Home Aviação de Ataque O Su-57 ‘Frazor’ testou armas na Síria… e agora?

O Su-57 ‘Frazor’ testou armas na Síria… e agora?

11144
121
Su-57
Su-57

Sérgio Santana*

Em fevereiro deste ano, enquanto elaborava a segunda parte do texto “A outra guerra na Síria: os enfrentamentos velados entre o poder aéreo da OTAN e Rússia” publicado aqui no final de 2017, fui surpreendido pela noticia inesperada (e repleta de significados) de que duas aeronaves Sukhoi Su-57 “Frazor” foram flagradas em um vídeo que as exibia no teatro sírio de operações de combate, na chegada à Base Aérea de Khmeimim. Imediatamente iniciou-se uma corrida frenética em busca de confirmação da veracidade de tais imagens, o que logo foi obtido até mesmo por imagens via satélite.

Além do mistério que cercou a aparição de tais aeronaves (aparentemente envolvidas em intermináveis campanhas de ensaios limitadas aos céus russos) em si, também houve especulações acerca da finalidade de tal missão em céus sírios. Pouco tempo depois, durante uma entrevista coletiva concedida pelo Ministério da Defesa da Federação Russa, estas especulações tiveram fim com a exibição de um vídeo no qual um dos “Frazor” lançava um míssil de coloração vermelha, logo identificado como Kh-59 Mk2. O que esse teste significa? Quais as suas implicações? É o que será analisado no texto a seguir.

É um fato inegável que o resultado mais visível do programa russo para uma aeronave de caça de quinta geração, o Sukhoi Su-57 (codificado provisoriamente pela OTAN como “Frazor”), tem sido protagonista do que se assemelha a uma campanha interminável de avaliações limitadas aos céus russos, embora já tenha se exibido no festival aeroespacial de Moscou, mais conhecido como MAKS.

É verdade também que alguns dos seus seis exemplares de desenvolvimento também estiveram envolvidos em incidentes; o T-50-2 apresentou estol do compressor (quando o fluxo de ar não adere às palhetas de um dos compressores do motor, causando interrupção na sua alimentação para o motor como um todo, falha ainda mais crítica em um propulsor turboventilador como os do Su-57) no motor direito durante a decolagem em agosto de 2011, causando uma grande chama e fazendo-o abortar a decolagem. Quase três anos depois, em junho de 2014, o T-50-5 sofreu um incêndio na entrada de ar do mesmo lado.

Talvez por tudo isso, a súbita aparição de dois “Frazor” em céus sírios em meio às hostilidades que tem assolado aquele país desde 2011, gerou grande perplexidade.

Entretanto, dois fatos (bem como suas consequências) necessitam de reflexão: como os dois Su-57 chegaram à Síria? Como só foram visualizados sobrevoando o espaço aéreo sírio e depois já estacionados na Base Aérea de Khmeimim?

Imagem de satélite mostra dois caças Su-57 na Síria
Imagem de satélite mostra dois caças Su-57 na Síria, em fevereiro de 2018

Com relação à primeira questão, não se tem notícia de que cargueiros Antonov An-124 Ruslan (“Condor”) tenham viajado naqueles dias para aquela base aérea (o que poderia indicar que os caças tivessem sido transportados parcialmente desmontados), o que deixa a possibilidade de que os “Frazor” tenham chegado ao seu destino voando após sucessivas sessões de reabastecimento aéreo, utilizando os poucos Ilyushin Il-78 “Midas” ora à disposição das Forças Aeroespaciais da Federação Russa, um recurso que muito provavelmente foi empregado em fevereiro de 2014, quando o protótipo T-50-2 (o primeiro a avaliar a capacidade de reabastecimento em voo dois anos antes) foi deslocado para o Centro Militar de Testes de Voo em Akhtubinsk, distante da sua fábrica em Komsolmosk-on-Amur pouco mais de 6.000km em linha reta.

Em um cálculo simples (mesmo porque se desconhece os detalhes do voo) e supondo que tenham partido da sua fábrica, os dois Su-57 voaram por quase 8.000 km até à base síria, mais que o dobro da distância máxima que o modelo é capaz de atingir, 3.500km; dado este que embora estimado – visto que as especificações oficiais ainda são secretas – tem sido divulgado na literatura de referência sobre o Su-57.

Outro fato, ainda mais intrigante, é como e por que os “Frazor” só foram flagrados quando estavam na Síria. Agências de Inteligência ocidentais detectaram o seu traslado e não o divulgaram, talvez tentando passar para o seu adversário russo a ideia de que não estavam monitorando as aeronaves? Algum tipo de interferência foi gerado pela Inteligência russa para acobertar o traslado? Ou o tipo realmente surpreendeu a todos?

Supondo que a última hipótese seja verdadeira, isso depõe contra uma verdade recorrente quando o assunto é a capacidade furtiva do Su-57. Geralmente se diz que ele é menos “stealth” que o Lockheed Martin F-22A “Raptor”; entretanto é prudente lembrar que o “Frazor” começou a ser desenvolvido quando o F-22A já estava operacional (não é difícil crer que esforços russos de Inteligência sobre esta aeronave tenham sido aproveitados no “Frazor”, da mesma que é de conhecimento público que o governo chinês lançou mão do mesmo artifício quando do desenvolvimento do Shenyang J-31 “Falcon Hawk”, baseado no Lockheed Martin F-35 “Lightning II”) e que, seguindo todo um histórico, todas as vezes em que uma aeronave soviética/russa surgiu após um rival norte-americano, este se revelou tecnicamente inferior. A superioridade aerodinâmica do Mikoyan-Gurevich MiG-29 “Fulcrum” sobre o General Dynamics (hoje Lockheed Martin) F-16 “Fighting Falcon”, aeronave contra a qual foi projetada, é um caso clássico.

