Home Aviação Comercial Boeing e Embraer perto do acordo final

Boeing e Embraer perto do acordo final

3582
72

SÃO PAULO (Reuters) – Os fabricantes de aviões Boeing e Embraer prepararam os contratos com a proposta de união e devem entregá-los ao governo brasileiro dentro de duas semanas, informou o jornal Valor Econômico em seu site na segunda-feira.

As companhias disseram em abril que estavam em negociações para criar uma nova empresa focada na aviação comercial, excluindo a divisão de defesa da Embraer e possivelmente sua unidade de jatos executivos. O complicado trabalho de dividir os três segmentos de negócios da Embraer atrasou o negócio.

Segundo a reportagem, os contratos definem como a Boeing e os engenheiros da Embraer serão divididos entre a nova empresa controlada pela Boeing e uma empresa de defesa que a Embraer manterá.

A conclusão das negociações está próxima, disse o jornal, citando fontes próximas às negociações.

A Boeing não comentou imediatamente. A Embraer disse que “as negociações ainda estão em andamento”, sem elaborar sobre os contratos ou data potencial de término das negociações.

72 COMMENTS

    • Erich Maria Remarque, um ótimo livro! *** Com relação a matéria, o tempo dirá! Talvez, daqui a uns 20 anos estaremos na trilogia (já em holograma) emitindo nossos “pareceres” do verdadeiro resultado desta venda. *** Away!

  1. Sim e um clássico do cinema também.
    Quanto a conversarmos sobre isso daqui a vinte anos, quando eu namorava a minha esposa, lembro que fomos com meus pais passar um dias em Cabo Frio e passeamos pelo calçadão da praia. Enquanto ela e minha mãe olhavam as bijuterias, eu e meu pai conversávamos sobre o FX. Isto aconteceu a 22 anos e ainda não temos o bendito FX voando nas cores da FAB!

  2. … precisa ser muito otimista quando se espera o futuro desse pais . Muita luta, planejamento, investimentos, garra, suor, incentivos econômicos e décadas para lograr um sucesso e do nada tudo se desfaz… Aff

    • A mesma choradeira de sempre… Olha a composição societária da empresa, alguém acha que estaria no patamar em que está se não houvesse clientes nos EUA baseado nos interesses dos acionistas de lá?

      Quanto custa produzir um avião nos EUA e quanto custa aqui? Mesmo com impostos e todos esses parasitas que compõem o estado, mesmo com os problema de infraestrutura logística, é mais barato aqui. Ainda mais o capital humano, consulte o CREA de seu estado para ver quantos engenheiros entraram com a interrupção de seu registro estadual (uns R$500/ano diga-se de passagem) justificando que foram trabalhar fora…

      Um dedo que seja da Boeing no Brasil já será algo ótimo, quanto o mais se ela criar raízes! Imagina a Boeing fazendo uma parceria destas com a índia ou com a China!?

      • Prezado, quanto a Índia tenho dúvidas, mas realmente não imagino a Boeing fazendo isso na China, por lá há uma classe dirigente um pouco mais esclarecida quando o argumento é proteger seus “campeões”, peças valiosas da estrutura econômica/industrial do país. Também não imagino isso acontecendo nos EUA sem algum tipo de veto do congresso ou do presidente . Não é novidade, sempre foi assim, logo agora eles estão dando em cima dos investimentos chineses. Observe-se a atitude de desconfiança, vetos e sanções cujo o alvo são vários gigantes chineses, como Huawei e ZTE.
        Não rotule minha opinião crítica como “choradeira” . Primeiro nenhum protagonista global segue essa fantasia do laissez-faire e “parcerias” ( nesse caso nem parceria é) cara-c…, negligência, descaso dos interesses nacionais o Brasil possui uma longa lista.

