Home Aviação Comercial ‘Acordo com Boeing vai sair antes das eleições’, diz CEO da Embraer

‘Acordo com Boeing vai sair antes das eleições’, diz CEO da Embraer

2899
57

Presidente da Embraer disse que a maior dificuldade não é o valor, mas encontrar formato que preserve a colaboração

Paulo Cesar de Souza e Silva, presidente e CEO da Embraer, classificou como “bastante complexa” a negociações de uma fusão com a norte-americana Boeing, iniciada em dezembro do ano passado. Mesmo assim, o executivo disse que espera que o anúncio do formato do acordo seja feito antes das eleições.

A declaração do presidente da Embraer foi feita durante evento da Uber, em Los Angeles, nos Estados Unidos, na semana passada.

Segundo Souza e Silva, a maior dificuldade de fechar o negócio não é o valor ou a possível resistência em vender a área de defesa da Embraer, mas em encontrar um formato que preserve a colaboração entre as duas empresas.

Após ser notificado pelo Ministério Público do Trabalho para que o acordo preserve os empregos no Brasil, o presidente da Embraer disse que o negócio deve resultar em uma empresa maior.

“Isso não é um ponto de atenção porque a ideia é justamente fazer uma parceria para que a gente consiga ter uma empresa maior, com mais crescimento, mais vendas, mais exportação e mais industrialização. O projeto é muito positivo nesse sentido, não o faríamos para reduzir a empresa, mas sim para criar uma maior”, afirmou Souza e Silva.

Comunicado

Em comunicado ao mercado, feito em abril, o presidente da empresa afirmou que “não há definição acerca da estrutura de participação da Embraer e tampouco da governança de possível nova sociedade que venha a ser criada caso venha a ser implementada a referida combinação de negócios”.

Em nota, a Boeing disse que o acordo com a Embraer é “uma situação de ganho mútuo que resultará em maior crescimento e mais oportunidades para ambas as empresas”.

FONTEO Vale

57 COMMENTS

  1. CEO da EMBRAER querendo dar uma forcinha aos especuladores que estão comprando ações da empresa….

    No mais, será mesmo que esse acordo sai, ainda mais antes das eleições? tenho minhas dúvidas…

  2. “Vai sair” e “espera que” (sic) são retoricamente, negocialmente, esperançosamente antagônicas . . . Uma expressão denota certeza, outra expectativa . . .

      • Olá.
        Somente “acreditar” que alguma coisa pode ser boa não significa necessariamente que ela será.
        Por mais que se queira e se troça para o sucesso da empreitada.
        SDS.

      • Pois é, HMS. Eu sinto a cúpula da Embraer mais ansiosa em por um broche da Boeing na lapela que realmente firmar um acordo colaborativo.

        • Com certeza, meu amigo, tenha total certeza disso. Até nos vídeos no Youtube a Embraer deixou de produzir vídeos em português, tamanha a vontade de ser ‘A Boeing Company’.

          • Wellington,

            Nessa questão específica eu concordo contigo, discordo apenas que isso seja por “vontade de ser A Boeing Company”, e sim uma questão de falar a língua de seus maiores clientes.

            Mas a meu ver não seria nenhum grande problema publicarem vídeos no canal do youtube tanto em versões narradas em português quanto em inglês. A parceira tcheca no programa KC-390, a Aero Vodochody costuma fazer isso, por exemplo. Mesmo porque pouquíssimos de seus possíveis clientes, tirando a força aérea local, falam tcheco…

            Mas produzir vídeos com áudio ou textos em inglês não é uma exclusividade da Embraer.

            Por curiosidade, fui ver o canal da Dassault, onde anos atrás eu costumava ver vídeos publicados tanto em francês quanto em inglês.

            Percebi que alguns vídeos recentes, de caráter mais institucional, tem sido publicados em inglês, enquanto que os de cobertura de eventos internacionais / reportagens, são tanto em inglês quanto em francês (conforme a língua em que se está falando no evento e nos discursos)

            https://www.youtube.com/user/TheDassaultAviation/videos

  3. Senhores editores
    Desculpem pela minha chatice, mas o avião que ilustra a matéria não é um E2, pois o 195 E2 só será lançado no ano que vem.
    Por outro lado, o E2 não possui winglets, uma vez que o novo desenho da asa dispensou este apêndice.

