teve a corrida espacial todos os braços estavam competindo pelas verbas, com isso ele pode mandar todo o orçamento pra um e economizar justamente com a redundância que existe hoje.

      • Mas isso não era na época pré NASA? Cada arma [exceção aos marines] tinha seu programa de foguetes e de satélites. A NASA foi criada abarcando a NACA e todos esses programas.

        • +-
          A Nasa é mais parte civil.

          “responsible for the civilian space program, as well as aeronautics and aerospace research”

          President Dwight D. Eisenhower established NASA in 1958[9] with a distinctly civilian (rather than military) orientation encouraging peaceful applications in space science

      • Verdade meu caro Pedro Rocha, eu gargalhei até quase ter cãibra abdominal, me lembrei da matéria e pus aqui. Um Imenso abraço cordial e fraternal ao amigo. Me perdoem a escorregada.

  4. considerando que forças cibernéticas podem abalar uma economia só com hackers e que boa parte das telecomunicações, GPS’s e sensoriamento remoto estão em satélites, faz muito sentido braços especializados.

    • A diferença é que os Estados Unidos possuem as melhores universidades do planeta, a maior verba militar, quase 400 prêmios Nobel e a NASA, a maior agência espacial do mundo.

      • Realmente os russos não sabem de nada.Nem sei porquê,hoje,os americanos para chegarem ao espaço,pegam carona em naves russas.Eles não tem bons aviões de caça,nem misseis e muito menos uma rede de satélites de posicionamento global próprio.São tão incompetentes que sabem menos que os nobres comentaristas experts
        desse site.Ta çerto!

      • O problema é que hoje a mão de obra científica americana é quase toda de fora. Nos programas de engenharia menos de 1/4 dos alunos de PhD são americanos, a maior parte são chineses, indianos e latinos, os professores, cerca de metade são de fora. Isso ocorre pois o sistema de ensino básico americano é ruim, fazendo com que o aluno médio também o seja (pior que qualquer país asiático – China, Japão, Coreia, Singapura, Vietnam…. – ou europeu). Essa é uma preocupação geral americana e eles estão tendo dificuldade para melhorar, pois o país é federado e cada estado manda no seu curriculo.

        Nas últimas décadas, os EUA perderam o foco na Engenharia/Produção e mudaram muito para a parte de serviço. Enquanto isso que a China sozinha forma mais engenheiros que o resto do mundo somado (nós no Brasil formamos advogados… verdade!!!), a Coreia também tem este foco. Hoje a China está em clara desvantagem tecnológica, embora tenha o maior parque industrial do mundo, ainda dependem de componentes e tecnologias ocidentais, mas estão progredindo também.

        Se formos estudar os impérios verificamos que o Romano, por exemplo, entrou em colapso quando começou a recrutar/educar os aliados bárbaros, pois estes, or romanos, estavam se dedicando a atividades mais nobres. Isso está ocorrendo agora, os americanos estão literalmente formando quantidades enormes de chineses… O processo é lento mas constante, não ocorrem em anos, antigamente em séculos, hoje em décadas, mas tende a ocorrer.

    • Vai surgir com certeza, muitos brasileiros irão concordar com a genial proposta, um tratado de não proliferação de armas e militarização espacial. Cordialmente eles vão pressionar e advertir os demais países , inclusive os ” parceiros brasileiros”, do enorme risco de um evetual corrida armamentista espacial, pedindo sempre com gentileza uma nossa assinatura pequenina onde estará prevista a nossa rejeição e abdicação dessa empreitada tão perigosa, claro só depois que eles tiverem conquistado a hegemonia e militarizado o cosmo. Rsrsrs

  5. Caros amigos, muita águia vai rolar, ou muitos foguetes haverão de subir, mas não duvido de que, em havendo a decisão de governo, não seja criada a primeira força espacial da Humanidade. Sei que aqui no blog, infelizmente, existem aqueles que tudo discutem no chute e na ideologia, mas não dá para negar o protagonismo norte-americano em muitas frentes e essa tende, eu disse “tende”, a ser mais uma.