      • Parceria ? Onde você esta vendo isso ? Toda a pesquisa e desenvolvimento sera enviada para fora do Brasil , na melhor das hipóteses vamos ter aqui a fabricação de parte de aeronaves por alguns metalúrgicos , toda a tal transferência de tecnologia vai para o ralo ..
        Amigo se pergunte se qualquer grupo empresarial de qualquer parte do mundo conseguiria comprar a Boieng ou Lockheed Martin ? Nãooo porque elas são consideradas ESTRATÉGICAS .. veja que recentemente o Trump bloqueou a compra da Qualcomm , uma empresa que nada tem a ver com o setor de defesa mas por seu porte ELES CONSIDERAM ESTRATÉGICAS Se isso não for suficiente para você veja a concentração de mercado , o que você achar de concentrar um mercado restrito como esse ainda mais ? Como isso te parece ? Eu sou um capitalista convicto mas essa aquisição é uma bizarrice do começo ao fim

        • Junior , minha opinião é muito parecida com a sua. Também acho essa operação deletaria no médio e longo prazo para o Brasil. Enfim, apenas lamento mais uma vez o descaso que a nossa classe política mostra em relação a temas delicados e importantes para o nosso futuro .

          • Troller morreu a pouco tempo quando foi comprada pela Ford. Como uma industria consegue sobreviver com um único produto? Aqui no Brasil é assim. Quando aparece o governo desmancha. Aí vem uns com conversa de livre comércio. Esse livre comércio, da forma que é implantado só existe em países corruptos como o Brasil.

      • Pois é, eu também! Estamos indo para onde? Não sei, parece não haver um projeto quanto a isso. Só um aglomerado de dicotomias, que colocam o próprio país em segundo plano. América first! Parece que Vale até aqui. “Embraera” é o retrato a caricatura!

        • kkkkkkk essa foi boa, verdade:
          “América First” , os brasileiros já
          aprenderam e estão seguindo a risca a nova linha política da casa Branca.
          Palhaçada..

      • Nome verdadeiro desta negociata !Como um Governo sem Respaldo Popular ,pode abrir mão de uma empresa atraves de sua Golden Share ?

    • Brigando porque? A EMBRAER não é uma empresa estatal e nem estatal de economia mista como a PETROBRÁS.

      A EMBRAER é uma empresa privada com participação do governo federal através de Golden Share.

      Aliás Lewandowski fez é um desfavor dando ao Congresso Nacional (sim, eles, os políticos que adoram estatais para pendurar lá os seus apaniguados, fazer dinheiro, sugar e tudo o mais), o direito de votar a favor ou contra privatizações.

      O mais engraçado é que nos dois governos anteriores houve privatizações inclusive de ativos de empresas ligadas à Petrobrás e não houve toda essa indignação. Foram privatizadas rodovias, ferrovias, aeroportos, Brasken e muito mais.

      https://www.gazetadopovo.com.br/economia/governo-dilma-planeja-fazer-a-maior-privatizacao-desde-1998-4dbliwg8pjxuau9wapc4cdcub

  3. Que maravilha !
    O cara prende nossas crianças separada dos pais, criar taxas sobre produtos altamente competitivos nacionais e de quebra dão para eles nossa base de lançamento de foguetes, empresa super estratégica que só em carteira de negócios tem mais que o triplo do valor oferecido por ela dentre outras coisas.
    Quando mais essa agressão a soberania nacional se concretizar, será mais um de muitos dias lamentáveis para nos brasileiros nacionalista e que ainda acreditam e amam esse país e sua gente.

  4. Embraer para aviação civil acabou, essa marca vai morrer. EDS só não foi, por que a SAAB não aceitará construir os F39 nas instalações da Boeing.

  5. Como sempre nossas melhores empresas são entregues para quem tem poder econômico com medo de mais tarde ela venha concorrer diretamente com eles. Aí vem uns idiotas querendo vender a ideia que é melhor para a empresa, ou seja, acreditam friamente que a Boing viria aqui fazer bem, eles nunca pensam quantos serão demitidos quando levarem as linhas de produção, e, todo ferramental para USA, cadê a Golden share. Quanto estão levando para autorizar a venda.