    • Agradecemos o aviso, João.
      Apagamos a legenda errada, mesmo porque a foto é praticamente “auto-descritiva”.

    • Vc está parcialmente certo. A foto é de um E1, mas o 2º protótipo do 195-E já voa desde 18/11/2017 e o 1º desde 29/03/2017, ou seja erraram a foto, pois já existem 2 deles voando. Aqui vc pode ver um deles em campanha de testes nos EUA:

    • Tive a oportunidade de visitar a cabine do 195-E2 (PR-ZIQ) em março, quando este retornava dos EUA e fez uma escala em Manaus.

  4. Isso só reforça a ideia de entreguismo.

    Um governo que não possui 10% de aprovação não está apto para entregar o Golden Share tão fácil.

    Esperem as eleições

    • Com todo o respeito mas esse argumento (“entreguismo”) é ideologicamente viciado e termina por ensejar intermináveis confrontos aqui. Ademais o que está sendo discutido não é a Golden Share mas sim as operações de aviação comercial da empresa. E cumpre lembrar que apesar da baixa taxa de aprovação o atual governo brasileiro é constitucional e legalmente autorizado a discutir o assunto, até porque eleição não dá cheque em branco para ninguém.

  5. Se venderam a Embraer para a Boeing tem que fechar o ITA. Não é possível manter um instituto, com dinheiro público, para fornecer mão de obra a Boeing.

        • Meu colega que classe se formou em engenharia mecatrônica em São Carlos, chegou a fazer mestrado, teve algumas iniciativas mas acabou sendo contratado para trabalhar no Itau. Ganha mais que o piso de engenheiro no Brasil.

    • Legal, sou formado em universidade federal, devo pedir demissão do meu emprego no setor privado e esperar o governo me dar emprego? Porque pelo jeito é pecado se formar em universidade pública e ir trabalhar em empresa privada, seja nacional ou estrangeira.
      Há, a Embraer já é americana a muito tempo, só olhar a composição dos acionistas, então segundo sua visão o ITA já deveria ter sido fechado desde a privatização da Embraer.
      Realmente, parece que você não gosta de pensar antes de falar.

      • Sugiro buscar mais informações sobre como é formado a administração de uma empresa como a Embraer. Não confunda ações em bolsa com controle acionário. Não banque o _____________

        COMENTÁRIO EDITADO. NÃO ROTULE OS DEMAIS PARA NÃO SER ROTULADO, O QUE SÓ SERVE PARA GERAR TROCAS DE OFENSAS INTERMINÁVEIS, QUE ESTRAGAM O DEBATE.

      • Casimiro Montenegro Filho foi um militar brasileiro, criador do Instituto Tecnológico de Aeronáutica e do Departamento de Ciência e Tecnologia Aeroespacial, instituições que foram o embrião da Embraer.
        Embraer e ITA estão ligados. Se não há interesse em manter a Embraer que se privatize o ITA, para o MIT, por exemplo. Quem quiser entrar na área que pague. Na verdade, todos os cursos da universidades federais e estaduais devem ser pagos como no paraíso dos EUA.

  6. Claramente este Acordo deverá ser CARACU , até porque o Gado e a Cerveja somente existem no Brasil , esperem , depois espero qual será o Papo dos Liberais !!

    • A venda da Embraer não tem absolutamente nada a ver com ideias liberais, assim como Estado social-democrata não tem nada a ver com comunismo (como muitos dizem por aí). Pare de usar a expressão da forma errada.
      Pior que usar a expressão liberal da forma errada é achar que o Brasil tem governo liberal, logo o Temer ser liberal, o sujeito que sequestrou o MDB e foi braço direito do PT durante 1 década.

  7. Olá.
    De uma coisa podemos ter absoluta certeza: a Boeing não vai entrar num negócio/acordo que lhe seja prejudicial.
    SDS.

  8. 1o
    Americano não rasga dinheiro, então o acordo é muito benéfico à Boeing

    2o
    Quem realmente irá tomar as decisões críticas vai se dar muito bem

    3o
    O negócio só não saiu antes porque o Governo estava estudando alguma maneira de aproveitar o bonde, ou financeiro ou no “capital político”. (Se fossem ganhar rios de dinheiro, acham mesmo que o Nacionalismo iria fazer alguma diferença?)