    No mais, como trekker assumido, quando ouvi a notícia ontem, pela TV, fiquei com uma estranha sensação de “presenciar o futuro”… Soou inédito para mim, a criação de uma força espacial militar fora do contexto de ficção científica.

    • Rí bastante com o “muita águia vai rolar”. Embora a águia seja um símbolo dos EUA, com certeza foi o corretor ortográfico.

  6. Chamada da matéria com um Imperial II Star Destroyer e foto na matéria da nave Galactica de Battlestar Galactica… será que os editores são fãs de Si-fi? kkkkkkkkk

    • Eu sou, eu sou!!! kkkk kkkk kkk netflix todas as séries star trek, perdidos no espaço, the expanse, colony, the last ship etc….

        • Tenho cosplay de piloto de X-Wing (do Poe Dameron)!!!
          To junto ae, somos três, mas não vi todos mencionados.
          Star Trek Discovery e outros(filmes inclusos), Star Wars tenho coleção dvd’s e etc.

          • The Expanse é a melhor série de ficção científica atualmente, prefiro ela do que Star Trek Discovery porque é mais ‘pé no chão’, não tem essa de tele transporte e viajar mais rápido do que a velocidade da luz.

            Colony foi cancelada e ficou sem final, perdidos no espaço é boa mas é mais infantil e The last ship é excelente mas não tem a ver com espaço.

    • SmokingSnake

      The Last Ship é sensacional!
      Esperando a 4°temporada pra ver que novos desafios o Nathan James vai enfrentar.
      The Last Ship parece aqueles filmes de piratas antigos so que com os navios mais modernos da atualidade. Pura estrategia de combate!

      Em tempo, os 3 novos filmes de Star Trekk foram espetaculares, o ator Chris Pine esta sendo um excelente Capitao Kirk, sem contar o Novo Spok e o “Magro”.

  7. O Trump ou alguém lá é fã da série The Expanse. Eu também sou, esperamos isso não vire loteamento da Lua e planetas, que que sirva para dar uma boa turbinada no propulsão espacial

  8. Por caso em 2020 é quando está agendado o lançamento de vários foguetes de grande capacidade de carga: O SLS da NASA, new glenn da blue origin, o vulcan da ULA (boeing e Lockheed Martin) e o BFR da SpaceX. Sem contar o Falcon heavy que já foi testado com sucesso.

    A Rússia não tem nenhuma resposta a esses foguetes que podem levar o homem à lua e Marte e não vai ter por muito tempo, mas se tem gente que acha que é os EUA que não tem foguetes então tá né.

  9. Os Americanos pensam e planejam muito à frente.
    Imagina quantos super computadores secretos calculando todo tipo de cenário para além de décadas ou séculos?
    Nada mais natural dominar o espaço, vez que dominam a terra.
    Além das inovações científicas, viagens interestelares, colonização de planetas, o controle da atmosfera ou o espaço próximo à terra diz tudo.
    Controle é poder.
    Go Trump.
    God Bless America.

  10. Os recursos na terra são finitos mas no espaço não! Quem conseguir dominar primeiro terá larga vantagem na exploração de minerais, agua e outros recursos que são escassos aqui!

    Acredito que futuramente haverá uma força espacial global, mesmo para o EUA, manter uma força espacial de forma eficiente no presente vai ser extremamente dispendioso e pouco produtivo!

    • Depende das riquezas que eles trouxerem lá de “fora”……..

      No mais, é provável que tenham como aliados ou consorciados na empreitada Inglaterra (diria 90% de chance), Espanha, França e Alemanha (uns 50%), Japão (uns 40%), foram Coreia do Sul, Australia, etc., e todos mais incomodados com a China…..

