Home Ataque aéreo Israel descreve ataques aéreos na Síria

Israel descreve ataques aéreos na Síria

4739
125
AEL Sistemas
Estas são imagens aéreas de bases iranianas na Síria que a IDF alvejou no ataque noturno em resposta a foguetes que as forças iranianas dispararam contra o território israelense. (Foto IDF)

O Irã está tentando transformar a Síria em um posto militar, utilizando seu sistema militar em território sírio para atacar Israel e desestabilizar a área, enquanto reivindica continuamente suas intenções de destruir Israel. De acordo com a inteligência militar, as forças iranianas na Síria estão planejando lançar foguetes superfície-superfície de curto alcance em direção a postos avançados das IDF (Israel Defense Forces) perto da fronteira.

Jatos de combate da IAF (Israeli Air Force) atacaram as baterias dos mísseis e impediram a resposta iraniana planejada. As IDF continuarão agindo livremente para defender Israel e sua soberania. Nós não vamos permitir qualquer estabelecimento militar iraniano na Síria

Nos últimos meses, o Irã tem transferido munições para a Síria como parte de uma força contra Israel. O Irã opera uma rede mundial de terror que transporta munições sistematicamente pelo Oriente Médio. O establishment militar iraniano na Síria é uma ameaça a Israel, desestabilizando toda a região. As constantes tentativas do Irã de expandir sua influência aterrorizante no Oriente Médio, e especificamente na Síria, fazem parte da extrema ideologia islâmica da “exportação da revolução”. Israel tem que trabalhar contra a ameaça, entendendo o perigo estratégico para sua segurança.

Em 10 de fevereiro de 2018, um UAV iraniano (Unmanned Aerial Vehicle) decolou da base aérea T-4 iraniana na Síria. A aeronave foi detectada pelos sistemas de defesa aérea de Israel em um estágio inicial e foi rastreada até a sua interceptação por um helicóptero de ataque da IAF.

Os iranianos começaram a acumular seus mísseis e lançadores em território sírio. Algumas de suas munições eram sírias, utilizadas pelos iranianos para a guerra na Síria, e algumas eram mísseis superfície-superfície do Irã. Graças à preparação da inteligência militar e ao efetivo poder de fogo, as IDF conseguiram impedir a chegada de uma arma avançada do Irã à Síria. O objetivo da resposta planejada dos iranianos era atacar postos avançados militares, causando danos a civis israelenses.

Alvos iranianos atacados pelas IDF na Síria
Alvos iranianos atacados pelas IDF na Síria

De acordo com dados fornecidos pela inteligência militar nas últimas semanas, a força iraniana na Síria planejou um lançamento de mísseis superfície-superfície de curto alcance em direção a postos avançados das IDF perto da fronteira. Após uma avaliação da situação realizada pela IAF, as baterias de defesa aérea foram desdobradas no norte para uma segurança ideal para os civis de Israel. A Divisão de Defesa Aérea está constantemente desenvolvendo suas capacidades, preparando-se para vários cenários. A divisão está preparada para distribuir suas baterias em curtos espaços de tempo, a fim de fornecer proteção ideal e permitir danos mínimos aos civis de Israel.

Mais tarde, soube-se que os iranianos se preparavam para uma resposta imediata naquela mesma noite. A resposta iraniana foi planejada e executada pelo Comandante do Corpo da Guarda Revolucionária Islâmica na Força Quds da Síria, General Haj Qasem Soleimani, que operou de acordo com as instruções do regime iraniano.

Posteriormente, chegaram informações sobre planos iranianos para uma resposta imediata naquela mesma noite. A resposta iraniana foi planejada e executada pelo comandante da Força Quds, general Qasme Suleimani, conforme instruído pelo Irã.

Mais tarde, as IDF identificaram com sucesso o movimento irregular de mísseis de curto alcance superfície-superfície operados pelo Irã, em uma tentativa de lançar mísseis em direção ao território israelense. Estes mísseis sírios são operados pela Força Quds sob o comando iraniano como parte da atividade interna na Síria. As IDF atacaram e destruíram as baterias de mísseis e impediram a resposta iraniana organizada.

O Irã está tentando fazer da Síria seu posto de comando. Eles estão usando seu sistema militar no território sírio para atacar Israel e desestabilizar o teatro, enquanto enfatizam sua intenção de destruir Israel.

O Irã está desenvolvendo linhas frontais de fogo destinadas a expandir suas terras fronteiriças com Israel, ameaçando, assim, sua segurança. O alvo de Israel na Síria é o Irã e a Força Quds, embora as IDF considerem o regime sírio como uma soberania responsável pela agressão vinda de seu território também. Se os sírios continuarem permitindo que Suleimani use suas terras para atacar Israel, eles pagarão o preço.

As unidades de inteligência militar das IDF rastreiam toda a atividade na fronteira. Não pretendemos causar um declínio na estabilidade do teatro, apesar de sermos responsáveis ​​pela segurança de Israel. Nós não vamos permitir nenhum estabelecimento militar iraniano na Síria.

FONTE: Israeli Air Force

125 COMMENTS

  1. Um dia antes, Israel avisou os moradores da região para seguirem para os abrigos anti mísseis, enquanto as forças especiais da coalizão liderada pelos EUA, disseram não haver nenhum risco eminente de ataque, e que estavam em prontidão pois em um possível ataque, eles também poderiam ser o alvo, isso prova a excelência e profissionalismo dos serviços de inteligência israelenses.

  2. O texto, assim como as fotos expostas na apresentação feita pelas IDFs e acima de tudo a magnitude do ataque realizado deixam claro que Israel está monitorando com muita atenção todos os movimentos das forças iranianas na Síria e o fato de ter conseguido expor toda a cadeia de comando por trás dos ataques da força Quds ao Golan que culminou na contundente e esmagadora resposta israelense afigura-se como uma poderosa vitória da inteligência israelense.

