Home Aviação de Ataque Caças colombianos Kfir treinam com jatos A-10 e F-16 da USAF

Caças colombianos Kfir treinam com jatos A-10 e F-16 da USAF

16518
61

DAVIS-MONTHAN AFB, Arizona – Seis caças Kfir da Força Aérea Colombiana a caminho da Red Flag 18-3 na Base da Força Aérea de Nellis, Nevada, pararam na Base Aérea Davis-Monthan de 5 a 16 de julho, para treinar com A-10 Thunderbolt IIs e F-16 Fighting Falcons.

O Red Flag é o principal exercício de treinamento de combate ar-ar da Força Aérea dos EUA que está hospedado na área de teste e e treinamento de Nevada. O Red Flag 18-3 proporcionará à Força Aérea Colombiana a experiência de várias missões intensivas de combate aéreo no ambiente de treinamento seguro com a Força Aérea dos EUA.

“Esta semana é muito importante aqui na Base Aérea Davis-Monthan porque nossos pilotos e tripulação podem treinar ao lado de membros da Força Aérea dos Estados Unidos, o que permite um melhor ambiente de treinamento para todos”, disse o Brigadeiro da Força Aérea Colombiana, General Pablo Garcia, comandante do Comando Aéreo de Combate 1.

A Força Aérea Colombiana enviou 130 militares para apoiar os seis caças Kfirs e um avião de transporte e reabastecimento multi-missão 767 Jupiter. Enquanto estavam na Base Aérea Davis-Monthan, os Kfirs realizaram missões de treinamento de combate ar-ar com os A-10 Thunderbolt II do 354º Esquadrão de Caça “The Bulldogs” e os F-16 Fighting Falcons da 162ª Ala da Guarda Aérea Nacional do Arizona.

“Foi um treinamento incrível, um aquecimento incrível antes do Red Flag”, disse o Major Freddy Figueroa, comandante do 111º Esquadrão de Caça da Colômbia. “Estamos muito orgulhosos, foi uma grande honra voar com os bulldogs e com os Vipers”.

O Tenente-Coronel da Força Aérea dos Estados Unidos, Julian Pachecho, comandante de alerta da 162ª Ala de Caça, é o administrador para a Colômbia nos últimos oito anos. Ele trabalhou diretamente com eles em preparação para o Red Flag 18-3.

“Eu realmente os ajudei a treinar para a sua primeira viagem ao Red Flag em 2012. Nos últimos nove meses fiz outras três viagens para a Colômbia”, disse Pachecho. “Eu acho que os colombianos são uma força que trabalha duro e estou ansioso para ver o sucesso deles no Red Flag.”

Durante o tempo da Força Aérea Colombiana na Base Aérea Davis-Monthan, eles visitaram a 12ª Força Aérea (Força Aérea do Sul), o 12º Comandante da Força Aérea (AFSOUTH), Tenente General Mark Kelly, e oficiais de ligação da Colômbia, Chile, Argentina e Brasil.

“Eu tive a sorte de voar com o esquadrão quando visitei Palanquero (Colômbia) em março”, disse Mark Kelly, comandante da 12ª Força Aérea (AFSOUTH). “Quando voei com eles, eles estavam prontos para o Red Flag e esta visita os torna ainda mais prontos e mais confiantes, eles estão muito preparados e muito prontos.”

A Décima Segunda Força Aérea (AFSOUTH) é o componente aéreo e espacial do Comando Sul dos EUA e conduz a cooperação em segurança e fornece recursos aéreos, espaciais e ciberespaciais em todas as 31 nações da América Latina e do Caribe.

FONTE/FOTOS: Air Combat Command da USAF

61
Deixe um comentário

avatar
23 Comment threads
38 Thread replies
0 Followers
 
Most reacted comment
Hottest comment thread
33 Comment authors
EnriqueHermesJorge FMario LupiKommander Recent comment authors
  Subscribe  
newest oldest most voted
Notify of
victor.o.duarte@gmail.com
Visitante
victor.o.duarte@gmail.com

Seria muito bom ver os Gripen da FAB participando dos próximos Red Flag. um grande treinamento sem duvida.