      Eu trabalho com legislação no mercado de capitais e se tem uma coisa que aprendi e, reiteradamente, comprovei, é que os EUA sempre saem na frente. Se algo novo surge, logo logo eles assumem o ônus (econômico, liderança, político, etc) de criar a governança, estudar as possibilidades, etc. Bancam este protagonismo porque querem que a governança lhes seja amigável , não no sentido de levar vantagem ou ganhar algo diretamente, mas para evitar medidas hostis. Com isso estão sempre ladeados das grandes economias ocidentais…

      Do que sei, o “modelo” a ser seguido em termos de força militar para atuação no espaço será o modelo norte-americano, assim como já é no cinema…

  11. ___________________

    Os editores já tem planos pra um quarto site? Vai ser Poder Espacial, ou Forças Galáticas ?

    COMENTÁRIO EDITADO. NÃO COLOQUE LINK PARA VÍDEO COM RESTRIÇÕES NOS COMENTÁRIOS.

  12. A proposta é interessante e até mesmo atrasada. Um exemplo, é o complexo de lançamentos de Vandenbetg, que é esencialmenre militar, dissociá-lo da USAF, seria, talvez, mais eficaz.
    A ideia da militarização do espaço é sem dúvida, muito bem-vinda e remete à lembrança de um antigo projeto soviético de um satélite equipado com um canhão, acho que de MiG-19. Era a maneira russa de ver a guerra espacial…

    O espaço, a fronteira final do idiota
    Sim.O homem pisando na Lua, expressou de maneira máxima o antropocentrismo do século XX em um feito espetacular e absurdamente inútil e caro. Estações espaciais, explorações incrivelmente longincuas, onde só se vê planetas feitos de pó e pedra cobertos com coloridas atmosferas venenosas de amônia e metano. Curiosidade de quem não mais sabe onde gastar o dinheiro do outro.
    A órbita terrestre, porém, é campo importante. O uso de satélites para a comunicação, navegação, meteorologia, estudo da geologia, oceanografia, assiim como, seu uso militar, como, espionagem, localização de alvos e até mesmo ataque, é sem dúvida, empresa que se deve investir e desenvolver.

  13. Pessoal,

    Com se daria esta força espacial? Tem como explicar isso? Seria um complexo de satélites e mísseis foram da atmosfera? Sou leigo mesmo e curto ler aqui os comentários.

    • Pedro,

      No momento eu penso que seria com a proliferacao de armas de alta energia, para matar satelites ou ICBMs. O uso de Lasers ou arma Kneticas tambem poderiam ser implementados.

      Nao vejo a presenca de tropas espaciais sendo transportadas por naves militares americanas. Nosos inimigos estao na Terra.

      Ou sera que os Aliens estao vindo por ai? Teremos muito tempo para especular sobre o tema.

      Eu da minha parte vou tentar acompanhar essa nova fase da corrida espacial, assim com fiz nos anos 60.

      Novas tecnologias serao desenvolvidas, o que tambem vai revolucionar a vida dos que vivem na Terra.

      “To boldly go where no man has gone before”
      Capitan Kirk. Star Trek.

      • Caraca .. quantos anos vc tem pra ter acompanhado a corrida em 1960?

        E outra… Como acompanhava? Tv? Se era por tv morava em capital….
        Se for por jornal deve ter vindo as notícias TD atrasada…. Fiquei curioso!

        • Rui Chapéu,

          Fiz 64 no passado mês de Maio.

          Não morava em capital. Tive o previlégio de nascer em Juiz de Fora, MG. Digo isso por causa diversificada imigração que populou a cidade, e isso uma pesada influência européia o que propiciou um ambiente cultural de excelente nível. As escolas eram boas e o ensino era de boa qualidade e bastante puxado. Todos os anos as diversas escolas promoviam Feira de Ciências e competições premiadas Tínhamos Feira de Livros duas vêzes ao ano.