  6. na minha opinião com a proximidade das eleições, quem deveria tomar esse decisão é o futuro presidente da república, portanto só o Bolsonaro deveria analisar esse acordo.

  7. Eu tenho minha opinião formada sobre essa venda ou união da Embraer.
    Mas o que me chama mais a atenção é o fato do governo não permitir a venda da área de defesa.
    Ai vem a pergunta de 1 milhão.
    Como essa empresa vai sobreviver se nosso governo descontinua tudo que começa?
    Nosso governo vai comprar produtos em quantidade e regularidade para manter a empresa funcionando?
    Pelo passado que temos, acredito que já tenho a resposta.

    abraço a todos.

    • Governo americano doando suas sucatas como sempre e conseguindo a nata que temos. Afinal o presidente aqui nem brasileiro é.

  8. “As companhias disseram em abril que estavam em negociações para criar uma nova empresa focada na aviação comercial, excluindo a divisão de defesa da Embraer e possivelmente sua unidade de jatos executivos.”

    Pelo menos, possivelmente a parte de aviação executiva
    vai ficar com a Embraer defesa. O que é muito importante para está não fechar as portas no futuro.
    Penso que a Embraer Defesa vai ficar algo parecido com Dassault. Claro sem o mesmo peso…

  9. Não me anima ficar comentando sobre esse assunto, pois só podemos nos basear em suposições já que não há nada de oficial, mas me parece óbvio que o governo, mais especificamente a FAB, não iria fazer todo esse esforço ( p/ excluir a EDS ) e não exigir garantias p/ a sobrevivência da divisão militar. Me parece nítido que da parcela que caberá a Embraer na nova empresa sairá um aporte p/ manutenção da EDS, além da já mencionada divisão de Executivos, que no momento está sofrendo c/ a retração do setor, mas que tem um enorme potencial p/ crescimento.

  10. Como já disse, se entregamos 35% do mercado de transporte de passageiros para os chilenos e 70% do mercado de cerveja para os belgas, porque não vender 100% da fabricante de aviões comerciais para os americanos?

    • Nossa, que analogias! Aerolinhas, cerveja e indústria aeronáutica, tudo a mesma coisa.
      Com argumentos como esse não vale a pena nem começar a discussão

  11. Nem to acompanhando esse desenrolar mas me lembrei que faz alguns anos um comentarista acho que ele nem comenta mais, lembro vagamente do Nick dele e que ele fazia comentários aqui no PA, C***k e PB que dizia exatamente isso que um dia a Boeing iria acabar adquirindo a Embraer e o coitado era execrado em todos os comentários pela turma do “Sabe tudo, Mas sabe de nada” queria ver uma retratação dos outros usuários que pegavam no pé dele kkkkkkkk, tá na ponta da linguá qual era o Nick dele mais não consigo lembrar.

  12. Me lembro de qdo anunciaram a privatização da Embraer, foi os mesmos comentários entreguitas, anti american, nacionalista de agora…veja o que a Embraer se tornou. Na minha opinião sera um excelente negócio, sem fala que o segmento de pesquisa e desenvolvimento de sistemas da Embraer defesa ( pois muito acham que e do fabricação de avião) deverá dar um grande salto…então menos mimimi

    • E agora a Embraer ser tornará… Boeing, simples assim. A quarta maior fabricante de aeronaves deixará de existir. Seus atuais e futuros produtos na aviação civil serão rebatizados com a nomenclatura Boeing. O que etá acontecendo não se trata de uma fusão ao estilo Mercedes + bens ou Northrop + Grumman, onde as duas partes se somam, mas de uma AQUISIÇÃO, onde a parte maior engole a menor, entendeu? O nome Embraer pode até continuar na placa na frente da empresa em São José dos Campos, mas não estará mais no aviões que saírem de lá. Serão aviões Boeing. E quanto à Embraer Defesa e Segurança, você acha mesmo que os engenheiros mais capazes ficarão nela ou serão convocados para irem para a Boeing? Não haverá grande salto algum na Embraer Defesa e Segurança que estará restrita ao Supertucano e KC-390. Ou você acha que a Boeing cederá o E-195 para ela criar um concorrente para o seu P-8?