Su-57 lançando míssil de cruzeiro contra alvo na Síria
Su-57 lançando míssil de cruzeiro contra alvo na Síria

Analisando-se a estrutura do Su-57 percebe-se, entretanto, que a corrente de opinião que o classifica como “menos furtivo que o F-22” ignora os recursos “stealth” incorporados ao “Frazor” tais como: bloqueadores de radar reduzindo a reflexão gerada pelas aletas de guia da entrada do motor, instalados nos dutos da entrada de ar; limitação dos ângulos de inclinação das asas e dos bordos de ataque e fuga dos estabilizadores horizontais; emprego de um único ângulo de inclinação nas laterais da fuselagem, das entradas de ar e deriva; revestimento em aberturas laterais nas entradas de ar e na fuselagem superior com malha cujo índice de reflexão é menor que um quarto do comprimento de onda dos radares potencialmente adversários; deflexão das antenas do radar N036 em relação ao plano vertical da aeronave, assim diminuindo a reflexão de da radiação adversária; uso de seletividade na cobertura dos cinco radares (ou seja, o bloqueio de outras frequências além das utilizadas nestes dispositivos); e, por fim, o emprego de antenas embutidas na fuselagem (com a própria deriva alojando uma antena de comunicações), evitando protuberâncias.

Certamente tudo isto contribuiu para que, mesmo hipoteticamente, os dois “Frazor” cruzassem quase 8.000km imperceptivelmente da Rússia até a Síria.

O tipo do míssil lançado pelo Su-57 é outro fator que desperta curiosidade. O míssil Kh-59MK2 visto no vídeo apresentado na entrevista coletiva promovida pelo MD russo é uma variante modificada do Kh-59MK2 “Ovod-M” produzido pela KTRV e custeado pela Aviação Naval chinesa para os seus Su-30MK2 “Flanker-G” tendo sido codificado pela OTAN como AS-18 “Kazoo”. Contudo, o artefato lançado pelo “Frazor” não foi somente adaptado segundo os conceitos de furtividade, apresentando um design futurista, mas também encurtado para ser acomodado nos dois compartimentos de armas do Su-57, que medem 4.4 x 0.9 metros.

X59MK2
X59MK2 ou Kh-59MK2
X59MK2
X59MK2 (clique na imagem para ampliar)

Assim o Kh-59MK2 teve seu comprimento diminuído de 5.7 metros para 4.2 metros. A arma apresenta peso de 770kg, é propulsada por um motor turbojato, guiada por três sistemas (inercial, GPS/GLONASS, que proporciona orientação de meio-curso, e TV, para guiagem terminal, tudo para que a margem de erro não supere os três metros. Mais de um perfil de alvo (a ser atingido com uma variedade de ogivas, entre elas uma de penetração de 310kg) pode ser carregado no seu sistema, possibilitando flexibilidade de emprego, com a arma voando a 50 metros de altura. O alcance publicado é de 290km e a velocidade máxima de 1.000km/h, com a altitude de lançamento variando entre 200 e 11.000m.

A real implicação desse teste é que ele apresenta a capacidade de o Su-57 lançar um míssil de cruzeiro de curto alcance a partir do seu compartimento de armas, de modo a não comprometer a sua furtividade, após voar por longas distâncias. Até o momento em que esta avaliação foi publicamente admitida, o outro único míssil da mesma categoria capaz de ser lançado sob as mesmas condições era o israelense Delilah, capaz de ser acondicionado no compartimento de armas do Lockheed Martin F-35A, denominado “Adir” pelas Forças Armadas de Israel e que por sinal foi recentemente empregado nas operações contra contingentes adversários em território sírio.

*Bacharel em Ciências Aeronáuticas (UNISUL); Pós-graduando em Engenharia de Manutenção de Aeronaves (PUC-MG). Autor de “Embraer 145ISR – Programa, Versões, Operadores e Emprego” (C&R Editorial, 2012) e coautor de “Beyond the Horizon – The History of AEW&C Aircraft” (Harpia Publishing, 2014), além de único colaborador brasileiro com artigos regularmente publicados nas prestigiosas “Air Forces Monthly” e “Combat Aircraft Monthly”.

121
Deixe um comentário

avatar
47 Comment threads
74 Thread replies
0 Followers
 
Most reacted comment
Hottest comment thread
53 Comment authors
HgoRicardo MendesAltacyr JuniorKalaccNilton L Junior Recent comment authors
  Subscribe  
newest oldest most voted
Notify of
HMS TIRELESS
Visitante
HMS TIRELESS

Excelente artigo, ponderado e instigante. Mais uma vez o autor Sérgio Santana está de parabéns!

Sérgio Luís
Visitante
Sérgio Luís

Onde esses russos pensam em chegar motores expostos com I.R gigantesco!?!?

carcara_br
Visitante
carcara_br

O f-35 tb, o problema é bem outro

Antonio
Visitante
Antonio

Fique calmo. Russos chegaram lá. Chineses chegaram lá. Logo virão europeus, turcos, coreanos, japoneses e etc.
Em tempo: Impressionante esse míssil. Parece que saiu do filme ‘Guerra nas Estrelas’

Altacyr Junior
Visitante
Altacyr Junior

Esse motor é uma versão melhorada do motor do SU-35BM e sera usada ate a o motor do SU-57 estar pronto

JPC3
Visitante
JPC3

Como sabem que não foi detectado até chegar na Síria? Pode inclusive ter voado próximo a outras aeronaves maiores para disfarçar a RCS como já fizeram antes.

Sobre a furtividade ser menor que a do F-22 e F-35 é uma declaração dos russos e da Sukhoi. E dos indianos por fim.

Luís Henrique
Visitante
Luís Henrique

A Sukhoi diz que a RCS do Su-57 eh de 0.4 m2 E que a RCS do F-35 eh de 0.3 m2 Portanto, eles admitem que a rcs do caça deles eh maior, porém por um margem Mínima. Ja, para os especialistas brasileiros em olhometro e doutores na aplicação da célebre frase ‘dois pesos, duas medidas’, lhes convém utilizar parcialmente os dados Sukhoi para Su-57 e dados outras fontes para o F-35. E, de maneira incrível, concluem que a furtividade dobF-35 eh dezenas ou centenas vezes menor e que o caça russo da 5a geração se assemelha à um 4a… Read more »

JPC3
Visitante
JPC3

A RCS do F-35 é secreta. Fala-se em 0,01m2. A enfase menor em furtividade do Su-57 é visível e também declarada pela russos e indianos, não é só uma questão de opinião.