          Nos anos 60 eu acompanhava o Programa Apoio, pelos jornais, televisão e revistas.
          Todas as noites quando meu pai chegava do trabalho, eu me apossava do jornais, e devorava o cardeno especial sôbre as missões espaciais.
          No dia 20 de Julho de 1969, eu estava assistindo pela televisão as imagens ao vivo, via satélite, quando Neil Amstrong pisava na Lua.

          Só existia um computador na cidade. Era um IBM/3.

          Bons tempos.

    • Acho que não necessariamente nenhuma novidade.
      Apenas ter um braço específico para tudo que envolva o espaço, imagino que inclusive essa defesa antimísseis balísticos.
      Há também essas novas aeronaves hipersônicas.
      Satélites de espionagem, monitoramento, GPS, etc.
      O que não impede nenhuma novidade que vier a surgir.
      Logicamente não seria uma força para combater outros planetas, mas para combater nossos adversários terráqueos com as tecnologias que utilizem o espaço.

  14. Olá pessoal, da primeira vez que apareceu esta notícia eu fiz estas perguntas, mas como ninguém respondeu resolvi tentar de novo…, mas antes digo que parece lógico a ideia de uma força espacial, já que no início as forças armadas deviam se limitar ao exército, mas particularmente a infantaria, com a domesticação de animais, surgiu a cavalaria, com o arco e flecha, a artilharia, com os barcos a marinha e finalmente com os aviões, a aeronáutica, assim com os satélites artificiais, é óbvio que uma força militar neste elemento torna-se possível. Agora algumas perguntas:
    – Notei que os Fuzileiros Navais norte-americanos são uma força independente. O que justifica isso, quer dizer, eles não deveriam fazer parte da Marinha? Se os fuzileiros navais são uma força a parte, outras forças especiais tradicionais como os paraquedistas poderiam ser também?
    – Este anúncio de Trump, seria uma forma de obrigar seus adversários, China e Rússia, a apertarem seus orçamentos para competir com os americanos? Pergunto isso, pois é dito que o projeto guerra nas estrelas ajudou a exaurir a URSS e os americanos tem um parque industrial-militar-científico maior que seus concorrentes.
    – Existiria a possibilidade de se ter um sétimo ramo militar (no caso dos EUA), voltada para a defesa/ataque cibernético, uma Cyberspace Force? Afinal com a invenção dos computadores e da internet não surgiu um novo elemento, o ciberespaço?
    – No nosso amado país, só existem três ramos das forças armadas?
    Bem gente, eu entendo pouco de forças armadas, então fico esperando vocês para entender um pouco mais…

    • “outras forças especiais tradicionais como os paraquedistas poderiam ser também?”

      Sim, a Rússia tem uma tropa paraquedista singular, chamada Tropas Aerotransportadas. Eu pessoalmente acho que alguns países deveria ter 6 ramos das forças armadas, as 3 já tradicionais – Exército, Marinha e Aeronáutica – porém acrescentado-se mais 3 como as Forças Nucleares, Paraquedistas e Fuzileiros Navais, e eu colocaria como as forças reservas como a segurança nacional – Força Nacional(reserva do Exército), Guarda Aérea Nacional(Aeronáutica) e Guarda Costeira Nacional(Marinha).

  15. Sabemos que o desenvolvimento tecnológico americano é enorme…….provavelmente sera a apresentação de novas tecnologias já desenvolvidas e testadas. Os famosos Black Projects vindo à tona

  16. Um tal de Kennedy falou um dia que os EUA chegariam a Lua antes de 1970. Era impossível.

    Sempre que se fala em espaço lembro de um tal de Stephen Hawking, segue trecho de uma matéria do G1:
    ____________________________________________________________________________
    Hawking acaba de lançar um novo documentário em parceria com o site Curiosity Stream, um Netflix com conteúdo de História e Ciência. Com 25 minutos, o filme, feito em computação gráfica, leva Stephen Hawking em uma “nave espacial” chamada SS Hawking. Lá dentro, ele visita seus lugares favoritos no tempo e no espaço. A viagem começa, é claro, no Big Bang, onde o cientista conta a história do Universo em paralelo a suas aventuras pessoais na pesquisa e no combate à esclerose amiotrófica lateral.