    4o
    Nós somos espectadores apenas, o que tiver que ser vai ser independente de nossos anseios

  9. Se a opinião pública e a imprensa começarem a criticar a venda o governo pode desistir.
    Mas precisa alguém levantar a bandeira.
    Os diretores não vão protestar porque parecem ter interesse.
    Os funcionários não protestam porque acham que podem ir trabalhar na Boeing…
    A população dos municípios ou prefeituras tem medo de peotestar e a Boeing depois revidar.
    Somos nós nacionalistas que temos de colocar a boca no trombone.
    A imprensa tem medo de perder verbas publicitárias.

  10. Ótima notícia, o importante é que este acordo de venda da Embraer a Boieng seja concretizado o quanto antes, parabéns aos envolvidos.

  11. Tudo pode acontecer, inclusive absolutamente nada. Sobre a baixa popularidade do atual governo, de fato isso mais ajuda que atrapalha a Boeing, pois o presidente e sua equipe estão tão desmoralizados que já não têm mais o que perder. Se a situação fosse inversa, certamente o governo estaria se empenhando para barrar o negócio, ao menos enquanto uma suposta reeleição não estivesse garantida.

    • O KC não precisa da Boeing. A Boeing precisa de um KC, principalmente se for a preço de uma _________________

      MODERE O LINGUAJAR, MANTENHA A DISCUSSÃO EM ALTO NÍVEL.

  12. Não sei porque tanta preocupação com isso ai.
    A China já comprou mais de US$ 130 bilhões em ativos aqui no Brasil e ninguém falou nada.
    O Brasil é um país hostil às suas empresas.
    Se não for a Boeing, vai ser a AVIC.

    • Ativos de que? Existe uma monstruosa diferença entre controlar um porto/aeroporto/ferrovia e controlar uma empresa estratégica detentora de tecnologias raras e essências para a manutenção da soberania do país.

          • Caro ODST, o controle de portos, aeroportos e ferrovias possui valor muito mais estratégico para uma nação que a aquisição de um fabricante de aviões. E mesmo se considerarmos como indústria estratégica somente aquelas envolvidas em assuntos relacionados à defesa, ainda assim a Embraer não é tão estratégica como muitos dizem. Não que esta empresa não possua seus méritos, mas as reais tecnologias que garantem a defesa deste país são de origem estrangeira.

          • Carlito

            Tudo isso continuará nas mãos dos brasileiros. Não tem como levar um porto ou uma ferrovia para fora do país, e 99% dos que trabalham ali continuarão sendo brasileiros, não teria como a China impedir o Brasil de usar um determinado aeroporto em caso de guerra por exemplo. Além disso, nos dias atuais, as tecnologias empregadas nesse tipo de construção não se perdem, já são “manjadas”. Mas se com o tempo a Embraer que conhecemos deixar de existir, ou perdermos importante capacidade de desenvolvimento/criação…. não temos substituto….

            O caso da Embraer é totalmente diferente, e ainda faz coisas que a Boeing não faz (de acordo com o Valor; trens de pouso, interiores e softwares de aviônica). É sim uma empresa de suma importância estratégica, que também desenvolve radares e está envolvida no programa de submarinos. Quantas empresas no mundo fazem tudo isso? Bem poucas, não tem nem como comparar.

          • Empresa estratégica é aquela que tem a capacidade de imterferir na economia ou na estabilidade de uma nação, e sobre as recentes aquisições chinesas no Brasil, toda a logística da economia tupiniquim está sob comando estrangeiro. Em breve outros setores chave estarão também, como energia, fornecimento de água, petróleo, dentre outras áreas.

            Se por um lado não se deve subestimar as capacitações da Embraer, também não se pode superestimá-las. Sim, trata-se de um grande fabricante de aviões, mas no que tange à cspacidade de desenvolver e produzir tecnologias e produtos no setor de defesa, está muito aquém daquilo que se pode esperar de uma empresa do setor de defesa.

            Sobre ter capacidades que a Boeing não possui, isso se deve ao fato de uma decisão estratégica do passado tomada pelos americanos, e hoje, por diversas razões, tais decisões podem estar sendo revistas. Uma eventual compra da Embraer por tais capacidades que Boeing tem confiado a terceiros ou simplesmente ignorado por anos, seria apenas uma forma de se encurtar o caminho. É muito mais fácil uma Boeing desenvolver as capacitações da Embraer que a Embraer desenvolver as capacitações da Boeing.