Alessandro
Visitante
Alessandro

JPC3, vc sabe quanto é o RCS do Gripen NG (se é que foi divulgado) para efeito de comparação ?

JPC3
Visitante
JPC3

Não sei, mas deve ser bem maior porque o Gripen não é considerado furtivo, embora seja mais discreto que a maioria dos caças da geração dele.

Se tivesse RCS próxima dos caças stealth certamente a SAAB estaria usando isso como propaganda.

Alessandro
Visitante
Alessandro

JPC3, eu encontrei essa matéria aqui no poder aéreo onde diz que o Gripen NG tem 0,1m2

não sei se esses dados são confiáveis, ou se é especulação, mas supondo que seja verdadeira, na sua opinião, com esse RCS de 0,1m2, vc acha que o Gripen NG será furtivo ou não ?

Alessandro
Visitante
Alessandro
Leonardo Araújo
Visitante
Leonardo Araújo

No último seminário da Saad foi abordado esta característica é foi divulgado que a do Gripen NG era de menos de 0,05 o RCS

JPC3
Visitante
JPC3

Bá amigo, gostaria de poder responder mas não tenho conhecimento suficiente.

Até onde eu sei, a RCS do Gripen deve ser (segundo o fabricante) a mais baixa da geração dele, mas, na minha opinião, ainda falta um pouco para ser considerado stealth.

Se fosse furtivo certamente a SAAB não perderia a oportunidade de anunciar isso como marketing. Seria um dos pontos mais fortes da publicidade deles.

Alessandro
Visitante
Alessandro

ok, tbm penso igual, obrigado pela atenção.

JPC3
Visitante
JPC3

Eu que agradeço. Abraço!

JPC3
Visitante
JPC3

RCS de 0.3 metros quadrados nem pode ser considerada como de uma aeronave furtiva. É muito grande.

HMS TIRELESS
Visitante
HMS TIRELESS

Luís Henrique, como bem colocaram os amigos o RCS do F-35 está na casa do 0,01 metro. Se o RCS do Su-57 for 0,4 metro como a própria Sukhoi afirmou ele estaria em grande desvantagem.

Bosco
Visitante
Bosco

Tireless, Para ser considerado stealth (nível VLO) é preciso ter RCS frontal menor que 0,001 m². Hoje se entende que o F-35 é mais furtivo que o F-22 e ambos são considerados aeronaves stealths. O Su-35 por sua vez não é considerado VLO mas tão somente LO (semi stealth) tendo RCS entre entre 0,001 e 1 m². Fala-se de 0,4 m². Os caças de 4,5ªG são convencionais já que têm RCS maior que 1 m² quando armados (chegam a ter entre 3 e 4 m² quando armados em que pese terem RCS menor que 1m² quando “pelados”). Esse esquema pode… Read more »

Bosco
Visitante
Bosco

O RCS divulgado do Su-57 (0,4 m²) implica que ele pode ser detectado na metade da distância do Su-35 (4 a 5 m² armado).
*Baseado nesse número 0,4 m² que estão falando aí em cima. Eu mesmo não li nada da Sukhoi a respeito.

Bosco
Visitante
Bosco

Ops!
Quis dizer “O Su-57 por sua vez não é considerado VLO…!

Bosco
Visitante
Bosco

Mas você quer que acreditemos que a Sukhoi saiba o RCS do F-35?
Se você diz que a própria Sukhoi afirma o RCS da sua aeronave o jeito é acreditar. Agora, em relação ao produto dos outros da qual ela não teve acesso é direito de qualquer especialista em olhômetro no mínimo, desconfiar.

Munhoz
Visitante
Munhoz

A Sukhoi deve saber sim, pois o F 35 / 22 esta voando em cima das baterias S 400 russas na Síria e eles estão colhendo informações sobre suas características etc , os russos não são tão ingênuos como parece, este Su 57 na verdade é ainda um protótipo, sendo que os russos no momento devem estar investindo a maior parte de seus recursos em sua linha de produção, é provável que a desvantagem em RCS deste caça vai ser sanada com os modelos de produção, provavelmente estas deficiências só são viáveis de ser sanadas na linha de produção. Não… Read more »

Bosco
Visitante
Bosco

Munhoz, Se há alguma vantagem do Su-57 em relação aos F-22/35 num combate aproximado diz respeito a ele ter um sistema de proteção DIRCM e não a uma “incerta” maior capacidade de manobra. Se essa maior capacidade de manobra existir (eu tenho dúvidas que exista) ela é marginal e não faria tanta diferença num combate com misseis de quinta geração designados por capacete HMDS. E em relação ao DIRCM pontualmente favorecer o Su-57 há o fato do DAS favorecer o F-35 permitindo a ele um maior nível de consciência situacional e ampla capacidade de trancamento a curta distância em 360º.… Read more »

Munhoz
Visitante
Munhoz

Como disse essa vantagem a curta distancia é uma probabilidade, o que eu vejo em todos esses desenvolvimentos é uma alta confiança dos EUA no AIM 120 + o baixo RCS dos F 35/22, no entanto devemos levar em conta que o baixo RCS de um possível adversário anula o AIM 120. Ou seja é uma faca de 2 gumes ! E um sistema de defesa ativo moderno poderia também interferir na guiagem de um AIM 120 e se este não conseguir travar o alvo o combate fatalmente vai chegar a curta distancia até contra um caça de 4ª geração.… Read more »

carcara_br
Visitante
carcara_br

Pode não ter o valor exato do rcs mas podem fazer modelagens pra descobrir um valor provável. Por exemplo seria perfeitamente possível para russos americanos e chineses fazerem maquetes em escala das aeronaves de interesse e os colocarem em câmaras para teste do espectro de emissão eletromagnética. A partir deste dados vão aplicando informações sobre vários materiais e obtendo os possíveis rcs…

carcara_br
Visitante
carcara_br

Ou o pessoal tem problemas cognitivos ou se fazem de bobos. Porque é obvio que vc não pode tomar a fonte russa e americana e comparar os valores diretamente. Os russos sempre mostram valores grandes,ou então usando o valor de rcs médio (valor mais importante num caça que penetra um bom sistema defensivo) ou se usa o valor pra frequência de radares diferentes. Os valores americanos (ondas centimetricas)e aplicando técnicas de modelagem de rcs parecem que os russos miram numa assinatura de 0.01 m2 frontal. Em comparação o f-22, no msm aspecto teria algo em torno dos 0.0001m2 ou seja… Read more »

JPC3
Visitante
JPC3

Até onde eu sei a maioria dos radares pode identificar tipos diferentes de aeronaves, mas não obrigatoriamente discriminar modelos diferentes de caças.