  13. O pior desaa discussão toda é ter que engolir os “inocentes” que piamemte acreditam que este é um bom negócio para o Brasil. Se assim o fosse, aconteceria em todo lugar. Um negócio como esse, a venda de uma empresa estratégica em conhecimento e inovação, jamais aconteceria nos EUA, China e outros países desenvolvidos.
    Nessas nações ocorrem fusões, trocas de controle, etc.,mas não entra dedo estrangeiro. Simples assim.
    Ai aparecem os çábios, com argumentos pela metade, ovacionando o negócio em nome do “mercado”, do neoliberalismo e da livre concorrência.
    Mas,por favor, entendam minha crítica: sei que estando num pais periférico, isso até acontece; tambem sei que os acionistas da Embraer focam, e esse e o papel deles, em luvro e resultado. O probkema é que não tolero a inocência util dos que apresentam discursos vazios, datados e que negam a realidade…. Melhor seria declarar o inconformismo com. a situação e dela tentar extrair algo de positivo, porque está dificil, num provável contexto de perda de empregos qualificados e centros de desenvilvimento e pesquisa, acgar alguma vantagem nesse negócio.

  14. Eu já nem perco muito mais meu tempo com essas noticias que são JOGADAS na mídia pelos investidores. Só digo que muito provavelmente nada vai sair antes do ano que vem. Temos o Ricardo Lewandowski (que eu detesto, mas dessa vez ele fez algo que presta) criando aquela MP sobre privatizações, o Temer/PMDB acho difícil aprovarem algo assim tão perto de uma eleição, sendo que já estão totalmente desgastados (e seria um negócio totalmente impopular, um tiro de canhão no pé), a Embraer ainda nem respondeu ao questionário do MPT (eles tinham 15 dias para faze-lo), já que disseram que não havia como fazer isso pois nem eles sabiam como ia ser a “parceria” (e agora sai a noticia de que eles estão perto de fechar o negócio? Estranho, no minimo.), sindicatos e fornecedores estão batendo o pé, e vão tentar atrasar/evitar o máximo possível o negócio enquanto não souberem de todos os detalhes e terem todas as garantias.

    Além de tudo isso, não vejo nenhum dos três principais pré candidato dispostos a fazer esse negócio com a Boeing quando um deles se tornar presidente, o mais próximo seria o Bolsonaro, mas ele já disse que só faria o negócio caso fosse uma PARCERIA (e ele leva a palavra a sério) que beneficiasse ambas as empresas, o que não é o caso aqui, pois a única beneficiada seria a espertalhona Boeing.

  15. Infelizmente esse episódio da EMBRAER nada mais é do que uma reprise do que aconteceu e ainda acontece com outras empresas brasileiras de tecnologias mais apuradas. Não há uma política de estado para tudo isso (além de outras em áreas distintas, como educação, etc). Esse vácuo não permite desenvolvimentos sustentados nas empresas,portanto, não há protecionismo que resista aos fatos e aos resultados financeiros. Essa gritaria nacionalista é compreensível, mas se fossemos mesmo proteger o Brasil, deveriamos começar a protege-lo na base (Cultura da Ética e das Boas Práticas, Educação Fundamental e Superior, Fomento das Pesquisas, etc) pois tudo esta apoiado nela.
    Todo mundo reclama…dos outros, mas não faz sua própria lição de casa. O Resultado sempre será o mesmo fazendo sempre as mesmas coisas e tendo as mesmas atitudes.
    Lamentavelmente não será a primeira e nem a última e a culpa não é dos políticos, pois estes não vieram de Marte.

