Home Aviação Comercial Governo dá aval a negócio entre Boeing e Embraer, e ações disparam

Governo dá aval a negócio entre Boeing e Embraer, e ações disparam

10314
138

Com a autorização, o negócio deverá ser fechado em algumas semanas, diz a Bloomberg

Boeing e Embraer deram um passo crucial na negociação para unir as duas empresas em uma só, diz a Bloomberg. Segundo a agência norte-americana, que ouviu uma pessoa próxima à negociação em condição de anonimato, o governo brasileiro, que tem poder de veto sobre a operação, deu o aval para a fusão, e agora deve ser questão de tempo até que ela seja fechada e divulgada.

O que segurava o governo brasileiro era o impasse envolvendo a área de defesa nacional da Embraer. Costurou-se, entretanto, um acordo segundo o qual a área ficará em uma unidade separada da companhia, enquanto a operação comercial irá para a joint venture planejada com a Boeing. O comando dessa nova empresa será dos norte-americanos, enquanto a Embraer terá uma participação ainda não definida.

A divulgação do avanço no negócio fez com que as ações da Embraer, que estavam em um movimento de baixa, subissem 6,12% ontem, indo de R$ 22,88 a R$ 24,78. Às 10h de hoje (13/06), o valor permanece.

Com a operação conjunta, Boeing e Embraer seguem o movimento da francesa Airbus e da canadense Bombardier, em que a primeira vai aproveitar a estrutura da segunda e assumir a fabricação dos jatos C Series. A corrida entre as gigantes da aviação é pela dianteira na produção de aviões comerciais com entre 100 e 150 lugares, considerados decisivos no futuro do setor, enquanto os modelos maiores perdem demanda continuamente.

FONTE: Época Negócios

138 COMMENTS

  1. Galante boa tarde. O E-99 foi desenvolvido a partir do ERJ 145 ( me corrijam se eu estiver errado e peço desculpas ) . Como fica essa questão ? Tem como ” separar ” dentro da empresa uma da outra ?

  2. Tem toda a cara de matéria destinada a aumentar a especulação, “coincidentemente” logo após termos tido notícias da costura envolvendo a Bombardier e a Airbus. Algum espertinho está ganhando dinheiro com isso.

    • Pode ser, mas é muito estranho essa notícia surgir, dias depois de a Embraer pedir para a justiça arquivar aquelas sugestões do MPT de manter empregos no Brasil, bom muita coincidência.

    • Lembrando que a matéria da Época cita a fonte, a norte-americana Bloomberg. Se o objetivo da matéria for aumentar a especulação, então são os norte-americanos os interessados em especular par ganhar dinheiro.

  3. Sou leigo, como já deixei claro em alguns comentários anteriores. Lí várias matérias sobre essa compra nesse site,mas minha pergunta é:
    Afinal, esse é um bom negócio pra Embraer ( e o Brasil ), ou não?

    • É um excelente negócio para os acionistas da Embraer e para a Boeing, mas para o Brasil e os brasileiros pode se tornar o pior negócio da história, pois não é uma parceria, é uma compra disfarçada, e que não leva em consideração a soberania do país, apenas cifrões. A Embraer basicamente vai perder todo o controle sobre a aviação comercial (a parte mais lucrativa, a que mais se beneficiou de transferências de tecnologias militares, e a área que mantém viva a parte de defesa da empresa), e em um futuro não tão distante a Embraer que conhecemos pode deixar de existir, empregos podem ser perdidos, pois rola nos bastidores que a intenção da Boeing é levar ao menos parte da produção para fora do Brasil (se for possível, não duvide que eles tentarão levar TUDO! Como se a Embraer já não tivesse produção demais no exterior) junto com seus engenheiros, e por conta disso, know-how pode até ser perdido com o passar dos anos. Entre outras coisas.

      Agora pergunte ao [Pato] Donald Trump se ele aceitaria um negócio desses caso a Embraer quisesse comprar uma parte da Boeing. O EUA acaba de colocar taxas sobre nosso aço e alumínio, prejudicando nossas exportações, e os caras ainda querem fazer um negócio desses??? Se a noticia for real, é só mais uma prova de que os políticos são todos uns safados e não estão nem aí para o país.

  4. Mais especulações….já foi dito N vezes anteriormente que o Governo havia dado esse tal “aval” para que o negócio fosse fechado…que faltava apenas o anúncio conjunto das duas empresas e blá blá blá.

    • Talvez tenha sido um novo aval, para uma proposta atualizada nos bastidores. Mas que tudo está muito estranho e confuso não cabe dúvidas.

      • Eu falei desde oi inicio que esse governo ia esperar a copa do mundo para fazer o anuncio, é tão covarde que não teria coragem de dar o aval em um momento em que o povo não estivesse distraído

  5. Brasileiros, temos o direito de ter empresas brasileiras no nosso país: oficinas mecânicas, bares, lanchonetes, pizzarias, etc.

    Empresas de alta tecnologia, que fabricam carros, aviões, navios? nem pensar. Não estamos autorizados a possuir isso. Elas pertencem ao estrangeiro. Somos colônia, só não temos isso registrado em papel.

  6. De fato uma noticia um tanto quanto estranha, pois ontem mesmo a Embraer pediu ao MPT o arquivamento do inquérito sobre as recomendações da fusão, alegando que a negociação ainda estava em curso, não havia definições, e que sequer sabia se o negócio iria para frente….

    Realmente, alguém deve estar ganhando bem com toda essa especulação.

    Em tempo, isso não é algo para ser decidido por um DESgoverno como o do Temer e que já está se aproximando do fim. Se eles tiverem UM PINGO de responsabilidade e decência, passarão a decisão para o próximo presidente.

      • A EMBRAER já é uma empresa privada desde 1994, época em que alguns “iluminados” protestaram usando o velho e surrado argumento da “entrega do patrimônio nacional” tão cara às plenárias do diretório central dos estudantes regadas a aguardente barata. Quando estatal era deficitária. Privatizada tornou-se a terceira maior fabricante de aeronaves. Aliás, das quatro maiores fabricantes de aeronaves comerciais nenhuma é estatal…

        Moral da história: estamos em 2018 e o debate acerca das negociações entre Boeing e EMBRAER demanda maturidade e reflexão acerca das consequências, inclusive geopolíticas, para o país e não slogans e frases de efeito inócuas.