MGNVS
Visitante
MGNVS

Artigo excelente!
A materia deixou em aberto questionamentos interessantes.
Se o aviao nao foi desmontado e colocado num transporte, como chegou sem ser detectado ou melhor, que tipo de tatica os russos usaram para fazer esse translado de forma imperceptivel aos demais sistemas aereos e servicos de inteligencia?

Bosco
Visitante
Bosco

O fato dele poder ser menos furtivo que o F-22 ou F-35 não quer dizer que ele não seja furtivo. Quanto ao modo como chegou na Síria eu teria partido de uma base aérea no Cáucaso e ido pelo Mar Cáspio até o aliado Irã e dado um pulo furtivo de 400 km (20 minutos de voo em espaço aéreo iraquiano) sobre o norte do Iraque. Todo o percurso não tem mais que 2000 km!! Em relação à afirmação que todo caça soviético russo que surgiu em resposta a um americano era superior, eu respeitosamente discordo e não considero o… Read more »

Anônimo
Visitante
Anônimo

Comentário perfeito, Bosco. Apenas complemento dizendo que a extensa lista de “recursos stealth” do Su-57 apresentada no texto não me parece apontar para uma aeronave mais furtiva que as já existentes, mas para uma que meramente tenta preencher requisitos mínimos, tendo em vista que não suprem as deficiências apontadas pelas análises.

AVISO DOS EDITORES: CADASTRE-SE COM E-MAIL VÁLIDO E NOME / APELIDO IDEM, OU SEUS COMENTÁRIOS CONTINUARÃO A SER BLOQUEADOS AUTOMATICAMENTE E NÃO SERÃO LIBERADOS

CignusRJ
Visitante
CignusRJ

Bosco. Duas perguntas.
Tirando a possibilidade adiantada por vc poderia o avião ter sido transportado por navio?
E uma curiosidade. Ele tem a capacidade de pouso e decolagem vertical?

Bosco
Visitante
Bosco

Cignus,
Ele poderia ter sido transportado como carga já que ele não tem capacidade VTOL.

CignusRJ
Visitante
CignusRJ

Obrigado pela resposta.
Foi mesmo o que pensei. Transportado como carga.
abraços

MGNVS
Visitante
MGNVS

Bosco Sua analise faz todo sentido. Seguindo pela trajeto que vc descreveu realmente ficaria mais dificil do SU-57 ser detectado principalmente se tiver usado espaco aereo iraniano. Qnto ao Mig eu tbm acho que ele nao obteve tal superioridade tecnologica. A surpresa do ocidente em relacao ao Mig se deu mais pelo fato da URSS ser extremamente fechada e qndo eles se deparam com um novo caça entao num primeiro momento isso causou espanto. Qnto ao desenvolvimento dos misseis nesse caso foi diferente, qnto tiveram em maos um exemplar entao os especialistas ocidentais analisaram que o R-77 (http://sistemasdearmas.com.br/aam/r77.html) estava muito… Read more »

Bosco
Visitante
Bosco

MGNVS, Eu sei que o R-73 estava bem a frente do que os SRAAMs ocidentais, tanto que o míssil russo é o primeiro exemplar da 4ªGeração enquanto todos os outros eram classificados como sendo de 3ª Geração. O MiG-29 e até o sistema de mira no capacete não provocaram nenhum “susto” nos engenheiros ocidentais mas o R-73 com seu inovador sistema de empuxo vetorado provocou susto e admiração e até foi um dos motivos da OTAN explorar o combate BVR em sua totalidade em detrimento do combate aproximado. Hoje, já não há esse gap relativo aos mísseis de curto alcance… Read more »

MGNVS
Visitante
MGNVS

Ola Bosco
Sim… eu ja sabia sobre o R73 mas nao sobre o K77. Se tiver o link compartilhe pois quero ler mais a respeito.

Mauro 76
Visitante
Mauro 76

Putz …bosco…
Ate os pilotos da luftwaffe da ex Alemanha ocidental declararam quando absorveram a força aerea alemã oriental que eles estavam fu..dos se entranssem em coombate com seus irmãos orientais…
E vc insiste em negar o obivio !!!
Eles nem imaginavam o poder de manobridade e de tecnologia do mig29…
Mais vc continua com essa idolatria sem relação com o mundo real !
Sabemos da vantangem ocidemtal sobre os russsos , mas negar o inegavel e ridiculo! Sendo que ate os oficiais da luftwaffe confirmaram a superioridade dos mig29!
Abraços e mais juízo. ..

Mauro 76
Visitante
Mauro 76

Desculpem os erros …
Digito rapido e não corrijo. .

Bosco
Visitante
Bosco

Tá bom!

Skyraider
Visitante
Skyraider

OFF-TOPIC: Pra quem assina Netflix, há um documentário bem legal, “O Último Voo do Vulcan”.

pedro Henrique pereira soares
Visitante
pedro Henrique pereira soares

Muito bom o artigo, além de ser inseto mostra as varias possibilidades.

Bosco
Visitante
Bosco

E vale a pergunta: como as outras aeronaves não furtivas chegaram à Síria?

Marcelo-SP
Visitante
Marcelo-SP

Exato, Bosco! O autor parece procurar fantasmas onde não há, apenas para sugerir uma “superfurtividade” do SU-57 (mesmo com os dois motorzões “de forevis de fora”…). Primeiro que ele teria que dizer quais radares americanos deveriam detectá-los. Pois se passar ao largo do alcance dos radares, até um Boeing 777 vira “furtivo”. Que diga o caso do MH370, que ninguém sabe onde está até hoje. Segundo que eles podem ter sido detectados e simplesmente tomados como “mais dois caças” russos deslocando-se para a Síria, como você mesmo diz. Sem falar que esse vôo pode ter sido, inclusive, comunicado aos outros… Read more »

Vinicius
Visitante
Vinicius

Mesmo sendo “leigo total” no assunto, há unica opção minimamente plausível é: Da mesma forma que os F-22/F-35. Se voar ao lado de aeronaves com RCS maior, mascara sua localização, dificultando e muito o trabalho dos radares, então por que não usa-lá ao invés de “testar” os radares inimigos? Infelizmente/felizmente nem todos seguem um mesmo ‘viés ideológico.’ Será que se a mídia/população não cobrasse dos Americanos quanto aos seus movimentos, manteriam eles por totalmente coberto?

