Home Aviação de Ataque Lockheed Martin entrega o 300º caça F-35

Lockheed Martin entrega o 300º caça F-35

7999
76
300º F-35 decolando das instalações da Lockheed Martin em Fort Worth, Texas
300º F-35 decolando das instalações da Lockheed Martin em Fort Worth, Texas

FORT WORTH, Texas — O Escritório do Programa Conjunto F-35 e a Lockheed Martin entregaram a 300ª aeronave F-35 de produção, demonstrando o progresso e a dinâmica contínuos do programa. A 300ª aeronave é da versão F-35A da Força Aérea dos Estados Unidos (USAF), a ser entregue à Base Aérea de Hill, Utah.

A 300ª aeronave de produção do F-35 partiu da linha de voo da Lockheed Martin em Fort Worth, Texas.

Os primeiros 300 caças F-35 incluem 197 variantes F-35A de decolagem e pouso convencional (CTOL), 75 variantes de decolagem curta/aterrissagem vertical (STOVL) e 28 variantes F-35C (de porta-aviões) e foram entregues aos EUA e clientes internacionais.

Mais de 620 pilotos e 5.600 mantenedores foram treinados, e a frota de F-35 ultrapassou mais de 140.000 horas de voo acumuladas.

Aumentando a produção, reduzindo custos

À medida que o volume de produção aumenta e as eficiências adicionais são implementadas, a Lockheed Martin está a caminho de reduzir o custo de um F-35A para US$ 80 milhões até 2020, que é igual ou menor que o das aeronaves de 4ª geração.

Com a incorporação de lições aprendidas, eficiências de processo, automação de produção, atualizações de instalações e ferramentas, iniciativas de cadeia de suprimentos e mais, o Programa F-35 já reduziu significativamente os custos e melhorou a eficiência. Por exemplo:

  • O preço de um F-35A caiu mais de 60% desde o primeiro contrato.
  • O trabalho de toque foi reduzido em cerca de 75% nos últimos cinco anos.
  • O tempo de produção diminuiu em cerca de 20% desde 2015.

A empresa atingiu a meta de entrega de 66 aeronaves em 2017, representando um aumento de mais de 40% em relação a 2016. Em 2018, a equipe está direcionada para 91 entregas de aeronaves e está se preparando para aumentar o volume de produção em relação ao ano anterior de aproximadamente 160 aeronaves em 2023.

F-35C carregando externamente bombas de 2.000 libras JDAM GBU-31 e mísseis AIM-9X Sidewinder (Photo by Lockheed Martin)
F-35C carregando externamente bombas de 2.000 libras JDAM GBU-31 e mísseis AIM-9X Sidewinder (Photo by Lockheed Martin)

300 aeronaves incompletas

Todos os 300 F-35 construídos até hoje são aeronaves de produção inicial de baixa cadência e, como tal, estão ainda longe de atender o desempenho contratual.

Desse total, quase 200 são equipados com o software Block 2B ou Block 3I (108 F-35As da USAF; 53 F-35B do USMC e 28 F-35C da US Navy), que permitem a execução de saídas de voo com armas básicas, como mísseis ar-ar AIM-9 e AIM-120 e algumas bombas guiadas a laser.

A maioria desses primeiros aviões só pode ser usada para treinamento, a menos que eles façam um upgrade caro, e a Força Aérea dos EUA não tem certeza se terá dinheiro para atualizar seus 108 caças F-35A.

Assim, apesar da imagem que a Lockheed tenta projetar da maturidade do F-35, o programa não atingirá os recursos especificados no contrato original até que eles sejam atualizados para a configuração Block 4 (agora conhecida como Continuous Capability Development and Delivery, ou C2D2), sob um programa separado de US$ 16 bilhões cujo financiamento ainda não está garantido e que não será concluído até o final do ano fiscal de 2024.

76
Deixe um comentário

avatar
20 Comment threads
56 Thread replies
0 Followers
 
Most reacted comment
Hottest comment thread
31 Comment authors
cfsharmDio NetoMunhozRussian BearRicardo da Silva Recent comment authors
  Subscribe  
newest oldest most voted
Notify of
Ivanmc
Visitante
Ivanmc

300 agora eu respeitei. Não é para qualquer um.

Anderson
Visitante
Anderson

Oi pessoal, acredito que este caça é apenas marketing ou seja não é tudo isso que falam, vejo ele apenas como um caça bombardeio é muito bom nisso ou o melhor mais é péssimo em manobras e em um possível combate ele perderia para a grande maioria dos caças modernos.
Hoje eu vejo os melhores e mais completos aviões o SU-35S , SU-57, F22, Gripen e Rafale.
Mas tudo depende do emprego do avião e o custo de compra e manutenção das aeronaves.