  16. Prezados,
    Quem afirma que a Embraer não pode ser vendida aos americanos é muito ingênuo ou está de má fé. Este discurso está muuuito atrasado, deveria ter sido feito na época da privatização da empresa. Hoje, quem é dono da empresa são os acionistas, quer transformar a empresa em nacional? É só comprar ações da Empresa (arriscar a ganhar ou perder dinheiro) e exigir o que estão postando aqui.
    O GF deveria utilizar a golden share para manter o que puder das linhas de montagem e os empregos no Brasil, se fizer isto já está mais do que bom.
    Se eu tivesse uma bola de cristal, seria rico, mas algumas coisas são fatos. Empresas grandes comem os menores por 3 motivos.
    1- Matar um concorrente e tentar trazer os seus clientes
    2- Pegar um determinado produto e os seus clientes
    3- Ficar mais forte para não ser comido, aumentando a sua carteira de clientes.
    Creio que a Boeing decidiu esta compra (como alguns dizem, a criação de uma terceira empresa) pelos motivos 2, 3 e 1, meio nesta ordem.
    Já a Embraer entrou pelo motivo 3, se o mercado já é complicado tendo que concorrer com a Bombardier, imagina com a Airbus, cafungando no seu cangote. Muita gente ACHA (no caso torcida) que a EMB aguenta o tranco, já quem sabe do riscado (no caso a alta cúpula da EMB) não tem esta certeza. E existe um outro fator, se não for a EMB, a Boeing vai procurar uma terceira empresa ou vai investir na sua própria linha. Novamente, a EMB aguenta o tranco? Pode ser que sim (quem tem ação vai ganhar dinheiro), pode ser que não (quem tem ação vai perder dinheiro).
    E tem a questão da grana, muita gente vai ganhar dinheiro (e alguns MUITO dinheiro) nesta transação..
    Quanto ao EDS, não acho que foi a SAAB que bateu pé, foi a FAB. Para mim a EDS está bem a curto e a médio prazo, pois tem programas como a do Grippen e do KC 390, só o futuro vai indicar se os produtos irão vender bem (tem o ST, aviões adaptados para uso militar como o E99 e outros sistemas).

    • Complemento opinando:
      A EDS não tem e nem terá carteira suficiente para manter financeiramente suas atividades e teria receber aporte do GF, em dinheiro ou em pedidos firmes. Como não tem nenhum dos dois fatalmente teria vida curta a não ser que fosse privatizada, porém o problema seria apenas transferido. Nos EUA, a coisa é diferente, com o Governo sustentando todas as grandes, por um motivo simples: Eles precisam manter a hegemonia e ainda têm MUITO dinheiro.
      Não existem truques ou mágicas. No fundo da questão é DINHEIRO.

  17. Não será bom se os empregos no Brasil acabarem/reduzirem;
    Não será bom se não tivermos mais a capacidade e autonomia para desenvolvermos novos produtos;
    Não será bom se a Embraer Defesa ter de pagar Royalties para a Boeing para produzir produtos;
    Não será bom se toda a produção sair do Brasil e ficarmos de empresa acessória.
    Não será bom se uma massa crítica nacional for subutilizada ou reduzida ao longo dos anos – como se já não bastasse o déficit de pensadores maravilhosos que ocorreu depois da explosão de Alcântara.

    Análise que deve ser feita por qualquer pessoa que pretende opinar sobre Embraer/Boeing;A fusão Airbus/Bombardier justifica MESMO a aquisição da Empresa Brasileira de Aviação para sua sobrevivência?

    O resto é paixão de comunistas e liberais dopados.

