Home Aviação de Ataque Voa o primeiro caça F-35A da Turquia

Voa o primeiro caça F-35A da Turquia

3206
25
O primeiro caça F-35A da Turquia
O primeiro caça F-35A da Turquia

Em 10 de maio de 2018, o primeiro caça F-35A destinado à Força Aérea Turca realizou seu primeiro voo nas instalações da Lockheed Martin em Fort Worth, Texas. Comandando pelo piloto de testes da Marinha dos EUA, comandante Tony Wilson, a aeronave (serial 18-0001) decolou às 14h47 e pousou às 16h. As fotos deste post foram feitas por Clinton White, do Highbrass Photography, durante a primeira surtida do F-35 turco (designação AT-1).

A Turquia deve receber oficialmente o primeiro dos 100 caças F-35A encomendados em 21 de junho, nos EUA.

Dois pilotos da Força Aérea Turca estão atualmente sendo treinados nos EUA; depois que o treinamento for concluído, e outra aeronave furtiva for entregue, os jatos F-35 deverão ser levados para a Turquia em setembro de 2019. Os pilotos treinados voarão com os dois F-35s dos EUA, acompanhados de um avião de reabastecimento, informou a Agência turca Anadolu.

Parece que a entrega do primeiro caça F-35 ocorrerá, apesar de vários congressistas americanos terem instado o governo dos EUA a suspender a compra desses caças para a Turquia por causa da decisão desta última de comprar o avançado sistema de defesa aérea russo S-400.

Há uma preocupação generalizada de que a aquisição turca possa dar a Moscou acesso a detalhes críticos sobre a maneira como seu sistema de mísseis superfície-ar se comportará contra o F-35. “Se eles derem esse passo em um momento em que estamos tentando consertar nossos laços bilaterais, eles definitivamente receberão uma resposta da Turquia. Não há mais a velha Turquia”, disse o ministro das Relações Exteriores, Mevlüt Çavuşoğlu, à emissora privada CNN Türk em uma entrevista em 6 de maio, segundo a mídia Hurriyet Daily.

FONTE: The Aviationist /FOTOS: Clinton White/Highbrass Photography

25 COMMENTS

  1. Esse vai com umas linhas de programação a mais no sistema operacional, se os Turcos quiserem ter um caça mesmo vão ter criar seu sistema operacional para o avião, lembrando que o sistema de operção desse avião era não sei se ainda é cheio de bug, então talvez os turcos não tenham como criar um, no mais eu considero essa venda um erro, o Erdogan se afasta do ocidente a cada ano. a Turquia parece que vai virar uma oligarquia aos moldes russos, com o Erdogan sendo o Putin da Turquia. vai ser igual os F14 do Irã.

  2. Vamos deixar de infantilidade. O projeto do F-35 já vai pra casa do trilhão. Se a Turquia for descoberta passando informação sensível à Russia, não tenham dúvidas que se transmutará automaticamente em inimigo legítimo, e bastará à CIA apenas criar o “fato político” que justifique um ataque.
    Erdogan é sabichão, mas sabe que existem limites, principalmente porque na questão militar quem decide não são os políticos. Ele terá esfaqueado pelas costas as Forças Armadas americanas, e acho que nem mesmo um pacifista como Obama na Presidência conseguiria conter o afã militar em dar pronta resposta a este ato traiçoeiro.
    Não acho que o turco será tão sem juízo assim. E se assim for, será exemplado para que nunca mais algum “aliado” ouse praticar essa pulada de cerca novamente.

    • Mas a traição já ocorreu.
      Endorgan não é um “aliado” confiável
      Não vê o tom ameaçador do Ministro?
      Que não existe mais a velha Turquia?
      Por acaso agora os EUA se tornarão refém de um sultão?

      • Nonato, muita água vai rolar naquela região. Os EUA inauguraram o maior consulado do mundo em Erbil, no Curdistão. Obviamente é um preparatório para que venha a ser a embaixada do novo Estado do Curdistão. O que acirrará ainda mais a já tumultuada relação com os turcos.
        Sobre os turcos, os EUA não consideram mais aliados confiáveis, com várias acusações da OTAN de ter repassado informações sensíveis sobre operações militares e de suprimentos na Síria, para russos e Assad.
        Erdogan, ditador que se está tornando, vê uma relação com Putin mais harmônica do que com o Ocidente.
        Discordo do colega que acha que uma guerra com a Turquia seria improvável por ser dispendiosa… trair um segredo industrial trilionário é mais do que argumento forte para ir para uma guerra. Esqueça os tempos de Obama, quem tá no comando é John Bolton. Claro que sempre há espaço para uma sabotagem, mudança de comando, ou composição com o próprio Erdogan. Só não acho que a dita facilitação de informações será tão factível. Até mesmo porque o que não falta é agente duplo e informantes da CIA pra confirmar essa traição.