    São só imagens lindas até o momento que o cientista chega em Gliese 832c, um planeta a 16 anos-luz da Terra, e começa a refletir sobre vida alienígena. Hawking tem tanta certeza de que não estamos sozinhos no Universo que é um dos líderes do projeto Breakthrough. A iniciativa milionária, apoiada pelo empresário russo Yuri Milner e até por Mark Zuckerberg, é um tanto quanto maluca.

    Na fase atual, o projeto quer escanear os planetas mais próximos da Terra em busca de vida. Mas o que preocupa Hawking não é encontrar aliens – e sim o que fazer depois que eles aparecerem.

    O cientista gosta de usar a descoberta da América como metáfora: quando Colombo chegou por essas bandas e deu de cara com os índios, os primeiros encontros “não deram muito certo”, como define o físico.

    A grande preocupação dele é que uma civilização capaz de entrar em contato conosco pode estar bilhões de anos a nossa frente em termos de desenvolvimento e inteligência. “Se for o caso, eles nos verão como seres tão valiosos como as bactérias são para nós”, afirma no filme.

    Hawking não é o único a pensar assim. Neil deGrasse Tyson, outro “cientista pop”, também acredita que se existe vida mais inteligente que a nossa no Universo, esses seres podem estar nos assistindo por diversão, como animais em um zoológico. Tyson usa o próprio Hawking na sua metáfora: “Uma mente tão brilhante quanto a de Stephen pode ser equivalente à de um bebê alienígena.”

    Essas preocupações não são só teóricas, visando um futuro distante. Stephen Hawking acha que já cometemos um erro grave. Desde as primeiras missões espaciais a humanidade emite sons e sinais para tentar localizar vida extraterrestre, o que revela nossa localização para todos as regiões mais próximas no Universo.

    Há 40 anos, as sondas Voyager passeiam fora do Sistema Solar carregando CDs banhados a ouro, esperando para ser encontrados por formas de vida inteligentes o suficiente para dar play e escutar Beatles e Beethoven. Se Hawking estiver certo e o pior acontecer, o melhor é torcer para que os aliens, no mínimo, apreciem nosso gosto musical.
    _______________________________________________________________________________

    Depois desse documentário Ele sempre dizia que seria bom a humanidade começar a se preparar para se defender da turma que vai chegar algum dia, talvez o Trump esteja preocupado com isso (o considero um nacionalista desequilibrado).

  17. Só acredito vendo.

    No mais vou equiparar essa noticia como sendo ficcao cientifica igual as noticias sobre super-armas russas do Sputinik.

    E vindo do fanfarrao do Trump entao eu acredito menos ainda.

    A nao que essa Força Espacial ja seja formada pela Nova Enterprise ou pelos Destroyers do Imperio, ae nao precisa criar uma Força Espacial, na ficçao ela ja existe.

    Essa noticia parece mais uma Sputinice do Trump.
    hahahahahaha

  18. Acabei lembrando dessa nave Galactica. Era de uma série de televisão dos anos setenta, foi lançada logo depois de Guerra nas Estrelas, aproveitando o sucesso do filme.
    Lembro que os pilotos usavam um capacete com adornos semelhantes aos de um faraó egípcio.
    Criança consegue ser feliz com qualquer coisa…

  19. Battlestar Galactica
    Afiliação: Frota Colonial
    Primeira Aparição: Minissérie – parte 1
    Propulsão: 2 Dispositivos FTL, 6 Motores Subluz
    Armamento: Kinetic Energy Weapons, Ogivas Nucleares
    Naves Auxiliares: Vipers e Raptors

    A Battlestar Galactica, nave título do filme e série de TV homônimos, é uma “estrela de batalha” – um veículo espacial fictício projetado para combate direto, acomodar uma grande tripulação e lançar caças espaciais (modelo análogo aos porta-aviões atuais).