Mk48
Visitante
Mk48

Prezado,

Cada um acredita no que quiser.

Tem gente, por exemplo, que acredita em papai-noel e mula sem cabeça.

Eu já acredito que o F35 é disparado o melhor e mais completo caça já produzido no mundo, que não precisa entrar num dog-fight, exatamente porque está muito bem equipado para abater o caça inimigo (ou os caças) muuuuuiiiiito antes de ter sua presença notada.

Para entender o valor do F35 primeiro é preciso entender que os paradigmas da guerra aérea e seus vetores mudaram.

Dog-Fight é coisa do passado, para aviões de gerações anteriores.

HMS TIRELESS
Visitante
HMS TIRELESS

Amigo Mk-48, mesmo em dogfights o F-35 não faria feio pois conforme mesmo atestaram os pilotos que o voaram ele tem manobrabilidade situada entre o F-16 e o F/A-18 sendo mais próxima desse último pela capacidade de alto AoA. Vimos isso na apresentação executada no salão de Le Bourget ano passado onde, aliàs, o aparelho levava em suas baias de armas uma carga comparável à de mísseis AMRAAM.

Ademais, em testes teria conseguido executar o “Cobra de Pugachev”, a manobra que leva os fãs da família Flanker ao delírio.

Mk48
Visitante
Mk48

Prezado Tireless,

Sim, estou ciente destas informações que você escreveu, porém o meu comentário foi no sentido de que o F35 não foi concebido para atuar em dog-fights, mesmo que ainda não “faça feio” em um.

Obrigado pelas informações.

Abs.

Bosco
Visitante
Bosco

Um F-16 puxa 9 G numa configuração limpa. Cheio de penduricalhos essa capacidade é reduzida pelo FBY.
O F-35 puxa menos mas não tem essa limitação quando numa configuração steath full.

Bosco
Visitante
Bosco

Alexandre = Galante.
Rsrsss

CignusRJ
Visitante
CignusRJ

Anderson. Só por curiosidade.
Como vc pode dizer que um avião que ainda não existe, só seus protótipos, portanto ainda não esta pronto (SU-57) pode ser melhor que um que já esta voando e já existem 300 unidades vendidas?
Não desqualifico as virtudes e as pretensas virtudes do mesmo só quero entender seus critérios pra chegar a esta conclusão.

Anderson
Visitante
Anderson

Boa noite, postei as informações para provocar discussão mesmo, está foi a intenção blz. Bom vamos lá, só pra reflexão: 1-Alguém acha que uma grande potência militar vende o que tem de melhor? 2-Foi publicado a pouco tempo a falha de mobilidade do F-35 que era pior que do F16 e F18 mas era compensado pela alta tecnologia é que poderia abater estes a longa distância, isto não seria um marketing para venda? 3-Outras potências como a Rússia teria uma aeronave tão inferior? 4-Empuxo vetorial 360 graus só a Rússia tem, outros países têm apenas empuxo vertical certo? 5-O SU-35S… Read more »

Bosco
Visitante
Bosco

Anderson, Só uma correção: os russos adotam um sistema de controle de empuxo (TVC) tipo TVN (thrust vectoring nozzle) 3D em alguns de seus caças Sukhoi e os americanos adotam um TVN 2D no F-22. Os russos não têm aviões com escapes vetoráveis 2D e os americanos não têm aviões com escapes vetoráveis 3D. Isso não quer dizer absolutamente nada acerca das qualidades de um ou de outro. É opção tecnológica de cada um e nesse caso não quer dizer que o fato do 3 ser depois do 2 que o sistema TVN 3D é superior ao 2D. rsrsss Ambos… Read more »

RicardoNB
Visitante
RicardoNB

Na verdade o russos usam um TVC 2D (pegaram um TVC 2D e inclinaram em 32 graus) na linha Su-30/35. Falta de manobrabilidade do F-35 é mito, puro mito com base em um relatório de um F-35A limitado a 5G e sem manual de combate. Puro amadorismo tomar aquele relatório como desempenho de uma aeronave operacional.

Bosco
Visitante
Bosco

Ricardo,
Que eu saiba o TVN do Su é 3D.