  3. Se por acaso o Erdogan ousasse atacar os gregos ou os israelenses, bastaria o Trump apertar um botão e esses F-35 nem sairiam do chão, capaz até de se auto-destruírem de tanto chip “extra” que deve ter nesse avião.

  4. Discordo do colega.

    A retaliação seria econômica.

    Nenhum país quer entrar em guerra contra uma Potência Militar como a Turquia.

    Ainda que os EUA sejam muito mais poderosos, eu acredito que a resposta seria através de sanções, isolamento, bloqueios, etc.
    Ou seja, seria uma resposta econômica.

    Entrar em guerra com a Turquia significa vários e vários bilhões de dólares gastos e milhares e milhares de vidas perdidas.

  5. É claro que os tecnicos russos que trabalham nos S400 terão todo o pacote de informações sobre a capacidade de detectar os F-35, não tem como se evitar isso.
    Mas isso não deve ser tão preocupante, um dia aconteceria com muitos F-35 voando mundo afora.

  6. Realmente não concordo com a venda dos F-35 aos Turcos. É visível a sua aproximação contínua com os Russos. Seria melhor os EUA venderem logo para a Rússia esses vetores.

    Acho que o peso estratégico de manter a tecnologia dos F-35 a salvo vale mais do que alguns Bilhões dos Americanos. Esses não estão no desespero para vender os F-35.

  7. Pela foto divulgada, decolou também de dia, com céu azul, sem nuvens, sem vento, sem chuva, para não atrapalhar a performance do avião que fez um trilhão de dólares sumir com sua tecnologia stealth. rs

  8. Pagou, contribuiu, recebeu. Se não recebesse os demais associados do consórcio ficariam ressabiados.
    .
    Sem falar que aí que a Turquia iria pros braços dos russos.

    • Já está nos braços dos russos.
      Na cama com Putin…
      Os aliados não ficariam ressabiados.
      A Turquia não é mais aliada.
      Seria um alívio.
      Quem dorme combo inimigo corre o risco de acordar morto…

  9. É muito curioso (para ser eufemistico) os Estados Unidos fornecerem uma centena do mais caro e por isso, ou vice versa, mais avançado – ao menos teoricamente – sistema de armas do seu arsenal militar a um “parceiro” que, no dia de hoje (14/05/2018), o responsabilizou pelo ‘massacre israelense de palestinos’.

    É uma situação inusitada Israel e Turquia compartilharem uma arma fornecida por um aliado comum, e que servirá para destruição mútua, em eventuais mas nada hipotéticas ações militares pleonasticamente recíprocas.

    Nesse episódio os Estados Unidos têm, como sempre, uma relação carnal com o sionismo e, desde sempre, uma relação comercial com o pragmatismo.

    Como bem disse há alguns anos um ex-Comandante Geral do Ar da FAB, tão polêmico quanto verborrágico: o que rege as relações internacionais são a fluidez dos interesses e as baixezas humanas . . .

  10. Concordo plenamente. Melhor prevenir do que remediar.
    Ainda está em tempo.
    A Turquia já deu mostras de que é uma ditadura e não confiável.
    Por falar nisso, parece ser o maior comprador estrangeiro com uns 120 aviões.
    Já imaginaram o estrago que podem fazer?

    • Entendi a analogia, Marcos 10, não obstante, à época da venda do Tomcat ao Irã, o Xá Mohammad Reza Pahlavi ser um aliado umbilical dos Estados Unidos e manter boas relações, ou quase . . ., com Israel. O apoio técnico americano foi imediatamente cancelado após a queda do Xá, mas não a tempo de embargar as aeronaves, ao contrário dos “Kidd” (uma versão iranizada dos míticos DDG Spruance), cuja entrega à Marinha Iraniana foi cancelada após a Revolução de 79, passando os “Kidd” ao inventário da USN.

      A venda dos F-35 à Turquia de 2018, ao meu juízo, é mais ilógica – diplomaticamente – que os F-14 ao Irã pré-1979, ou como abordei em um comentário paralelo ainda retido . . .

      • E a propósito, os “Kidd” embargados ao Irã estão atualmente na Marinha Taiwanesa, o que diplomaticamente faz todo o sentido . . .

  11. Os Estados Unidos mais uma vez foram enganados. Já não chega às trapaças de seus falsos aliados, como os sul vietnamitas, sauditas, afegãos e agora os turcos. Parecem que não aprendem nunca. A tecnologia do F-35 está sendo entregue de bandeja. Israel que se prepare, pois logo logo Irã, Síria e demais terroristas terão todas as contramedidas necessárias para deixar Israel em apuros. Shalom.

LEAVE A REPLY

Please enter your comment!
Please enter your name here