Gustavo
Visitante
Gustavo

antes de voltarmos ao red flag (o que é importantíssimo), precisamos voltar a ter a cruzex.

Fernando "Nunão" De Martini
Editor
Famed Member
Gustavo
Visitante
Gustavo

sim, mas com a instabilidade financeira das FAAs, só fico tranquilo com a chegada das primeiras aeronaves. rs

Rinaldo Nery
Visitante
Rinaldo Nery

A FAB não tem muito mais a aprender com as CRUZEX. A finalidade principal é treinar o Estado-Maior Combinado na aplicação de forças de coalizão. Isso já sabemos fazer. CRUZEX custa dinheiro.

Jorge F
Visitante
Jorge F

Seria bom ver os nossos F5 lado a lado com estes kfair… A modernização foi semelhante, inclusive o uso do Serviço como principal armamento… Um comparativo nós daria uma boa noção sobre o nosso desempenho e se exploramos adequadamente as tecnologias incorporadas desde 2007…

Fernando "Nunão" De Martini
Editor
Famed Member

Jorge,
Sugiro ler e revisar os comentários antes de postar.
Parece que seu corretor está mudando as palavras que você pretendia escrever.

Roberto F. Santana
Visitante
Roberto F. Santana

Tradução do significado de “Red Flag” :
Precisa-se de sparring, não pagamos nada, a passagem é por sua conta.

Victor Filipe
Visitante
Victor Filipe

Na verdade não, a USAF não usa as nações convidadas como sparring muitas vezes a ação é conjunta, digamos que F-15 serão responsáveis por atacar alguns A-10 que são escoltados pelos Kfir, nesse caso a USAF manda um E-3 Sentry apoiar os Kfir enquanto só F-15 vão apenas por eles mesmos, isso aconteceu varias vezes. O Red flag é um exercício em que as forças aéreas participantes vão se encontrar em situação de vantagem e desvantagem, não importando quem for.

Antonio
Visitante
Antonio

Kfir. A-10 e F-16.
Lembrei de uma música do Cazuza.
‘Eu vejo um museu de grandes novidades’.

HMS TIRELESS
Visitante
HMS TIRELESS

O Kfir colombiano a despeito da idade está voando! Enquanto isso do outro lado da fronteira os Su-30 não voam e quando tentam fazê-lo caem.

DOUGLAS TARGINOO
Visitante
DOUGLAS TARGINOO

Olha o tamanho do A-10? Tá uma aeronave que sonho em ver em nossa força aérea!

Robsonmkt
Visitante

O que me espantou foi o tamanho do A-10, o bicho é muito grande!

FABIO MAX MARSCHNER MAYER
Visitante
FABIO MAX MARSCHNER MAYER

EU ia fazer o mesmo comentário.

Humberto
Visitante
Humberto

Pois então, assumindo que a foto não seja montagem, deve ser o angulo ou luminosidade. Já vi o F-16 perto do Kfir e a diferença não era assim tão grande. E já vi o A-10 também (mas sem referencia com outro avião) mas assim no chute, não era tão grande comparado ao Kfir.

luiz antonio
Visitante
luiz antonio

Entendo que a FAB deveria participar desse exercício para “tirar o pó” e aprender mais claro. Todo exercício é importante. Talvez (quase certeza) o contingenciamento pesou novamente e é lamentável.
Se não estou enganado o único esquadrão de caça que não participou do RED FLAG foi o 1º GAVCA, (JAMBOCK e PIF-PAF) justamente os caçadores tradicionais da Italia. Já participaram o 1º/16º GAV e o 1º/14º GAV. Muito pouco tratando-se de intercâmbio e atualizações. É certo que a CRUZEX é de grande valia para o Comando de Operações Conjuntas pela FAB, mas o RED FLAG parece-me mais amplo.