        • A questão é bastante complexa. No Brasil não existe a questão do antagonismo entre pública e privada. A Embraer só existe porque nasceu pública. Jamais a iniciativa privada criaria algo sequer parecido. E mesmo depois de privatizada, nunca teria chegado onde chegou sem o maciço apoio do CTA e, consequentemente, do ITA. A questão é: queremos ser independentes e participar da criação e desenvolvimento de tecnologia ou nos contentaremos sempre em ser exportadores de commodities e meros consumidores de conhecimento?
          Porque sem maciço investimento e incentivo público, jamais decolaremos do estágio primário em que nos encontramos, em pleno Século XXI.
          Não temos sequer uma indústria nacional de automóveis. E nada faz acreditar que isso vai mudar. A Embraer era apenas uma honrosa e solitária exceção no cenário nacional. Triste.

        • o problema no Brasil é que privatizam e quem compra são grupos estrangeiros ,este é o problema ao meu ver …..Se fosse privatizada e mantivesse Brasileira tudo bem ..ao meu ver este é o X da qestão

        • EMBRAER é Privada sim ,porém esqueceste a Golden Share !
          Este Governo não tem credibilidade alguma para abrir mão dela , ainda mais que a tal terceira empresa claramente , não é uma parceria , parcerias são meio a meio e não 80% X 20 % !!!

  7. testemunhamos o inicio, o sucesso e o fim de uma das melhores empresas brasileiras. Uma pena.
    O Brasil se nega a ser grande e reconhecer sua capacidade. Tem medo, batem o pé, e eles abrem as pernas. Alguns por interesse, alguns por medo e falta de conhecimento.
    Quero ver como a SAAB vai agir no futuro, agora são declarações de intenções e que nada muda, mas quando certas coisas acontecerem, talvez até o nosso Gripen tenha conteúdos restritos por medo da informação acabar nas mãos da boeing, por melhor que seja a relação SAAB e Boeing.
    Compramos a tecnologia do caça para quem produzir? No fim das contas, o A-29 é americano mesmo, o maluco racista do Trump estava certo…
    a Divisão militar da EMBRAER existe em um sistema da EMBRAER ao lado de linha comercial e executiva e não sozinha… enfim, foi uma péssima decisão e no primeiro pretexto, a boeing fecha tudo aqui e diz que não tem condição de manter tantas plantas fabris.
    É DIFÍCIL ser BRASILEIRO e ACREDITAR nesse país. Mas alguns aqui assim como eu, aparentemente, gostamos de acreditar nessa terra e sofrer.

    • O Bom Senso seria que tal “negocio” fosse fechado pelo próximo presidente. Eu particularmente não sou a favor dessa “fusão”, gostaria de ver parcerias com empresas de menor porte em projetos específicos em que seriamos tratados com equidade.
      É lamentável o que veremos a seguir nos próximos anos.

        • Creio que a maioria das pessoas sensatas compartilham dessa opinião, esse governo moribundo não tem moral e legitimidade para decidir mais nada depois do episódio do “tem que manter isso”. Certeza que a Boeing molhou a mão de muita gente para aprovar esse acordo nesses termos

  8. SIC : “ouviu uma pessoa próxima à negociação em condição de anonimato”…

    se,

    1) For verdade, deveria ser apurado como alguém tão próximo de uma importante negociação, “vaza”, informações relevantes e com que interesse escuso? Onde está a responsabilidade deste elemento e quem o supervisiona?
    3) For mentira, disparar ações na bolsa esta beneficiando a quem? Os mesmos…e a retórica é similar…

    Até quando..aliás, este Roberto deve ser robô…

    • Marcos Paulo 13 de junho de 2018 at 18:37
      Até quando..aliás, este Roberto deve ser robô…

      Não sou um robô, sou um leitor da trilogia a muitos anos, mas raramente faço comentários.

  9. Esses dias o poder naval publicou uma matéria, onde falava sobre a dificuldade da nacionalização de um dos motores elétricos que irá no nossos submarinos, onde a empresa francesa Jeumont Eletric, percebendo a grandeza da empresa brasileira WEG, e a ameaça de roubar boa parte do seu mercado e absorver tecnologia que ela ainda domina, pediu uma quantia milionária fora do normal, para impedir a transferência de tecnologia para a empresa brasileira.

    Mas oq isso tem haver com a Embraer ? Tudo, é a falta de visão dos acionistas e principalmente do governo Brasileiro, do perigo real da Boeing absorver toda a parte comercial da Embraer, e perdemos todo o expertise que adquirimos durante décadas, que foi financiado com boa parte com dinheiro do contribuinte brasileiro.

    Os franceses da Jeumont Eletric mesmo sendo uma empresa de pequeno porte perto da WEG, não temeu as consequências e se mantiveram firmes em suas convicções, e vão “pagar pra ver” nessa competição com a WEG no seu ramo, e não cederam sua tecnologia facilmente com medinho de uma competição, como vi vários comentaristas dando essa desculpa para vender a Embraer para a Boeing.

    Nós brasileiros temos muito que aprender ainda, temos que aprender a ter coragem, e entender que a competição faz parte nesse mundo dos negócios.

    • Mas neste caso os franceses não aceitaram transferir a tecnologia justamente por TEMEREM uma concorrência futura com a WEG. No caso da Embraer é o contrário, eles estão SE vendendo por medo da concorrência….. vai entender né…

      • ODST, por isso que eu to batendo nessa tecla, pq esse “medo” da Boeing ? A Embraer é uma empresa consolidada, é a 3ª maior do mundo no seu ramo, tem grande perspectivas de crescer ainda mais na área comercial com sua nova família de E2, e no setor de defesa com os Gripens e o KC-390, é uma empresa altamente lucrativa, pq tanto medo de competir com eles ?

        Foi a Boeing que bateu na nossa porta e procurou o governo brasileiro e a Embraer, e não contrário, se sou o governo faria como a Jeumont, pediria valores estratosféricos na casa dos 50 bilhões de US$, se a Boeing aceitasse, o governo e os acionistas “lavaria a burra” se não, que vão comprar outra empresa, e vida seguiria normalmente na Embraer.

