Home Aviação de Transporte Indonésia planeja comprar 5 novos C-130 Hercules

Indonésia planeja comprar 5 novos C-130 Hercules

3250
34
C-130 da Indonésia
C-130 Hercules da Indonésia

JACARTA – O governo da Indonésia planeja adquirir cinco novos aviões de transporte militar Lockheed C-130 Hercules para modernizar sua frota envelhecida.

“Não estamos comprando muitos deles; cinco aviões são suficientes”, disse o ministro da Defesa, Ryamizard Ryacudu, em seu escritório em Jacarta na terça-feira (05/06).

Não há detalhes disponíveis sobre o valor do contrato ou cronograma para a compra planejada da aeronave turboélice de quatro motores, produzida pela Lockheed Martin nos Estados Unidos.

Ryamizard disse que a frota de Hercules da Força Aérea da Indonésia está envelhecendo, com a maioria das aeronaves sendo doações de outros países décadas atrás.

O ministro disse que o governo quer que a Indonésia comece a produzir sua própria aeronave, mas que atualmente o país não tem capacidade. O governo pretende, portanto, obter uma transferência de tecnologia com a compra planejada, para que o país possa começar a construir sua própria aeronave no futuro próximo.

“Nós já construímos nossos próprios tanques e, enquanto compramos essas aeronaves, podemos fortalecer nossa amizade, especialmente em defesa e transferência de tecnologia com outros países”, disse Ryamizard.

O governo embarcou em um esforço para modernizar sua frota militar depois que um Hercules C-130B caiu em uma parte densamente povoada de Medan, no norte de Sumatra, em 2015, matando 122 pessoas, incluindo 30 a bordo.

Outro Hercules C-130 caiu na Montanha Pugima em Papua em 18 de dezembro de 2016, matando 13 pessoas a bordo. A aeronave, que carregava 13 toneladas de cimento e arroz de Timika para Wamena, caiu depois que o piloto supostamente insistiu em pousar apesar das más condições climáticas.

No ano passado, o governo expressou interesse na compra de cinco aeronaves de transporte Airbus A400M Atlas da fabricante europeia por US$ 2 bilhões. No entanto, em março deste ano, a Força Aérea da Indonésia anunciou que só compraria dois.

FONTE: Jakarta Post

34 COMMENTS

  1. Se a EM demorou para enviar uma comitiva para a Indonesia, nao teria a embaixada brasileira local dormido no ponto? Ou conversas de alto nivel jah estariam em andamento?

  2. pelo que li, eles querem transferência de tecnologia, a Embraer está preparada para isso? e seus parceiros autorizariam?

    • Que “parceiros” seriam estes que necessitam autorizar a Embraer a transferir tecnologia? e outra coisa, o projeto KC-390 pertence ao Estado brasileiro, nem da Embraer é..

  3. Pelo que tenho visto. pra vender a aeronave precisará mais que uma visitinha com o produto em mãos. Apesar de torcer muito pelo KC, vê-se que a influência americana é muito grande, a tradição e confiabilidade do C-130 ainda é enorme, a grana do marketing do KC é curta. Até atingir o patamar de famosa vai demorar muuuuuito, mas se o ST chegou lá como um turboélice, nosso KC um dia chega. Eu ouvi um Amém?

  4. No momento eles querem substituir os C-130B mais antigos, que usam motores Allison T64-A-7 e precisam de uma cara remotorização para o T64-A-15 do C-130E/H.
    Ja foi consultada o valor de uma modernização com revisão estrutural e glass cockpit mais remotorização do C-130B e iriam fazer, mas pelo jeito o valor ficou muito alto para se voar só mais uns 15 a 20 anos e resolveram partir para C-130J zero hora.

  5. Eu fiz uma confusão com o motor GE T64 do Buffalo e criei o Allison T64, na verdade o motor do C-130 é da série Allison T56, T56-A-7 para o C-130B e T56-A-15 para os mais modernos menos o C-130J que usa o Allison AE2100D3.

  6. questão de tempo até o KC chegar la, uma hora eles terão que substituir a frota. Até la a EMBRAER já vai ter vendido unidades pra outros países, oq contará e muito pra reputação do KC.

  7. Tem DNA indonésio no C-295, uma aeronave derivada de um cargueiro desenvolvido em conjunto com a CASA da Espanha, o CN-235.
    E hoje os indonésios estão atrás de transferência tecnológica do C-130 Hercules.
    Curioso…

  8. Em “nós já estamos construindo nossos tanques…”, ele se refere àquela coisa estranha feita com a Turquia? Já fizeram mais do que o protótipo?

    Será que a Dilma ter se metido para defender aquele traficante em 2015 ainda prejudicar o comércio brasileiro com a Indonésia, incluindo o kc?