RL
Visitante
RL

Artigo interessante más confesso que me deixou com mais duvidas do que antes sobre estas aeronaves.

Bom. Fala-se da chegada à Síria.
Más e o retorno? Também não deveria estar coberto de mistérios e dúvidas quanto ao translado?
Ou saíram desmontados assim como supostamente chegaram?

romp
Visitante
romp

Muito legal o artigo, será um caça incrível quando estiver finalizado, acredito que irá surpreender os críticos.

Washington Menezes
Visitante
Washington Menezes

Acredito que em algum momento mais adiante o F35 s o SU57 se tornarão o caça que foram projetados.

Rodrigo M
Visitante
Rodrigo M

Cheguei atrasado e perdi alguma coisa.
Frazor ? Esse é o nome dado pela OTAN? Eu desconhecia até então..

Hgo
Visitante
Hgo

Tbm fiquei sabendo agora, 1 ano depois, da onde surgiu essa designação?

Sérgio Santana
Visitante
Sérgio Santana

Pessoal, agradeço a todos os comentários ao meu texto. E sobre a superioridade inquestionável do MiG-29 sobre o F-16, vejam que me referi em termos aerodinâmicos, pois a tecnologia está sempre evoluindo…

HMS TIRELESS
Visitante
HMS TIRELESS

Parabéns Sérgio! Seus textos são sempre muito informativos e esclarecedores. Você está escrevendo cada vez melhor…

GengisDu
Visitante
GengisDu

Parabéns pelo texto instigador, instrutivo e explicativo além de , principalmente, imparcial. Pra leigos e entusiastas como eu é sempre bom .

GengisDu
Visitante
GengisDu

Bom, pelas credenciais do autor, creio q não há o que falar além de que os russos estão no caminho e o tamanho das turbinas não aparenta vir a ser um problema na furtividade. Há vários sensores pelos quais creio ser o caminho buscado pelos russos pra se manter indetectaveis.

Leo Neves
Visitante
Leo Neves

Já li que aerodinamicamente falando o Su-57 é o caça mais avançado do mundo, isso procede ?

Sérgio Santana
Visitante
Sérgio Santana

Marcelo, Grato pelos comentários. Em atenção a eles, vou colocar minha opinião em cada um. 1- “O autor parece procurar fantasmas onde não há, apenas para sugerir uma “superfurtividade” do SU-57 (mesmo com os dois motorzões “de forevis de fora”…).”. Não, muito pelo contrário, a própria Sukhoi declara o RCS do Su-57 (0,3-0,4m2, mais elevado que os do F-22/F-35, que ninguém conhece ao certo, diga-se de passagem). O que eu discuto é porque toda a mídia especializada mundial também foi pega de surpresa com a chegada deles na Siria. Alguém sabe como chegaram lá ? Eu levanto hipóteses… 2- ”… Read more »

MGNVS
Visitante
MGNVS

Sergio Santana
Parabens pela replica comedida e bem educada e o melhor, sem levar a critica recebida para o lado pessoal.
Seu artigo foi excelente e totalmente imparcial, so nao ve isso quem realmente nao quer ver.
No mais continue nos brindando com mais artigos assim.

RicardoNB
Visitante
RicardoNB

“Como só foram visualizados sobrevoando o espaço aéreo sírio e depois já estacionados na Base Aérea de Khmeimim?” Esse questionamento ficou estranho, “so foram” por quem ? A mídia ou forças americanas ? Pq não existe qualquer informação sobre a ciência ou não da chegada do Su-57 por forças americanas, além do mais, basta um voo próximo de uma aeronave com RCS maior para mascarar sua chegada. O Su-57 possui claras medidas baixo observáveis, mas ainda longe do padrão americano. Aquele dossel possui parafusos expostos para todo lado, na verdade toda a fuselagem. O Su-57 usa o mesmo ferramental do… Read more »

Leo Neves
Visitante
Leo Neves

Se você olhar os últimos protótipos você poderá ver que não há mais parafusos expostos e esta bem diferente do Su-35.

Marcos10
Visitante
Marcos10

Em uma última matéria aqui mesmo no PA sobre o Su-57, cujo artigo trata justamente da quantidade de “sujeira” na aeronave.

RicardoNB
Visitante
RicardoNB

Continua tão sujo quanto antes …

marcio alves
Visitante

Parabéns pelo excelente artigo Sérgio Santana.
O RCS do Su-57 pode diminuir ainda mais quando as novas turbinas 3D com bocal serrilhado estiverem prontos para a produção em série e não duvido que os Su-57 possam voltar a Síria para outros testes dos sensores e outros armamentos desenvolvidas para ele.

Arariboia
Visitante
Arariboia

Tem um pessoal aqui que é complicado. Vai falar do motor do protótipo da sem se aprofundar mais.

Os 2 modelos que foram para a Síria, são os do 50-9 e 50-11 que são da fase 2. São muito diferentes que os do fase 1, principalmente por dentro.

Valdez A
Visitante
Valdez A

A rota “oficial” que a Russia está usando è pelo Caucaso>Irà>Iraque>Siria…Irà já cedeu uma base pra bombardeiros russos ali, atè misseis de cruzeiro fizeram esse trajeto.

Mas muito bom o texto, parabèns.

Joao Vasco
Visitante
Joao Vasco

Não vejo misterio nenhum… na minha hipotese eles voaram escoltados de um avião tanque e com dispositivos para despistar o rcs, se passando por outro caça qualquer simples assim. Acredito que a maioria dos f22 voe assim.