    Seu tamanho estimado é de 4.740 pés (1.445 metros aproximadamente/930.000 tons) e conta com setenta e oito caças em cada baia de pouso (são duas baias por Battlestar) e armamento pesado. Pode-se dizer que é um porta-aviões encouraçado, tal o armamento disponível na nave.

    Agora eu quero ver é construir algo assim utilizando e dependendo apenas foguetes, uma forma muito cara, limitada e ineficiente de se enviar materiais e pessoas ao espaço.

    Como exemplo a Estação Espacial que representa uma pequena fração, tanto em tamanho como em complexidade, levou quase duas décadas para ser completada.

    Sputinice pura advinda da cabecinha oca do Trump.

  20. Eu disse há algum tempo atrás aqui neste website que o satélite brasileiro era frágil porque poderia ser atacado, e que em caso de uma guerra, é a primeira coisa a ser destruída. Então eu fui massacrado com argumentos de que seria “impossível” destruir satélites, entre outros argumentos, principalmente do renomado amigo Bosco. Agora está aí. A maior justificativa para a criação de Space Force pelos Estados Unidos é justamente a fragilidade de seu sistema de satélites. O vice presidente bem como o secretário de defesa Americanos disseram que a Russia e a China tem desenvolvidos meios de destruir satélites Americanos. A maior justificativa para a criação da Space Force é justamente defender-se contra esta ameaça, além de outras razões, obviamente, como reunir em um só ramo militar toda força espacial, bem como, disse Trump, fazer do espaço um domínio Americano. E agora, Bosco e outros, o satélite SGDC-1 é ou não é frágil?

    • Além da questão da unificação dos projetos espaciais da USAF e da US Navy, como o amigo Rui disse anteriormente lá em cima nos comentários, concordo com a sua justificação da proteção da rede de satélites usadas pelas forças militares americanas.

      Mas vem a pergunta? Por qual razão os conselheiros de Trump são contra a criação dessa força espacial? Essa é a grande questão que muitos ignoram.
      Mattis assim como o secretário da Força Aérea dos EUA – Heather Wilson se opõem totalmente a criação desse novo ramo das forças armadas, porque há de se considerar que todos os programas secretos em relação ao espaço terão que ser transferidos para o novo ramo, quebrando assim o elo entre os oficiais superiores da US Navy e da USAF com as grandes empresas norte-americanas que fornecem equipamentos e tecnologia para as duas forças, Trump criando essa nova força está criando uma inquietação com esses setores já influenciados, como exemplo o Escritório Nacional de Reconhecimento (NRO), o Departamento de Defesa (DoD). Agência de Inteligência da Defesa (DIA) e da Agência Nacional de Segurança (DHS).
      O Comando de Operações Especiais da Força Aérea é um dos dez Comandos Maiores que compõem a USAF. Outro Comando central para as operações espaciais é o Comando Espacial da Força Aérea. Enquanto o Comando Espacial da Força Aérea lida com a logística e as tecnologias para operações espaciais, o Comando de Operações Especiais da USAF controla o pessoal.
      Portanto, o verdadeiro propósito de Trump em propor a Força Espacial é que ele quer acelerar o processo de revelação pelo qual as tecnologias e o know-how que são usados ​​no Programa Espacial Secreto da Força Aérea são tirados das múltiplas burocracias e corporações que o desenvolveram secretamente – o Complexo Industrial Militar / Deep State.
      Trump quer que o escritório do chefe do executivo, a Casa Branca, desempenhe um papel direto na definição da agenda política para futuras operações espaciais, que por décadas foram estabelecidas sem qualquer supervisão real da Casa Branca.
      No planejamento e criação de uma Força Espacial dos EUA, Trump iniciou um processo pelo qual ele e a Casa Branca (o “governo”) terão um papel mais influente na futura política espacial, que até agora era controlada pelo Programa Espacial Secreto da USAF e pelo Complexo Industrial Militar. / Deep State.