    • Eles fabricam o seu 6 x 6 Pindad Anoa e modernizam seus blindados a anos, agora além do projeto com a Turquia produzem o Bushmaster 4 x 4 sob licença da Austrália, e se formos desconsiderar o tanque por estar só com o protótipo entregue e fabricando os operacionais, o que falar do KC-390 que só teve dois protótipos finalizados e um teve dois acidentes.
      Como somos um país contrário a pena de morte, Dilma agiu corretamente ao tentar salvar os dois traficantes que foram assassinados pela Indonésia, se eles não gostaram do protesto brasileiro, que não comprem mais nada aqui, não farão falta.

  9. Mais um cliente perdido para Embraer. Efeitos na maldita negociação de aquisição da Embraer pela Boeing.

    Tá vindo mais por ae…

    • Penso que a partir do momento que a Indonésia encomendou os A400 (número agora reduzido para 2) sumiram as chances. Seriam 4 transportes militares: C130, A400, KC390 e o CN235. É muita superposição, mesmo para uma nação tão mal administrada.

      • Porque mal administrada?
        Eles fabricam o CN-212, CN-235 e C-295 e precisam de um avião da faixa do C-130/KC-390 e outro da faixa do A400M/Il-76, escolheram o c-130J e o A400M.

  10. Boeing não tem similar, o 390 lhe cai como uma luva.

    O 130 é da concorrência da Boeing.

    Luiz Trindade, qual sua lógica ?

  11. Luiz,
    O KC é da Embraer Defesa, então está fora do processo de negociação com a Boeing, então não existe efeito nenhum.
    No mais, por que raios a Indonesia iria comprar o KC? Como vc venderia o avião para eles? A Embraer não tem nenhuma tradição em fabricar aviões de transporte militar, a Indonésia não faz parte dos paises que estão no programa e por fim, os KC são protótipos, a FAB ainda não opera. Então para que os militares da Indonésia vão apostar no KC em detrimento do C-130 que eles já operam?
    A Embraer não comeu mosca, NESTE momento não tem muito como vender o mesmo. Simples assim. Dentro de alguns anos, pode ser um concorrente sério, mas hoje ainda está longe disto.

  12. Prezados senhores, embora minha pergunta se refira à foto, fiquem à vontade para considerar off topic, se for o caso.
    Tenho uma rede de estética automotiva, @restauracarbrasil e já vitrificamos, a convite, dois jatos executivos Cessna, pois esse procedimento nos é bastante familiar e pesquisamos bastante, usando materiais japoneses, coreanos e turcos.
    Chama a atenção esse Hércules indonésio por estar polido, talvez até com pintura vitrificada. Confesso que é a 1a. vez que vejo uma estrutura militar (fui de outra Força) com essa aparência de alta assinatura, digamos assim. Aí vem a pergunta: isso é comum?
    Grato

    • Apesar das Forças Aéreas preferirem pinturas mais foscas de baixa reflexão , mas na aviação civil por questão de econimia de combustível é preferível o uso de pinturas o mais lisa possível, lembro de ter visto um avião sendo polido em uma oficina de Recife, a Bravan, e o mecanico disse que era um serviço que se pagava pela economia de combustível gerada.
      Esta pintura blilhante que é ou parece vitrificada foi feita nos EUA pela ARINC Engineering Services, LLC de Annapolis, Maryland, empresa que fez a grande revisão: https://upload.wikimedia.org/wikipedia/commons/d/d6/An_Indonesian_Air_Force_C-130_on_the_at_Langkawi_International_Airport_flightline_%28cropped%29.jpg

      • Esta foto que postei acima do C-130B é da chegada na Indonésia depois da revisão com a pintura novíssima feita por volta de 2011, data em que a Arinc iniciou a revisão dos 5 C-130B que tinham ficado parados por anos depois do enbargo, onde a Indonésia foi obrigada a comprar alguns L-100 que é um C-130 civil livre de embargo, a maior falsidade pois usar um C-130 ou L-100 da na mesma, mas como o L-100 é uma aeronave listada como civil está livre de enbargos militares.

      • Estas falhas na pintura no nariz e estabilizador mostram que deve ter pego granizo no translado, me lembro de um colega de turma que pegou granizo em um C-95 do Corsário chegando no Galeão e descascou bastante a pintura com algumas partes do bordo de ataque da asa, estabilizador vertical e horizontal e spiner que ficaram prateados sem pintura.

    • Levantamos essa questão quando recebemos os E/R-99. Embora o raciocínio do Strobel esteja correto, referente à reflexão, aeronaves HAV (High Asset Value), como os AWACS e Tanker, poderiam ter essa pintura lisa, pois voam, normalmente fora do alcance do inimigo. A lisa favorece muito mais a limpeza e a conservação. A fosca é uma desgraça, mancha e suja à toa.

LEAVE A REPLY

Please enter your comment!
Please enter your name here