André
Visitante
André

Ainda não entendi a surpresa do avião ter chegado na Síria sem ser notado. Basta pegar o mapa e olhar. O Bosco já disse como, e aposto que ele não tem pós graduação em cartografia.

Seria legal se o autor desse um único exemplo de aeronave russa superior em combate à alguma aeronave americana equivalente. Mig29 vs F16 está 2×0 para o F16. F14 x Mig25, está uma lavada para os F14 iranianos sem peças de manutenção.

Felipe
Visitante
Felipe

É só pesquisar. Tem desde MiG-25 iraquiano atacando 4 F/A-18C, derrubando 1 e fugindo, desde MiG-21 e MiG-23 Sirios derrubando F-16s Israelense em 1982 e 85. Google tá aí.
A lista das aeronaves da Otan derrubadas pelo Iraque em combate ar-ar: http://www.f-16.net/forum/download/file.php?id=18871&sid=7ec267582e7a16d3823413036cfe7c80&mode=view
Tem também a do MiG-29 quando nas mãos da Luftwaffe (após fim da URSS) que venceram todos combates simulados contra os caças da Otan da época (que causou o alarde por causa do missil R-73).

JPC3
Visitante
JPC3

O Mig-29 não venceu os combates em BVR, na realidade os alemães acharam ele uma aeronave bastante precária. Era excelente no dogfight, mas não ia além disso.

Para se ter uma ideia o R-27 tinha metade do alcance útil especificado e a eletrônica do fulcrum era muito inferior, mal ´permitia que ele voasse como ala em exercícios.

JPC3
Visitante
JPC3

O radar era primitivo comparado ao do tornado e ao do F/A-18 hornet,e o sistema de navegação também.

Bosco
Visitante
Bosco

JPC3,
O próprio R-73 que inaugurou a chamada 4ª Geração de mísseis ar-ar de curto alcance, causou admiração do Ocidente por conta da simplicidade e do inovador sistema TVC, que possibilitava um HOBOS sem precedentes, mas seu seeker era considerado menos capaz que o dos Sidewinder AIM-9L/M.
Os combates simulados não “simulam” defeitos e nem mísseis que são desviados por IRCMs. Eles só levam em consideração se o “bandido” foi colocado na mira e trancado. Aí, a combinação HMS/R-73 se mostrou superior no MiG-29 do mesmo jeito que seria superior em qualquer outro caça.

JPC3
Visitante
JPC3

Verdade.

Bosco
Visitante
Bosco

Felipe, Todas as vitórias simuladas dos MiG-29 na Luftwafe foram em todos os cenários possíveis ou foi só na arena WVR simulando estarem armados com os R-73? E foi mesmo contra “todos” os caças americanos, inclusive os de geração homóloga (4ªG) ou foi só contra os caças F-4 da Luftwafe? Em tendo sido contra todos e em todos os cenários podemos entender que sistematicamente os MiG-29 venceram os F-15 e F-14 na arena BVR? *Vale salientar que estamos discutindo sobre o MiG-29 já que ninguém duvida da capacidade do R-73 aliado ao HMS. A comparação que se fez aqui foi… Read more »

Felipe
Visitante
Felipe

As vitorias foram em WVR com uso dos R-73. Aí foram testados contra F-16 principalmente, mas com F-15 e F/A-18 também. Mais detalhes neste site: https://www.16va.be/mig-29_experience.htm

André
Visitante
André

Felipe, como não falo e não leio o que imagino ser árabe, vou imaginar que a sua tabela são os aviões que os iraquianos dizem que abateram no ar-ar. Mesmo assim, estaria ~44 a 8. Ainda me parece uma lavada. No Líbano em 1982 estaria ~80 a 1, mais lavada ainda. Pessoalmente não gosto de citar as guerras de Israel e do as dos EUA contra o Iraque prq nessas a diferença pela doutrina e pelo suporte era gigantesca. Já no caso Iran x Iraque, o cacete do f14 no mig25, e em toda a força aérea iraquiana, se deveu… Read more »

Ricardo Mendes
Visitante

F 15 e f 16 dos estados unidos e israel nunca perderam combates aéreos até agora . Informe se melhor e não confunda com o Paquistão e a Turquia.

Ricardo Mendes
Visitante

Eagles e vipers derrubaram mig 25 e mig 29.

Sérgio Santana
Visitante
Sérgio Santana

André, agradeço os comentários ao meu texto. E como fiz ontem vou responder a cada um… 1- “Ainda não entendi a surpresa do avião ter chegado na Síria sem ser notado. Basta pegar o mapa e olhar. O Bosco já disse como, e aposto que ele não tem pós graduação em cartografia”. Note que no texto, na ausência de fatos, eu levantei hipóteses. Nada mais. Coloque-se no lugar dos russos: você sairia fazendo escalas por ai, com sua aeronave mais secreta ? Pousaria em alguma base, mesmo aliada, correndo o risco dela ser fotografada mais do que você gostaria ?… Read more »

Agnelo Moreira
Visitante
Agnelo Moreira

Bom dia
Se me permite
Achei muito boa suas colocações.
Nos exemplos que mencionou fica claro o Q muitos ignoram pra guerra aérea, naval e terrestre, Q é a integração sistêmica de vários recursos.
O avião, o piloto, seu treino, a manutenção, o armamento, a GE, outros meios aéreos etc
Saudações

Andre
Visitante
Andre

Bom dia Sérgio, De novo, o que eu ainda não entendi foi a surpresa em ele ter chegado na Síria ser ser detectado, independente da forma que ele foi. Pra mim, isso é mais do que normal. Compare o F14 com o Mig25 porque foram aviões desenvolvidos mais ou menos na mesma época é que se enfrentaram em condições relativamente iguais, salvo que os EUA não mais davam assistência aos iranianos. E, nestas condições, teve um índice de vitória muito grande sobre o Mig25, mostrando que era um avião muito superior. Se fosse usar o mig31 em minha comparação, eu… Read more »