      https://www.exopolitics.org/william-tompkins-us-navy-secret-space-program/
      https://www.rollcall.com/policy/air-force-opposes-creation-space-corps

      Em qualquer outro momento da história americana nunca vimos uma profusão de vazamentos sensíveis do Deep State com um objetivo tão abertamente político de derrubar a liderança sênior do próprio país, Trump é uma oposição a essa obscuridade política nos EUA.

    • Victor,
      Acho que você me enganou com alguém. Eu jamais disse na minha vida que é impossível destruir satélites estejam eles em qualquer órbita. Estou a par de toda tecnologia anti-satélite e jamais diria isso. Se puder achar e colar o link onde eu “não disse isso” eu ficaria grato.

    • Se um satélite artificial se encontra num ponto “p” é sinal que é possível um satélite “assassino” chegar igualmente ao ponto “p” e como dois corpos não ocupam um mesmo lugar no espaço ao mesmo tempo, tem-se uma “arma antissatélite”.
      Há basicamente dua duas maneiras de se destruir “cineticamente” um satélite: arma de destruição direta e “satélite assassino”.
      Uma arma de destruição direta impacta com o satélite sendo lançada por um míssil balístico. Se o veículo de destruição cinético não atingir o alvo na passagem, ele irá reentrar na atmosfera e se vaporizar. Geralmente esse tipo de arma é usado contra satélites em órbitas de no máximo 1000 a 1200 km.
      Esse é sem dúvida o modo “convencional” mais fácil e rápido de destruir satélites e tais mísseis podem ser laçados de terra, navios e aviões. Satélites militares nessa órbita geralmente são de reconhecimento fotográfico, radar SAR e alguns de comunicação (por exemplo, o sistema Iridium).
      Já o “satélite antissatélite” é uma arma antissatélite que precisa entrar em órbita (ou pode já estar em órbita). Em estando em órbita ele pode se deslocar para a posição do satélite alvo e dependendo da “altura” da órbita ou da inclinação da órbita, essa operação pode levar dias.
      Satélites militares que estão nessas órbitas e obrigam que se use um satélite antissatélite são os de reconhecimento ELINT (1.600 km), os de navegação (20.000 km), de comunicação (GEO) e alerta de lançamento de mísseis (GEO).
      Há outras formas de desabilitar ou degradar os satélites que não a destruição direta deles, como por exemplo: cegamento laser, interferência eletrônica (por exemplo, interferidor de GPS), ataque cibernético, ataque à base de controle terrestre, etc.
      O satélite brasileiro geoestacionário é , em tese, vulnerável aos satélites antissatélites (nenhum país tem um programa consistente desse tipo), à interferência eletrônica e ao ataque cibernético e à neutralização das bases controladoras em terra.

      • Bosco
        Saudacoes

        Como sempre seus comentarios tecnicos agregam muiro ao site.

        Ideologicamente eu sei que voce é pro-EUA-Israel e outros contrarios a vc sao pro-Russia-China.

        A diferença amigo Bosco é que ao contrario de outros pro-EUA que so entram aqui para criticar os comentarios opostos, vc sempre traz informacao valiosa pra outros que iguais a mim sao apenas leitores.

        Por favor, nao se deixe envolver por essa briguinha boba de torcida EUA x RUSSIA, pq vc é melhor do que isso.