    Outrossim, as fotos têm o condão de provar que os iranianos mentem quanto à sua presença na Síria, que é menos para combater os inimigos de Assad e mais para ameaçar e atacar Israel.

  3. O Estado de Israel é muito paciente com seus vizinhos, e extreeeeemamente paciente com a República Islâmica do Irã. Realmente Israel deve gostar de passar perrengue, porque não precisa, em absoluto: é só meter uma bomba termonuclear bem metida na fuça dos sírios, e mandar avisar que a próxima cairá em Teerã e voilá: guerra encerrada, paz em Israel…
    .
    Mas democracias são assim, tem que tolerar pulhas e canalhas dentro e fora…
    .
    A guerra está declarada, e também está aqui dentro. Que cada lado assuma seus postos.
    .
    Canalhas não passarão.

    • Esqueça isso. Israel não é páreo para o Irã. Naquela região, apenas a Turquia seria. Israel está aproveitando o momento para tirar uma ‘casquinha’ na situação, pois sabe que os EUA estão por perto. Não é crível que um país com 8 milhões de habitantes (dos quais apenas 6 milhões de judeus) possa se dar a arroubos militares. Melhor Israel começar a colocar a barba de moiho.

      • Como de costume os inimigos de Israel não apenas mostram em seus risíveis arrazoados o seu completo desconhecimento de história e geopolítica como também, ainda que de forma velada, destilam seus preconceitos contra o povo judeu e seu Estado.

        No mais a verdade é que o regime fascista iraniano sofreu um duro golpe quer na arena militar, quer na arena da informação visto que suas alegações mentirosas estão sendo todas desmontadas por Israel.

      • Antonio, então… você acha mesmo que o Israel vai INVADIR o Irã algum dia? Porque é o que você sugere. Ou você imagina que algum dia o Irã vai INVADIR Israel com, digamos metade da sua população em armas. Só o movimento de uma fração desse número de pessoas, que podemos chamar cautelosamente de ‘tropas’ seria visto com antecedência de semanas. Ou seja, é um ABSURDO fazer esse tipo de comparação. É como um super trunfo populacional. Sério, chega nesse nível.

        Mas em relação à ataques de cunho estratégico, aí sim pode-se debater numa boa. No caso de um ataque Israelense à instalações dentro do território iraniano, tenho certeza que não será um passeio. Mas a IDF/AF também sabe disso. Então apenas o tempo dirá, não é mesmo? Não se sabe o nível atual de prontidão da IRIAF, a condição de seus meios, nível de seu treinamento, etc. Sei que durante a Guerra Irã x Iraque, eles estavam muito bem, mas havia ainda a influência do treinamento e doutrinas americanos, que foram inclusive reiniciados à muito custo (tiveram que libertar vários pilotos e técnicos presos), bem como a capacidade de adaptação e improviso iraniano.

        Mas não se sabe mais nada sobre eles desde então. Mas garanto que Israel sabe.

        Então ficamos assim. O Irã simplesmente não tem como fazer nada contra Israel ainda. E toda a sua população são completamente inúteis nesse sentido. Já Israel consegue atacar o Irã, e provavelmente está sempre procurando aumento de capacidade para tornar esse ataque cada vez mais letal e consegue conter o que quer que o Irã tenha pronto em seu arsenal no momento. O Irã só consegue lançar foguetes à partir de grupos terroristas ou através de seus ativos na Síria com resultado prático que chega à zero, ou até negativo se considerarmos que dão motivo para retaliações israelenses… então… é… acho que você está analisando de forma errada aqui.

        Seguindo pela sua lógica, a Inglaterra jamais teria dominado a Índia, África e diversas outras possessões…

        • Leandro. Não se trata de invasão, mas justamente o que estão fazendo. Começar uma pressão nas fronteiras de Israel. O que estou querendo dizer é que Israel, por ser minúsculo, não tem potencial para aguentar muita coisa. Em termos econômicos, populacionais e de recursos em geral. Vai se embaralhar como aconteceu na última guerra do Líbano e seria um desastre em muito maior escala com envolvimento iraniano.
          Israel não tem potencial para uma guerra de ocupação. Lembre-se. Seis milhões de pessoas é uma quantidade menor que a cidade do Rio de Janeiro e metade da Cidade de São Paulo.

          • Israel ocupou o Sinai por 15 anos e saiu de lá apenas após negociar um acordo de paz bem vantajoso com o Egito.

            E não se esqueça, os iranianos não apenas tiveram suas infraestruturas na Síria destruídas como ainda sairam desmoralizados ao terem suas mentiras todas expostas ao mundo.

          • Em tempo: Sofismas do tipo “Seguindo pela sua lógica, a Inglaterra jamais teria dominado a Índia, África e diversas outras possessões…” não ajudam em nada. Naquela época, a Inglaterra era uma país industrializado que combatia tribos que estavam, algumas, na Idade do Ferro usando arco e flechas. Já o Irã é bem diferente. Alguns acham até que já ele tem bombas atômicas.

          • As bombas atômicas do Oriente Médio estão nas mãos de Netanyahu e podem transformar Teerã em um aterro radioativo. Os Aiatolás serão burros a esse ponto?

            Outrossim, tecnologicamente Israel é bem mais avançado que a ditadura teocrática, não se esqueça disso…

          • E é por isso que Israel tem Forças de Auto-Defesa. Eles não fazem invasões nem guerra de ocupação à locais distantes de suas fronteiras. A última vez que fizeram algo mais distante foi na Guerra dos Seis dias, com o único objetivo de destruir boa parte do Exército Egípcio, e foram bem sucedidos. Israel está acostumado à lutar em desvantagem numérica e sabem que não podem estender suas linhas.

            A comparação que faz em relação ao Irã é completamente descabida. Ninguém realmente pensa em invadir o Irã porque por mais que se tenha supremacia aérea, os eventos em terra seriam simplesmente impossíveis de se lidar. Todas as operações terrestres de Israel foram próximas às suas fronteiras e totalmente pontuais.