RicardoNB
Visitante
RicardoNB

Bosco ele e chamado de 3D fixo. Não se move livremente em 3D, mas sim em 2D em um ângulos inclinado que gera forças em azimute. É como pegar o TVC do F-22 e girar ele 32 graus no sentido horário ou anti-horário, agora como ele ficou inclinado ele vai gerar forças laterais. É só mais uma daquelas histórias mal contadas.

RicardoNB
Visitante
RicardoNB

Imagemcomment image

Jjose
Visitante
Jjose

A índia cancelou a compra de dezenas de SU-57, por não cumprir as tarefas as quais são submetidos os caças de 5 quinta geração, os russos ainda não chegaram lá !

Ricardo da Silva
Visitante
Ricardo da Silva

Jjose 12 de junho de 2018 at 20:29,
Os Russos não estão compartilhando a tecnologia stealth com os indianos. Esse seria o real motivo da briga

HMS TIRELESS
Visitante
HMS TIRELESS

Esse é apenas um dos motivos para a saída dos indianos do programa. O outro é que o aparelho russo simplesmente não alcançou os requisitos de redução de RCS do programa.

Ricardo da Silva
Visitante
Ricardo da Silva

HMS TIRELESS 13 de junho de 2018 at 9:41,

Como se diz:
“Quem conta um conto acrescenta um ponto”
Em alguns casos, se acrescentam um parágrafo!

HMS TIRELESS
Visitante
HMS TIRELESS

A alegação indiana é corroborada por especialistas ocidentais, salvo o histérico Carlo Kopp, há bastante tempo. Já foi inclusive objeto de diversas matérias em revistas e sites especializados e recentemente tivemos uma matéria a esse respeito aqui no Aereo.

Fox-2
Visitante
Fox-2

“Lockheed Martin entrega o 300º caça F-35″… Com mais de 900 erros de projero !
Vai ter recol pra perder de vista…

Mk48
Visitante
Mk48

Recol ????????

Isso me lembrou o “Hoyal” hahahah

Ricardo da Silva
Visitante
Ricardo da Silva

Aos “adoradores” do F-35 “300 aeronaves incompletas” “Todos os 300 F-35 construídos até hoje são aeronaves de produção inicial de baixa cadência e, como tal, estão ainda longe de atender o desempenho contratual.” “Desse total, quase 200 são equipados com o software Block 2B ou Block 3I (108 F-35As da USAF; 53 F-35B do USMC e 28 F-35C da US Navy), que permitem a execução de saídas de voo com armas básicas, como mísseis ar-ar AIM-9 e AIM-120 e algumas bombas guiadas a laser.” “A maioria desses primeiros aviões só pode ser usada para TREINAMENTO, a menos que eles façam… Read more »

HMS TIRELESS
Visitante
HMS TIRELESS

Ricardo, já temos exemplares a serviço de forças aéreas no exterior e inclusive já utilizados em combate como é o caso de Israel. Ou seja,quer queira ou não temos uma aeronave que está EM SERVIÇO OPERACIONAL e mais importante do que isso, fez sua estréia em combate. E não estamos falando de estrear de faz de conta como aconteceu com o Su-57, que disparou UM míssil de cruzeiro contra alguns barbudinhos de sandália e AK-47 mas sim de ingressar em um espaço aéreo contestado e atacar um alvo razoavelmente bem defendido (Buk, S-200 modernizado e Pantsyr) e atacar um alvo… Read more »

Ricardo da Silva
Visitante
Ricardo da Silva

Desculpe-me quis apenas destacar do próprio texto

Ricardo da Silva
Visitante
Ricardo da Silva

HMS TIRELESS 13 de junho de 2018 at 9:39,

A opinião não é minha é a do autor do texto.
Só acho que alguns aqui deveriam para de “deusificar” o F-35 e “demonizar” o Su-57.
E vice-versa. Se tem problemas, reconheçam. Só reconhecendo e assumindo os problemas é que será possível corrigi-los.
Os EUA já tiveram um F-111. Para o bem deles, tomara que não tenham outro.
O conceito do JSF tinha tudo para dar certo mas os rumos que tomaram . . .
É por essas e outras que continuo (infelizmente) chamando de “F-35 Aadvark II”

HMS TIRELESS
Visitante
HMS TIRELESS

Ricardo, eu não estou negando a opinião sua ou do autor do texto. O que eu estou levantando é que apesar dos exemplares entregues até agora de fato não estarem em sua configuração operacional plena o fato é que a disponível já se tornou apta a tornar o F-35 um vetor de combate que foi usado como tal com sucesso por uma força aérea que é reconhecida mundialmente pela sua qualidade, profissionalismo e sucesso. Ou seja, o aparelho vai paulatinamente se tornando exatamente aquilo que seus operadores desejam e se afastando de ser, segundo suas palavras, um “Aadvark II”

Victor Moraes
Visitante
Victor Moraes

Eu ainda acredito no F35 e na capacidade de Lockheed Martin colocá-lo para voar como o caça mais poderoso do mundo… não é de se esperar que todos os projetos sejam infalíveis desde o primeiro parafuso, mas bem, eles chegam lá…

Comentário editado.