        Abraço

  21. Só de pensar que em um único asteroide pode haver mais ouro do que a quantidade que já foi minerada na terra desde os primórdios da civilização humana, os recursos na Terra são finitos, mas os que nos esperam no espaço são basicamente infinitos, regra para toda exploração, primeiro há estudos, depois viagens são realizadas para possibilitar o contato, depois planejamento logístico e por fim inicio de um projeto de colonização, negar o espaço é sinônimo de atraso! Para quê olhar para a terra se a resposta está no cosmos!

  22. A já China possuir o míssil antissatélites DN-3 (testado) e planos concretos para instalação de base na lua, lembro ainda que os EUA possuem a nave não tripulada X-37B de projeto da USAF entre outros.
    Portanto acredito que para a criação de uma força espacial, ainda que básica basta ser possuidor de infraestruturas aqui na terra, armas projetadas a partir do solo, naves remotamente controladas e outros artefatos de cunho militar (comunicação, observação, interferência e etc.), sem necessidade de star troopers, ou naves com capacidade para tropas ou mesmo pilotadas.
    Até porque os motivos de se ter forças espaciais reside na condição de ser soberano aqui na TERRA.

    Obs: Brasil – X-14, veículos lançadores, satélites e o propulsor a laser, seria um começo?

  23. Opiniao pessoal?

    Pra mim o F-35 custou tao caro, por “desvio de verba” pra pesquisas espaciais… Ja pensavam na força espacial…

    Como ter $ para pesquisas de naves espaciais?

    • Eu acredito que sim. O vice presidente Pence delineou o que será necessário para formar uma força espacial, e ele cita entre outras coisas algo chamado “Space Operations Force”, que é segundo ele, “an elite group of joint warfighters specializing in the domain of space”. Ou seja,é bem provável que vai existir sim “spacetroopers”.

  24. Talvez num futuro quando colonias ou grandes corpos, estações ou outros objetos espaciais estiverem em espansão pelo espaço, do contrario onde alocariamos essas tropas? e a infraestrutura? logistica? quais os meios de combate? o que combateria? considerando como 2020 sua data?

  25. Aguardando os americanos lançarem a US Death Star pra peitar os chinas que estão construindo bases e militarizando Tatooine, Coruscant, Alderaan, Kamino e Endor.

  26. Imagino o fortalecimento daquela Guerra nas Estrelas.
    Satélites capazes de atuar contra mísseis balísticos.
    Artefatos q podem ser lançados do espaço.
    Proteção dos satélites de Com, GPS e de Inteligência.
    Q mais?

  27. Como disse alguém aí em cima, só se for para atacar terréqueos vindo de cima…
    Uma EXCELENTE ideia um pouco a frente do tempo…
    Algo como por a carroça a frente dos bois…
    Quando a humanidade possuir DEZENAS OU CENTENAS de outras estações espaciais onde vivam e trabalhem milhares de pessoas…
    E existam colônias extra-planeta-Terra (mesmo que ainda restritas ao sistema solar) e a mineração de asteróides, luas de outros planetas solares e do cinturão de Kuiper (e alem) for uma realidade econômica e SIGNIFICANTE na economia terrestre e exista COLÔNIAS SIGNIFICANTES em Marte e na LUA…

    Ter Forças Espaciais simplesmente ainda não é NECESSÁRIO.

    P.S. retire-se colônias na Lua uma vez que recentemente se descobriu que é praticamente impossível manter uma vida prolongada na Lua face que a exposição contínua ao pó da superfície lunar. a longo prazo, destrói toda a atividade celular animal…*

    Mais da metade da Science-Fiction foi pro lixo por causa disso, inclusive Perry Rhodan… 🙂

  28. Olhando com imparcialidade, trata-se de um desenvolvimento absolutamente lógico, claro que numa guerra quem dominar o espaço, tem uma superioridade estratégica imensa.
    E vou mais longe: Creio que deveriam criar um sétimo ramo das Forças Armadas Americanas, para o ciberespaço !

LEAVE A REPLY

Please enter your comment!
Please enter your name here