        • Concordo em parte contigo Alessandro. O valor fechado foi pequeno demais: US$ 6,5 bilhões é pouco pela área comercial, mas mercado financeiro é uma máfia desgraçada, tem-se hoje o maior índice de recursos parados nos bancos em aplicações financeiras de todos os tempos do Capitalismo. Não tem como separar as equipes da Embraer em defesa e comercial, ficou ruim para os funcionários e péssimo para a SAAB. Agora, é hora de começar a investir em outras empresas de capital 100% nacional AVIBRAS por exemplo. Até o conceito de empresa de capital nacional foi modificado nos anos 90 pelo FHC, hoje tanto faz ser ou não de capital nacional, é uma farra do boi, as implicações são tremendas para financiamentos e defesa de patentes, não há compromisso com a nação. Mas não é culpa do setor privado, o governo deve ser forte e direcionar os recursos para as áreas de fomento industrial, agrícola e de inovações. Enfim, é papo pra muitas horas!

  10. Eu sinceramente não tenho uma opinião totalmente formada sobre este negócio, mais deixar a parte de negócios militar ou defesa de fora parece muito esquisito e incoerente…. então uma pequena explanação:

    Senhores eu posso estar errado ou louco mais veja bem em uma eventual fusão nos tínhamos é que nos beneficiar nessa área a vantagem é justamente essa, ter mais facilidade de acesso aos produtos avançados na área militar de fabricação da Boeing, deveria ser isso sim uma das condições para que este negócio acontecesse. Agora vamos ter duas Embraer ?? os americanos vão absorver toda expertise da Embraer em fabricação de aviões, de pequeno e médio porte, aumentar seus lucros e a Embraer nada …. A tecnologia e conhecimento agora adquirido junto com a SAAB, permitira a Embraer fabricar produtos ainda melhores. Bom sei tem os interesses dos acionistas ávidos por lucros e bla, bla , bla mais a Embraer por acaso do jeito que esta não da lucro ? Resposta: Sim , anos e anos de balanços positivos, Pra min mais uma vez este governo se engana, pois ele tinha o poder de veto, e onde fica o Brasil nessa? Tomara que eu esteja errado, mais saímos perdendo muito nessa, não sou de esquerda e nem direita sou do lado do Brasil, Não sou contra a fusão mais temos que procurar o melhor pra nosso pais, estar do lado dos EUA, ser parceiro do pais mais forte do mundo é certo, correto, mais passar nossos ativos pra eles é errado, devemos ser parceiros não empregados.

  11. O que a Embraer faz a Boeing pode tranquilamente fazer. Mas levaria uns 10 anos e ainda teria a Embraer pela frente. Comprar a Embraer, além de mais rápido, elimina um futuro concorrente.
    A matéria não cita o que vai acontecer com a linha executiva.
    Temo pelo que pode acontecer com uma Embraer apenas militar, ter o mesmo fim da Engesa.
    O que pode acontecer é a Embraer voltar a fazer aviões civis pequenos, como o Bandeirante, e ir crescendo. Mas é provável que a Boeing se precavenha.
    Outra probabilidade seria outra empresa, Novaer p.ex., receber uma injeção de recursos via BNDES para crescer.

  12. E o Gripen BR?
    Trecho do site da FAB:
    ..”Centro de Projetos e Desenvolvimento do Gripen (GDDN) foi inaugurado em Gavião Peixoto (SP). A unidade vai se tornar o hub de desenvolvimento tecnológico do Gripen no Brasil para a Saab e a Embraer, junto às empresas e instituições parceiras.”..
    .
    A Boeing Embraer vai ter acesso ou integrar a montagem do F-39 no Brasil no Gavião Peixoto? A A Boeing foi relegada e banida pela ex presidente no caso Snowden pela espionagem. E a Embraer é uma peça chave pela aquisição do Gripen.

  13. Como disse o saudoso Chico Anysio:

    B. ravos
    R. apazes
    A. mericanos
    S. ilenciosamente
    I. rão
    L. evando

    Se bem que: só termina quando acaba. Vamos aguardar notícias oficiais. Essas fontes anônimas só tumultuam. E os veículos que transmitem as “notícias” são deveras imprecisos.

  14. Esse é um ótimo negocio para a Embraer e ao contrario que muitos pensam é uma empresa privada de capital aberto e nao tem nenhum dinheiro publico nela, temos que considerar também que se a Embraer nao fecha essa fusão/parceria/venda em alguns anos pode nao aguentar a concorrência de uma Bombardier vitaminada pela Airbus e também é bom lembrar que o setor de defesa permanece na Embraer Defesa … alias, sera que nao seria a hora certa do governo brasileiro investir mais na compra de novas aeronaves para defesa aérea da própria Embraer ?
    ou na modernização de toda a frota de AMX A1?

    • O dia que a Embraer não tiver nenhum dinheiro público vai ser o dia que ela vai fechar as portas. O desenvolvimento do KC-390 foi pago por quem?

      • Os aviões comerciais da Embraer voam e são homologados com meses de antecedência prevista, já o KC-390 foi atrasado mais de um ano por falta de recursos no governo anterior, e já tem outros atrasos com o atual, como se vê, é um baita negócio para Embraer trabalhar e depender do dinheiro do governo.
        Aliás por um bom tempo a Embraer era quem estava bancando os voos de testes do KC-390, o governo não pagava o que devia.

        • Parece que a Embraer tá perdendo muito dinheiro com o governo ao ler seu comentário. Ela pega esses contratos por escolha, recebe bilhões só para o desenvolvimento. Não sei de onde isso é ruim.

  15. E o Mercado. Se compra quem é vende empresas. Se fala tanto da “perda” que é a Embraer para o Brasil, está todo mundo com bola de cristal? No Canadá se teve aumento de investimentos com a compra da Bombardier pela Airbus. Porque este não pode ser o caso brasileiro? Esse papo de americanos malvados colava no ensino fundamental e na CUT, agora com o mínimo conhecimento de mercado de sabe que a Embraer iria ficar em uma tremenda desvantagem nos próximos anos com a Bombardier tendo a pujança da Airbus por trás. É ou se juntar com outro gigante ou sofrer as consequências. Este é o mercado global, é vai ser cada vez “pior” no futuro. Quanto a área de defesa, pouco muda. O Gripen já tem vários componentes americanos, a Saab já tem parceria com a Boeing na área de defesa, então o projeto do caça fica na mesma. Quanto a mão de obra, simples, quem tem conhecimento continua empregado, quem não tem, ou parou de se atualizar, perde o emprego. Seja com plantas fabris aqui, nos EUA, ou na China.