Agnelo
Visitante
Agnelo

Interessante essa situação do Block 4.
Mas é importante salientar, q o treinamento, ao qual é submetido, imita o máximo possível a realidade. Além disso, a complexidade do combate moderno exige recursos cada vez mais elaborados.
Sem dúvida, como Israel comprovou, a Anv está apta. Talvez, por força da variedade de ameaças q os EUA pode enfrentar, pra ele pode não estar tanto.

LEANDRO JOSE DE ASSIS
Visitante
LEANDRO JOSE DE ASSIS

Vai dar trabalho quando tiverem que fazer o recall de todas essas aeronaves! Rs

Jefferson Ferreira
Visitante
Jefferson Ferreira

Ou seja, 300 protótipos…

HMS TIRELESS
Visitante
HMS TIRELESS

Engraçado mas alguns desses “protótipos” foram utilizados com bastante eficiência pela
melhor treinada força aérea do mundo contra alvos razoavelmente bem defendidos. Logicamente você pode dizer que o Su-57 fez o mesmo mas cumpre lembrar que os barbudinhos, ao contrários dos sírios e iranianos, mal têm MANPADS.

Wellington Góes
Visitante
Wellington Góes

kkkkkkkkkkkkkkkkkk

Provas, por favor, que comprove como o F-35 é “provado em combate”.

HMS TIRELESS
Visitante
HMS TIRELESS

Restos de bombas GBU-39 SDB, armamento primário dos F-35, foram encontrados nos depósitos de munição iranianos atacados em Homs.

Outrossim estamos falando da Força Aérea que mais derrubou aviões inimigos depois da guerra da coréia, acabou com as forças aéreas árabes ainda no solo em 1967 e destruiu o reator de Osirak. Alguém duvidaria de uma informação prestada por uma força aérea desse quilate?

Delfim
Visitante
Delfim

Qualquer aeronave americana pode lançar a GBU-39SDB, até o AC-130. E algumas européias.
https://en.m.wikipedia.org/wiki/GBU-39_Small_Diameter_Bomb

HMS TIRELESS
Visitante
HMS TIRELESS

Eu não tenho motivos para duvidar da afirmação dos israelenses Delfim!

Wellington Góes
Visitante
Wellington Góes

A pergunta permanece, provas, por favor?!

Amigo, bote uma coisa na sua cabeça, na melhor das hipóteses o F-35I participou como um mini AWACs, indicando posições do inimigo, identificando alvos, etc… Atacando mesmo, duvido!

HMS TIRELESS
Visitante
HMS TIRELESS

Não me leve a mal mas entre a força aérea israelense, cujo histórico, profissionalismo e capacidades falar por si, e a sua dúvida eu permaneço com a Heyl Ha’Avir.

Defensor da Liberdade
Visitante
Defensor da Liberdade

“Razoavelmente bem defendido”
Tá falando dos sírios? Aqueles que deixaram um pantsir dando sopa na hora da recarga e levou míssil na cara? Fala sério, até eu com uma baladeira derrubo um F-16 de olhos vendados.

HMS TIRELESS
Visitante
HMS TIRELESS

Defensor, o fato é que os sírios tinham (e tem) à sua disposição sistemas SAM modernos e eficientes como o Pantsyr. Se não souberam usar aí são outros 500…

Defensor da Liberdade
Visitante
Defensor da Liberdade

Então não diga que o espaço aéreo era “razoavelmente defendido”, pois não se deve considerar somente as armas na análise. Arma boa os franceses também tinham na 2ª SGM, isso não impediu eles de tomarem uma sova histórica dos alemães com armas inferiores.

Diogo araujo
Visitante

calma gente o avião é muito ruim mesmo e todos esses países de terceiro mundo estão fazendo besteira em comprá-lo. além do mais não se preocupem o presidente Trump vai assinar um decreto cancelando o projeto mandando o quase trilhão de dólares já investidos para o espaço e tudo vai acabar bem.