          • Finalmente, concordo com vc. Só acrescento que, mesmo assim, Israel teria problemas de recursos em uma guerra longa de atritos em suas fronteiras. E acho que é nisso que seus inimigos de momento estão apostando. Afinal, qualquer mobilização, por menor que seja, exige gastos consideráveis.

          • Acho que não, Antonio. A diplomacia israelense tem estado mais atuante e eles tem apoio em boa parte do Mundo. É ver o que acontece mesmo.

        • E não podemos esquecer que Israel tem um aliado não-oficial: a Arábia Saudita, que também não tem relações com o Irã. Israel e a Arábia Saudita não tem relações oficiais, mas nos bastidores, o Irã é uma preocupação em comum.

          E falando da guerra moderna, números não vencem, mas inteligência, saber onde está o inimigo, e Israel tem muita vantagem nisso.

      • 70 anos de evidências de que Israel da conta de todo o oriente médio foi pouco para retirar a ideologia que cobre seus olhos para os fatos. Os árabes já entenderam que a melhor coisa é vse alinhar com o ocidente: Israel é quem mais recebe grana dos EUA, o Egito o segundo. Faltam os persas e os cegos brasileiros. Talvez mais 70 anos de cacete façam os persas mudarem de idéia (lembro o cacete que o f14 persa deu no mig25 árabe, ainda bem que os instrutores americanos são muito melhores que os instrutores russos/soviéticos), já os cegos brasileiros permaneceram cegados por suas ideologias.

      • Antônio,acho que vc deve ser um __________________________,pois não sei porque tanto ódio a algo que vc não conhece,e insistência reiterada em defender o indefensável,pelo visto nem a historia de Israel e seus enfrentamentos ante um adversário muito mais número e disposto a lança-lo ao mar vc conhece!
        Israel é do tamanho do menor estado brasileiro,Sergipe.E um pedacinho de terra que ocupa atualmente,bem menos do que ocupava o Israel de então.

        COMENTÁRIO EDITADO. DISCUTA OS ASSUNTOS SEM ATACAR AS PESSOAS. NÃO É DIFÍCIL LER E SEGUIR AS REGRAS DO BLOG PARA DEBATER CIVILIZADAMENTE:

        https://www.aereo.jor.br/home/regras-de-conduta-para-comentarios/

    • Mas antes Israel tem que passar no congresso americano e na casa branca para pedir algumas doletas para financiar o ataque.

          • Antissemita dá cada desculpa esfarrapada. rsrsss
            Fizeram uma pesquisa recentemente porque os judeus eram tão odiados. As respostas foram : porque eles são banqueiros e porque eles mataram Jesus. rsrssrsrss
            Santa ignorância, Batman!!!
            Seria cômico se não fosse trágico.
            A esquerda consegue fazer a mente de um ser humano virar um monte de pasta verde gosmenta. rsrss
            E o pior que a ultra direita também odeia os judeus. Nisso, esquerda e direita concordam. Ambos veem neles seres cheios de privilégios. São o contrário dos “oprimidos” do Marxismo. É a famosa “zelite”, que deve ser odiada porque explora os “oprimidos”.
            Nosso amigo Defensor da Liberdade” é antissemita porque Israel ganha dinheiro dos EUA e ele nem é cidadão americano. rsrsss
            Duas coisas que incomodam alguns comentaristas da Trilogia que parece que têm procuração dos americanos: o custo do programa F-35 e o fato de Israel ganhar dinheiro dos EUA. rsrsss
            Por isso eu só largo a Trilogia depois que tiver amarrado numa camisa de força. Isso aqui é muito divertido.

        • Acho que o pagamento já é automático, chega o final do mês já cai na conta, igual o bolsa família, neste caso bolsa-país. E eu que achava que só o contribuinte brasileiro era trouxa, mas parece que os yankees não ficam muito atrás não.

        • Se o Brasil falido pôde financiar a Venezuela qual o problema dos EUA financiar Israel?
          O Tadeu Mendes que mora nos States e paga impostos lá não liga pra isso e você que não é contribuinte americano é que vai ligar?
          Todo antissemita fica procurando cabelo em ovo e vira e mexe lembram desse tal dinheiro que os EUA manda para Israel ou que a Alemanha doou submarinos para Israel como se isso de alguma forma denegrisse Israel.
          Se os EUA financia ou sustenta Israel é porque há ligações entre essas duas nações que façam com que essa relação financeira exista e persista, e quem somos nós para criticar tal relação?
          Sei que tenho um intelecto rudimentar mas tem uns tipos de argumentos que realmente eu não entendo. Por aí acho que você não convence ninguém a odiar Israel ou os judeus.

          • E quem lhe disse que eu sou a favor do Brasil financiar a Venezuela? Meu caro, eu sou um minarquista, ter aversão ao parasitismo estatal é parte da nossa teoria política, venha de onde vier.

    • Desculpe a ignorância, mas jogar uma bomba termonuclear na Síria não iria afetar um ou outro civil não? Não tem nenhuma outra maneira de derrubar o regime?

  4. Nada…o irã saber que nao tem condição de combater contra as forças de israel, essa se quiser em 48 hs destroi toda infraestrutura militar da Siria e do irã…atualmente em materia de sistema de inteligência e informação a forças de israel sao as mais bem preparada do mundo…imagina qdo eles comecarem a utiliza o f35

  5. Interessante como Israel monitora tudo com muita precisão. Fica em alerta em tempo integral.
    Por curiosidade, sei que não temos o mesmo teatro regional de Israel, mas o Brasil consegue acompanhar bem as suas fronteiras ao ponto de antecipar uma agressão? Sei que isso já foi debatido, que as nossas fronteiras são imensas e tal. Mas caso um ponto desses mais de 8 mil quilômetros fronteiriços do nosso país esquente, qual a real capacidade de inteligência das nossas forças?