  16. Se de fato o negócio está para ser concluído é lamentável para nós brasileiros, mas com esse governo o que poderíamos esperar, sinto muito que os militares tenham calado em uma negociata dessas que fere mortalmente os interesses estratégicos do Brasil, é melhor entregar de vez para os estrangeiros todas as empresas de tecnologia, ou seja as poucas empresas e corajosas empresas que ainda desenvolvem tecnologia de ponta no Brasil. Só posso dizer que sinto muito.

  17. Agora aparecem os especialistas que aprenderam economia/negócios assistindo comentaristas da Globo e páginas do UOL/Folha, analistas incríveis que elogiavam Eike Batista; elogiavam a enxurrada de centenas de bilhões do BNDES para grandes empresários; elogiam Bolsa Família, pois é distribuição de renda; elogiam as catástrofes naturais, pois essas trazem dinâmica economia na recuperação de áreas destruídas; elogiam a imigração ILEGAL, pois essa é instrumento de fomento econômico (argumento mentiroso, além de esquecer outros fatores relacionados a imigração e o fato de ser ILEGAL); ou comentaristas que diziam que se o presidente X ganhar a eleição o mundo vai acabar e a economia X vai afundar…”comentaristas” de emissoras e jornais não sabem nada, estão totalmente desorientados. É apenas o efeito MANADA!
    …………………….
    Vamos ter cautela, mais sensatez e menos fanatismo. Eu também não quero ver a empresa perdendo a sua identidade (inclusive seu nome), não quero demissões, não quero transferência de fábricas e parceiros, no entanto, não quero ser um doido tirando conclusões de um mercado extremamente restrito, um nicho de mercado que pouquíssimas pessoas conhecem.
    Abraço!

  18. ivan bc ,, concordo com vc que nao devemos ficar baseando em midias para entender coisas dificeis ate para especialistas do meio entenderem ,, mas quando se fala num gigante , pais de primeiro mindo , que sempre leva vantagens em um negocio , que so foi a lua porque prendeu um cientista alemao da 2 guerra , que juram que voaram primeiro em um aviao por isso foram os criadores do aparelho … etc etc etc nao e preciso nem entender , nem muito menos ser especialista , pra saber o que vai acontecer com o pais menor , menos significante e por isso menos capaz de ditar regras e muito menos de tomar descisoes e prol de si mesmo,,, desculpe a expreçao mas , acho que levamos ferro mesmo nesta transaçao ,,, mais um orgulho nacional que entregamos de bandeja . e nao entregamos porque nao sabemos o que esta acontecendo , entregamos porque ainda somos colonizados , esta e a verdade.

    • Entregamos, porque deixamos o país nas mãos de bandidos e essa responsabilidade é Nossa. Ja começamos a pensar em vantagens logo no jardim de infância e passamos a vida engabelando os outros. Ninguem pensa no país e sim nos proprios umbigos. Estou sendo repetitivo. A falta de recursos é endêmica em todas as áreas (menos na política). É o preço que se paga pela incompetência e irresponsabilidade do cidadão que desconheçe o espírito de Nação. Infelizmente seremos os eternos Zé Biribas se não mudarmos esse estadop de coisas. A EMBRAER é apenas mais uma que vai sumir. Dezenas de empresas de alta tecnologia simplesmente se mandaram daqui pois não tinham como sobreviver. Não existe almoço gratuito a não ser para políticos. O Brasil afunda cada vez mais nesse inferno de corrupção. Querem o que? Milagres?

    • Vanicio, primeiramente pare de confundir governo dos EUA com empresas americanas. Empresas esperam boas ações do governo com outros países (abertura), mas comumente a relação para por aí…Não estou dizendo que não há ligação pontual, muitas empresas esperam o mínimo de ligação, varia de setor para setor.
      Vamos lá: ATÉ ONDE EU SEI!
      A Embraer foi uma empresa pública (controlada pelo Estado), teve um certo progresso, principalmente com parcerias com italianos, tudo isso em uma época de Regime Militar onde houve uma grande estatização e interferência do Estado. Anos depois foi privatizada…
      Desde então a empresa cresce de forma contínua, criando produtos e gerando lucro. Grande parte desse crescimento está relacionado a parcerias com empresas americanas (Sierra Nevada Corporation – SNC) e européias, a Embraer como montadora de aviões utiliza inúmeros componentes de empresas estrangeiras, especialmente americanas;
      A empresa sobrevive da vendas de aviões para mercados estrangeiros (aviões civis), especialmente nos EUA, isso significa que há grande acesso da empresa naquele país e isso não é algo tão simples de se conseguir, especialmente um produto de valor agregado como aviões;
      A empresa tem ações cotadas na Bolsa de Valores dos EUA (forma de capitalizar a empresa em dólares, dólares usado nas transações naquele país).
      A empresa tem fábrica e centro de pesquisa nos EUA (assim como em Portugal e em outros);
      O Super-Tucano é vendida pelo governo americano (mesmo que o avião sendo produzido na fábrica americana), fato que ajuda muito as vendas dessa aeronave.
      …………………………..
      Com esses e outros argumentos, eu posso afirmar: A relação Embraer x USA é excelente e única nesse setor! Não me refiro ao governo dos EUA (até porque governos mudam), mas sim ao conjunto de tomadores de decisões.
      Nesse caso, não há nada de “””EUA que sempre levam vantagens em um negócio”””, aliás, todos os países próximos dos EUA, países de 1 nível e estratégicos recebem/receberam forte apoio dos EUA e hoje são potências regionais: Japão, Coréia do Sul, Taiwan, Singapura, Israel, Chile, além da própria Europa Ocidental, China (com grande apoio empresarial de americanos e do próprio governo) etc…
      Tão verdade que basta ver a balança comercial dos EUA, totalmente desfavorável para as empresas americanas, aliás, não é essa a crítica dos próprios cidadãos americanos? Essas fortes evidências de que sua análise acerca da realidade não é correta!
      ………………….
      Por fim, EUA não foram para a Lula por causa de 1 alemão…
      Os Irmãos Wright foram muito importantes para a aviação e eles valorizam seus feitos como nós valorizamos o Santos Dumont (que inclusive nem estudou no Brasil)…
      Posso ser sincero com você? Se for para eu ficar preocupado com aquisições e fusões eu ficaria com aquisições de chineses no Brasil, partindo inclusive para o apoio direito de um certo candidato a presidência (algo assustador). A China é uma ameaça para os EUA e Europa, imagine para o Brasil…
      Abraço!

  19. Parabéns ao Brasil e seu governo federal. Vendo mais uma empresa estratégica para o país. Vale lembrar um grande ditado popular: Cada povo tem o governante que merece! Coitado de nós brasileiros! Regredimos um século praticamente!

