Home Aviação de Ataque Filipinas pode adquirir mais 12 jatos KAI FA-50

Filipinas pode adquirir mais 12 jatos KAI FA-50

4860
13
KAI FA-50
KAI FA-50

MANILA – O secretário de Defesa das Filipinas, Delfin Lorenzana, disse no dia 7 de junho que o governo quer adquirir mais uma dúzia de aeronaves de treinamento e ataque FA-50 da Coreia do Sul.

Lorenzana fez a observação durante uma entrevista durante o Simpósio 2018 da Força Aérea das Filipinas (PAF), realizado no Campo de Oficiais Comissionados Aguinaldo, na cidade de Quezon.

“Fomos capazes de discutir isso durante a reunião dos líderes seniores, mas é isso que o presidente (Rodrigo Duterte) quer depois que viu como a aeronave é eficaz”, disse Lorenzana.

“Podemos adquirir mais 12, mas isso depende do tipo de construção que a Força Aérea quer”, acrescentou.

Antes de assumir a presidência em 1 de julho de 2016, Duterte disse que a compra pela administração Aquino de 12 jatos FA-50 de treinamento da Coreia do Sul era apenas um desperdício de dinheiro, pois os ativos aéreos seriam usados ​​apenas para cerimônias.

No entanto, o Chefe do Executivo teve uma mudança de mentalidade depois de ver a utilidade e eficácia dos jatos, especialmente durante a campanha aérea para libertar a cidade de Marawi das mãos dos terroristas de Maute.

Lorenzana na mesma entrevista disse que a Coreia do Sul não prometeu nada, mas eles estão preparados para fazê-lo.

“Havia muita coisa sendo discutida não apenas os helicópteros, mas também armas de fogo, eles querem transferir tecnologia para que possamos também produzir nossos equipamentos militares”, disse ele.

A chegada dos aviões é parte da compra da PAF de 12 aviões de combate da Coreia no valor de 18.9 bilhões de pesos filipinos.

O PAF disse que o FA-50 tem uma velocidade máxima de Mach 1,5 ou uma vez e meia a velocidade máxima de som e é capaz de ser equipado com mísseis ar-ar e armas ar-superfície.

A FAMÍLIA DE JATOS GOLDEN EAGLE

FONTE: Boletim de Manila

Subscribe
Notify of
guest
13 Comentários
oldest
newest most voted
Inline Feedbacks
View all comments
Foxtrot
Foxtrot
2 anos atrás

Pois é, e nós com medo de fabricar uma variante do AMX e não ter para quem vender!
Bastaria uma encomenda inicial da FAB/MD de 48 unidades (4 esquadrões), que a indústria fabrica.
Após isso o comprador aparece, vide exemplo do A-29, KC-390 etc.
Parabéns Coreia do Sul, Índia e outros países que caminham para auto suficiência nessa importantíssima área.

Leonardo M.
Leonardo M.
2 anos atrás

Esse jato ainda vai vender muito para países que não tem dinheiro para comprar Rafale, Eurofighter, F-35, SU-35 e outros caças caros.
É um verdadeiro mini F-16
Bom para ataque e interceptação de pequenos jatos, aviões turbo helice e treinamento.

Anderson
Anderson
2 anos atrás

Acho que o Brasil não tem mais necessidade de fabricar novos AMX, o GRIPEN como vetor de multi-função executará as mesas tarefas do AMX hoje.

Mas também acho que para o piloto no futuro migrar do A-29 para o GRIPEN é um salto muito grande. Acredito sim que falta ao Brasil um vetor de treinamento nos moldes do FA-50.

Ivanmc
Ivanmc
2 anos atrás

O FA-50 para treinamento é muito potente. Eu pensava que o TA-50 era a plataforma de treinamento avançado e o FA-50 seria utilizado como um lift de combate. Assim sendo, é um ótimo vetor o FA-50 um treinador de luxo sem dúvidas. Eu sempre admirei a família KAI T-50. Poderia ser o nosso low.

Walfrido Strobel
Walfrido Strobel
Reply to  Ivanmc
2 anos atrás

O FA-50 não se trata de um treinador de luxo, é um avião biplace que pode acumular atividade de formar caçadores e ser utilizado para interceptações e ataques, o que pode ser interessante para pequenos países como Filipinas ou até como “Lo”, no caso do Iraque que tem o F-16C/D como “HI”.
E realmente nem o T-50 pode ser considerado como avião de instrução avançada, pois a KAI oferece o KT-1 para isso, um avião turbohélice da categoria do Beech T-6 ou Pilatus PC-9.

Ivanmc
Ivanmc
Reply to  Walfrido Strobel
2 anos atrás

Walfrido Strobel, primeiramente eu iria perguntar se você entendeu o contexto do mwu comentário. Mas, vou esclarecer, até porque eu considero os seus comentários, eu citei o FA-50 como treinador de luxo pela sua ótima capacidade e deveria ser utilizado como um lift de ponta tático e deixar o TA-50 para treinamento, o que é o aplicável pelo fabricante KAI. Foi um elogio “Treinador de luxo”, uma ilustração positiva e não pejorativa. Treinador de luxo porque ao invez de utilizar o TA-50 como treinador eles já vão direto no FA-50, o que é muito bom em minha opinião. Acho que… Read more »

Alex Nogueira
Alex Nogueira
2 anos atrás

Em termos de aviação de caça e ataque a FAB e a Embraer, precisam de um foco só: a dupla F-39 e A-29.

Essa dupla cobre todas as nossas necessidades, só precisam estar bem equipadas (versões que contemplem todos opcionais), armadas e pronto.

*E que o governo forneça verba suficiente para que nossos pilotos utilizem simuladores e voem a quantidade de horas necessárias para um bom adestramento.

Walfrido Strobel
Walfrido Strobel
Reply to  Alex Nogueira
2 anos atrás

E no futuro comprm pelo menos mais 36 unidades para substituir todos os F-5M e A-1M, podendo manter 12 em cada uma das Alas, (CO,SM,SC,AN e MN), em AN são dois Esq, com esta ideia maluca de pobre, manter todos os 36 Gripens iniciais em Anápolis, fica mais barato mas é uma péssima concentração.

Rinaldo Nery
Rinaldo Nery
Reply to  Walfrido Strobel
2 anos atrás

Você mesmo usou a palavra ¨iniciais¨. Já respondeu sózinho. Não ficarão lá pra sempre (os 36).

Adriano RA
Adriano RA
2 anos atrás

Simples demais para um caça, caro demais para um treinador.

Heli Queiroz
Heli Queiroz
Reply to  Adriano RA
2 anos atrás

Perfeito seu comentario.
tenho impressao que este avião deve ter uma hora/voo elevada

Mario Navarro
2 anos atrás

Why doesn’t the Philippines consider the Gripen C/D, it is a very economical fighter, that is effective???

Alex Nogueira
Alex Nogueira
Reply to  Mario Navarro
2 anos atrás

Probably political reasons.