Mauro 76
Visitante
Mauro 76

Perfeito!
Comentário sem emoção e focado em fatos!
Parabéns

carvalho2008
Visitante

Algumas ponderações: Acho improvavel que o SU-57 tenha RCS igual ou superior ao F-35/F-22 É possivel que possua RCS proximo É possível que a ciencia da dianteira americana nestas dimensões de requisitos tenha impelido os Russos na aplicação de outras tecnologias acessórias para minimizar ou superar a defasagem É quase um fato para quem trabalha com projetos, que o segundo lugar praticamente abrevia esforços da ordem de 30% a 40% quando possui a matriz conceitual testada de um projeto pioneiro concorrente a ser batido, quer seja pela validação do conceito ou pelas tecnologias que ficaram mais acessiveis durante a execução.… Read more »

carvalho2008
Visitante

Em complemento e continuando… Nesta corrida de projetos e conceitos, podem surgir doutrinas e filosofias muito diversas. Eu particularmente, em que pese meu reconhecimento da enorme importancia stealth que veio para ficar e sempre, acredito que o fator invisibilidade pode não ser o mais importante, caso surja a consolidação de arsenal aero embarcado antimissil eficiente. Mesmo dentro deste tema de arsenal aero embarcado antimissil, já sabemos que haverá que seja por caminho evolucionário ou conceito, 2 vertentes: a) Laser de alta energia( caminho dos atuais jamming) b) Micro misseis de engajamento antimissil O primeiro, ainda carecerá de mais energia para… Read more »

Gilmar
Visitante
Gilmar

Parabéns ao autor pelo texto. Felicito ainda mais por sua postura correta ao responder questionamentos com argumentos sóbrios e principalmente com educação, o que as vezes está ausente por parte de alguns.

Augusto L
Visitante
Augusto L

Sendo ele furtivo, não passando a menos de 60 km de um radar AESA e nem perto( 100km) de um radar de baixa frequência, da pra ele chegar na Síria sem que ngm perceba. Agora vamos falar serio não à nenhum indício que a Otan colocou meios físicos para detectar translados de caças russos, o que torna o questionamento meio vago, na minha opinião, o monitoramento da Rússia deve ser só por inteligência que por sinal funcionou, tanto que fotos foram tiradas. Se um An-seilaoque sair da Rússia para Siria não há nenhum indício que teria um e-3 da otan… Read more »

Gallina
Visitante
Gallina

Lendo o blog, muitos comentários tendo por objeto supostas qualidades e defeitos do SU-57, do F-35… E sobre o nosso caça, o F-39, Gripen, ninguém vem repercutindo os consistentes relatos de que o caça consegue eletronicamente reduzir sua RCS, a ponto de equivaler a um stealth ? Ao que tudo indica, não se trata de jamming via força bruta e nem via despistamento (hoje com DRFM), e sim uma novel técnica que efetivamente consegue reduzir a RCS para valores menores que 0,1 m2 a 0 grau de apresentação, fazendo com que o avião se misture com o clutter… ou seja,… Read more »

carcara_br
Visitante
carcara_br

1 – rcs divulgados pela mesma aeronave pela imprensa russa e americana não podem ser comparados diretamente. Os russos possuem valores maiores sempre, isto pode ser porque eles utilizam o valor médio, o valor para frequência diferentes ou simplesmente mentem. 2 – O valor obtido em modelagem p o su57 e f-22 utilizando o msm critério são de 0.01 para o primeiro e 0.0001 para o segundo. Significa que o f-22 seria detectado a 30% da distancia de detecção do su-47. 3 – a valor mais importante p um caça penetrando um sistema de defesa é o rcs médio. 4… Read more »

JPC3
Visitante
JPC3

Interessante.

Ricardo Mendes
Visitante

Todo o mundo sabe que o su 57 não é foi ou será stealth primeiro tem rebites visíveis e ridículos rcs enorme nas asas área central motores etc… depois os motores são de péssima qualidade não têm supercruise nem atingem mach 2 em full afterburner mais a área do piloto não tem protecção para dispersar calor ou ondas de radar Mais os radares são ridículos falta de qualidade incrivel nem para 4 geração servem pois os eurocanards são muito melhores Agora comparar com f 22 raptor é no minimo ridículo. R 77 tem muitos problemas e tem baixo stock É… Read more »

Luiz
Visitante
Luiz

Bosco,
O RCS é relativo. Depende muito da frequência que o radar emiti e da posição geométrica do caça no momento da emissão. Nós mesmos já tivemos a oportunidade de iluminar o Raptor com o R-99, quando o mesmo estava decolando e circundando a ilha de Guantánamo. Como sabíamos com precisão à distancia, foi possível calibrar o radar do R-99 para o F-22.
Aliás,
Ele perecia um ponto intermitente no radar.

carcara_br
Visitante
carcara_br

Luiz, trabalha com os r-99?

Sérgio Santana
Visitante
Sérgio Santana

Luiz, segundo me consta, o radar MDA a bordo do R-99 possui alcance máximo de 150km contra um alvo aéreo. Você afirmou ter detectado um F-22A perto de Guantánamo, Cuba, o que implica dizer que a aeronave estava bem longe do espaço aéreo brasileiro. Confirma ? Já que “cantou a pedra” pode dar mais detalhes da missão ?

carcara_br
Visitante
carcara_br

Rsrsrsrsrs….
Vai partir muitos corações….

Ghutoz
Visitante
Ghutoz

O r99 foi empregado no haiti? Se foi faz sentido

João Borges Queiroz Júnior
Visitante
João Borges Queiroz Júnior

Fascinante!

Rinaldo Nery
Visitante
Rinaldo Nery

R-99 voando no Caribe, captando F-22 com radar de abertura sintética? Que papo furado é esse? É um troll? Nunca ouvi isso na minha vida.

Rinaldo Nery
Visitante
Rinaldo Nery

Era o E-99 mexicano?

Sérgio Santana
Visitante
Sérgio Santana

Touché ! Troll na mosca !!

Rinaldo Nery
Visitante
Rinaldo Nery

O que leva um sujeito querer se passar por quem não é? Deve ser doença. Nessa ele se deu mal, a não ser que diga que é mexicano. Mas escreve muito bem em português. ..

Sérgio Santana
Visitante
Sérgio Santana

Doença mesmo…Mas tanto você quanto eu sabemos muitissimo bem que o México não tem R-99…

HMS TIRELESS
Visitante
HMS TIRELESS

Vocês (Cel Rinaldo e Sérgio) pegaram o troll em flagrante..rs!