Flanker
Visitante
Flanker

Luiz Antonio, dos esquadrões de caça da FAB, não partciparam de nenhuma Red Flag: – 1° GAVCA – 1° GDA – 1°/10° GAV – 3°/10° GAV – 1°/4° GAV Portanto, de todas unidades de caças à reação da FAB, somente duas partciparam desse exercício. E uma dessas unidades (1°/16°) foi desativada. Mas, isso não quer dizer muito. Os conhecimentos e experiências adquiridos nessas operações são replicados e difundidos pela Força, por aqueles que participaram. Em novembro, teremos algo parecido, guardadas as devidas proporções, quando será realizada a Cruzex, na Ala 10, em Natal. E quanto a essa operação, teremos pela… Read more »

luiz antonio
Visitante
luiz antonio

Obrigado pelos esclarecimentos Flanker. Essa noticia da participação do VF-1 na próxima CRUZEX é auspiciosa. Voce tem alguma noticia sobre quantos AF-1 participarão? Creio que devam ser os AF-1M, mas um dos dois primeiros modernizados foi perdido com seu piloto em acidente (justamente o 1º protótipo modernizado que voltaria para Gavião Peixoto para receber as ultimas alterações da modernização). De qualquer forma será excelente os pilotos navais nesse exercício na busca de padrões operacionais.

Flanker
Visitante
Flanker

Luiz, a MB só recebeu 3 AF-1 modernizados. Um foi o N-1011 (perdido no acidente) e o outro é o N-1001 (danificado no acidente, mas que conseguiu pousar em S. P. da Aldeia. O 3°, é o primeiro biplace M entregue (N-1022). Esse biplace e mais 1 ou 2 monoplaces não modernizados, estiveram lá em Natal, no mês de junho, realizando treinamentos de ataque e REVO com um KC-130 da FAB. Esse treinamento faz parte da preparação para a Cruzex, e acredito que o único modernizado disponível atualmente (N-1022) irá participar da Cruzex, com mais alguns não modernizados. Li, não… Read more »

Russian Bear
Visitante
Russian Bear

Faltou as sucateadas força aérea paraguaia, brasileira, argentina e uruguaia. Somando-se todas elas, não seriam capaz de treinar de uma forma minimamente aceitável. Imagine se defender de uma ameaça externa. Será mesmo que o sucateamento das forças aéreas destes países, não seria uma decisão orquestrada com a maior potência do mundo? Deixar a América do Sul totalmente vulnerável?

Rui chapéu
Visitante
Rui chapéu

É verdade!

O caça de 7° geração que o Paraguai estava desenvolvendo em conjunto com o Uruguai foi cancelado devido a medo das sanções americanas!

Go home yankees!

SmokingSnake 🐍
Visitante
SmokingSnake 🐍

Não, mas é uma decisão orquestrada lá no foro de São Paulo.

Leandro Costa
Visitante
Leandro Costa

Você não pode estar falando sério.

André
Visitante
André

Incrível como todos os países que tiveram seus governos de esquerda no começo deste século estão com suas forças aérea sucateadas: Argentina, Brasil, Uruguai, Paraguai, Bolívia, Ecuador, Venezuela. As duas melhores, Chile e Colômbia, sempre foram alinhadas aos EUA. Já que o outro falou em música do cazuza lá em cima, é triste quando “suas ideias não correspondem aos fatos”.

Telemaco
Visitante
Telemaco

Incrível né? Até então eram todos megapotências militares, com forças militares no estado da arte.

Kommander
Visitante
Kommander

KKKKKKK Né!? Lembro de quando o Brasil operava os F-16 junto com umas duas dúzias de f-15, o Paraguai voava de Typhoon e a Argentina cheia de Rafales. Ah, mas os governos esquerdistas quebraram as FA….

Andre
Visitante
Andre

Megapotencias globais nunca foram, mas tanto Argentina quanto Brasil já foram potências regionais. O Brasil, mesmo não tendo os melhores equipamentos da região, continua sendo. Tanto a Venezuela quanto o o Ecuador, em um passado razoavelmente recente, já tiveram forças armadas equivalentes às da Colômbia. A Venezuela chegou a ter o segundo maior PIB per capita (atrás da hj tbm destruída pelos governos apoiadores do foro de São Paulo, Argentina) do continente.