  18. Senhores, hoje (04/07) faltam três meses para uma eleição presidencial altamente fragmentada e polarizada, fruto do ódio semeado no país durante 13 anos (2003 a 2016) e também de um turbulento processo de impeachment. Nesse cenário não apenas falta pouquíssimo tempo para que tais tratativas sejam eventualmente aprovadas pelos órgãos reguladores como também trata-se de tema altamente sensível para todos os candidatos postulantes ao Planalto, que evitarão se comprometer com o mesmo e serão igualmente cobrados caso eleitos. E o próprio atual ocupante do executivo vai jogar a batata quente para o seu sucessor.

  19. Quem são os atuais donos da EMBRAER ?

    Quem são os atuais controladores e suas origens ?

    Entonces…..

    Que fechem logo o negócio,

    continuarão nas mãos dos Amis.

    • Sério mesmo que você está confundindo os acionistas com o controle da empresa? :facepalm:

      Muitos são os INVESTIDORES (não controladores) da Embraer, tanto brasileiros quanto estrangeiros.

  20. Para a EDS sobreviver dependerá de mais encomendas do KC-390 e mais do Gripen. A FAB já encomendou 28 unidades do KC e não deverá encomendar mais. Quanto ao Gripen, abriria-se uma oportunidade para a FAB pleitear mais unidades no médio prazo. Além de compor a linha de frente, poderia servir como argumento para a manutenção da linha da produção do Gripen.
    Outro produto? Não imagino algum que demande muitas unidades.
    Tudo não passa de conjecturas.

  21. O Comandante da Aeronáutica, Brig Rossato, está hoje na Comissão de Relações Exteriores da Câmara dos Deputados defendendo o negócio entre a EMBRAER e a Boeing. Contudo, segundo ele não há nada de concreto e os estudos continuam a ser realizados, o que confirma a suspeita de que as insistentes notícias de que as empresas estariam perto de um acordo são especulações para que alguns espertinhos faturem na Bolsa.

    https://oglobo.globo.com/economia/na-camara-aeronautica-defende-fusao-entre-embraer-boeing-22851162

    • E não apenas isso, eu estava lendo na Folha de São Paulo que caso o negócio prossiga, o governo antes ainda terá de fazer auditorias que podem levar de três até quatro meses, o que é tempo suficiente para a chegada de um novo presidente/partido ao poder, o que pode dar mais tempo de cancelar a palhaçada toda.

      • Muito estranho esta informação da Folha, lembro que a Embraer foi a primeira empresa no Brasil a estar em conformidade para atender as novas normas da CVM, e como a EMB tem ações na bolsa de NY, obviamente está de acordo com as regras de governança e do SOX (Sarbanes-Oxley). Claro, pode colocar um exercito de auditor fiscal, trabalhista para encontrar erros, mas fazer uma auditoria, sei não, tem alguém que manja sobre isto?
        Mas no fundo, se o Estado quiser embassar o negócio ele faz, seja via cade, cobrando de forma mais ativa as dívidas e multas, fazendo auditorias (no caso da Receita) ou usando a caneta do Golden Share, mas isto só gera insegurança no mercado, é a última coisa que qq governo deseja.

        ODST, vi la em cima, a EMB não tem ação preferencial, só ordinária, ou seja, quem tem ação é a “dona” da empresa” (obviamente não é tão simples, elegem conselho e por ai vai). Quanto aos donos, a coisa é muito volátil, mas no link abaixo, fala algo sobre isto, o texto é meio tendencioso, mas didático.
        http://embraernossa.com.br/2018/04/03/3-quem-sao-os-donos-da-embraer/

  22. Space Jockey 4 de julho de 2018 at 14:27

    Combinaram com os donos americanos ?

    CN em fim de mandato ? Com as desgraçadas roubalheiras no setor público ?

    Tá bom…..

  23. Esse país não tem mais Jeito!

    Nós moramos em um lugar onde se PROIBE a venda de produtos orgânicos e se libera uma lista de 38 agrotóxicos proibidos no resto do mundo!

    Dá pra entender isso?

    Não temos sobernia e ainda querem nos envenenar!