Rinaldo Nery
Visitante
Rinaldo Nery

Voando próximo de Cuba só pode ser mexicano, pois E-99 brasileiro nunca voou lá. Já foi até pra Malásia, mas pro Caribe ainda não foi. No meu comando mandei um pra Inglaterra (Air Tatoo) e outro pras Canárias (Las Palmas). Quando era S-3 mandamos um pro Peru.

HMS TIRELESS
Visitante
HMS TIRELESS

Aquele que vocês mandaram para o Peru não foi um E-99B para interceptar as ligações de celular do Sendero Luminoso, que havia sequestrado uma pessoa?

Sérgio Santana
Visitante
Sérgio Santana

Augusto, Grato pelos comentários, tal como tenho feito com os demais colegas aqui, vou responder aos seus também. Quando você diz: “Sobre o Mig ser aerodinâmicamente superior é uma questão de doutrina, o F-16 é feito para n perder energia o Mig-29 para ter altos angulos de ataque, o F-16 era o melhor na época no quesito energia assim como o Mig-29 era o melhor nos ângulos de ataque, quem ganharia dependeria da estratégia. E partir de uma premissa que como o Su-57 veio depois é mais stealth, pq supostamente o Mig-29 era mais aerodinâmicamente mais avançado que o F-16… Read more »

Augusto L
Visitante
Augusto L

Sergio eu quis dizer que o F-16 foi feito para perder menos energia, portanto mantendo maior velocidade, tendo uma sustentação de curva maior, e o Mig-29 feito para se ter maiores ângulos de ataque, por exemplo, o F-18 hornet, tem ângulos de ataque maiores que o do F-16 mas o F-16 perde menos energia o que faz ele sustentar um curva menor por mais tempo. É claro esse é meu conhecimento internesco, se eu tiver errado, que o senhor me corrija. Eu so falei, da superioridade do Mig-29 sobre o F-16, porque todas as discussões que ja acompanhei se resumiram… Read more »

Sérgio Santana
Visitante
Sérgio Santana

Ah, agora entendi…

Abraço,

Sérgio

MGNVS
Visitante
MGNVS

Sergio Santana
Admiravel a sua atitude em relacao a alguns questionamentos feitos contra a sua argumentacao mesmo qndo se percebe que o seu artigo foi elaborado de forma imparcial e sem defender qualquer tipo de ideologia ou preferencia pessoal. E ainda assim tem “doutores” aqui que so criticam por criticar.

Sérgio Santana
Visitante
Sérgio Santana

MGNVS,

Grato pelo elogio. Tenho as minhas preferências, como todos. Mas como costumo escrever do mesmo modo que gostaria de ler procuro deixá-las de lado. O leitor não está interessado em saber delas…Sou reconhecidamente imparcial e continuarei assim…
Abraço,
Sérgio

TIGER 777
Visitante
TIGER 777

Sérgio Santana, excelente artigo, muito grato por compartilhar seu conhecimento. abçs.

Andre Vedoze
Visitante
Andre Vedoze

Como é possível afirmar que Israel e USA não detectaram o SU-57? E se eles houvessem detectado seria inteligente informar esta capacidade para o seu inimigo? No momento o que existe na Síria é um mar de especulações e os vários atores envolvidos (USA, Israel, Rússia, Turquia e Irã) blefam o tempo inteiro.

Sérgio Santana
Visitante
Sérgio Santana

“Quando era S-3 mandamos um pro Peru”. Verdade, “Operação Ayacucho”, correto ?

Rinaldo Nery
Visitante
Rinaldo Nery

Exato.

Leo Neves
Visitante
Leo Neves

Sergio Santana
Ótimo texto.
O que acha do Su-57 aerodinamicamente falando ? E dos seus 6 radares?

Sérgio Santana
Visitante
Sérgio Santana

“Aquele que vocês mandaram para o Peru não foi um E-99B para interceptar as ligações de celular do Sendero Luminoso, que havia sequestrado uma pessoa?”. Não HMS Tireless, na “Operação Ayacucho” foi utilizado um R-99A (hoje conhecido como E-99), que tem o mesmo equipamento de Inteligência de Comunicações que o R-99 (então conhecido como R-99B).

Carlos Alberto Soares
Visitante
Carlos Alberto Soares

Pilotos Israelenses (IAF) fizeram o translado.

Está no HC, viram ? Eu não vi !

“O que você não vê com os seus olhos, não testemunhe com a sua boca.”

Provérbio Judeu

ostei da matéria.

Carlos Alberto Soares
Visitante
Carlos Alberto Soares

Utilizaram o conflito na Syria para mais testes e esticar as pernas;

Su 57 fotografados:

Estamos aqui e viemos para ficar.

Vader, tem um bico de pato, belo vídeo:

https://www.youtube.com/watch?v=q-HV5zyxjpQ

O Dobermann está ativo ?

Foxtrot
Visitante
Foxtrot

Duas ótimas oportunidades perdidas pelas FAAs nacionais.
A primeira foi da aquisição do SU-35 no período do FX-1.
A proposta era de montagem local pela Avibras, e participação no até então denominado PAK-FA.
Segunda é não ter investido na proposta de míssil de cruzeiro nacional aerolançado denominado CABURÉ, da empresa TURBOMACHINE.
Com menores dimensões que MT-300 e mais leve.
Não sei quantas unidades do Caburé o Gripe Sueco (GRIPEN) pode transportar.
Mas adquiram esse brinquedo tático e vão muniló de armamento importado.
A cara do Brazil mesmo !

Wellington Góes
Visitante
Wellington Góes

Sérjão, meu amigo, parabéns pelo artigo!!!

Carlos Alberto Soares
Visitante
Carlos Alberto Soares

Guantánamo é uma ilha ?

Afirmaram isso ai pra riba. Kkkk

Nilton L Junior
Visitante
Nilton L Junior

Fico aqui imaginando, se esse caça já é taxado como sendo pouco furtivo fez esse deslocamento se fosse bastante furtivo então nem foto teria, desculpa ai o exagero

Kalacc
Visitante
Kalacc

Qual seria o RCS do F-5?Faço a pergunta pois, o tamanho dele para o Frazor enorme.