    • Mauro, o EB está tentando implantar o SISFRON há anos, que é um sistema inteligente e de alta tecnologia para o monitoramento da nossa fronteira seca, mas o orçamento sempre é contingenciado. Daí fica muito difícil. O projeto piloto foi implantado na Brigada de Dourados, MS (esqueci o número), Brigada Guaicurus, se não me engano. Mas o nosso principal problema, hoje, são os crimes trasnacionais (tráfico de drogas, de armas, descaminho). Lá no Forte tem várias matérias sobre o SISFRON.
      A FAB está tentando adquirir um satélite de reconhecimento de órbita baixa, para a produção de imagens.

  6. Ah lógico, Israel solta uma termonuke na Síria, quem vai lidar com as consequências, milhares de feridos, refugiados, etc. ? Israel ?
    Não. Vai ser o Ocidente cristão. Desde 1973.
    Porrisso que a Europa ficou em cima do muro.
    Todo mundo que gosta daquele pedaço do mundo chamado Oriente Médio que se ajeite.

  7. Se Israel quisesse…quisesse o que? Por que não o faz? Vai, lá atacar o Irã, matar o Aiatolá, ja que o Irã é uma Coréia do norte com “grife” e é “tão facil” como “roubar doce de uma criancinha.” Não sou a favor do Irã, mas ficar “endeusando” Israel sobre qualquer nação beira o ridículo. Duvido que se a Coreia Do Norte ameacasse também Israel nuclearmente, se o mesmo teria essa coragem toda e ataca-la como faz na Síria? Atacar posicoes iranianas na Síria e facil, agora fazer o mesmo dentro do próprio Irã, ai o buraco já e mais embaixo.

    • Olha, as usinas e centrifugas nucleares iranianas só não foram para o saco até agora porque a distância entre Israel e o Irã é muito grande, o que, no mínimo, torna qualquer ataque Israelense de logística bastante complicada. É só esse o motivo.

      • O único problema é que o Irã tem uma quantidade bastante grande de mísseis balísticos (e que a cada dia aumenta mais) que tornam as cidades israelenses alvos factíveis.

  8. Atacar posições iranianas na Síria é facil, agora fazer o mesmo dentro do Irã … será que Israel tentará bombardear os reatores iranianos como fez com os da Síria? Será que as defesas iranianas são tão fracas assim a ponto de permitir que avioes adentrem e saiam sem sofrer dano algum?

    • Acho que a única coisa que impede Israel de fazer isso é a distância, já que implica em sobrevoo de território de outro pais e vários reabastecimentos aéreos, o que torna tudo isso uma logística bastante complicada.

      Não é questão de o Irã ter defesas fracas, é questão de planejamento de como contorná-las ou neutralizá-las, para isso a IAF tem capacidade de sobra, tanto de pessoal bem treinado e qualificado como de material.

      • Eduardo

        Mas o Irã tem uma força aérea que é o suficiente para interceptar e abater os aviões israelenses caso eles entrem em seus espaço aéreo (ou proximidades), não seria tão simples assim, dariam trabalho, pois não basta entrar e atacar, você tem que sair de lá vivo também.

        • O Iran tem F-14, MIG-29, Mirage F1 e F5-E. Somando tudo isso não da 80 aeronaves operacionais, e você afirma que elas seriam suficientes para contrapor 83 F-15 (A/B/C/D) e 225 F-16 (C/D/I, C e D estão no padrão Barak 2020)?
          Lembre-se que essas aeronaves ocidentais não sofreram upgrades, talvez a única aeronave que esteja com upgrade sejam os MIG-29.
          A força aérea do Irã é inferior a Israelense, em equipamentos e material humano.
          O que os Iranianos tem de bom são as defesas antiaéreas, no caso o S-300. O que realmente dificulta a vida Israelense é a distância e o fato dos Israelenses possuírem poucos reabastecedores, e a necessidade de opera-los em espaço aéreo de outros países, como Iraque, Jordânia e até mesmo a Arábia Saudita.

          • Bosco, com certeza Israel será um operador. Quando o F-35 estiver operacional e Israel comprar um reabastecedor furtivo, os aiatolás vão dormir em bunkers e usar fraudas geriátricas o dia todo kkkkkk

  9. Como eu já havia mencionado antes, os iranianos estão cavando sua própria sepultura.

    Fizeram um ataque raquítico com foguetes de pouco ou nenhum efeito tático, e como resposta tomaram uma surra debilitadora para suas aspirações de entrincheira-se dentro da Siria. Rsrsrrsrsrs.

    Nesse momento, êles devem estar deitadinhos no cantinho, lambendo as feridadas causadas pela cacetada pesada que receberam da IAF.

    O recado foi dado, e por enquanto Israel ainda não deu o golpe de misericórdia. Tá faltando pouco tempo para o grande conflito.

    • Vc está brincando, né? Um País com 8 milhões de habitantes (dos quais apenas seis milhões de judeus) querendo enfrentar outro com mais de 80 milhões. A sorte de Israel é que o Irã não tem fronteiras com ele, caso contrário…….

        • Amigo TJ, estudar não é o forte dessa turma! Aliás, se estudassem não ficavam aqui repetindo ad nauseam essas bobagens

        • Israel como ameaça ao Irã, seria equivalente à Letônia ser ameaça à Rússia ou a Suíça ameaça à Alemanha. Ou quem sabe Taiwan à China.

          • Aos odiadores de Israel, após as contundentes derrotas sofrida pela ditadura teocrática iraniana, resta apenas o rancor e as comparações descabidas. Continuem assim, é um alívio cômico.

          • Esqueça. As vitórias de Júlio César não tornam a Itália atual uma potência militar. Estamos em 2018.

          • Antonio,
            em 2018: qual é o pais com armas atômicas que teve sua existência ameaçada por países que não têm armas atômicas?

          • Jacinto. Israel nunca poderá usar suas armas nucleares, porque, se usar, no minuto seguinte também será pulverizado do mapa.
            Imaginar uma guerra nuclear ‘localizada’ é, no mínimo, temerário.