Gilbert
Visitante
Gilbert

Quem acompanha diariamente as noticias aqui sabem que o F-35 volta-e-meia aparece um problema que não foi resolvido, lemos também tal ou tal arma foi integrada, sendo que essa mesmas armas já estão integradas a outras aeronave a anos e a poucos meses atrás vimos que fizeram modificações no software para poder lançar bombas. O F-35 é um grande sucesso de venda mesmo sem estar completamente terminado e com todas as capacidades operacionais e de combate integradas que aparecem nas propagandas desse caça. Talvez lá por 2025 ele esteja completamente desenvolvido conforme projeto e passe a partir daí a receber… Read more »

Humberto
Visitante
Humberto

O F-35 é o caça (na realidade são 3 caças) para os países alinhados com os EUA, quem não é, vê os seus caças serem abatidos ou vão para a solução Russa (que a priori não prioriza o stealth) ou caças chineses. HOJE os americanos nadam de braçada, o F-35 não é produto de MKT, temos que lembrar que os americanos são o pais mais bem preparado, experiente para a guerra, existe a preocupação em equipar os militares o melhor possível, claro, existe muito lobby mas no geral, existe sim esta preocupação. O programa é um sucesso? Isto só o… Read more »

Juvenal Santos
Visitante
Juvenal Santos

Exatamente, Humberto, penso a mesma cois, o F-35 pra mim é o melhor e mais letal caça da atualidade, e disparado na frente, só perderia para o F-22, mas esse é hors-concours e bem mais velho. Muitas sandices se falam dos problemas do F-35, ora bolas caçarolas, o F-16 foi imbatível nesse quesito, teve milhares de problemas, mas mesmo assim acabou se tornando o melhor caça leve do mundo de 4ª geração, mas é um avião de 1970, teve seu tempo, e está acabando. O F-35 é o futuro, quem não tem vai ficar chupando o dedo e criticando, enquanto… Read more »

Wellington Góes
Visitante
Wellington Góes

300 caças com 996 problemas ainda para serem solucionados. É um monstro de um abacaxi para descascarem. rsrsrs

Carlos Alberto Soares
Visitante
Carlos Alberto Soares

Pois é.

Maurício.
Visitante
Maurício.

Na minha opinião o único caça de 5° geração 100% operacional é o F-22, e eu diferente da maioria aqui do blog não levo muita fé nos mísseis BVR seja de qual nação que for, eu posso estar errado em relação ao combate BVR mas treino é treino e jogo é jogo.

RicardoNB
Visitante
RicardoNB

Um número que põe abaixo o mito da manobrabilidade : Em 75% do Kill desde a primeira guerra a aeronave abatida não sabia que estava sendo engajada, se quer teve chance de manobrar defensivamente. Ou seja, 75% do kill vieram da perda de consciência situacional. Mas a maioria ainda alimenta o mito de caças manobrando com elevada carga G. No mundo real a coisa é bem menos romântica. O F-35 é um caça stealth com elevada consciência situacional. Ele vai controlar o engajamento e só vai se envolver quando for favorável. Por fim, a superiodade aérea deve ser conquista atacando… Read more »

HMS TIRELESS
Visitante
HMS TIRELESS

Apenas complementando o seu excelente comentário Ricardo cabe lembrar que o maior ás da era do jato, Giora Epstein (17 vitórias), além das características típicas de um piloto nato tal como a agressividade também tinha uma visão privilegiada que o permitia enxergar um caça inimigo à uma distância bem maior que os outros pilotos ou seja, ele “naturalmente” tinha uma consciência situacional superior aos demais. Outra mostra da questão da consciência situacional deu-se no primeiro combate ar-ar da guerra das Falklands quando os dois Mirage IIIE ingressaram no TO em formação cerrada, tanto que o líder do elemento britânico de… Read more »

RicardoNB
Visitante
RicardoNB

Exatamente. Um estudo dos embates do Vietnã revelou que a diferença de manobrabilidade entre os caças dos EUA foi irrelevante para uma diferença na relação de kill entre eles. O X da questão era que entrava melhor posicionado no engajamento.

Cristiano Castão
Visitante

O projeto mais caro de todos os tempos, nas mãos de quem sabe fazer e com clientes do gabarito da força aérea israelense, se o F35 não for o melhor todos nós precisamos rever os nossos conceitos sobre o assunto em questão!!!!

Defensor da Liberdade
Visitante
Defensor da Liberdade

Cliente é quem paga por um produto, neste caso Israel ganha de presente, e ainda vem com revisão e 1 ano de combustível grátis de brinde.