O tempo não para

Roberto F. Santana
Visitante
Roberto F. Santana
Silvano Conti
Visitante
Silvano Conti

O modelo PTZNJ já está com o revestimento de cabine instalado, os instrumentos visíveis foram retirados, ficou lindo por dentro, lembra realmente as animações gráficas que a Embraer publica. O Programa está em fase avançada. A próxima Red Flag que o Brasil participar já será com o KC-390 e Gripen E, será interessante, pois não será fácil para os caças convencionais da USAF vencerem um avião moderno como o Gripen. Uma coisa é um Kfir ou F-16 “em bom estado”, outra é algo como um Gripen com aquele Wad “by F-35” e toda parafernália eletrônica a bordo. Não é a… Read more »

Leandro Costa
Visitante
Leandro Costa

Esqueceu da Austrália acerca da PUC. E como sabe que levaremos os Gripe na próxima Red Flag?

Silvano Conti
Visitante
Silvano Conti

Eu disse: “Só tem dois países no mundo que tem essa honraria, um deles é o Brasil”… além do próprio Estados Unidos, ou seja, se um deles é o Brasil, eu sei que existe um outro país com a Presidential Unit Citation, eu também sabia que este outro país além do Brasil é a Austrália. Essa honraria por lei, só pode ser concedida a tropas norte americanas, conceder para tropas fora dos EUA, só com a autorização do Congresso. No Brasil é o 1ºGpAvCa, o famoso Senta a Pua. Se um dia o Brasil voltar na Red Flag, e deve… Read more »

Leandro Costa
Visitante
Leandro Costa

Pois é, foi o que eu quis lembrar mesmo. Não deu para saber que sabia, né? O caso é que o Gripen E sendo moderníssimo na FAB, até quando começarmos à colocá-lo em operação ainda vai demorar bastante. A própria FAB precisa avaliá-lo e bolar doutrina operacional baseada nas capacidades que ela mesma ainda irá avaliar, sem contar com a possibilidade de a FAB querer manter alguns de seus segredos em matérias de sensores, etc. Se houver um convite para a FAB participar de alguma Red Flag nos próximos 3 a 5 anos, acho inteiramente possível que participemos com os… Read more »

Humberto
Visitante
Humberto

Concordo 100% com você, vai demorar alguns bons anos, até a FAB (e a Flygvapnet) pegarem a “mão” do novo caça.

Charly Diego
Visitante
Charly Diego

Em que a FAB deve para a FAC? É cada coisa, pior ainda colocá-la no mesmo nível das FAP, FAU é FAA. Não estamos bem, mas ainda temos uma força muito mais capaz que essas 3.

Roberto F. Santana
Visitante
Roberto F. Santana

Deslocamento longo alcance de esquadrilhas com o apoio de aviões tanque, em alguns casos é feito com ‘waypoints’ onde já se encontram, em órbita, aeronaves reabastecedoras. Muitos desses pontos são sobre espaço aéreo de outros países. A prática, é claro, é reservada somente às grandes potências ou países com forte aliança. Um desses deslocamentos, dignos de nota, foi quando do translado da famosa esquadrilha da U.S. Navy, os Blue Angels, em voo da costa da Califórnia para o Havaí. Na época, eram usados os F-4 Phantom de alta performance e consumo. O voo na verdade provou ser de alta precisão… Read more »

Roberto F. Santana
Visitante
Roberto F. Santana

* Mesmo considerando o que já foi dito, que todo seu combustível para o reabastecimento já é transportado organicamente no avião, sem auxílio de tanques na fuselagem. Absurdo que sem dúvida, salta aos olhos, porém, bem possível…

Rinaldo Nery
Visitante
Rinaldo Nery

Amigo caçador, o reabastecimento em translados é ¨REVO Eem rota¨, ou seja, a esquadrilha vai na ala do REVO, da decolagem até o pouso. Não é ¨REVO ancorado¨. Não fica chutando se não sabe.