  20. Daqui a pouco o Neymar marca o primeiro gol na copa e o Galvão Bueno começa a disparar o Tal do Brazilzilzil e tá tudo certo.
    Para o homem médio brasileiro se tiver futebol e cerveja, que se acabe o mundo..
    Não será uma meia duzia de entusiastas que acompanham o assunto que vai mudar isso.
    Não somos o que somos à toa não pessoal, fazemos por merecer.
    .
    No mais, parabéns aos americanos.

  21. Gente, pode ser notícia plantada para fins de gerar especulação na Bolsa e um punhado ganhar dinheiro, muito dinheiro, isso é comum, tem gente profissional neste ramo, com as taxas de juros baixas, qualquer coisa é lucro, e uma subida dessas gera muito lucro a esses especuladores.
    Minha esperança?? é que tem os militares atuando na negociação, iriam eles quererem ver a destruição de uma empresa que eles mesmos criaram e é orgulho nacional ser destruída??
    Mas se no final for mesmo um acordo estilo Caracu, só resta entrar com uma ação no STF e deixar a decisão para um presidente eleito, seja ele quem for.

  22. Vergonha. Este governo não tem ligitimidade nenhuma para dar aval sobre qualquer assunto, principalmente sobre um destes relacionado a Embraer. Cadê os militares que defendiam o patrimônio nacional?

  23. Por isso o Brasil continuará sendo anão militar e diplomático.

    Conseguem imaginar país sério vendendo uma empresa estratégica de defesa ?

  24. O show terminou, acabou a Embraer o sonho que se tornara realidade do Engenheiro Ozires Silva, acaba de acabar. Embraer vai ficar apenas nos livros de história, e mais uma vez esses brasileiros abriram as pernas e os americanos adentraram sem dó e piedade, sou leigo no assunto mas não ignorante, tudo que o americano entra é pra arregaçar, ele não quer concorrencia com ele, principalmente em tecnologia de ponta. Lembro muito bem em 1984 em Salvador-Bahia tinha uma empresa que se chamava EQUIPETROL , ela fabricava todo material e equipamentos de perfuração e produção para Petrobras, só não fazia a broca. Eram três turnos produzindo diuturnamente, exportava tbm para o mundo todo ,resultado, os americanos sentiram-se acuados e compraram a Equipetrol com seis meses, a empresa fechou e mais ou menos 6000 empregados na rua e hoje eu sou tenho saudades da excelente empresa que me tirou da sala de aula do curso técnico de eletromecanica da Escola de Engenharia Eletromecanica da Bahia e me fez um profissional qualificado e preparado em integridade de equipamentos com enfase em Ensaios Não Destrutivos.Então, fica aqui meu adeus a essa excelente Empresa que foi a EMBRAER que elevou o nome do nosso país mais alto.

  25. Burro fui eu que em 2011 comprei um apartamento cobertura em SJC para investimento devido as notícias do Pré-sal e trem bala que passaria na região.

    No fim não teve pré-sal nem pré-açucar, nem trem bala, nem trem sorvete e ainda a Embraer corre o risco de deixar a cidade.

    Minhas esperanças são que aluguei recentemente o apartamento e fico na torcida para que a Embraer além de ficar na cidade, receba investimentos para crescer ainda mais.

  26. A história realmente é cíclica. A +- 25 foi exatamente a mesma choradeira: a Embraer é estratégica; como podem entregar mais uma empresa brasileira para os malvados americanos; os americanos querem destruir a indústria brasileira e nos transformar em uma colônia produtora de matéria prima….

    É uma pena que no primário só se estuda a história dos últimos 15 anos, aí não se percebe que essa choradeira já aconteceu é que vender Embraer, a 25 anos, foi a melhor coisa que o governo fez.

    Eu não consigo entender se a repetição do choro é por ignorância do que aconteceu, por cegueira ideológica, por dificuldade de discernimento do que acontece no mundo que deu certo ou por sacanagem mesmo. Aaahh podem ser os cogumelos também.

    Será que houve choro nos EUA quando as fábricas “foram” para a China? Ou quando um brasileiro assumiu o controle da maior rede de fast good americana, da mais consumida cerveja América e dá mais tradicional marca do mais tradicional molho americano? Ou quando uma de suas mais antigas marcas de veículos foi comprada por uma empresa italiana?

    Realmente a educação nos EUA é muito melhor que a nossa. Pelo menos nas aulas de história eles aprendem a não cometer os mesmos erros do passado.

      • Vc consegue imaginar a bombadier sendo vendida para uma empresa europeia? Essa também é uma comparação absurda?

        No mundo civilizado é assim, a compra ou a venda de uma empresa só interessa a seus donos. O que nos mantém no terceiro mundo é esse pensamento ultrapassado de acreditar que o Estado é um paizão que tem que controlar tudo.

  27. Me desculpe André, mais esta comparação sua não tem cabimento:

    “Será que houve choro nos EUA quando as fábricas “foram” para a China? Ou quando um brasileiro assumiu o controle da maior rede de fast good americana, da mais consumida cerveja América e dá mais tradicional marca do mais tradicional molho americano? Ou quando uma de suas mais antigas marcas de veículos foi comprada por uma empresa italiana?”

    Comparar um produto de alta tecnologia como avião (e ainda no caso do Brasil estratégico) com “fast good”, cerveja, e marca de carro que existe aos milhares não tem cabimento….

    Quando capitar da Embraer foi aberto, a decisão foi acertada, sim claro, olha o sucesso da Empresa hoje, mais não podemos esquecer que os principais produtos ainda hoje é herança de conhecimentos básicos e e tecnologia adquirida quando a empresa estatal, exemplo Tucano = Super tucano, a linha de aviões comerciais e executivo se beneficio de conhecimento adquirido no projeto conjunto do AMX.

    Vamos aguardar, não sou contra a economia de mercado, é preciso de mais detalhes , Mais minha opinião é de que em vez de vender se podia estreitar as parcerias ainda mais do que já existe hoje sem precisar abrir mão do controle da empresa,

  28. Por mim é vendida até para os norte-coreanos. Me parece que muita gente aqui é a favor de uma intervenção do governo, uma imbecilidade sem tamanho, querem o quê? Uma reestatização da Embraer? Querem que nós nos tornemos sócios compulsórios da empresa? Por favor né? Empresas vem e vão, mais um dia normal no capitalismo, e viva o capitalismo!

