Senado dos EUA aprova proibição de venda do F-35 à Turquia

    7230
    167
    F-35 nas cores da Turquia - concepção artística via Code One Magazine - Lockheed Martin
    F-35 nas cores da Turquia – concepção artística via Code One Magazine – Lockheed Martin

    O Senado americano aprovou uma importante lei de defesa que bloqueia a venda de jatos de combate F-35 para a Turquia, a menos que ela abandone um acordo para comprar sistemas de defesa antimísseis S-400 da Rússia.

    A legislação, aprovada em 18 de junho por 85-10, também contém uma provisão para bloquear o acordo do presidente Donald Trump com a China para permitir que a gigante das telecomunicações ZTE permaneça no negócio apesar das violações das sanções dos EUA contra o Irã e a Coreia do Norte.

    As duas disposições que visam a Turquia e a ZTE fazem parte do massivo National Defense Authorization Act, que autoriza mais de US$ 700 bilhões em gastos de defesa em armas e programas militares.

    A Câmara dos Representantes aprovou sua própria versão do projeto, e as duas medidas devem agora ser reconciliadas antes que uma medida de compromisso possa ser aprovada e enviada a Trump para sua assinatura ou veto.

    Tanto o Senado quanto a Câmara viram esforços bipartidários para impedir a venda do mais avançado jato de combate dos EUA à Turquia, um aliado da Otan que tem uma relação cada vez mais tensa com Washington.

    A Turquia é atualmente um dos países parceiros no programa F-35 e tinha planos de comprar cerca de 100 dos jatos stealth, fabricados pela Lockheed Martin Corp.

    O projeto do Senado impediria a entrega dos jatos, a menos que Trump certificasse que a Turquia não está ameaçando a Otan, comprando equipamentos de defesa da Rússia ou detendo cidadãos dos EUA.

    Oficiais da Otan alertaram repetidamente a Turquia de que os sistemas russos S-400, que ela concordou em comprar em 2016, não são compatíveis com as defesas da Otan, mas a Turquia rejeitou essas preocupações e continuou com o acordo russo.

    Legisladores dos EUA aprovando a provisão também citaram preocupações sobre os laços de Ancara com Moscou sob o presidente Recep Tayyip Erdogan e a prisão de cidadãos dos EUA e do consulado como parte de um expurgo de seus oponentes desde um golpe abortado contra ele em julho de 2016.

    A provisão do projeto de lei do Senado para matar o acordo de Trump para permitir que a ZTE retome compras de empresas de tecnologia dos EUA para que ela possa permanecer no negócio não está incluída na versão do projeto, que restringe o Departamento de Defesa usando equipamentos ou serviços da ZTE ou da gigante chinesa de telecomunicações Huawei.

    Republicanos e democratas expressaram preocupações com a segurança nacional sobre a ZTE depois que ela quebrou um acordo para disciplinar os executivos que admitiram uma conspiração para escapar das sanções dos EUA ao vender equipamentos sensíveis ao Irã e à Coreia do Norte.

    Sob o acordo de Trump, a ZTE teria que pagar mais US$ 1 bilhão em multas pelas violações de suas sanções em troca de uma proibição anterior de compra de equipamentos de fornecedores dos EUA, que a empresa alegou que a colocaria fora do mercado.

    A decisão de bloquear o negócio de Trump causou uma queda de quase 17 por cento no valor das ações da ZTE nos primeiros minutos de negociação na bolsa de Hong Kong em 19 de junho. As ações da empresa caíram cerca de 60 por cento como resultado do debate nos EUA sobre o seu futuro.

    FONTE: Radio Free Europe