CT Araguari
Visitante
CT Araguari

Se os 6 Kfir foram para o Red Flag, quem ficou vigiando a base???

Risos…

Luiz Antonio
Visitante
Luiz Antonio

O Capitão América…

Hermes
Visitante
Hermes

A infantaria de guarda

sergio ribamar ferreira
Visitante

Acredito que sempre possibilidade do Brasil possuir mais de uma aeronave quer de transporte ou caça desde que haja peças de reposição , condições distintas e do emprego dos meios e custo benefício. Nosso Gripen sairá da mesma forma que o KC390. podemos ter alguns C130, lógico! Alguns F16, F18 também. desde que a FAB assim queira e consiga convencer O MD e o GF em adquirí-los. no mais apenas hipóteses. sobre os exercícios. nossa FAB voltará à participar com demais países.

Carlos Alberto Soares
Visitante
Carlos Alberto Soares

Victor Filippe

Bem colocado, é isso é já foi bem mencionado em outras matérias do PN.

Deltas, simplesmente lindos.

Quatro unidades do Kfir estavam 24 HS disponíveis na base.

Lindas fotos.

Porquê o Brazil não participou com ambos ?

Silvano Conti
Visitante
Silvano Conti

Estava demorando mais voltou tudo ao normal, eu estava estranhando, teve uma forte recaída. Relaxa que dói menos.

Rodrigo Maçolla
Visitante

Se foram convidados, acho que tem que ir mesmo, é uma experiencia muito válida.

Agora as as fotos são D+ e como já falaram o A-10 é um monstro !!!! 🙂

IBANEZ
Visitante
IBANEZ

Os Kfir teriam sido ótimas aquisições à FAB como solução tampão até a chegada dos novos Gripen! Na época estavam em melhor estado de conservação e atualização e tinha um custo de aquisição e manutenção muito menor que os Mirage 2000!

Antonio M
Visitante
Antonio M

Já foi discutido aqui uma vez mas, não lembro dos detalhes e talvez diga alguma besteira mas, minha opinião, o Brasil deveria ter negociado os Mirage IIIBR com Israel pois em termos de horas de voô, ainda tinham metada de vida útil e negociar alguma forma de convertê-los. E o Kfir, assim como o Mirage, são mais caças-bombardeiros do que superioridade aérea o que poderiam compor algo interessante com nossos AMX modernizados. Não sei se isso chegou a sr avalidado e seria anti-econômico mas acredito que não e perdoe qualquer viagem na maionese ….

Rinaldo Nery
Visitante
Rinaldo Nery

Quem disse que o Mirage 2000/C é ¨caça bombardeiro¨? Ele possui a capacidade ar-solo, mas a França SEMPRE usou como vetor de Defesa Aérea. E nós também.

Antonio M
Visitante
Antonio M

Olá, me referi a versão IIIBR que foi usado como caça, interceptador mas, também tinha ótima capacidade de ataque ao solo parece que não utilizada no Brasil mas que Israel utilizou muito.

Carlos Alberto Soares
Visitante
Carlos Alberto Soares

Russian Bear 18 de julho de 2018 at 18:58

Pergunto:

Quem nos atacaria/invadiria nos dias de hoje ?
____________________________________________________

A diferença da FAB X FAC X FAB :

Brazil tem 99 faz muita diferença

Colombia tem MRTT 767-200ER, faz diferença.

É isso.

Aliás, FAV está na chon, se decolar será abatido, porquê ?

Doutrina e cérebro. rsrs

Carlos Alberto Soares
Visitante
Carlos Alberto Soares
Wellington Góes
Visitante
Wellington Góes

Isto mostra que os Kfirs colombianos estão com melhores disponibilidades do que quando iniciou sua operação. Um detalhe, estas aeronaves são muito mais capazes do que os nossos F-5M e ainda contam com radar AESA.