    • Tão liberal. So falta ________________ Se tiver uma guerra vai lutar com dinheiro? E dinheiro acaba, conhecimento é poder, quem tem, tem tudo alem de gastar menos dinheiro, e aumentar exponencialmente a chance de vitória. Defender tecnologias sensíveis, empregos, economia, é diferente de reestatização, aliás não tem nada haver, daonde tirou isso. My god!

      COMENTÁRIO EDITADO. MANTENHA O RESPEITO.

      • Como se para lutar em uma guerra fosse necessário ter uma marca de aviões comerciais…

        A Síria não fabrica nem bala de 38 e está lutando a quantos anos? Israel tem uma das melhores forças aéreas do mundo e não fabrica um assento de avião.

        A mundo civilizado mostra que a melhor forma do estado defender a economia e o emprego é não se metendo.

        • No caso da Siria ela esta lutando contra rebeldes, se tivesse que encarar um exercito convencional cairia em poucas semanas. Israel nao possui uma embraer mas é um dos paises que mais possui tecnologia na area militar, produzindo drones, armas, sistema de defesa antiaérea, misseis etc. Possuem varias empresas estratégicas, mesmo quando compram algo de fora, em pouco tempo dominam a tecnologia que compraram. Israel viu que nao dava pra deixar a defesa dependente de outros paises depois que a França embargou os Mirages 3, assim surgiu o kfir.

          • E se compararmos o Brasil com outro país que não costuma se envolver em guerras e nem tem inimigos declarados em suas fronteiras, como a Austrália ou o México? A eles faz falta uma fabricante de aviões?

          • André,

            A última guerra externa que sei do México se envolver, de fato, faz tempo, foi a Segunda Guerra Mundial. Houve um entrevero com a Guatemala anos depois, mas não foi grande coisa.

            Já a Austrália se envolveu em diversos conflitos depois da Segunda Guerra Mundial: Coréia, Vietnã, Guerra do Golfo, Afeganistão, em praticamente todas as décadas desde meados do século passado ela participou de conflitos externos.

          • André
            A embraer é mais que uma simples empresa, ela e quase que parte da fab, assim como a LM e a Boeing sao para as forças armadas americanas. Uma empresa desse porte com certeza faria falta pra qualquer pais, estando em guerra ou nao, por isso a galera sempre diz que os Eua nunca deixaria a Boeing ou LM ser vendida para outro pais.

          • Nunao, o fato de não ter fábricas de avião militar fez falta para a Austrália ou para o mexico nessas guerras?

            Dan, vc viu que a parte militar da Embraer não faz parte do negócio, certo?

          • André,
            Pro México, até onde sei não. Mas o México é um caso peculiar, vizinho dos Estados Unidos.

            Mas eu não escrevi no meu comentário anterior que a Austrália não tinha fábrica de aviões, só ponderei o que você escreveu sobre participação em guerras.

            A Austrália teve e ainda tem indústrias nas áreas de defesa e aeronáutica. No auge da expansão japonesa em 1942 chegaram a produzir na CAC (Commonwealth Aircraft Corporation) um caça emergencial em tempo recorde, baseado em aviões de treinamento produzidos sob licença, e foi importante pra compor seu sistema de defesa aérea durante aqueles meses de maior desespero.

            A Austrália também produziu na época da Guerra Fria uma versão do F-86 Sabre, montou o Mirage III sob licença e também montou localmente os caças F/A-18A.

            Hoje a Austrália não fabrica mais caças sob licença, mas há um parque industrial aeronáutico que apoia as aeronaves da Força Aérea Real Australiana, incluindo o Super Hornet, e tem condições de participar de programas como o do F-35. A base industrial deles na área de defesa tem tradição e eles procuram manter sua capacidade, mesmo sem uma indústria competitica mundialmente como é o caso da Embraer.

  29. Opinião: Boa solução para a EMBRAER que fica.
    Fabricar aviões militares, aviões executivos, aviões elétricos e automóveis elétricos com desenho nacional com a marca consolidada EMBRAER.
    Ser uma fabricante brasileira de carros nacionais.

    • Sim, se começar tudo de novo, num novo projeto, ou se a Embraer comprar a parte da Boeing nesta nova empresa (que terá 80%). Os projetos comerciais ficarão a cargo desta nova empresa, ou seja, todos os seus projetos comerciais ficarão sob a batuta da Boeing e a Embraer terá que ficar caladinha sobre as decisões da empresa estadunidense. Poderá até dar um pio, mas não fará grandes coisas. Aliás, esta jointventure será nos EUA, ou seja, ficará sob a batuta do que determinar as leis do governo dos EUA.

  30. O Brasil Fez uma compra acertada na visão da maioria, que foram os caças Gripen para nossa força Aérea em um valor de US$ 5,4 bilhões. Porém como fica a tal da troca de tecnologia que nos contribuintes estamos pagando? Este conhecimentos seriam voltados para a Embraer, com qual finalidade? Mas uma vez os contribuinte ficando com o prejuízo.

    • O governo pagando transferencia de tecnologia para uma empresa privada eu sempre critiquei, acho um roubo de recursos públicos em prol dos acionistas desta empresa.
      Mas a maioria sempre achou bonito, alegando que outros países tambem fazem.

      • Nos poderíamos ter era comprado 54 caças Gripem por este valor e ainda sobraria dinheiro, agora esta transferência de tecnologia vai para Boeing ? Pois a mesma pode a partir do momento que efetuar a compra da Embraer, levar toda linha de produção para os Estados Unidos.

  31. Negoção esse!!!

    Pelo custo do desenvolvimento de um único aparelho desse porte, a Boeing ficará com umas três famílias de aviões comerciais. Detalhe, com uma carteira de clientes já estabelecida e ampliando.

    Brasileiro é muito ‘isperto’ mesmo!!!

    • Bem colocado Wellington, eu penso o mesmo! Se ainda fosse para uma parceria, as empresas criassem uma terceira onde a participação fosse igual ou 51% da EMBRAER seria muito bem vinda. Mas da forma que estão querendo é praticamente um crime de lesa-pátria.

      • Pois então, meu amigo, pois então. Eu não me oponho a parcerias especificas, nos moldes, inclusive, ao que Airbus e Bombardier estão fazendo (que segundo o CEO da EMBRAER, é a desculpa, digo, justificativa para o atual negocio). Mas na forma como estão propondo (80-20), é decretar a extinção da empresa brasileira. O pior é o governo aceitar tais termos. É a típica parceria cara-c*.