          • Depois de um ataque nuclear desferido por Israel não sobrarão mísseis e tampouco quem aperte o botão na teocracia fascista iraniana….

          • Pulverizada por quem Antônio? Nenhum país com arma nucleares vai socorrer os iranianos, e armas convencionais jamais destruíram um país.

      • O país de 8 milhões de habitantes tem as bombas nucleares e a superioridade não apenas tecnológica como também no treinamento das suas forças armadas. E conforme observamos nos últimos acontecimentos está melhor preparado que a teocracia fascista de 80 milhões de habitantes.

        E não custa lembrar que o país de 8 milhões de habitantes já enfrentou inimigos cujas populações somadas, perfaziam 100 milhões de habitantes.

        No mais é o de sempre ou seja, a cantilena dos inimigos de Israel, com aquele cheirinho de enxofre de antissemitismo, nunca encontra respaldo nos fatos e na história.

      • A sorte e’ do Iran, que Israel nao faz fronteira.

        Os iranianos tomaram uma surra de um exercito muito menos preparado e pouco sofisticado nos anos 80 (Iraque), e voce ainda acha esses caras (iranianos) tem condicoes de enfrentar o exercito mais bem treinado do Oriente Medio?

        O proximo regime a desaparecer, sera’ o sistema teocratico sociopatologico do Iran.

        • Tadeu,
          Tem muita gente aqui no Brasil que fica extremamente incomodado com o dinheiro que os EUA manda pra Israel anualmente. Vamos ouvir de você que é cidadão americano, mora nos EUA e paga impostos aí! Você acorda todo dia puto da cara com isso? Te incomoda muito? Você acha que esse dinheiro tá fazendo falta? Que os EUA tinham que torrar com outra coisa?
          Explica aí pra gente!!!!

          • Bosco,

            De jeito nenhum. Eu prefiro ver meu dinheiro ir parar nas mãos de Israel (nosso único e verdadeiro aliado no OM), do que ver meus impostos irem financiar a Autoridade Palestina = Hamas, e o terrorismo internacional.

            Os Estados Unidos mandou bilhões de dólares para o Paquistão, aonde Bin Laden vivia protegido pelo governo.

            O Obama abriu as portas do país, para importar toneladas de mulsumanos, milhões dêles vivendo as custas dos nossos impostos.

            É com isso que eu acordo puto. É eu não sou o único que se sente assim.

            A vitória do Trump é prova disso, prova do nosso recentimento contra o dinheiro mal gastado com os nossos próprio inimigos.

            O povo judeu ajudou a construir este país, e também foram êles os que deram o poder nuclear aos Estados Unidos. Por mim poderiam triplicar a ajuda a Israel.

      • Seguindo a linha do colega TJLopes, sugiro que você estude a Guerra de Independência (1948), a dos Seis Dias (1967) e a do Yom Kippur (1973).
        Suas críticas, na maioria das vezes, carecem de conexão com a realidade factual e histórica.
        Sds.

        • Creio que vc é que não está conectado com a realidade atual. Querer comparar a situação de 1948 com a de 2018 é só para quem quer se enganar. O mundo mudou muito. E pior. Está mudando mais e cada vez mais rápido.
          Bibi está muito nervoso, mas o que está acontecendo não depende muito dele.

          • A realidade é que os iranianos foram derrotados e os russos não estão nem aí com isso. Aliás, periga terem achado muito bom.

            O mundo gira mas a indigência dos odiadores de Israel não muda…

      • Toninho e seus delírios…, Israel já deu cacete em todos os vizinhos covardes, porém você continua com essa bobagem de 80 milhões de Iranianos X 8.8 milhões de Israelenses. Quando desses pegariam em armas? Quantos desses receberam treinamento militar? Há equipamento (tanques, aviões, fuzil, peças de artilharia) para os 80 milhões de habitantes?
        Não há, portanto desses 80 milhões, apenas 900 mil são combatentes (incluindo reservistas com treinamento militar).
        Agora vamos a Israel: 8.8 milhões de habitantes, possuem 621 mil combatentes, incluindo os reservistas (com treinamento militar).
        A superioridade numérica do Irã é em soldados, não em MBT ou aviões de combate. Lembre-se do pau que os Árabes tomaram em 1968 e 1973, quando tinham superioridade numérica em soldados, tanques e aviões, isso não impediu os árabes de terem sido humilhados.
        Lembrando que dessa vez o Irã não terá apoio do Egito e da Arábia Saudita e principalmente não terá apoio Russo. Ficará até mais fácil para a IDF acabar com todas as forças armadas iranianas.
        Agora pare com esse discurso desconexo da realidade, seu antissemitismo escancarado não irá levar ninguém a odiar Israel, a não ser você você mesmo. Esse tipo de comportamento só polui o blog e foge completamento do objetivo do mesmo, que é difundir o tema defesa.

    • O ataque iraniano, pelo jeito, só teve o objetivo de provocar uma reação de Israel, para assim começar mais um ato do “teatro do oprimido”, algo necessário depois da retirada dos EUA do acordo nuclear com o Irã.

  10. O primeiro ministro israelense esteve em Moscou ontem, se não me engano, para pedir autorização a Putin para atacar os iranianos impunemente.

    • Putin se aproximando dos israelenses só vai conseguir perder o apoio e respeito na Rússia, deveria evitar o constrangimento de ficar lado a lado com o líder israelense como nos festejos esta semana.

      • Walfrido, como o amigo Vader anteriormente afirmou o déspota corrupto do Kremlin pode ser quase tudo de ruim, mas burro ele não é….

      • Acredito que Putin considera ainda não ser o momento ideal para lidar com o ‘problema’ israelense. Mas, esteja certo que o momento está chegando. Não por acaso, Israel e EUA estão muito nervosos.

        • Então o Putin vai cumprir a promessa de Ahamdinejad de “varrer Israel do mapa” já que os iranianos se mostraram incapazes?