Silvano Conti
Visitante
Silvano Conti

Quem toma conta do terreiro quando vão a Re Flag?? eles não tem nem 10 eu acho, e na verdade nem todos tem AESA, nem sei como está este programa. O F5M não tem AESA, tem um radar de abertura sintética 3D com ao menos 500 Km de alcance, com rastreio de mais de 200 alvos ao mesmo tempo… O que você prefere no combate?? Um Kfir ou um F5M apoiado por um E99? O Kfir seria pego antes de saber de onde veio o disparo. Sem um AEW&C, ainda combatem como na WW2. A FAB já superou esse fase… Read more »

Rinaldo Nery
Visitante
Rinaldo Nery

Não sabia que o Grifo é um radar de abertura sintética 3D com alcance de 500 KM (240 NM), com rastreio de mais de 200 alvos…. De onde tirou isso? Wikipedia?

Silvano Conti
Visitante
Silvano Conti

Me refiro ao radar do R-99A ou E-99 … o F5M na verdade é um cegueta, mas pintou na frente dele, ele vai lá e raja.. apoiado por um Embraer R-99A, aí a pegada é outra. Não me parece que os pilotos colombianos saibam como combater usando um AEW&C. Devem usar as técnicas da WW2, coisa que a FAB já percebeu que não funciona faz muito tempo.. Um FCinquinho apoiado por um R-99A tem muito mais chances contra um Su30 do Maduro que um Kfir colombiano indo à caça só com o próprio faro, é covardia, no mano a mano… Read more »

Rinaldo Nery
Visitante
Rinaldo Nery

O radar do E-99 é um radar de vigilância phased array, chamado Erieye. O do R-99, esse sim é um radar de abertura sintética (SAR), nas bandas X e L, para IMAGEAMENTO DO SOLO. Não confundir. O F-5EM não é “cegueta”, pois o GRIFO é um bom radar, e pode captar alvos, em alguns cenários, até 70NM. Quanto ao emprego da caça com apoio de AEW, conheço um pouco. Fiz isso por alguns anos.

Wellington Góes
Visitante
Wellington Góes

Putz, não entendeu patavinas e pior, ainda fez uma mistureba danada. Rsrsrs

Carlos Alberto Soares
Visitante
Carlos Alberto Soares

Rinaldo Nery 19 de julho de 2018 at 22:00

Uma mentira contada cem vezes vira verdade.

“Gramscismo”

Cel Av Rinaldo Nery

tendeu ? rsrsrs

Mario Lupi
Visitante
Mario Lupi

Contra os Su-30 da Venezuela os Kfir da Colômbia não teriam a menor chance.
Um AEW&C lhes daria muito mais capacidades, mas atuar só com o que tem, contra esses caças russos da FAV, realmente não teriam como obter vitórias.

Flanker
Visitante
Flanker

Nem todos Kfir colombianos serão equipados com o radar AESA da Elta. A previsão é que 6 células sejam equipadas com esse radar;
Os pilotos colombianos sabem combater BVR, sim. Essa é a segunda participação deles na Red Flag, fora outros treinamentos com a USAF. A falta de uma aeronave AEW&C própria é um óbice ao treinamento continuado nessa capacidade, mas eles não operam somente com técnicas da 2ª GM, não!

Rinaldo Nery
Visitante
Rinaldo Nery

Ninguém na América do Sul opera mais com táticas da Segunda Guerra. Nem o Paraguai. O mundo está globalizado, inclusive em assuntos militares. Não possuir o equipamento no estado da arte não impede de aplicar novas doutrinas.
E vc está correto em relação aos colombianos.

Enrique
Visitante
Enrique

Colombia tiene el sistema israelí Air Keeper, que puede hacer jamming a los radares enemigos en el área. Multiplicador de fuerza para batir los SU-30. Ojalá en Cruzex se diera el enfrentamiento r99 vs Air Keeper. ¿Quien ganará?, yp apuesto por el Air Keeper.