  24. Comentário do Comandante Rossato no UOL:

    “Não se vai entregar nossos conhecimentos, não vamos perder a nossa capacidade dentro da Embraer. Os acordos que podem ser feitos serão todos considerando as vantagens que nós podemos ter na parte tecnológica, econômica, de empregos. Isso eu acho que é um aspecto fundamental que está sendo considerado e estão discutindo. Não está sendo feito à revelia dos interesses da nação brasileira”

    • Desculpe, mas o Comandante Rossato teria outra declaração para fazer? Boeing e Embraer são empresas privadas e a influência da FAB é limitada aos setor militar. Jogou para a torcida.

      • Há a golden share do governo federal e a FAB representa esta instância. Em tese, podem vetar movimentos que considerem indesejáveis que entendam serem lesivos aos interesses da nação. Em tese…

  25. Lamentável se for esse mesmo o desfecho da ação da Boeing para tirar a Embraer do mercado. Nós brasileiros, perdemos muita coisa com essa suposta “parceria”. Concordo com todos os que demonstram as consequências negativas para nós que desenvolvemos todo esse conhecimento tecnológico e comercial do que é a Embraer hoje. Fica muito claro que quem apóia, ou não conseguiu avaliar essas consequências, ou espera ter algum benefício com o “negócio “. Poderia ficar repetindo e ou acrescentando muitas razões contra, mas infelizmente se não houver um movimento responsável de brasileiros patriotas (sem ideologia) conscientes da importância do que é “Estado Brasileiro”, não teremos resultado prático nenhum. Concluo resumindo minha posição : Se o poder de decisão (Golden Share) estivesse em minhas mãos, já teria vetado o acordo na forma como se apresenta. Só aprovaria uma “Parceria” que preservasse a identidade e autonomia da Embraer como um todo, pois concordando ou não, isso não é um mero negócio. Realmente envolve a questão de empresa estratégica, (ponto).

  26. Pessoal, uma “Ação” de qualquer empresa, é apenas uma opção de investimento, não significa poder de decisão algum, exceto para quem detém a maior parte das ações, ou grupos de acionistas que se associam, para tornar suas ações majoritárias, e assim tomar as decisões, no caso da Embraer, quando ela foi privatizada, se tomou esse cuidado, ninguém ou nenhum grupo pode deter a maioria das ações, combinadas com a Golden Share, que pertence ao Estado brasileiro.
    Essas Ações podem mudar de dono com muita facilidade, quando se compra uma ação posta no mercado pela primeira vez, esse valor acresce no patrimônio da empresa, quando essa ação é negociada no mercado secundário, isso não ocorre mais, é apenas um ativo em forma de investimento mudando de propriedade.
    De quem é a Petrobras?? ora, ninguém que tenha ações da Petrobras decide absolutamente nada por ela, quem decide é seu Presidente e um Conselho, que responde ao Presidente da República e ao Congresso Nacional.
    Então esse “argumento” de quem é o dono da Embraer é completamente falacioso, essas pessoas individuais ou no mais das vezes, os Fundos de Investimento que as representam, não decidem absolutamente NADA pela Embraer, aliás, se brincar, nem sabem onde fica a Embraer, quanto mais o que ela faz ou deixa de fazer.
    Vamos parar com essa coisa de que quem tem ações é “dono” da Embraer ou decide algo pela empresa, não existe nada disso.
    Essa desinformação funciona de duas formas, a primeira para dizer que a Embraer não pertence mesmo ao Brasil, digo isso na forma de em última instância, poder de decisão, que ao fim e ao cabo, é sim estatal, dado pela Ação de Ouro. Isso amacia a resistência de quem é contra esse processo, ou seja, ora, se a maioria das ações pertence a estrangeiros, não temos mesmo nada a ver com isso e deixa mesmo tudo pra lá.
    Então a ideia mentirosa propagada por muita gente de má fé, é que esta empresa não tem mesmo nada a ver mais com o Brasil, e que os estrangeiros é que tomam as decisões executivas, então fazer ou não acordo com a Boeing, não muda nada. Não é verdade.
    Cuidado com essa coisa de que quantidade de ações, e seus proprietários, seriam os “donos” da Embraer.
    Vocês já viram algum Presidente da Embraer que não seja brasileiro em toda a sua história?? nunca houve, tenho a impressão que quando da privatização, essa possibilidade foi impedida de acontecer.
    Quanto a esse negócio, seja ele qual for, eu prefiro confiar nos negociadores, assim foi no processo de privatização, era muita chiadeira, e foi graças a uma administração profissional, que essa empresa chegou onde chegou.
    Não vejo muita gente, aliás, não vejo praticamente ninguém importante, se colocando contra o que está em curso. Vocês acham que a Comissão de Defesa Nacional, que é composta por parlamentares de vários partidos, não está acompanhando tudo isso de perto?? se fosse algo desastroso, já teriam criado um fuzuê danado, e até agora tudo está correndo normalmente.
    Creio que as críticas que ocorrem em redes sociais como esta, ou em panfletos eletrônicos de pouca credibilidade, são apenas parte da eterna e interminável luta política.
    Não dá mais para concorrer sozinho, a Bombardier como a conhecemos não existe mais, agora se tornou simplesmente a Airbus, é uma luta desigual, poder financeiro e político, que colocam a atual Embraer como a conhecemos, em uma posição de muita desigualdade diante da concorrência.
    E ainda tem a tal da China, que está entrando neste mercado também.
    Acho que os empregos no Brasil serão preservados, e eu diria, até aumentados com essa fusão ou o que seja.
    Tem os militares e civis de grande responsabilidade cuidando disso, melhor esperar.