        • Em tempo: Devemos considerar que israel deve sua sobrevivência única e exclusivamente ao apoio dos americanos. Sem o guarda-chuva dos EUA, Israel talvez nem existisse. O resto é blábláblá. Agora, a conta está chegando.
          A situação econômica dos EUA é extremamente grave (dívida de mais de US$ 20 trilhões, deficit orçamentário anual de mais US$ 1 trilhão, balança comercial deficitária em centenas de bilhões de dólares, em janeiro de 2018 foi de US$ 56,6 bilhões), sem contar o enfraquecimento do dólar frente a todas as moedas importantes do mundo. Como disse, até onde vão bancar as peraltices do filho pequeno do Oriente Médio é que vamos descobrir. E acho que será logo.

          • Em 2018 Israel aplicou sonoro derrota ao regime iraniano. O mundo gira mas Israel continua com a sua supremacia no O.M….

          • Pelo visto temos um aprendiz de Goebbels repetindo mentiras, dado o seu inconformismo com a acachapante derrota iraniana…

          • E utilizando do dinheiro alheio para ter suas vitórias. É engraçado, os neocons como o senhor HMS Tireless são contra o parasitismo estatal, desde que o destino do dinheiro seja Israel. Nisso eles concordam. Esses olavetes….

          • O pessoal fica “P” da vida com os EUA financiar Israel. rsrss
            Mas o Brasil falido e surrupiado financiar a Venezuela e Cuba não tem problema não, né??

          • Meu caro “defensor”, Ayn Rand estava certa: libertários não passam de “hippies de direita”…

            Ps: Aiatolavo de Carvalho é tão neocon quanto Zico é vascaíno…

          • A ajuda americana a Israel é de 3,8 bilhões de dólares. O PIB de Israel é de 330 bilhões de dólares. A verba gasta em defesa por Israel é de 18 bilhões de dólares.
            Ou seja, sua percepção de que Israel deve sua existência única e exclusivamente à ajuda americana é equivocada. Ou por desinformação ou por deliberação.

      • O Putin já afirmou diversas vezes que o relacionamento entre a Rússia e Israel é especial em virtude de Israel ser o único país fora da URSS que pode ser considerado parte da “cultura russa”. Essa concepção, naturalmente, decorre do fato de que uma parte significativa dos israelenses são de origem russa.

    • Alexandre,

      Há vários comentários técnicos na matéria com o vídeo do ataque ao Pantsir, apenas tem que ter bastante paciência de garimpá-los entre os 170 comentários até agora. E mais um comentário de discussão puramente técnica acabou de ser feito há cinco minutos, pelo que vi.

    • FlaxFlu ( EuaxRússia), botaxvasco (Israelxorente médio) não necessariamente na ordem! GrêmioxInter (ocidenexoriente) E pelo Brasil, cadê a torcida? do América do Rio (AFC)?

  11. Mesmo com um contingente de menos de 900 mil soldados efetivos, Israel é capaz; devido as suas aeronaves, tanques, helicópteros e drones dar uma surra bem dada em mais da metade do oriente médio todo junto. A inteligência e o planejamento é somente comparado ao norte americano. Vizinhos terroristas que se cuidem a paciência do tio Jacó acabou. Síria é a bola da vez, depois vem Líbano, Iraque e por fim Irã. Shalom !

    • Invadir o Irã para quê? Qual seria o interesse e a necessidade de Israel fazer isso? O principal, acabar com as infraestruturas de iranianos e seus acólitos na Síria e expor as mentiras do regime de Teerã ao mundo, já foi feito….

    • PauloR,
      Tres semanas de combate, e o Hezbollah foi correndo para a ONU pedir um cessar fogo.
      Porque será? Disso você não lembra, ou se faz de bôbo.

  12. No final de semana teve eleição no Libano e os aliados do Hezbollah saíram vitoriosos, conquistando mais da metade das cadeiras do parlamento, e isso, fortaleceu o grupo. Então, se houver uma guerra contra o Irã, o Líbano pode ser envolvido no conflito e complicaria ainda mais a situação.

    • Acredite, os erros cometidos por Israel em 2006 não se repetirão….

      Se o Hezbollah atacar Israel terá uma resposta dura, no estilo da sofrida por seus patrões iranianos, que ficaram bastante desmoralizados com as ações dessa semana…

    • E ao que parece, o Líbano está solicitando a instalação de bases russas em seu território. Com a vitória do Hezbollah, talvez a situação se resolva mais rapidamente.

  13. Israel esta usando toda a pressão na hora certa , atacando a base do Irã na Síria, enfraquece três inimigos , Irã ,Siria e Hezbollar. Se não enfraquecer o exercito iraniano terá dois dos seus diversos problemas reforçados, Irã na fronteira e Hezbollah se transformando em um exercito convencional. Hezbollah se fortalecendo na politica no Líbano, com grande apoio popular nas eleições desta semana… um risco para Israel .. Hezbollah e Hamas já se uniram em outras oportunidade contra Israel… Israel definitivamente não deixara o Irã de pé na Síria. E questão de sobrevivência… só eles sabem o que viver cercado de inimigos querendo destrui-los… então meu amigo não espere a guerra , faça a guerra …antecipe sua defesa

  14. Israel avisou, o Bibi deixou claro em Moscow não iremos ser restringidos, se o Irã arriscar a guerra o Libano e a Siria vão sofrer uma Shock & Awe com participação de tropas americanas, ate em solo.

  15. Pra mim estes ataques mostram bem a diferença entre um país com objetivos e outro sem.
    Israel com uma quantidade menor de ataques conseguiu eliminar muito mais alvos que os 105 mísseis crises lançados em 3…
    Foi uma bela demonstração de perícia por parte da força aérea israelense, além de um show de inteligência. A falta de reação do irã é uma prova clara de que este foi um golpe extremamente severo…

    • Bardini, muito interessente. Em outro twitter desse perfil mostra a foto de um radar sírio destruído: h t t p s: / / twitter . com / WaelAlRussi / status / 994960888649211905 (remova os espaços em brancos).
      Two radars were destroyed
      • 5N62 aka. Square Pair S-200’s illumination radar
      • P-35 radar
      Ao que parece foi durante a retaliação Israelense.