        A parceria com a Sierra Nevada está ai para mostrar que isto pode dar certo. Alias, a própria Italo-britância Leonardo tem uma parceria bem interessante com a Boeing, no segmento de asas rotativas, que poderia muito bem ser útil neste caso.

        Mas aonde já que o brasileiro vai perder a chance de ser uma filial?! Matriz, é coisa de país de primeiro mundo.

  32. Não há muito o que dizer já que não fará diferença no que vai ser feito, deixo apenas a frase:
    Colônia é Colônia, metrópole é metrópole.

  33. Essa noticia sim, talvez seja a pior que já li aqui desde quando comecei a ler as materias lá por 2010. Esse negocio vai trazer milhoes, talvez bilhoes de dolares de lucro e felicidade para os especuladores da bolsa, tanto no Brasil como nos Estados Unidos, para a Boeing e seu pessoal, e claro, para a classe politica imunda brasileira. Nao se preocupem, nao. Daqui a algums anos, talvez antes ficaremos sabendo das propinas milionarias que fizeram essa “aprovação” sair.
    Brevemente veremos a produção de tudo o que vale a pena, assim como os bem remunerados trabalhos dos engenheiros aeronauticos ser transferidos para Florida e North Carolina, mas antes verão engenheiros Americanos fazendo estágio de treinamento em São Jose Dos Campos, aonde os seus colegas brasileiros vão lhes ensinar tudo direitinho. Depois fica fácil, os brasileiros só precisam pegar um visto de trabalho e ir pros Estados Unidos, não? (Ironic Mode On).
    Mas quem save, talvez deixem no Brasil a produção de peneus, assentos e cintos de securança.
    Enfim, péssimo negocio.

  34. Vergonha de ser brasileiro. Quanta saudade do passado grandioso da nação. Aposentar e ir-me embora dessa m… Jurar bandeira em outro lugar.

  35. Questão fácil. Nao vendia por nada! Embraer tem um nicho de mercado que a Boing não compete, tem tecnologias que a Boing não produz, a area de controle e automação é impecável, aerodinâmica, softwares de testes e ensaios para o melhor modelo de aeronave, etc. São muitas tecnologias que só a Embraer desenvolveu e tem. Alem de que essa empresa ja recebeu muito capital nacional, tanto monetário quanto humano, mão de obra de otimas faculdades federais. É o mesmo caso da Petrobrás(tirando o fato que a Petrobrás tem muito mais peso pois o governo tem poder de controlar a economia com ela) já se investiu demais nela, vender, não é só bizarro, como burrice, ou expertisse e ganância por parte de alguns poucos que lucrarão em detrimento de um bem valioso da nação.

  36. Adeus Embraer, Adeus sonho do comandante Osires, adeus recursos de impostos pagos parta termos expertise na construção do caça, adeus independencia . Se o governo não investir maciçamente no que restar da Embraer, em pouco tempo vira uma Engesa ou terão que vender os 20% restantes para a Boeing! Ahh não, não foi venda, foi apenas uma associação de marcas. st4

          • Certamente Ozires Silva possui muito mais informações que nós, e certamente deve ter conhecimento sobre o status das negociações. A questão é que desde que iniciou-se toda essa estória de fusão entre Boeing e Embraer, todas as notícias que chegam até o público em geral não passam de boatos e especulações. Como eu disse em outras ocasiões, tudo pode acontecer, inclusive nada. Há muita choradeira pouca informação.

  37. Por mim vendia e começavamos uma nova empresa para concorrer com a Embraer e a Boeing, lógico sendo privada mas com ajuda de poucos e impostos e empréstimos com taxa de juros baixo, aí vendemos de novo, e continua o ciclo. ou então, devíamos ajudar a embraer a entrar na área da boeing e da airbus, ao mesmo tempo que mantemos a embraer com os jatos comerciais menores, e veríamos a diferença entre as 3 empresas diminuírem.

  38. Se meu professor de estatística e probabilidade estivesse por dentro de como a a grande mídia funciona e eu perguntasse a ele; Qual a probabilidade dessa transação importante ser noticiada com algum destaque nos principais telejornais como o JN?, ele me responderia: ”Tende a zero” .

    Quando o patrão pede silêncio os empregados calam a boca.

    Melhor ficar enchendo o noticiário de mais do mesmo e dizimando a esperança do brasileiro (Já baixa) de ver um Brasil melhor.

    Enfim, que Brasil vocês querem pro futuro?, gravem um video, mas tem que ser na horizontal hein!!

  39. É o eterno voo da galinha. Como dizia o meu pai; O Brasil é o Pais do futuro, só que bem lá no futuro. Mas eu não entendo mesmo como sequer pensam na venda de uma firma de tecnologia de ponta, altamente estrategica e cheia de sucesso como a Embraer. Nunca os Estados Unidos sequer ousariam debater a venda, mesmo parcialmente da Boeing, ou da Raytheon por exemplo.
    Será que no Brasil ainda não existe nem um pouquinho de orgulho? De patriotismo? Realmente o único que importa é o dinheiro?
    De vez em quando converso por ai com amigos sobre a finada Engesa, e o que teria acontecido caso aquele negócio ter saido com a Arabia Saudita, que certamente hoje a versão brasileira do M-1 Abrahams estaria espalhada mundo afora, mantendo o Brasil na vanguarda tecnologica dos MBT, tendo conquistado essa tão privilegiada posição.
    Mas depois dessa ai, vejo que no teria feito diferença nenhuma.

  40. Walfrido

    Quem são os atuais controladores da EMBRAER ?

    Sim, eles …. os AMIS !

    São AMIS negociando com AMIS.

    Vocês querem o quê ?

  41. É gente, o negócio é vender soja, minérios e filhotes de animais silvestres mesmo, quem sabe assim chegamos lá. Me admira os militares permitirem isso.

  42. Fresney, e você realmente acha que a politicada do Planalto quer lá saber alguma coisa dessas familias brasileiras? Eles estão super interessados em ver a conta corrente crescer lá na Suissa, na Franca, nos Estados Unidos.
    O que estamos vendo no Brasil é o que acontece quando um exercito inimigo invade o seu pais. Uma pilhagem incontrolável. O estupro do pais inteiro. Quando esses malandros, de todos esses partidos que de ideologia só tem o nome sairem do poder, não vai ter mais Brasil. Vão ter roubado até o ultimo centavo, vão ter vendido at a mãe. Depois sobem no jatinho Novo em folha feito pela Embraer (ironia), e adeus.