            Aliás, tudo que se tem sobre a tal fusão ainda é especulação. Nenhuma decisão foi tomada, e não se sabe o que está em jogo. Acreditando-se naquilo que tem sido mais aceito sobre o suposto negócio, que apenas a divisão de aeronaves comerciais estaria sendo negociada, não significa que a linha de montagem será transferida ou que a “nova” Embraer não irá mais continuar desenvolvendo as aeronaves. Do ponto de vista econômico e empresarial, sequer faz sentido.

            Se as supostas tecnologias estratégicas da Embraer realmente for aquilo que pregam, não há motivo algum para preocupação, já que esta área não está no negócio. E se tais tecnologias realmente forem extraordinárias, o mercado se encarregará de garantir o sucesso financeiro da empresa.
            Enfim, como eu disse em outro comentário, tudo pode acontecer, inclusive nada.

  13. “…é justamente fazer uma parceria para que a gente consiga ter uma empresa maior…”

    A gente quem _____________? Você quer dizer a Boeing né? O que você quer é apenas agradar seus acionistas, pois a Embraer e o Brasil em si não ganharão nada com esse negócio, só perderemos, como sempre…..

    COMENTÁRIO EDITADO. MANTENHA O RESPEITO.

  14. Este CEO ficará marcado historicamente como o cara que iniciou o processo de destruição da EMBRAER.

    Parabéns Paulo Cesar de Souza e Silva, por causa de sua ganância, será lembrado como o antagónico ao Osíris Silva. Enquanto o Osíris ajudou a criar uma empresa reconhecida mundialmente, você, Paulo Cesar, está ajudando a acabar com um legado de sucesso.

  15. Vergonha, querem voltar a ser uma republica de bananas mesmo, que só vive de commodities…
    Temos mesmo é que exportar café, soja, filhotes de animais silvestres e petróleo vagabundo.

    Desses vendilhões do templo que deram a entrevista eu sequer me atrevo a digitar.

    Daqui uns 10 ou 15 anos quando a EMBRAER for o que hoje é a McDonnel Douglas,e se ainda tivermos banda larga, virei aqui com os prints desses espertos que acham que foi um bom negócio.

  16. A Parceria entre Boeing e Embraer vai acontecer

    Sou funcionária da Embraer e todos nós já sabemos..

    até o inicio de Junho o comunicado sairá

    A Embraer quase tlipicará de tamanho

      • Space Jockey ?

        Vc trabalha na empresa ?
        Acredito que não..

        Logo ______________ antes de querer opinar algo que não tem conhecimento

        COMENTÁRIO EDITADO. COMENTE SEM ATACAR OS DEMAIS, MANTENHA O RESPEITO.

    • Prezada Vanessa
      Quem está de fora nada sabe. O que lemos são certamente boatos.
      Procede a “informação” de que a Boeing não quer brasileiro no conselho de administração da nova empresa?
      A linha de produção continuará aqui no Brasil?
      Idem o desenvolvimento de novas aeronaves?
      Iremos agregar novos produtos na fábrica local?
      Se puder responder, agradeceria.

    • Reclamação nunca vai faltar, antes, durante e após o processo, se ele acontecer.

      Sem informações mais detalhadas, o que resta ao pessoal é escolher o lado onde vai reclamar, no guichê dos que são contra ou no guichê dos que são a favor.

      A fila é grande dos dois lados, e é lugar-comum dizer que brasileiro adora uma fila. E talvez seja verdade mesmo, e cada um espera sua vez pelo inenarrável prazer de ouvir a palavra mágica:

      “Próximo!”

  17. Já que, infelizmente, essa bagaça vai ser vendida mesmo, bem que poderiam tirar do papel aquele plano de voltar a produzir os turbo-hélices e voltar ao mercado hoje dominado pela ATR. Seria um bom complemento à linha business que se pretende manter para sustentar financeiramente a EDS e ampliaria o portfólio e leque de possíveis clientes. Creio que a EDS não sobreviva apenas de KC, A-29 e Legacies. Portanto, suponho ser plausível que uma complementação ao que sobrar da estrutura e marca Embraer seria muito bem-vinda

LEAVE A REPLY

Please enter your comment!
Please enter your name here