  16. Como se diz aqui no Ceará, ISRAEL SE GARANTE! Embora sejam um povo de pequenas proporções, são muito bem organizados e treinados, além é claro de possuírem uma boa tecnologia em seus armamentos.

    Pena que o Mundo de modo geral não reconhece e não estam nem aí pra ISRAEL.

    Deus os abençoe!

    • Pois é, tadinhos dos israelenses, são mal reconhecidos mundo afora, vamos fazer igual aos americanos, vamos mandar mais 140 bilhões de dólares para israel, boa parte para eles comprarem brinquedinhos de guerra, afinal eles foram maltratados e merecem não é mesmo?

    • Por que pena? E por que estariam “aí” para Israel? O que eles fazem que outras nações do mundo não façam melhor? A população em geral não está nem aí se Israel tem as melhores forças armadas do Oriente Médio, também não querem saber de guerras, armamentos, geopolítica, etc. Para Israel ser mais conhecido, é só investir mais em esportes, cultura e na exportação/disseminação disso.

    • Com exceção da maioria dos países islâmicos, Venefavela, Bolívia, Cuba e Coreia do Norte, todo o resto do planeta reconhece Israel. Então a menos que esses países seja sua definição e “mundo”, a sua afirmação não faz o menor sentido.

  17. Anderson, e como se garantem. Não torço para nenhum dos lados, mas Israel me lembra aquele irmãozinho menor que poucos no colégio conseguem encarar e que se precisar defender o irmão mais velho, arrisca a ganhar quase todas! abraços st4

  18. Prezados…

    Pra começo de tudo: a comunidade judaica é hoje pesadamente representada entre as principais entidades financeiras do globo… Quem acha que atacar Israel é factível, experimenta pra ver… Definitivamente, não são somente os mísseis ‘Jericó’ que devem ser temidos…

    Se Israel um dia for “riscado do mapa”, não há dúvidas de que quem faze-lo condenará a si mesmo e a seus aliados.

    É um fato que Israel tem relações intimas com o Tio Sam pelos nossos dias, mas engana-se quem acredita que sempre foi assim… Os primórdios de Israel foram extremamente difíceis. Constituir uma força armada, coesa e profissional, foi talvez o maior desafio, literalmente comprando sucata no mercado negro e contando com doações aqui e acolá da comunidade judaica. Contaram, nas primeiras décadas, principalmente com a assistência dúbia de franceses ( que sempre mantiveram relações íntimas com árabes ).

    E mesmo que hoje Israel receba algum aporte americano, isso não muda o crédito da IDF. Aliás, bom que se diga, a parceria com os americanos é via de mão dupla… E se com isso aquele país já faz o estrago que faz, imagine se fosse diferente… Imaginem se fosse um país do tamanho dos EUA e com sua população…

    No mais, não me consta que soldados americanos estiveram em todas as guerras das quais participaram. Apenas em 1948 há relatos de mercenários americanos voando caças da então incipiente IDF/AF, mas parou aí…

    A ascensão do Estado de Israel remonta a antes da própria ONU. De fato, o que conhecemos hoje por Estado de Israel já estava no casulo desde o terço final do século XIX, quando iniciaram-se as imigrações em massa; mais de 2 milhões de judeus ( principalmente russos ) entre 1870 até a Primeira Guerra Mundial.

    Fora isso, vale dizer que Israel não é apenas um pedaço de chão… É um povo com cultura e idioma próprios com mais de 5000 anos de história. É uma ideia, antes de qualquer coisa…

    Só pra constar: o exército israelense tem um sistema de recrutamento bastante peculiar, em muito inspirado no suíço. Todo o cidadão em idade produtiva é considerado apto para a IDF, sendo que a quase totalidade da população tem algum treinamento militar. Portanto, entre regulares e reservas, estamos falando de um “exército” de 3 milhões de combatentes em potencial, no mínimo… Lembrando que tanto homens quanto mulheres servem…

    • _RR_

      “…a comunidade judaica é hoje pesadamente representada entre as principais entidades financeiras do globo… Quem acha que atacar Israel é factível, experimenta pra ver…”

      Essa foi a coisa mais sem noção que li hoje, tipico daqueles teóricos da conspiração que pensam que os judeus controlam a economia mundial… isso até pode valer (e olhe lá) para ALGUNS países do Oriente Médio, com suas frágeis e nada competitivas economias, mas fora daquela região, Israel/judeus possuem “0” influência. Zero! Os caras mal conseguem sobreviver sem ajuda financeira do Tio Sam, e para que você tenha esse tipo de influência nessas instituições, primeiro você precisa ter dinheiro, MUITO dinheiro (dinheiro seu, não dos outros)

      Diversos países do mundo possuem incontavelmente mais pessoas influentes em ditas instituições do que judeus/Israel, o Brasil inclusive. Israel nasceu ontem, e para ter tamanha influência precisaria de mais uns 350 anos de existência como estado (e muito bem gerido), pois se for depender dos banqueiros judeus, pode esquecer, até porque eles também tem muito a perder com seus negócios ao redor do mundo.

      • ODST ( 11 de Maio de 2018 at 19:53 );

        Não, prezado… Creio que você não entendeu onde eu quis chegar…

        Eles realmente não controlam a economia do globo e nem tem sociedades secretas e blá blá blá… Isso é realmente teoria de conspiração; tanto quanto acreditar que Israel existe apenas por “benevolência” americana…

        E sim… Se Israel fosse depender somente dos recursos gerados dentro de suas atuais fronteiras, ficaria muito mais difícil manter-se.