  43. Se a area de business jets ficarem com a Embraer ( e no Brasil!) e eu assim espero que seja, tomara que considerem voltar a produzir avioes comerciais turbo-hélices (coisa que em minha opinião, não deveriam nunca ter deixado de fazer) para complementar as receitas da futura forma que empresa assumirá. Penso que talvez seja um modo de mante-la viva e bem das pernas, ativa e sem depender exclusivamente das (poucas) encomendas militares. Tomara que o que restar por aqui tenha alguma capacidade de se manter e continuar p&d, sem depender exclusivamente do governo. E bem que a EDS podia fabricar helis num futuro próximo hehehehe Imagino que pra quem projeta aviões não deve ser tão mais complicado fazer helis. E até projeto de “aero-taxi” já tem. Enfim, espero que nos reste algum orgulho por estas terras e que não comam a Embraer por inteiro

  44. ADOREI um amigo ai em cima que comentou sobre a rede lixo de tv ,,, sobre a porcaria dos videozinhos que o povo faz e manda pra la, dizendo que brasil querem pro futuro,,, e terrivel assistir a tudo isso calado,,, se o governo de paises serios negociarem uma empresa ou bem de extrema importancia para seus paises , com certesa a midia cairia matando em cima , e colocaria tudo em pratos limpos para acordar o povo,, aqui nao, a midia mais assistida que sao as tvs nao teem nenhum interesse de mostrar estes assuntos que sao de estrema importancia para nosso povo/naçao,,,na verdade estes canais sao pagos pra nao falarem nada certo ?, mas a copa do mundo para tudo , e 24 horas falando do neymar etc… e nos aqui , um pequeno porem celeto grupo de simpatisantes , leitores e amantes (patriotas) perdendo nosso tempo , pois nada vai mudar e mais dia menos dia a embraeer ja sera americana mesmo,,., falam em junçao ,, mas junçao de 20/80 por cento ??
    o governo americano do norte nao permitiu a venda da gm para fiat italiana uns anos atras , e ollem que a gm estava falida , disseram que era uma empresa de importancia nacional !!?? e graças a isso a gm levantou se e esta mais forte do que nunca ,, ja nois ca, estamos vendendo a 3 maior empresa de aviaçao do mundo que esta num momento maravilhoso e so tende crescer,,, sei que tem acionistas do mundo inteiro mas sao varios acionistas e nao uma so empresa como no caso desta venda,,, sendo muitos pequenos donos a empresa nao e comandada por um so grupo , no caso da venda ela sera totalmente controlada pelo comprador ,,, e a parte que cabe ao brasil sera disimada de vez. e o que penso .

  45. A produção vai embora para os EUA!
    Os impostos e lucros agora serão dos EUA!
    Desmonte da produção no Brasil !
    Empregos para os americanos e desemprego para brasileiros!
    Fim da condição de participação efetiva da indústria brasileira hitech nos futuros projetos de aeronaves!
    Os dólares da venda vão acabar rápido!
    Ou seja, éramos felizes e sabiamos disso é mas mesmo assim por um punhado de dólares simplesmente não quisemos mais ser felizes!
    Lamento imensamente o que fizeram!!!!

  46. A situação é extramamente delicada, vejamos:

    Se a EMBRAER não se fundir a BOEING, é muito provável que a própria BOEING passe a fabricar aviões de médio porte e tome o mercado da EMBRAER. Além disso, o fortaleceimento da AIRBUS em ter comprado a BOMBARDIER (a principal concorrente da EMBRAER no momento), tornou bem mais difícil o cenário. É como se os a EUROPA se aliasse ao CANADÁ numa guerra contra o Japão, só para efeito de comparação. Muito difícil para a EMBRAER.

    O melhor seria se a EMBRAER “peitasse” as concorrentes e tentasse sobrevier no mercado da aviação média buscando ser líder de mercado. Para isso, seriam necessários altos investimentos de recursos e tecnologia, mas os investidores internacionais prefereriam investir na conconrrência, haja vista que elas são maiores, mas vamos pensar postivamente, que seria possível a sobrevivência da EMBRAER, ou quem sabe, até mesmo superar a concorrência. Aí sim, nós os Brasileiros nos daríamos por satisfeitos!

    • É justamente isto que os “analistas de mercado” querem fazer entender. O problema está que isto não é verdade.

      Primeiro porque o MRJ japonese ainda não disse, e não dirá por muito tempo, a que veio. O Super Jet 100 da Sukhoi ainda tem problemas técnicos a serem sanados, mesmo depois de tanto tempo como projeto e já ter sido entregue a alguns operadores no ciclo de influência russo.

      Ah tá, a Embraer chegou aonde chegou “peitando” as concorrentes e, o mais interessante, vencendo. E quanto a investimentos, o BNDES e toda a capacidade de desenvolver ótimos projetos, são as credenciais de sobrevivência da Embraer por muitas décadas ainda. Sua capacidade de projetos consistentes, a um custo de desenvolvimento dentro do aceitável (sem querer reinventar roda), a tem credenciado a ser o que é.

      Sugiro, da próxima vez, buscar aprofundar mais conhecimento com jornalistas especialista no tema e não analistas de mercado financeiro.

      Até mais!!!

  47. Essa notícia é aquela que agita todo mundo, independentemente de que lado está. Se de um lado os especuladores ganham (será que a CVM vai fazer uma auditoriazinha?) de outros os adeptos do nacionalismo tosco têm a oportunidade de tirar o mofo do seu discurso.

      • Serjão, o lado do nosso país é se opor firmemente a esse negócio da forma que está desenhado. Essa é a minha e a sua posição. O meu comentário acima diz respeito aos oportunistas, quer aqueles que lucram na bolsa, quer aqueles que nunca fizeram nada pela empresa fora discursos vazios e que com a oportunidade querem recuperar a relevância perdida.

    • Curioso: você chama um avião de Boeing B 195 B2 mas chama o outro de “C Series”, ao invés de chamar de Airbus A210, A230 e por aí vai. Não vejo coerência.

  48. desde de quando foi colocado as ações da Embraer na bolsa de valores, ela deixou de ser Brasileira, não esqueçam disso! Não fabricamos motres, avionicas, etc! não temos nada, a boing ta comprando so a engenharia

LEAVE A REPLY

Please enter your comment!
Please enter your name here