HMS TIRELESS
Visitante
HMS TIRELESS

Pesquisas de opinião mostram que pelo menos 60% da população norte-americana aprova a ajuda militar a Israel.

Vox populi et vox dei..

Defensor da Liberdade
Visitante
Defensor da Liberdade

Praticamente a mesma porcentagem que votou no Obama e Hillary, Hm….. Isso explica muita coisa: o americano é trouxa!

ANDRE LUIS VIEIRA LOPES
Visitante
ANDRE LUIS VIEIRA LOPES

Ao ver esta conquista das forças aéreas Ocidentais, fica cada vez mais claro que a Rússia está deixando a oportunidade passar, tudo por causa de orgulho ferido. Não importa quão bom seja o Su-57, a Rússia está sozinha nessa enquanto que a China está ali, pronta para fazer cooperação. É evidente que a Rússia deveria terceirizar sua produção de Su-57, comprar aviões J-20 Chineses e entrar na produção conjunta do J-31 Chinês. A Rússia poderia co-produzir o J-31, terceirizar o Su-57 na produção e comprar os J-20 para que, juntos, China e Rússia tivessem uma defesa aérea a altura dos… Read more »

Cristiano Castão
Visitante

Defensor da Liberdade não importa se o preço é mais salgado ou vem com a doçura da cortesia, para Israel tem que ser o melhor custe o que custar é questão de viver ou morrer!!!

Russian Bear
Visitante
Russian Bear

Ainda não ficou claro que todos os parceiros envolvidos neste projeto de custos infinitos, está recebendo aeronaves incompletas no que tange a operacionalidade e custos para adequação ao nível desejado para disponibilidade. A medida que o tempo passa a pressão para que estes vetores estejam adequados em relação à indisponibilidade dos respectivos vetores 4+, fica a dúvida se ao invés de ser algo ótimo; torne-se um problema grave.

Dio Neto
Visitante
Dio Neto

Vira a mexe acompanho as notícias e, principalmente, os comentários (muita das vezes elucidativos) desta página e de outras. Sou fã da aviação de caça e extremamente leigo comparado a muitos que aqui frequentam. Mas do que já li, alguns sistemas de guerra eletrônica como o Spectra também fazem o “stealth” ao enganar o radar inimigo. Além disso, na teoria, seria capaz também de confundir os mísseis bvr guiados por radar, etc. A minha pergunta é: com a guerra eletrônica em estado muito avançado os materiais, pinturas e design stealth não estariam ficando obsoletos? Essa condição da guerra eletrônica, por… Read more »

Anderson
Visitante
Anderson

Bom dia, estou gostando muito das discussões aqui. Alguém sabe me informar porque o governo Americano usa com grande frequência em suas missões apenas o F16 e F18?
Seria porque são os únicos realmente funcionais?
Fico com dúvidas, outro ponto que escrevi em comentários anteriores, se o F-35 é melhor caça atualmente não seria um erro vender pois algumas nacionalidades poderiam fazer engenharia reversa?
Qual seria o principal trunfo Americano se outras nacionalidades tiverem tecnologia igual?
Ainda sustento minha opinião que pra mim F35 não é tudo isso que falam blz.

Humberto
Visitante
Humberto

Olá Anderson,
De repente os americanos utilizam mais o F-16 e o F-18 porque são os mais numerosos no inventário deles, mais numerosos, maior a quantidade de bases que operam os vetores.
Mas sempre estão aparecendo os F-15, A-10 e os B-52.
Quanto a vender o caça, quem está recebendo os F-35 são os países que participam do programa ou são aliados de primeira linha. Difícil afirmar que F-35 seja o melhor caça, com certeza é o mais sofisticado nos aviônicos e na integração dos mesmos. HOJE o F-22 é considerado o melhor caça (apesar de ainda não estar provado nos combates).

cfsharm
Visitante
cfsharm

A pergunta que não quer calar é a seguinte: o F35 com os zilhões de defeitos, entregando o 300º exemplar e já usado em combate segundo os israelenses – (sírios afirmam que não viram ninguém por lá e que o Pantsir desligado implodiu sozinho.) não seria superior a tudo que está no ar atualmente, considerando as forças de oposição? Afinal tem o F22 do lado dele. Sem devaneios de que exista algum ufanismo pró-americano; tenho certa alergia a “verdades triunfantes” de que modelos que começaram muito tempo depois e que teriam “incorporado” todas as inovações sem os defeitos sejam melhores… Read more »