        Ocorre que as entidades financeiras ( e mesmo outros tipos ) a disposição ou ligadas a comunidade judia e que apoiam Israel ( fora dos círculos estatais num primeiro momento, portanto ), podem eventualmente criar as mais diversas facilidades aos apoiadores do Estado judeu ou ao próprio, gerando divisas ou outras formas de apoio…

        Um exemplo:
        http://g1.globo.com/Noticias/Mundo/0,,MUL454115-5602,00-LOBBY+JUDEU+PILAR+DO+APOIO+POLITICO+E+FINANCEIRO+DOS+EUA+A+ISRAEL.html

        Para que fique claro:
        http://embassies.gov.il/brasilia/AboutIsrael/AmongtheNations/Pages/ENTRE-NACOES-Judeus.aspx

        Como se vê, a luta de Israel pelo seu direito de existir é levada para muito além da esfera militar e econômica. É travada também na disseminação de conhecimento sobre o mundo judeu e os riscos que esse povo sofre. E há claras divergências de como se fazer isso, como também pode ser observado na matéria do G1.

        E mais uma vez: Israel está muito além de um pedaço de chão. É um “Estado” representado em cada judeu, e que se perpetua a 5000 anos… Israel é uma idéia…

  19. Acho engraçado esse pessoal, se falar mal de Israel você já é taxado de antissemita, comunista, esquerdista e nazista. Logo, logo vamos ficar igual a Alemanha que proíbe que pesquisadores formulem qualquer antítese ao holocausto, inclusive punindo com uma bela de uma prisão. Israel permite aborto e parada gay, se você cristão falar mal da parada gay israelense você não será taxado de homofóbico, mas sim de antissemita por causa dos gays israelenses. Que patético!

  20. Tava lendo agora, mandaram a “cavalaria inteira” empregaram 28 caças.

    Interessante a velocidade e prontidão dos judeus, em pouco tempo colocaram em ação quase a quantidade de caças do FX-2 e fizeram uma ataque.

  21. Sugiro aos editores do blog abrirem um quarto, para política e religião, aí o pessoal poderá gladiar a vontade.

    Uma vez um árabe me disse que boa parte desta influência pró Israel no Ocidente, oriunda das religiões protestantes de teologia dispensacionalista é uma manipulação de Israel. Mas eu não comento isso aqui, pois não é o espaço para isso. Não vivo lá e não tomo partido de A ou B, mas gosto de analisar as ações militares.

    E quanto a parte militar, tirando a excelência em tudo o que Israel faz na área militar, o fato real é que Israel tem um monte de ogivas nucleares, deve ter mais de uma centena, além das ogivas também tem os vetores para lançamento seja em aeronaves, ou com submarinos armados com mísseis de cruzeiro, até mísseis de cruzeiro lançados de terra e sei-lá se os balísticos da linha Jericó ainda funcionam. São uma das maiores potências nucleares do planeta e usariam estas armas de destruição em massa com certeza caso estejam prestes a serem derrotados.

    E eles israelenses sabem que suas guerras tem que ser curtas e decisivas, porque simplesmente com um território minúsculo e alguns milhões de habitantes não tem condições de lutar uma guerra prolongada e eles sabem muito bem disso.

    Agora o Irã é persa e não árabe, a Arábia Saudita é a sua grande inimiga e pois mais que mostrem os dentes os iranianos não representam uma ameaça séria a Israel, nem fronteira comum possuem, tudo não passa de uma retórica de afirmação para consumo interno dos aiatolás.

    Os árabes por sua vez não são unidos, bem como são atrasados tecnologicamente e isso não vai mudar tão cedo, por isso tem somente os palestinos fazendo barulho e sozinhos tomando bombas. Agora no futuro outros atores podem entrar no palco, como a Turquia, a Rússia e aí a coisa muda.

  22. A atuação israelense desta semana trouxe todos para a realidade que rola faz um bom tempo naquela região, os israelenses fazem o que querem, a derrubada do F-16 foi um raro momento para as forças sírias, que assistem impotentes e nada podem fazer…..

  23. Israel sempre vai vencer militarmente pois o poder político e militar levam a defesa a sério e são pragmáticos em seus planejamentos o orçamento e verba são gerenciados de maneira inteligente e racional porque cada centavo vai fazer a diferença lá as forças armadas não se tornaram uma imensa repartição pública lotada de lideranças que só pensam em quando vai sair sua promoção

  24. O tema é militar e não economico.

    “Não se aproxime de uma cabra pela frente, de um cavalo por trás ou de um idiota por qualquer dos lados.”

    “O que você não vê com os seus olhos, não testemunhe com a sua boca.”

    Provérbios Judaícos

    Shalom

  25. EUA mandam dinheiro pra Israel, e Israel compra produtos militares americanos. Os melhores operadores dos produtos americanos são exatamente os Israelenses… e ta ruim pra quem?? Pra quem não tem essa parceria…. Engano de quem acha q ideologia fala mais q dinheiro… e de quem acha q tem alguém que movimenta o peão sem interesse próprio… não tem bonzinho na relação entre países, somente interesses

  26. Sou só eu que percebei que alguma coisa não faz sentido?

    Não faz sentido algum Irã querer atacar Israel ou quem quer que seja porque é lógico que isso significaria a queda do regime. Ou isso não daria motivos pra OTAN intervir? Por muito menos invadiram Iraque e Afeganistão e derrubaram os regimes.

    Alguém acreditou que o ditador da Coreia no Norte acordou de manhã, comeu seus ovos com bacon, e depois de uma profunda reflexão percebeu que o “melhor para o país era entrar em acordo com seus adversários?” Coisa nenhuma. O que ele percebeu foi um risco eminente (que nós aqui em baixo nunca saberemos qual foi) à sua permanência no poder caso não cedesse. Ou alguém aqui é ingênuo de achar que CN e Irã é que são ingênuos de acreditar que tem alguma chance num eventual conflito.

    Rapaz… esse povo aqui gosta demais de teorias de conspiração e gerra. Parece que torcem pra acontecer.

LEAVE A REPLY

Please enter your comment!
Please enter your name here