  27. Quem é contra a fusão entre a Boeing e a Embraer devia comprar as ações e assumir os riscos do negocio
    ou melhor, que o governo assuma as ações e as comprem de volta

    Nós funcionários estamos preocupados com a perpetuidade da empresa que nos da o ganha pão para as nossas famílias, em médio a longo prazo a Embraer não irá aguentar competir com a Airbus e a Boeing..
    Já está sofrendo com as vendas do E2, perdemos duas vendas cruciais recentemente para o Cseries/Airbus
    Com a Boeing na jogada iremos ganhar força e manter a perpetuidade, como novos projetos e novos investimentos

  28. O E2 não está tendo as vendas esperadas, muito abaixo do que foi planejado
    O KC-390 ainda não emplacou, a Embraer não conseguiu vender para mais nenhum país.
    O risco de uma demissão em massa é alta e a parceria entre a Airbus e Bombardier acendeu um alerta amarelo
    Se a Embraer não se posicionar, as coisas podem piorar e várias pessoas perderem o emprego

  29. Eu já tenho uma visão bem mais simplista da coisa.
    Se o pais realmente quisesse manter a Embraer, os brasileiros poderiam comprar ações da empresa e forçar nas assembleias este vies, ou seja, manter a empresa no pais, dando preferencia para manter as linhas de produção e os conhecimentos no Brasil, mesmo que isto represente, estar sozinha contra a Airbus (que vai cair babando no mercado hoje dominado pela EMB), obviamente esta estratégia pode dar certa mas pode dar errado.
    Eu já realizei uma boa parte das ações que tinha da EMB, amo o meu pais, mas penso primeiro na segurança da minha família. Eu não iria entrar no vies que citei acima, acho que o mercado vai ficar muito puxado para a empresa caso fique sozinha. Você iria? Você acha que os brasileiros se preocupam com a empresa? Ainda dá tempo. É importante lembrar que muitas ações estão nas mãos dos empregados e ex-empregados. Pode não ter força para impedir, mas dá para fazer barulho.
    Abraços

LEAVE A REPLY

Please enter your comment!
Please enter your name here